ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4

572 visualizações

Publicada em

ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4

  1. 1. 1.00 PPA - INF/4 ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA (BIS) 2ª Edição - 2004
  2. 2. O adestramento - significando um fecundo esforço para a imitação do combate - é a única maneira de profissionalizar os Quadros e de manter viva a Organização Militar
  3. 3. 3.00 A concepção de preparação da Força Ter- restre Brasileira, consubstanciada nos Pro- gramas-Padrão, pode ser resumida em, apenas, uma sentença: A PARTIR DE UMA VISÃO IDEAL E ADEQUADA DE PREPARAÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA, O SISTEMA BRASILEIRO DE INSTRUÇÃO MILITAR DO EXÉRCITO BRASI- LEIRO (SIMEB) PROCURA PROMOVER AEXECUÇÃO DESSAATIVIDADE COM ABSO- LUTA FLEXIBILIDADE, PARA QUE POSSAM SER ABSORVIDAS AS CONDIÇÕES, PE- CULIARIDADES E RESTRIÇÕES CONJUNTURAIS NOS RESULTADOS E GARANTIAS DE CONSECUÇÃO DOS OBJETIVOS AOS QUAIS SE PROPÕE.
  4. 4. 4.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO ..................................................................................................................................................................................................................................................................................... 6.00 01. Finalidade ..................................................................................................................................................................................................................................................................................... 7.00 02. Conceitos Básicos ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 7.00 03. Período de Adestramento............................................................................................................................................................................................................................................................ 9.00 04. Adestramento Básico .................................................................................................................................................................................................................................................................. 10.00 05. Estrutura da Instrução do Programa-Padrão ............................................................................................................................................................................................................................. 11.00 06. Planejamento e Execução do Adestramento Básico ................................................................................................................................................................................................................. 17.00 07. Avaliação do Adestramento Básico ........................................................................................................................................................................................................................................... 21.00 08. Sistema de Validação .................................................................................................................................................................................................................................................................. 22.00 II. A - ADESTRAMENTO DO BIS ........................................................................................................................................................................................................................................................ 24.00 Quadro do Adestramento Básico do Batalhão de Infantaria de Selva ........................................................................................................................................................................................... 25.00 Programa de Adestramento do Batalhão de Infantaria de Selva ..................................................................................................................................................................................................... 27.00 Exercícios de Campanha Específicos e Integrados ......................................................................................................................................................................................................................... 28.00 INF/400.01 - BATALHÃO DE INFANTARIADE SELVA ........................................................................................................................................................................................................................ 29.00 INF/400.02 - BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA ....................................................................................................................................................................................................................... 37.00 INF/400.03 - BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA ....................................................................................................................................................................................................................... 45.00 INF/400.04 - BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA ....................................................................................................................................................................................................................... 54.00 INF/400.05 - BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA ....................................................................................................................................................................................................................... 63.00 II. B - PROGRAMA DE ADESTRAMENTO DA CIA CMDO E APOIO ......................................................................................................................................................................................... 75.00 INF/410.01 - CIA C Ap ......................................................................................................................................................................................................................................................................... 78.00 INF/410.02 - CIA C Ap ......................................................................................................................................................................................................................................................................... 83.00 INF/411.01 - PEL CMDO ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 87.00 INF/411.02 - PEL CMDO ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 90.00 INF/411.03 -TURMADE RECONHECIMENTO ..................................................................................................................................................................................................................................... 92.00 INF/411.04 -TURMADE RECONHECIMENTO .................................................................................................................................................................................................................................... 96.00 INF/411.05 - TURMADE CAÇADORES ............................................................................................................................................................................................................................................... 99.00 INF/411.06 - TURMADE CAÇADORES ............................................................................................................................................................................................................................................. 103.00 INF/411.07 - GRUPO DEAUTODEFESAANTIAÉREA ...................................................................................................................................................................................................................... 105.00 INF/411.08 - GRUPO DEAUTODEFESAANTIAÉREA ...................................................................................................................................................................................................................... 106.00 INF/412.01 - PEL COM ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 108.00 INF/412.02 - PEL COM ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 113.00 INF/412.03 - PEL COM ...................................................................................................................................................................................................................................................................... 118.00 INF/413.01 - PEL SUP ....................................................................................................................................................................................................................................................................... 123.00 INF/413.02 - PEL SUP ....................................................................................................................................................................................................................................................................... 125.00 INF/413.03 - PEL SUP ....................................................................................................................................................................................................................................................................... 127.00 INF/414.01 - PEL MNT TRANSP........................................................................................................................................................................................................................................................ 130.00 INF/414.02 - PEL MNT TRANSP........................................................................................................................................................................................................................................................ 132.00 INF/414.03 - PEL MNT TRANSP........................................................................................................................................................................................................................................................ 134.00 INF/415.01 - PEL SAU....................................................................................................................................................................................................................................................................... 136.00 INF/415.02 - PEL SAU....................................................................................................................................................................................................................................................................... 139.00 INF/415.03 - PEL SAU....................................................................................................................................................................................................................................................................... 142.00 INF/418.01 - FORÇA MARUPIARA ................................................................................................................................................................................................................................................... 145.00 INF/418.02 - FORÇA MARUPIARA ................................................................................................................................................................................................................................................... 149.00 INF/418.03 - FORÇA MARUPIARA ................................................................................................................................................................................................................................................... 153.00 INF/416.01 - PEL MRT ME ................................................................................................................................................................................................................................................................. 159.00 INF/416.02 - PEL MRT ME ................................................................................................................................................................................................................................................................. 163.00 ÍNDICE
  5. 5. 5.00 INF/416.03 - PEL MRT ME ............................................................................................................................................................................................................................................................... 166.00 INF/416.04 - PEL MRT ME ............................................................................................................................................................................................................................................................... 170.00 INF/416.05 - PEL MRT ME ............................................................................................................................................................................................................................................................... 173.00 INF/416.06 - PEL MRT ME ............................................................................................................................................................................................................................................................... 175.00 INF/417.01 - PEL ANTI-CARRO ..................................................................................................................................................................................................................................................... 179.00 INF/417.02 - PEL ANTI-CARRO ..................................................................................................................................................................................................................................................... 181.00 INF/420.01 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 186.00 INF/420.02 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 192.00 INF/420.03 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 197.00 INF/420.04 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 204.00 INF/420.05 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 211.00 INF/420.06 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 216.00 INF/420.07 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 220.00 INF/420.08 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 225.00 INF/420.09 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 228.00 INF/420.10 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 231.00 INF/420.11 - CIA FUZ SELVA .......................................................................................................................................................................................................................................................... 236.00 INF/420.12 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 242.00 INF/420.13 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 246.00 INF/420.14 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 255.00 INF/420.15 - CIA FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 263.00 III. C - PROGRAMA DE ADESTRAMENTO DO PEL FUZ SELVA ............................................................................................................................................................................................. 271.00 Exercícios de Campanha Específicos ........................................................................................................................................................................................................................................... 273.00 INF/421.01 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 274.00 INF/421.02 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 277.00 INF/421.03 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 281.00 INF/421.04 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 284.00 INF/421.05 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 287.00 INF/421.06 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 291.00 INF/421.07 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 295.00 INF/421.08 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 301.00 INF/421.09 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 305.00 INF/421.10 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 309.00 INF/421.11 - PEL FUZ SELVA ......................................................................................................................................................................................................................................................... 314.00 INF/421.12 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 318.00 INF/421.13 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 323.00 INF/421.14 - PEL FUZ SELVA......................................................................................................................................................................................................................................................... 326.00 VI. D - ADESTRAMENTO DO PEL APOIO .................................................................................................................................................................................................................................... 331.00 INF/422.01 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 333.00 INF/422.02 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 336.00 INF/422.03 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 340.00 INF/422.04 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 343.00 INF/422.05 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 346.00 INF/422.06 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 349.00 INF/422.07 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 351.00 INF/422.08 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 354.00 INF/422.09 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 357.00 INF/422.10 - PELAP ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 360.00 ÍNDICE
  6. 6. IMPORTANTE O PLANEJAMENTO EAEXECUÇÃO DOADESTRAMENTO BÁSICO E A EXECUÇÃO DO ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA, EXIGE A CONSULTAA DOIS DOCUMENTOS: - ESTE PROGRAMA-PADRÃO (PPA-INF/4 - BIS) COMO BASE; - O PPA-INF/1 (BI E BI MTZ), COMO COMPLEMENTO. AS PÁGINAS QUE SE SEGUEM CONTÉM UMA SÉRIE DE INFORMAÇÕES, CUJA LEITURA É CONSIDERADA INDISPENSÁVEL AOS USUÁRIOS DO PRESENTE PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO. I.I.I.I.I. INTRINTRINTRINTRINTRODUÇÃOODUÇÃOODUÇÃOODUÇÃOODUÇÃO
  7. 7. 7.00 I. INTRODUÇÃO 1. FINALIDADE Este programa-padrão tem por finalidade orientar o adestramento básico das frações, subunidades e unidades de Infantaria de Selva para capacitá-las ao empre- go em operações de combate. 2. CONCEITOS BÁSICOS a. OPERACIONALIDADE é a capacidade mínima de uma organização militar operacional atuar coletivamente, assegurando-lhe a possibilidade de evoluir para níveis superiores e ser transformada em eficaz instrumento de combate. b. EFICIÊNCIA OPERACIONAL é a capacidade de uma organização militar operacional cumprir, de maneira adequada, todas as missões de combate previstas na sua base doutrinária. c. PODER DE COMBATE é o resultado da eficiência operacional da organiza- ção militar, interagindo com a liderança do comandante, com o valor moral da tropa, com o ambiente operacional e com o inimigo. d. PREPARAÇÃO ORGÂNICAé o nível de adestramento que confere à organi- zação militar operacional condições satisfatórias para funcionar coletiva e integradamente. e. PREPARAÇÃO COMPLETAé o nível adequado de adestramento que confe- re á organização militar operacional condições de eficiência para cumprir todas as missões de combate fundamentais à sua natureza e escalão, configurando o de- sempenho coletivo indispensável para caracterizar a sua eficiência operacional f. PREPARAÇÃO ESPECÍFICA é o nível complementar de adestramento que confere à organização militar operacional condições de eficácia para cumprir mis- sões de combate em uma determinada campanha ou operação, definidos, especi- ficamente, o inimigo e o ambiente operacional. g. LIDERANÇAé a arte de influenciar, direta ou indiretamente, e a habilidade de criar condições para que a organização militar atinja o resultado desejado. h. AÇÃO DE COMANDO é o desempenho profissional de um comandante, integrando e sincronizando todos os sistemas operacionais de combate, objetivando o eficaz cumprimento da missão. i. CARÁTER COLETIVO é o conjunto de valores aceitos pela maioria dos inte- grantes de um agrupamento, capaz de conferir a este agrupamento, como um todo, reações coletivas semelhantes em termos de procedimentos e sentimentos. j. APRONTO OPERACIONAL é a condição de preparo em que uma organiza- ção militar está pronta para ser empregada em missão de combate, com todo o seu equipamento, armamento, viaturas, munições, suprimentos e demais fardos de material. l. SITUAÇÃO DE APRONTO OPERACIONAL é a que permite à organização militar, sem modificar suas atividades normais, permanecer em condições de pas- sar, no mais curto prazo, à situação de ordem de marcha, a fim de, rapidamente, cumprir missão de combate. m. CONTRATO DE OBJETIVOS é o compromisso entre a autoridade responsá- vel pelo planejamento do adestramento em determinado nível e seus comandantes executantes, resultante da conciliação das necessidades de adestramento e da disponibilidade de recursos de toda ordem, das facilidades existentes e das dificul- dades estruturas e conjunturais, para obtenção da certeza de consecução dos objetivos fixados para a atividade. n. JORNADADE SERVIÇO DE CAMPANHAé o período contínuo de 24 horas vivido por uma organização operacional executando todas as atividades da Força Terrestre em campanha.
  8. 8. 8.00
  9. 9. 9.00 3. PERÍODO DE ADESTRAMENTO a. Conceito do Período deAdestramento O período de adestramento corresponde ao espaço de tempo do ano de instrução destinado à condução do adestramento anual, visando ao cumprimento de missões de defesa externa e de garantia da lei e da ordem. Tanto o adestramento de mobilização como o de prorrogação do tempo de serviço inicial são conduzidos para atender a uma necessidade operacional especí- fica da F Ter. Para concretização de seus objetivos e atender às peculiaridades do esca- lão dos agrupamentos considerados, o período de adestramento é desenvolvido em duas fases: 2) adestramento por sistemas operacionais (S Op), no qual o foco do ades- tramento está voltado para a capacitação eficiente e eficaz dos S Op, e na integração e interação ótima destes. Para tal, procura-se adestrar, concomitantemente, os integrantes dos S Op articulados nos diferentes escalões. A figura a seguir mostra a concepção lógica dessa modalidade de adestramento; e b. Concepção doAdestramento O adestramento com vista a atingir os objetivos-síntese de cada fase deve ser executado dentro das seguintes modalidades: 1) adestramento por escalão, no qual procura-se capacitar, paulatinamente, as frações, subunidades, unidades, grandes unidades e grandes comandos operacionais; adnegeL -5pOS;aeréaitnAasefeD-4pOS;acitsígoL-3pOS;arbonaM-2pOS;elortnoCeodnamoC-1pOS: oãçetorpeedadilibomartnoc,edadiliboM-7pOSe;aicnêgiletnI-6pOS;ogoFedoiopA OTNEMARTSEDAEDODOÍREP OCISÁBOTNEMARTSEDAEDESAF ODAÇNAVAOTNEMARTSEDAEDESAF ESETNÍSSOVITEJBO sedadinuesedadinubus,seõçarfraticapaC etabmocedseõçarepomeogerpmeoa sodnamocesedadinusednargraticapaC edseõçarepomeogerpmeoaseroirepus etabmoc
  10. 10. 10.00 3) O impacto do adestramento na obtenção da eficiência operacional. superiores, aos pares e aos subordinados; 5) Desenvolver os suportes psicológicos coletivos e o moral individual bus- cando o fortalecimento da coesão da Força Terrestre; 6) Consolidar o Caráter Coletivo; e 7) Preservar e ampliar a experiência operacional da Força Terrestre, validan- do a doutrina de preparo e emprego. c. Fundamentos doAdestramento Básico O Adestramento Básico será orientado pelos seguintes fundamentos metodológicos: 1) imitação do combate e participação da tropa, como condições imprescin- díveis para capacitar os agrupamentos de níveis unidade, subunidade e fração a atuarem como instrumentos de combate; 2) missões de combate compatíveis com o escalão e a natureza do agrupa- mento considerado, selecionadas criteriosamente, tendo como base o ambiente operacional do possível emprego; 3) integração do adestramento, como forma de economia de tempo e de meios, bem como de ampliação da eficiência do treinamento dos diversos escalões e dos agrupamentos de naturezas diferentes; 4) reunião da experiência operacional, como meio de preservar a capacidade da Força Terrestre para desenvolver o combate; e 5) exercícios de desenvolvimento da ação de comando e da liderança, com a finalidade possibilitar a observação e a avaliação do comportamento dos militares participantes, em especial dos comandantes, e estimular valor moral da Tropa. d. Atividades de instrução do Adestramento Básico 1) Módulos Didáticos deAdestramento (MDA) O adestramento de cada agrupamento será desenvolvido em módulos di- dáticos de adestramento que correspondem a cada exercício de campanha progra- mado e que englobam as seguintes etapas: a) Instrução Preliminar (Instr Prel) (1)AInstr Prel, parte integrante do adestramento, visa a preparação dos comandantes, dos quadros e agrupamentos para a realização de determinado exer- cício de campanha, previsto no programa de execução de adestramento; (2) O desempenho coletivo e as tarefas críticas estabelecidas nos obje- tivos de adestramento constituem os padrões para os quais a instrução preliminar deve ser orientada; 4. ADESTRAMENTO BÁSICO a. Objetivos gerais (SIMEB) 1)AdestramentoAnual - Capacitar as frações, as subunidades e as unidades para a execução de missões de combate fundamentais à sua natureza e escalão. 2)Adestramento de mobilização e (ou) de prorrogação do tempo de serviço militar inicial - Conferir às frações, subunidades e unidades a preparação completa e específica que define os padrões coletivos necessários para atingirem os níveis adequados de eficiência operacional e de poder de combate, de acordo com as necessidades operacionais definidas, atuais ou futuras, da F Ter. b. Objetivos particulares 1) Promover a transformação dos diversos agrupamentos, que configuram a Força Terrestre, em organismos em condições de evoluir para se constituírem em efetivos instrumentos de combate; 2) Desenvolver a capacidade de liderança militar dos quadros; 3) Exercitar a ação de comando do efetivo profissional, em todos os níveis da estrutura militar; 4) Promover a integração social do grupo e o ajustamento dos indivíduos aos
  11. 11. 11.00 (3) Nesta etapa deverão ser desenvolvidas as seguintes atividades: - revisão doutrinária; - estudo de caso esquemático; - ambientação; - exercícios de prática coletiva fora de situação e demonstrações; e - tiro de combate avançado e escola de fogo de instrução. (4) Observa-se que a Instr Prel, em muitos casos, se confunde com a instrução de capacitação técnica e tática, porém, normalmente se diferencia dessa porque busca, de modo semelhante a uma preparação específica, o preparo da tropa para um determinado exercício com o inimigo e o ambiente operacional defi- nidos; e (5)Ainstrução preliminar deve ser executada imediatamente antes do exercício de campanha, de acordo com a orientação contida em cada objetivo de adestramento (OA). b) Exercícios de Campanha Destinam-se ao treinamento coletivo por intermédio da imitação do combate e com a participação da tropa, visando à consecução de um ou mais objetivos de adestramento, podendo ser, em alguns módulos, particularmente nos níveis unidade e superiores, substituídos por exercícios de simulação de combate e exercícios de quadros na carta ou no terreno. c) Análise Pós – Ação (APA) AAPAé parte integrante do adestramento e tem por objetivos: (1) introduzir nova sistemática de avaliação, permitindo que os próprios elementos avaliados participem ativamente do processo; (2) apontar, às forças avaliadas, procedimentos e técnicas operacionais que deverão ser retificados para o aperfeiçoamento de seus adestramentos; e (3) identificar as “lições aprendidas”, evitando a repetição dos erros. Deve sempre ser levado em consideração que a APA constitui-se em elo entre o adestramento e a avaliação. Ela deve ser conduzida por intermédio de um diálogo franco e produtivo entre os participantes da ação e não tem o objetivo de julgar sucessos ou fracassos. É um instrumento do qual se beneficiam todos os integrantes da fração, cujo objetivo principal é evitar a repetição dos erros e não o levantamento de responsabilidades pela sua ocorrência. A seqüência abaixo deve ser obedecida rigorosamente, pois se constitui em elemento fundamental para o sucesso do adestramento. 2)Apronto Operacional Os exercícios de apronto operacional deverão anteceder os exercícios de campanha, pois são excelentes instrumentos de treinamento e de verificação da ordenação, qualificação e preparação dos efetivos e materiais da Organização Mili- tar. 5. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO E DO PROGRAMA-PADRÃO a. Estrutura da instrução O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir da identificação das missões de combate fundamentais para o Batalhão de Infantaria de Selva, bem como para cada escalão e natureza de seus elementos orgânicos, O."rigirrocomoc"one"uecetnocaêuqrop"ones-artnecnoc,"uecetnocaeuqo"racifirevéAPAadedadilanifA evedeuqé,serodavresbosodoãçapicitrapamoc,etnatucexe)aport(otnemeleoeovitaretnietnematelpmocéossecorp evedsetnatucexesoerodacilpaodnamocoertneoãçaretniad,missA.saicnêicifedsairpórpsausrigirroceracifitnedi atsopmioãssimadotnemirpmucoarapadauqedasiamoãçulosarigrus
  12. 12. 12.00 definindo os respectivos Objetivos deAdestramento (OA). b. Objetivo de adestramento (OA) 1) Conceito É o objetivo que define o desempenho coletivo desejado e que está rela- cionado a uma missão de combate para o agrupamento operacional considerado. É constituído por três elementos: - missão de combate; - condições de execução; e - padrão mínimo. 2) Missão de combate As missões de combate consideradas fundamentais para o escalão e a natureza do agrupamento a ser adestrado, constituem a base a partir da qual foram definidos os OA. A missão de combate caracteriza a tarefa a ser realizada pelo agrupa- mento. 3) Condições de execução Orientam a execução das missões de combate para atingir o padrão mínimo desejado e descrevem os principais aspectos a serem considerados na preparação do exercício correspondente. Abordam os seguintes aspectos: - quadro tático; - desenvolvimento do exercício; - características da zona de ação; - incidentes e situações; - periodicidade; - integração do adestramento; e - diversos. a) Quadro tático Este item descreve o quadro em que o OA deverá ser desenvolvido, bem como as condições gerais de execução da missão considerada. Descreve, ainda, a situação do inimigo e como ele deverá ser caracte- rizado dentro da zona de ação da tropa a ser adestrada. Aborda, finalmente, a situação das forças amigas no quadro geral do exercício. b) Desenvolvimento do exercício Neste item, descreve-se como a operação deverá ter início e como terminará. São citadas, a seguir, em ordem cronológica, as ações mais importan- tes a serem executadas pelo escalão considerado, tendo em vista a consecução do OA. c) Características da zona de ação As condições ideais de terreno para a realização do OA são definidas neste item. No adestramento do BI Sl deve-se buscar o máximo de realidade; por- tanto, o terreno selecionado deverá possuir características que proporcionem ade- quada imitação do combate. d) Incidentes e situações Neste tópico são abordados incidentes e situações a serem acionados pela força oponente (FOROP) e (ou) direção do exercício. Ao final de cada Incidente é indicada a forma de imitação do combate mais conveniente. As situações criadas pela FOROP e (ou) direção do exercício darão origem ao desencadeamento oportuno de diversas ações pela tropa que está sendo adestrada. Por exemplo: - atribuir uma missão ao BIS; e - execução dos preparativos para o cumprimento da missão recebida. e) Periodicidade Este item indica a freqüência dos OA no Ciclo Plurianual de Adestra- mento. O importante é que, até o final do ciclo, todos os OA sejam cumpridos. f) Integração doAdestramento (1) Concepção A integração do adestramento é um arranjo conveniente de planeja- mento que tem por objetivo proporcionar o treinamento tático e técnico, o mais amplo possível, no mais curto prazo e com um número reduzido de exercícios de campanha. O exercício de campanha integrado é um exercício em que: - os agrupamentos são adestrados executando mais de uma mis- são de combate;
  13. 13. 13.00 - os agrupamentos são adestrados no quadro do adestramento do escalão superior; e - mais de um agrupamento é adestrado, valendo-se do mesmo qua- dro tático e complementando, reciprocamente, as ações que configuram as respec- tivas missões de combate. (2) Exercícios de campanha integrados A integração do adestramento poderá ser concretizada através de: - exercícios tipo ações opostas; - exercícios tipo ações sucessivas; - exercícios tipo ações simultâneas; e - exercícios por participação. (a) Exercício Tipo Ações Opostas Exercício de campanha em que agrupamentos de mesmo es- calão ou de escalões diferentes cumprem missões de combate taticamente anta- gônicas. Os agrupamentos participantes constituem forças oponentes recíprocas. (b) Exercício Tipo Ações Sucessivas Exercício de campanha onde o agrupamento em adestramento cumpre missões de combate encadeadas, por evolução normal da situação tática. (c) Exercício Tipo Ações Simultâneas Exercícios de Campanha onde o agrupamento de adestramen- to, elementos subordinados e de apoio cumprem missões de combate específicas, dentro do mesmo quadro tático. (d) Exercício por Participação A participação de elementos subordinados nos exercícios de campanha conduzidos pelo seu comando superior é, normalmente, uma forma de aplicação do respectivo adestramento. Entretanto, se o agrupamento não tiver sido previamente ades- trado para o tipo de operação a ser conduzida pelo comando superior, sua participa- ção constituirá uma forma de integração do adestramento. Neste caso, a Instrução Preliminar correspondente terá importância redobrada e deverá suprir a falta de um adestramento prévio. (3)Aplicação O desenvolvimento deste PP vale-se amplamente da concepção da integração do adestramento, indicado na introdução dos capítulos referentes aos diferentes agrupamentos. Esta indicação atende, adequadamente, à visualização do adestra- mento anual e ao seu desenvolvimento no ciclo plurianual. Entretanto, no planeja- mento do adestramento, seja Anual, seja de Mobilização ou de prorrogação de tempo de serviço inicial, poderão ser considerados, de acordo com a conveniência da instrução: - a ampliação da integração do adestramento, incluindo outros OA nos exercícios de campanha, além daqueles indicados neste PP; e - a simplificação da integração do adestramento, reduzindo o nú- mero de OA nos exercícios de campanha do escalão superior que estão indicados neste PP. 4) Padrão mínimo O padrão mínimo é definido por dois indicadores: - a SÍNTESE DO DESEMPENHO COLETIVO do agrupamento, demons- trado pela execução das ações que caracterizam o cumprimento da missão de combate; e - as TAREFAS ESPECÍFICAS, relacionadas com a missão de combate, que devem ser executadas, satisfatoriamente, pelos principais elementos do esca- lão considerado e seus agrupamentos subordinados. No adestramento do BI Sl, algumas destas tarefas são consideradas TAREFAS CRÍTICAS, pois encerram de- cisões do comandante ou dos integrantes do batalhão, caracterizam momentos críticos do combate, ou procedimentos que influem de modo marcante no cumpri- otnemartsedaodoãçailavaaarapesabaáriutitsnocAOadacarapodinifedominímoãrdapO
  14. 14. 14.00 mento da missão e (ou) de seu prosseguimento. Por este motivo, elas são destaca- das das demais. 5) Numeração dos OA
  15. 15. 15.00 Os OA são identificados pelas letras INF, seguidas de cinco algarismos conforme indicado a seguir: AOºN OTNUSSA CSE 10.004 ropsaihnapmocsausodnacolsedatserolfadsévartaoãçartlifniamurazilaeR .etroponeuqepededadilacolamuracataeralosiarapoãçartlifniedsaxiaf LSFNILTB 20.004 seõçisopesetrof-sotnopodnecelebatse,etabmocedaerÁamurednefeD ossecaedsaivsalepogiminiodossecaoridepmiarapseralucricsavisnefed oãçaaeasefedadsavisnefoseõçaedomixámoodnagerpme,setnetsixe .levíssopodecsiamoedsedogiminioratsagsedaraparodadrater LSFNILTB 30.004 amuedoãçazilaerasópaetroponeuqepedahniriebiredadilacolamuracatA .laivulfetabmocoarapahcram LSFNILTB 40.004 .avlesedaeráamunseralugerrisaçrofartnocseõçareporazilaeR LSFNILTB 50.004 .aicnêtsiseredetabmocedaeráamurecelebatsE LSFNILTB 10.014 edesabamuedritrapaSIBodacitsígoleodnamocedsedadivitasaraiopA sàoirássecenogofedoiopaoratserpe,ertserretuolaivulf,etabmoc .seõtolepsuesodnagerpme,seõçarepo EODMCEDAIC OIOPA 20.014 otnemicelebatseonSIBodacitsígoledeodnamocedsedadivitasaraiopA .aicnêtsiseredaeráamued EODMCEDAIC OIOPA 10.114 amunSIBododnamocedotsopodseõçarepoedortnecorarepoeralatsnI .etabmocedesab ODMCLEP 20.114 edaeráan,SIBodaicnêtsiseredodnamocedotsoporarepoeralatsnI .aicnêtsiseredetabmocedesabamun,etabmoc ODMCLEP 30.114 .euqataonSIBoarapaçnarugesrevorperavresbo,recehnoceR edamruT otnemicehnoceR 40.114 edotnemicelebatseonSIBoarapaçnarugesrevorperavresbo,recehnoceR .aicnêtsiseredaeráamu edamruT otnemicehnoceR 50.114 sovlaranimile,alpudmeuoetnemadalosiodnauta,setnargetnisuesmoC .ogiminion,lairetamelaossep,serodasnepmoc edamruT serodaçaC 60.114 aodnaçroferuoaicnêtsiseredodnamocedotsopodelortnocbosodnarepO sovlaranimile,alpudmeuoetnemadalosiodnauta,adanretniaihnapmoc .aicnêtsiseredetabmocon,rosavniod,lairetamelaossep,serodasnepmoc edamruT serodaçaC 70.114 .SIBodadamixorpaaeréaitnaasefedarevorP edopurG asefedotuA aeréaitna 80.114 odsoeréasovlaracata,adalosiamrofedoritedsedadinusaodnagerpmE .aicnêtsiseredetabmoconogimini edopurG asefedotuA aeréaitna 10.214 SIBodseõçacinumocsaretnamerarolpxe,ralatsni,savisnefoseõçarepomE oetnarudodnamoCedopurGoraiopaDCEodnacif,etabmocedesabamun .SIBodetnadnamocodotnematsafa MOCLEP 20.214 ,etabmocedesabamun,SIBodseõçacinumocsaretnamerarolpxe,ralatsnI .savisnefedseõçarepome MOCLEP 30.214 edetabmoconSIBodseõçacinumocsaretnamerarolpxe,ralatsnI .sadalumissidesasoligisseõçacinumocsanesafnêmoc,aicnêtsiser MOCLEP 10.314 sotnemirpusmeocitsígoloiopaorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA .savisnefoseõçareposàsoirássecen PUSLEP AOºN OTNUSSA CSE 20.314 sotnemirpusmeocitsígoloiopaorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA .savisnefedseõçareposàsoirássecen PUSLEP 30.314 edotsopoaocitsígoloiopaorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA edopmacoaeavreserà,adanretniaihnapmocà,aicnêtsiseredodnamoc sodetropsnartedsodalumissidesiaicepsesossecorpodnagerpme,osuoper .sotnemirpus PUSLEP 10.414 edeoãçnetunamedsoiopasorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA .savisnefoseõçareposàsoirássecenetropsnart pnrTetnMLEP 20.414 edeoãçnetunamedsoiopasorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA .savisnefedseõçareposàsoirássecenetropsnart pnrTetnMLEP 30.414 edeoãçnetunamedsoiopasorevorp,SIBodetabmocedesabadritrapA oaeavreseraihnapmocà,aicnêtsiseredaeráàsoirássecenetropsnart .osuoperedopmac pnrTetnMLEP 10.514 .savisnefoseõçareposàoirássecenedúasedoiopaorevorP UASLEP 20.514 .savisnefedseõçareposàoirássecenedúasedoiopaorevorP UASLEP 30.514 edetabmoconsadahnepmesaportsàoirássecenedúasedoiopaorevorP aihnapmocàlairetamedelaossepedoçroferonesafnêmoc,aicnêtsiser .aicnêtsiseredlatipsohmuedoãçalatsniàeadanretni UASLEP 10.614 .odanedrooceuqatamumeSIBo,ogofolep,raiopA EMTRMLEP 20.614 auoedadilacolaeuqatamumesaiCsaoçroferme,SIBo,ogofolep,raiopA .adazinagroetnemairamusoãçisopamu EMTRMLEP 30.614 etnemairamusoãçisopamuedasefedme,SIBo,ogofolep,raiopA .adazinagro EMTRMLEP 40.614 .)atserolf(avlesadsévarta,bmCoarapahcraman,SlBo,ogofolep,raiopA EMTRMLEP 50.614 .ahniriebiRoãçarepOamume,SIBo,ogofolep,raiopA EMTRMLEP 60.614 .odanedrooceuqatamumesaiCsàoçroferme,SIBo,ogofolep,raiopA EMTRMLEP 10.714 meodnauq(sedadinubussaussadamueduoSIBo,ogofolep,raiopA .adazinagroetnemairamusoãçisopauoedadilacolaeuqatamume,)oçrofer ORRAC-ITNALEP 20.714 meodnauq(sedadinubussausedamueduoSIBo,ogofolep,raiopA .asefedan)oçrofer ORRAC-ITNALEP 10.814 sauseduooãhlatabodlorpmeaicnêgiletniedsohlabartrazilaeR .OLGedseõçasanuoseralugerrisaçrofartnocseõçareposansedadinubus AÇROF ARAIPURAM 20.814 edoiemrop,oãhlatabodetabmocedaeráadoãçaraperpamocrarepooC arapsiacolsetnatibahedotnematurcereoãçacifitnedi,sotnemicehnocer esiacolsosruceredoãçagolatac,oãçatnetsuSedaçroFaropmoc .sievísnessotnopedoãçacifitnedi AÇROF ARAIPURAM 30.814 ,aicnêgiletniedsohlabartedoiemropaicnêtsiseradetabmocoraiopA sàoiopa,laregmeoãçalupopadeoãçatnetsuSedaçroFadelortnoc seõçaratucexe,etnemlanoicpecxe;seõçacinumoceotnemirpusedsedadivita .seõçareposadesseretniedsacitát AÇROF ARAIPURAM
  16. 16. 16.00 AOºN OTNUSSA CSE 10.024 ,SIBmuedadraugnavadetabmocedoãlacseomocetabmocoaraprahcraM .avlesedonerretmeadartseamurop LSZUFAIC 20.024 acitátoãçartlifniamuodnazilaer,atserolfadsévarta,etabmocoarapahcraM .latipacetnedicamuratsiuqnocedovitejboomoc,seõtoleprop LSZUFAIC 30.024 etnemairamus,ralucric,ogiminiodavisnefedoãçisopamu,aided,racatA .adazinagro LSZUFAIC 40.024 .ogiminietrofotnopmu,etioneduoaided,racatA LSZUFAIC 50.024 seõçisopesetrofsotnopodnecelebatse,etabmocedaeráamurednefeD ossecaedsaivsalepogiminiodossecaoridepmiarap,seralucricsavisnefed oãçaaeasefedadsacimânidseõçaedomixámoodnagerpme,setnetsixe .levíssopodecsiamoedsedogiminioratsagsedaraparodadrater LSZUFAIC 60.024 edaeráme,oiruoadartseamumeadaiopa,arodadrateroãçaamurizudnoC .avles LSZUFAIC 70.024 seõtolepsomoc,acitátoãçartlifniamurazilaersópa,avlesadritrapA adacipítedadilacolamuracata,setnerefidoãçartlifniedsaxiafodnazilitu .ainôzamA LSZUFAIC 80.024 .ainôzamAadacipítedadilacolamurednefeD LSZUFAIC 90.024 adetabmocedoãlacseomoclaivulfetabmocoarapahcramamurazilaeR .SIBmuedadrauqnav LSZUFAIC 01.024 euqrabmesedmurazilaer,laivulfetabmocoarapahcramadonimrétoA uoodautislatipacetnedicamuratsiuqnocarap,onrutonuoonruidohniriebir .oirodsnegramsanoãn LSZUFAIC 11.024 .avlesedaerámeseralugerrisaçrofartnocoãçarepoamurazilaeR LSZUFAIC 21.024 araplapicnirpaçrofomocetabmocedaeráamuedoãçaraperpadrapicitraP .aicnêtsiseredetabmoco LSZUFAIC 31.024 edordauqmumeetabmocedaeráamuedlapicnirpaçrofomocrarepO .aicnêtsiseredetabmoc LSZUFAIC 41.024 moc,avlesedaerámejbOmuratsiuqnocaraplevómoreaotlassamurazilaeR .sedadimixorpsaussanuojbOoneuqrabmesed LSZUFAIC 51.024 amuartnocoãsrucniamurazilaer,avlesadsévartaacitátoãçartlifniamusópA rarutpaceriurtsedededadilanifamoc,ogiminiodetnatropmioãçalatsni .sorienoisirprezafelaossepranimileuosotnemapiuqe LSZUFAIC 10.124 adotnemicehnoceredoãlacseomocetabmocoarapahcramamurazilaeR .avlesedonerretme,adartseamume,adraugnav LSZUFLEP 20.124 edotnemicehnoceredoãlacseomocetabmocoarapahcramamurazilaeR omur(adanimretedoãçeridamuodniuges,avlesadsévarta,lSozFaiCamu .adacipuoahlirtamuedorielavacauo)etumizauo LSZUFLEP 30.124 aonruideuqatamerazilaer,atserolfadsévartaacitátoãçartlifniamuzlRsópA .adazinagroetnemairamus,inIsoPamu LSZUFLEP * A localidade típica da Amazônia tem as seguintes características: a casario disperso, com amplos e arborizados quintais, casa de madeira ou pau-a-pique, cobertura de palha ou folha de zinco, normalmente ribeirinha. AOºN OTNUSSA CSE 40.124 sopurgsoneuqepme,atserolfadsévarta,acitátoãçartlifniamurazilaeR atsip,etnop,arieralc(ocitírcotnopmutnMeratsiuqnocarap,)CGropomixám( .)cteedadinumoc,ogaledacob,oruodarocna,osuoped LSZUFLEP 50.124 aridepmiarapadazinagroetnemairamusralucricsoPamumerednefeD .)oir(laivulfuo)adartse(ertserretaivamuedinIolepoãçazilitu LSZUFLEP 60.124 ropCGsoodnagerpme,atserolfadsévartaacitátoãçartlifniamurazilaeR .ainôzamAadacipítedadilacolamuracataesetnerefidoãçartlifniedsaxiaf * LSZUFLEP 70.124 jbOonodnacrabmesed,ocitírCotnoPmutnMeqnoCarapvmAssAmuzlR .sedadimixorpsaussanuo LSZUFLEP 80.124 .SIBmuedadrauqnavadceRcsEomoclaivulfbmCoarapahcramamuzlR LSZUFLEP 90.124 otnoPmuretnameratsiuqnocarapohniriebireuqrabmesedmurazilaeR .augá'dosrucodsnegramsà,ocitírC LSZUFLEP 01.124 .avlesedaerámeseralugerrisaçrofartnocoãçarepoamuedrapicitraP LSZUFLEP 11.124 araplapicnirpaçrofomocetabmocedaeráamuedoãçaraperpadrapicitraP .aicnêtsiseredetabmoco LSZUFLEP 21.124 edordauqmumeetabmocedaeráamuedlapicnirPaçroFomocrarepO .aicnêtsiseredetabmoc LSZUFLEP 31.124 àadazilacoloãçalatsniamuriurtsedesagiminisahnilsadsévartaes-rartlifnI .avlesedetneibmame,adraugateraus LSZUFLEP 41.124 oauoavlesedonerretmeadartseadorielavaca,adacsobmeamuratucexE uootnemapiuqerarutpaceriurtsedededadilanifamoc,oirmuedognol .sorienoisirprezafelaossepranimile LSZUFLEP 10.224 .etabmocoarapahcramanlSozFaiCa,seõçarfsausedogofolep,raiopA PALEP 20.224 sagiminiseõçisopartnoceuqataonaiCaseõçarfsausedogofolepraiopA .etrofotnopmuartnocuosadazinagroetnemairamus PALEP 30.224 edadilacolamuaeuqataonaiCa,lSozFlePsoaoçroferetnaidem,raiopA adsévartaacitátoãçartlifniamuedoãçazilaerasópa,ainôzamAadacipít .avles PALEP 40.224 oarapahcramamuedoãçazilaeranaiCaseõçarfsausedogofolepraiopA .laivulfetabmoc PALEP 50.224 sasuedogofolep,raiopa,laivulfetabmocoarapahcramadonimrétoA uoonruid,ohniriebireuqrabmesedmuedoãçazilaeranaihnapmoca,seõçarf odsnegramsanoãnuoodautis,latipacetnedicamuratsiuqnocaraponruton .oir PALEP 60.224 amuedoãçazilaeranaihnapmoca,seõçarfsausedogofolep,raiopA .avlesedsaerámeseralugerrisaçrofartnocoãçarepo PALEP 70.224 a,lSozFlePsoasoçroferetnaidem,seõçarfsausedogofolep,raiopA .aicnêtsiseredetabmoconaihnapmoc PALEP 80.224 a,lSozFlePsoaoçroferetnaidem,seõçarfsausedogofolep,raiopA amuedoãçucexeasópa,oãsrucniamuedoãçazilaeranaihnapmoc .avlesadsévarta,acitátoãçartlifni PALEP 90.224 aerámejbOmuedtnMeqnoCanaiCa,seõçarfsausedogofolep,raiopA .levómoreapOamuedzlRaetnaidem,avlesed PALEP 01.224 meadacsobmeamuedzlRanaiCa,seõçarfsausedogofolep,raiopA .avlesedonerret PALEP
  17. 17. 17.00 6) Relação dos OA a serem cumpridos pelo BIS e seus elementos orgânicos 7) Esboços O estudo do OA é grandemente facilitado se a leitura de suas folhas for acompanhada por meio de um esboço correspondente. c. Instrução preliminar A Instrução Preliminar, para facilidade de consulta, está localizada no PP, ao lado da OA correspondente. d. Composição do Programa-Padrão Este PP é composto de três capítulos: I – INTRODUÇÃO - Orienta a execução do adestramento e do seu planejamento. II – ADESTRAMENTO DO BIS - Orienta a programação dos exercícios de campanha a serem executa- dos e os respectivos Objetivos de Adestramento. - Estabelece os objetivos de adestramento (OA) correspondentes às mis- sões de combate fundamentais à unidade como um todo, subunidade e frações. - Estabelece a instrução preliminar necessária a cada objetivo de ades- tramento. III – INSTRUÇÃO COMPLEMENTAR - Orienta o desenvolvimento dos atributos da área afetiva. - Programa a instrução complementar a ser desenvolvida na Fase do Adestramento Básico. 6. PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DO ADESTRAMENTO BÁSICO a. Planejamento de Nível Grande Unidade O planejamento do adestramento básico das OM operacionais é responsa- bilidade do G Cmdo ou GU enquadrante, que o definirá para as unidades diretamen- te subordinadas sob a forma de um PROGRAMADEADESTRAMENTO BÁSICO- PAB – e um PLANO DE AVALIAÇÃO – P Av. O PAB é uma decisão; entretanto, deverá resultar de um trabalho coordena- do entre a GU (ou G Cmdo) enquadrante e a direção de instrução da unidade operacional, no qual são levados em conta: - as necessidades de adestramento da GU e da unidade; - os recursos disponíveis; - as restrições; e - as limitações; A conciliação destes fatores caracteriza um controle de objetivos, em que, de um lado, o comando superior determina tarefas adequadas às necessidades de adestramento, tanto da GU como da unidade, que devem ser exeqüíveis em termos de recursos disponíveis e de possibilidades físicas da Unidade considerada; de outro lado, o comandante da unidade operacional compromete-se no planejamento do seu Comando Superior e assume a responsabilidade de executar integralmente o adestramento de sua organização, ciente dos fins visados e dos fatores que o condicionam. 1) Necessidades de adestramento da OM As necessidades de adestramento da OM são expressas por objetivos de adestramento a cumprir e que serão selecionados no contrato de objetivos, em função dos seguintes fatores: a) orientação geral para o PAB, estabelecida pelo G Cmdo ou GU e pres- crições contidas neste PP; b) necessidades de adestramento da GU enquadrante; c) consecução do adestramento básico completo, que decorrerá do cum- primento do ciclo plurianual de adestramento e da articulação do planejamento do adestramento anual com os PAB anteriores: - identificação dos OA que completarão o ciclo plurianual em que se inserir; e - periodicidade dos OA. d) necessidade de adestramento das subunidades; e e) necessidade de adestramento das demais OM da GU. 2) Recursos disponíveis e restrições No estabelecimento do contrato de objetivos, deverão ser considerados: a) os recursos e o tempo disponíveis para o adestramento; e b) o disponibilidade de áreas de instrução e suas distâncias dos aquarte- lamentos. 3) Elaboração do PAB A partir do contrato de objetivos estabelecido com o comandante da uni- dade operacional, o Cmt GU consubstancia sua decisão no Programa deAdestra- mento Básico (PAB). O PAB deve ser um documento sintético, contendo apenas os
  18. 18. 18.00 principais aspectos que orientarão o adestramento anual: - um quadro de adestramento, programado para todos os níveis da OM considerada com os respectivos OA e calendário de execução; e - condições de execução, indicando eventual integração com o adestra- mento de outras OM da GU, regiões de exercício, apoio a ser proporcionado pela GU, recursos e meios alocados etc. a) Exercícios de campanha O PAB programará os exercícios relativos ao Btl Sl, às Cia Fuz Sl aos Pel Fuz Sl. O adestramento dos elementos de comando e de apoio será conduzido por integração nos exercícios previstos para os respectivos comandos superiores. Para permitir a preparação orgânica desejada, o adestramento anual deverá constituir-se de um número mínimo de exercícios de campanha em cada escalão da unidade. b) Seleção dos objetivos de adestramento Conforme orientação deste PP, um ou mais OA serão cumpridos em cada exercício programado que, com a respectiva instrução preliminar, integram o Módulo de DidáticoAdestramento (MDA). Os OA serão selecionados levando em conta, prioritariamente, as ne- cessidades de adestramento da OM e de seus elementos orgânicos de emprego, em razão da condição de ser promovido um adestramento que se completa em cada ano e, conseqüentemente, que proporcione a consolidação de sua experiên- cia no quadro completo das missões de combate, dentro do ciclo plurianual de adestramento. Não é impositivo de que os mesmos OA sejam selecionados para to- das as OM da GU. c) Calendário O calendário será estabelecido de modo a conciliar todas as conveni- ências de execução dos exercícios de campanha previstos para as unidades da GU, as possibilidades de acompanhamento dos mesmos e a duração adequada de cada MDA. d) Integração com tropas de outras OM Em muitos casos, é conveniente e indispensável que a GU planeje a integração do adestramento de mais de uma OM, prevendo exercícios dos tipos ações simultâneas ou ações opostas. A natureza de determinadas operações im- põe a necessidade de integração do adestramento. É importante levar em conta que o exercício de campanha integrado não constitui propriamente um exercício de combinação de armas, mas a execu- ção do adestramento específico de cada agrupamento, dentro do mesmo quadro tático. Cada OM complementa, reciprocamente, as ações que configuram as res- pectivas missões de combate. Além da integração do adestramento, o PAB deverá prever a participa- ção de elementos de uma OM nos exercícios de outra, para permitir a realização das condições de execução indispensáveis como por exemplo, a presença dos O Lig e OA de Artilharia no planejamento de fogos e do Oficial de Engenharia no planejamento de OT e outros correlatos. e) Região de exercício A escolha da região de exercício fica muito condicionada à disponibili- dade de áreas adequadas. Normalmente ficará a cargo do comandante da OM operacional. Porém, a GU deverá assumir essa responsabilidade quando conveni- ente, quer para superar dificuldades locais, quer para programar a distribuição de áreas específicas que estiverem disponíveis. f) Apoio da GU à execução do PAB A GU deverá apoiar a execução do PAB, particularmente em três áre- as: - montagem dos exercícios de campanha – este encargo, em princípio, compete ao Cmt OM Op, porque contribui para o desenvolvimento da iniciativa dos quadros, já que se insere na sua preparação e no processo de reunião da experiên- cia profissional. Entretanto, em alguns casos, seja para aliviar a OM de um encar- go, seja para melhor desenvolver um quadro tático mais adequado nos exercícios de campanha integrados, a GU poderá trazer a si a responsabilidade de montagem dos exercícios de campanha a serem realizados; - constituição da Força Oponente – no nível OM, haverá sempre dificul- dades para constituir a Força Oponente, já que isto representa ter que empregar meios próprios, com prejuízo de sua organização. AGU deverá considerar a possi- bilidade de determinar que elementos de outra OM sejam postos à disposição para tal fim; e - constituição da Direção do Exercício – deverá ser constituída de modo simples e poderá ser considerada sobre a estrutura de comando da própria OM a ser adestrada. É preferível, porém, que a GU estabeleça a Direção do Exercício, empregando elementos seus e de outras OM, aliviando a unidade deste encargo.A Direção do Exercício, além do seu papel na condução do exercício, terá o encargo de participar da avaliação do adestramento. g) Recursos e meios alocados
  19. 19. 19.00 O PAB deverá referir-se aos recursos e meios destinados à execução do adestramento em todos os níveis da OM considerada, indicando os que lhe são alocados (recursos financeiros, combustíveis operacionais, munições, transporte, etc). Deverão ser considerados os recursos já disponíveis na própria unidade. A indicação antecipada dos recursos com quais a OM pode contar é um dado indispensável para o planejamento dos exercícios. b. Planejamento de nível unidade O planejamento do adestramento de nível unidade é orientado no sentido de identificar os principais aspectos a serem apresentados à consideração do coman- dante da GU quando da formulação do contrato de objetivos, do qual resultará o PAB da OM: - necessidades de adestramento da unidade de elementos subordinados; e - recursos disponíveis próprios, facilidades, dificuldades, restrições e limita- ções estruturais e conjunturais. 1) Objetivos de adestramento Os OA serão selecionados levando em conta, prioritariamente, as neces- sidades de adestramento das Cia Fuz Sl e Pel Fuz Sl em razão das condições de ser promovido um adestramento que se completa em cada ano e, conseqüentemen- te, que proporcione a consolidação de sua experiência no quadro completo das missões de combate dentro do ciclo plurianual de adestramento. a) As necessidades de adestramento de cada elemento e a utilização racional dos recursos disponíveis indicam a conveniência de uma diversificação na natureza das missões de combate a serem cumpridas. b) Selecionados os OA a serem cumpridos pelas Cia Fuz Sl e Pel Fuz Sl, deverá ser programada a respectiva instrução preliminar, conforme orientado neste PP. c) Também como orientado por este PP, o adestramento da CCAp será integrado ao adestramento programado para a unidade, ainda que elementos da- quela subunidade possam participar dos exercícios de campanha das Cia Fuz. 2) Calendário Considerando a época adequada para a execução dos módulos didáticos correspondentes ao adestramento da unidade, essa estabelecerá o calendário para a execução dos módulos didáticos correspondentes ao adestramento dos Pel Fuz (subfase de fração) e das Cia Fuz (subfase de subunidade). As subfases de adestramento correspondem a uma divisão conveniente da Fase deAdestramento Básico. Cada subfase terá sua duração estabelecida em função do tempo necessário à execução dos módulos didáticos programados. 3) Integração do adestramento Os exercícios de campanha dos Pel Fuz Sl deverão ser específicos, abran- gendo o cumprimento de um único OA. Porém, poderá ser prevista a participação de elementos de apoio da Cia Fuz Sl sob a forma de reforço ou apoio direto. Poderão ser programados, também, exercícios tipos ações opostas. Nos exercícios de campanha das Cia Fuz Sl, normalmente, mais de um OA deverá ser cumprido (exercícios tipo ações sucessivas) e integrarão o adestra- mento das respectivas Seç Cmdo e Pel Ap. Alguns OA dos Pel Fuz Sl serão cumpridos no quadro de exercício da subunidade (exercícios tipo ações simultâneas), como indicado neste PP. Deverá, ainda, ser prevista a participação de elementos da CCAp sob forma de reforço ou de apoio direto. 4) Regiões de exercícios Os exercícios de campanha até o nível subunidade e que não impliquem o uso de embarcações, deverão ser realizados o mais próximo possível da sede da OM, a fim de não elevar o consumo de combustíveis. 5) Apoio da OM Em princípio, a montagem dos exercícios de campanha programados com- pete à Direção de Instrução da OM. Entretanto, tal encargo poderá ser atribuído ao comandante da subunidade, como forma de desenvolvimento da iniciativa dos qua- dros, de preparação e de reunião de experiência profissional. A Força Oponente deverá ser constituída por elementos não pertencentes ao agrupamento de adestramento, a fim de não lhe afetar a organização. Para tal, a Direção de Instrução da OM designará o comandante subordinado encarregado de compô-la e dirigí-la no quadro do exercício de campanha. A direção do exercício deverá ter constituição simples e será organizada pela Direção de Instrução da OM, empregando elementos envolvidos no exercício de campanha. 6) Recursos e meios Na programação do adestramento deverá ser indicado o emprego dos re- cursos e dos meios próprios da OM e aqueles alocados pela GU para a execução dos exercícios de campanha. Especial atenção deverá ser dada à previsão de com- bustíveis, munições e transportes. c. Execução do PAB
  20. 20. 20.00 O PAB resulta de um contrato de objetivos do qual foram conciliados recur- sos e meios disponíveis com as necessidades de adestramento. Constitui-se, as- sim, em um programa concebido em termos objetivos e exeqüíveis. Cabe aos comandantes de GU proporcionar o apoio previsto, a orientação necessária e o acompanhamento da execução. Cabe aos comandantes das unida- des operacionais planejar a sua execução e cumprí-lo integralmente. 1) Execução dos Módulos Didáticos a)AInstrução Preliminar deverá estabelecer: - a duração, em termos de horas de instrução diurna e noturna, ou em termos de jornadas; e - as atividades de instrução a serem desenvolvidas pelos quadros e agrupamentos com base na orientação contida em PP. b) Os exercícios de campanha serão conduzidos segundo o tema tático concebido para atingir os OA estabelecidos. Sua duração deverá permitir o cumpri- mento das missões de combate nas condições estabelecida nos OA. Por conceito, o exercício de campanha é a expressão da imitação do combate e da participação da tropa, e deverá revestir-se: - do maior realismo possível: - da adequada caracterização do inimigo; - do acionamento das ações através de ordens e informações, evitando documentos escolares; - da exploração intensa dos sistemas de comunicações; - da execução de todas as atividades de apoio logístico dentro de situ- ação; - da planejamento e exploração do apoio de fogo, empregando todo o esforço para que os exercícios sejam realizados com a execução do tiro real; - da execução de todos os trabalhos de comando em todos os esca- lões; e - da participação de outra força singular, não só nos exercícios de maior envergadura, mas, particularmente, nas pequenas operações especializadas. 2) Jornadas de serviço de campanha A seqüência de exercícios previstos a partir do escalão fração até a exe- cução dos exercícios de nível unidade, passando pelos de nível subunidade (no mínimo, 1 a 2 exercícios por Pel Fuz, 1 exercício por Cia e 1 por batalhão), deve corresponder à realização média de 15 a 20 jornadas de serviço em campanha. Por analogia, para fins de adestramento, deve ser considerado serviço em campanha a realização de exercícios táticos no terreno e com tropa. O Serviço em campanha, portanto, somente ocorrerá quando, no Período deAdestramento, ele- mentos de qualquer escalão estiverem no terreno, dentro de uma situação tática, executando uma das missões para as quais foi organizado. 3) Ações comuns às operações básicas As ações comuns às operações básicas, como descritas no Manual de Campanha C 100-5, não estabelecidas como OA neste PP, devem ser praticadas no quadro dos exercícios de campanha programados, conforme indicação contida nas “Condições de Execução” dos respectivos objetivos de adestramento (OA). 4) Exercícios da ação de comando e da liderança militar Estes aspectos fundamentais do adestramento deverão ser levados seri- amente em consideração pelos comandantes de todos os níveis. Os exercícios de campanha deverão ser montados e executados de modo a proporcionar: - a criação, o desenvolvimento e a manutenção do espírito ofensivo no combatente como um traço de caráter coletivo, mesmo nos exercícios defensivos. Os movimentos retrógrados, particularmente, deverão estar sempre no quadro da busca de uma situação vantajosa visando a destruição do inimigo; - a familiarização da tropa com esforços prolongados, desenvolvendo-lhe energia para agir com rapidez e eficiência, independentemente de condições climá- ticas e meteorológicas adversas; - o permanente contato dos comandantes com a tropa, principalmente no escalão fração, fazendo-os viver os mesmos esforços físicos e desconfortos que ocorrem em campanha, buscando desenvolver neles (comandante e tropa) a rusti- cidade e espírito de coesão; e - o conhecimento da situação em todas as fases da operação, identifi- cando o papel de cada participante e de cada agrupamento no cumprimento da missão comum. É importante relembrar que, no adestramento, os quadros não são instru- tores e monitores, mas participantes do treinamento coletivo, como integrantes que são da organização. 5) Instrução Complementar A Instrução Complementar será programada para ser executada durante a Fase de Adestramento Básico, sem interferir na realização dos módulos didáti- cos de adestramento. As marchas previstas para a fase poderão ser realizadas como ação preliminar dos exercícios de campanha, observadas as suas condições de execu-
  21. 21. 21.00 ção. Especial atenção deve ser dada ao treinamento físico em campanha con- b) Instrução Complementar A carga horária prevista para as diferentes matérias é uma estimativa para orientar a sua programação. O comandante poderá apropriá-la às característi- cas da OM e às suas necessidades de instrução. A disponibilidade de tempo para treinamento físico inclui o Trabalho Físico em Campanha como prescrito no C 20-20. d. Outras atividades 1) O tempo disponível para atuação na área afetiva destina-se à consolida- ção do trabalho desenvolvido durante a instrução individual, voltando-se para a con- secução dos objetivos estabelecidos para o adestramento. 2) O tempo à disposição do comando destina-se a atender às atividades administrativas peculiares à OM, inclusive os serviços de escala. 7. AVALIAÇÃO DO ADESTRAMENTO BÁSICO a. Responsabilidade e Objetivos O comandante, em qualquer escalão, tem dupla responsabilidade de avalia- ção de todos os exercícios de campanha, instrumentos do adestramento: - apreciar, por si mesmo, o desempenho coletivo de sua organização como um todo. É um ato de comando intransferível e que não se torna indispensável pelo fato de seu comandante superior avaliá-lo também; e - avaliar o desempenho coletivo dos elementos diretamente subordinados. A avaliação do adestramento tem por objetivos: - apreciar o nível de preparação orgânica atingido no adestramento anual, visando à concretização da operacionalidade da OM; - apreciar a amplitude da preparação alcançada no adestramento de mobilização ou de prorrogação do tempo de serviço inicial, visando ao desenvolvi- mento da eficiência operacional e à produção do poder de combate. - identificar as deficiências existentes, visando à orientação de medidas e providências para sua correção e de aprimoramento do próprio adestramento; e - orientar aAPA, a ser conduzida após cada exercício de campanha realiza- do. b. Planejamento Aavaliação deverá ser desenvolvida por intermédio de um Plano de Avalia- ção (P Av), elaborado como complemento do PAB. Este plano, cuja concepção deve ser muito simples, pelo fato de os OA oferecerem todas as indicações para a SEDADIVITA AROH SADANROJ AID TON OTNEMARTSEDA ahnapmaCmeoçivreS - - sadanroJ02a51 ranimilerPoãçurtsnI 521 *** - OÃÇURTSNI RATNEMELPMOC sahcraM 22 81 - lareGoãçurtsnI 02 - - adinUmedrO 02 - - ratiliMocisíFotnemanierT 54 - - SARTUO SEDADIVITA avitefAaerÁadsotubirtA 8 - - odnamoCodoãçisopsidÀ 08 - - forme prescrito no C 20-20. 6) Tempo disponível * * * do item a) (2) a)Adestramento (1) As jornadas de Serviço em Campanha destinam-se à realização dos exercícios de campanha. A duração de cada exercício de campanha, computada em jorna- das, será fixada no PAB, considerando: - a natureza e o número dos OA serem cumpridos; - a natureza e o escalão do(s) agrupamento(s) a ser(em) adestrado(s); e - número mínimo de jornadas de Serviço em Campanha -15 a 20-, a ser completado na fase de Adestramento Básico. O tempo não utilizado nos exercícios de campanha deverá reverter para a Instrução Preliminar. (2) O tempo disponível para a Instrução Preliminar deverá ser acresci- do do número de horas para conduzir a instrução noturna necessária à preparação dos agrupamentos para o exercício de campanha a que se referir.
  22. 22. 22.00 avaliação propriamente dita, deverá abordar: - o processo a ser empregado na avaliação; - os recursos necessários (pessoal, tempo, meios); - os agrupamentos a serem avaliados nos diferentes escalões; e - os critérios de avaliação. 1) Processos deAvaliação A avaliação do adestramento de determinados escalões envolve, normal- mente, a apreciação das ações conduzidas pela organização como um todo e de seus elementos diretamente subordinados, para permitir uma visão global da atua- ção integrada de seus órgãos e sistemas. a) Avaliação Sucessiva, quando, inicialmente, são avaliadas as frações de uma unidade na execução de tarefas como um todo. É uma avaliação de acom- panhamento durante toda a Fase de Adestramento Básico. Este processo exige menor número de avaliadores e poderá empregar, para avaliar as subunidades, ofi- ciais da própria unidade.Aavaliação da unidade compete ao escalão superior. b) Avaliação Simultânea, quando, em uma só oportunidade, durante a realização de um exercício de campanha, forem avaliados os agrupamentos de todos os níveis. Este processo exigirá um maior número de avaliadores e não pode- rá empregar pessoal da unidade avaliada. 2) Recursos humanos necessários O aspecto mais importante a ser considerado é a determinação do pes- soal necessário à avaliação. Poderão ser empregados: - oficiais do comando avaliador; e - observadores, controladores e avaliadores (OCA) já previstos para exer- cícios da OM avaliada, apreciando o desempenho de seus elementos subordina- dos. 3)Agrupamentos a serem avaliados Deverão ser avaliados o agrupamento como um todo e seus elementos diretamente subordinados. 4) Critérios de avaliação Os critérios de avaliação devem ser estabelecidos com base nos padrões mínimos de desempenho dos OA constantes deste PP. As Tarefas Específicas relacionadas em cada OApodem constituir o pró- prio critério de avaliação. Entretanto, convém que seja dado um tratamento mais detalhado ao mesmo, o que, junto à experiência profissional dos avaliadores, torna- rá a avaliação mais objetiva. Uma Lista de Verificação, desdobrando cada Tarefa Específica, orientará melhor a avaliação. É preciso, porém, que este desdobramento conduza a uma avaliação pró- pria de cada tarefa e que a apreciação do conjunto das tarefas permita uma avalia- ção final, considerando todo o desempenho coletivo do agrupamento. Cada OA des- creve este desempenho coletivo, indicando as ações que, executadas adequada- mente, caracterizam o cumprimento da missão de combate. A avaliação final deverá ser conclusiva a expressar em termos “SUFICIEN- TE” ou “INSUFICIENTE”. ALista de Verificação, aprimorada a cada aplicação, poderá servir de nor- ma de comando para a operação a que se referir, representando uma forma de consolidação da experiência operacional da OM. As “Tarefas Críticas”, por traduzirem decisões ou momentos críticos do combate, devem ser mais valorizadas que as demais tarefas específicas, no contex- to de cada OA. 8. SISTEMA DE VALIDAÇÃO a. Finalidade e Objetivos O SIVALI-PPAtem por finalidade coletar e interpretar informações reunidas na aplicação desse PP, que permitam o contínuo aperfeiçoamento desse documen- to de instrução. Os objetivos do SIVALI-PPAsão: - a avaliação do PP, isto é, a determinação de seu nível de eficiência (funcio- nalidade); - a validação do PP, isto é, a determinação de seu nível de eficácia (aciona- dor de resultados adequados); e - a atualização e o aprimoramento do PP. b. Descrição sumária do sistema A validação deste PP será processada continuamente, obedecendo à se- guinte seqüência de ações: 1) coleta de dados: - consiste na reunião de informações fornecidas diretamente pelos usuári- os do programa-padrão. 2) identificação de problemas:
  23. 23. 23.00 - realizada pela análise das informações reunidas e processadas; 3) reformulação do programa-padrão: - decorrerá do estudo pelo Comandante de Operações Terrestres. c. Responsabilidade da OM Cada OM apreciará os objetivos de adestramento (OA) que tenha cumprido no seu adestramento anual, de acordo com as prescrições estabelecidas pelo SIVALI- PPA.
  24. 24. A matéria deste capítulo está agrupada em cinco seções, reunindo os Objetivos de Adestramento (OA) específicos dos agrupamentos orgânicos do BIS. II.A – ADESTRAMENTO DO BATALHÃO II.B – ADESTRAMENTO DA CCAP II.C – ADESTRAMENTO DA CIA FUZ II.D – ADESTRAMENTO DO PEL FUZ II.E – ADESTRAMENTO DO PEL AP Este capítulo reúne toda a orientação necessária à execução do adestramento do BIS: - Define os Objetivos de Adestramento correspondentes às Missões de Combate fundamentais à unidade, como um todo, às Subunidades e as Frações integrantes; - Estabelece a instrução Preliminar necessária a cada Objetivo de Adestramento; Orienta a programação dos Exercícios de Campanha a serem realizados e os respectivos Objetivos de Adestramento. II. ADESTRAMENTO DO BTL DE INFANTARIA DE SELVA
  25. 25. 25.00 • O quadro da página que se segue indica, por sua referência numérica, os OA correspondentes às Missões de Combate consideradas fundamentais para cada um dos escalões de emprego da unidade (Pel Fuz,CiaFuzeBatalhão),relacionando-seàsOperaçõesTáticascomoclassificadasnoManualdeCampanha C 100-5. • Os OA destacados em campo colorido correspondem aos que devem ser cumpridos em Exercícios de Campanha especialmente programados para cada escalão. • Os OA não destacados, em princípio, serão cumpridos por integração do adestramento nos Exercícios de Campanha programados para o escalão considerado (Exercícios Tipo Ações Sucessivas) ou nos Exercícios de Campanha programados para o escalão superior (Exercícios TipoAções Simultâneas). • Um ou mais OA serão cumpridos em cada Exercício de Campanha. •AsMissõesdeCombatenãoconsideradasfundamentaisserãocumpridasporparticipaçãonoadestramento do escalão superior. • OAdestramento dos elementos de Comando,Apoio ao Combate e deApoio Logístico será integrado sempre aoAdestramento do respectivo escalão. QUADRO DO ADESTRAMENTO BÁSICO DO BIS O QUADRO DEADESTRAMENTO BÁSICO da Unidade proporciona uma visualização global e integrada da preparação do agrupamento em todos os seus escalões de emprego, que através doAdestramento Anual, se completará no Ciclo Plurianual. Os OA a serem atingidos poderão ser definidos de acordo com as hipóteses de emprego da Bda Inf Sl. Os OA indicados por sua referência numérica correspondem às Missões de Combate Fundamentais, selecionadas dentre aquelas que correspondem à destinação operacional do agrupamento, de modo a constituírem um elenco reduzido, mas suficiente para proporcionar ao elemento adestrado: - Desempenho Coletivo satisfatório para executar operações típicas de sua natureza e escalão; - Aptidões para executar ou participar de outras operações próprias de seu escalão ou do comando superior.
  26. 26. 26.00 AVLESEDAIRATNAFNIEDOÃHLATABODOCISÁBOTNEMARTSEDAEDORDAUQ sacitáTseõçarepO sadatucexE odotnemartsedAedsovitejbO lSzuFleP adotnemartsedAedsovitejbO lSzuFaiC SIBodotnemartsedAedsovitejbO serodareG pmCcxEed socifícepsE sodirpmuC pmCcxEme sodargetnI anigáP edserodareG pmCcxE socifícepsE sodirpmuC pmCcxEme sodargetnI anigáP serodareG pmCcxEed socifícepsE sodirpmuC pmCcxEme sodargetnI anigáP savisnefO etabmoCoarapahcraM 10.124/FNI e 20.124/FNI 00.372 e 00.772 10.024/FNI e 20.024/FNI 00.581 e 00.191 açroFmeotnemicehnoceR euqatA 30.124/FNI 40.124/FNI e 60.124/FNI 00.182 00.482 00.192 30.024/FNI 40.024/FNI 00.691 e 00.302 10.004/FNI 00.92 savisnefeD aerÁedasefeD bmCAamuedasefeD 50.124/FNI 00.782 50.024/FNI 00.012 20.004/FNI 00.73 etroFotnoPedasefeD euqatAartnoC sotnemivoM sodargórteR otnemiarteR oãsserP/s otnemiarteR oãsserP/c arodadrateRoãçA 60.024/FNI 00.512 adariteR seõçarepO esiaicepsE seõçAsartuO savisnefO seõçarepO sahniriebiR etabmoCo/pM 80.124/FNI 00.103 70.024/FNI 00.912 ohniriebiRqbD 90.124/FNI 00.503 80.024/FNI 00.422 meseõçarepO edadilacoL euqatA 90.024/FNI 00.722 30.004/FNI 00.54 asefeD 01.024/FNI 00.032 onrutoNeuqatA sievómoreAseõçarepO 70.124/FNI 00.592 11.024/FNI 00.532 oãsrucnI 31.124/FNI 00.323 21.024/FNI 00.142 adacsobmE 41.124/FNI 00.623 aicnêtsiseR aicnêtsiseRedaeráadoãçaraperP 11.124/FNI 00.413 31.024/FNI 00.542 aicnêtsiseRedordauQmumerarepO 21.124/FNI 00.813 41.024/FNI 00.452 40.004/FNI 00.45 anretnIasefeD seralugerrIsaçroFartnoCseõçarepO 01.124/FNI 00.903 51.024/FNI 00.262 50.004/FNI 00.36
  27. 27. 27.00 AVLESEDAIRATNAFNIEDOÃHLATABODOTNEMARTSEDAEDAMARGORP OTNEMARTSEDAEDSOVITEJBO ETABMOCEDOÃSSIM SEDADILANIF EDADICIDOIREP ANIGÁPEDSERODAREG PMCCXE SOCIFÍCEPSE MEOTNEMIRPMUC PMCCXE SODARGETNI 10.004/FNI ,atserolfadsévarta,oãçartlifniamurazilaeR- edsaxiafropsaihnapmocsausodnacolsed ededadilacolamuracataeralosiarpoãçartlifni .etroponeuqep oirótafsitasovitelocohnepmesedorevomorP- adsévartaoãçartlifniamuratucexearap .edadilacolamuedatsiuqnocaarpatserolf on,odirpmucresárevedAOetsE- .oinêibonzevamu,ominím 00.92 20.004/FNI odnecelebatse,etabmocedaeráamurednefeD- arapseralucricsavisnefedseõçisopesetrof-sotnop ossecaedsaivsalepogiminiodossecaoridepmi seõçaedomixámoodnagerpme,setnetsixe oratsagsedaraparodadrateroãçaaesavisnefo .levíssopodecsiamoedsedogimini oirótafsitasovitelocohnepmesedorevomorP- oãçisopmeaeráedasefedaratucexearap .adazinagroetnemairamus amuedrapicitraparapoãditparevlovneseD- .arodadrateroãça 00.73 30.004/FNI ,etroponeuqepedahniriebiredadilacolamuracatA- etabmocoarapahcramamuedoãçazilaerasópa .laivulf oirótafsitasovitelocohnepmesedorevomorP- etabmoCarapahcraMamuratucexearap .edadilacolamuedatsiuqnocaaraplaivulF on,odirpmucresárevedAOetsE- .oinêibonzevamu,ominím 00.54 40.004/FNI .aicnêtsiseRedetabmocedaeráamurecelebatsE- oirótafsitasovitelocohnepmesedorevomorP- .aicnêtsiseRedetabmocoratucexearap odirpmucresárevedAOetsE- .etnemlauna 00.45 50.004/FNI amunseralugerrisaçrofartnocseõçareporazilaeR- .avlesedaerá oirótafsitasovitelocohnepmesedorevomorP- saçrofartnocseõçareporatucexearap .sasrevdA on,odirpmucresárevedAOetsE- .oinêibonzevamu,ominím 00.36
  28. 28. 28.00 EXERCÍCIOS DE CAMPANHA ESPECÍFICOS E INTEGRADOS AHNAPMACEDOICÍCREXE AO ODOÃÇARGETNI OTNEMARTSEDA pACaiC lSzuFaiC acitáToãçartlifnIaodagerpme,euqatAonSIBO .ovitejboodramixorpaesarap 10.004/FNI 10.014/FNI oãçapicitraP 10.214/FNI 10.314/FNI 10.514/FNI 10.614/FNI aerÁedasefeDanSIBO 20.004/FNI 10.014/FNI oãçapicitraP 60.024/FNI 20.214/FNI 20.314/FNI 20.514/FNI 20.614/FNI onelaivulfetabmoCoarapahcraManSIBO edadilacoLaeuqatA 30.004/FNI 10.014/FNI oãçapicitraP 90.024/FNI 01.024/FNI 21.024/FNI 10.214/FNI 10.314/FNI 10.514/FNI seralugerrisaçrofartnocseõçareposanSIBO 40.004/FNI 10.014/FNI oãçapicitraP aicnêtsiseRedetabmoConSIBO 50.004/FNI 20.014/FNI oãçapicitraP 31.024/FNI 41.024/FNI 30.214/FNI 30.314/FNI 30.514/FNI 21.124/FNI 31.124/FNI
  29. 29. 29.00 O B J E T I V O D E A D E S T R A M E N T O MISSÃO DE COMBATE CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO PADRÃO MÍNIMO INSTRUÇÃO PRELIMINAR SÍNTESE DO DESEMPENHO COLETIVO TAREFAS CRÍTICAS O BIS, como um todo, deverá executar adequadamente as ações que caracterizam o cumprimento da missão de combate. - infiltrar-se, através selva, mantendo a continuidade do movimento; - manter o sigilo da operação; - conquistar e manter a localidade; e - empregar eficientemente os sistemas operacionais, em todos os escalões e frações. BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA OA INF/400.01 REALIZAR UMA INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA FLORESTA DESLOCANDO SUAS COMPANHIAS POR FAIXAS DE INFILTRAÇÃO PARA ISOLAR E ATACAR UMA LOCALIDADE DE PEQUENO PORTE. 1. QUADRO TÁTICO a. A missão do BIS deverá estar, de preferên- cia, num quadro de operações convencionais em que as Cia Fuz Sl, após se reunirem em uma B Cmb ou mesmo Z Reu determinada pelo Cmt Btl, realizam uma infiltração, através selva, des- locando-se por faixas de infiltração diferentes até a área de reagrupamento do Btl. Desta, as SU seguirão para o(os) P Lib de uma linha de cerco. b. Os deslocamentos para a reunião das Cia, que vinham operando a partir das respectivas B Cmb, deverão ser feitos em sigilo e segurança, sem prejuízo para o prazo da reunião. c. O Ini será caracterizado por uma Cia Fuz organizada para a defesa da localidade. O dis- positivo inimigo inclui postos avançados, siste- mas de alarme no interior da selva e campos de minas em vias de acesso à localidade. d. O BIS poderá ser reforçado por Elm Intlg, Eng, As Civ, Com Elt e Com Soc. e. Informações incompletas sobre o Ini deter- minarão a intensificação de patrulhas de reco- nhecimento. 2.DESENVOLVIMENTODOEXERCÍCIO a. A Op terá início com a concentração do BIS na sua B Cmb ou em uma Z Reu marcada com a finalidade de se organizar para a infiltração até a área de reagrupamento do Btl e dessa até a linha de cerco e ações subseqüentes. b. Terminará após a conquista da localidade. c. Será executada a seguinte seqüência de ações antes do Atq: 1. CMT BIS a. Antes da Operação 1) Plj da infiltração: - Rec na carta e/ou fotografias Ae da R Op; - obtenção de Info sobre o Ini; - Rec o Terreno; - pontos de passagem nas linhas amigas; - faixas de infiltração existentes; - a Ragp; - estabelecer Mdd relativas aos Sist Op; - Ordem de Mvt; e - Aprestamento do pessoal e material. 2) Plj o investimento - Rec na carta e/ou fotografias Ae da R Op; - determinar o local da P Atq; - Idt o Obj; - ações a Rlz; - escolher o Itn a ser seguido pelas frações da Z Reu até o P Lib; e 1. PREPARAÇÃO DO CMTBIS E EM GERAL a. Revisão doutrinária 1) Recapitular - IP 72-1; - IP 72-20; e - IP 72-30. 2) Consultar DAMEPLAN/CMA. b. Estudo de caso esquemático Explorar os seguintes aspectos, relativos ao BIS no Atq: - interpretação da missão; - Elb de Dtz Plj nível Btl; - Est Ter, Acdt Cpt e VA; - Est Ini, Det Psb, vulnerabilidades e LA prováveis; - Mtg e análise de LA; - comparação de LA/Dcs; - elaboração do Cct Op; e - Est Sit e Dcs de conduta. 2. PREPARAÇÃO DO S1 a. Revisão doutrinária Recapitular a IP 101-5, 2ª Parte. b. Preparar a seguinte documentação: - folha de trabalho do S1; - diário de Unidade; - Rel Di de perdas em Aç; - Sum Di de pessoal; - Rel periódico de pessoal; - Rel de Ident de mortos; - etiqueta de PG; e - memento Est Sit Pes e As Cv. c. Ficar ECD elaborar - § 4 da O Op - O Log/BIS; e - plano de recreação OM.
  30. 30. INSTRUÇÃO PRELIMINAR O B J E T I V O D E A D E S T R A M E N T O MISSÃO DE COMBATE CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO PADRÃO MÍNIMO 30.00 - concentração das SU na B Cmb ou na Z Reu determinada pelo Cmt BIS; - infiltração através Sl; - reorganização do Btl na A Ragpt; - realização de patrulhas de reconhecimen- to para levantar; - informes sobre o inimigo e o terreno; - deslocamento das frações até seus res- pectivos P Lib; e - realizar o isolamento da localidade. d. Será executada a seguinte seqüência de ações durante o Atq: - transpor a LP na hora prevista e/ou Mdt sinal convencionado; e - investir sobre a localidade. e. Será executada a seguinte seqüência de ações após o ataque: - ficar ECD manter a Loc, prosseguir ou apoiar uma ultrapassagem; e - repelir CAtq e/ou perseguir Rmsc Ini, SFC. 3. CARACTERÍSTICAS DAZONADEAÇÃO Deverá apresentar terreno coberto por selva, admitindo-se áreas parcialmente desmatadas. O percurso de infiltração através Sl deverá ser de, no máximo,três jornadas, permitindo res- suprimento na área de reagrupamento. 4.INCIDENTESESITUAÇÕES a. A equipe de Observadores, Controladores e avaliadores (OCA) deverá: 1) verificar a transmissão de ordens; 2) indicar a evolução dos acontecimentos; 3) caracterizar mortos e feridos; 4) acompanhar o recompletamento de pes- - organizar para o combate o BIS. 3) Plj a Mnt do Obj: - verificar as principais VA para C Atq Ini; e - Plj o Dspo Def para a Mnt do Obj. b. Durante a Operação - liberar as SU para o início da Infiltração; - Rec o P Lib, a LP e o Obj; - ratificar ou retificar sua decisão; - coordenar o Mvt das SU até o P Lib, se for possível; - coordenar as SU durante o investimento; e - manter o Obj. 2. ESTADO-MAIOR GERAL a. SCmt 1) Coordenar o Estado-Maior da Unidade. 2) Ficar ECD substituir o Cmt Btl. b. S1 1) Plj e Coor a Atv de pessoal (Sist Op Log). 2) Elaborar a Doc da 1ª Sec. 3) Organizar o PC e supervisionar suas Atv. 4) Planejar, propor e coordenar as Atv assuntos civis na Loc no caso de o Btl não ter sido reforçado com Elm Atv As Civ do Esc Supe. c. S2 1) Plj e Coor as Atv Intlg (Sist Op C2 e Intlg). 2) Elaborar o Est Sit e Sumário de Intlg (Sist Op C2 e Intlg). 3) Elaborar o Plano de Busca. 4) Preparar o Plano Diário de Pa. 5) Coordenar, com O Com, as medidas de Seg das Com ligadas à Intlg e C Intlg. 6) Planejar e supervisionar as Atv da Tu Rec. 7) Preparar o plano de Rec Ter, Aéreo e Naval. 8) Difundir as Info, com oportunidade. 3. PREPARAÇÃO DO S2 a. Revisão doutrinária Recapitular a IP 101-5, 2ª Parte. b. Preparar a documentação: - Folha de trabalho do S2; - Plano e pedidos de busca; - Plano Di de Pa e Rec Ae; - Infe e Info; - Sumário de Info; - Memento de Est Sit Info; - Cdtr informantes nativos; e - Msg diária de Info e RPI. c. Ficar ECD elaborar: - §1º Sit, “For Ini e Pop” da O Op e calco (Clc Info); e - Anexo de Info de O Op. 4. PREPARAÇÃO DO S3 a. Revisão doutrinária Recapitular a IP-101-5 2ª Parte. b. Preparar a segunite documentação: - Folha de trabalho do S3; - Plano de Rec; - Relatório periódico Op; e - Memento do estudo Sit. c. Ficar ECD elaborar: - Ordem de Operações; - P Op (Emp da reserva); - Plano de apoio de fogo; - Plano de barreiras; - Calco de operações; e - Quadro de movimento. BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA OA INF/400.01 REALIZAR UMA INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA FLORESTA DESLOCANDO SUAS COMPANHIAS POR FAIXAS DE INFILTRAÇÃO PARA ISOLAR E ATACAR UMA LOCALIDADE DE PEQUENO PORTE.
  31. 31. 31.00 O B J E T I V O D E A D E S T R A M E N T O MISSÃO DE COMBATE CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO PADRÃO MÍNIMO INSTRUÇÃO PRELIMINAR soal e remuniciamento. 5) Criar situações visando o desencadear das seguintes ações: - Mnt do sigilo, desde a ocupação da Z Reu; - adoção de medidas de segurança contra incursões de Pa Ini; - adoção das TAI; - adoção de medidas de segurança durante a travessia de pontos críticos e nos al- tos; - utilização máxima de azimutes para a progressão através selva, evitando-se os pon- tos críticos; - Engj e Eli ou Cpt dos Elm Ini que atua- rem contra a infiltração, visando a preservação do sigilo; - revista, condução e interrogatório de prisioneiros; - mortos e feridos Amg e Ini; - Rec nos pontos críticos e próximo ao P Lib; - controle do Mvt; e - disciplina de luzes e ruídos; b. A Força Oponente (ForOp) deverá: - atuar uniformizada e caracterizada (bra- çais, bandeiras etc); - seguir um quadro de incidentes previs- tos; e - ter liberdade de ação (de forma comple- mentar ao quadro de incidentes). 5.PERIDIOCIDADE Este OA deverá ser cumprido de acordo com d. S3 1) Executar o Est Sit de Op e propor linhas de ação (Sist Op Man). 2) Elaborar e manter atualizada a carta de Sit (Sist Op Intlg); 3) Planejar as medidas de Seg da Op (Sist Op Mbld, C Mbld e Ptç). 4) Coordenar o planejamento de fogos (Sist Op Ap F e Def AAe). 5) Orientar o planejamento e supervisionar as Atv de C2 (Sist Op C2). 6) Elaborar as ordens de Op e os planos de Op referentes Emp da reserva. 7) Propor a Loc geral do PC/BIS. e. S4 1) Planejar e Coor as Atv Log (Sist Op Log). 2) Planejar e Rec os locais das Inst Log do BIS. 3) Plj e Coor as Atv de Seg da AT do BIS. 4) Elaborar os Doc de 4ª Sec. 5. PREPARAÇÃO DO S4 a. Revisão doutrinária Recapitular IP 101-5, 2ª Parte. b. Preparar a documentação: - Folha de trabalho do S4; - Pedidos de Sup; - Ordem Trnp (Sup Cl V); - Ficha de Mat capturado; - Rel periódico de Log; e - Memento Est Sit Log. c. Ficar ECD elaborar § 4º da O Op e anexo Log BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA OA INF/400.01 REALIZAR UMA INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA FLORESTA DESLOCANDO SUAS COMPANHIAS POR FAIXAS DE INFILTRAÇÃO PARA ISOLAR E ATACAR UMA LOCALIDADE DE PEQUENO PORTE.
  32. 32. INSTRUÇÃO PRELIMINAR O B J E T I V O D E A D E S T R A M E N T O MISSÃO DE COMBATE CONDIÇÕES DE EXECUÇÃO PADRÃO MÍNIMO 32.00 o ciclo previsto no PIM/COTER. 6. DIVERSOS Deverá ser reconhecida, pelos quadros, a importância das Mdd Seg e das TAI durante todo o deslocamento. BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA OA INF/400.01 REALIZAR UMA INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA FLORESTA DESLOCANDO SUAS COMPANHIAS POR FAIXAS DE INFILTRAÇÃO PARA ISOLAR E ATACAR UMA LOCALIDADE DE PEQUENO PORTE.
  33. 33. 33.00 O estudo deste OA será facilitado se a leitura de sua ficha for feita simultaneamente com a do esboço na página seguinte. OA INF/400.01 MISSÃO DE COMBATE: - REALIZAR UMA INFILTRAÇÃO ATRAVÉS DA FLORESTA DES- LOCANDO SUAS COMPANHIAS POR FAIXAS DE INFILTRAÇÃO PARAISOLAR EATACAR UMALOCALIDADE DE PEQUENO POR- TE.
  34. 34. 34.00
  35. 35. 35.00
  36. 36. 36.00

×