PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS PPT 17/1

1.775 visualizações

Publicada em

PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS PPT 17/1

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS PPT 17/1

  1. 1. 1.00 SEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVOSOSOS BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS, SOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE POR AAACASOCASOCASO,,, CHEGAREMOS ACHEGAREMOS ACHEGAREMOS A ALALALGUM LGUM LGUM LUGARUGARUGAR COTER PPT 17/1 PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS 1ª Edição - 2002
  2. 2. 3.00 FASE DE INSTRUÇÃO DO TREINAMENTO ESPECÍFICO (INSTRUÇÃO ESPECÍFICA DO MOTORISTADE VIATURAS BLINDADAS) OBJETIVODAINSTRUÇÃODOTREINAMENTOESPECÍFICO (INSTRUÇÃOESPECÍFICADOMOTORISTADEVIATURASBLINDADAS) COTER CAPACITAR O SOLDADO PARA SER EMPREGADO NA DEFESA EXTERNA
  3. 3. 5.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO ............................................................................................................................................................................................. 7.00 01. Finalidade............................................................................................................................................................................................... 8.00 02. Objetivos da Fase................................................................................................................................................................................... 8.00 03. Estrutura da Instrução.............................................................................................................................................................................. 8.00 04. Direção e Condução da Instrução ......................................................................................................................................................... 10.00 05. Recrutamento e Seleção para Treinamento Específico ......................................................................................................................... 11.00 06. Tempo Estimado................................................................................................................................................................................... 11.00 07. Validação do PPT 17/1 ......................................................................................................................................................................... 11.00 08. Estrutura do PPT 17/1........................................................................................................................................................................... 12.00 09. Normas Complementares .................................................................................................................................................................... 12.00 II. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO .................................................................................................................................... 13.00 01. Quadro Geral de Distribuição do Tempo ............................................................................................................................................... 14.00 02. Quadro de Distribuição do Tempo Destinado à Instrução Específica do Motorista de Viaturas Blindadas ............................................ 15.00 III. MATÉRIAS ESPECÍFICAS DO TREINAMENTO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS .......................................................... 17.00 01. ME 01 – Adaptação a Motorista Militar - Condução de Viaturas Automóveis ........................................................................................ 18.00 02. ME 02 – Adaptação a Motorista Militar - Direção Defensiva................................................................................................................. 22.00 03. ME 03 – Adaptação a Motorista Militar - Legislação de Trânsito .......................................................................................................... 23.00 04. ME 04 – Adaptação a Motorista Militar - Primeiros-Socorros no Trânsito ............................................................................................. 24.00 05. ME 05 – Adaptação a Motorista Militar - Transporte Militar ................................................................................................................... 25.00 06. ME 06 – Comunicações ....................................................................................................................................................................... 32.00 07. ME 07 – Condução de Viaturas Blindadas ........................................................................................................................................... 34.00 08. ME 08 – Escola da Guarnição da Viatura Blindada .............................................................................................................................. 39.00 09. ME 09 – Manutenção do Material ......................................................................................................................................................... 46.00 10. ME 10 – Sistemas Especiais das Viaturas Blindadas .......................................................................................................................... 51.00 11. ME 11 – Técnica do Material - Armamento ........................................................................................................................................... 52.00 12. ME 12 – Técnica do Material - Viaturas Blindadas ............................................................................................................................... 54.00 13. ME 13 – Trabalhos do Motorista de Viaturas Blindadas ....................................................................................................................... 57.00
  4. 4. 7.00 Em razão do Sistema de Validação (SIVALI - PP), que manterá este documento permanentemente atualizado, o presente exemplar deverá ser distribuído com vinculação funcional e mantido sob controle da OM, responsável pela execução da instrução. As páginas que se seguem contêm uma série de informações, cuja leitura é considerada indispensável aos usuários do presente Programa-Padrão de Instrução. I. INTRODUÇÃO
  5. 5. 8.00 I. INTRODUÇÃO 1.FINALIDADE EstePrograma-Padrão deTreinamentoEspecífico(PPT17/1 )regula a instrução destinada a habilitação dos Cabos e dos Soldados possuidores do CFC para o desempenho dos cargos específicos de Motorista de Viatu- ras Blindadas de Combate,Transporte, Especial e Reconhecimento, previs- tos nos QO das Organizações Militares Blindadas. 2.OBJETIVOSDOTREINAMENTOESPECÍFICO a.ObjetivosGerais 1) Habilitar o Combatente ao exercício de uma habilitação especial. 2)Complementara qualificaçãodoCaboedoSoldadopossuidordo CFC, habilitando-os a ocupar cargos específicos de Motorista de Viaturas BlindadasdeCombate,Transporte,EspecialeReconhecimentoprevistosnos QO das Organizações Militares Blindadas. 3)ComplementaraqualificaçãodoReservistadePrimeiraCategoria (CombatenteMobilizável). 4) ProsseguirnodesenvolvimentodovalormoraldosCaboseSoldados. 5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre co- mandantes(emtodososníveis)ecomandados. b. Objetivos Parciais 1) Completar a formação individual do Cabo e do Soldado possuidor do CFC. 2)Aprimorar a formação do caráter militar dos Cb e Sd. 3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar. 4) Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos necessári- os à vida militar. 5) Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à formação do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos de Motoristas de Viaturas Blindadas. 6)Aprimorarosreflexosnecessáriosàexecuçãodetécnicasetáticas individuais e coletivas de combate. 7)Desenvolverhabilitaçõestécnicasquecorrespondemaosconheci- mentos e as habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais bélicos e a operações de equipamentos militares. 8)Aprimorar os padrões de Ordem Unida. 9)Prosseguirnodesenvolvimentodacapacidadefísicadocombaten- te. 10)AprimorarreflexosnaexecuçãodeTécnicaseTáticasIndividuais e Coletivas de Combate. c.Objetivo-síntese Capacitar os cabos e soldados possuidores do CFC para o desem- penho de cargos de Motorista de Viaturas Blindadas. 3.ESTRUTURADAINSTRUÇÃO a.Características 1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados por CaboseSoldados,dasdiversasQMG/QMP.Portanto,asmatérias,osassun- tos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às peculiarida- desdosdiferentescargosexistentes. 2)AinstruçãodehabilitaçãodoMotoristadeViaturasBlindadascom- preende: a) matérias destinadas à adaptação do Cb e Sd possuidores de Carteira Nacional de Habilitação, de diversas QMG/QMP, ao cargo de motorista militar; b) matérias especificas , destinadas a capacitar o Cb e Sd a ocu- par determinados cargos de Motorista de Viaturas Blindadas de Combate, Transporte,EspecialeReconhecimento,previstosnosQOdasOrganizações Militares Blindadas; e
  6. 6. 9.00 c)odesenvolvimentodeatitudesehabilidadesnecessáriasàcom- plementar a qualificação do Cb e Sd para o desempenho de sua Habilita- ção Especial. 3)As instruções de habilitação compreendem: a) um conjunto de matérias; b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria; c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos Indivi- duais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a conhecimentos, habilidades e atitudes. 4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de habilidades necessárias à Habilitação do Motorista de Viaturas Blindadas 5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de forma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias neces- sárias à habilitação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, foram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada para grupamentos de militares que, pos- teriormente, serão designados para o exercício de funções correlatas. 6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbi- to de uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamen- to que se reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos seguintes pressupostos: a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as atividades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição, equipe ou grupo; b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e c) possibilitar ao militar condições de substituir, tempo- rariamente, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo. 7) As sugestões para objetivos intermediários são apresen- tadas como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto pode corresponder um ou vários objetivos intermediários. Outros objetivos intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes deste PP. O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da matéria, na determinação dos objetivos intermediários a se- rem atingidos. 8) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados aos conhecimentos e às habilidades, correspondem aos compor- tamentos que o militar deve evidenciar, como resultado do proces- so ensino-aprendizagem a que foi submetido no âmbito de deter- minada matéria. Uma mesma matéria compreende um ou vários OII. Um Objetivo Individual de Instrução, relacionado a conhecimen- tos ou habilidades, compreende: a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução; b) a(s) condição(ões) de execução que indica(m) as cir- cunstâncias ou situações oferecidas ao militar, para que ele exe- cute a tarefa proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em consideração as diferenças regionais e as características do mili- tar; e c) o padrão mínimo a ser atingido, determina o critério da avaliação do desempenho individual. 9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII), relacionados à Área Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacional exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos ministrados. Os OII compreendem os seguin- tes elementos: a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua res- pectiva definição;
  7. 7. 10.00 b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo poderá ser observado; e c) o padrão - evidência do atributo. Os Comandantes de Subunidades e Instrutores conti- nuarão apreciando o comportamento do militar em relação aos atri- butos da Área Afetiva, considerados no PPB1/PPB2, ao longo do treinamento específico. b. Fundamentos da Instrução Individual Consultar o PPB/1. 4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO a. Responsabilidades 1) O Comandante, Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe, assessorado pelo S 3, planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permitam aos Co- mandantesdeSubunidadese/oudeGrupamentodeInstruçãoelaborarema programação semanal de atividades e a execução da instrução propria- mente dita. 2) O Grupamento de Instrução da Habilitação do Motorista de Viatu- ras Blindadas deverá ser dirigido por um oficial, que será o responsável pela condução das atividades de instrução do treinamento específico. O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es- tabelecernovosOII,tarefas,condiçõesoupadrõesmínimos,tendoemvista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM à con- secução dos Objetivos doTreinamento Específico. b. Ação do S3 1) Realizar o planejamento do Treinamento Específico destinado a habilitação dos Motoristas de Viaturas Blindadas , segundo o preconizado neste Programa - Padrão, na legislação em vigor e nas diretrizes e(ou) ordens dos escalões enquadrantes. 2) Coordenar e controlar a instrução do Treinamento Específico, a fim de que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e consentâneacomprazoseinteressesconjunturais,complementandooscri- térios para os padrões mínimos, quando necessário. 3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para a instruçãoedeoutrosmeiosauxiliares,necessáriosàuniformizaçãodascon- dições de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a garantir uma distribuição eqüitativa pelas Subunidades ou Grupamento de Instrução. 6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibilida- de e a otimização da instrução do treinamento específico com a do CTTEP. c.Ação dos Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução Os Comandantes de SU e(ou) de Grupamentos de Instrução deve- rão ser chefes de uma equipe de educadores a qual, por meio de ação contínua, exemplos constantes e devotamento à instrução, envidarão todos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos padrões mí- nimos exigidos nos OII previstos neste PP. d. Métodos e Processos de Instrução 1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias, os Assuntos, asTarefas, e os Objetivos Intermediários. 2) Os métodos e processos de instrução, preconizados nos manu- ais C 21-5 e T 21-250 e demais documentos de instrução, deverão ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII relaciona- dos a conhecimentos e habilidades, definidos sob a forma de "tarefa", "con- diçõesdeexecução"e"padrão mínimo",sejamatingidospelosinstruendos. 3) Durante as sessões de instrução, o militar deve ser colocado, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes às
  8. 8. 11.00 que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21- 250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, o desempenho das funções em situação de combate ou de apoio ao combate. 4) Em relação a cada uma das matérias do treinamento específico, o instrutor deverá adotar os seguintes procedimentos: a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos intermedi- ários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assuntos e as sugestões para objetivos intermediários são poderosos auxiliares da instrução. Os objetivos intermediários fornecem uma orientação segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, portanto, pré- requisitos para esses OII; e b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equi- pe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las real- mente aplicáveis na fase de avaliação. 5) Todas as questões levantadas quanto à adequação das "condi- ções de execução" e do "padrão mínimo" deverão ser levadas ao Coman- dante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial. 6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante todo o período de habilitação e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas as vivências do Soldado no ambiente militar. O desenvolvimento de atitudes apoia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresenta- dos pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução. 5.RECRUTAMENTOESELEÇÃOPARAOTREINAMENTOESPECÍFICO O recrutamento e a seleção dos cabos e dos soldados possuidores do CFC para realizarem o treinamento específico de habilitação aos claros de Motorista de Viaturas Blindadas deverá seguir o preconizado, nas Normas de Qualificação, Habilitação, Condições deAcesso e Situação das Praças do Exército, no PPB/1 e no Código de Transito Brasileiro. 6. TEMPO ESTIMADO a. A carga horária estimada para o período de habilitação é de 240 horas de atividades diurnas e 10 horas de atividades noturnas distribuídas da, em princípio, em 11 (onze) semanas de instrução, da seguinte maneira: 1) 40 (quarenta) horas destinadas à instrução deAdaptação de Mo- torista Militar; e 2) 200 (duzentas) horas diurnas e 10 (dez) noturnas destinadas à instrução específica de habilitação do Motorista de Viaturas Blindadas. b.ADireção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas por alguns dos OII do treinamento específico, deverá prever atividades diurnas e noturnas com carga horária compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos. c.TendoemvistaosrecursosdisponíveisnaOM,ascaracterísticaseo níveldaaprendizagemdosmilitares,bemcomooutrosfatoresqueporventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de carga horária prevista no presente PP. 7. VALIDAÇÃO DO PPT 17/1 Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP.
  9. 9. 12.00 8. ESTRUTURA DO PPT 17/1 a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a instrução prevista para os cargos de Motorista de Viaturas Blindadas. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os conteúdos de cada ma- téria são assuntos, que a compõem. Para cada assunto apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s), intermediário(s), que têm a finalidade deapenasorientaroinstrutor.Aumconjuntodeassuntospodecorresponder umoumaisOII. b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação: Exemplo: 6 T - 1701 - O numero 6 indica a matéria Comunicações. - T indica que o OII se refere à "Treinamento Específico". - O primeiro número da centena indica o treinamento específico a serconduzido: 17 - Instrução Específica do Treinamento do Motorista de Viaturas Blindadas - O numeral 01, o número do OII dentro da matéria, no caso "Identifi- car as partes essenciais do sistema de comunicações de uma viatura blin- dada". Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o OII (FC, OP etc), conforme orientado no PPB/1. 9. NORMAS COMPLEMENTARES a. Este Programa-Padrão regula a habilitação de Cabos e Soldados possuidores do CFC das QMG/QMP a seguir relacionadas, para o desem- penho dos cargos específicos de Motorista de Viaturas Blindadas de Com- bate,Transporte, Especial e Reconhecimento, previstos nos QO das Orga- nizações Militares Blindadas, segundo o preconizado nas Normas Regula- doras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situações das Praças do Exército, em vigor. b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações espe- cíficas, definidos nas normas retromencionadas, deverão ser ocupados por militares qualificados e que tenham participado doTreinamento Específico ( Trn Epcf ) constante deste PP. c. Esse treinamento pode coincidir, no todo ou em parte, com as atividadesdaCapacitaçãoTécnicaeTáticadoEfetivoProfissional(CTTEP). O início e o término, regulado pelo Cmdo GU Bld ou OM Bld, bem como o resultado da atividade, julgando cada militar "APTO" ou "INAPTO" para o cargo, serão publicados no BI da OM. d. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as): 1) PIM, expedido pelo COTER; e 2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados pelos Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades. e.TendoemvistaqueopresentePPserá adotadopelaFTeremcaráter "EXPERIMENTAL",solicita-seaosComandantes,ChefeseDiretoresdeOM apresentaremaoCOTER,segundoopreconizadonoArt78dasIG10-42,as sugestõesquetenhamoobjetivodeaperfeiçoa-lo.As quaisdeverãomencio- naraMatéria,OII,paragrafoelinhadotextoaquesereferem,comoscomen- táriosnecessáriosaoentendimentoeconseqüenteaperfeiçoamentodoPP. sograC GMQ PMQ CBVtoM-etabmoCedadadnilBarutaiVedatsirotoM 20 10 60 10 70 10 TBVtoM-etropsnarTedadadnilBarutaiVedatsirotoM 20 10 50 10 50 42 60 10 70 10 80 33 90 15 11 17 EBVtoM-laicepsEadadnilBarutaiVedatsirotoM 50 10 50 42 90 15 11 17 -otnemicehnoceRedadadnilBarutaiVedatsirotoM RBVtoM 20 10
  10. 10. 13.00 Você encontrará, nas páginas que se seguem, uma pro- posta para a distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa à Qualificação do Comba- tente. O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em fun- ção dos recursos disponíveis, das características dos instru- endos e de outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias discriminadas na distribuição sugerida. Os quadros apresentados indicam os números das matérias peculiares que deverão constar dos programas de treinamento de cada um dos grupamentos de instru- ção mencionados neste PP. II. PROPOSTA PARAA DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO
  11. 11. 14.00 COTER OPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDLAREGORDAUQ.1 GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURG OÃÇURTSNI oãçatpadA atsirotoMa ratiliM ACIFÍCEPSE dlBrtVtoM latoT sanruiD sanrutoN 20 10 sadadnilBsarutaiVedatsirotoM 04 002 01 052 50 10 60 10 70 10 80 33 90 15 11 17
  12. 12. 15.00 ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2 SADADNILBSARUTAIVEDATSIROTOMODACIFÍCEPSEOÃÇURTSNI GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURG rN SACIFÍCEPSESAIRÉTAM saroH anruiD s saroH anrutoN s 20 50 60 70 80 90 11 10 10 10 10 33 15 17 sadadnilBsarutaiVedatsirotoM 10 ratiliMatsirotoMaoãçatpadA sievómotuAsarutaiVedoãçudnoC 21 - 20 ratiliMatsirotoMaoãçatpadA avisnefeDoãçeriD 80 - 30 ratiliMatsirotoMaoãçatpadA otisnârTedoãçalsigeL 40 - 40 ratiliMatsirotoMaoãçatpadA otisnârTonsorrocoS-soriemirP 40 - 50 ratiliMatsirotoMaoãçatpadA ratiliMetropsnarT 21 - 60 seõçacinumoC 61 - 70 sadadnilBsarutaiVedatudnoC 44 80 80 sadadnilBsarutaiVadoãçinrauGadalocsE 02 20 90 lairetaModoãçnetunaM 44 - 01 sadadnilBsarutaiVsadsiaicepsEsametsiS 21 - 11 otnemamrA-lairetaModacincéT 61 - 21 sadadnilBsarutaiV-lairetaModacincéT 82 - 31 sadadnilBsarutaiVedatsirotoModsohlabarT 02 - AMOS 042 01 COTER
  13. 13. 17.0017.00 III. MATÉRIAS ESPECÍFICAS DO TREINAMENTO DO MOTORISTA DE VIATURAS BLINDADAS AA seguir são apresentadas, emseguir são apresentadas, em ordem alfabética, as matériasordem alfabética, as matérias Específicas do TEspecíficas do Treinamento doreinamento do Motorista de VMotorista de Viaturas Blindadas.iaturas Blindadas.
  14. 14. 18.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os diversos tipos de via- turas e reboques em uso no Exérci- to. - Identificar os diversos tipos de via- turas e reboques existentes na OM. - Identificar as principais partes com- ponentes de uma viatura automóvel. - Explicar a finalidade das principais partes componentes de uma viatura. - Descrever a composição e o funci- onamento sumário dos motores à gasolina e a óleo diesel. - Descrever a composição e funcio- namento sumário dos sistemas. - Citar as panes mais comuns e eta- pas a seguir na depanagem. - Realizar a substituição de pneu. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Tipos de viaturas e reboques em uso no EB a. Viaturas administrativas e operacionais; b. Viaturas sobre rodas e so- bre lagartas; c. Viaturas anfíbias; d. CC e VBTP; e. Viatura TP, TE e TNE; e f. Reboques especializados e não especializados. 2. Apresentação dos diversos ti- pos de viaturas e reboques exis- tentes na OM. Número de regis- tro de viaturas militares. 3. Organização sumária de via- tura automóvel. 4. Motor e órgãos anexos. 5. Sistemas a. Alimentação; b. Distribuição; c. Inflamação; d. Lubrificação; e. Arrefecimento f. Transmissão; e g. Elétrico. Apresentada, ao militar, uma via- tura TNG ¼ ton, com as seguintes panes: - falta do rotor do distribuidor; - falta da correia do ventilador; e - falta de um cabo de vela. Fornecidas as peças faltosas, após a identificação das panes pelo ins- truendo, que receberá todas as ferramentas necessárias à depa- nagem. O militar deverá identificar: - o motor e seus órgãos ane- xos; - todas as panes. Após a realiza- ção da tarefa, a viatura deverá estar em perfeita condições de funcionamento. Identificar o motor e seus órgãos anexos, e provi- denciar a depanagem da Vtr Auto. T-1701 (AC) 01. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - CONDUÇÃO DE VIATURAS AUTOMÓVEIS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h
  15. 15. 19.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os instrumentos de pai- nel, órgãos de comando e acessóri- os. - Manejar os instrumentos de painel, órgãos de comando e acessórios. - Praticar as operações necessárias para por em movimento, conduzir e parar a viatura, explorando as pos- sibilidades da mesma. - Praticar a condução e manobra de Vtr Auto. - Conduzir viatura auto nas diversas condições de trânsito. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Panes mais comuns a. Depanagem e reparos de emergência a cargo do motoris- ta; e b. Substituição de pneu. 7. Cabine do motorista a. Instrumentos de painel; e b. Órgãos de comando e acessórios. 8. Viatura sobre cavalete a. Partida; b. Aquecimento; c. Troca de marchas; d. Ligar e desligar a tração dianteira e o redutor; e. Frenagem; e f. Desligar o motor. 9. Vtr sobre o solo a. Partida; b. Deslocamento com passa- gem de todas as marchas à fren- te e à ré; c. Realização de curvas; d. Realização de manobra de estacionamento; e e. Parada e partida em ladei- ra, com e sem uso do freio de mão, em estradas de fácil circu- lação. 10. Prática de direção de Vtr e, estradas de trânsito de intensi- dade crescente de zona urba- na. Dirigir a viatura Auto no trânsito. Apresentada, ao militar, uma via- tura tendo o acompanhamento de um monitor. O militar deverá: - trocar as marchas no momen- to em que seja necessário; - conduzir o veículo obedecen- do à sinalização existente e se deslocando dentro de sua faixa de rolamento; - conhecer a sinalização neces- sária ao movimento dentro da corrente de trânsito; - realizar paradas e partidas em subidas de ladeiras, com e sem uso do freio de mão, sem que a viatura desça a ladeira; - estacionar em vaga pré-deter- minada. Todos os movimentos deverão ser corretos. T-1702 (HT) TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h 01. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - CONDUÇÃO DE VIATURAS AUTOMÓVEIS
  16. 16. 20.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Conduzir viatura nas diversas con- dições de terreno. - Dirigir a viatura tracionando rebo- que. - Dirigir viaturas especializada e to- nelagem compatível com a habilita- ção. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 11. Direção de Vtr em terreno variado, com transposição de obstáculos no plano, em aclive e declives. 12. Direção de Vtr tracionando reboques Marchas à frente e à ré. Curvas e manobras funda- mentais. 13. Direção em Vtr especializa- das. T-1704 (HT) Colocar a viatura, de ré, em uma garagem. Apresentada, ao militar, uma via- tura com reboque atrelado. O ins- trutor, de acordo com as circuns- tâncias, estipulará um tempo má- ximo para a realização da tarefa. O militar deverá: - demonstrar perfeita seguran- ça na execução das manobras; - estacionar a viatura e o rebo- que de modo que fiquem no mesmo eixo vertical; e - realizar a tarefa dentro do tem- po estipulado. T-1703 (HT) Dirigir a(s) viatura(s) no iti- nerário determinado, atra- vés campo. Apresentados, ao militar, uma via- tura e um itinerário a ser percor- rido através campo. O militar deverá: - dirigir a viatura, atendendo às condições particulares de segu- rança; e - operá-la de forma a fazê-la cumprir o fim a que se destina. Operar o guincho da via- tura. Apresentadas, ao militar, duas vi- aturas de 2 ½ ton, uma delas equi- pada com guincho. O militar deverá: - atar com segurança o cabo nos ganchos ou cavilhas; - acionar, corretamente, o me- canismo de funcionamento; e - enrolar o cabo no tambor por camadas. T-1705 (HT) - Empregar o guincho. - Usar meios disponíveis e de fortu- na para manobras de força. - Citar as medidas de prevenção. - Usar os meios de combate a incên- dios. - Identificar os comandos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 14. Emprego do guincho. 15. Manobras de força a. Retirada de viatura atola- da; b. Tombadas, caídas em va- las; e c. Meios disponíveis e de for- tuna. 16. Prevenção e extinção de in- cêndios em Vtr. 17. Comandos de motorista em comboio ou isolado, à voz, acús- ticos e por gestos. TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h 01. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - CONDUÇÃO DE VIATURAS AUTOMÓVEIS
  17. 17. 21.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h T-1706 (OP) Participar, em comboio, de marcha motorizada. Apresentada, ao militar, uma via- tura e dadas as instruções para o deslocamento motorizado, em variadas formações, luminosida- des, estradas e trânsito. O militar deverá manter a disci- plina de marcha, segundo as regras apropriadas à situação em comboio. - Descrever a conduta do motorista nas diversas situações. - Citar as regras de disciplina de mar- cha. - Realizar marcha motorizada diurna em comboio. - Realizar marcha motorizada notur- na em comboio, com ou sem luzes. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 18. Conduta do motorista a. No embarque e desembar- que de tropa; b. No transporte de autorida- des; c. Em comboio ou isolados; d. Nos altos em marcha e es- tacionamentos; e e. Disciplina de marcha. 19. Marcha motorizada diurna em comboio. 20. Marcha motorizada noturna em comboio, com e sem luzes. 01. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - CONDUÇÃO DE VIATURAS AUTOMÓVEIS
  18. 18. 22.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 02. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - DIREÇÃO DEFENSIVA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 08 h 1. Conceituação 2. Elementos de direção defensi- va 3. Condições Adversas de Dire- ção Defensiva a. Condições adversas de luz; b. Condições adversas de tempo; c. Condições adversas de via; d. Condições adversas do trânsito; e. Condições adversas do veículo; e f. Condições adversas do motorista. 4. Acidente evitável e não evitá- vel 5. Método básico de prevenção de acidentes 6. Colisões e atropelamentos a. Com o veículo da frente; b. Com o veículo de trás; c. Frontal; d. Com motocicletas; e e. Com ciclistas. 7. Travessia de pedestres e animais. - Identificar os fundamentos da dire- ção defensiva. - Identificar os elementos da direção defensiva. - Conhecer as condições adversas para dirigir uma Vtr Auto. - Conhecer o método básico de pre- venção de acidentes. - Identificar os procedimentos corre- tos para evitar colisões e atropela- mentos. - Identificar as atitudes que demons- tram solidariedade no trânsito. - O militar deverá demonstrar as atitudes e comportamentos adequados em qualquer situa- ção. T-1701 (CH) Em qualquer situação. Conduzir uma Vtr Auto, em situações dentro e fora do quartel, cumprin- do os fundamentos e pro- cedimentos da direção defensiva.
  19. 19. 23.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 03. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04 h Código de Trânsito Brasileiro 1. Conceituação 2. Trânsito - Conceito. 3. Sistema Nacional Trânsito a. Composição; e b. Competência. 4. Vias públicas - Classificação. 5. Sinalização de trânsito a. Sinalização vertical; b. Sinalização horizontal; c. Dispositivo e sinalização auxiliares; d. Sinalização semafórica; e. Sinalização sonora; e f. Gestos de agente de trânsi- to e do condutor. 6. Veículos a. Classificação geral; e b. Equipamentos obrigatórios. 7. Registros e licenciamento de veículos 8. Habilitação a. Categoria; b. Formação; c. Documentos de Habilitação; e d. Renovação dos exames. 9. Normas gerais de circulação 10. Conduta no Trânsito 11. Infrações a. Classificação; b. Penalidade; e c. Medidas administrativas. 12. Crimes de trânsito - Crimes em espécie. - Identificar os órgãos e entidades, com as respectivas competências, que compõem o Sistema Nacional de Trânsito. - Identificar as vias públicas. - Conhecer a ordem de prevalência da sinalização de trânsito. - Identificar as sinalizações de trân- sito. - Identificar os dispositivos de sinali- zação auxiliares. - Identificar os gestos do agente de trânsito e do condutor. - Conhecer a classificação geral dos veículos. - Identificar os equipamentos obriga- tórios, registros e licenciamento dos veículos. - Aplicar as normas gerais de circu- lação e conduta no trânsito. - Identificar as infrações e penalida- des de trânsito. - Conhecer as medidas administrati- vas que poderão ser aplicadas pela autoridade do trânsito e seus agen- tes. - Identificar os crimes de trânsito. - O militar deverá interpretar com 90% de acertos T-1702 (AC) Apresentadas, ao militar, dez gra- vuras com a representação da si- nalização de trânsito. Interpretar a sinalização de trânsito - O militar deverá manusear e responder questionamentos do instrutor sobre os aspectos mais importantes, constantes do CTB. T-1701 (AC) Apresentado, ao militar, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), soli- citar que responda sobre os as- pectos mais importantes, cons- tantes do CTB. Conhecer o Código de Trânsito Brasileiro (CTB)
  20. 20. 24.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 04. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - PRIMEIROS-SOCORROS NO TRÂNSITO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 04 h Primeiros-Socorros 1. Conceituação. 2. Definição. 3. Procedimentos iniciais. 4. Respiração artificial. 5. Conduta a seguir em caso de asfixia. 6. Técnica de respiração arti- ficial. 7. Técnica de massagem car- díaca. 8. Reanimação cardiopulmo- nar. 9. Hemorragia. 10. Hemorragia interna. 11. Fraturas. 12. Transporte de acidentados. 13. Queimaduras. O militar deverá demonstrar de- sempenho aceitável na presta- ção dos primeiros-socorros. (O presente OII deve ser associ- ado aos assuntos da matéria Pri- meiros-Socorros constante do PPB/2). T-1701 (HT) Deverão ser simuladas, realistica- mente, situações que exijam a aplicação dessas técnicas. Realizar a análise primária de vítima de acidente no trânsito, aplicando técni- cas de primeiros-socor- ros adequados a: - respiração artificial; - reanimação cardiopul- monar; - hemorragias; - fraturas; - queimaduras; e - transporte de acidenta- dos. O militar deverá demonstrar de- sempenho aceitável na presta- ção dos primeiros-socorros. T-1702 (CH) Deverão ser simuladas, realistica- mente, situações que exijam a aplicação de técnicas de primei- ros-socorros. Socorrer vítimas de aci- dente no trânsito. - Identificar os procedimentos inici- ais a serem adotados em caso de acidente de trânsito. - Conhecer as técnicas de primei- ros-socorros adequadas à respira- ção artificial, reanimação cardiopul- monar, hemorragias, fraturas, queimaduras,ao transporte de feri- dos e à prevenção do choque. - Demonstrar a utilização do curativo individual e do Kit de primeiros- so- corros. - Compreender a importância de bus- car-se auxílio médico imediato.
  21. 21. 25.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h Identificar as ferramentas de 1º Escalão empregadas na manutenção da Vtr Auto. Apresentadas, ao militar, dez fer- ramentas para manutenção de 1º Escalão. O militar deverá identificar, com acerto, todas as ferramentas apresentadas. T-1701 (AC) Realizar a inspeção da via- tura antes da partida. Apresentadas, ao militar, uma via- tura e sua Ficha de Serviço. O militar deverá realizar, com acerto, todas as tarefas reco- mendadas no verso da Ficha de Serviço da Vtr Auto. T-1702 (CH) - Descrever o processamento de manutenção no EB e a sua organiza- ção na Unidade. - Realizar a inspeção da viatura e na manutenção de 1º Escalão. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Inspeção de Viatura. - Identificar o ferramental de 1º Es- calão. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Ferramental de 1º Escalão e equipamento das viaturas.
  22. 22. 26.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR Preencher a Ficha de Aci- dente correspondente à ocorrência. Apresentados, ao militar, um tex- to que inclua uma ocorrência e um esquema de acidente de trânsito. O militar deverá preencher a fi- cha, corretamente, lançando to- dos os dados nos locais ade- quados e de acordo com o dis- criminado no texto. T-1704 (AC) Preencher a Ficha de Ser- viço da Viatura. Apresentada, ao militar, uma ficha de serviço de viatura e simulada uma missão a cumprir. T-1703 (AC) O militar deverá: - preencher todos os campos da ficha que lhe são afetos; - identificar os agentes respon- sáveis pelas diversas assinatu- ras; e - fazer as inspeções recomen- dadas no verso da Ficha. - Descrever os deveres e as res- ponsabilidades do motorista militar e de seu ajudante. - Citar os aspectos essenciais dos diferentes tipos e meios de transpor- te, particularmente, quanto ao empre- go do transporte motorizado. - Cumprir as prescrições do CTB. - Identificar os documentos de porte obrigatório pelo motorista. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Deveres e responsabilidades do motorista militar e de seu aju- dante. 4. Transporte militar a. Conceitos básicos; b. Tipos e meios de transpor- te: 1) diferenças essenciais; e 2) peculiaridades importan- tes. c. Emprego do transporte mo- torizado. 5. Código de Trânsito Brasileiro. 6. Documentação do motorista e da Viatura. a. Carteira Nacional de Habili- tação; b. Certificado de Habilitação Militar; c. Carteira de Identidade; d. Fichas de Acidente e de Serviço; e. Talão de Despacho; e f. Livro Registro da Viatura.
  23. 23. 27.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h Identificar os símbolos dos diversos tipos de es- tradas, pontes e normas de circulação e controle de trânsito. Apresentada, ao militar, uma carta de circulação contendo símbolos de diversos tipos de estradas, pontes, símbolos de circulação e de controle de trânsito. Pelo menos 80% dos símbolos, indicados na carta devem ser identificados pelo militar. T-1706 (AC) 05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR Identificar os diversos ti- pos de estradas e pontes. Apresentada, ao militar, uma carta de circulação com símbolos de in- formações simples sobre estra- das e pontes. Será tolerada uma margem de erro de até 20%. T-1705 (AC) 7. Controle e circulação de trân- sito a. Regras e sinais de trânsito; b. Classificação e caracterís- ticas das estradas quanto à na- tureza e ao controle; e c. Convenções cartográficas. 8. Técnica de marcha a. Tipos e formações de mar- cha. Organização de comboios; b. Coluna, grupamento e uni- dade de marcha; e c. Prescrições referentes à marcha motorizada 9. Destacamento Precursor a. Atribuições; b. Reconhecimento de itinerá- rio; c. Processos de balizamento; e d. Funções dos guardas de trânsito, dos guias e dos baliza- dores. - Identificar os sinais de trânsito. - Citar a classificação das estradas. - Interpretar os símbolos de informa- ções sobre estradas e pontes. - Citar os tipos e formações de mar- cha. - Descrever a conduta nos altos, em marcha e nos estacionamentos. - Citar as atribuições do destacamen- to precursor. - Citar os aspectos a observar num reconhecimento de itinerários. - Citar as finalidades do guarda de trânsito, dos guias e dos balizado- res. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII.
  24. 24. 28.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h 05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR O militar deverá: - fixar os pontos de apoio dos assentos nos locais certos; e - prender, corretamente, os dis- positivos de fixação da tampa da carroceria quando fechada. Preparar a viatura para transporte de tropa. Apresentada, ao militar, uma via- tura para que seja simulado o transporte de uma fração. T-1707 (OP) A marcação da carga deverá ser legível. T-1708 (AC) Apresentados, ao militar, uma via- tura, uma carga a ser transporta- da, os meios de marcação e amar- ração da carga. - Descrever a conduta do motorista nos altos, em marcha e nos estacio- namentos. - Citar as atribuições do destacamento precursor. - Citar os aspectos a observar num reconhecimento de itinerário. - Citar as finalidades do guarda de trânsito, guias e dos balizadores. - Descrever as medidas de proteção e de defesa dos comboios em todas as situações. - Descrever as medidas ativas e pas- sivas contra ações do inimigo aéreo, forças blindadas, pára-quedistas e de guerrilheiros e de fogo de artilha- ria. - Descrever as medidas de proteção contra agentes QBN. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Citar as medidas de segurança a serem observadas nas operações de transporte, carga e descarga de ex- plosivos e inflamáveis. - Descrever os procedimentos a se- rem realizados para embarcar viatu- ras em meios de transporte rodoviá- rio, ferroviário, aéreo e aquático. - Descrever as técnicas de fixação das viaturas a bordo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 10. Transporte de Tropa a. Arrumação; b. Carga máxima; c. Medidas de segurança; d. Normas de embarque e de- sebarque de Vtr. 11. Manuseio e transporte de car- ga a. Marcação; b. Embalagem; c. Arrumação; d. Carga máxima; e. Carga e descarga; e f. Distribuição de carga. 12. Embarque e desembarque de viaturas em meios ferroviário, aéreo e aquático. Marcar a carga a ser trans- portada e orientar a distri- buição na viatura.
  25. 25. 29.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h Escolher a viatura mais adequada ao transporte de carga. Apresentados, ao militar, uma car- ga a ser transportada, os meios para a marcação e amarração da mesma, e estando disponíveis vi- aturas de diversos tipos. O militar deve escolher a viatura compatível com a espécie de carga a ser transportada. A escolha de viaturas deve apre- sentar um resultado de econo- mia de meios de transporte. A distribuição dos pesos den- tro da viatura deve ser correta. A capacidade de carga da(s) viatura(s) não pode ser ultra- passada. T-1709 (AC) - Citar os aspectos a serem obser- vados na arrumação de cargas vo- lumosas dentro da viatura. - Descrever os processos para reti- rar cargas de valas e de atoleiros. - Citar os principais aspectos a se- rem observados na fixação dos di- versos tipos de cargas na viatura. - Descrever os procedimentos em- pregados na utilização de toldos e cortinas de proteção da carga na vi- atura. - Citar as medidas de segurança que devem ser observadas ao manipular munições, explosivos e inflamáveis. - Citar as medidas de segurança, no transporte de munições, explosivos e inflamáveis. - Identificar os tipos de marcação a serem feitos. - Realizar a marcação de uma carga. - Identificar os tipos de embalagem. - Descrever os preceitos a serem obedecidos na arrumação da carga de viatura. - Orientar a arrumação de carga em uma viatura. - Descrever os principais aspectos a serem observados na arrumação de carga de uma viatura. - Fazer a amarração de cargas. - Citar as medidas de segurança a serem observadas nas operações de transporte, carga e descarga de explosivos e inflamáveis. - Descrever os procedimentos a se- rem realizados para embarcar viatu- ras em meios de transporte rodoviá- rio, aéreo e aquático. - Descrever as técnicas de fixação das viaturas a bordo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR 13. Arrumação de cargas volu- mosas. 14. Retirar cargas de valas e de atoleiros, visando ao meios de for- tuna e de expediente de campa- nha. 15. Fixação de carga na viatura. 16. Proteção de carga na viatu- ra.
  26. 26. 30.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h 05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR Amarrar a carga na viatu- ra. T-1710 (AC) Apresentados, ao militar, uma car- ga a ser transportada e os meios de amarração. O militar deverá escolher viatu- ra compatível com a espécie de carga a ser transportada. A escolha de viaturas deve apre- sentar um resultado de econo- mia de meios de transporte. A distribuição dos pesos den- tro da viatura deve ser correta. A capacidade de carga da(s) viatura(s) não pode ser utrapas- sada. 17. Destacamento de segu- rança a. Proteção e defesa dos comboios nos altos, em mar- cha e nos estacionamentos; e b. Medidas ativas e passi- vas contra ataques aéreos, de pára-quedistas, de blindados, de artilharia e de guerrilheiros. 18. Proteção contra agentes químicos, bacteriológicos e nucleares. - Descrever as medidas de proteção e defesa dos comboios. - Descrever as medidas ativas e pas- sivas contra ações do inimigo aéreo, forças blindadas, pára-quedistas e de guerrilheiros e fogos de artilharia. - Descrever as medidas de proteção contra agentes QBN. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. T-1712 (AC) 20. Sistema de manutenção do Exército. Organização da manu- tenção na unidade. 21. Lubrificação da viatura a cargo do motorista. Carta-guia de Lubrificação. 22. Precauções para o trabalho em condições climáticas extre- mas. - Identificar, na viatura, com auxilio da Carta-guia, os pontos de lubrifi- cação. - Descrever as precauções a serem observadas na realização dos tra- balhos em condições climáticas ex- tremas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Lubrificar a viatura segun- do a Carta-guia de Lubrifi- cação. Apresentada, ao militar, uma via- tura e sua Carta-guia de Lubrifica- ção. Deverá ser realizada a lubrifica- ção prevista na Carta-guia de Lubrificação da viatura. As partes externas da viatura não poderão ficar sujas de óleo ou de graxa. Camuflar a viatura. Apresentada, ao militar, uma via- tura a ser camuflada das vista do inimigo terrestre e aéreo, num terreno que possua vegetação, utilizando os meios disponíveis no local A camuflagem realizada pelo militar deve dissimular os con- tornos da viatura e encobrir as partes que possam refletir a luz (espelhos, vidros, partes croma- das) 19. Camuflagem de Viaturas. T-1711 (AC) - Conhecer os processos de camu- flagem de viatura. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Realizar o rodízio das ro- das T-1713 (AC) Apresentados, ao militar, uma via- tura e seu ferramental de 1º Esca- lão As porcas dos parafusos de- vem ficar perfeitamente ajusta- das. - Descrever os procedimentos a se- rem realizados quanto ao rodízio e verificação das rodas. - Fazer o rodízio de rodas. - Identificar a pressão de pneus. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 23. Rodízio e pressão de pneus, substituição de rodas em uso.
  27. 27. 31.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h05. ADAPTAÇÃO A MOTORISTA MILITAR - TRANSPORTE MILITAR Realizar ações de preven- ção e combate a incêndio em viatura. Apresentado, ao militar, um tonel onde irrompe o fogo, tendo dis- poníveis os meios necessários de combate a incêndio. O militar deverá demonstrar pronta ação e utilizar os meios adequados para extinção do fogo. T-1714 (OP) - Descrever as medidas de seguran- ça de primeiros-socorros; - Descrever as medidas de preven- ção e combate a princípio de incên- dio em viatura. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 24. Medidas de segurança na ma- nipulação de munições, explosi- vos e inflamáveis. 25. Transporte de munições, ex- plosivos e inflamáveis. 26. Segurança no trabalho a. Normas e medidas de se- gurança no trabalho; b. Primeiros-socorros; c. Prevenção e combate a in- cêndios; e d. Emprego de material de combate a incêndio.
  28. 28. 32.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar as partes es- senciais do sistema de comunicações de uma vi- atura blindada. T – 1702 (AC) 1. Sistema de Com da viatura blin- dada a.Rádio: 1) apresentação; 2) características; e 3) componentes. b. Intercom 1) apresentação; 2) características; e 3) componentes. c. Operação. - Reconhecer as regras de exploração rádio. - Citar os componentes do conjunto rádio. - Citar as características do conjunto rádio. - Citar os componentes do conjunto intercom. - Citar as características do conjunto intercom. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Apresentado, ao militar, pelo menos dois equipamentos-rádios, o instrutor deverá simular uma conversação alertando para as regras de conversação. - O militar deverá proceder a exploração rádio. - Instalar, operar e retirar o conjunto rádio na viatu- ra blindada. T – 1703 (HT) - Apresentado, ao militar, dois con- juntos-rádio instalados em viatu- ras e uma freqüência. - A retirada deve ser feita de forma a não danificar o material, obedecendo à seqüência correta de operações consideradas; e a instalação deverá ser feita de acordo com a localização correta das partes do conjunto rádio. Para estabelecer a conversação rádio os militares deverão: - ligar as estações; - sintonizar a freqüência; e - realizar as chamadas e respostas a outra viatura. O conjunto rádio deve ser desli- gado obedecendo a seqüência correta de operações. - Transmitir mensagens. - Receber mensagens. - Demonstrar aptidão para o. cum- primento da tarefa constante do OII. - Apresentado, ao militar, o sistema de comunicações completo empregado na viatura blindada. -Todas as partes devem ser identificadas corretamente.T – 1701 (AC) - Descrever as operações de insta- lação do conjunto rádio. - Ligar o conjunto rádio. - Sintonizar a freqüência. - Realizar as chamadas e respostas. - Desligar o conjunto rádio. - Descrever as operações de retirada do conjunto rádio. - Ligar o conjunto de intercom. - Operar o conjunto de intercom do compartimentozdo comandante CC. - Operar o conjunto de intercom do compartimento do Motorista. - Operar o sistema fio a partir do inter- com. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 06. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h
  29. 29. 33.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1704 (HT) - Operar o intercom da viatura blindada. - Os militares deverão estar colo- cados nos diversos postos de intercom da viatura e em um pos- to telefônico ligado ao sistema de intercom. - O militar deverá transmitir e receber mensagem de outros membros da guarnição com correção. Para estabelecer a conversação fio, os militares deverão ligar o telefone ao sistema de comuni- cações da viatura e estabelecer contato através do intercom. 06. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 16 h 1. Sistema de Com da viatura blin- dada a.Rádio: 1) apresentação; 2) características; e 3) componentes. b. Intercom 1) apresentação; 2) características; e 3) componentes. c. Operação. - Descrever as operações de retirada do conjunto rádio. - Descrever as operações de insta- lação do conjunto rádio. - Ligar o conjunto rádio. - Sintonizar a freqüência. - Realizar as chamadas e respostas. - Desligar o conjunto rádio. - Ligar o conjunto de intercom. - Operar o conjunto de intercom do compartimentozdo comandante CC. - Operar o conjunto de intercom do compartimento do Motorista. - Operar o sistema fio a partir do inter- com. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII.
  30. 30. 34.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 07. CONDUÇÃO DE VIATURAS BLINDADAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h + 08 horas noturnas T – 1702 (AC) - Identificar os proce- dimentos para a condução da viatura blindada. - Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada. - O militar deverá identificar, com correção, todos os proce- dimentos para a condução da viatura blindada. T – 1703 (AC) - Ligar e desligar a viatura blindada. - O militar deverá responder quesitos, com no mínimo 80% de acerto, referente aos princi- pais fundamentos do emprego das viaturas blindadas. - Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada. T – 1704 (TE) - Conduzir a viatura blin- dada em estrada e em áre- as de estacionamento. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada, um percurso em estrada, e uma área de estaciona- mento. - O militar deverá dirigir a viatu- ra blindada, em estrada, sem cometer erros e estacioná-la corretamente em áreas confina- das. T – 1701 (AC) - Identificar os comandos do compar- timento do motorista. - Identificar os procedimentos indis- pensáveis para ligar e desligar a via- tura blindada. - Conduzir a viatura em marcha cons- tante. - Citar as condições para troca de mar- cha da viatura blindada. - Identificar as rotações corretas para trocas de marcha. - Conduzir a viatura com variação de marchas, executando as trocas de marcha nas rotações corretas. 2. Conduta Auto a. Procedimentos de Condu- ção. b. Operação da viatura blin- dada. c. Condução em estrada. - Conhecer as noções bá- sicas dos fundamentos de emprego de viaturas blindadas. - Ao termino da instrução, o mili- tar deverá demonstrar conheci- mento sumários dos fundamen- tos do emprego das viaturas blin- dadas. - O militar deverá identificar, com correção, todos os proce- dimentos para a condução da viatura blindada. - Conhecer o histórico das viaturas blindadas. - Identificar as viaturas blindadas empregadas pelo Brasil e países vi- zinhos. - Conhecer os fatores que afetam o emprego de viaturas blindadas. - Identificar as possibilidades e limi- tações das viaturas blindadas. - Conhecer as Organizações para o combate. - Conhecer o emprego das viaturas blindadas em operações ofensivas e defensivas. 1. Noções Básicas dos Fun- damentos do emprego das viatu- ras blindadas. a. Considerações Básicas. b. Histórico sumário dos blin- dados. c. Fatores que afetam o em- prego de viaturas blindadas. d. possibilidades e limitações. e. Organizações para o com- bate. f. Emprego das viaturas blin- dadas em operações ofensivas e defensivas.
  31. 31. 35.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar as melhores condições para a realização de curvas de pe- queno e grande raio e pivoteamento. - Dirigir a viatura blindada Escola em estrada. - Realizar pivoteamento. - Participar de marcha motorizada diur- na em comboio. - Participar de marcha motorizada noturna em comboio, em situação de escurecimento parcial. - Participar de marcha motorizada noturna em comboio, em situação de escurecimento total. - Estacionar a viatura blindada Escola em área confinada. - Identificar obstáculos à viatura no terreno. - Identificar vias favoráveis à viatura no terreno. - Dirigir a viatura blindada Escola atra- vés do campo. - Interpretar uma carta de trafe- gabilidade de blindados. d. Estacionamento da viatura em áreas confinadas. e. Condução em comboio. f. Condução através do cam- po. g. Condução com a escotilha do motorista fechada. h. Condução à noite, com ou sem o uso de periscópios de condições noturnas. i. Carta de trafegabilidade de blindados. 07. CONDUÇÃO DE VIATURAS BLINDADAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h + 08 horas noturnas T – 1705 (OP) - Participar, em comboio, de marcha motorizada. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada e um percurso em estrada não pavimentada, em con- dições de luminosidade variadas. - O militar deverá conduzir a viatura corretamente, segundo as regras apropriadas à situa- ção de comboio. T – 1706 (AC) - Identificar, no terreno, os acidentes que podem e os que não podem ser ul- trapassados pela viatura blindada. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada e um percurso através do campo, o instrutor, ini- cialmente, indicará os obstáculos que podem ou não ser transpos- tos pela viatura e a forma correta de fazê-lo. - O militar deverá identificar, com acerto e dentro do tempo esti- pulado pelo instrutor, todos os acidentes do terreno que po- dem ou não ser transpostos pela viatura blindada. T – 1707 (TE) - Conduzir a viatura blin- dada através do campo, transpondo ou desviando de obstáculos. - O militar deverá dirigir a viatu- ra blindada, através do campo, transpondo ou desviando dos obstáculos, sem cometer erros. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada e um percurso, através do campo, o militar deve- rá percorrê-lo. T – 1708 (TE) - Conduzir a viatura blin- dada com a escotilha fe- chada. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada com a escotilha do motorista fechada e um percurso através do campo. - O militar deverá dirigir a viatu- ra blindada, através do campo, sem cometer erros.
  32. 32. 36.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1710 (TE) - Rebocar uma viatura indisponível. - Apresendados, ao militar, duas viaturas blindadas, estando uma imobilizada no terreno, e todo o material necessário. - Identificar as normas de segurança aplicáveis às manobras-de-força. - Realizar os cálculos de força necessária para desatolar uma viatura atolada. - Identificar o material necessário para a manobra-de-força. - Identificar as principais formas de realizar manobra-de-força com a vi- atura blindada. - Realizar manobras-de-força com uma ou mais viaturas. - Identificar procedimentos de emergência a realizar com a viatura, de forma a retirá-la, por meios próprios do local em que se encon- tra. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Procedimentos especiais a. Manobras-de-força 1) Normas de segurança. 2) Cálculos de resistên- cia. 3) Material necessário. 4) Execução da mano- bra-de-força. - O militar deverá identificar as formas de realizar a manobra- de-força com a viatura blindada e executá-las corretamente. T – 1711 (TE) - Realizar manobras de força com a viatura blin- dada. - Apresendadas, ao militar, duas viaturas blindadas conectadas, estando a da retaguarda prepara- da para ser rebocada, e todo o material necessário. - O militar deverá dirigir a viatu- ra blindada rebocadora e a rebocada sem cometer erros. - Identificar os procedimentos de segurança necessários à condução de uma viatura blindada que reboca outra. - Identificar as limitações impostas à viatura rebocadora pela viatura rebocada. -Demonstrar aptidãoparaocumprimen- to da tarefa constante do OII. b. Condução da viatura rebo- cando outra viatura. 07. CONDUÇÃO DE VIATURAS BLINDADAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h + 08 horas noturnas T – 1709 (TE) - Conduzir a viatura blin- dada à noite. - Apresentados, ao militar, uma viatura blindada com a escotilha do motorista fechada e um percurso através do campo, durante à noi- te. - O militar deverá dirigir a viatu- ra blindada, durante à noite, sem cometer erros. - - Dirigir a viatura blindada Escola com a escotilha do motorista fechada. - Dirigir a viatura blindada Escola à noite, com a escotilha do motorista fe- chada. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII.
  33. 33. 37.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1713 (AC) - Identificar as condições favoráveis e desfavorá- veis para a realização de uma transposição de cur- so d’água. - Apresentados, ao militar, locais favoráveis e desfavoráveis à tra- vessia do curso d’água. - O militar deverá concluir com correção sobre as melhores condições e locais para transposição do curso d’água. T – 1714 (TE) - Transpor um curso d’água. - Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada, todo o material ne- cessário e local favorável à travessia. - Descrever os procedimentos de preparação da viatura e do local de transposição. - Descrever os procedimentos, ações e cuidados a serem tomados durante a transposição do curso d’ água. - Descrever os procedimentos a se- rem tomados após concluída a trans- posição. - Calcular a velocidade da corrente- za do curso d’água. - Analisar as margens de acesso e saída do curso d’água. - Analisar as condições do fundo do curso d’água. - Concluir sobre as condições para transposição do curso d’água. - Executar todos os procedimentos a serem tomados antes da transposi- ção do curso d’ água. - Operar a Viatura Blindada em uma transposição de curso d’ água, exe- cutando todos os procedimentos pre- vistos. - Executar todos os procedimentos a serem tomados após a transposição do curso d’ água. - Demonstrar aptidão para o cum- primento das tarefas constantes dos OII. c. Transposição de curso d’ água 1) Locais favoráveis à travessia. 2) Preparação da viatura. 3) Execução. 4) Ações a realizar após a transposição. 5) Normas de segurança. 07. CONDUÇÃO DE VIATURAS BLINDADAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h + 08 horas noturnas - O militar deverá preparar a via- tura blindada e executar uma tra- vessia de um curso d’água den- tro do tempo estipulado pelo instrutor. - Apresendada, ao militar, uma prancha rodoviária, e(ou) um va- gão do tipo plataforma, e(ou) um Navio de Desembarque de Carros de Combate, e todo o material ne- cessário. - Executar as medidas preliminares para o embarque rodoviário, ferroviá- riooumarítimo. - Executar o embarque rodoviário, fer- roviáriooumarítimo. - Ancorar a viatura blindada ao meio de transporte. - Executar o desembarque rodoviário, ferroviário e marítimo. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. - O militar deverá balizar e con- duzir a viatura durante o embar- que e o desembarque em pran- cha rodoviária, ferroviária e(ou) marítima corretamente. - Executar o embarque e desembarque da viatura blindada, em um meio de transporte administrati- vo. b. Embarque da Viatura em meios de transporte 1) Meios de transporte. 2) Material necessário ao embarque. 3) Material necessário à ancoragem. 4) Embarque da viatura. 5) Ancoragem da viatura. 6) Desembarque da viatu- ra. T – 1712 (TE)
  34. 34. 38.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1715 (TA) - Conduzir a viatura blindada aproveitando corretamente o terreno. - Apresentadas, ao militar, uma vi- atura blindada, com o seu coman- dante, e uma situação tática em que a viatura possa ser abatida pelo inimigo. - O militar deverá conduzir a via- tura aproveitando correta-men- te o terreno, de acordo com as ordens e orientações do coman- dante da viatura. - Descrever, de modo geral, a situa- ção tática, posição ocupada pelo ini- migo e objetivos a atingir pela viatu- ra. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. d. Condução da viatura em situação tática. T – 1716 (TA) - Conhecer as medidas ativas e passivas ontra ações do inimigo aéreo, forças blindadas, pára- quedistas, guerrilheiros e de fogos de Artilharia. - Apresentadas, ao militar, uma situação em que deve demonstrar os conhecimentos adquiridos da auto-defesa. - O militar deverá conduzir a via- tura segundo os preconizados nas medidas ativas e passivas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Defesa contra ações do inimi- go aéreo, forças blindadas, pára-quedistas, guerrilheiros e de fogos de Artilharia a. medidas passivas. b. medidas ativas. c. normas de engajamento. 07. CONDUÇÃO DE VIATURAS BLINDADAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h + 08 horas noturnas
  35. 35. 39.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Citar as principais características da viatura blindada. - Citar os dados técnicos da viatura blindada. - Identificar, pelo nome, as partes prin- cipais da viatura blindada. - Localizar as partes principais da vi- atura blindada. - Citar as possibilidades e limitações. - Enunciar as medidas de segurança. - Identificar as áreas de risco. - Identificar as atividades de risco. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Apresentação a. Características. b. Componentes principais. c. Possibilidades e limitações. 2. Medida de segurança a. Medidas de segurança. b. Área de risco. c. Atividades de risco. T – 1701 (AC) - Citar as características, limitações e possibilida- des da viatura blindada. - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada. T – 1703 (HT) - Realizar o apronto opera- cional. - Apresentados, ao militar, uma vi- atura blindada e todo o equipa- mento previsto para o apronto operacional. - Identificar o material orgânico da viatura blindada. - Descrever a utilização do material orgânico. - Identificar o local para colocação do material orgânico. - Equipar a viatura blindada. - Desequipar a viatura blindada. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Apronto Operacional a. Material orgânico. b. Localização do material. c. Execução do apronto ope- racional. - O militar deverá citar todos os equipamentos da viatura, des- crevendo a sua utilização e rea- lizar o apronto operacional. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas T – 1702 (CH) - Empregar as medidas de segurança no emprego da viatura blindada. - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada. - O militar deverá enumerar todas as normas de segurança, citar as áreas e atividades de risco no trabalho com a viatura blindada e empregar as normas de segurança quando necessá- rio. - O militar deverá citar implicações das características, limitações e possibilidades da viatura blindada em seu deslo- camento, quer em estradas, quer através do campo.
  36. 36. 40.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Identificar os elementos da guarni- ção da viatura blindada. - Identificar os locais a serem ocupados pela guarnição no interior da viatura blindada. - Identificar o local a ocupado em forma pelo motorista. - Identificar os locais de embarque na viatura blindada. - Descrever os procedimentos a serem desenvolvidos pelo motorista decorrentes do comando para embarcar. - Descrever os procedimentos a serem desenvolvidos pelo motorista decorrentes do comando para desembarcar. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Guarnição de viatura blindada a. Composição: 1) Número de elementos. 2) Posto ou graduação. 3) Funções. 4) Locais a ocupar dentro da viatura blindada. b. Comandos para a guarni- ção desembarcada: 1) Em forma: na frente, no lado esquerdo e no lado direito da viatura blindada. 2) Fora de forma. 3) Enunciar funções. 4) Guarnição! Trocar Fun- ções. c. Comandos para a guarni- ção embarcar: 1) Em forma: na frente, no lado esquerdo e no lado direito da viatura blindada. 2) Preparar para embar- car. 3) Embarcar. 4) Todos prontos. T – 1704 ( OP ) - Realizar os procedi- mentos relativos à Escola da Guarnição da viatura blindada. - Será apresentada uma viatura blindada e organizada uma guarnição com os militares. - O instrutor emitirá um conjunto de comandos relativos às se- guintes situações da guarnição: - desembarcada; - para embarcar; - embarcada; - para desembarcar; e - para desembarcar com a viatura blindada em movimento pela escotilha de emergência (SFC). - O militar, no decorrer da tarefa deverá: - Realizar prontamente os procedimentos decorrentes dos comandos recebidos; - Embarcar pelos locais ade- quados; - Ocupar, corretamente, os lugares correspondentes a cada integrante da guarnição; - Executar todas as atividades previstas para os integrantes da guarnição quando embarcada; e - Desembarcar pelos lugares adequados. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas
  37. 37. 41.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS d. Comandos para a guarnição embarcada: 1) Fechar escotilhas. 2) Preparar para o comba- te noturno. 3) Demais comandos pa- dronizados. e. Comandos para a guarni- ção desembarcar: 1) Preparar para desem- barcar. 2) Desembarcar. 3) Enunciar funções. f. Comandos para o desembarque pela saída de emergência com a viatura blindada parada ou em movi- mento: T – 1705 (HT) - Realizar as operações da guarnição embarcada na viatura blindada. - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada com o militar no compartimento do motorista e o comandante da viatura emitindo diversos comandos padronizados. - O militar deverá executar as ações previstas no manual técnico da viatura para os diversos comandos padroniza- dos emitidos pelo seu comandante. - Descrever os procedimentos a serem desenvolvidos pelo motorista decorrentes dos diversos comandos padronizados emitidos com a guarnição embarcada. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas
  38. 38. 42.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Descrever os procedimentos a serem desenvolvidos pelo motorista decorrentes dos diversos comandos relativos à guarnição desembarcada. - Descrever as atividades realizadas mediante ordens recebidas, referen- tes à segurança do local. - Identificar o local no terreno a ser ocupado pela viatura blindada. - Conduzir a viatura blindada ao melhor local do terreno. - Camuflar a viatura. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. 5. Conduta da guarnição desem- barcada: a. Segurança local quando desembarcada. b. Desembarque com arma- mento e munição. c. Localização da viatura blin- dada. d. Camuflagem da viatura blindada. T – 1706 (HT) - Realizar as condutas da guarnição desembarcada. - Uma viatura blindada está com a guarnição embarcada. O co- mandante da viatura dará ordem para que a mesma seja estaciona- da e que a guarnição faça a segu- rança do local e da viatura. Será fornecida a rede de camuflagem. - Na realização da tarefa o militar deverá: - Orientar o motorista na colo- cação da viatura blindada em uma coberta ou abrigo. - Como motorista, colocar a via- tura em uma coberta ou abrigo, de acordo com a orientação re- cebida. - Ocupar uma posição, à frente da viatura, que seja coberta e permita a observação do terre- no à frente. - Utilizar a rede de camuflagem e o material natural à camufla- gem para quebrar a forma da vi- atura blindada. - Utilizar a rede de camuflagem e o material natural à camufla- gem para quebrar a forma da vi- atura blindada, em especial da torre. 6. Abandono do carro de com- bate: a. Comando:Abandonar a vi- atura blindada. b. Situações em que a guarni- ção abandona a viatura blindada. c. Providências a serem tomadas pelo motorista no abandono da viatura blindada. T – 1707 (TE) - Abandonar a viatura blindada. - Apresentada, ao miltar, uma viatura blindada com o militar embarcado no compartimento do motorista e simulado um incên- dio, o comandante da viatura blin- dada deverá emitir o seguinte co- mando: - Abandonar a viatura blindada. - O militar deverá retirar o material, armamento e equi- pamento previsto, abandonar a viatura blindada executar as ordens do comandante da via- tura blindada prontamente. Deverão ser observadas a des- treza, rapidez e acerto com que são realizadas as operações, pelo militar. - Descrever as atividades a serem realizadas de acordo com o coman- do recebido. - Descrever as providências a serem tomadas, pelo motorista, relativas ao material, armamento e munição por ocasião do abandono da viatura blin- dada. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas
  39. 39. 43.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada com o militar embarcado no compartimento do motorista, ao comando de: - Destruir a viatura blindada. - Simular a destruição da viatura blindada pelos processos existentes. - O militar deverá realizar a identificação, mostrando todos os instrumentos e equipa- mentos a serem destruídos e as ferramentas a serem utilizadas. T – 1708 (TE) 7. Destruição da viatura blindada e do equipamento: a. Comando: destruir a viatura blindada. b. Necessidade da destruição. c. Meios de destruição: 1) Mecânicos. 2) Inflamáveis. 3) De demolição. 4) De tiro. d. Destruição dos instrumen- tos e equipamentos de controle de tiro: 1) Canhão: a) Processo nº 1: Por demolição. b) Processo nº 2: Pela queima. 2) Metralhadoras. e. Destruição do material de comunicações. f. Destruição da viatura blin- dada: 1) Processo nº 1: pela queima. 2) Processo nº 2: pela demolição. 3) Processo nº 3: por tiro de canhão. - Relacionar o comando recebido com os procedimentos a serem realizados durante a destruição da viatura blin- dada. - Identificar os meios de destruição da viatura blindada, do equipamento e do armamento. - Descrever os processos de destruição dos instrumentos e dos equipamentos de controle de tiro. - Descrever os processos de destruição do canhão. - Descrever o processo de destruição das metralhadoras e dos equipamentos de controle de tiro. - Descrever os processos de destruição do canhão. - Descrever os processos de destruição das metralhadoras. - Descrever a maneira de destruir o material de comunicações. - Descrever os processos de destruição da viatura blindada. - Relacionar os procedimentos a serem realizados pela guarnição com os comandos recebidos. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas
  40. 40. 44.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada, com uma guarnição constituída de militares embarcada. O instrutor deverá emitir os seguintes comandos, nesta ordem: - Evacuar motorista; - Evacuar o auxiliar de atirador; - Evacuar o atirador; e - Evacuar o comandante da viatura blindada. - Auxiliar na Evacuação de feridos da viatura blindada. - Cada um dos integrantes da guarnição deverá realizar os procedimentos relativos a sua função, decorrentes de cada comando. Na realização, deverão ser observados, pelos milita- res, os seguintes aspectos: - Posições a ocupar na viatura blindada, para a evacuação do ferido. - Movimentos a serem feitos. - Conforto do ferido - Material utilizado. - Não agravar o estado de saúde do ferido. - Transporte do ferido para local apropriado (arejado, sombrio). T – 1709 (OP) 8. Socorro e evacuação de feri- dos. a. Processo para evacuação de ferido, do compartimento do motorista: - Comando: Evacuar motorista. b. Processo para evacuação de ferido da torre: - Comando: Evacuar atirador, evacuar auxiliar de atirador ou evacuar Comandante da viatura blindada. - Descrever o processo para a evacuação de feridos do compartimento do motorista. - Descrever o processo para a evacuação de feridos da torre. - Descrever os deveres dos componentes da guarnição na evacuação de um elemento ferido. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada, serão simuladas situações de incêndio no compartimento do motorista, de combate e do conjunto de força. - Realizar as ações de Combate a incêndio na viatura blindada. - O militar deverá: - Localizar e operar com correção o sistema de combate a incêndio; e - Executar as ações de acordo com a seqüência preconizada. T – 1710 (HT) 9. Sistema de combate a incên- dio. a. Apresentação e características. b. Localização e operação. c. Seqüência de ações para combate a incêndio: 1) No compartimento do motorista. 2) No compartimento de combate. 3) No compartimento do conjunto de força. d. Atuação dos componentes da guarnição - Citar as características do sistema de combate a incêndio - Identificar suas divisões - Descrever a seqüência de ações para combate a incêndio - Identificar a localização dos componentes do sistema - Descrever os cuidados para operação do sistema - Descrever os deveres dos componentes da guarnição em caso de incêndio - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas
  41. 41. 45.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada e todo o material para o combate noturno. - Preparar a viatura blindada para o combate noturno. - O militar deverá preparar a viatura para ser dirigida em situação de escurecimento total e operar os equipamentos com acerto. T – 1711 (HT) 10. Combate noturno. a. Preparação da viatura. b. Equipamentos e visão no- turna. c. Deslocamento da viatura blindada. d. Ações da guarnição. - Identificar os preparativos da viatura blindada para a condução noturna. - Reconhecer e operar os equipamentos de visão noturna do motorista da viatura blindada. - Citar os cuidados a serem tomados durante um deslocamento noturno com a viatura blindada. - Descrever as ações da guarnição para a utilização da viatura blindada para o combate noturno. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. - Apresentada, ao militar, uma viatura blindada e um balizador ou motorista. - Balizar uma viatura blin- dada e conduzir uma viatura blindada com auxílio de um balizador. - O militar deverá balizar uma viatura blindada e conduzir uma viatura blindada, de acordo com as ordens emitidas por um balizador, com segurança. T – 1712 (HT) 11. Balizamento de viatura blin- dada. a. Gestos e sinais convencio- nados de balizamento. b. Balizamento da viatura blin- dada. c. Condução da viatura com auxílio de balizador. d. Balizamento noturno. - Identificar os gestos e sinais convencionados para o balizamento diurno de uma viatura blindada - Identificar os sinais convencio- nados para o balizamento noturno de uma viatura blindada. - Demonstrar aptidão para o cumprimento da tarefa constante do OII. TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h + 02 horas noturnas 08. ESCOLA DA GUARNIÇÃO DE VIATURA BLINDADA
  42. 42. 46.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h - Realizar a Manutenção de 1o Es- calão da viatura blindada. - Realizar a Manutenção de 1o Escalão da viatura blin- dada. - O militar deverá executar corretamente a manutenção de 1o Escalão da viatura blindada. T – 1701 ( CH ) 1. Manutenção de 1o Escalão a. Objetivo; b. Procedimentos; c. Responsabilidade; d. Freqüência; e e. Ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção do material de emprego mili- tar, em especial da viatura blindada. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adotadas na manutenção de 1o Es- calão da viatura blindada. - Realizar a manutenção de 1o Esca- lão da viatura blindada, utilizando as respectivas tabelas de manutenção. - Apresentado, ao militar, os equi- pamentos e instrumentos, empre- gados na viatura blindada, a ser manutenido e o material necessá- rio à manutenção de 1o Escalão - Realizar a Manutenção de 1o Escalão dos equipa- mentos e instrumentos empregados na viatura blindada. - O militar deverá executar corretamente a manutenção de 1o Escalão dos equipamentos e instrumentos que utilizará no cumprimento de suas atribui- ções. T – 1702 ( CH ) 2. Manutenção de 1o Escalão a. objetivo; b. procedimentos; c. responsabilidade; d. freqüência; e. desmontagem de 1o Escalão; f. montagem de 1o Escalão; e g. ferramental e material empregado na manutenção de 1o Escalão. - Entender a importância da manu- tenção dos equipamentos e instru- mentos para o cumprimento de suas atribuições. - Descrever os principais procedi- mentos e freqüência, a serem adotados na manutenção de 1o Es- calão dos equipamentos e instru- mentos. - Realizar a desmontagem e monta- gem de 1o Escalão dos equipamen- tos e instrumentos. - Realizar a manutenção de 1o Esca- lão dos equipamentos e instrumen- tos, utilizando as respectivas tabe- las de manutenção. - Apresentado, ao militar, uma via- tura blindada a ser lubrificado, lu- brificantes adequados e a Carta- Guia de Lubrificação - Executar a lubrificação da viatura blindada utilizando a Carta-Guia de Lubrifica- ção. T – 1703 ( CH ) - Lubrificar a Vtr Bld utilizando a Car- ta-Guia de Lubrificação. - Citar a finalidade da Carta-Guia de Lubrificação. - Interpretar a Carta-Guia de Lubrifi- cação. 3. Carta-Guia de Lubrificação. a. finalidade; e b. identificação da Carta-Guia com as peças e utilização dos lubrificantes. - O militar deverá executar corretamente a lubrificação da viatura blindada.
  43. 43. 47.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h - Apresentado, ao militar, os com- ponentes da viatura blindada a ser limpo e lubrificado. - Realizará a limpeza e lu- brificação de compo- nentes (peças e acessó- rios) da viatura blindada. - O militar deverá executar corretamente a limpeza e lubri- ficação dos componentes da vi- atura blindada. T – 1704 ( CH ) 4. Limpeza e lubrificação dos componentes ( peças e acessó- rios) da viatura blindada a. Finalidade; b. Carta-Guia de Lubrificação;e c. Utilização das tabelas de manutenção do material. - Entender a importância da limpeza dos componentes da viatura blinda- da. - Citar as atribuições de cada ser- vente na limpeza dos componentes. - Apresentado, ao militar, o seguin- te material: - uma Vtr Bld com necessidade de recompletamento de óleo; - uma carta-guia de lubrificação; - ferramentas necessárias ao re- completamento; e - óleo para recompletamento. - Realizar o recompleta- mento do óleo dos meca- nismos de recuo da via- tura blindada. - O militar deverá executar cor- retamente todas as ações ne- cessárias ao recompletamento do óleo dos mecanismos da Vtr Bld. T – 1705 ( CH ) 5. Verificação dos níveis Recompletamento dos lubrifi- cantes - Identificar a necessidade de completamento do óleo da Vtr Bld. - Utilizar corretamente o ferramental necessário ao recompletamento do óleo da Vtr Bld. - Por ocasião da manutenção de 2o Escalão da viatura blindada. - Auxiliar na Manutenção de 2o Escalão da viatura blindada. - O militar deverá auxiliar de modo adequado a manutenção de 2o Escalão da viatura blinda- da. T – 1706 ( CH ) 6. Manutenção de 2o Escalão a. Objetivo; b. Procedimentos; c. Responsabilidade; d. Freqüência; e e.Ferramentalematerialempre- gados na manutenção de 2o Esc. - Apresentado, ao militar, uma via- tura blindada na seguinte situação: - na posição de tiro; e - na posição de marcha. - Inspecionar a viatura blin- dada, antes, durante e de- pois do tiro e da marcha. - O militar deverá: - inspecionar o material corre- tamente antes, durante e após o tiro; e - inspecionar o material corre- tamente antes, durante e após a marcha. T – 1707 ( CH ) 7. Inspeção do Material da viatu- ra blindada a. Antes, durante e após o tiro; b. Antes, durante e após a marcha. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material da viatura blindada, antes, durante e após o tiro. - Citar os procedimentos necessári- os à inspeção do material da viatura blindada, antes, durante e após a marcha. - Participar da manutenção de 2º Escalão da Vtr Bld.
  44. 44. 48.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 09. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h - Apresentado, ao militar, um Li- vro Registro da viatura blindada e os dados necessários ao seu pre- enchimento. - Preencher o Livro Regis- tro da viatura blindada e dos equipamentos e ins- trumentos empregados na viatura blindada. - O militar deverá preencher o livro, colocando os dados apre- sentados nos campos apropri- ados. T – 1708 ( CH ) 8. Livro Registro da viatura blindada e dos Equipamentos e Instrumentos empregados nes- ta. a. Finalidade; e b. Informações necessárias; e c. Oportunidades de registro. - Citar a finalidade do Livro Registro da viatura blindada. - Preencher o Livro Registro da via- tura blindada. - Apresentado, ao militar, uma via- tura blindada e o suprimento ne- cessário para a utilização no pro- cesso úmido de descontaminação à água. - Realizar a descontamina- ção da viatura blindada e dos equipamentos e ins- trumentos empregados na viatura blindada. - O militar deverá realizar a tare- fa, observando todos os proce- dimentos preconizados no pro- cesso a ser utilizado. T – 1709 ( CH ) 9. Descontaminação da viatura blindada e dos equipamentos e instrumentos empregados na vi- atura blindada a. Finalidade; b. Processos; e c. Relação processos/agen- tes. - Relacionar os processos de descontaminação com o tipo de agente.
  45. 45. 49.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1710 (AC) Interpretar e preencher, corretamente, a docu- mentação de manutenção e de serviço da viatura blindada. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada, seu plano de manu- tenção, Carta-Guia de Lubrificação, livro registro e ficha de serviço. - Descrever as conseqüências da não realização da manutenção pre- ventiva na eficiência operacional da fração. - Identificar todos as simbologias do plano de manutenção de viatura. - Interpretar corretamente um plano de manutenção. - Interpretar corretamente a carta- guia de lubrificação. - Preencher corretamente o Livro Registro de Viatura. - Enumerar as operações de manu- tenção de 1º Escalão a cargo da guarnição. - Citar os serviços periódicos adicio- nais. - Preencher todos os campos, da Fi- cha de Serviço da Viatura, afetos ao motorista. - Realizar as inspeções previstas no verso da ficha. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Ferramental orgânico para manutenção de 1º Escalão a. Ferramentas. b. Emprego. O militar deverá citar, com 90% de acerto, o emprego dos com- ponentes do ferramental orgâ- nico. 1. Documentação de manutenção e de serviço. 2. Periodicamente da manuten- ção. a. Antes, durante e após o mo- vimento. b. Diária. c. Semanal. d. Mensal. e. Serviços periódicos adicionais. f. Inspeções. - Identificar, pelo nome, o ferramental orgânico para manutenção de 1º Escalão da viatura blindada. Conhecer o emprego do ferramental de 1º Escalão da viatura blindada. O militar deverá interpretar e preencher, corretamente, os do- cumentos de manutenção e de serviço da viatura blindada. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada e seu ferramental or- gânico. T – 1711 (AC) 09. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h
  46. 46. 50.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS O militar deverá, seguindo as normas de segurança previstas, realizar a partida auxiliar da viatura e carregar as baterias da viatura utilizando o sistema de partida auxiliar. Realizar a partida auxiliar na viatura blindada. Apresentadas, ao militar, duas vi- aturas blindadas, uma delas com as baterias descarregadas e o ma- terial necessário para a partida au- xiliar. T – 1712 (TE) 4. Procedimentos de manutenção a. Conjunto de força. b. Suspensão. c. Sistema elétrico. d. Outros sistemas. 5. Situações de emergência a. Partida auxiliar. b. Rebocamento da viatura. c. Outras situações. - Identificar os procedimentos de ma- nutenção periódica de 1º Escalão. - Realizar verificações no conjunto de força (conexões, níveis dos fluí- dos, estados dos filtros). - Realizar recompletamentos e subs- tituição dos diversos fluídos existen- tes no conjunto de força. - Realizar a limpeza e substituição de filtros. - Realizar as demais operações de manutenção do conjunto de força previstas no manual de 1º Escalão da viatura. - Realizar verificações nos trens de rolamento. - Substituir componentes dos trens de rolamento. - Realizar verificações do sistema elétrico. - Substituir componentes do sistema elétrico. - Lubrificar a viatura. - Citar as normas de segurança ne- cessárias para a partida auxiliar. - Realizar a partida auxiliar da viatura, de acordo com os diversos procedi- mentos preconizados em manual. - Carregar as baterias da viatura, uti- lizado o sistema de partida auxiliar. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Citar as normas de segurança ne- cessárias para se rebocar uma via- tura blindada. - Citar as normas técnicas que de- terminam a possibilidade de uma via- tura blindada ser rebocada. - Preparar uma viatura indisponível para ser rebocada em função do tipo de pane apresentado. - Conectar as viaturas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. O militar deverá, seguindo as normas técnicas previstas, pre- parar uma viatura para ser rebocada, em função da pane apresentada, e conectá-la à via- tura rebocadora. Preparar a viatura para ser rebocada. Apresentadas, ao militar, duas vi- aturas blindadas e o material ne- cessário para rebocar uma delas. T – 1713 (TE) 09. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 44 h
  47. 47. 51.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS T – 1701 (AC) - Identificar os componentes do sis- tema. - Descrever o funcionamento do sis- tema. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. O militar deverá identificar, com correção, todos os componen- tes do sistema, descrevendo seu funcionamento. Identificar os componen- tes do sistema DQBN e descrever o funciona- mento do sistema. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada equipada com siste- ma DQBN e todo o material neces- sário. TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h10. SISTEMAS ESPECIAIS DAS VIATURAS BLINDADAS T – 1702 (HT) O militar deverá operar o siste- ma DQBN.Operar o sistema DQBN. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada e todo o material ne- cessário. T – 1704 (HT) O militar deverá identificar, com correção, todos os componen- tes do sistema que comanda o equipamento especial descre- vendo seu funcionamento. Identificar os componen- tes do equipamento espe- cial da viatura blindada (rampa, lâmina ou outros) e descrever o funciona- mento do sistema. Apresenta, ao militar, uma viatura blindada equipada com equipa- mento (rampa, lâmina ou outros). T – 1703 (AC) Operar equipamento es- pecial da viatura blindada. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada equipada com equi- pamento (rampa, lâmina ou ou- tros). O militar deverá operar o siste- ma que aciona o equipamento especial da viatura blindada. T – 1705 (AC) Identificar os componen- tes do sistema de Mergu- lho/Navegação e descre- ver o funcionamento do sistema. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada e todo o material ne- cessário. O militar deverá identificar, com correção, todos os componen- tes do sistema, descrevendo seu funcionamento. T – 1706 (AC) Descrever os procedi- mentos corretos a serem executados antes, duran- te e após a transposição de curso d’água. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada e todo o material ne- cessário. O militar deverá descrever, com correção, todos os procedimen- tos corretos a serem executa- dos antes, durante e após a transposição de curso d’água. T – 1707 (HT) Operar o sistema de mergulho/navegação. Apresentada, ao militar, uma via- tura blindada e todo o material ne- cessário. O militar deverá operar o siste- ma de mergulho/navegação. 1. Sistema de DQBN de Vtr Bld a. Componentes. b. Funcionamento. c. Operação. - Identificar os componentes do sis- tema. - Descrever o funcionamento do sis- tema. - Operar os componentes do siste- ma de mergulho/navegação em ter- ra. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Sistema de Mergulho/Navega- ção de Vtr Bld a. Componentes. b. Funcionamento. c. Possibilidades e limitações. d. Operação. - Identificar os componentes do sis- tema acionador do equipamento es- pecial. - Citar as funções dos componentes do sistema acionador do equipamen- to especial. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Equipamento especial (rampa, lâmina ou outros) de Vtr Bld a. Componentes. b. Funcionamento. c. Operação.

×