CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1

4.679 visualizações

Publicada em

CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1

Publicada em: Educação
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.679
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
331
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1

  1. 1. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES Caderno de Instrução PATRULHAS 1ª Edição - 2004 Experimental CI 21-75/1 Preço: R$ CARGA EM______________
  2. 2. MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COMANDO DE OPERAÇÕES TERRESTRES PORTARIA N° 009 COTER, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005. Caderno de Instrução CI 21-75-1 Patrulhas O COMANDANTE DE OPERAÇÕES TERRESTRES, no uso da delegaçãodecompetênciaconferidapelaletrad),itemXI,Art.1°daPortariaN°441, de 06 de setembro de 2001, resolve: Art.1°Aprovar,emcaráterexperimental,oCadernodeInstruçãoCI21- 75/1 Patrulhas. Art.2°EstabelecerqueaexperimentaçãodesteCadernodeInstrução seja realizada durante os anos de 2005, 2006 e 2007. Art. 3° Determinar que esta Portaria entre em vigor na data de sua publicação. ____________________________________________ GenExROBERTOJUGURTHACAMARASENNA Comandante de Operações Terrestres
  3. 3. CI 21-75-1 PATRULHAS NOTA OCI21-75PatrulhasfoielaboradopelaAcademiaMilitardasAgulhas Negras.ApósrevisãodoCOTER,foiexpedidoparaexperimentaçãoem2005,2006 e 2007. Solicita-se aos usuários deste Caderno de Instrução a apresentação de sugestões que tenham por objetivo aperfeiçoá-lo ou que se destinem à supressãodeeventuaisincorreções. Asobservaçõesapresentadas,mencionandoapágina,oparágrafoea linha do texto a que se referem, devem conter comentários apropriados para seu entendimento ou sua justificação. AcorrespondênciadeveserenviadadiretamenteaoCursoAvançadoda AMAN, de acordo com Art 78, das IG 10-42 – INSTRUÇÕES GERAIS PARA A CORRESPONDÊNCIA,PUBLICAÇÕESEOSATOSNORMATIVOSNOÂMBITO DOEXÉRCITO,ondeseráavaliada,respondidae,seforocaso,remetidaaoCOTER paraaprovaçãoedivulgação. 1ª EDIÇÃO – 2004 Experimental
  4. 4. ÍNDICE DE ASSUNTOS Pag CAPÍTULO1–INTRODUÇÃO ARTIGOI-Generalidades ..................................................................1-1 ARTIGOII-Conceituação...................................................................1-3 ARTIGOIII-Classificação ..................................................................1-3 ARTIGOIV-Responsabilidades .........................................................1-6 ARTIGO V - Organização Geral da Patrulha .......................................1-7 CAPÍTULO2–CONDUTADASPATRULHAS ARTIGO I - Aspectos Gerais na Conduta das Patrulhas .....................2-1 ARTIGO II - Peculiaridades de uma Patrulha de Reconhecimento.......2-12 ARTIGO III - Peculiaridades de uma Patrulha de Combate ..................2-15 ARTIGO IV - Técnicas de Assalto.......................................................2-35 ARTIGOV-Infiltração ........................................................................2-38 ARTIGO VI - Base de Combate, Base de Patrulha, Área de Reunião e Área de Reunião Clandestina .........................................2-39 ARTIGO VII - Técnicas de Ação Imediata ...........................................2-50 CAPÍTULO3–PLANEJAMENTOEPREPARAÇÃODASPATRULHAS ARTIGO I - Normas de Comando ........................................................3-1 ARTIGOII-ProvidênciasIniciais ........................................................3-3 ARTIGOIII-ObservaçãoePlanejamentodoReconhecimento ............3-8 ARTIGOIV-Reconhecimento ............................................................3-13 ARTIGO V - Estudo de Situação ........................................................3-14 ARTIGO VI -Ordens ...........................................................................3-18 ARTIGO VII - Fiscalização ..................................................................3-23 CAPÍTULO4–PATRULHAEMAMBIENTESESPECIAIS ARTIGO I - Considerações Iniciais ......................................................4-1 ARTIGO II - Patrulha em Área de Caatinga .........................................4-2 ARTIGO III - Patrulha em Área de Montanha .......................................4-7 ARTIGO IV - Patrulha em Área de Pantanal........................................4-13 ARTIGO V - Patrulha em Área de Selva ..............................................4-17 ARTIGO VI - Patrulha em Área Urbana ...............................................4-24 ARTIGO VII - Patrulha em Ambiente Químico, Biológico e Nuclear .....4-30
  5. 5. CAPÍTULO5–PATRULHASCOMCARACTERÍSTICASESPECIAIS ARTIGOI-PatrulhaAeromóvel...........................................................5-1 ARTIGO II - Patrulha na Garantia da Lei e da Ordem ..........................5-5 ARTIGOIII-PatrulhaFluvial ...............................................................5-8 ARTIGO IV - Patrulha Motorizada .......................................................5-17 ANEXOS: “A” - Operação ONÇA “B” - Meios visuais “C” - Memento do comandante de patrulha “D” - Relatório “E” - Glossário
  6. 6. 1 - 1 CI 21-75 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ARTIGO I GENERALIDADES 1-1. FINALIDADE O presente Caderno de Instrução (CI) tem a finalidade de apresentar a doutrina sobre patrulhas. 1-2. OBJETIVO a. Conceituar patrulha, classificá-las e definir as responsabilidades pelo seu lançamento e execução. b. Apresentar a organização geral dos diferentes tipos de patrulha e as técnicas de planejamento e preparação das mesmas. c. Definir condutas e apresentar peculiaridades dos diversos tipos de patrulha. 1-3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS a. De acordo com a Concepção Estratégica do Exército (SIPLEx - 4), as Hipóteses de Emprego (HE) decorrem dos cenários admitidos e das orientações político-estratégicas do País, que não elegem ou caracterizam qualquer país como potencial inimigo, e representam as grandes opções estratégicas da Defesa Nacional.
  7. 7. 1 - 2 CI 21-75-1 b. A Doutrina Delta refere-se ao combate convencional, no quadro de um conflito externo limitado, em Área Operacional do Continente (AOC) – excluída a Área Estratégica Amazônica. A campanha terrestre no Teatro de Operações Terrestre (TOT) deverá ser conduzida ofensivamente, com grande ímpeto, buscando a decisão no menor prazo possível. As operações deverão desenvolver-se num combate continuado e não linear, com ênfase nas manobras desbordantes ou envolventes, para atingir os objetivos estratégicos previstos. Em virtude das características das AOC, é fundamental que haja judiciosa seleção da frente, onde deverá ser aplicado o máximo poder de combate. c. Mesmo nas ocasiões em que uma atitude defensiva for adotada temporariamente, deve ser empregado o maximo de ações ofensivas. Nesse sentido, cresce de importância a execução de um patrulhamento agressivo e eficiente, seja nas operações ofensivas ou defensivas. d. A HE “A”, que trata da defesa da soberania, com preservação da integridade territorial, do patrimônio e dos interesses nacionais relativos à Amazônia, está baseada na Doutrina Gama. Esta, por sua vez, apresenta duas variantes. A primeira visualiza um oponente que possui um poder militar semelhante ou inferior ao nosso. Neste caso, procurar-se-á a rápida decisão do conflito, com o emprego de força regular, em combate convencional.Aestratégia a ser privilegiada será a da Ofensiva. Asegunda vislumbra uma agressão por poder militar incontestavelmente superior. Neste outro caso, serão empregadas forças regulares e mobilizadas, preponderando as ações não-convencionais, em um combate prolongado, evitando-se o engajamento direto com as forças inimigas. A estratégia a ser privilegiada será a da Resistência. e. Dentro desse contexto, visualiza-se, particularmente na segunda variante apresentada, o emprego maciço de patrulhas, cumprindo as mais variadas missões, na maioria das vezes, de forma bastante descentralizada. Tal fato concorrerá para que a liderança e a iniciativa dos comandantes de todos os níveis se tornem vetores decisivos para o sucesso das operações. f. Nesse sentido, o presente Caderno de Instrução foi elaborado com a finalidade de aprofundar os conhecimentos a serem seguidos pelos comandantes de pequenas frações. Aqui estão homogeneizados, após a realização dos I e II Seminários de Patrulhas do Exército Brasileiro, promovidos pela Academia Militar das Agulhas Negras, nos períodos de 1º a 5 de setembro de 2003 e de 6 a 10 de setembro de 2004, os diversos procedimentos que orientam os comandantes nesse tipo de missão. 1-3
  8. 8. 1 - 3 CI 21-75-1 ARTIGO II CONCEITUAÇÃO 1-4. PATRULHA É uma força com valor e composição variáveis, destacada para cumprir missões de reconhecimento, de combate ou da combinação de ambas. A missão de reconhecimento é caracterizada pela ação ou operação militar com o propósito de confirmar ou buscar dados sobre o inimigo, o terreno ou outros aspectos de interesse em determinado ponto, itinerário ou área. Nesse caso, a patrulha deve evitar engajamento com o inimigo. A missão de combate é caracterizada pela ação ou operação militar restrita, destinada a proporcionar segurança às instalações e às tropas amigas ou a hostilizar, destruir e capturar pessoal, equipamentos e instalações inimigas. ARTIGO III CLASSIFICAÇÃO 1-5. QUANTO À FINALIDADE DA MISSÃO a. Patrulha de reconhecimento (1) Reconhecimento de um ponto – É a que realiza o reconhecimento de um objetivo específico. Fig 1-1. Reconhecimento de um ponto 1-4/1-5
  9. 9. 1 - 4 CI 21-75-1 (2) Reconhecimento de área – É a que busca dados no interior de determinada área ou executa a própria delimitação de uma área com características específicas. (3) Reconhecimento de itinerário(s) – É a que busca dados sobre um ou vários itinerários ou sobre a atividade do inimigo. Fig 1-2. Reconhecimento de itinerários (4) Vigilância – É a que exerce a observação contínua de um local ou de uma atividade. (5) Reconhecimento em força – É uma patrulha de valor considerável empregada para localizar a posição de uma força inimiga e testar o seu poder. A potência de fogo, a mobilidade e as comunicações são fatores importantes na execução deste tipo de missão. b. Patrulha de combate (1) De inquietação – É a que se destina a ocasionar baixas, perturbar o descanso, dificultar o movimento e/ou obter outros efeitos sobre o inimigo, com a finalidade de abater-lhe o moral. (2)Deoportunidade-Éaquelalançadaemdeterminadaáreacomafinalidade de atuar sobre alvos compensadores que venham a surgir. (3) De emboscada – É a que realiza ataque de surpresa, partindo de posições cobertas, contra um alvo em movimento ou momentaneamente parado. (4) De captura de prisioneiros ou material – É a que age contra instalações ou forças inimigas com a finalidade de capturar prisioneiros ou materiais. (5) De interdição – É a que executa ações para evitar ou impedir que o inimigo se beneficie de determinadas regiões, de pessoal, de instalações ou de material. 1-5
  10. 10. 1 - 5 CI 21-75-1 (6) De suprimento - É uma patrulha de efetivo variável, dependendo do tipo e quantidade de suprimento a ser transportado, pode receber a missão de ressuprir tropas amigas destacadas. - Pode ser também empregada para reforçar ou seguir uma patrulha de longo alcance. (7) De contato – Visa a estabelecer ou manter contato com tropa amiga, de forma física, visual ou por meio rádio. (8) De segurança – É a que tem por finalidade cobrir flancos, áreas ou itinerários; evitar que o inimigo se infiltre em determinado setor ou realize um ataque de surpresa; localizar ou destruir elementos que se tenham infiltrado e proteger tropa amiga em deslocamento. (9) De destruição – É a que tem a finalidade de destruir material, equipamento e/ou instalações inimigas. (10) De neutralização – É a que tem a finalidade de neutralizar homens ou grupos de homens inimigos. (11) De resgate – É a que tem a finalidade de recuperar material ou pessoal amigo que estejam retidos em área ou instalação sob controle do inimigo. 1-6. QUANTO À EXTENSÃO DA OPERAÇÃO a. Patrulha de curto alcance – É a que atua dentro da área de influência do escalão que a lança. b. Patrulha de longo alcance – É a que atua dentro da área de interesse do escalão que a lança. Fig 1-3. Área de interesse e de influência 1-5/1-6
  11. 11. 1 - 6 CI 21-75-1 ARTIGO IV RESPONSABILIDADES 1-7.ATRIBUIÇÕES DO ESCALÃO QUE LANÇAAPATRULHA a. Formular a missão. b. Designar o comandante da patrulha. c. Emitir as ordens necessárias. d. Estabelecer medidas de controle. e. Coordenar, apoiar e fiscalizar o cumprimento da missão. f. Receber e divulgar os resultados da missão. g. Explicar sua intenção e a do escalão superior, quando for o caso, ao comandante da patrulha. h. Definir as regras de engajamento durante as diversas fases da missão. i. Definir as condutas a serem adotadas em caso de ocorrência de prisioneiros de guerra (PG) e mortos inimigos. j. Dirimir as dúvidas do comandante da patrulha. Para isso, antes de emitir a ordem, deve se valer do memento do comandante de patrulha (Anexo C), a fim de fornecer o máximo de informações possíveis. Fig 1-4. Planejamento e preparação de uma patrulha 1-8.ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS NO ESCALÃO UNIDADE a. Do S2 (1) Preparar o plano diário de patrulhas em coordenação com o S3. (2) Planejar e propor as missões de reconhecimento. 1-7/1-8
  12. 12. 1 - 7 CI 21-75-1 (3) Fornecer às patrulhas os dados referentes às condições metereológicas, ao terreno e ao inimigo. (4) Contactar os integrantes da patrulha, no regresso de missão, para coletar dados. (5) Estabelecer os Elementos Essenciais de Inteligência (EEI). b. Do S3 (1) Planejar e propor as missões de combate. (2)Coordenarosapoiosnão-orgânicosdoescalãocompreendido(aeronaves, meios- aquáticos, artilharia etc). c. Do S4 – Providenciar o apoio em material e suprimentos necessários ao cumprimento da missão. d. Do comandante da patrulha (1) Receber a missão. (2) Planejar e preparar o emprego da patrulha. (3) Executar a missão. (4) Confeccionar o relatório. ARTIGO V ORGANIZAÇÃO GERALDAPATRULHA 1-9. FUNDAMENTOS a.Aorganização de uma patrulha varia de acordo com os fatores da decisão (missão, inimigo, terreno, meios e tempo – MITeMeT). b. Normalmente, a patrulha se constituirá de 2 (dois) ou 3 (três) escalões; um voltado para o cumprimento da missão (escalão de reconhecimento ou escalão de assalto), o outro para a segurança da patrulha (escalão de segurança) e outro que só será empregado quando o número de armas coletivas ou a descentralização do seu emprego assim o recomendar (escalão de apoio de fogo). Cada escalão é formado por um ou mais grupos, conforme decisão do comandante da patrulha, que também define seus efetivos. c.Acoordenação dos escalões é responsabilidade do comandante da patrulha, que poderá contar com alguns auxiliares, constituindo o grupo de comando. d. Peculiaridades do grupo de comando 1-8/1-9
  13. 13. 1 - 8 CI 21-75-1 (1) Poderá se constituir somente do comandante da patrulha (situação ideal pois compõe um menor efetivo). Isto ocorre quando há possibilidade dos homens dos demais escalões executarem, cumulativamente, as atribuições do grupo de comando. (2) O subcomandante da patrulha pode exercer esta única função, integrando o grupo de comando, ou, o mais normal, comandar um dos escalões. (3) Alguns homens podem receber atribuições específicas durante a preparação e/ou deslocamento, não pertencendo portanto ao grupo de comando. Essas atribuições serão abordadas no Capítulo 3 - Planejamento e preparação das patrulhas e. Considerações gerais (1) Escalão de segurança (a) Missão - Proteger e orientar a patrulha durante o deslocamento. - Guardar os pontos de reunião. - Alertar sobre a aproximação do inimigo. - Realizar a proteção afastada do escalão de reconhecimento ou escalão de assalto, durante a ação no objetivo. (b) Organização - Constitui-se de um ou mais grupos de segurança e um grupo de acolhimento, em função do efetivo da patrulha, da natureza da missão e do terreno. - Se houver um desmembramento da patrulha, a segurança normalmente ficará a cargo das frações. EXEMPLO - Patrulha de reconhecimento de uma área extensa que se desmembra em vários grupos de reconhecimento e segurança (Gp Rec Seg). (2) Escalão de Reconhecimento (a) Missão – Reconhecer o objetivo e/ou manter vigilância sobre ele. (b) Organização – Constitui-se de um ou mais grupos de reconhecimento, em função dos fatores da decisão. (3) Escalão de assalto (a) Missão - definida pela missão específica da patrulha de combate. (b) Organização - Organiza-se em grupo(s) de assalto, grupo(s) de tarefa(s) essencial(is) e grupo(s) de tarefa(s) complementar(es). - O grupo de assalto tem por atribuição garantir o cumprimento da tarefa essencial, agindo pelo fogo e/ou combate aproximado, de modo a proteger o(s) grupo(s) que executa(m) essa tarefa. - As tarefas essenciais são executadas pelos grupos que realizam as ações impostas pela missão. 1-9
  14. 14. 1 - 9 CI 21-75-1 - As tarefas complementares são executadas pelos grupos que realizam ações em benefício dos demais. (4) Um terceiro escalão, o de apoio de fogos, pode ser organizado quando o número de armas coletivas ou a descentralização de seu emprego, assim o recomendar. 1-10. ORGANIZAÇÃO DAPATRULHADE RECONHECIMENTO a. Patrulha de reconhecimento de ponto Fig 1-5. Organograma de uma patrulha de reconhecimento de ponto (1) Grupo de comando - Normalmente é constituído por elementos necessários à coordenação da patrulha, tais como: comandante, subcomandante, rádio-operador, mensageiros, guias e outros. Quando for possível, essas funções devem ser acumuladas com outras nos demais escalões. (2) Grupo de segurança – A quantidade de grupos dependerá do número de vias de acesso ao objetivo (Gp Seg = Nr Via A). (3) Grupo de reconhecimento – O número de grupos varia em função dos fatores da decisão. (4) Grupo de acolhimento – É o grupo que tem por missão realizar a proteção do ponto de reunião próximo ao objetivo (PRPO) e o acolhimento da patrulha neste local. b. Patrulha de reconhecimento de itinerário (1) Tem organização semelhante à patrulha de reconhecimento de área. (2) Grupo de reconhecimento e segurança – O número de grupos de reconhecimento e segurança depende do terreno e da maneira como o comandante da patrulha pretende cumprir a missão (percorrendo o itinerário, ocupando pontos de comandamento ou associando essas duas idéias). 1-9/1-10
  15. 15. 1 - 10 CI 21-75-1 c. Patrulha de reconhecimento de área Fig 1-6. Organograma de uma patrulha de reconhecimento de área - Grupo de reconhecimento e segurança – O número de grupos de reconhecimento e segurança é variável e depende dos fatores da decisão. OBSERVAÇÃO – O grupo de acolhimento pode existir ou não, dependendo dos fatores da decisão. 1-11. ORGANIZAÇÃO DAPATRULHADE COMBATE a. Grupo de comando – Normalmente, é constituído por elementos necessários à coordenação da patrulha, tais como: comandante, subcomandante, rádio-operador, mensageiro e outros. Quando for possível, essas funções devem ser acumuladas com outras nos diversos escalões. Fig 1-7. Organograma de uma patrulha de combate 1-10/1-11
  16. 16. 1 - 11 CI 21-75-1 b. Grupo de segurança – A quantidade de grupos dependerá do número de vias de acesso ao objetivo (Gp Seg = Nr Via A). c. Grupo de acolhimento – É o grupo que tem por missão realizar a proteção do PRPO e o acolhimento da patrulha neste mesmo local. d. Grupo de assalto – O número de grupos de assalto será variável de acordo com a missão, o terreno e o dispositivo do inimigo. Deve existir, pelo menos, um grupo de assalto que, agindo pelo fogo e/ou combate aproximado, isola a área do objetivo e protege o cumprimento da tarefa essencial, garantindo sua execução. e. Grupo(s) de tarefa(s) essencial(ais) – O(s) grupo(s) de tarefa(s) essencial(ais) receberá(ão) nomenclatura(s) da(s) ação(ões) tática(s) da(s) missão (ões): captura, resgate, neutralização etc. O número de grupos para cada tarefa essencial dependerá dos fatores da decisão. f. Grupo(s) de tarefa(s) complementar(es) – O(s) grupo(s) de tarefa(s) complementar(es)receberá(ão)nomenclatura(s)da(s)ação(ões)tática(s)queirá(ão) realizar: silenciamento de sentinela, identificação datiloscópica etc. As tarefas complementares são definidas pelas ações que tenham sido estabelecidas pelo comandante da patrulha, por ocasião do “estudo sumário da missão”, que venham a facilitar ou viabilizar o cumprimento da missão em melhores condições. O número de grupos para cada tarefa complementar dependerá dos fatores da decisão. Fig 1-8. Organograma de uma patrulha de combate com um escalão de Ap F 1-11
  17. 17. 2 - 1 CI 21-75 CAPÍTULO 2 CONDUTADAS PATRULHAS ARTIGO I ASPECTOS GERAIS NACONDUTADAS PATRULHAS 2-1. GENERALIDADES - O planejamento e a preparação de uma patrulha têm por objetivo facilitar o cumprimento de uma missão. No entanto, as patrulhas, de uma maneira geral, viverão situações de contigência e o seu adestramento concorrerá para a obtenção do êxito. - É importante resaltar que conduta é uma ação previamente planejada que será colocada em prática durante uma operação militar e que solução de conduta é uma decisão corretiva de uma ação, em curso de execução em face de um óbice que incidentalmente se apresente. 2-2. COMANDO E CONTROLE a. O controle influi decisivamente na atuação a patrulha. O comandante deve ter a capacidade de manobrar os homens e conduzir os fogos. b. Apesar de a cadeia de comando ser o principal elemento de controle, as ordens podem ser transmitidas diretamente do comandante a cada patrulheiro. c. O comandante deve empregar todos os meios de comunicações disponíveis para exercer o controle da patrulha. d. Normalmente, o subcomandante desloca-se à retaguarda da patrulha. Os
  18. 18. 2 - 2 CI 21-75-1 comandantes subordinados permanecem com seus escalões e grupos, mantendo o controle sobre eles. e. Todos os patrulheiros devem estar atentos a cada gesto emitido. Além daqueles previstos em manuais, outros poderão ser convencionados e ensaiados. f. A contagem do efetivo é também uma medida de controle da patrulha. (1) Comando de “numerar” - deslocando-se a patrulha em coluna, o último homem, ao comando de “numerar”, inicia a contagem, tocando o homem à sua frente e dizendo “um”, este toca o seguinte dizendo “dois”, e assim sucessivamente, até o comandante da patrulha. Ciente de quantos homens estão à sua frente, o comandante somará estes à contagem que lhe chegou, incluindo-se nela. (2) Nas patrulhas de grande efetivo ou nas de formação diferente de coluna, a contagem será controlada pelos comandantes dos grupos, sendo o resultado transmitido ao comandante da patrulha. g. Normalmente as missões de patrulha poderão envolver elementos de Organização Militar (OM) de apoio do Exército e/ ou de outra Força Singular. Esta participação se verifica, particularmente, nos deslocamentos (ida e/ ou regresso) e nas missões de ressuprimento. h. Durante a etapa de planejamento e preparação é fundamental a coordenação, se possível, o contato direto entre o Cmt Pa e os envolvidos na missão, tais como: motoristas, guias, especialistas, pilotos e Oficiais de Ligação (O Lig) de OM empenhadas na execução do apoio de fogo ou envolvidas nos deslocamentos. i. É conveniente que todos os participantes da missão assistam à Ordem à Patrulha. Deve-se, no entanto, observar a compartimentação e a segurança das informações. Em todas as etapas da missão, é fundamental que todos os envolvidos conheçam perfeitamente suas possibilidades e limitações e executem ao menos um ensaio em conjunto. j. A patrulha deverá obedecer às prescrições rádio, a fim de que o tempo de transmissão seja o mínimo necessário, dificultando as ações de guerra eletrônica do inimigo. l. Com o propósito de diminuir o tempo de transmissão, pode ser empregado um código de mensagens pré-estabelecidas, específico para a missão. m. As freqüências devem ser pré-sintonizadas antes da partida da patrulha. n. A patrulha deverá empregar amplamente os mensageiros. o. Empregar, sempre que possível e conveniente, o sistema fio para obtenção de maior sigilo. 2-2
  19. 19. 2 - 3 CI 21-75-1 p. Utilizar os meios de comunicações visuais e auditivos, quando forem do conhecimento de todos os patrulheiros. 2-3. INTELIGÊNCIA a. As patrulhas devem empregar as técnicas de coleta de dados utilizadas pelos demais órgãos de inteligência, particularmente o reconhecimento, a vigilância e a busca de alvos. As ações das patrulhas de reconhecimento estão voltadas para a localização, potencial e possíveis intenções das unidades inimigas na área de operações. Tais dados, integrados aos aspectos táticos do terreno e condições meteorológicas, são essenciais ao planejamento e condução das operações. b. Especialistas em inteligência podem ser agregados às patrulhas quando as necessidades excedem as possibilidades ou o grau de especialização orgânica das frações empregadas. 2-4. APOIO DE FOGO a. O sucesso da sincronização do apoio de fogo sobre alvos terrestres exige uma exata compreensão de alguns aspectos básicos, tais como: emprego de todo apoio de fogo disponível, atendimento ao tipo de apoio de fogo solicitado pela patrulha, rápida coordenação, proporcionar proteção às instalações e tropas amigas, possuir um sistema de designação de alvos eficaz e evitar a duplicação desnecessária de meios. b. O apoio aéreo aproximado poderá ser fundamental para a sobrevivência das forças de superfície (patrulhas) em momentos críticos das ações. Não se pode, em momento algum, descartar a enorme contribuição que um ataque aéreo preciso traz às ações.Os pedidos de apoio de fogo aéreo devem incluir as seguintes informações: (1) exata localização do alvo; (2) descrição do alvo, com detalhes que permitam a seleção apropriada do armamento; (3) efeito desejado (interdição ou destruição); (4) localização da tropa amiga mais próxima do alvo (distância e azimute); (5) hora de ataque ao alvo; (6) significado tático; e (7) informações de controle especial, como a: localização da patrulha que orientará o avião. c. A solicitação de apoio de fogo aéreo e terrestre às missões de patrulha deve considerar a indefinição da localização exata de forças amigas na área de operações. 2-2/2-4
  20. 20. 2 - 4 CI 21-75-1 2-5.APOIO LOGÍSTICO a. Nas operações de curto alcançe, as patrulhas infiltram com todo o suprimento para o cumprimento da missão. b. Quando a missäo é de longo alcançe, faz-se necessária à condução de um suprimento sobressalente (mínimo necessário) e o planejamento da complementação por outros meios, tais como suprimentos pré-posicionados - cachê / Local de Apoio à Missão (LAM) - e lançamentos aéreos. 2-6. ORGANIZAÇÃO PARAO MOVIMENTO a. A organização geral e particular de uma patrulha é definida tendo por base sua missão. Para os deslocamentos, é necessário determinar as formações, bem como a posição dos escalões, grupos e homens. b. Os principais aspectos que influem na organização de uma patrulha para o movimento são: (1) O inimigo – Situação e possibilidades de contato. (2) A manutenção da integridade tática. (3) A ação no objetivo. (4) O controle dos homens. (5) A velocidade de deslocamento. (6) O sigilo das ações. (7) A segurança da patrulha. (8) As condições do terreno. (9) As condições meteorológicas. (10) A visibilidade. c. As formações do pelotão a pé são adaptáveis a uma patrulha de qualquer efetivo. Cada uma delas possui vantagens e desvantagens e a escolha da formação a ser adotada é decorrente de um estudo contínuo por parte do comandante. d. Em todas as formações, as distâncias entre os escalões, grupos e homens não são rígidas. Normalmente, elas são ditadas pelos mesmos fatores que influem na escolha da formação. e. A integridade tática é uma preocupação fundamental na organização da patrulha para o movimento. f. O adestramento dos homens permite rápidas mudanças de formação e facilita a utilização dos comandos por gestos ou sinais convencionados. g. As formações normalmente utilizadas são as abaixo descritas: (1) Em coluna 2-5/2-6
  21. 21. 2 - 5 CI 21-75-1 (a) É empregada quando o terreno não permite uma formação que forneça maior segurança ou quando a visibilidade for reduzida (a noite, na selva, com nevoeiro etc). Esta formação dificulta o desenvolvimento da patrulha à frente ou à retaguarda e lhe proporciona pouca potência de fogo nessas direções. Por outro lado, é uma formação que permite maior controle e maior velocidade de deslocamento. Maior potência de fogo nos flancos e facilidades nas ações laterais são também vantagens da formação em coluna. (b) A distância entre os homens é determinada pelas condições de visibilidade. Fig 2-1. Formação em coluna (2) Em linha (a) É empregada por pequenas patrulhas ou escalões e grupos de uma patrulha maior, para a transposição de cristas ou locais de passagem obrigatória, sujeitos à observação ou ao fogo inimigo. É mais utilizada na tomada do dispositivo, no assalto, durante a ação no objetivo ou para ação imediata na contra-emboscada. Não deve ser utilizada para deslocamentos longos. (b) Proporciona, ainda, máximo volume de fogo à frente e boa dispersão. Todavia, dificulta o controle e o sigilo nos maiores efetivos. 2-6
  22. 22. 2 - 6 CI 21-75-1 Fig 2-2. Formação em linha (3) Em losango (a) É a formação que apresenta maiores vantagens quanto à segurança e rapidez nos deslocamentos através campo. Facilita o controle dos homens, as comunicações e proporciona um bom volume de fogos em todas as direções. (b) A segurança deve atuar a uma distância que permita a comunicação por gestos entre o comandante e seus patrulheiros, devendo haver pelo menos 2 (dois) patrulheiros para essa missão. Fig 2-3. Formação em losango 2-7. PARTIDA E REGRESSO DAS LINHASAMIGAS a. Ligações (1) Todas as ligações com a tropa amiga, em cuja área a patrulha atuará, são de responsabilidade do comandante da unidade que a lança. (2) O comandante da patrulha pode, no entanto, ligar-se com várias 2-6/2-7
  23. 23. 2 - 7 CI 21-75-1 posições, para coordenar os movimentos de saída e entrada de sua patrulha nestas áreas. (3) As posições que geralmente exigem estas ligações e coordenações são os postos de comando, postos de observação, postos avançados e a última posição amiga por onde a patrulha passará. b. Aproximação e contato (1) A aproximação às posições de tropa amiga deve ser cautelosa, considerando que antes de sua identificação, a patrulha é considerada tropa inimiga. (2) Antes do contato, a patrulha realiza um "alto", enquanto o seu comandante ou um patrulheiro por ele designado vai à frente, em segurança, para a troca de senhas. (3)Ainiciativa e a segurança são fatores importantes a serem considerados para esse evento. c. Inteligência (1) O comandante deve transmitir informações sobre o efetivo, o eixo de progressão e o horário provável de regresso da patrulha ao ponto amigo. (2) O comandante da patrulha deve obter os últimos informes sobre a atuação do inimigo, o terreno à frente, os obstáculos existentes, bem como verificar se todos têm conhecimento da senha e contra-senha. (3) No regresso, a patrulha transmite os dados de valor imediato a cada posição amiga encontrada, alertando, inclusive, sobre a existência de elementos amigos extraviados. d. Ultrapassagem (1) Caracteriza-se pelo desbordamento da posição amiga ou de passagem através dela, dependendo das instruções recebidas e da existência de obstáculos ao redor da posição. (2) Um guia é imprescindível na ultrapassagem da posição, principalmente quando existirem obstáculos. 2-8. DESLOCAMENTOS a. Durante os deslocamentos, todo patrulheiro deve se preocupar com a execução de três atividades simultâneas: a progressão, a ligação e a observação. (1) Na progressão (a) Utilizar, sempre que possível, as cobertas e abrigos existentes. (b) Manter a disciplina de luzes e ruídos. (2) Na ligação (a) Procurar manter o contato visual com seu comandante imediato. 2-7/2-8
  24. 24. 2 - 8 CI 21-75-1 (b) Ficar atento à transmissão de qualquer gesto ou sinal, para retransmiti-lo e/ou executá-lo, conforme o caso. (3) Na observação (a) Manter em constante observação o seu setor. (b) O comandante da patrulha deve adotar medidas visando estabelecer a observação em todas as direções, inclusive para cima. b.As ligações e as observações são também mantidas nos "altos", permitindo a rápida transmissão das ordens e a manutenção da segurança. c. O armamento deve ser conduzido em condições de pronto emprego, carregado, travado e empunhado adequadamente. d. Qualquer ruído deve ser aproveitado para a progressão, tais como, barulho provocado pela chuva, por viaturas, por aeronaves, por fogos de artilharia etc. e.Apatrulha deve se preocupar em não deixar vestígios que denunciem sua passagem. Em determinadas situações, é necessário, até mesmo, apagar os rastros deixados. 2-9. SEGURANÇA a. Durante os deslocamentos (1) As formações adequadas ao terreno, bem como a dispersão empregada em função da situação, proporcionam à patrulha um certo grau de segurança durante o deslocamento. (2) Cabe ao comandante da patrulha realizar um estudo constante do terreno para que possa determinar, em tempo útil, o reconhecimento ou desbordamento de locais perigosos. (3) A segurança à frente é proporcionada pela ponta da patrulha, cuja constituição varia de um único esclarecedor até um grupo de combate, em função do efetivo. (4) A distância entre a patrulha e a ponta é determinada pelo terreno, pelas condições de visibilidade e pela necessidade de se manter o contato visual e o apoio mútuo. (5)Apontareconheceaáreaporondeapatrulhasedeslocarápor intermédio de seus esclarecedores. (6) Os esclarecedores da ponta devem manter o contato visual entre si e com a patrulha. (7) Prever e executar o rodízio dos esclarecedores, principalmente nas patrulhas de longo alcance, mantendo uma segurança eficiente. (8) A segurança nos flancos é proporcionada com a distribuição de setores 2-8/2-9
  25. 25. 2 - 9 CI 21-75-1 de observação a cada homem da patrulha que não esteja em outras missões específicas de segurança à frente ou à retaguarda e por elementos destacados, quando necessário. (9) Escalar homens com a missão de observar para cima, sempre que o tipo de ambiente favorecer uma atuação inimiga desta direção. b. Nos "altos" (1) Poderão ser efetuados diversos "altos" no deslocamento de uma patrulha para: (a) observar, escutar ou identificar qualquer atividade inimiga; (b) envio de mensagens, alimentação, descanso, reconhecimento ou a orientação da patrulha. (2) O comando de “congelar” implica que todos os patrulheiros permaneçam imóveis e agachados, observando e ouvindo atentamente a situação que se apresenta. (3)Ao ser comandado “alto”, cada integrante da patrulha ocupa uma posição, aproveitando as cobertas e abrigos existentes nas imediações. (4) O "alto-guardado" é uma parada mais prolongada, durante a qual a patrulha adota um dispositivo mais aberto, normalmente circular, e pode destacar elementos para ocupar posições dominantes. c. No objetivo (1) A segurança da patrulha, durante a ação no objetivo, é proporcionada pela correta utilização dos grupos de segurança, dispostos de modo a isolar a área do objetivo e proteger a ação do escalão de reconhecimento ou assalto. (2) Em alguns casos, nas patrulhas de combate, os grupos de assalto, após executarem sua missão, fornecem a proteção aproximada ao grupo que cumpre a tarefa essencial e a outros que atuam no objetivo. 2-10. NAVEGAÇÃO a. Generalidades Normalmente, as missões recebidas devem ser cumpridas com imposições de horários. Uma navegação consciente, bem planejada e segura permite o cumprimento da missão no horário determinado. b. Procedimentos (1) Seguir o planejamento evitando improvisações, manter um estudo contínuo do terreno e empregar corretamente a equipe de navegação. (2) O homem-ponto, normalmente, atua com os elementos que fazem a segurança à frente. (3) Os homens-passo, em condições normais, não se deslocam à testa da patrulha. 2-9/2-10
  26. 26. 2 - 10 CI 21-75-1 (4) Todos os componentes devem memorizar o itinerário, os azimutes e as distâncias. 2-11. PONTO DE REUNIÃO a. Generalidades (1) É um local onde uma patrulha pode reunir-se e reorganizar-se. (2) Os possíveis pontos de reunião são levantados durante o estudo na carta ou reconhecimento e, uma vez definidos, devem ser do conhecimento de todos os integrantes da patrulha. (3) Um ponto de reunião deve ser de fácil identificação e acesso; permitir uma defesa temporária e proporcionar cobertas e abrigos. b. Tipos (1) Pontos de reunião no itinerário (PRI) - estão situados ao longo dos itinerários de ida e de regresso da patrulha. (2) Ponto de reunião próximo do objetivo (PRPO) - é utilizado para complementar o reconhecimento (reconhecimento aproximado) e liberar os grupos para o cumprimento da missão. Nesse ponto, a patrulha pode reorganizar-se após realizar a ação no objetivo. Poderá existir mais de um PRPO, caso a patrulha regresse por itinerário diferente. c. Procedimento (1) Havendo ação do inimigo e a conseqüente dispersão da patrulha entre dois pontos de reunião sucessivos, os patrulheiros regressarão ao último ponto de reuniãoouavançarãoatéopróximopontodereuniãoprovável,conformeestabelecido na Ordem à Patrulha. (2) Na reorganização, serão tomadas as providências necessárias ao prosseguimento da missão. Nesse caso, deve ser definido o tempo máximo de espera, ao término do qual o patrulheiro mais antigo assume o comando e parte para o cumprimento da missão. 2-12. AÇÕES EM ÁREAS PERIGOSAS E PONTOS CRÍTICOS a. Conceituação (1) Áreas perigosas e pontos críticos são aqueles obstáculos levantados levantados no itinerário que oferecem restrições ao movimento. (2) Normalmente, nestes locais, a patrulha fica vulnerável aos fogos e/ou à observação do inimigo. b. Procedimentos gerais (1)Identificar,duranteoplanejamento,asprováveisáreasperigosasepontos críticos, prevendo e transmitindo à patrulha a conduta a ser adotada ao atingi-los. 2-10/2-12
  27. 27. 2 - 11 CI 21-75-1 (2) Optar pelo desbordamento destas áreas, quando isso for possível. (3) Prever ou solicitar apoio de fogo para cobrir o movimento da patrulha. (4) Realizar reconhecimentos e estabelecer a segurança. (5) Realizar o “POCO” (Parar, Olhar, Cheirar e Ouvir). c. Procedimentos particulares (1) Estradas – Devem ser transpostas em curvas ou em trechos em que sejam mais estreitas e possuam cobertas de ambos os lados. É necessário estabelecer segurança, executar um reconhecimento e definir um ponto de reunião. A travessia deve ser rápida e silenciosa com toda a patrulha, por grupos ou individualmente, de acordo com a situação. (2) Clareiras – Devem ser desbordadas. Quando não for possível, é necessário agir da mesma forma que na travessia de estradas. (3) Pontes – Deve ser evitada a ultrapassagem. A patrulha só deve utilizar a ponte quando todos os pontos que permitam a observação e o fogo sobre ela estiverem reconhecidos ou sob vigilância. (4) Cursos d’água (a) Antes da travessia de cursos d’água, deve ser reconhecida a margem de partida. Em seguida, a patrulha entrará em posição e estará pronta para cobrir a margem oposta. Logo após, deve ser enviado um grupo para reconhecer a outra margem e estabelecer segurança. (b) No caso da utilização de embarcações, elas devem ser ocultadas nas margens. (c) Existindo vau, a transposição deve ser rápida e realizada em pequenos grupos ou individualmente. Na travessia a nado, o armamento e a munição devem ser conduzidos em balsas improvisadas. (5) Casebres ou povoados – Sempre que houver necessidade de a patrulha passar pela proximidade de casebres ou povoados, devem ser redobradas as prescrições relativas ao sigilo. É importante que a distância do itinerário de desbordamento selecionado seja suficiente para que o deslocamento da patrulha não seja percebido. (6) Desfiladeiros e locais propícios para emboscadas – Reconhecer antes da travessia. Caso a região seja propícia à emboscada inimiga, os elementos da segurança de vanguarda e de flanco deslocar-se-ão a uma distância maior. (7) Obstáculos artificiais – Deve ser evitada a utilização de passagens e brechas já existentes que possam estar armadilhadas, pois os obstáculos, normalmente, são agravados ou batidos por fogos. 2-12
  28. 28. 2 - 12 CI 21-75-1 ARTIGO II PECULIARIDADES DE UMAPATRULHADE RECONHECIMENTO 2-13. GENERALIDADES a.As informações sobre o inimigo e o terreno por ele controlado são de vital importância para o comando. b. A patrulha de reconhecimento é um dos meios de que dispõe o comando para a busca ou coleta de dados, os quais facilitam uma tomada de decisão. 2-14. MISSÕES a. A missão de uma patrulha de reconhecimento consiste na obtenção das respostas a perguntas relativas ao inimigo e/ou ao terreno. (1) Sobre o inimigo (um exemplo) - O inimigo ocupa, realmente, o terreno? - Qual é o seu valor (efetivo)? - Qual é o seu equipamento e armamento? - Qual é a sua atividade atual? - Outras informações necessárias ao comando. (2) Sobre o terreno (um exemplo) - Quais são as características do(s) curso(s) d’água? (profundidade, correnteza, largura e características das margens). - Qual é a característica da vegetação e sua influência nos movimentos de tropa a pé - Quais são os melhores itinerários ou vias de acesso para a aproximação? - Quais são as possibilidades de emprego de elementos blindados e mecanizados? - Outras informações necessárias ao comando. 2-15. TIPOS DE RECONHECIMENTO a. Existem 5 (cinco) tipos de patrulhas de reconhecimento. (1) Patrulha de reconhecimento em força – Neste tipo de patrulha, diferentemente da operação ofensiva reconhecimento em força, a missão consiste em realizar uma ação em força, de pequena envergadura, sobre um objetivo, com a finalidade de se buscar dados sobre o inimigo no que se refere ao dispositivo (inclusive posição de armas coletivas), valor e poder de combate. 2-13
  29. 29. 2 - 13 CI 21-75-1 (2) Patrulha de vigilância – Tem a missão de exercer observação contínua sobre local ou atividade. (3) Patrulha de reconhecimento de itinerários – Tem a missão de obter dados sobre um determinado itinerário. (4) Patrulha de reconhecimento de ponto – Tem a missão de obter dados sobre um objetivo específico. (5) Patrulha de reconhecimento de área – Tem a missão de obter dados sobre uma grande área ou sobre pontos nela existentes.Apatrulha pode obtê-los, reconhecendo a área, mantendo vigilância sobre ela ou fazendo o reconhecimento de uma série de pontos. Fig 2-4 Patrulha de reconhecimento de ponto e de área 2-16. PATRULHADE RECONHECIMENTO EM FORÇA a. Organização (1) Para sua organização, deve-se considerar a ação que define a tarefa essencial (obtenção de dados), a execução da ação em força (assalto, apoio de fogo) e as tarefas complementares, se for o caso. (2) Normalmente, a patrulha é organizada em um escalão de segurança e um escalão de assalto. Os grupos de assalto e apoio de fogo executam a ação em força. 2-15/2-16
  30. 30. 2 - 14 CI 21-75-1 (3) O escalão de assalto é constituido, ainda, por um ou mais grupos de observação. Os grupos de observação executam a tarefa essencial, levantando os dados em função da reação inimiga (posições de armas coletivas, dispositivo, valor, medidas de segurança durante a ação no objetivo etc). b. Ação no objetivo (1)Localizadooobjetivo,apatrulhasedesenvolveeosgruposdeobservação ocupam as posições que lhes permitam o cumprimento da missão. (2) A patrulha abre fogo de posições abrigadas e engaja-se apenas o necessário para forçar a resposta do inimigo. (3) Os grupos de observação executam a tarefa de levantar os dados, identificando as posições de armas coletivas, limites, valor, natureza do armamento utilizado etc. Para isso ficam mais à retaguarda, abrigados e com bons campos de observação. Binóculos e equipamentos para visão noturna são comumente empregados. 2-17. EQUIPAMENTO, MATERIAL EARMAMENTO a. Uma patrulha de reconhecimento, normalmente, conduz o armamento necessário à própria segurança. b. O equipamento individual e o material a serem conduzidos dependem da duração da missão. Sempre que possível, deve-se aliviar o patrulheiro para facilitar- lhe os movimentos. c. Podem ser conduzidos pela patrulha: óculos de visão noturna (luz residual), material de comunicações, máquina fotográfica, cartas, esboços, fotografias aéreas, lápis e papel, lápis dermatográfico, fita fosforescente ou luminosa, fita isolante, poncho, bússolas, binóculos, relógios, GPS, alicate e qualquer outro material ou equipamento de utilidade para a missão. 2-18. CONDUTAS NORMAIS DE UMAPATRULHADE RECONHECIMENTO a. Cumprir a missão sem ser percebida pelo inimigo. b. Combater somente pela sobrevivência ou, se necessário, para favorecer o cumprimento da missão. c. Empregar, quando for imprescindível, reconhecimento pelo fogo. Esta técnica consiste em fazer com que alguns homens da patrulha atirem na direção do inimigo para atrair seu fogo, obrigando-o a revelar suas posições. d. Realizar um "alto-guardado" no PRPO. Esta conduta tem a finalidade de ratificar ou retificar o planejamento, através de um reconhecimento aproximado e checar com os comandantes subordinados os locais exatos de cada um dos grupos e suas missões específicas. 2-16/2-18
  31. 31. 2 - 15 CI 21-75-1 Fig 2-5 Patrulha mantendo a atividade inimiga sob vigilância ARTIGO III PECULIARIDADES DE UMAPATRULHADE COMBATE 2-19. CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FINALIDADE DA MISSÃO a. Segundo a missão, as patrulhas de combate são classificadas em: (1) patrulha de oportunidade (2) patrulha de destruição 2-18/2-19
  32. 32. 2 - 16 CI 21-75-1 (3) patrulha de neutralização (4) patrulha de segurança (5) patrulha de resgate (6) patrulha de captura (7) patrulha de contato (8) patrulha de interdição (9) patrulha de inquietação (10) patrulha de suprimento (11) patrulha de emboscada b. Estas patrulhas apresentam peculiaridades, principalmente, quanto à organização e forma de atuação. 2-20. PATRULHADE OPORTUNIDADE a. Generalidades (1) É uma patrulha lançada em determinada área, com a finalidade de atuar sobre alvos compensadores que venham a surgir. (2)Alvo compensador é todo aquele cuja importância tática se sobreponha às baixas que a patrulha poderá sofrer ao executar a missão. (3) Como não há alvo definido, cabe ao comandante da patrulha decidir, baseado na missão do escalão que a lançou, se o alvo surgido em sua área de atuação é ou não compensador. (4) Há necessidade de dados precisos ou de informações a respeito de alvos ou instalações existentes, das possibilidades do inimigo e de suas atividades atuais na área. b. Organização (1)Apesar da necessiade de se dispor de dados precisos ou de informações a respeito de alvos, instalações, atividades e possibiliades do inimigo na área considerada, o local exato do objetivo e o poder do inimigo só serão conhecidos na oportunidade do encontro. Deste modo, uma patrulha de oportunidade deve ter uma organização flexível, que lhe permita adaptar-se à situação apresentada. (2) A fim de evitar o fracasso, o comandante deve conduzir o estudo de situação de modo a: (a) concluir sobre os tipos de alvo que poderão surgir em sua área, após a análise das informações recebidas sobre o inimigo; (b) considerar cada alvo compensador que possa surgir, como um possível objetivo da patrulha; 2-19/2-20
  33. 33. 2 - 17 CI 21-75-1 (c) decidir o quê e como fazer, visto que o local e a hora serão conhecidos na oportunidade do encontro, para cada possível objetivo; desta forma terá a organização necessária para cada caso. c. Ordens e ensaios (1) Verificar se cada homem e cada grupo conhece os detalhes de sua função para as condutas levantadas. (2) Realizar o ensaio para todas as situações possíveis, de modo a evitar quaisquer dúvidas sobre o quê, quando e como fazer. (3) Realizar o ensaio dos sinais e gestos convencionados. d. Ação no objetivo (1) Para se conseguir a surpresa sobre o inimigo, há necessidade da adoção de medidas de segurança nos deslocamentos, tais como: (a) correta utilização da ponta; (b) dispersão; (c) disciplina de luzes e/ou ruídos; (d) camuflagem; (e) correta utilização do terreno; (f) outras medidas julgadas necessárias. (2) A patrulha deverá estar exaustivamente ensaiada na execução das técnicas de ação imediata, para o caso de ser surpreendida pelo inimigo. (3) Avistado o inimigo, o comandante deve realizar um rápido reconhecimento, decidir sobre o dispositivo a adotar e transmitir as ordens necessárias aos subordinados. Em seguida, a patrulha cumpre a missão. 2-21. PATRULHADE DESTRUIÇÃO a. Generalidades (1) Exige um planejamento detalhado do processo de destruição, do material a ser utilizado e do emprego de peritos. (2) Em alguns casos, a destruição pode ser feita pelo fogo. (3) Particular atenção deve ser dada ao ensaio do pessoal e ao teste do equipamento a ser utilizado na destruição. b. Organização – São organizados um ou mais grupos específicos para a realização da tarefa essencial, que é destruir. O grupo de destruição é o responsável pela preparação e utilização do material. c. Ação no objetivo (1) O grupo de destruição atua, normalmente, após a ação dos grupos de assalto e de apoio de fogo. 2-20/2-21
  34. 34. 2 - 18 CI 21-75-1 (2) Nos casos em que a destruição possa ser realizada apenas pelo fogo, o grupo de destruição recebe armamento específico, necessário para a execução de sua tarefa. 2-22. PATRULHADE NEUTRALIZAÇÃO a. Generalidades (1) A patrulha é lançada com a missão de neutralizar (eliminar ou capturar) elementos ou grupo de elementos específicos. (2) Em alguns casos, um reconhecimento prévio fornece a identificação do objetivo, que é facilitada pela utilização de fotografias, desenhos e descrições. b. Organização – Normalmente, possui um grupo com a missão de neutralizar. Os demais grupos dependem da missão específica e, normalmente, são de efetivos reduzidos. c. Ação no objetivo (1) A neutralização pode ser feita à distância, utilizando-se caçadores ou através de um assalto. (2) As missões dos grupos são iguais às das demais patrulhas de combate. (3) Deve-se dobrar os meios para o grupo de neutralização, evitando o fracasso da missão. 2-23. PATRULHADE SEGURANÇA a. Generalidades (1) A patrulha de segurança cumpre uma ou mais das missões a seguir. (a) Cobrir os flancos, a frente, a retaguarda, os intervalos e os itinerários. Poderá também proteger unidades em movimento (comboios). (b) Vigiar uma área ou setor, de modo a prevenir e evitar a infiltração do inimigo, bem como ataques de surpresa. (c) Localizar e neutralizar o inimigo remanescente ou infiltrado em área amiga (limpeza). (d) Executar toda e qualquer ação que possa ser definida pelo termo genérico patrulhar. (2) A segurança a ser proporcionada pode implicar no engajamento com o inimigo. (3) Enquadram-se, neste tipo de patrulhas, aquelas lançadas com a finalidade de ligar postos de segurança. 2-21/2-23
  35. 35. 2 - 19 CI 21-75-1 b. Organização (1) Sua organização particular depende, essencialmente, da missão específica que receber. Deve-se considerar, também, as possibilidades do inimigo e o terreno. (2) Quando a situação e a missão apresentam grandes possibilidades de um engajamento com o inimigo, a patrulha deve ser dotada de um adequado poder de combate. c. Ação no objetivo (1) A patrulha deve ocupar pontos que favoreçam a dominância sobre as vias de acesso, pontos de passagem obrigatória e/ou áreas que permitam a dissimulação de elementos infiltrados, de modo a proporcionar segurança através da vigilância e cobertura de setores ou áreas, a partir desses pontos. (2) Patrulhar a área abrangida pela missão. Neste caso, devem ser levantados os pontos e itinerários a serem percorridos e a patrulha deve estar adestrada e preparada para o combate de encontro. A patrulha deve evitar o estabelecimento de uma rotina no seu patrulhamento. Os intervalos de tempo, os itinerários e as seqüências devem ser alterados, evitando-se deixar qualquer espaço sem patrulhamento por longos períodos de tempo. (3) Combinar a vigilância com o patrulhamento nas áreas ou locais sobre os quais a observação seja limitada. 2-24. PATRULHADE RESGATE a. Generalidades (1) O resgate consiste nas ações de recuperação de material ou pessoal amigo, que esteja retido em área ou instalação hostil ou sob controle do inimigo. (2)Noplanejamentodevemserprevistososmeiosnecessários aotransporte do material ou pessoal a ser resgatado. Em se tratando de pessoal, deve-se considerar a possibilidade do resgatado estar ferido. b. Organização (1) O escalão de assalto é organizado em um ou mais grupos de resgate e, normalmente, em um grupo de assalto. (2) Outros grupos poderão integrar o escalão de assalto, de acordo com as tarefas complementares a serem executadas. (3) O escalão de segurança é organizado levando-se em consideração o número de vias de acesso que incidem no objetivo. c. Ação no objetivo (1) O(s) grupo(s) de resgate deve(m) localizar o material ou pessoal a ser 2-23/2-24
  36. 36. 2 - 20 CI 21-75-1 resgatado. Ao iniciar a ação, cabe ao grupo de resgate alcançar, o mais rápido possível, o seu alvo, protegê-lo e retirá-lo da área do objetivo. No retraimento, é o responsável pela condução ou proteção do pessoal e material a ser resgatado, podendo ser reforçado para tal ação. (2) Medidas de coordenação devem ser adotadas a fim de evitar que os fogos realizados pela patrulha dificultem ou impeçam as ações do(s) grupo(s) de resgate. 2-25. PATRULHADE CAPTURA a. Generalidades (1) A missão de capturar pessoal e/ou material inimigo tem por finalidade: (a) obter dados; (b) abater-lhe o moral; (c) privá-lo de chefes ou líderes importantes. (2) A missão de captura consiste nas ações de conquista e condução para as linhas amigas, de determinado material e/ou pessoal inimigo. (3) Conduzir meios para a correta identificação do pessoal ou material. b. Organização (1) O escalão de assalto é organizado em um ou mais grupos de captura e, normalmente, um grupo de assalto. (2) Outros grupos poderão integrar o escalão de assalto, de acordo com as tarefas complementares a serem executadas. (3) O escalão de segurança é organizado levando-se em consideração o número de vias de acesso que incidem no objetivo. c. Ação no objetivo (1) O máximo de surpresa, rapidez e sigilo são essenciais para o êxito da missão. (2) A primeira preocupação do grupo de captura é a localização exata do elemento ou do objeto a ser capturado. Ao iniciar a ação, cabe ao(s) grupo(s) de captura alcançar(em) rapidamente o alvo, aprisioná-lo ou tomá-lo, retirando-o da área do objetivo. Tomar medidas táticas para bloquear uma possível fuga, quando a missão for capturar pessoal. (3) Medidas de coordenação são adotadas a fim de evitar que os fogos realizados pela patrulha atinjam o elemento a ser capturado ou dificultem / impeçam a ação de captura. (4) Não obtendo a surpresa, incitar o inimigo à rendição, desde que o dispositivo adotado impossibilite a sua fuga. 2-24/2-25
  37. 37. 2 - 21 CI 21-75-1 2-26. PATRULHADE INTERDIÇÃO a. Generalidades (1)Amissão das patrulhas de interdição consiste em impedir que o inimigo se beneficie de determinada região, instalação ou material, durante um período de tempo. (2) A missão de interdição pode ser cumprida, no caso de instalações, através da utilização de explosivos, agentes QBN, da utilização do fogo, de ações de sabotagem e de outras formas. (3) A interdição também pode ser executada pela ocupação física e pela manutenção da área considerada.Nesse caso, deve-se, inicialmente, conquistar a posição (ou simplesmente ocupá-la caso a mesma não esteja sendo defendida) e, em seguida, estabelecer-se uma defesa circular, reforçando os setores com maior probabilidade de atuação do inimigo. (4) Conforme a situação, pode ser importante a participação de especialistas para a atuação em alvos específicos (especialistas de área, engenheiros, químicos etc). b. Organização As patrulhas de interdição possuem organização flexível, de acordo com a natureza da ação a ser executada (uso de explosivos, sabotagem, manutenção do terreno etc). c. Ação no objetivo (1) Nas patrulhas de interdição a ação no objetivo transcorrerá de acordo com a peculiaridade da missão imposta. (2) Nas patrulhas de interdição com emprego de técnicas de sabotagem, o sigilo é fundamental. 2-27. PATRULHADE CONTATO a. Generalidades É a patrulha lançada com a finalidade de estabelecer contato com elementos amigos. b. Organização O efetivo da patrulha é menor e é conduzido pouco armamento. c. Ação no objetivo (1) Selecionar o ponto designado para o contato ou onde ele pode ocorrer. (2) O contato pode ser feito através de ligação pessoal, pela vista ou por meio do rádio. (3) Estabelecer medidas para obtenção do sigilo. 2-26/2-27
  38. 38. 2 - 22 CI 21-75-1 (4) Evitar o combate decisivo, salvo se estiver imposto na missão. (5) Informar, de imediato, o estabelecimento do contato. 2-28. PATRULHADE INQUIETAÇÃO a. Generalidades (1) Uma patrulha de inquietação pode receber as seguintes missões: causar baixas, dificultar o movimento, perturbar o descanso do inimigo etc. (2) Nas operações de Garantia da Lei e da Ordem, uma missão de inquietação impede ou dificulta a reorganização das forças adversas, obrigando- as a se movimentarem constantemente. b. Organização (1) Normalmente, as patrulhas de inquietação possuem um escalão de segurança reforçado, constituído de vários grupos de segurança. (2) O escalão de assalto é definido por grupos de inquietação e apoio de fogo. Quando a inquietação for feita basicamente pelo fogo, o grupo de apoio de fogo será reforçado em homens e armamento. (3) Em ambiente operacional de difícil visibilidade e conseqüente dificuldade de controle, pode se organizar grupos de inquietação e segurança. c. Ação no objetivo (1) As ações são rápidas e agressivas, considerando a própria finalidade da missão. (2) Não é comum o engajamento da patrulha no combate aproximado. (3) Quando a finalidade for perturbar o descanso ou dificultar o movimento, pode-se inquietar pelo fogo. (4) A inquietação visando causar baixas pode ser executada pelo fogo, pelo assalto ou combinação de ambos. (5) O emprego de helicópteros favorece as ações de inquietação. (6) Bons conhecimentos da montagem de emboscadas imprevistas, bem como um adestramento das técnicas e ações imediatas, favorecem o cumprimento da missão. 2-29. PATRULHADE SUPRIMENTO a. Generalidades (1) A patrulha de suprimento tem a missão de suprir uma unidade destacada ou que se encontre em ambientes operacionais sob condições especiais, que necessite de certos suprimentos, impossibilitados de chegar pelos meios normais. 2-27/2-29
  39. 39. 2 - 23 CI 21-75-1 (2) A patrulha de suprimento cumpre sua missão de duas formas: (a) forma direta: há contato físico entre o elemento apoiador e o apoiado para a entrega ou a busca de suprimento. É aconselhável que se estabeleça uma ligação prévia entre o elemento apoiador e o apoiado, facilitando-se a coordenação. (b) forma indireta: através da utilização do suprimento pré-posicionado em local pré-determinado. Normalmente, não há necessidade de ligação entre a fração que supre e a fração que se utiliza do suprimento pré-posicionado. (3) Além do homem, animais podem ser empregados para auxiliar no transporte. Viaturas e aeronaves têm seu emprego condicionado pelas vias de transporte, condições meteorológicas e pela necessidade de manutenção do sigilo das operações. Tais meios podem ser empregados até determinados pontos ou áreas, ganhando-se em rapidez e diminuindo o desgaste físico dos patrulheiros, sem, no entanto, comprometer a segurança e o sigilo da operação em andamento. (4) Nos deslocamentos até a área do objetivo, utilizar formações que possibilitem segurança do pessoal empregado no transporte do suprimento. A velocidade de deslocamento da patrulha é definida pelos grupos com maior carga. b. Organização (1) A quantidade e o tipo de suprimento a ser transportado, bem como as distâncias e o ambiente operacional são fatores que influirão decisivamente na organização da patrulha. (2) Forma direta - Poderá ser constituído um escalão de suprimento e segurança, com tantos grupos de suprimento e segurança quantos forem necessários. Tal organização permitirá que os grupos possam prover sua própria segurança e facilitará as atividades de rodízio. (3) Forma indireta - As patrulhas de suprimento na forma indireta apresentam organização flexível, de acordo com o ambiente operacional, grau de sigilo exigido e peculiaridades da forma de pré-posicionamento. c. Ação no objetivo (1) Forma direta (a) Prever a ocupação de um ponto de reunião próximo ao objetivo, buscando contato com a tropa amiga sempre em segurança e ainda com horas de luz. (b) A entrega do suprimento, sempre que possível, segue a seguinte seqüência: - contato rádio, com autenticação, antes do contato visual; 2-29
  40. 40. 2 - 24 CI 21-75-1 - definição do local e direção de aproximação, facilitando o contato para a troca de senha, caso não tenha sido definido com exatidão; - em segurança e no local combinado, realizar a troca de senha e contra-senha, conforme IE Com Elt; - efetuar a entrega do suprimento. (c) Elementos do escalão de segurança realizam o contato. (2) Forma indireta (a) Ocupar um ponto de reunião próximo ao objetivo, identificar a presença ou não do inimigo,verificar o local do pré-posicionamento, balizando-o, se for o caso. (b) Sendo o suprimento pré-posicionado em área urbana e, havendo a necessidade de realizar contato com elementos existentes no local, o comandante deverá designar elementos da patrulha para tal missão, devendo evitar realizar pessoalmente este contato. (c) Caso não haja vias de acesso definidas, a segurança deverá ser circular (em todas as direções). (d) Em determinadas situações, pode haver a necessidade da realização de trabalhos de sapa para a instalação de um suprimento pré-posicionado. (e)Emdeterminadassituações,podehaveranecessidadedaeliminação de vestígios e/ou camuflagem do local onde foi pré-posicionado o suprimento. 2-30. PATRULHA DE EMBOSCADA a. Generalidades (1) Emboscada é um ataque de surpresa, contra um inimigo em movimento ou temporariamente parado, desencadeado de posições cobertas, com a finalidade de destruí-lo, capturá-lo, inquietá-lo ou causar-lhe danos materiais. (2) O espaço do terreno onde ela é montada denomina-se local de emboscada. Denomina-se área de destruição, a porção do local de emboscada onde são concentrados os fogos destinados ao alvo. (3) A emboscada é altamente eficaz em qualquer tipo de operação por não exigir a conquista ou manutenção do terreno, permitindo que forças de pequeno valor destruam forças de maior poder de combate. 2-29/2-30
  41. 41. 2 - 25 CI 21-75-1 Fig 2-6.Patrulha executando uma emboscada b. Fatores que favorecem o êxito de uma emboscada (1) Planejamento - Deve ser meticuloso e detalhado, abordando o efetivo da patrulha, o local da emboscada, o material, a preparação, os ensaios, os deslocamentos, a ocupação e preparação das posições, a camuflagem, a disciplina de fogo, o armadilhamento na área de destruição e adjacências, o controle, a condução da emboscada, o retraimento e a reorganização. (2) Controle – Deve ser exercido um controle cerrado sobre a patrulha. Comunicações adequadas, definição de um sistema de segurança e alerta, observação constante e conhecimento da situação facilitam o controle. Preparar os homens, alertando-os da mudança repentina, de uma situação de expectativa para um estado de agressividade máxima. (3) Paciência - É essencial para a manutenção do sigilo durante o tempo de espera. Normalmente, a patrulha é mantida na posição por muito tempo, exigindo disciplina e controle do sistema nervoso. A espera não deve ser muito prolongada, pois acarretará um desgaste físico ou psicológico da tropa emboscante. Para que se reduza tal desgaste, é necessário que se planeje um rodízio dos homens em prontidão, entretanto, há casos históricos de longas esperas. (4) Camuflagem – É um fator de grande importância para a obtenção da surpresa. É importante que sejam mantidas as características e a fisionomia do terreno. (5) Informações sobre o inimigo – O comandante da patrulha recebe todas as informações disponíveis sobre o inimigo, tais como: efetivo, natureza e direção de deslocamento. Essas informações são essenciais para o êxito da emboscada. (6) Seleção do local – O local ideal é aquele que oferece o máximo de vantagens para a tropa emboscante nos aspectos observação e campos de tiro, 2-30
  42. 42. 2 - 26 CI 21-75-1 cobertas e abrigos, obstáculos, acidentes capitais e vias de acesso. O inimigo deve ter observação limitada, campos de tiro reduzidos, ficar descoberto e deparar- se com obstáculos que restrinjam seu movimento, canalizando-o para a área de destruição. Desfiladeiros, gargantas, cursos d’água, barrancos ou aclives são acidentes do terreno que favorecem a montagem de uma emboscada. O emprego de obstáculos artificiais (concertinas, armadilhas etc), ajudam a causar baixas e diminuem a capacidade de reação do inimigo. A criatividade do comandante da patrulha influi positivamente na adequação tática do local da emboscada. Deve-se ter o cuidado de não deixar marcas ou vestígios que possam denunciar o local da emboscada. (7) Surpresa – Obtém-se pelo sigilo, pela camuflagem e pela paciência. (8) Rapidez –Aplicá-la, aproveitando o impacto da surpresa. (9) Fogo Violento – É o emprego do máximo volume de fogos, num pequeno espaço de tempo. (10) Simplicidade – O planejamento e a condução das ações devem ser os mais simples possíveis.Asimplicidade permite uma maior flexibilidade em qualquer conduta. (11) Adestramento – Adquirido através da instrução teórica e prática, favorecendo a aplicação eficaz das técnicas de emboscada. (12) Ensaio das ações – O ensaio, executado com o máximo de realidade, é condição fundamental para a atuação coordenada dos escalões e grupos nas diversas fases da missão de emboscada. c. Classificação das emboscadas (1) Geral (a) Emboscada de ponto - Caracteriza-se pela existência de uma única área de destruição, baseada em informes precisos sobre o inimigo. (b) Emboscada de área - Consiste em várias emboscadas de ponto sob um comando único, ao longo dos diversos itinerários de acesso ou retraimento do inimigo. (2) Quanto aos dados sobre o alvo (a) Emboscada deliberada - É planejada especificamente para um determinado alvo. Necessita de dados detalhados sobre o inimigo. (b) Emboscada de oportunidade - Os dados disponíveis não permitem um planejamento detalhado antes da partida. São preparadas para atacar um alvo compensador. d. Organização (1) Considerações básicas (a) A montagem de uma emboscada depende da finalidade da operação, do inimigo a ser emboscado, do local escolhido e dos meios disponíveis. Um estudo de situação adequado facilita a decisão do comandante. 2-30
  43. 43. 2 - 27 CI 21-75-1 (b) O efetivo e o dispositivo da tropa emboscante é um fator preponderante nas ações de uma emboscada. (2) Escalão de Segurança (a) Grupo de Proteção - Tem por finalidade impedir ou retardar o envio de reforços inimigos para o local da emboscada. Ocupa posições ao longo das prováveis vias de acesso, podendo preparar pequenas emboscadas com objetivo de retardar o inimigo. - O grupo de proteção deve planejar suas emboscadas e estar em condições de atuar em emboscadas imprevistas. Outra missão do grupo é proteger o retraimento da patrulha. Para isto, deve colocar-se em locais onde possa bater, pelo fogo, o local da emboscada e os itinerários de retraimento. Quando a forma do terreno dificultar a proteção adequada ao retraimento, o grupo deve atuar para desengajar o escalão de assalto, se for o caso. (b) Grupo de Vigilância - Tem por missão informar a aproximação do inimigo, identificando- o e levantando outros dados sobre a sua situação (valor, dispositivo etc). - Como meio de comunicação deve usar telefone, a sinalização visual e/ou mensageiro (eventualmente o rádio). - Nas patrulhas de pequeno efetivo, a missão de vigilância pode ser cumprida pelo grupo de proteção. (c) Grupo de Acolhimento - Sua missão é guardar o Ponto de Reunião Próximo do Objetivo (PRPO), onde a patrulha se reorganizará, após a emboscada. Permanece em posição durante toda a operação. O comandante do grupo deve tomar as medidas necessárias para evitar incidentes. O conhecimento da localização geral da patrulha, do sistema de segurança, das comunicações e das possíveis evoluções da situação tática, favorece o cumprimento da missão. - É importante que os integrantes do grupo tenham perfeito conhecimento da utilização da senha e contra-senha. (3) Escalão de Assalto (a) Grupo de Bloqueio - Tem por finalidade impedir que o inimigo emboscado saia da área de destruição. Cumpre esta missão lançando obstáculos, executando fogos, dificultando ou impedindo a progressão do inimigo. - Realiza o trabalho de lançamento de obstáculos juntamente com o Grupo de Assalto. (b) Grupo de Apoio de Fogo - Organizado quando houver a previsão do combate corpo-a-corpo. Tem por finalidade apoiar, pelo fogo, a ação do Grupo de Assalto. 2-30
  44. 44. 2 - 28 CI 21-75-1 (c) Grupo de Assalto - É aquele que executa a ação principal da emboscada. O assalto pode ser realizado pelo fogo, pela ação física direta contra o inimigo ou por ambos. -Aação do grupo de assalto é definida pela missão (inquietar, obter suprimentos, causar baixas etc). A distribuição dos setores de tiro deve ser uma das principais preocupações do comandante do grupo. - Em qualquer situação, o grupo de assalto age com o máximo de violência e rapidez. - É o responsável pela preparação e lançamento dos obstáculos. (d) Grupo de Tarefas Essenciais - Constituído de várias equipes ou grupos, todos com tarefas impostas pela missão (matar, destruir, capturar pessoal, capturar material, resgatar, etc). (e) Grupo de Comando - Tem organização, atribuições e conduta semelhantes aos diversos tipos de patrulha. Fig 2-7. Organograma de uma patrulha de emboscada e. Formações (1) Considerações Básicas - O dispositivo adequado da tropa, aproveitando ao máximo as características do terreno no local da emboscada, proporciona vantagens táticas para o cumprimento da missão. Em função do terreno, do inimigo, da missão, do efetivo e dos meios disponíveis, pode-se empregar uma das formações descritas a seguir. (2) Flanqueamento Simples - Dispositivo simplificado. - Necessita de terreno com elevação em apenas um dos lados. - Possibilita o emprego conjunto de todas as armas. - Utiliza um só itinerário de retraimento. - Facilita o controle. 2-30
  45. 45. 2 - 29 CI 21-75-1 Fig 2-8. Flanqueamento simples (3) Em L - Utiliza terreno com curva e aclive. - Possibilita o emprego conjunto de todas as armas. - Emprega um só itinerário de retraimento. - Facilita o controle. - Ataca o inimigo à frente e por um dos flancos. Fig 2-9. Emboscada em L (4) Em U - Exige terreno que ofereça posição de tiro de cima para baixo. - Necessita de grande potência de fogo. - Dificulta a reação do inimigo. - Utiliza mais de um itinerário de retraimento. - Dificulta o controle. - É importante conhecer a direção de progressão do inimigo. 2-30
  46. 46. 2 - 30 CI 21-75-1 Fig 2-10. Emboscada em U (5) Frontal - Necessita de grande potência de fogo. - É eficaz nas ações de retardamento. - Possibilita a entrada em posição para nova emboscada. Fig 2-11. Emboscada frontal (6) Em V (uma variante da frontal) - Muito empregada em ambiente com restrições de visibilidade (selva). - Necessita de muita coordenação, principalmente dos fogos. - A abertura do V é favorecida quando se conhece a direção de aproximação do inimigo. Fig 2-12. Emboscada em V 2-30
  47. 47. 2 - 31 CI 21-75-1 (7) Minueto - Exige tropa altamente treinada. - O terreno influi na escolha do local. - Confunde totalmente o inimigo, dificultando sua reação. - É empregada contra um inimigo forte. - Proporciona boa observação e campos de tiro. - Dificulta o controle. - Utiliza mais de um itinerário de retraimento. - Conduta: quando o inimigo estiver na área de destruição, desencadeia- se o fogo da área 01, o inimigo contra-ataca e a força da área 01 retrai, sendo aberto neste momento, o fogo de outra área e assim sucessivamente, até que o inimigo tenha sido destruído completamente. Fig 2-13. Minueto (8) Flanqueamento Duplo - Semelhante à emboscada em U. - Pode ser desencadeada independente da direção de aproximação do inimigo. Fig 2-14. Flanqueamento duplo 2-30
  48. 48. 2 - 32 CI 21-75-1 (9) Circular - É, normalmente, empregada quando não se sabe a direção de aproximação do inimigo, mas se tem a certeza de que ele passará pelo local da emboscada. Monta-se uma emboscada em 360° com os setores de tiro voltados para a periferia. Fig 2-15. Emboscada circular (10) Em Rodamoinho - Empregada em cruzamento de estradas. - Não se conhece a direção de aproximação do inimigo. - A tropa é colocada em quadrantes opostos. Fig 2-16. Emboscada em rodamoinho 2-30
  49. 49. 2 - 33 CI 21-75-1 (11) Com Isca - A isca deve ser dotada de grande mobilidade e ter condições de retrair para uma posição abrigada. Fig 2-17. Emboscada com isca f. Conduta de uma emboscada (1) Considerações básicas Depende, principalmente, de sua finalidade (inquietação ou destruição) e das informações sobre o inimigo (deliberada ou imprevista). Deve seguir um faseamento para o desencadeamento das ações. (2) Faseamento de uma emboscada. (a) Seqüência de Ocupação do Local de Emboscada - Grupos de Vigilância - Grupos de Proteção - Grupo de Assalto - Grupos de Bloqueio (b) Preparação Após a ocupação da posição pelos Grupos de Vigilância e Proteção, os demais grupos já estarão em segurança para desencadear a preparação do local da emboscada. Lançamento de fios para comunicação (grupo de vigilância), de obstáculos balizados além e aquém da área de destruição (grupo de assalto), de obstáculos perpendiculares à direção de aproximação do inimigo (grupo de bloqueio). (c)Alerta e identificação Realizado pelo grupo de vigilância.Após ter tomado conhecimento, o comandante da patrulha, através de um sistema silencioso (ligação por meio fio), retransmite os dados aos patrulheiros. 2-30
  50. 50. 2 - 34 CI 21-75-1 (d) Desencadeamento dos fogos (abrir fogos) Conforme o planejamento e, normalmente, mediante sinal do comandante da patrulha. O inimigo, nesse momento, deve estar numa situação em que os fogos lhe causem o maior número de baixas possíveis. (e) Cessar fogo Obedecendo ao planejado ou mediante ordem do comandante da patrulha. Cessado os fogos, tem início o assalto. (f)Assalto Rápido e agressivo, cumprindo a finalidade da missão. (g) Retraimento do grupo de assalto Mediante um sinal do comandante do grupo de assalto e com a cobertura do grupo de proteção. (h) Retraimento geral Retrai primeiro o escalão de assalto e depois o(s) grupo(s) de proteção. Normalmente, a patrulha se reorganiza em um ponto de reunião, guardado pelo grupo de acolhimento. É importante que este itinerário de retraimento seja balizado. g. Causas de fracasso de uma emboscada (1) Ruídos de engatilhamento. (2) Disparos prematuros. (3) Má camuflagem (seja individual ou das posições). (4) Falta de segurança em todas as direções. (5) Incidentes de tiro com o armamento. (6) Emprego incorreto dos sinais convencionados. (7) Apoio de fogo deficiente. (8) Despreparo psicológico dos homens. (9) Atuação lenta e pouco agressiva. h. Observações para montagem das emboscadas (1) Não dividir o comando. (2) Assegurar-se de que cada homem está perfeitamente familiarizado com sua função e com a missão que recebeu. (3) Fazer o plano de fogos, de forma a cobrir toda a área de destruição, bem como as prováveis vias de retraimento do inimigo. (4) Determinar rigorosa disciplina de luzes e ruídos, proibindo qualquer barulho ou qualquer ponto luminoso. 2-30
  51. 51. 2 - 35 CI 21-75-1 (5) Proibir que os homens fumem. (6) Determinar aos homens que atirem para baixo. Um ricochete é menos danoso do que um tiro que não acerta um alvo (precisão e segurança). (7) Fazer uma escala para os elementos de segurança, quando o período de espera for longo. (8) Inspecionar as posições, locais armadilhados e verificar se estão balizados para o assalto e retraimento dos grupos, verificando, principalmente, a camuflagem e os setores de tiro. (9) Definir locais específicos para as necessidades fisiológicas e balizá- los. (10) Lançar um dispositivo de armadilhas com granadas de mão, a fim de impedir a saida do inimigo da área de destruição. (11) Posicionar-se onde melhor possa observar a área de destruição e controlar a ação. ARTIGO IV TÉCNICAS DEASSALTO 2-31. GENERALIDADES a. O assalto tem por propósito conquistar o objetivo, destruindo ou neutralizando (mesmo que temporariamente) a resistência inimiga. b. O assalto deve ser potente e rápido. Um vacilo ou indecisão do grupo de assalto, diante de uma resistência inesperada do inimigo, pode frustrar toda a ação no objetivo e, em conseqüência, o cumprimento da missão. c. Os fogos executados durante o assalto devem ser precisos, a fim de torná-lo eficiente. Isso só será possível mediante um eficaz adestramento e ensaios exaustivos. d. O grupo de assalto deve valer-se ao máximo do uso de granadas e fumígenos. Alguns homens do grupo de assalto devem ser designados para manter uma cadência regular de tiro, a fim de manter um volume constante de fogos e obter um recobrimento de tiros durante as trocas de carregadores. 2-30/2-31
  52. 52. 2 - 36 CI 21-75-1 e. Outros grupos (particularmente o de tarefas essenciais) que sucedem o grupo de assalto na seqüência da ação no objetivo, devem se posicionar no terreno (distância/cobertas e abrigos) de forma que, preferencialmente, não se engajem nos fogos do assalto. f.Aposição coberta (se possível abrigada) no terreno, a partir da qual o grupo de assalto, dentro do dispositivo adotado, desencadeia sua ação, chama-se posição de assalto. Ela deve estar o mais próximo possível do objetivo, sem comprometer o sigilo. Deve também ser definida no planejamento detalhado, por intermédio do estudo da carta, fotos, esboços e quaisquer outros dados então disponíveis. Na área do objetivo, o comandante de patrulha, juntamente com os comandantes do escalão e do grupo de assalto, deve, durante o reconhecimento aproximado, ratificá- la ou retificá-la. g. Em seu planejamento, o comandante de patrulha deve definir qual a melhor forma de assaltar o objetivo e ensaiá-la exaustivamente. O assalto pode ser: - contínuo: quando o grupo de assalto abandona a posição de assalto e em um movimento contínuo atinge o objetivo. - por lanços: quando o grupo de assalto se subdivide em equipes, que abandonam a posição de assalto e avançam para o objetivo realizando lanços alternados, proporcionando entre si uma base de fogos para a progressão (fogo e movimento / “marcha do papagaio”). - misto: quando o terreno ou a resistência inimiga apresenta alteração significativa, sugerindo a alteração do assalto por lanços para o assalto contínuo, ou vice versa. - em sigilo: quando o grupo de assalto abandona a posição de assalto e inicia seu deslocamento na direção do inimigo sem ser percebido. Nesse caso, o desencadeamento dos fogos só ocorrerá quando houver a quebra do sigilo ou mediante ordem. - pelo fogo: quando, devido à proximidade da posição de assalto do objetivo, o grupo de assalto não a abandona, realizando a neutralização definitiva da resistência inimiga exclusivamente pelo emprego de seu armamento. 2-31
  53. 53. 2 - 37 CI 21-75-1 2-31
  54. 54. 2 - 38 CI 21-75-1 ARTIGO V INFILTRAÇÃO 2-32. GENERALIDADES a.As ações de patrulha podem ser executadas em território amigo, em território inimigo ou em território sob controle do inimigo. b.As ações de entrada em território inimigo ou sob controle do inimigo exigem a aplicação de processos de infiltração. c. A infiltração consiste em uma técnica de movimento através, em torno ou sobre posições inimigas, realizada de modo furtivo, com a finalidade de concentrar pessoal e/ou material em área hostil ou sob controle do inimigo, visando a realização de ações militares. d. As patrulhas podem utilizar, para infiltrar-se, os seguintes processos: OÃÇARTLIFNI ossecorP edadiladoM acincéT odaçnadumedotnoP oãçartlifniedossecorp ERTSERRET adazirotom - euqrabmesededotnop épa - euqrabmeedotnop edogerpmemoc siamina - - adanibmoc - - OERÉA ertserretorea ocitámotua-imesotnemaçnal otnemaçnaledanoz levómorea )lamroneuqot(lamroneuqrabmesed retAcoL qbDZ/qbEZ avosededotnop odariapeuqrabmesed leparropeuqrabmesed adipáradrocropeuqrabmesed ocitáuqameavosedropeuqrabmesed adatropsnartorea otlassaedosuop osuopedanoz osuopedopmac lamroneuqrabmesed adanibmoc amuedsiam megarretaedatsip LITÁUQA edesab-evanrop ropeicífrepus saneuqep seõçacrabme amitíram adanibmoc litáuqa )eicífrepused( aiarp megram /megadrobaedotnop( )euqrabnesedodana adanibmoc laivulf acitáuqabus OTSIM .oãçartlifniedossecorpmuedsiamanibmocsiop,laususiamoÉ ROP MEGASSAPARTLU OGIMINIOD ropes-aizimohahlurtapamuodnauqadaziretcaracé;ogiminimuedaicnênimeanadazilaeR edelortnocbosoãtneéta,adinifedetnemaiverpaeráamunopmetedodoírepodanimreted saçrofsadotnemivomodedutrivme,euqotnemomoéatatlucorecenamrepe,sagimasaçrof .adraugaterausaes-razilacolaassap,sagimini ambiente operacional profundidade 2-32
  55. 55. 2 - 39 CI 21-75-1 e. Independente do processo utilizado, a infiltração exigirá do comandante da patrulha um planejamento meticuloso, considerando-se os fatores da decisão e as possíveis situações de contingência. Nesse planejamento devem ser consideradas as medidas de coordenação e controle específicas dos diversos processos de infiltração, tais como: faixas de infiltração, linhas e/ou pontos de controle, áreas de reagrupamento, pontos de reunião no itinerário, pontos de transbordo etc. f. Um ensaio criterioso das ações e das possíveis situações de contingência é condição fundamental para o sucesso da infiltração, pois improvisações no território inimigo ou sob controle deste podem comprometer a missão. g.Algumas das modalidades de infiltração, em função de sua especificidade, exigirão dos integrantes da patrulha um elevado grau de adestramento. h. Para as ações de exfiltração são utilizados os mesmos processos e modalidades da infiltração. ARTIGO VI BASE DE COMBATE, BASE DE PATRULHA, ÁREADE REUNIÃO E ÁREADE REUNIÃO CLANDESTINA 2-33. CONCEITOS a. Base de combate (1) Ponto forte que se estabelece na área de combate ou de pacificação de uma força em operações na selva, em operação de pacificação e em certas operações em áreas autônomas para assegurar o apoio logístico, proporcionar a ligação com os elementos subordinados e superior, acolher e despachar tropas e garantir a duração na ação. (2) É instalada pelo batalhão ou companhia para se constituir em pontos de concentração dos seus órgãos de comando e de apoio, de sua reserva e de outras frações não empenhadas nos patrulhamentos ou encarregadas da segurança da base. (3)Areserva, normalmente, deve possuir grande mobilidade. (4) Há um equilíbrio entre as medidas de segurança e administrativas. b. Base de patrulha (1) Local de uso temporário na área de combate de companhia, a partir da qual o pelotão ou grupo de combate executa ações de patrulha, reconhecimento ou combate. Área oculta na qual se acolhe a patrulha de longa duração por curto prazo para se refazer, se reorganizar e dar prosseguimento ao cumprimento da missão. 2-32/2-33
  56. 56. 2 - 40 CI 21-75-1 (2)Otempodeocupação,normalmente,nãodeveráultrapassar48(quarenta e oito) horas, por medida de segurança e sigilo. (3) As bases de patrulhas são instaladas por pelotões. (4) Geralmente, delas se irradiam pequenas patrulhas. (5) As medidas de segurança e táticas prevalecem sobre as medidas administrativas. (6)As patrulhas não deverão utilizar a mesma base duas vezes, dependendo da situação tática. c. Área de reunião e área de reunião clandestina (1) Destina-se ao pernoite de final de jornada ou à dissimulação da patrulha durante o dia, quando, taticamente, isso for necessário. (2) Prevalecem as medidas de segurança, adequadas em função do efetivo da patrulha e do ambiente operacional. (3) A instalação de uma área de reunião é semelhante a uma base de patrulha, sendo restritas as medidas administrativas. (4) Quando esta área de reunião for localizada em ambiente sob o controle do inimigo é denominada área de reunião clandestina. Cabe ressaltar que nesta área, as medidas administrativas são quase inexistentes, tendo em vista o volume das atividades inimiga e o conseqüente risco de a patrulha ser percebida. 2-34. SELEÇÃO DO LOCAL DA BASE DE PATRULHA a. O planejamento, o estudo da carta e de fotografias aéreas indicam os melhores locais para a instalação da base de patrulha. b. A escolha na carta deve ser confirmada no terreno, antes da ocupação. Prever um outro local, como opção. c. Na escolha do local, observa-se os aspectos a seguir. (1) Missão da patrulha. (2) Dissimulação e segurança do local. (3) Possibilidade do estabelecimento das comunicações necessárias. (4) Necessidade de suprimento aéreo. A área de lançamento não deve comprometer a localização da base. Havendo mais de um lançamento, prever outras áreas. A noite é favorável ao lançamento. (5) Adequabilidade da área. Considerando o ambiente operacional, escolher um terreno seco e bem drenado e de pouco valor tático. As medidas de segurança preterem as medidas administrativas da patrulha. (6) Proximidade de uma fonte de água, sempre que possível. 2-33/2-34
  57. 57. 2 - 41 CI 21-75-1 2-35. FASES DA INSTALAÇÃO DE UMA BASE DE PATRULHA a. Definido o local da base, o planejamento e a preparação da instalação, normalmente, segue a seqüência abaixo: (1) aproximação da base; (2) reconhecimento; (3) ocupação; (4) estabelecimento de um sistema de segurança; (5) medidas administrativas; (6) inspeções; (7) evacuação da base. b. Aproximação e reconhecimento. (1) Evitar regiões habitadas. (2) Observar ao máximo a disciplina de ruídos. (3) Aproveitar judiciosamente o terreno. (4) A patrulha abandona a direção de marcha em ângulo reto e faz um alto- guardado, numa posição coberta e abrigada, próxima do local escolhido para a base. A distância, considerando o ambiente operacional, deve permitir a visualização da base e o apoio mútuo entre os elementos do reconhecimento e os que permanecem no alto-guardado. (5) Reconhecimento do local exato pelo comandante da patrulha acompanhado pelos comandantes de escalões e/ou grupos, rádioperador e mensageiro da patrulha. Cada comandante de grupo leva um homem, que será o guia posteriormente. (6) Designação pelo comandante da patrulha, após reconhecimento, do ponto de entrada da base, que será o ponto das 6 horas pelo processo do relógio. Em seguida, o comandante da patrulha desloca-se para o interior da base e define o centro (PC) e o ponto das 12 horas. Os pontos 6 e 12 horas são definidos por referências que se destaquem no ambiente. (7) Não tendo a patrulha uma NGA de ocupação, do centro da base, o comandante designa os setores para os grupos, utilizando-se do processo do relógio. (8) Posteriormente, os comandantes subordinados reconhecem os seus setores, verificam sua situação no terreno e retornam para junto do comandante de patrulha, que se encontra no centro da base. (9)Oscomandantesdegrupopermanecemnaentradadabase,aguardando a chegada da patrulha, que deverá se aproximar orientada pelos guias. 2-35
  58. 58. 2 - 42 CI 21-75-1 c. Ocupação da base de patrulha (1) O início da ocupação, propriamente dita, deve ser feito com alguma luminosidade, antes do escurecer, visando à preparação correta do sistema de segurança. A ocupação durante a noite é dificultada pelas condições de visibilidade para os reconhecimentos, identificação do terreno e escolha das posições. (2) O emprego criterioso das NGA de ocupação de uma base de patrulha ou área de reunião aumentará o sigilo e proporcionará mais segurança à patrulha. (3) Uma falsa base, prevista para iludir o inimigo quanto a localização da base principal, pode ser ocupada, quando o comandante da patrulha tiver suspeitas de perseguição. A falsa base, localizada próxima da região da base principal, funcionará como um segundo alto-guardado e sua ocupação será idêntica a da base principal. (a) O comandante da patrulha, seu rádio-operador/mensageiro, juntamente com os comandantes de grupo e seus guias, deslocam-se para o reconhecimento da falsa base. (b) Os guias retornam e a patrulha é conduzida pelo subcomandante até a entrada da falsa base. (c) Procede-se, normalmente, a ocupação. (d) Visando ganhar tempo diurno, enquanto a patrulha se instala na falsa base o comandante da patrulha, juntamente com os elementos de reconhecimento, partem para a base principal, dando início a segunda fase da instalação que é o reconhecimento. (e) O subcomandante responde pela patrulha na falsa base até conduzi- la para a entrada da base principal, onde se encontra o comandante. (4) A mecânica da ocupação da base principal é definida a seguir: (a) após o reconhecimento da base principal e o retorno dos guias ao local do alto-guardado ou da falsa-base, cada comandante de grupo permanecerá na entrada da base principal, onde aguardará a chegada de sua fração e a conduzirá pela linha 6-12 horas até atingir o limite esquerdo de seu setor e, em seguida, posicionar os homens até o limite direito. Cada homem tem que conhecer a localização de quem está ao seu lado, à frente e à retaguarda, bem como saber as rotas de qualquer movimentação prevista, dentro e fora da área base. (c) o grupo de comando dirige-se para o PC, no centro da base. (d) o comandante verifica o perímetro da base e determina alterações se julgá-las necessárias. (e) os comandantes dos grupos reconhecem o terreno à frente do seu setor, definindo as posições dos postos de vigilância e de escuta, conforme planejamento do comandante da patrulha. (f) o comandante de grupo ocupa uma posição em seu setor onde possa melhor controlar seus homens e ligar-se, visualmente, com o comandante da patrulha. Havendo restrições, em função do ambiente operacional, adaptar as ligações por quaisquer meios disponíveis. 2-35
  59. 59. 2 - 43 CI 21-75-1 (5) Base alternativa (a)Éumamedidadesegurançaquefuncionacomoumpontodereunião, dando flexibilidade ao comandante da patrulha, caso a base principal seja atacada. (b) Iniciada a ocupação da base principal e transmitidas as ordens aos homens, o comandante da patrulha acompanhado do seu rádio-operador/ mensageiro, dos comandantes de grupo e guias, partem para o reconhecimento da base alternativa. É interessante que sejam reconhecidas no mínimo duas bases alternativas em sentidos opostos. (c) O comandante da patrulha deve estudar as prováveis direções de atuação do inimigo e definir um mínimo de rotas de fuga para a(s) base(s) alternativa(s). As rotas são opostas às prováveis direções de atuação do inimigo e dirigidas para a(s) base(s) alternativa(s). Normalmente, dois guias são designados para cada rota selecionada. Um orienta o grosso da patrulha e o outro aguarda o grupo que faz face ao inimigo. (d) Os comandantes de grupo e os guias partem para o reconhecimento pelas rotas de provável utilização até a entrada da(s) base(s) alternativa(s). Os itinerários são amarrados por azimutes ou balizados por quaisquer meios. (e) Na(s) base(s) alternativa(s) o comandante define os setores dos grupos. Considerando o fator tempo, esta ocupação será semelhante a de um alto-guardado, com redobradas medidas de segurança. (f) Após o reconhecimento, o comandante e sua equipe retornam à base principal, onde o subcomandante deu andamento aos trabalhos de ocupação. (g) O comandante da patrulha realiza uma inspeção na base principal. (h) Os comandantes de grupo informam aos homens o plano de evacuação da base (itinerário de evacuação, o setor do grupo, o que fazer ao chegar na(s) base(s) alternativa(s) etc). Na jornada seguinte, caso a situação tática permita, e mediante ordem do comandante, os demais integrantes da patrulha poderão reconhecer os itinerários para a(s) base(s) de alternativa(s). Fig 2-18. Base de patrulha (6) Eventualmente, a base de patrulha pode ser instalada com um dispositivo descentralizado, diferente do preconizado na Fig. 2-18. Nesse caso, alguns 2-35
  60. 60. 2 - 44 CI 21-75-1 procedimentos específicos deverão ser adotados. (a)Apatrulha abandona a direção de marcha em ângulo reto e atinge o ponto de liberação dos grupos (P Lib Gp). (b) No P Lib Gp, cada comandante de grupo toma uma direção pré- determinada e afasta-se aproximadamente 100m deste ponto, ocupando a sua base. (c) O Grupo de comando e os reforços infiltram-se em um dos grupos, de acordo com a missão e a situação tática. (d) Com este dispositivo, a patrulha torna-se menos vulnerável ao encontro inimigo. Caso um grupo venha a ser descoberto, provavelmente não comprometerá os outros grupos. (e) Cabe ressaltar que este dispositivo possui algumas vantagens e desvantagens. (1)Vantagens - Aumento da segurança do perímetro da base. - Diminuição da probabilidade do número de baixas quando esta for atacada. - Aumento da dispersão entre os grupos, conseqüentemente, diminuindo a vulnerabilidade aos fogos de apoio do inimigo. (2) Desvantagens - Dificuldade da coordenação e controle por parte do comandante da patrulha. - Aumento do número de rotas de fuga, facilitando o rastreamento por parte do inimigo. - A dificuldade de delimitar os setores de tiro, a fim de não ocorrer o fratricídio, pois os grupos encontram-se dispersos. - Dificuldade de reorganizar a patrulha após a dispersão (ataque à posição). 2-35
  61. 61. 2 - 45 CI 21-75-1 Fig 2-19. Base de patrulha descentralizada 2-35
  62. 62. 2 - 46 CI 21-75-1 Fig 2-20. Núcleo de grupo da base de patrulha descentralizada d. Estabelecimento do sistema de segurança (1) Sistema de postos de vigilância e/ou postos de escuta (a) Postos de vigialância e/ou postos de escuta, definidos e instalados em função do ambiente operacional, integram o sistema de vigilância da base. Havendo disponibilidade, grupos de 2 ou 3 elementos são designados e operam esses postos. (b) Meios de comunicações silenciosos ligam os postos aos comandantes de grupo e estes ao comandante da patrulha. Cordas e cipós, empregados com convenções estabelecidas, quanto ao número de puxadas, são eficientes. Sempre que possível, empregar o telefone de campanha. (c) Durante o dia, os vigias devem colocar-se bem à frente, a uma distância que não lhes permita ouvir os ruídos naturais vindos da base. À noite, os 2-35
  63. 63. 2 - 47 CI 21-75-1 postos de escuta devem ocupar posições centrais e mais próximas dos homens da periferia da base. (2) Normalmente, não se defende uma base de patrulha atacada. Para esta situação, o comandante deve prever bases alternativas e o plano de evacuação da base principal. Consequentemente, rotas de fuga e pontos de reunião, dependendo das distâncias, são planejados e reconhecidos. (3) Para maior segurança e controle, deve ser utilizada somente uma saída- entrada para a base. O ponto é camuflado e guardado permanentemente, se possível, com uma arma de emprego coletivo. (4) Normalmente, o comandante da patrulha designa elementos com conhecimentos especiais para instalar, fora da área da base, um sistema de alarme, de preferência luminoso, bem como, lançar e montar armadilhas. Tal sistema deve ser definido antes da ocupação, considerando a necessidade de material. (5) Determinar senhas, contra-senhas e sinais de reconhecimento. (6) Determinar as ações a realizar em caso de ataque, incluindo a evacuação da base sob fogos inimigos. Existindo armas coletivas na patrulha, o comandante define posições de tiro considerando as características de seu inimigo. (7) Defesa da base (a) Para evitar a destruição ou captura do material essencial para o cumprimento da missão, o comandante da patrulha deve decidir por uma defesa limitada, dando prioridade de fogos para a direção de penetração do inimigo. (b) Caso a base seja atacada, ela deve ser abandonada, mediante controle e determinação do comandante da patrulha, sendo necessária uma expressiva ação de comando dos comandantes de grupos. (c)Aocupação da base(s) alternativa(s) implica em reforçar o esquema de segurança, considerando que o inimigo tem conhecimento das atividades da patrulha na região. (d) Quando na área da base existirem restrições de cobertas e abrigos, devem ser preparados abrigos individuais para um homem deitado. (8) Por medida de segurança, todos devem estar em condições de emprego trinta minutos antes do escurecer e do amanhecer. (9) A posição para dormir deve favorecer uma pronta resposta do homem para tomar uma posição de tiro. (10) Em algumas oportunidades, o comandante de uma patrulha que está ocupando uma base terá que lançar pequenas patrulhas para cumprirem missões de menor envergadura e retrairem em seguida. Nesse caso, sempre deverá permanecer na base um efetivo que lhe confira segurança e que mantenha a ligação rádio com quem saiu. 2-35
  64. 64. 2 - 48 CI 21-75-1 (11) Normalmente, duplas de homens são lançadas para reconhecimentos à frente da periferia da base para verificar a presença do inimigo nas proximidades. São designados pelo comandante da patrulha e coordenados pelo comandante de grupo que planeja a execução. Os homens aguardam no setor e mediante um sinal, deslocam-se em torno da base, cobrindo uma área que permita o apoio mútuo, observando as características do ambiente operacional. Fig 2-21. Sistema de segurança de uma base de patrulha e. Medidas administrativas – Concluídas as medidas de segurança (instalação operacional), iniciam-se as medidas administrativas. Entre outras medidas, o comandante pode determinar as que se seguem. (1) A construção de latrinas entre as posições dos grupos e os PVig ou PE devidamente balizadas. (2) O suprimento e o ressuprimento de água (por 2 ou 3 homens) uma vez por dia e normalmente antes do amanhecer. Disciplinar o consumo. (3) A construção de abrigos sumários para o pernoite. Conforme o grau de segurança exigido, cada homem tem seu horÀ

×