PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA PPQ 06/2

805 visualizações

Publicada em

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA PPQ 06/2

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
805
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
91
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA PPQ 06/2

  1. 1. 1.00 SEM OBJETIVOS BEM DEFINIDOS, SOMENTE POR ACASO, CHEGAREMOS A ALGUM LUGAR PPQ 06/2 PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ARTILHARIA 3ª Edição - 2001
  2. 2. 3.00 FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃO PECULIAR DE ARTILHARIA) OBJETIVODAINSTRUÇÃOINDIVIDUALDEQUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃOPECULIARDEARTILHARIA) CAPACITAR O SOLDADO PARA SER EMPREGADO NA DEFESA EXTERNA
  3. 3. 4.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.00 01. Finalidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.00 02. Objetivos da Fase ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 8.00 03. Estrutura da Instrução-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8.00 04. Direção e Condução da Instrução -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 10.00 05. Tempo Estimado------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 11.00 06. Validação do PPQ 06/2 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.00 07. Estrutura do PPQ 06/2---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 11.00 08. Normas Complementares ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 12.00 II. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 13.00 01. Quadro Geral de Distribuição de Tempo ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 14.00 02. Quadro de Distribuição do Tempo Destinado à Instrução Peculiar por Grupamento de Instrução ------------------------------------------------ 15.00 III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE ARTILHARIA ------------------------------------------------------------------------------------------------------ 21.00 01. MP 08. Comunicações na Artilharia ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 22.00 02. MP 09. Escola da Peça – AAe ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 23.00 03. MP 10. Escola da Peça – LMF -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 38.00 04. MP 11. Escola da Peça – Mísseis -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 40.00 05. MP 12. Escola da Peça – Obuseiros ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 44.00 06. MP 13. Manutenção do Material-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 46.00 07. MP 14. Material de Artilharia – AAe ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 49.00 08. MP 15. Material de Artilharia – LMF------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 68.00 09. MP 16. Material de Artilharia – Mísseis -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 71.00 10. MP 17. Material de Artilharia – Obuseiros ----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 81.00 11. MP 18. Munições de Artilharia para AAe----------------------------------------------------------------------------------------------------------- 87.00 12. MP 19. Munições de Artilharia para LMF ------------------------------------------------------------------------------------------------------------ 89.00 13. MP 20. Munições de Artilharia para Obuseiros ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 91.00 14. MP 21. Organização do Terreno e Camuflagem do Material de Artilharia ------------------------------------------------------------------ 94.00
  4. 4. 5.00 15. MP 22. Suprimento - Classe V ( MUNIÇÃO)--------------------------------------------------------------------------------------------------------- 96.00 16. MP 23. Técnica de Tiro da Artilharia - AAe-------------------------------------------------------------------------------------------------------- 108.00 17. MP 24. Técnica de Tiro da Artilharia - Obuseiros--------------------------------------------------------------------------------------------------111.00 18. MP 25. Topografia do Artilheiro - Noções Básicas ----------------------------------------------------------------------------------------------- 119.00 19. MP 26. Topografia do Artilheiro - Específica------------------------------------------------------------------------------------------------------ 123.00 20. MP 27. Trabalhos na Unidade de Tiro (UT) - AAe ------------------------------------------------------------------------------------------------ 131.00 21. MP 28. Trabalhos na Linha de Fogo - LMF -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 134.00 22. MP 29. Trabalhos na Linha de Fogo - Mísseis ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 136.00 23. MP 30. Trabalhos na Linha de Fogo - Obuseiros ------------------------------------------------------------------------------------------------- 140.00
  5. 5. 7.00 Em razão do Sistema de Validação (SIVALI - PP), que manterá este documento permanentemente atualizado, o presente exemplar deverá ser distribuído com vinculação funcional e mantido sob controle da OM, responsável pela execução da instrução. As páginas que se seguem contêm uma série de informações, cuja leitura é considerada indispensável aos usuários do presente Programa-Padrão de Instrução. I. INTRODUÇÃO
  6. 6. 8.00 I. INTRODUÇÃO 1. FINALIDADE Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de Qualificação - Instrução Peculiar (FIIQ-IP) e define objetivos que permi- tam qualificar o Combatente, isto é, o Cabo e o Soldado de Artilharia, aptos a ocupar cargos correspondentes às suas funções nas diversas Organizações Mililtares, passando-os à condição de Reservista de Pri- meira Categoria (Combatente Mobilizável). 2. OBJETIVOS DA FASE a. Objetivos Gerais 1) Qualificar o Combatente. 2) Formar o Cabo e o Soldado, habilitando-os a ocupar cargos previstos para uma determinada QMP de uma QMG na U/SU. 3) Formar o Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável). 4) Prosseguir no desenvolvimento do valor moral dos Cabos e Soldados. 5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre comandantes (em todos os níveis) e comandados. b. Objetivos Parciais 1) Completar a formação individual do Soldado e formar o Cabo. 2) Aprimorar a formação do caráter militar dos Cb e Sd. 3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar. 4) Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos neces- sários à vida militar. 5) Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à forma- ção do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos das QMG/QMP. 6) Aprimorar os reflexos necessários à execução de técnicas e táticas individuais de combate. 7) Desenvolver habilitações técnicas que correspondem aos co- nhecimentos e as habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais bélicos e a operações de equipamentos militares. 8) Aprimorar os padrões de Ordem Unida obtidos na IIB. 9) Prosseguir no desenvolvimento da capacidade física do com- batente. 10) Aprimorar reflexos na execução de Técnicas e Táticas Indivi- duais de Combate. c. Objetivo-síntese - Capacitar o soldado para ser empregado na Defesa Externa. 3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO a. Características 1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados por Cabos e Soldados, nas diversas QMG/QMP. Portanto, as matérias, os assuntos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às peculiaridades dos diferentes cargos existentes. 2) A instrução do CFC e CFSd compreende: a) matérias comuns a todas QMG/QMP; b) matérias peculiares, destinadas a habilitar o Cb e Sd a ocu- par determinados cargos e a desempenhar funções específicas, dentro de sua QMP; e c) o desenvolvimento de atitudes e habilidades necessárias à formação do Cb e Sd para o desempenho de suas funções específicas.
  7. 7. 9.00 3) As instruções comum e peculiar compreendem: a) um conjunto de matérias; b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria; c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos Individuais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a conhecimentos, habilidades e atitudes. 4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de habilidades necessárias à Qualificação do Cabo e do Soldado. 5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de for- ma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias necessárias à formação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, fo- ram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada para grupamentos de militares que, posteriormente, serão designados para o exercício de funções correlatas. 6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbito de uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamento que se reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos seguintes pressupostos: a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as atividades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição, equipe ou grupo; b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e c) possibilitar ao militar condições de substituir, temporaria- mente, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo. Desses pressupostos, decorre que a instrução relacionada a cargos exercidos dentro de uma guarnição de peça, de carro de combate (ou CBTP), de equipamentos (ou materiais), dentro de um grupo de combate ou de um grupo de exploradores, está prevista, tanto quanto possível, para ser ministrada em conjunto, a todos os integrantes dessas frações. 7) As sugestões para objetivos intermediários são apresentadas como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto pode corresponder um ou vários objetivos intermediários. Outros objetivos intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes deste PP. O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da matéria, na determinação dos objetivos intermediários a serem atingi- dos. 8) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados aos conhecimentos e às habilidades, correspondem aos comportamentos que o militar deve evidenciar, como resultado do processo ensino-apren- dizagem a que foi submetido no âmbito de determinada matéria. Uma mesma matéria compreende um ou vários OII. Um Objetivo Individual de Instrução, relacionado a conhecimentos ou habilidades, compreende: a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução; b) a(s) condição (ões) de execução que indica(m) as circuns- tâncias ou situações oferecidas ao militar, para que ele execute a tarefa proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em consideração as di- ferenças regionais e as características do militar; e c) o padrão mínimo a ser atingido determina o critério da ava- liação do desempenho individual. 9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados à Àrea Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacio- nal exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos ministrados. Os OII compreendem os seguintes elementos: a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua respectiva definição; b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo pode- rá ser observado; e c) o padrão - evidência do atributo.
  8. 8. 10.00 Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre- ciando o comportamento do militar em relação aos atributos da Área Afetiva, considerados no PPB1/PPB2, ao longo da fase de Instrução. b. Fundamentos da Instrução Individual Consultar o PPB/1. 4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO a. Responsabilidades 1) O Comandante , Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe, assessorado pelo S 3, planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permi- tam aos Comandantes de Subunidades e(ou) de Grupamento de Instrução elaborarem a programação semanal de atividades e a execu- ção da instrução propriamente dita. 2) O Grupamento de Instrução do Curso de Formação de Cabos (CFC) deverá ser dirigido por um oficial, de preferência Capitão, que será o responsável pela condução das atividades de instrução do curso. O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es- tabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos , tendo em vista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM à consecução dos Objetivos da Fase. b. Ação do S3 1) Realizar o planejamento da Fase de Instrução Individual de Qualificação, segundo o preconizado no PBIM e nas diretrizes e(ou) or- dens dos escalões enquadrantes. 2) Coordenar e controlar a instrução do CFC e do CFSd, a fim de que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e consentânea com prazos e interesses conjunturais, complementando os critérios para os padrões mínimos, quando necessário. 3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condi- ções de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para a instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos pre- vistos nos OII. 5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a garantir uma distribuição equitativa pelas Subunidades ou Grupamento de Instrução. 6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibi- lidade e a otimização da instrução do EV com a do NB (CTTEP). c.Ação dos Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução Os Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução de- verão ser chefes de uma equipe de educadores a qual, por meio de ação contínua, exemplos constantes e devotamento à instrução, envidarão todos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos padrões mínimos exigidos nos OII previstos para a FIIQ. d. Métodos e Processos de Instrução 1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias, os Assuntos, as Tarefas, e os Objetivos Intermediários. 2) Os métodos e processos de instrução, preconizados nos ma- nuais C 21-5 e T 21-250 e demais documentos de instrução, deverão ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII relacio- nados a conhecimentos e habilidades, definidos sob a forma de “tarefa”, “condições de execução” e “padrão mínimo”, sejam atingidos pelos instruendos. 3) Durante as sessões de instrução, o Soldado deve ser coloca- do, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes às que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo
  9. 9. 11.00 preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21-250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, o desempenho das fun- ções em situação de combate ou de apoio ao combate. 4) Em relação a cada uma das matérias da QMP, o instrutor deverá adotar os seguintes procedimentos: a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos inter- mediários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assuntos e as sugestões para objetivos intermediários são podero- sos auxiliares da instrução.Os objetivos intermediários fornecem uma orientação segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, portanto, pré-requisitos para esses OII. b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equipe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las realmente aplicáveis na fase de avaliação; e 5) Todas as questões levantadas quanto à adequação das “con- dições de execução” e do “padrão mínimo” deverão ser levadas ao Comandante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial. 6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos du- rante toda a fase e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas as vivências do Soldado no ambiente militar. O de- senvolvimento de atitudes apóia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresentados pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução. 5. TEMPO ESTIMADO a. A carga horária estimada para o período é de 320 horas de atividades diurnas distribuídas da seguinte maneira: 1) 88 (oitenta e oito) horas destinadas à Instrução Comum; 2)168(centoesessentaeoito)horasdestinadasàInstruçãoPeculiar;e 3) 64 (sessenta e quatro) horas destinadas aos Serviços de Escala. b. O emprego das horas destinadas aos Serviços de Escala deverá ser otimizado no sentido de contemplar além das atividades de serviços de escala, propriamente ditas, as relativas à manutenção do aquartelamento, recuperação da instrução de Armamento, Munição e Tiro e outras atividades de natureza conjuntural imposta à OM. c. A Direção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas por alguns dos OII da FIIQ, deverá prever atividades noturnas com carga horá- ria compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos. d. Tendo em vista os recursos disponíveis na OM, as características e o nível da aprendizagem dos militares, bem como outros fatores que porventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de carga horária discriminada no presente PP, mas mantendo sempre a priori- dade para o CFC. 6. VALIDAÇÃO DO PPQ 06/2 Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP. 7. ESTRUTURA DO PPQ 06/2 a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a instrução prevista para um cargo ou conjunto de cargos afins de uma mes- ma QMP. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os conteú- dos de cada matéria são assuntos que a compõem. Para cada assunto, apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s) intermediário(s), que têm a finalidade de apenas orientar o instrutor. A um conjunto de assun- tos pode corresponder um ou mais OII.
  10. 10. 12.00 b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação: Exemplo: 3 Q – 305 - O numero 3 indica a matéria Comunicações. - Q indica que o OII se refere à “Fase de Qualificação”. - O primeiro número da centena indica o tipo: 300 - Instrução Comum da IIQ 400 - Instrução Peculiar da IIQ - A dezena 05, o número do OII dentro da matéria, no caso “Transmitir uma mensagem por rádio”. Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o OII (FC, OP etc), conforme orientado no PPB/1. 8. NORMAS COMPLEMENTARES a. Este Programa-Padrão regula a formação dos militares nas QMG/ QMP de Artilharia, relativas aos cargos previstos nas Normas Regula- doras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situações das Praças do Exército, em vigor. b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações específicas, definidos nas normas supramencionadas, deverão ser ocu- pados por militares qualificados e que tenham participado de um Trei- namento Específico ( Trn Epcf ). c. O Tr Epc é determinado e estabelecido pelos Comandantes, Chefe e(ou) Diretores de OM, e constitui-se na prática, acompanhada e orientada, de uma atividade com a finalidade de habilitar as praças para o desempenho de cargos previstos nos QC ou no exercício de um traba- lho específico, nas respectivas OM, que exijam esse tipo de Habilitação Especial. d. Esse treinamento pode coincidir, no todo ou em parte, com as atividades da Capacitação Técnica e Tática do Efetivo Profissional (CTTEP) e não possui, normalmente, Programa-Padrão específico e tem- po de duração definidos. O início e o término, bem como o resultado da atividade, julgando cada militar “APTO” ou “INAPTO” para o cargo, serão publicados no BI da OM. e. No caso particular de Trn Epcf realizado por OM que possuem Contigente, visando a habilitar seus cabos e soldados a ocuparem car- gos específicos, de interesse da OM e da Mobilização, será necessária a aprovação, pelo COTER, do respectivo PP, o qual será proposto pelas OM interessadas. f. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as): 1) PBIM, expedido pelo COTER; e 2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados pelos Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades.
  11. 11. 13.00 Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma proposta para a distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa à Qualificação do Combatente. O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em função dos recursos disponíveis, das características dos instruendos e de outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias discriminadas na distribuição sugerida. . II. PROPOSTAPARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO Os quadros apresentados indicam os números das matérias peculiares que deverão constar dos programas de treinamento de cada um dos grupamentos de instrução mencionados neste PP.
  12. 12. 14.00 1. QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO A T I V I D A D E S INSTRUÇÃO A Dispo C m t S v Escala Total Comum Peculiar Noturna 06 01 Cmb Cmp Gu Pç - Obuseiro 88 168 A critério da Direção de Instrução Nenhuma 64 320 Gu AV - LMU Gu AV - RMD Pes Rem - Obuseiro Pes Rem - Foguetes 02 Cmb A AAe Gu Pç - Can AAe 35 mm Gu Pç - Can AAe 40 mm C 60 Gu Pç - Can AAe 40 mm C 70 Gu EDT - Superfledermus Gu EDT - Fila Gu Pç - Msl Pes Rem - Can AAe 03 Cmb A Cos Gu AV - LMU Gu AV - RMD Pes Rem - Foguetes 04 Dir Tir Pes Dir Tir - Cmp Pes Dir Tir - AAe 15 Lev Obs Pes Lev Obs - Cmp Pes Lev Obs - AAe
  13. 13. 15.00 2. QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO DESTINADO À INSTRUÇÃO PECULIAR POR GRUPAMENTO DE INSTRUÇÃO QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO N r MATÉRIAS PECULIARES Horas 06 01 Cmb Cmp Gu Pç - Obuseiro 12 Escola da Peça – Obuseiros 15 13 Manutenção do Material 32 17 Material de Artilharia – Obuseiros 20 20 Munições de Artilharia para Obuseiros 15 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 30 Trabalhos na Linha de Fogo – Obuseiros 80 SOMA 168 Gu AV - LMU 10 Escola da Peça – LMF 15 13 Manutenção do Material 32 15 Material de Artilharia – LMF 20 19 Munições de Artilharia para LMF 15 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 28 Trabalhos na Linha de Fogo – LMF 80 SOMA 168 Gu AV - RMD 10 Escola da Peça – LMF 15 13 Manutenção do Material 32 15 Material de Artilharia – LMF 20 19 Munições de Artilharia para LMF 15 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 28 Trabalhos na Linha de Fogo – LMF 80 SOMA 168
  14. 14. 16.00 2 . Q U A D R O D E D IS T R IB U IÇ Ã O D E T E M P O D E S T IN A D O À IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R P O R G R U P A M E N T O D E IN S T R U Ç Ã O Q M G Q M P G R U P A M E N T O S D E IN S T R U Ç Ã O N r M A T É R IA S P E C U L IA R E S H o r a s 0 6 0 1 C m b C m p P e s R e m - O b useiro 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 7 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a - O b u s e i r o s 2 0 2 0 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a O b u s e i r o s 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 2 S uprim e n to – C la s s e V ( M U N IÇ Ã O ) 9 5 S O M A 1 6 8 P e s R e m - F o g u e t e s 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 5 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – L M F 2 0 1 9 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a L M F 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 2 S uprim e n to – C la s s e V ( M U N IÇ Ã O ) 9 5 S O M A 1 6 8 0 2 C m b A A e G u P ç - C a n 3 5 m m 0 9 E s c o la d a P e ç a – A A e 1 5 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 4 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – A A e 2 0 1 8 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a A A e 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 7 Tra b a lho s n a U n i d a d e d e T i r o - A A e 8 0 S O M A 1 6 8 G u P ç - C a n 4 0 m m C 6 0 0 9 E s c o la d a P e ç a – A A e 1 5 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te rial de Artilharia 3 2 1 4 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – A A e 2 0 1 8 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a A A e 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 7 Tra b a lho s n a U n i d a d e d e T i r o - A A e 8 0 S O M A 1 6 8
  15. 15. 17.00 2. QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO DESTINADO À INSTRUÇÃO PECULIAR POR GRUPAMENTO DE INSTRUÇÃO QMG QMP GRUPAMENTOS DE INSTRUÇÃO N r MATÉRIAS PECULIARES Horas 06 02 Cmb AAe Gu Pç - Can AAe 40 mm C 70 09 Escola da Peça – AAe 15 13 Manutenção do Material 32 14 Material de Artilharia – AAe 20 18 Munições de Artilharia para AAe 15 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 27 Trabalhos na Unidade de Tiro - AAe 80 SOMA 168 Gu EDT - Superfledermus 09 Escola da Peça – AAe 15 13 Manutenção do Material 32 14 Material de Artilharia – AAe 20 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 23 Técnica de Tiro da Artilharia - Mat AAe 15 27 Trabalhos na Unidade de Tiro - AAe 80 SOMA 168 Gu EDT - Fila 09 Escola da Peça - AAe 15 13 Manutenção do Material 32 14 Material de Artilharia - AAe 20 21 Organização do Terreno e Camuflagem do Mat Art 6 23 Técnica de Tiro da Artilharia - Mat AAe 15 27 Trabalhos na Unidade de Tiro - AAe 80 SOMA 168
  16. 16. 18.00 2 . Q U A D R O D E D IS T R IB U IÇ Ã O D E T E M P O D E S T IN A D O À IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R P O R G R U P A M E N T O D E IN S T R U Ç Ã O Q M G Q M P G R U P A M E N T O S D E IN S T R U Ç Ã O N r M A T É R IA S P E C U L IA R E S H o r a s 0 6 0 2 C m b A A e G u P ç - M s l 11 E s c o la d e P e ç a s - M ís s e i s 1 5 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 6 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – M ís s e i s 3 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 9 Tra b a lho s n a L i n h a d e F o g o – M s I A A e 8 0 S O M A 1 6 8 P e s R e m - C a n A A e 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 4 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a - A A e 2 0 1 8 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a A A e 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 2 S uprim e n to – C la s s e V ( M U N IÇ Ã O ) 9 5 S O M A 1 6 8 0 3 C m b A C o s G u A V - L M U 1 0 E s c o la d a P e ç a – L M F 1 5 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 5 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – L M F 2 0 1 9 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a L M F 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 8 Tra b a lho s n a L i n h a d e F o g o – L M F 8 0 S O M A 1 6 8 G u A V - R M D 1 0 E s c o la d a P e ç a – L M F 1 5 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 5 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – L M F 2 0 1 9 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a L M F 1 5 2 1 O r g a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 8 Tra b a lho s n a L i n h a d e F o g o – L M F 8 0 S O M A 1 6 8
  17. 17. 19.00 2 . Q U A D R O D E D IS T R IB U IÇ Ã O D E T E M P O D E S T IN A D O À IN S T R U Ç Ã O P E C U L IA R P O R G R U P A M E N T O D E IN S T R U Ç Ã O Q M G Q M P G R U P A M E N T O S D E IN S T R U Ç Ã O N r M A T É R IA S P E C U L IA R E S H o r a s 0 6 0 3 C m b A C o s P e s R e m - F o g u e te s 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 1 5 M a te r i a l d e A r t i l h a r i a – L M F 2 0 1 9 M u n i ç õ e s d e A r t i lh a r i a p a r a L M F 1 5 2 1 O rg a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 2 S u p r i m e n to – C la s s e V ( M U N IÇ Ã O ) 9 5 S O M A 1 6 8 0 4 D ir Tir P e s D ir Tir - C m p 8 C o m u n i c a ç õ e s n a A r tilha ria 1 2 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 2 1 O rg a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 4 T é c n i c a d e T i r o d a A r tilha r i a – O b u s e i r o s 1 0 0 2 5 To p o g ra fia d o A rtilhe i r o - N o ç õ e s B á s i c a s 1 8 S O M A 1 6 8 P e s D ir Tir - A A e 8 C o m u n i c a ç õ e s n a A r tilha ria 1 2 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 2 1 O rg a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 3 T é c n i c a d e T i r o d a A r tilha r i a – M a t A A e 1 0 0 2 5 To p o g ra fia d o A rtilhe i r o - N o ç õ e s B á s i c a s 1 8 S O M A 1 6 8 1 5 L e v O b s P e s L e v O b s - C m p 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 2 1 O rg a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 5 To p o g ra fia d o A rtilhe i r o - N o ç õ e s B á s i c a s 1 8 2 6 To p o g ra fia d o A r tilhe i r o - E s p e c ífic a 1 1 2 S O M A 1 6 8 P e s L e v O b s - A A e 1 3 M a nute n ç ã o d o M a te r i a l 3 2 2 1 O rg a n i z a ç ã o d o Te r r e n o e C a m ufla g e m d o M a t A rt 6 2 5 To p o g ra fia d o A rtilhe i r o - N o ç õ e s B á s i c a s 1 8 2 6 To p o g ra fia d o A r tilhe i r o - E s p e c ífic a 1 1 2 S O M A 1 6 8
  18. 18. 21.00 III. MATÉRIASPECULIARESDAS QMP DE ARTILHARIA A seguir, são apresentadas, em ordem alfabética, as matérias peculiares das QMP de Artilharia.
  19. 19. 22.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 08. COMUNICAÇÕES NA ARTILHARIA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h - Transmitir e receber mensagens de tiro utili- zando o rádio. - A tarefa será considerada correta se o militar obedecer às regras de exploração durante a missão de tiro. Q-404 (OP) - O militar será colocado como operador de um rádio. - Em outro rádio estará um monitor que transmitirá uma missão de tiro (TSZ). - Os dados para a transmissão por parte do militar serão fornecidas pelo instrutor à medida que a mis- são for se desenvolvendo. - O militar será colocado como operador de um telefone. - Em outro telefone estará um mo- nitor que transmitirá uma missão de tiro (TSZ). - Os dados para a transmissão por parte do militar serão fornecidas pelo instrutor à medida que a mis- são for se desenvolvendo. - Transmitir e receber mensagens de tiro utili- zando o telefone de cam- panha. - A tarefa será considerada correta se o militar obedecer às regras de exploração durante a missão de tiro. Q-402 (OP) - Identificar os meio de comunicação existentes na OM. - Instalar e operar os meios de comu- nicação utilizados para recebimento e transmissão de missões de tiro. - Identificar os circuitos do Sistema Fio do GAC e Bia O. - Identificar os postos-rádios que compõem as redes de tiro do GAC e Bia O. 1. Meios de comunicação de campanha a. Apresentação; b. Características; c. Manuseio; e d. Regras de exploração. 2. Sistema de Com por Fio do GAC e Bia O. 3. Sistema de Com por Rádio do GAC e Bia O. - Conhecer o Sistema de comunicações por Rádio da Artilharia. - O militar deverá identificar os postos-rádio que compõe as re- des de tiro do GAC e Bia O. Q-403 (AC) - Apresentado, ao militar, o Siste- ma de Comunicações por Rádio da Artilharia. - Conhecer o Sistema de Comunicações por Fio da Artilharia. - O militar deverá identificar os circuitos do Sistema Com por Fio do GAC e Bia O. Q-401 (AC) - Apresentado, ao militar, o Siste- ma de Comunicações por Fio da Artilharia.
  20. 20. 23.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - O militar deverá enumerar seu posto e designar sua função corretamente. - Este OII será cumprido seqüen- cialmente ao anterior. Q-403 (OP) Can AAe 35mm - Ocupar posição em for- ma como integrante da guarnição da peça. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá formar, corretamente, para todos os co- mandos recebidos. Q-402 (OP) - Serão dispostos no terreno pe- ças acionadas, não acionadas e em posição de marcha. - O instrutor deverá atribuir a cada um dos militares uma função ini- cial. - Será dado uma série de coman- dos relativos às formações da guarnição da peça. I. Can A Ae 35mm 1. Composição da peça em pes- soal e material. 2. Definições de peça acionada, não acionada, em posição de marcha e em posição de tiro. 3. Definições de posições em re- lação à peça. - Definir peça. - Identificar a composição da peça em pessoal e material. - Distinguir peça acionada e não aci- onada, peça em posição de marcha e em posição de tiro. - Identificar a direita, a esquerda, a frente e a retaguarda de uma peça. - Dispor o material na posição. - Serão dispostos no terreno pe- ças acionadas, não acionadas, em posição de marcha e em posição de tiro. Can AAe 35mm - Identificar peças aciona- das, não acionadas, em posição de marcha e em posição de tiro. (Para a guarnição dotada do material) - Todas as identificações deve- rão ser feitas corretamente. Q-401 (AC) 4. Formações da guarnição para os diversos comandos. - Tomar a posição na formação co- mandada, de acordo com cada uma das funções que o servente pode desempenhar em uma peça. Can AAe 35amm - Enumerar postos e de- signar funções. (Para a guarnição dotada do material)
  21. 21. 24.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentados ao militar: - um canhão em posição de tiro; - os limites esquerdo e direito do setor de segurança, no terreno; e - os azimutes para o limite esquer- do e direito. Can AAe 35mm - Realizar a interdição dos setores de tiro por pontaria direta. (Para a guarnição dotada do material) - Após a limitação do setor, o militar deverá: - verificar a correta visada nos pontos limites do setor; - verificar o registro dos pontos limites do limitador em direção; - verificar se a limitação em ele- vação foi executada corretamen- te; e - verificar, através do disparo elétrico, se a peça não está dis- parando dentro do setor limita- do. Q-405 (TE) 5. Acionamento da peça eletri- camente a. Em ação - “Preparar para desenga- tar”, “Desengatar o canhão e o grupo gerador“, “À braços (re- taguarda, frente, direita e es- querda)”, “Pegar na parlamenta e preparar o grupo gerador”, “Po- sição de tiro e verificações an- tes da partida do grupo gerador”, “Partida do grupo gerador”, “Li- gar energia” e “Guarnecer”. b. Comandos interruptivos - “Alto”, “Repousar”, “Abri- gar”, “Guarnecer” e “Em ação”. c. Saída de posição - “Mudança de posição”, “Posição de marchar”, “Desligar energia e desconectar os ca- bos”, “Atracar parlamenta” e “En- gatar”. d. Limitação dos setores de segurança - Interdição de setores por pontaria direta e interdição de zonas por inspeção. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções que o servente pode desempenhar na peça, de acordo com o comando re- cebido. - Realizar a interdição dos setores de tiro. - Realizar a interdição de áreas de tiro. - Citar e executar as diversas ações correspondentes a cada uma das verificações antes do tiro. - Orientar a peça. - Determinar as paralaxes. - Amarrar a orientação. Can AAe 35mm - Executar as ações cor- respondentes ao aciona- mento elétrico do canhão. (Para a guarnição dotada do material) - Executar, corretamente, todas as ações correspondentes aos comandos recebidos. 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-404 (TE) - Apresentados, aos militares, um canhão e um grupo gerador enga- tados e com todo o material orgâ- nico embarcado em suas respec- tivas viaturas. - Um número de militares igual ao número de serventes será esco- lhido aleatoriamente pelo instrutor. - O instrutor deverá atribuir a cada servente uma função inicial dan- do, em seguida, uma série de co- mandos. - Após cada série de comandos, haverá rodízio nas funções sendo repetido este comportamento tantas vezes quantas forem ne- cessárias a que todos os milita- res passem por todas as funções.
  22. 22. 25.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentados, ao militar, um canhão em posição de tiro e o azimute de orientação da CDT. Can AAe 35mm - Orientar o canhão (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá: - passar a peça para operação manual (por meio de manivelas de azimute e orientação); - realizar a visada sobre a luneta do reparo da CDT; e - registrar o azimute transmiti- do pelo Cmt da Unidade de tiro com erro Máximo de 0,5’’’. Q-407 (TE) e. Ações antes do tiro - Verificações do funciona- mento mecânico, do nivelamen- to, do arrastamento, do funcio- namento elétrico, da limitação dos setores de segurança, do apa- relho de pontaria e da Posição de Remuniciamento. f. Trabalhos de seção - Orientação, determinação das paralaxes, pontos de refe- rência e verificação do azimute das peças, amarração da orien- tação, verificações (deriva de referência, azimute de orienta- ção e transmissão) e ajustagem da tensão de transmissão. g. Serviço da peça em ação (preparação para o tiro) - Preparar os carregadores da lâmina e da munição, municiar os cofres de munição e dos ali- mentadores automáticos, alimen- tar, carregar, desmuniciar e re- municiar. - Verificar: - Deriva de referência; - Azimute de orientação; e - Transmissões com ponto afastado, sem ponto afastado e com alvo mó- vel. - Ajustar a tensão de transmissão. - Preparar os carregadores de lâmi- na e da munição. - Municiar os cofres de munição e os alimentadores automáticos. - Alimentar, carregar, desmuniciar e remuniciar a peça. Can AAe 35mm - Verificar o canhão antes do tiro com energia liga- da. (Para a guarnição dotada do material) - Apresentado, ao militar, um canhão em posição de tiro com energia ligada. - Serão dados comandos para realização das verificações. - O militar deverá executar as ve- rificações do: - funcionamento mecânico; - nivelamento; - arrastamento; - funcionamento elétrico; - limitação dos setores de se- gurança; e do - aparelho de pontaria. - O militar deverá obedecer a se- qüência correta dentro de cada verificação. - Após o término das verifica- ções, o instrutor deverá verifi- car: - o correto funcionamento da peça; - se a lâmpada testemunho de nivelamento acende ao ser pres- sionado o botão de nivelamen- to; e - se os tubos se posicionam cor- retamente ao ser pressionado o botão “posição de remunicia- mento”. 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-406 (TE)
  23. 23. 26.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentados, aos militares, 10 carregadores de lâmina municia dos e uma peça em posição de tiro. - O instrutor escolherá, aleatoria- mente 2 militares. Can AAe 35mm - Municiar os alimentado- res automáticos. (Para a guarnição dotada do material) - Os militares deverão: - colocar a alavanca “I-O” na po- sição “O”; - municiar os alimentadores com 5 carregadores cada; - voltar a alavanca “I-O” para a posição “I”; - interruptor “I-O” na posição “I”; - alimentar a peça corretamen- te; e - o interruptor “10-3” deverá es- tar em 10. Q-410 (TE) Can AAe 35mm - Verificar as transmissões. (Para a guarnição dotada do material) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão em posição de tiro com ener- gia ligada, um ponto afastado e um balão com refletor. - O balão deverá ser largado próxi- mo à posição da unidade de tiro. - O instrutor escolherá, aleatoria- mente, 2 (dois) militares. - Os militares deverão passar a peça para automático e realizar as leituras corretas na luneta panorâmica. - A luneta panorâmica deverá ser colocada, anteriormente, a zero. 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-408 (TE) Can AAe 35mm - Ajustar a transmissão em direção e elevação. (Para a guarnição dotada do material) - Apresentado, ao militar, um canhão em posição de tiro com energia ligada. - Serão dados os comandos para ajustagem em direção e elevação. - O militar deverá: - passar a Peça para automático; - selecionar, no instrumento de tensão de zero de erro, o acom- panhamento comandado (dire- ção ou elevação); e - agindo no potenciômetro do instrumento, ajustar as tensões de transmissão. Q-409 (TE) Can AAe 35mm - Municiar os carregado- res de lâmina. (Para a guarnição dotada do material) - Apresentado, ao militar, um cunhete com munição de manejo e um carregador de lâmina. - Ao término da operação, o car- regador deverá estar municia- do com 7 (sete) cartuchos. Q-411 (TE)
  24. 24. 27.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentado ao militar um canhão em posição de tiro sem a energia ligada. - Serão dados comandos para a realização das verificações. Can AAe 35mm - Verificar o canhão antes do tiroc sem energia ligada. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá realizar, corre- tamente, as verificações do fun- cionamento mecânico, do apa- relho de pontaria e do nivela- mento. - O militar deverá obedecer a seqüência correta dentro de cada verificação. - Após o término das verifica- ções, o militar deverá verificar: - se os níveis estão entre repa- ros; e - se as armas estão funcionan- do corretamente. Q-413 (TE) 6. Acionamento da Peça mecani- camente a. Em ação - “Preparar para desenga- tar”, “Desengatar”, “A braços (retaguarda, frente, direita e es- querda)”, “Pegar na parlamenta”, “Posição de Tiro”, e “Guarnecer”. b. Comandos interruptivos - “Alto”, “Repousar”, “Abri- gar”, “Guarnecer” e “Em ação”. c. Saída de posição - “Mudança de posição”, “Posição de marchar”, “Atracar a parlamenta” e “Engatar”. d. Verificações antes do tiro - Verificação do funciona- mento mecânico, do aparelho de pontaria e do nivelamento. e. Serviço da peça em ação (preparação para o tiro) - Preparar os carregadores de lâmina e da munição, municiar os cofres de munição e alimen- tadores automáticos, alimentar, carregar, desmuniciar e remuni- ciar. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções que o servente pode desempenhar na peça de acordo com o comando recebido. - Citar as diversas verificações a serem executadas antes do tiro. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das verificações an- tes do tiro. - Municiar os cofres de munição e alimentadores automáticos. - Alimentar a peça. - Carregar a peça. - Desmuniciar a peça. - Remuniciar a peça. Can AAe 35mm - Executar as ações correspondentes ao acionamento mecânico do canhão. (Para a guarnição dotada do material) - Apresentados, aos militares, um canhão e um grupo gerador enga- tados e com todo o material orgâ- nico embarcado. - O instrutor avisará aos militares que o grupo gerador se encontra em pane. - Um número de militar igual ao número de serventes será esco- lhido e, para cada um deles, deve- rá será atribuída uma função inici- al. - Em seguida, uma série de coman- dos relativos ao acionamento da peça serão efetuados. - Após cada série de comandos, haverá rodízios nas funções, sen- do repetido este comportamento tantas vezes quantas forem ne- cessárias para que os militares passem por todas as funções. - Cada militar deverá realizar corretamente, dentro de cada função todas as operações cor- respondentes aos comandos recebidos. 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-412 (TE)
  25. 25. 28.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Can AAe 35mm - Municiar os alimentado- res automáticos e alimen- tar as armas. (Para a guarnição dotada do material) - Os militares deverão: - colocar a alavanca “I-O” na po- sição “O”; - municiar os alimentadores com 5 carregadores cada; - voltar a alavanca “I-O” para a posição “I”; e - realizar a alimentação através da catraca manual. - a arma deverá ser alimentada corretamente. Q-415 (TE) - Apresentados, aos militares, 10 carregadores de lâmina municia- dos e uma peça em posição de tiro. - O instrutor escolherá, aleatoria- mente, 2 militares. - Apresentados, aos militares, um cunhete com munição de manejo e um carregador de lâmina. Can AAe 35mm - Municiar os carregado- res de lâmina. (Para a guarnição dotada do material) - Ao término da operação, o carregador deverá estar municiado com 7 (sete) cartuchos. Q-414 (TE)
  26. 26. 29.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - O militar deverá enumerar seu posto e designar sua função corretamente. - Este OII será cumprido seqüen- cialmente ao anterior. Q-418 (OP) Can AAe 40mm C 60 - Ocupar posição em for- ma como integrante da guarnição da peça. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá formar, corretamente, para todos os co- mandos recebidos. Q-417 (OP) - Serão dispostos no terreno peças acionadas, não acionadas e em posição de marcha. - O instrutor deverá atribuir a cada um dos militares uma função inicial. - Será dado uma série de comandos relativos às formações da guarnição da peça. - Serão dispostos no terreno pe- ças acionadas, não acionadas, em posição de marcha e em posição de tiro. Can AAe 40mm C 60 - Identificar peças aciona- das, não acionadas, em posição de marcha e em posição de tiro. (Para a guarnição de dota- da do material) - Todas as identificações deve- rão ser feitas corretamente. Q-416 (AC) 4. Formações da guarnição para os diversos comandos. - Tomar a posição na formação comandada, de acordo com cada uma das funções que o servente pode desempenhar em uma peça. Can AAe 40mm C 60 - Enumerar postos e de- signar funções. (Para a guarnição dotada do material) II. Can AAe 40mm C 60 1. Composição da peça em pessoal e material. 2. Definições de peça acionada, não acionada, em posição de marcha e em posição de tiro. 3. Definições de posições em relação à peça. - Definir peça. - Identificar a composição da peça em pessoal e material. - Distinguir peça acionada e não acionada, peça em posição de marcha e em posição de tiro. - Identificar a direita, a esquerda, a frente e a retaguarda de uma peça. - Dispor o material na posição.
  27. 27. 30.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - Apresentados um canhão enga- tado e com todo o material orgâni- co embarcado. - Um número de militar igual ao número de serventes será esco- lhido, aleatoriamente, pelo instrutor e, para cada um deles, deverá será atribuída uma função inicial. - Em seguida, uma série de coman- dos relativos ao acionamento da peça serão efetuados. - Haverá rodízios nas funções para que os militares passem por to- das as funções. Can AAe 40mm C 60 - Executar as ações cor- respondentes ao acionamento do canhão. (Para a guarnição dotada do material) - Realizar, corretamente, dentro de cada função todas as operações correspondentes aos comandos recebidos. Q-419 (TE) 5. Acionamento da peça a. Em ação - “Preparar para desenga- tar”, “Desengatar”, “ A braços (retaguarda, frente, direita e es- querda)”, “Pegar na parlamenta”, “Posição de Tiro” e “Guarnecer”. b. Comandos interruptivos - “Alto”, “Repousar”, “Abri- gar”, “Guarnecer” e “Em ação”. c. Saída de posição - “Mudança de posição”, “Posição de Marcha”, “Atracar a parlamenta” e “Engatar”. - Executar as ações corresponden- tes à cada uma das funções que o servente pode desempenhar na peça de acordo com o comando recebido.
  28. 28. 31.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-424 (TE) Can AAe 40mm C 70 - Executar as operações relativas aos comandos recebidos. (Para a guarnição dotada do material) - Cada militar deverá executar a ação comandada de acordo com a função que estiver ocupando no momento. Q-423 (HT) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão na posição de marcha, enga- tado e com todo o seu material orgânico embarcado. - Dispostas no terreno peças aci- onadas, não acionadas, em posi- ção de marcha e em posição de tiro. Can AAe 40mm C 70 - Identificar peças acionadas, não acionadas, em posição de marcha e em posição de tiro. (Para a guarnição dotada do material) - Todas as identificações deve- rão ser feitas corretamente. Q-420 (AC) Can AAe 40mm C 70 - Executar a operação manual do canhão. (Para a guarnição dotada do material) III. Can AAe 40mm C 70 1. Composição da peça em pessoal e material. 2. Definições de peça acionada, não acionada, em posição de marcha e em posição de tiro. 3. Definições de posições em relação à peça. - Definir peça. - Identificar a composição da peça em pessoal e material. - Distinguir peça acionada e não acionada, peça em posição de marcha e em posição de tiro. - Identificar a direita, a esquerda, a frente e a retaguarda de uma peça. - Dispor o material na posição. Can AAe 40mm C 70 - Enumerar postos e de- signar funções. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá enumerar seu posto e designar sua função corretamente. Q-422 (OP) - Este OII será cumprido seqüen- cialmente ao anterior. Can AAe 40mm C 70 - Ocupar posição em forma como integrante da guarnição da peça. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá formar, corretamente, para todos os co- mandos recebidos. Q-421 (OP) - Dispostas no terreno peças aci- onadas, não acionadas e em posi- ção de marcha. - O instrutor deverá atribuir a cada um dos militares uma função ini- cial. - Será dado uma série de coman- dos relativos às formações da guarnição da peça. 4. Formações da guarnição para os diversos comandos. - Tomar a posição na formação comandada, de acordo com cada uma das funções que o servente pode desempenhar em uma peça. 5. Comandos para o acionamento do canhão. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções que o servente poderá desempenhar em uma peça, de acordo com o coman- do recebido. 6. Operação manual. - Conhecer a finalidade da operação manual. - Executar as ações corretamente a cada uma das funções que o servente pode desempenhar na peça durante a operação manual. - Cada militar deverá executar corretamente dentro de cada função, todas as operações cor- respondentes aos comandos recebidos durante a operação manual. - Apresentado, ao militar, um ca- nhão na posição de tiro com o GG desligado.
  29. 29. 32.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h Q-430 (HT) Can AAe 40mm C 70 - Retificar o aparelho de pontaria (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá retificar o apa- relho de pontaria, corretamente. Q-429 (HT) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão e ferramentas. - Apresentado, ao militar, um ca- nhão na posição de tiro com o GG ligado. Can AAe 40mm C 70 - Ligar o canhão. (Para a guarnição dotada do material) - Executar, corretamente, a se- qüência de operações para ligar o canhão e realizar a passagem de controle local para remoto e vice-versa. Q-425 (HT) Can AAe 40mm C 70 - Identificar as ligações entre o canhão e o EDT. (Para a guarnição dotada do material) 7. Operação motor. - Conhecer a finalidade da operação motor. - Executar a seqüência para ligar o canhão. - Conhecer as situações “controle lo- cal” e “controle remoto”. Can AAe 40mm C 70 - Orientar o canhão. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá orientar o ca- nhão pelos diversos processos. Q-428 (HT) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão e um EDT. Can AAe 40mm C 70 - Desmontar e montar o tubo e o quebra-chamas. (Para a guarnição dotada do material) - Executar, corretamente, as operações de desmontagem e montagem do tubo e quebra- chamas. Q-427 (HT) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão com o tubo e o quebra-cha- mas montados. 10. Orientação do canhão. - Descrever os procedimentos para orientação do canhão pelos diversos processos 11. Retificação do aparelho de pontaria. - Identificar os locais de atuação, para a retificação do aparelho de pontaria. 12. Interface do canhão.- Citar a finalidade da interface. - Descrever as conexões da interface. - O militar deverá realizar as co- nexões entre o canhão e o EDT corretamente. - Apresentado, ao militar, uma cai- xa de interface, um par de fio du- plo telefônico e um cabo tripartido. - Apresentado, ao militar, um ca- nhão na posição de tiro e um setor de tiro para limitação. Can AAe 40mm C 70 - Limitar um setor de tiro. - Realizar a verificação do disparo e do funciona- mento dos limitadores de setor de tiro. (Para a guarnição dotada do material) Q-426 (HT) 8. Limitação dos setores de tiro e verificação do disparo. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções para realizar a limitação dos setores de tiro. - Após a operação, o setor de tiro deverá estar limitado, cor- retamente. Executar corretamente a verifi- cação do disparo e a verificação do funcionamento dos limitado- res de setor de tiro. 9. Troca do tubo. - Citar a finalidade da troca do tubo e quebra-chamas. - Executar as operações para a tro- ca do tubo e quebra-chamas.
  30. 30. 33.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - O militar deverá enumerar seu posto e designar sua função corretamente. - Este OII será cumprido seqüen- cialmente ao anterior. Q-433 (OP) E D T - Tomar posição na guar- nição de EDT de acordo com o comando recebido. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá ocupar a posi- ção correta em todas as forma- ções comandadas. Q-432 (OP) - Dispostos EDT no terreno nas se- guintes situações: acionado, não acionado, em posição de marcha e em posição de operação. - O instrutor deverá realizar um rodízio da guarnição até que todos os serventes tenham passado por cada uma das funções. IV. EDT 1. Composição do Equipamento de Direção de Tiro - Pessoal, material e deveres da guarnição. 2. Comandos preliminares e for- mações a. Definições de EDT aciona- do, não acionado, em posição de marcha e em posição de tiro; b. Identificação dos posicio- namentos em relação ao EDT; e c. Execução dos procedimen- tos em relação aos comandos de “Formar”, “Formar guarnição”, “Engatar”, “Desengatar”, “Nume- rar postos e designar funções”, “Preparar para embarcar e em- barcar”, “Preparar para desem- barcar e Desembarcar” e outros. - Dispostos no terreno EDT acio- nados, não acionados, em posição de marcha e em posição de ope- ração. E D T - Identificar EDT acionado, não acionado, em posição de marcha e em posição de operação. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá fazer todas as identificações corretamente. Q-431 (AC) - Descrever a composição do EDT em material e pessoal. - Citar a graduação e a função de cada um dos componentes da guar- nição. - Distinguir EDT acionado e não acio- nado. - Distinguir EDT em posição de mar- cha e EDT em posição de operação. - Identificar direita, esquerda, frente e retaguarda do EDT. E D T - Enumerar postos e de- signar funções. (Para a guarnição dotada do material)
  31. 31. 34.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - O militar deverá operar corre- tamente o AOA. - Apresentado, ao militar, um AOA ligado ao EDT/CDT. Q-436 (TE) 5. Apontador Ótico Auxiliar (AOA) - Instalação, orientação e operação. - Citar a finalidade do AOA. - Instalar o AOA. - Enumerar e distinguir os processos de orientação do AOA. E D T - Executar a operação com o Grupo Gerador (GG). (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá realizar as ve- rificações e operar o GG corre- tamente. Q-435 (TE) - Apresentado, ao militar, um GG ligado. 3. Acionamento do EDT. a. Em ação - “Preparar para desenga- tar”, “Desengatar”, “A braços”, “Pegar na parlamenta”, “Guarne- cer”, “Ligar energia” e “Verificar as comunicações”. b. Comandos interruptivos - “Alto, “Abrigar”, “Esperar”, “Repousar”, “Cobrir o EDT” e “Descobrir o EDT”. c. Saída de posição - “Mudança de posição”, “Atracar a palamenta”, “Desligar energia”, “Preparar para enga- tar” e “Engatar”. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções que o servente pode desempenhar de acor- do com o comando recebido. - Apresentado, aos militares, um EDT engatado com seu material embarcado. - O instrutor deverá realizar rodí- zios na guarnição até que todos os serventes tenham passado por cada uma das funções. E D T - Executar as ações cor- respondentes ao aciona- mento do EDT. (Para a guarnição dotada do material) - Executar, corretamente, todas as ações correspondentes aos comandos recebidos. Q-434 (TE) 4. Grupo Gerador (GG) do EDT/ CDT. - Executar as verificações do GG. - Realizar as operações para ligar, desligar e reabastecer o GG. E D T - Executar a operação com o Apontador Ótico Auxili- ar (AOA). (Para a guarnição dotada do material)
  32. 32. 35.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - Os militares deverão realizar o acompanhamento ótico, as lei- turas da distância e as leituras de azimute do balão. - Apresentados, ao militar, um EDT em posição de operação e o ma- terial necessário à sondagem. - O instrutor deverá realizar rodí- zios na guarnição até que todos os serventes tenham passado por cada uma das funções. Q-438 (HT) 6. Serviço do EDT em ação a. Orientação do EDT; b. Verificações do EDT; c. Modos de operações: - buscas manual, setorial e helicoidal (Material 35 mm); - detecção radar (Material 40 mm); - detecção e apreensão óti- ca (Material 35 mm); - Designação ótica (Material 40 mm); - acompanhamentos radar, ótico e cego (Material 35 mm); e - desengajamento e mudan- ça de alvos. d. Sondagem meteorológica. - Executar as operações correspon- dentes a cada uma das funções du- rante a orientação, verificação, mo- dos de operação e sondagem meteorológica. - Apresentados, ao militar, um EDT em posição de operação e um alvo aéreo. - O instrutor deverá realizar rodí- zios na guarnição até que todos os serventes tenham passado por cada uma das funções. E D T - Realizar uma detecção ótica. (Material 35 mm) (Para a guarnição dotada do material 35 mm) - Ao término da operação, o alvo deverá estar apreendido pelo radar. Q-437 (HT) E D T - Realizar uma sondagem meteorológica. (Para a guarnição dotada do material)
  33. 33. 36.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - O militar deverá desligar o re- paro, visar a luneta panorâmica da peça através da luneta do re- paro, ler o azimute de orienta- ção da peça no sincro de azimutes e verificar a orientação (Material 35 mm). - Apresentados um EDT/CDT em posição de operação e uma peça em posição de tiro. Q-442 (HT) E D T - Operar o intercomunica- dor. (Para a guarnição dotada do material 40 mm) - O militar deverá acionar e ope- rar o intercomunicador correta- mente. Q-441 (HT) - Apresentado, ao militar, um EDT e o canhão com o intercomunica- dor desligado. 7. Trabalhos da Seção a. Orientação do EDT/ CDT e do AOA; b. Orientação das peças com o EDT/CDT e determinação das paralaxes (Material 35 mm); c. Ponto de referência para o EDT/CDT; d. Amarração da orientação do EDT/ CDT por um ponto de referência; e. Verificação do azimute de referência; f. Verificação da transmissão com ponto afastado, sem ponto afastado e com alvo móvel; e g. Verificação de ajustagem da tensão de transmissão (Material 35 mm). 8. Prática de operação do EDT conectado ao simulador de alvos SURO (Material 35 mm). 9. Prática de operação do EDT com a utilização do programa ST -1 ( Material 40 mm). - Orientar o AOA. - Orientar as peças com o EDT/CDT. - Determinar as paralaxes para as peças (Material 35 mm). - Executar a amarração da orienta- ção do EDT/CDT. - Executar as operações correspon- dentes às verificações da seção. - Operar o EDT conectado ao simula- dor de alvos SURO (Material 35 mm). - Operar o EDT com a utilização do programa ST 1 ( Material 40 mm). - Apresentado, ao militar, uma tre- na, um EDT/CDT e um canhão. E D T - Medir a distância entre um EDT/CDT e uma peça. (Para a guarnição dotada do material) - Realizar a medida da distância, corretamente, e de acordo com os procedimentos estabeleci- dos. Q-440 (HT) E D T - Orientar a peça. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá desligar o re- paro, visar o GB através da lune- ta do reparo, registrar no sincro de azimute o ângulo comanda- do e verificar a orientação (Ma- terial 35 mm). - O militar deverá visar a cruz de orientação do RA com o GB e for- necer corretamente o contra- azimute ( Material 40 mm). - O militar deverá visar o refletor do canhão através da cruz de ori- entação do monitor de TV e medir a distância através do infravermelho (Material 40 mm). E D T - Orientar o EDT/CDT. (Para a guarnição dotada do material 40 mm) - Apresentados um EDT/CDT em posição de operação e um goniômetro bússola (GB). Q-439 (HT)
  34. 34. 37.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. ESCOLA DA PEÇA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - Apresentado, ao militar, um con- junto de imagens de aviões bra- sileiros ou não e uma relação com suas principais características. E D T - Reconhecer os diversos tipos de aeronaves e ci- tar suas principais carac- terísticas. (Para a guarnição dotada do material) - Identificar a aeronave como brasileira ou não; - Citar sua nomenclatura geral; e - Citar 3 de suas características principais. Q-443 (AC) - Citar os processos de identifica- ção de aeronaves. - Citar os meios de identificação de aeronaves. - Citar e identificar os tipo de aero- naves existentes no Brasil e nos países sul-americanos. - Citar a nomenclatura geral dos di- versos tipos de aeronaves. 1. Alvos Aéreos a. Processos e meios de iden- tificação de aeronaves; - Visual, olho nu, com ins- trumentos óticos, audição e mei- os eletrônicos. b. Aeronaves existentes no Brasil e nos países Sul-ameri- canos; - Tipos (caça, ataque, bom- bardeio, transporte, observação e ligação, helicópteros etc); e - Principais características (forma, velocidade, altura de vôo, insígnias, ruídos e nomen- clatura geral). - Apresentados, ao militar, um con- junto de imagens com diferentes formações. E D T - Identificar as formações de aeronaves. (Para a guarnição dotada do material) - O militar deverá identificar, cor- retamente, todas as formações. Q-444 (AC) - Identificar os diversos tipos de for- mações de aeronaves. - Citar os tipos de ataques aéreos. - Citar as características de cada tipo de ataque. c. Noções sobre ataques aéreos - Formações de aeronaves e tipos de ataques; e - Modo de atuação e caracte- rísticas.
  35. 35. 38.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 10. ESCOLA DA PEÇA - L M F TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - Apresentadas uma LMU e uma UCF. - Este OII deverá ser cumprido em conjunto por todos os integrantes da Gu LMU. - Acionar a UT nas posi- ções de Espera e de Tiro. - Cada um dos militares inte- grantes da AV-LMU deverá, de acordo com suas respectivas funções, executar corretamente os procedimentos relativos a seus cargos. Q-403 (HT) 4. Acionamento da UT. - Definir Posição de Espera e Posi- ção de Tiro. - Enumerar os procedimentos de cada um dos integrantes da Gu LMU na Pos Espera e na Pos Tiro. - Citar os procedimentos adotados pela UCF e pela AV - RMD nas Pos Espera e de Tiro. - Ocupar a posição na guar- nição. - Cada militar deverá ocupar em forma o lugar correspondente à função que lhe foi designada. Q-402 (OP) - Será disposta no terreno uma AV- LMU. O instrutor deverá atribuir a cada um dos militares uma fun- ção inicial. - Em seguida dará a série de co- mandos relativos às formações de guarnição. I. AV - LMU 1.Composição da guarnição da LMU em pessoal e material. 2. Disposição dos equipamentos e acessórios do material LMF. - Dispor os equipamentos e acessó- rios corretamente. - Apresentada a guarnição da LMU. - Citar a graduação e a fun- ção de cada um dos com- ponentes da guarnição. - Identificar os integrantes da LMU, com 100% de acerto. Q-401 (AC) 2. Formação da guarnição para os comandos de: a. Formar guarnição (à fren- te, à retaguarda, à direita ou à esquerda da LMU); e b. Guarnecer. 3. Ações da guarnição corres- pondentes aos comandos de a. Enumerar postos; e b. Designar funções. - Tomar a posição na formação co- mandada, de acordo com cada uma das funções que o servente pode desempenhar em uma peça.
  36. 36. 39.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Realizar a patolagem da AV/UCF ou AV-RMD A AV/UCF ou AV-RMD deverá es- tar corretamente patolada Q-405 (HT) Apresentada uma AV/UCF ou AV- RMD, o militar executará a patolagem II. AV - RMD 1. Generalidades a. Apresentação; e b. Principais características e possibilidades III. AV - UCF 1. Generalidades a. Apresentação; e b. Principais características e possibilidades - Citar os principais componentes da AV/UCF ou AV-RMD. - Citar as principais características da AV/UCF ou AV-RMD. - Apresentada uma AV/UCF ou AV- RMD e uma relação contendo suas principais partes componentes. - Identificar as partes componentes da AV-UCF e AV-RMD - O militar deverá identificar, corretamente, todas as partes componentes da AV-LMU ou AV- RMD constantes da relação Q-404 (AC) 2. Sistema de Patolagem - Patolagem hidráulica -Relacionar as alavancas de patolagem com os respectivos cilin- dros niveladores. - Realizar a patolagem hidráulica. 10. ESCOLA DA PEÇA - L M F TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  37. 37. 40.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentado, ao militar, um Msl A Ae Ptt inerte. - O militar deverá adotar a posição de marcha (ou posição de marcha intermediária) sobre a Vtr. - Deverá ser realizado um peque- no deslocamento, com o material embarcado em Vtr. - Logo após, a Vtr interrompe seu deslocamento e a UT entra em posição no terreno. - Após isso, a UT embarca nova- mente na Vtr. - Realizar o acionamento da UT em uma posição no terreno. - A UT deverá estar acionada no prazo máximo de 2 minutos. 1. Treinamento da guarnição da UT a. Entrada e saída de posição no terreno; e b. Entrada e saída de posição em viatura; Q-401 (HT) - Apresentado, ao militar, um Msl A Ae Ptt inerte. - O militar deverá adotar a posição de marcha (ou posição de marcha intermediária) sobre a Vtr. - Deverá ser realizado um peque- no deslocamento, com o material embarcado em Vtr. - Logo após, a Vtr interrompe seu deslocamento e a UT entra em posição sobre a Vtr. - Após isso, mediante ordem do Ch UT, o militar adota novamente a posição de marcha (ou posição de marcha intermediária), reiniciando a Vtr o seu deslocamento. - Realizar o acionamento da UT em uma posição sobre a viatura - A partir do momento em que a Vtr pára, o militar deverá adotar a posição de combate no prazo máximo de 10 segundos. - A partir do comando do Ch UT, o militar deverá adotar nova- mente a posição de marcha (ou posição de marcha intermediá- ria) no prazo máximo de 10 se- gundos. Q-402 (HT) - Realizar a entrada e saída de posi- ção no terreno. - Realizar a entrada e saída de posi- ção em viatura. 11. ESCOLA DA PEÇA - MÍSSEIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  38. 38. 41.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentado, ao militar, um Msl A Ae Ptt inerte. - O militar deverá posicionar-se sobre a Vtr e adotar a posição de marcha (ou posição de marcha intermediária). - A Vtr realiza um pequeno deslo- camento e, durante o mesmo, mediante ordem do Ch UT, o mili- tar deverá adotar a posição de combate com a Vtr em movimen- to. - Após isso, mediante ordem do Ch UT, o militar deverá adotar a posição de marcha (ou posição de marcha intermediária) ainda com a Vtr em movimento. - Acionar a UT simulando a defesa antiaérea de uma coluna de marcha. - O militar não deverá levar mais do que 20 segundos para adotar a posição de combate. - O militar não deverá levar mais do que 20 segundos para retornar à posição de marcha (ou posição de marcha interme- diária). - O militar deverá atentar para a mudança da velocidade da Vtr durante o deslocamento, para a velocidade de disparo do míssil em movimento, informando ao Ch UT o momento em que esta- ria em condições de realizar o disparo. Q-403 (HT) c. Deslocamento de Vtr com a UT acionada. - Realizar o deslocamento da UT em Vtr, simulando a realização da defe- sa de uma coluna de marcha. 11. ESCOLA DA PEÇA - MÍSSEIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  39. 39. 42.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentado, ao militar, o Treina- dor de Acompanhamento, estan- do o alvo simulado em uma posi- ção estacionária. - O militar deverá estar posiciona- do sobre a viatura parada. - Deverão ser realizados dois dis- paros durante o dia e dois dispa- ros ao crepúsculo. - Realizar o tiro simulado contra alvo em vôo estaci- onário a partir de viatura parada. - O militar deverá realizar corre- tamente as condutas, inicialmen- te para o lançamento de um míssil e, a seguir, para o lança- mento de dois mísseis suces- sivos. Q-405 (HT) 2. Prática no Treinador de Acom- panhamento: a. Tiro simulado contra helicóptero em vôo estacionário, a partir de: - posição no terreno; - viatura parada; e - viatura em movimento. - Realizar o acompanhamento do alvo simulado estacionário, a partir de po- sição no terreno e em Vtr, estando esta parada ou em movimento. - Adquirir noções práticas sobre as condições do tiro e realizar todas as operações relativas ao lançamento do míssil, nas diversas situações. - Apresentado, ao militar, o Treina- dor de Acompanhamento, estan- do o alvo simulado montado em uma posição estacionária. - O militar deverá estar posiciona- do sobre o terreno. - Deverão ser realizados dois dis- paros durante o dia e dois dispa- ros ao crepúsculo. - Realizar o tiro simulado contra alvo em vôo estaci- onário a partir de posição no terreno. - O militar deverá realizar corre- tamente as condutas, inicial- mente para o lançamento de um míssil e, a seguir, para o lança- mento de dois mísseis suces- sivos. Q-404 (HT) - Apresentado, ao militar, o Trei- nador de Acompanhamento, es- tando o alvo simulado em posição estacionária. - O militar deverá estar posiciona- do sobre uma viatura em movi- mento. - Deverão ser realizados dois dis- paros durante o dia e dois dispa- ros ao crepúsculo. - Realizar o tiro simulado contra alvo em vôo estaci- onário a partir de viatura em movimento. - O militar deverá realizar corre- tamente as condutas, inicial- mente para o lançamento de um míssil e, a seguir, para o lança- mento de dois mísseis suces- sivos. Q-406 (HT) 11. ESCOLA DA PEÇA - MÍSSEIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  40. 40. 43.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentado ao militar um con- junto de imagens de aviões bra- sileiros ou não e uma relação com suas principais características. - Reconhecer os diversos tipos de aeronaves e ci- tar suas principais carac- terísticas. - Identificar a aeronave como brasileira ou não. - Citar sua nomenclatura geral. e - Citar 3 de suas características principais. Q-407 (AC) - Citar os processos de identifica- ção de aeronaves. - Citar os meios de identificação de aeronaves. - Citar e identificar os tipos de aero- naves existentes no Brasil e nos países sul-americanos. - Citar a nomenclatura geral dos di- versos tipos de aeronaves. 3. Alvos Aéreos a. Processos e meios de iden- tificação de aeronaves: - Visual, olho nu, com ins- trumentos óticos, audição e mei- os eletrônicos. b. Aeronaves existentes no Brasil e nos países Sul-ameri- canos; - Tipos (caça, ataque, bom- bardeio, transporte, observação e ligação, helicópteros, etc); e - Principais características (forma, velocidade, altura de vôo, insígnias, ruídos e nomen- clatura geral). - Apresentados ao militar um con- junto de imagens com diferentes formações. - Identificar as formações de aeronaves. - O militar deverá identificar, cor- retamente, todas as formações. Q-408 (AC) - Identificar os diversos tipos de for- mações de aeronaves. - Citar os tipos de ataques aéreos. - Citar as características de cada tipo de ataque. c. Noções sobre ataques aéreos - Formações de aeronaves e tipos de ataques; e - Modo de atuação e caracte- rísticas. 11. ESCOLA DA PEÇA - MÍSSEIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  41. 41. 44.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 12. ESCOLA DA PEÇA - OBUSEIROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h - Em uma peça não acionada serão distribuídos os serventes com uma função inicial. - Em seguida será dado o coman- do de “pegar na palamenta” e, posteriormente, o de “atracar a palamenta”. - Serão repetidos tantos coman- dos quantos forem necessários para que todos os militares de- sempenhem, mediante rodízio, todas as funções na guarnição. - Executar as operações de “pegar na palamenta” e “atracar a palamenta”. - Executar as operações de “mudança de posição”. (M 56 AR e L 118 AR) - Todas as operações relativas aos comandos recebidos deve- rão ser executados, correta- mente, no prazo de 3 minutos. Q-404 (HT) 6. Ações da guarnição e proce- dimentos dos serventes em re- lação aos diversos comandos para o acionamento da peça - “Em ação”, Peça a braço”, ”Alto”, “Repousar”, “Cessar Fogo” e “Abrigar”. - Executar as ações corresponden- tes a cada uma das funções que o servente pode desempenhar na peça, de acordo com o comando re- cebido e considerando o tipo de ma- terial de emprego na OM. - Ocupar posição em for- ma como integrante da guarnição da peça. - O militar deverá formar, corre- tamente, para todos os coman- dos recebidos. Q-402 (OP) - Serão dispostas no terreno pe- ças acionadas, não acionadas e em posição de marcha. - O instrutor deverá atribuir a cada um dos militares uma função ini- cial. - Será dada uma série de coman- dos relativos às formações da guarnição da peça. 1. Disposição do material na po- sição da peça. 2. Composição da guarnição da peça. 3. Definições de “peça acionada”, “não acionada”, “em posição de marcha” e “em posi- ção de tiro”. 4. Definições de posições em re- lação à peça. - Dispor o material na posição. - Citar a graduação e a função de cada um dos integrantes da guarni- ção da peça. - Definir peça. - Distinguir “peça acionada” de “peça não acionada” e “peça em posição de marcha” de “em posição de tiro”. - Identificar a direita, a esquerda, a frente e a retaguarda de uma peça. - Serão dispostas no terreno pe- ças acionadas, não acionadas e em posição de marcha. - Identificar peças aciona- das, não acionadas e em posição de marcha. - Todas as identificações deve- rão ser feitas corretamente. Q-401 (AC) 5. Formações da guarnição para os diversos comandos - “Formar”, “Formar Guarni- ção”, “Guarnecer”, “Greparar para embarcar/ embarcar”, “Pre- parar para desembarcar/ desem- barcar”. - Tomar a posição na formação co- mandada, de acordo com cada uma das funções que o servente pode desempenhar em uma peça. - Este OII será cumprido seqüen- cialmente ao anterior. - Enumerar postos e de- signar funções. - O militar deverá enumerar seu posto e designar sua função corretamente. Q-403 (OP)
  42. 42. 45.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Apresentados, ao militar, os se- guintes materiais: - uma peça; - uma luneta panorâmica; - uma luneta para o tiro direto; e - um quadrante de nível. - o instrutor determinará que as lunetas sejam colocadas em seus suportes. - para cada tipo de aparelho de pontaria, os militares registrarão os elementos. - após cada registro, o instrutor fará uma verificação. - Colocar as lunetas em seus suportes e registrar derivas, correções de de- rivas e elevações. - As lunetas deverão ser colo- cadas corretamente em seus suportes. - Todos os registros em cada tipo de aparelho de pontaria de- verão estar corretos. Q-405 (HT) 8. Aparelho de pontaria - Manuseio e cuidados especiais. - Nivelar corretamente o aparelho de pontaria. - Manusear as lunetas. - Registrar elementos de tiro no tipo de aparelho de pontaria correspon- dente. 12. ESCOLA DA PEÇA - OBUSEIROS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 15 h
  43. 43. 46.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 13. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Realizar a Manutenção de 1o Escalão do Material de Artilharia - Realizar a Manutenção de 1o Escalão do Material de Artilharia - O militar deverá executar corretamente a manutenção de 1o Escalão do Mat Art. Q – 401 ( CH ) 1. Manutenção de 1o Escalão a. Objetivo; b. Procedimentos; c. Responsabilidade; d. Freqüência; e. Desmontagem de 1o Escalão; f. Montagem de 1o Escalão; e g. Ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção do material de emprego militar, em especial de Artilharia. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adotadas na manutenção de 1o Escalão do Mat Art. - Realizar a desmontagem e monta- gem de 1o Escalão do Mat Art. - Realizar a manutenção de 1o Es- calão do Mat Art, utilizando as res- pectivas tabelas de manutenção. - Apresentado, ao militar, os equipamentos e instrumentos, empregados na Artilharia, a ser manutenido e o material neces- sário à manutenção de 1o Escalão - Realizar a Manutenção de 1o Escalão dos equipa- mentos e instrumentos empregados na Artilha- ria. - O militar deverá executar corretamente a manutenção de 1o Escalão dos equipamen- tos e instrumentos que utiliza- rá no cumprimento de suas atribuições. Q – 402 ( CH ) 2. Manutenção de 1o Escalão a. objetivo; b. procedimentos; c. responsabilidade; d. freqüência; e. desmontagem de 1o Escalão; f. montagem de 1o Escalão; e g. ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção dos equipamentos e instru- mentos para o cumprimento de suas atribuições. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adotados na manutenção de 1o Escalão dos equipamentos e ins- trumentos. - Realizar a desmontagem e monta- gem de 1o Escalão dos equipamen- tos e instrumentos. - Realizar a manutenção de 1o Es- calão dos equipamentos e instru- mentos, utilizando as respectivas tabelas de manutenção. - Apresentado, ao militar, o Mat Art a ser lubrificado, lubrifican- tes adequados e a Carta-Guia de Lubrificação - Executar a lubrificação do Material de Artilharia utilizando a Carta-Guia de Lubrificação. - O militar deverá executar corretamente a lubrificação do Mat Art. Q – 403 ( CH ) - Lubrificar o Mat Art utilizando a Carta-Guia de Lubrificação. - Citar a finalidade da Carta-Guia de Lubrificação. - Interpretar a Carta-Guia de Lubri- ficação. 3. Carta-Guia de Lubrificação. a. finalidade; e b. identificação da Carta-Guia com as peças e utilização dos lubrificantes.
  44. 44. 47.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 13. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Apresentado, ao militar, os componentes do Mat Art a ser limpo e lubrificado. - Realizará a limpeza e lu- brificação de compo- nentes (peças e acessó- rios) do Material de Arti- lharia. - O militar deverá executar corretamente a limpeza e lu- brificação dos componentes do Mat Art. Q – 404 ( CH ) 4. Limpeza e lubrificação dos componentes ( peças e acessó- rios) do Mat Art a. Finalidade; b. Carta-Guia de Lubrificação;e c. Utilização das tabelas de manutenção do material. - Entender a importância da limpeza dos componentes do Mat Art. - Citar as atribuições de cada ser- vente na limpeza dos componentes. - Apresentado, ao militar, o seguin- te material: - uma peça com necessidade de recompletamento de óleo; - uma carta-guia de lubrificação da peça; - ferramentas necessárias ao recompletamento; e - óleo para recompletamento do mecanismo de recuo da peça. - Realizar o recompleta- mento do óleo do meca- nismo de recuo do Mate- rial de Artilharia. - O militar deverá executar cor- retamente todas as ações ne- cessárias ao recompletamento do óleo do mecanismo de recuo da peça. Q – 405 ( CH ) 5. Verificação dos níveis Recompletamento dos lubrifi- cantes - Identificar a necessidade de completamento do óleo da peça. - Utilizar corretamente o ferramental necessário ao recompletamento do óleo da peça. - Por ocasião da manutenção de 2o escalão do Mat Art. - Auxiliar na Manutenção de 2o Escalão do Material de Artilharia. - O militar deverá auxiliar de modo adequado a manutenção de 2o escalão do Mat Art. Q – 406 ( CH ) 6. Manutenção de 2o escalão a. Objetivo; b. Procedimentos; c. Responsabilidade; d. Freqüência; e. Desmontagem de 2o Esc; f. Montagem de 2o Esc; e g.Ferramentalematerialempre- gados na manutenção de 2o Esc. - Será apresentado ao militar o Material de Artilharia na seguinte situação: - na posição de tiro; e - na posição de marcha. - Inspecionar o Material de Artilharia, antes, durante e depois do tiro e da mar- cha. - O militar deverá: - inspecionar o material corre- tamente antes, durante e após o tiro; e - inspecionar o material corre- tamente antes, durante e após a marcha. Q – 407 ( CH ) 7. Inspeção do Material de Arti- lharia a. Antes, durante e após o tiro; b. Antes, durante e após a marcha. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material de artilha- ria, antes, durante e após o tiro. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material de artilha- ria, antes, durante e após a marcha.
  45. 45. 48.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 13. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h - Será apresentado ao militar um Livro Registro do Material de Arti- lharia e os dados necessários ao seu preenchimento. - Preencher o Livro Regis- tro do Material de Artilha- ria e dos equipamentos e instrumentos emprega- dos na Artilharia. - O militar deverá preencher o livro, colocando os dados apre- sentados nos campos apropri- ados. Q – 408 ( CH ) 8. Livro Registro do Material de Artilharia e dos Equipamentos e Instrumentos empregados na Artilharia a. Finalidade; e b. Informações necessárias; e c. Oportunidades de registro. - Citar a finalidade do Livro Registro do Material de Artilharia. - Preencher o Livro Registro do Ma- terial de Artilharia. - Será apresentado ao militar o Material de Artilharia e o supri- mento necessário para a utiliza- ção no processo úmido de descontaminação à água. - Realizar a descontamina- ção do Material de Artilha- ria e dos equipamentos e instrumentos emprega- dos na Artilharia. - O militar deverá realizar a tare- fa, observando todos os proce- dimentos preconizados no pro- cesso a ser utilizado. Q – 409 ( CH ) 9. Descontaminação de Material do Material de Artilharia e dos equipamentos e instrumentos empregados na Artilharia a. Finalidade; b. Processos; e c. Relação processos/agen- tes. - Relacionar os processos de descontaminação com o tipo de agente. - Será apresentado ao militar uma situação em que caracterize a ne- cessidade de destruição do Ma- terial de Artilharia. - Conhecer os processos e oportunidades para destruição do Material de Artilharia e dos equipa- mentos e instrumentos empregados na Artilharia. - O militar deverá descrever os procedimentos preconizados nos processos de destruição do material. Q – 410 ( CH ) - Relacionar os processos de destrição do material. - Identificar as diferentes situações e oportunidades em que o material deva ser destruído. - Citar as principais características dos processos de destruição do material. 10. Destruição de Material do Ma- terial de Artilharia e dos equipa- mentos e instrumentos emprega- dos na Artilharia a. situações em que o materi- al poderá ser destruído; e b. Processos de destruição.
  46. 46. 49.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. MATERIAL DE ARTILHARIA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Apresentado, ao militar, um ques- tionário com 10 (dez) perguntas sobre as principais características e possibilidades do canhão. - Citar as principais carac- terísticas e possibilidades do canhão AAe 35 mm. - O militar deverá responder, corretamente, todas as pergun- tas. Q-401 (AC) I. Can AAe 35mm 1. Generalidades: a. Apresentação do Canhão - Definição, indicativo militar e finalidade. 2. Características e possibilida- des do canhão a. Tipo; b. Dimensões; c. Campo de tiro vertical e ho- rizontal; d. Calibre; e. Alcances do material; f. Cadência de tiro; g. Tipo de tração do material; e h. Velocidade de acompanha- mento. - Definir canhão. - Citar o Indicativo Militar do canhão. - Citar a finalidade do canhão. - Citar as principais características do canhão. - Citar a cadência de tiro do canhão. - Citar as conseqüências para o ca- nhão da não observância da cadên- cia de tiro prevista. - Citar o calibre do canhão. - Citar as possibilidades do canhão nos campos horizontal e vertical. - Citar as velocidades de acompa- nhamento elétrico e manual do ca- nhão. - Apresentados, ao militar, um ca- nhão em posição de tiro e uma relação com nomes de 5 (cinco) partes principais do canhão. - Identificar as partes prin- cipais do canhão AAe 35 mm. - O militar deverá identificar, corretamente, todas as partes. Q-402 (AC) - Localizar os principais componentes do grupo gerador do canhão (GG) AAe 35 mm. - O militar deverá localizar todos os componentes apresentados. Q-403 (AC) - Apresentados, ao militar, um gru- po gerador, um canhão e uma re- lação com 5 componentes do GG. 3. Divisão geral do canhão. - Distinguir as partes principais do canhão. 4. Grupo Gerador (GG) a. Finalidade; b. Características; e c. Componentes. - Identificar, pelo nome, os principais componentes do GG do canhão. - Citar as principais características dos componentes do GG do canhão. - Reconhecer os diferentes tipos de cabos componentes de um sistema de cabos do grupo gerador. - Identificar os cabos do sistema de cabos do Gru- po Gerador e executar as operações de ligar e des- ligar o GG. Q-404 (AC/OP) - O militar deverá identificar to- dos os cabos, e executar, corretamente as operações de ligar e desligar o GG.
  47. 47. 50.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. MATERIAL DE ARTILHARIA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Apresentado, ao militar, um ca- nhão e indicado 10 situações que poderão ocorrer acidentes duran- te a realização do tiro. - Citar, para cada tipo de acidente que pode ocor- rer, as regras de seguran- ça a serem observadas na realização do tiro com o canhão AAe 35 mm. - O militar deverá citar as regras de segurança corretamente. Q-405 (AC) 5. Regras de segurança a. Finalidade; e b. Acidentes: - com o pessoal; - com o material; e - mistos. - Citar a finalidade das regras de se- gurança que devem ser obedecidas para o canhão. - Identificar os diferentes tipos de aci- dentes que podem ocorrer na utiliza- ção do canhão e do GG. - Apresentado, ao militar, um ca- nhão com o sistema de armas montado. - Desmontar e montar, em 1º escalão, o sistema de armas do canhão AAe 35 mm. - Na desmontagem e na monta- gem, deverá ser obedecida a seqüência das operações. - Após a montagem o funciona- mento deverá estar correto. Q-407 (HT) - Localizar os componen- tes dos reparos do ca- nhão AAe 35 mm. - O militar deverá localizar, cor- retamente, todos os componen- tes da relação. Q-408 (AC) - Apresentados, ao militar, uma re- lação dos nomes de 10 (dez) com- ponentes de cada um dos repa- ros do canhão. 6. Sistema de armas a. Finalidade, características e componentes; b. Desmontagem e montagem em conjuntos principais; e c. Funcionamento. - Citar a finalidade do sistema de ar- mas do canhão. - Citar as características do sistema de armas do canhão. - Distinguir e identificar pelo nome os componentes do sistema de armas do canhão. - Descrever o funcionamento do sis- tema de armas do canhão. 7. Reparos do canhão a. Descrição e finalidade; e b. Principais partes e seus componentes. - Citar a finalidade dos reparos. - Identificar pelo nome as partes prin- cipais dos reparos. - Identificar, pelo nome, os compo- nentes de cada parte dos reparos. - Citar as principais características dos componentes. - Apresentados, ao militar, um ca- nhão e uma relação com nomes de 8 (oito) componentes do siste- ma de armas. - Identificar os componen- tes do sistema de armas do canhão AAe 35 mm. - O militar deverá identificar to- dos os componentes correta- mente. Q-406 (AC)
  48. 48. 51.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. MATERIAL DE ARTILHARIA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Apresentada, ao militar, uma re- lação dos nomes de 10 (dez) com- ponentes do sistema. - Identificar os componen- tes do berço e dos equili- bradores do reparo supe- rior do canhão AAe 35 mm. - O militar deverá localizar, cor- retamente, todos os componen- tes da relação. Q-409 (AC) 8. Berço e equilibradores a. Finalidade; b. Componentes; e c. Funcionamento. 9. Mecanismo do freio recupera- dor: a. Finalidade; b. Componentes; e c. Funcionamento. - Citar a finalidade do berço e dos equilibradores do canhão. - Identificar, pelo nome, os compo- nentes do berço e dos equilibradores do canhão. - Descrever o funcionamento do ber- ço e dos equilibradores do canhão. - Citar a finalidade do freio recuperador do canhão. - Identificar, pelo nome, os compo- nentes do freio recuperador do ca- nhão. - Descrever o funcionamento do freio recuperador do canhão. - Apresentados, ao militar, 5 aces- sórios, 5 sobressalentes e 5 fer- ramentas utilizadas para a Mnt 1º escalão da canhão. - Identificar, pelo nome, as ferramentas, sobressa- lentes e acessórios do canhão AAe 35 mm. - O militar deverá identificar cor- retamente todo o material apre- sentado. Q-411 (AC) - Identificar os componen- tes do aparelho de ponta- ria. - O militar deverá identificar to- dos os componentes do apare- lho de pontaria. Q-412 (AC) - Apresentado, ao militar, um ca- nhão com o aparelho de pontaria. 10. Mecanismo de alimentação e carregamento - Finalidade, partes principais de seus componentes, desmontagem e funcionamento. - Citar a finalidade do mecanismo de alimentação e carregamento. - Identificar as partes principais e os componentes do mecanismo de ali- mentação e carregamento. - Descrever o funcionamento do me- canismo de alimentação e carrega- mento. 12. Aparelho de pontaria - Finalidade, características, componentes e funcionamento. Citar a finalidade do aparelho de pon- taria. - Citar as características do apare- lho de pontaria e identificar, pelo nome, as partes componentes. - Descrever o funcionamento do apa- relho de pontaria. - Apresentado, ao militar, um ca- nhão com o mecanismo de alimen- tação e carregamento montado. - Desmontar e montar o mecanismo de alimenta- ção e carregamento. - Na desmontagem e na monta- gem, deve ser obedecida a seqüência das operações. - Após a montagem, o funciona- mento deverá estar correto. Q-410 (HT) 11. Ferramentas, sobressalen- tes e acessórios a. Finalidade; e b. Componentes. - Citar a finalidade das ferramentas, sobressalentes e acessórios do ca- nhão.
  49. 49. 52.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. MATERIAL DE ARTILHARIA - AAe TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Apresentados, ao militar, os di- versos tipos de munição disponí- veis na Unidade. - Identificar os diversos ti- pos de munição e seus elementos componentes empregados no material. - O militar deverá identificar, cor- retamente, o tipo de munição apresentada e seus elementos componentes. Q-416 (AC) 15. Munição a. Classificação segundo tipo, lote, calibre, emprego, efeito e elementos componentes; e b. Cuidados no manuseio. - Citar os diversos tipos de munição empregados no material. - Descrever o emprego dos diversos tipos de munição. - Caracterizar os efeitos dos dife- rentes tipos de munição. - Identificar, pelo nome, os diferentes elementos da munição. - Citar a finalidade de cada compo- nente da munição. - Citar os cuidados no manuseio da munição. - Apresentados ao militar: - um canhão AAe 35 mm; - uma luneta panorâmica a zero instalada em seu suporte; e - 2 (dois) ângulos a serem regis- trados. - Registrar e ler ângulos na Luneta Panorâmica. - Os registros e as leituras dos ângulos serão aceitos com um erro máximo de 0,5’’’. Q-414 (HT) - Registrar os elementos no aparelho de pontaria. - Todos os elementos do alvo deverão ser registrados corretamente, no aparelho de pontaria. Q-415 (HT) - Apresentados, ao militar, um ca- nhão com o aparelho de pontaria instalado, um alvo, uma direção de rota, uma velocidade e uma dis- tância de alvo. 13. Luneta panorâmica a. Finalidade; b. Componentes; c. Instalação; e d. Registro e leitura de ângulos. 14. Aplicação da cadeia de tiro ao aparelho de pontaria. - Citar a finalidade da Luneta Panorâ- mica. - Identificar, pelo nome, os compo- nentes da Luneta Panorâmica. - Instalar a Luneta Panorâmica. - Registrar e ler ângulos da Luneta Panorâmica. - Descrever as etapas a serem se- guidas para aplicação da cadeia de tiro ao aparelho de pontaria. - Apresentados, ao militar, um ca- nhão e uma luneta panorâmica. - Instalar a Luneta Panorâ- mica do aparelho de pon- taria no canhão AAe 35 mm. - A luneta deverá ser colocada, corretamente, ficando firme em seu suporte. Q-413 (OP)

×