07 O Século de Ouro no Brasil - Damilson Santos

443 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
443
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

07 O Século de Ouro no Brasil - Damilson Santos

  1. 1. BRASIL COLÔNIA (1500- 1822) Prof. Damilson Santos
  2. 2. O OURO DO BRASIL SÉCULO XVIII
  3. 3. A EXPLORAÇÃO DE OURO E DIAMANTES  Crise da economia açucareira  Ocupação das Minas Gerais e Centro-Oeste 1693: Ant. Rodrigues Arzão (Minas Gerais) 1698: Ant. Dias de Oliveira (Ouro Preto) 1700: Borba Gato (Sabará) Prof. Damilson
  4. 4. A EXPLORAÇÃO DE OURO E DIAMANTES  Corrida do ouro Guerra dos Emboabas (1707-09) Prof. Damilson
  5. 5. ADMINISTRAÇÃO AURÍFERA  Intendência das minas (1702) Controle fiscal e distribuição das Datas Limite à entrada de pessoas Impostos: quinto, captação e derrama  Casa de fundição (1719-20)  Contrabando nas minas Prof. Damilson
  6. 6. ADMINISTRAÇÃO AURÍFERA  Formas de exploração: Grande exploração: lavras  Mão-de-obra escrava Pequena exploração: faiscação  Mão-de-obra livre Prof. Damilson
  7. 7. TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS  Sociedade pobre, urbana e interiorana Maior mobilidade social e mais miscigenada  Crescimento populacional: corrida do ouro  Urbanização Cidades: Ouro Preto, Diamantina, Sabará e São João  Surgimento de um mercado interno Inflação no preço de produtos e escravos  Deslocamento do eixo econômico  Capital passa para o RJ (1763) Prof. Damilson
  8. 8. AS ARTES NAS GERAIS  Arcadismo Tomaz Ant. Gonzaga Claudio Manoel da Costa  Arte barroca: Aleijadinho Prof. Damilson
  9. 9. DECLÍNEO DA MINERAÇÃO  Destino do ouro brasileiro?  Desconhecimento das técnicas de exploração  Esgotamento do ouro de aluvião  Renascimento agrícola Produção algodoeira Produção açucareira Prof. Damilson
  10. 10. ERA POMPALINA (1750-77)  Representante do despotismo esclarecido  Medidas pombalinas Capital no RJ (1763) Cobrança da derrama (1762) Criação de Cias. de Comércio Expulsão dos Jesuítas (1759) Estímulo à agricultura e à manufatura  Alvará de 1785 (D. Maria I)  Queda de Pombal Prof. Damilson
  11. 11. APROFUNDAMENTO Sugestões de leituras específicas e dicas de filmes, documentários, seriados e vídeos sobre as temáticas trabalhadas. Prof. Damilson
  12. 12. LEITURAS  ANASTASIA, Carla. Entre Cila e Caribde: as desventuras tributárias dos vassalos de Sua Majestade. Varia História, Belo Horizonte (21): 237-246, jul. 1999.  FURTADO, Júnia Ferreira. As minas endemoniadas. In: Homens de negócio. A interiorização da metrópole e do comércio nas minas setecentistas. São Paulo: HUCITEC, 1999.  FURTADO, Júnia Ferreira. Relações de poder. In: O Livro da Capa Verde. O Regimento Diamantino de 1771 e a vida no Distrito Diamantino no período da Real Extração. São Paulo: Annablume, 1996.  GALEANO, Eduardo. As Veias Abertas da América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra 2004.  SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro. Rio de Janeiro: Graal, 1982. Prof. Damilson
  13. 13. FILMES  Xica da Silva Brasil, 1976, 117 mim, Sagres. Dir.: Carlos Diegues.  Em Diamantina, em meados do século XVIII, uma escrava torna-se rica e poderosa ao se unir a um fidalgo português, contratador da zona diamantífera. Numa sociedade escravista, essa situação causa inveja e conflito.  Quilombo Brasil, 1984, 119 mim, Globo Vídeo. Dir.: Carlos Diegues.  Para fugir dos maus-tratos de seus senhores, muitos escravos encontraram abrigo nos quilombos, dos quais o mais conhecido foi o de Palmares, no Nordeste. Durante o século XVII, esse território livre se sustentou por quase cem anos até que fosse destruído pelas forças do bandeirantes paulista Domingos Jorge Velho. Prof. Damilson
  14. 14. D. Sebastião, Rei de Portugal. Louco, sim, louco, porque quis grandeza Qual a Sorte a não dá. Não coube em mim certeza: Por isso onde o areal está Minha loucura, outros que me a tomem Com o que nela ia. Sem a loucura que é o homem Mais que a besta sadia, Cadáver adiado que procria? Fernando Pessoa A UNIÃO IBÉRICA (1580-1640)

×