Revista Estilo Damha Nº 5

857 visualizações

Publicada em

Revista da Damha Urbanizadora com muita informação e dicas de lazer. Especiais Ipiguá e Campos dos Goytacazes, entrevista exclusiva com Frejat e muito mais.

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
133
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Estilo Damha Nº 5

  1. 1. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 1
  2. 2. 2 | Estilo Damha Junho | Julho 2013
  3. 3. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 3
  4. 4. 4 | Estilo Damha Junho | Julho 2013ExpedienteExpedienteDamha UrbanizadoraJosé ParanhosDiretor SuperintendenteDiretores e GerentesAkira WakaiAmauri Barbosa JuniorCarlos Eduardo Meyer FreireFernanda ToledoJuliana LiberatiLuiz LissnerNélio GalvãoPaulo MontiniRevista Estilo DamhaDaniele GloboEditoraEdson SuguiharaAssistenteDirlene Ribeiro MartinsRevisãoFotos: Décio Junior, Dirlene RibeiroMartins, Evandro Rocha, FilippeAraújo, Fit, Genilson Pessanha,Jorge Almoas, Justin Rudd, LeticiaFerrari, Mauro Holanda, MaríliaDominicci, Paulo Magri /SMCS,O Passeador, Tati Zanichelli, SusanYamamoto, Thiago MiragensProduções, Unesp (São José do RioPreto), Valente/casadeidéias,Walter Fukuhara e Wilson MorticelliFoto Capa: Christian GaulTextos: Editora 10 (Décio Junior,Dirlene Ribeiro Martins e MaríliaDominicci), Henrique Fruete Rodrigo FlorencioTiragem: 20 mil unidadesA revista Estilo Damha é uma publicaçãobimestral da Damha Urbanizadorae distribuída a todos os clientes emoradores dos empreendimentosda Damha Urbanizadora.São Carlos (SP) - Fone (16) 3413 4637SELO FSCQuem somos?A Damha Urbanizadora é uma empresa parte do Grupo En-calso Damha, conglomerado empresarial fundado em 1964,que atua nos seguintes segmentos: Engenharia Civil, Agrone-gócios, Shopping Center, Concessão de Rodovias, Energia eEmpreendimentos Imobiliários.Presente no cenário nacional desde 1979, a Damha desen-volve e executa loteamentos fechados e condomínios residen-ciais, reconhecidos pela alta qualidade urbanística e constru-tiva. Em seus projetos, aplica o que há de melhor em conceitode urbanismo no País e infraestrutura qualificada, em perfeitaharmonia com o meio ambiente. Ao projetar empreendimentosque integram padrão diferenciado de moradia, lazer e segu-rança, a Damha transforma o cotidiano dos moradores e dascidades em que se insere.A Damha Urbanizadora conta atualmente com 48 empreen-dimentos e mais de 17 mil unidades comercializadas e estápresente em 14 Estados brasileiros, sendo que em seis deles– São Paulo, Minas Gerais, Sergipe, Maranhão, Mato Grosso doSul, Bahia e Goiás – com empreendimentos já implantados. Em2012, obteve crescimento de 67%, alcançando um Valor Geralde Vendas (VGV) de R$ 585 milhões. O land bank total é deaproximadamente 100 milhões de m².Auditado pelaFale conosco:OPS!!Na reportagem sobre o músico Breno Ruiz, publicada na pá-gina 57 da edição anterior, corrige-se: o teatro Elis Regina doqual Paulo Cesar Pinheiro é sócio fica no Rio de Janeiro e nãoem São Bernardo do Campo.!
  5. 5. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 5JOSÉ PARANHOSdiretor SuperintendenteDamha UrbanizadoraO melhor lugar do mundoá muitos anos, talvez uns 30, teve início aera da construção dos condomínios hori-zontais e de loteamentos fechados no Bra-sil. Hoje já são milhares deles. A principalrazão para a proliferação desse tipo desolução urbana foi, e continua sendo, a falta de segu-rança percebida pelas pessoas residentes em imóveissituados nas vias públicas dos bairros abertos, sobre-tudo dos grandes centros urbanos brasileiros.De lá para cá, a falta de segurança adquiriu novoscontornos, e dos prosaicos furtos de outrora, dosquais éramos vítimas muito eventuais, caminhamospara os dias de hoje, vendo a deterioração progres-siva de importantes valores sociais, em que, além daviolência banalizada, convivemos com a intolerância,a falta de educação, o desrespeito, entre outros malescontemporâneos.Apesar desse triste quadro, podemos e devemos com-bater esse estado de coisas. E a vida em condomínio,além de ser um bom refúgio, pode ser também umexcelente laboratório para o exercício da convivênciaem sociedade, na medida em que, no condomínio, háuma forte sensação de pertencimento, frequentemen-te mais aguçada que nos grandes espaços abertosurbanos.Nos condomínios, as pessoas se veem em desejoscoincidentes de qualidade de vida e de realização desonhos. É onde os pais desejam criar os filhos, ondeos filhos desejam fazer amigos.Nos condomínios, o exercício da tolerância e do res-peito às regras gera bons e imediatos frutos e podenos tornar pessoas melhores para o mundo.Recentemente, um amigo, que mora em um condomí-nio horizontal, me contou que tem como vizinhos umcasal com idade já avançada, por volta dos 70 anos.Disse-me que são bons vizinhos, porém, em todas asmanhãs de sábado e domingo, antes das 7 horas, ohomem tocava a buzina do carro para apressar a mu-lher, que sempre o deixava esperando por alguns mi-nutos antes de partirem, ambos, para a missa.Cansado de ser acordado dessa maneira, o amigo re-solveu colocar um plano em prática. Em um domingode muito frio, depois que os vizinhos saíram, ele deixouà porta da casa deles um bilhete e uma garrafa de umbom vinho tinto. O bilhete trazia a seguinte mensagem:Caro amigo e vizinho,Na nossa casa, durante a semana, todos, eu, minhaesposa e meus filhos, acordamos muito cedo. A nossasemana é muito agitada, com compromissos de traba-lho e escola. Nos finais de semana precisamos dormiraté mais tarde, mas temos sono muito leve. Acorda-mos com qualquer ruído. Pedimos desculpas ao se-nhor pelo pedido que lhe fazemos, de não buzinar nasmanhãs de sábado e domingo, para podermos des-cansar um pouco mais. Em agradecimento, lhes dei-xamos um bom vinho, para ajudar a aquecer o senhore a sua senhora nesse frio dia de domingo.Na manhã seguinte, à porta da casa desse amigo,uma garrafa de vinho o aguardava. Junto havia umbilhete:Prezado vizinho,Muito obrigado pelo delicioso vinho. Além de nosaquecer, ele ajudou a me recuperar da vergonha quesenti pelas buzinadas. Eu não tinha consciência deque estava perturbando as pessoas. Isso não vai maisacontecer. De agora em diante, espero que a sua fa-mília possa descansar mais. E, se ainda assim, o sonoleve continuar, bebam esse vinho antes de dormir. Es-pero que ajude. Com as minhas desculpas...Esse é um exemplo de postura construtiva, que, em-bora não tenha terminado em amizade íntima, levou auma convivência respeitosa. É o tanto quanto bastavapara um convívio mais prazeroso. A partir daí, ambospassaram a se cumprimentar sempre que se viam.É isso. Quando as pessoas se esforçam para buscarentendimento, tudo fica mais interessante. Todos ga-nham. E o seu lugar, o seu condomínio, o seu residen-cial, se torna o melhor lugar do mundo para se viver.HEditorial
  6. 6. 6 | Estilo Damha Junho | Julho 2013EspecialCampos dosGoytacazes (RJ)10Damha News:O que acontece na DamhaColuna Economia:A impulsividade positivaGastronomia:Dona Onça e Tour GourmetEspecial Férias:FilhosMúsica:TiêDamha Golf News:Novidades do Damha Golf Club486152644246ÍndiceEspecialRio Preto/Ipiguá(SP)24Coluna Gastronomia:Alimente o bom humor62Nossa Capa:FrejatFaz Bem:Chefs especiaisBairro Sustentável:Ações da Damha UrbanizadoraColuna Auto:Mercedes-Benz Classe SEditorial Acessórios:Gótico ChicColuna Comportamento:O sucesso e o bem estar869492987885Aconteceu:Eventos dos residenciais97Coluna Moda:Vestir-se vai muito além de cobrir o corpo75Editorial Moda:Inverno Tropical68Arquitetura:Lareiras e Adegas104My PET:O que fazer nas férias100Coluna Luxo:Le Brézil Rive Gauche113Varal Cultural:O que vem por aí110Coluna Condomínio:Perturbar o sossego do vizinho é crime114
  7. 7. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 7Índice
  8. 8. 8 | Estilo Damha Junho | Julho 2013ColaboradoresJoel Silveira LeiteAos 59, é jornalista e pós-graduadoem Semiótica e Meio Ambiente. Édiretor da Agência AutoInforme, quemantém os sites autoinforme (carros) eecoinforme (meio ambiente). Assina oblog O Mundo em Movimento, no UOLe apresenta o programa AutoInformena Rede Bandeirantes de Rádio.Mariana Romão de OliveiraFormada em AdministraçãoHoteleira, estudou no FashionInstitute of Technology (FIT),em Nova York, e atualmentevive na capital francesa,onde conclui sua formaçãoem Marketing in Luxury Businessem uma das mais respeitadasinstituições da Europa, a ISC Paris.OPINIÃO DOS LEITORES“Parabéns pela realização da matéria intitulada ¨ONascimento de uma Mãe¨, edição de abril/maio de2013. A reportagem conseguiu transmitir a doçura e ocarisma deste ato tão sublime que é a adoção, eviden-ciando que o amor ultrapassa as fronteiras do precon-ceito relacionado a raça, idade ou qualquer que sejao desafio, construindo um futuro melhor para ambos.Obrigada por essa alegria transmitida a nós, leitores,com matérias abordando esse tema.”Ana Maria Cardinalle – Leitora e mãe, São Carlos (SP)“Achei a revista muito bonita. Editorial superadequado,com conteúdo de muito bom gosto, que realmente tornaa leitura muito agradável. O projeto gráfico está incrível,supermoderno e que traduz bem a proposta do nome darevista com grande “Estilo”. Todos estão de parabéns!”Raul Audi Junior – Diretor Geral na Audi Propaganda,Presidente Prudente (SP)Constância NeryCursou a Escola Paulista dePropaganda e Marketing e frequentoua Escola de Folclore de São Paulo.Trabalhou como publicitária, atéque decidiu abraçar a pintura comoatividade profissional. Tem participadode mostras no Brasil e no exterior.Vive na cidade do Porto, em Portugal.Membro da União Brasileira dosTrovadores, além de pintora,Constância é poetisa.Evandro RochaTem se destacado no cenárionacional, como fotógrafo e pales-trante de grandes eventos. Dentre ostrabalhos realizados, teve a oportu-nidade de fotografar para grandesmarcas em Vancouver e Paris, alémde casamentos, ensaios Trash TheDress, campanhas publicitárias eeditoriais de grandes empresas, comoEditora Abril, TIM, Ambev, Banco Reale Carrera Sunglasses.ValenteFotógrafo há 13 anos, paraos principais veículos de notícias eentretenimentos do país, como UOL,Folha de S. Paulo, Estadão, EditoraAbril, revista Época, Istoé Dinheiro.Atualmente, também faz direção defotografia para produtoras decinema que têm como clientes,Natura, Governo do Estado, SP Arte,Warner – Fashion TV, Siemmens,Ernest & Young, entre outros.Marcio MoreiraO Chef Marcio Moreira, há 20 anosna área da gastronomia, detém vastaexperiência no mundo dos sabores.Através de sua empresa de consul-toria, a 2M Soluções Gastronômicas,presta serviço para restaurantes erede hoteleira, ministrando palestrase oficinas. Destacou-se durante 7anos como coordenador e chef decozinha do programa Mais Vocêda Rede Globo.Laline BittencourtAtuando nas áreas de arquiteturae paisagismo desde 1998, LalineBittencourt já participou de duasmostras Casa Cor e teve seu trabalhopublicado em um grande número derevistas e livros especializados, comoCasa & Cia e Visual & Design.Henrique FruetPaulistano, é um dos principaisjornalistas de golfe do país. Ele jáescreveu sobre o esporte para publi-cações como IstoÉ, Veja, Trip, WishReport, Estadão e Viagem e Turismo.Atualmente, edita o Blogolfe(blogolfe.com.br), primeiro blog degolfe do Brasil, e adora jogar noDamha Golf Club nas horas vagas.
  9. 9. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 9ColaboradoresMarcio RachkorskyAdvogado especializado em condomí­nios há mais de 20 anos, comentaris­tae apresentador da TV Globo / SP, ecomentarista da Rádio CBN, programaCondomínio Legal. Escreve tambémno caderno de Imóveis da Folha de S.Paulo, aos domingos. Atual presidenteda Assosindicos (Associação dosSíndicos do Estado de São Paulo).Durante alguns anos, atuou no Fantásti-co da TV Globo, nos quadros Chame oSíndico e Reunião de Condomínio.OPINIÃO DOS LEITORES“Parabéns pelas matérias da sessão MyPET. Muitoconscientizadoras, pois esse é o futuro. Viva a nature-za e a bicharada!”Nelma Favilla Lobo - Protetora Independentede Animais, São Paulo (SP)“Adorei! A revista com a entrevista da Gal Costa ficoulinda! As matérias estão uma delícia de ler. Quero ver apróxima.”Rita de Cássia Semensin – Professora, São Carlos (SP)“Eu nunca tinha ouvido falar do Breno Ruiz até ler essamatéria. Achei sua história tão sonhadora e tão “pés nochão” ao mesmo tempo. Fiquei curiosa para conhecermais do trabalho desse artista.”Raque Castanharo - Fisioterapeuta, Jundiaí (SP)“Queria dar os parabéns pela edição da Estilo Damha coma Gal Costa na capa. Tem tanta informação útil... adorei!”Stella Maffei – Jornalista, São Carlos (SP)Juliana CordeiroFormada em Direito, descobriua moda como profissão quandomorou em Florença, na Itália.Escreve tambémno site Sem Espartilhos(semespartilhos.com.br), colaboracom o blog Sobre a Vida,o portal Papo de Homeme o PepperBlog e é figurinistado programa Escolhasda Vida da Rede Vida.Tati ZanichelliFormada em publicidade e propa-ganda, além de fotografia. Em seucurrículo estão eventos conhecidoscomo o festival João Rock 2011 eshows de grandes nomes da música,como Erasmo Carlos, Paula Fernan-des, Lenine, Arnaldo Antunes, ZecaBaleiro, Ana Carolina, Lulu Santos,Zélia Duncan entre outros. Seu traba-lho já foi publicado, entre outros, pelojornal O Estado de S. Paulo.Eduardo AmuriFormado em psicologia econômica,atua como consultor financeiro comfoco em planejamento, organização einvestimentos. Escreve sobre finançase comportamento no PapodeHomem(papodehomem.com.br) e no Dinhei-rama (dinheirama.com). Mais detalhessobre o trabalho podem ser encontra-dos em seu site(www.amuri.com.br).Mônica ZaherFormada em Consultoria de Imagempor Ilana Berenholc, pioneira da profis-são no Brasil, fez também História daModa; Técnicas de Joalheria; GrandesNomes da Moda (todos na FAAP); entreoutros cursos nas áreas de marketing,moda, etiqueta e comportamento.Ex-presidente da Fundação de Arte eCultura do Município de Araraquara –FUNDART. Associada à AICI – Associa-tion of Image Consultants Internacional(chapter San Francisco, California).Mara BehlauFonoaudióloga e doutoraem Distúrbios da ComunicaçãoHumana, consultora e coachcertificada pelo NeuroleadershipGroup (NLG). Professora de Comu-nicação para Negócios no INSPERe também docente do Programa dePós-Graduação em Distúrbios daComunicação Humana na UNIFESP.Qualificada no instrumento EmotionalQuocient Inteligence – EQi-2.0.FotosDivulgaçãoAquiles Nícolas KílarisTem 23 anos de experiência naárea de arquitetura e urbanismo.Seu trabalho inspira-se nas curvas,formas sinuosas e integração com anatureza, dando origem a um estilopróprio de criação, o chamado “estiloKílaris”. Participou das mostras CasaCor, Campinas Decor e Casa Office,e é autor do livro Curvas naArquitetura Brasileira.Breno Meneghelli Maregaatua na área de moda há 15 anose é estilista há 4 anos, atualmenteé diretor criativo da boutique Bossa,onde desenvolve duas coleções den-tro das quatro linhas da grife.
  10. 10. 10 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Campos de GoytacazesEspecialRioPretoA curva da Lapa, local ideal para contemplar o Rio Paraíba do Sul com o Centro da cidade ao fundo
  11. 11. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 11Campos de GoytacazesEspecialRioPretoCAMPOS:TRADIÇÃO E PROGRESSOMaior município do interior se firma como polo de desenvolvimento para o Estadoe, em breve, receberá um empreendimento DamhaTextos: Rodrigo FlorencioFotos: Genilson Pessanha
  12. 12. 12 | Estilo Damha Junho | Julho 2013ampos dos Goytacazes é o maior municípiodo Rio de Janeiro. Com uma área territorial(4.026,696 km²) três vezes maior do que a capi-tal do estado, a cidade tem experimentado umcrescimento acelerado nas últimas duas déca-das, impulsionado, principalmente, pela crescente receitados royalties do petróleo. Sua economia, antes pautada naprodução agrícola e no comércio varejista, atualmente vêseu perfil socioeconômico se diversificar, ganhando statusde cidade universitária, de prestação de serviços e comgrande potencial industrial, a partir da chegada de novosinvestimentos oriundos da indústria naval e do petróleo.Com uma população de 463.731 habitantes (CensoIBGE 2010), Campos está localizada a 280 km da cidadedo Rio de Janeiro e a 248 km de Vitória, Espírito Santo.Município polo para as regiões norte e noroeste fluminen-se, está geograficamente no eixo da maior bacia petrolí-fera do país (Bacia de Campos), responsável por 84% daprodução do petróleo brasileiro, inclusive grande partedos campos de pré-sal já descobertos.CCampos dos GoytacazesEspecialMonumento ao soldado desconhecido na praça do Santíssimo Salvador, que abriga ainda a Catedral Diocesana
  13. 13. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 13Campos dos GoytacazesEspecialO petróleo e os repasses dos recursos provenientesda extração desse produto (royalties) aceleraram o cres-cimento da cidade e da região nos últimos anos. Assimcomo Macaé e outras cidades vizinhas que fazem parteda Bacia, Campos recebe, desde a década de 1990, umacompensação pelas mudanças provocadas pela instala-ção da indústria petrolífera. Os repasses, cujos valoresvariam de acordo com a produção e a posição geográficade cada município, vão direto para a prefeitura e devemser usados em obras de infraestrutura e outros projetospara melhorar a qualidade de vida da população.A cidade de porte médio do interior se tornou a maiorrecebedora de royalties do país e prevê que seu PIB (Pro-duto Interno Bruto) deve saltar de R$ 5 bilhões em 2013para R$ 40 bilhões em 2025, ano em que a populaçãopoderá chegar a cerca de1 milhão de habitantes, se-gundo cálculos do Cidac(Centro de Informações eDados de Campos).A vinda de novos investidorese o aumento da população se de-vem também a dois grandes empreen­dimentos em construção. O Porto do Açu, na vizinha ci-dade de São João da Barra, pretende ser o maior portodo país, com capacidade para movimentar diversos ti-pos de cargas, desde contêineres até granito, carvão eprodutos siderúrgicos. Para tanto, será necessária umainfraestrutura de siderurgia e termoeletricidade paraatender sua demanda energética.A região de Rio Preto, em Campos, é um dos refúgios na planície para o contato com a naturezaPIBdeve saltarde R$ 5 bilhõesem 2013 paraR$ 40 bilhõesem 2025
  14. 14. 14 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Outro projeto em desenvolvimento é o Complexo Lo-gístico Farol/Barra do Furado, que está sendo construídona divisa com o município de Quissamã. A obra traz parao Brasil uma tecnologia inédita nas Américas, o sistemasand by pass, desenvolvido na Austrália para transpas-sar o acúmulo de areia no litoral. Com a aplicação per-manente dessa tecnologia será possível desassorear oCanal das Flechas, criando, assim, uma via fluvial segurapara navegação e aporte de pequenas e médias embar-cações. Na área, que é o ponto do litoral mais próximodas principais plataformas de petróleo da Bacia de Cam-pos, estão previstas instalações de um estaleiro e de vá-rias empresas de apoio offshore.Essas mudanças trazem também uma série de deman-das para o município, como mais urbanização (hoje aprefeitura diz que 90% da cidade está urbanizada), sa-neamento básico e destino adequado aos resíduossólidos. O presidente do Cidac, Ranulfo Vidi-gal, prevê que o município terá forte cres-cimento da construção civil e excelenteoferta de mão de obra especializada.Se, até o final da década de 1980, cer-ca de 40% da economia do municípioera baseada na produção das usinas de açúcar e no co-mércio varejista, atualmente a agricultura responde ape-nas por 5% da economia, ficando o comércio com 25% ea indústria (incluindo as receitas de royalties do petróleo)com 70% da receita bruta.Perder essa receita seria um caos para o município ea região, afirma Ranulfo. A ameaça existe, já que o Con-gresso aprovou um projeto de lei para redistribuir os royal-ties para todos os estados e municípios do país. A presi-dente Dilma Roussef vetou a proposta, mas a Câmara dosDeputados derrubou o veto presidencial. Agora o casotramita no Supremo Tribunal Federal, que já deu uma limi-nar favorável aos estados e municípios produtores.Em meio às dúvidas quanto uma posição favorávelda Justiça, o município segue num ritmo acelerado emsua expansão. Campos hoje é uma cidade mais diversi-ficada, porque se tornou um polo de serviços nasáreas de indústria, saúde, comércio, cultura elazer. “De acordo com o IBGE, nosso índicede desenvolvimento pode ser equiparadoa cidades como Uberaba, Uberlândia,Joinvile, Londrina e Juiz de Fora”, con-clui Ranulfo Vidigal.Campos dos GoytacazesEspecialO prédio da Câmara de Vereadores já abrigou o Fórum municipal e é um dos patrimônios arquitetônicos da cidadeCamposse tornou umpolo nas áreasde indústria,saúde, comércio,cultura e lazer
  15. 15. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 15Campos dos GoytacazesEspecialSABOR ÚNICO E ORIGINALDoces como a goiabada e o chuvisco, este exclusividadede Campos, conquistam admiradores em todo o paísurante anos, o campista foi conhecido comoo povo “papa-goiaba”. A expressão é fruto dagrande quantidade de goiabada que era produ-zida no município. Apesar de ser um doce muitoconsumido na cidade, a goiabada não é umaexclusividade de Campos, já que sua produção – casei-ra, artesanal ou industrial – ocorre em vários municípios dopaís. Porém, há uma iguaria que é típica do município e quese tornou um ícone da culinária de Campos: o chuvisco.O chuvisco é um doce que pode ser feito em calda oucristalizado. Sua massa leva ovo, trigo e açúcar e semprefrequenta a mesa dos campistas em qualquer ocasião.Eraldo Riscado Filho é dono de uma fábrica de doces nacidade. Ele explica que a receita do chuvisco leva ape-nas a gema dos ovos. A clara deve ser descartada. Bemfeito, ele garante, é um doce que conquista adeptos emtodo o país. Sua produção chega a 60 toneladas de goia-bada e 50 mil unidades de chuvisco por mês, o suficientepara atender a todo interior do estado, além do EspíritoSanto e cidades mineiras próximas ao estado do Rio.DO chuvisco, em calda ou cristalizado, além da goiabada, são doces que não faltam à mesa do campista
  16. 16. 16 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Campos de GoytacazesEspecialRioPretoUMA PLANÍCIEDE BELEZAS NATURAIS EARQUITETURA ECLÉTICAApesar da geografia plana, a cidade guarda refúgios de cachoeirase conta com prédios que remetem à história do BrasilLagoa de Cima: beleza naturalampos dos Goytacazes é uma planície corta-da pelo rio Paraíba do Sul e cercada por la-goas. As mais famosas são a Lagoa de Cimae a Lagoa Feia, que é a segunda maior lagoacosteira do país, com 170 km², menor apenasque a Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul.A maior parte do território apresenta uma geografiaplana. O nome da cidade se explica pelo fato de queeram estes os campos onde viviam índios goytacazes,antes da chegada dos portugueses. As raras mon-tanhas do município estão nas regiões do Imbé e deRio Preto, locais ainda pouco explorados pelo turismo,apesar das belas paisagens naturais, com cachoeirasem meio à Mata Atlântica.Se as cachoeiras ainda não figuram entre as princi-pais atrações turísticas de Campos, o litoral é destinocerto para a maioria da população. A praia do Farolde São Thomé, a cerca de 60 km do Centro, recebemilhares de visitantes nos finais de semana e enfrentasuperlotação durante o verão. Apesar do mar bravo, asondas propíciais à prática do surf atraem banhistas detodas as classes sociais.C
  17. 17. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 17Acervo do Conde de Araruama está em exposiçãoCampos dos GoytacazesEspecialOutro aspecto relevante na cidade é seu patrimônioarquitetônico. Por ser uma das cidades mais antigasdo país, Campos tem dezenas de prédios históricos,como, por exemplo, o Liceu de Humanidades (hojeuma escola estadual), a Igreja da Lapa, o Solar VillaMaria (sede da Reitoria da Universidade Estadual doNorte Fluminense – UENF), o Solar do Colégio (Arqui-vo Público Municipal) e o prédio do antigo Fórum, quehoje abriga a Câmara de Vereadores.A historiadora Sylvia Paes lembra que o trabalho deplanejamento do patrimônio urbanístico começou em1840, antes mesmo do que a cidade do Rio de Janei-ro. Naquela época, a principal atividade econômica emCampos era a pecuária, enquanto no resto do Brasil eraa agricultura. “Assim que trocamos a pecuária pela la-voura, assumimos um importante patamar na produçãoaçucareira do país, tanto que a vila foi elevada a cidadee logo recebeu planos urbanísticos”, conta a historiadora.A Catedral e o Museu Municipal ficam nos arredoresda praça São Salvador, no centro da cidade, e tambémfazem parte do tour que todo visitante deve fazer. Assimcomo visitar o Jardim São Benedito, um refúgio verde en-tre os prédios do centro e local que abriga a sede daAcademia Campista de Letras; e a curva da Lapa, aolado da igreja de mesmo nome, de onde é possível apre-ciar o Rio Paraíba. Uma bela imagem, principalmente aoamanhecer ou entardecer.A cidade de geografia plana ainda oferece locais de montanhas e cachoeiras ideiais para o desenvolvimento do turismo
  18. 18. 18 | Estilo Damha Junho | Julho 2013produção cultural também é uma parte impor-tante na história da cidade, principalmente aliteratura. É de Campos um dos maiores escri-tores da literatura nacional, José Cândido deCarvalho, autor de O Coronel e o Lobisomem,entre outras obras.Desde a época do Império, eram realizados saraus lite-rários em Campos e, nos últimos anos, a tradição literáriavem sendo recuperada com a Bienal do Livro, já em suasétima edição. Para o professor universitário e jornalistaVitor Menezes, presidente da Associação de Imprensade Campos (AIC), entidade criada em 1929, a história domunicípio talvez explique um pouco essa característica.“Campos registra, em vários momentos, certa efervescên-cia cultural e jornalística, além de uma vida social intensa.Esse ambiente costuma produzir muitos escritores”, diz ele.Menezes acabou criando um blog na internet (campis-tana) para catalogar todos os autores da cidade. Até omomento, há mais de 150 escritores cadastrados, dentreeles José do Patrocínio e Alberto Lamego, além dos maiscontemporâneos e de jovens talentos, como Osório Pei-xoto, Vilma Arêas, Aristides Soffiati, Péris Ribeiro, Wins-ton Churchil Rangel, Avelino Ferreira, Orávio de CamposSoa­res, Márcio Aquino e Bruno Peixoto.ATERRA PLANAEM PROSA E VERSOCampos tem na literatura, grande expressão de sua arte e culturaCampos dos GoytacazesEspecialTeatro Municipal Trianon, o maior do interior do estado
  19. 19. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 19“A proposta é organizar as referências da produção li-terária local, que é muito dispersa e, muitas vezes, difícilde encontrar. Com o tempo fui me surpreendendo coma grande produção e com o quanto ainda está por serregistrado”, disse Menezes.E para quem busca boa leitura, a Biblioteca Munici-pal de Campos é uma opção segura. Ela fica no prédioconhecido como Palácio da Cultura e oferece ao públi-co um total de 27 mil exemplares, entre obras raras, deconsulta geral, braile e literatura infantil. O diretor dabiblioteca, Maurício Xexéo, diz que o espaço é muitofrequentado e que, atualmente, a prefeitura, por meio doCampos dos GoytacazesEspecialO Jardim São Benedito é uma área verde entre os prédios do centro da cidade e abriga a sede da Academia Campista de LetrasConselho Municipal de Cultura, trabalha para a publica-ção de obras de novos autores.Outra boa opção de lazer cultural é o Museu da Cida-de, inaugurado em 2012 e que fica no centro da cidade,na praça São Salvador. O prédio por si só é uma obra dearte, que atualmente abriga parte de um acervo da cole-ção do Visconde de Araruama.O Teatro Municipal Trianon também é um espaço desti-nado às mais diversas atividades culturais. É o maior dointerior do estado, com 900 lugares, e recebe shows epeças de artistas consagrados nacionalmente, além deser palco de espetáculos de grupos locais.
  20. 20. 20 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Campos dos GoytacazesEspecialcriação de Campos está diretamente ligada àhistória do Brasil, já que seus primeiros regis-tros datam de 336 anos atrás. A vila onde vi-veram seus primeiros habitantes foi criada em1677. O título de cidade veio em 1835, sendoCampos uma das cidades mais antigas do país.O imperador D. Pedro II visitou suas terras e frequen-tou a sociedade campista por diversas vezes. Apesarde tradicional e conservadora, a elite de Campos tam-bém foi pioneira em vários aspectos. Em 1650, implan-tou o primeiro engenho e deu início à agroindústria açu-careira. Em 1831, começou a circular o primeiro jornalda cidade e, em 1844, foi criada a primeira livraria (queexiste até hoje e é a mais antiga do país). Outro fatomarcante aconteceu em 1883, quando Campos passoua ser a primeira cidade da América do Sul a ter ilumi-nação elétrica.As luzes que iluminavam o centro da cidade não es-conderam a escuridão das senzalas, onde milhares deescravos eram amontoados nas dezenas de fazendasque existiam na região. Quando a aboliação chegou aopaís, em 1888, a maior parte dos escravos do municípiojá havia sido alforriada, mas, antes disso, a cidade foipalco de confrontos violentos, justamente porque haviamuitos negros e abolicionistas de um lado e senhoresde engenho do outro.José do Patrocínio, um dos líderes abolicionistas dopaís, era de Campos e comandou a luta pela liberdadedos negros. “Coincidência ou não, a cidade que tinhasignificativo número de escravocratas também produziuum dos primeiros presidentes do Brasil republicano eque também era negro, Nilo Peçanha, antes mesmo doBarac­k Obama (presidente dos Estados Unidos)”, recor-da a historiadora Sylvia Paes.AUMA HISTÓRIA DE PIONEIRISMOCidade foi a primeira da América do Sul a ter iluminaçãoelétrica e ainda hoje abriga a livraria mais antiga do paísA indústria sucroalcooleira, hoje em decadência, foi a principal atividade econômica até a chegada dos royalties do petróleo
  21. 21. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 21O Museu de Campos, inaugurado em 2012, fica na área central e conta parte da história da cidadeCampos dos GoytacazesEspecialÚTIL:Aeroporto Bartholomeu LyzandroRod. Campos-Vitória, km 5(22) 2726-6400Teatro TrianonRua Marechal Floriano, 211, CentroEspetáculos esporádicos àssextas, sábados e domingos(22) 2733-4230 | 2726-3500Heliporto São ThoméRod. Deputado Alair Ferreira, 1100km 216, Farol de São Thomé(22) 2747-1479Shopping Avenida 28Av. 28 de Março, 574, CentroDe segunda a sábado, das 10h às22h; domingo, das 15h às 22h(22) 2725-2828Biblioteca Municipal Nilo PeçanhaPraça da Bandeira s/n(Palácio da Cultura)De segunda a sexta-feira, das 8hàs 18h; sábado, das 8h às 12h(22) 2723-0449Shopping BoulevardAv. Dr. Silvio Bastos Tavares, 330Parque RodoviárioDe segunda a sábado, das 10h às22h; domingo, das 12h às 22h(22) 2737-9009Museu de CamposPraça São Salvador, 40, CentroDe terça a sexta-feira, das 10hàs 17h. Sábados, domingos eferiados, das 12h às 17h(22) 2728-5058
  22. 22. 22 | Estilo Damha Junho | Julho 2013
  23. 23. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 23
  24. 24. 24 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialSÃO JOSÉ DORIO PRETO (SP),A JOIA DO NOROESTE PAULISTARegião receberá em breve mais um empreendimento DamhaTextos: Marília DominicciFotoEvandroRocha,cedidapelaPrefeituraMunicipaldeSãoJosédoRioPreto
  25. 25. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 25Rio Preto / IpiguáEspecialVista noturna da Represa Municipalom uma área aproximada de 431 km², Rio Pre-to – para os íntimos –, detém o 61º maior PIBdo Brasil e, à primeira vista, não compartilhado ar bucólico típico de cidades do interior.Com as ruas movimentadas, grandes aveni-das e prédios altos característicos da constituição físicade uma metrópole, a “cidade joia” pode confundir os de-savisados. A verdade é que é impossível não se render aela, com suas roupas de gigante cosmopolita e coraçãode menina interiorana. Que confusão maravilhosa!C
  26. 26. 26 | Estilo Damha Junho | Julho 2013São José do Rio Preto fez parte do território de Jabo-ticabal até a década de 1890, quando se emancipou, lápelos idos da Proclamação da República, para depoisagregar a si alguns distritos, que foram ganhando inde-pendência ao longo do tempo. Atualmente, apenas En-genheiro Schmidt e Talhado mantêm o status. O nome,para agradar a todos, faz menção a São José – padroeiroda cidade – e ao Rio Preto, que atravessa o município.Independentemente da origem, as palavras se tornaramsinônimo de “desenvolvimento”, “cultura” e “progresso”,ao representar um dos principais polos industriais, cultu-rais e de serviços do estado.Como a maior parte das cidades paulistas, seu terri-tório não passava de mata virgem até 1840, quando umgrupo de migrantes decidiu estabelecer-se ali, plantar ecriar animais. Relatos indicam que eram mineiros, oriun-dos de Vila de Nossa Senhora do Carmo dos Tocos, hojeParaguaçu (MG), mas sua história econômica teve início,de fato, em 1845. Foi quando os irmãos Luiz Antônio daSilveira e Antônio Carvalho e Silva, juntamente com seuamigo Vicente Ferreira Netto, abriram estradas e veredasmato adentro e decidiram deter sua comitiva na região,onde a terra era ideal para o cultivo e a água, abundantepara o gado. Não demorou para que outras pessoas fos-sem atraídas para o local e um pequeno povoado come-çasse a se formar. Em 1852, Luiz Antônio da Silveira doouparte de suas terras ao seu santo protetor, São José, coma intenção de que o patrimônio desse origem a uma ci-dade. O município foi fundado no mesmo ano, por JoãoBernardino Seixas Ribeiro.construindo uma gigante
  27. 27. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 27Vista aérea da cidade a partir da Av. Bady BassitFotoEvandroRocha
  28. 28. 28 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialEm 1912, a Estrada de Ferro Araraquara (EFA)chegou até Rio Preto e a cidade assumiu umaposição significativa como polo comercial deconcentração de mercadorias. A expansão fer-roviária foi o pontapé inicial do movimento queresultou em desbravamento e migração parao interior e na expansão das áreas de plantio,principalmente do café, que era o combustívelque alimentava o Estado – e exauria toda a terrapor onde passava. Esse processo foi fomenta-do pela demanda do grão para exportação, oesgotamento do solo em outras regiões, comoo Vale do Paraíba, e a facilidade em conseguirempréstimos bancários na época.Ao mesmo tempo em que se desenvolvia,Rio Preto iniciou uma forte tradição nos espor-tes. Seu primeiro time oficial, o Rio Preto Es-porte Clube, foi fundado em 1919. O “Glorio-so”, como é chamado pelos torcedores, tem oEstádio Anísio Haddad como sede. Outro timeque representa fortemente a cidade é o Amé-rica Futebol Clube, ou “América de Rio Preto”,sediado naquele que é, no momento, o maiorestádio do interior paulista, o “Teixeirão”. Acidade também conta com times de prestígioem outras modalidades de esportes, como obasquete em cadeira de rodas. Seu time, oCAD (Clube Amigos dos Deficientes), disputao campeonato nacional da modalidade, alémde também atuar em outros esportes adapta-dos para atletas com necessidades especiais,como atletismo e natação.Avenida Alberto Andaló, um dos locais mais movimentados da cidadeFotoPauloMagri/SMCS
  29. 29. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 29Rio Preto / IpiguáEspecialCom o desenvolvimento urbano, aumentaram os inves-timentos na infraestrutura urbana e também nas áreas delazer e cultura visando entreter e educar os recém-chega-dos e a população em geral. O município conta atualmentecom ampla rede educacional na qual se destacam as di-versas instituições de ensino superior públicas e particula-res, sendo os mais proeminentes o Instituto de Biociências,Letras e Ciências Exatas da Unesp (IBILCE), a Faculdadede Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) e a Facul-dade de Tecnologia de São José do Rio Preto (Fatec). Entreas instituições particulares estão o Centro Universitário deRio Preto (Unirp), o Centro Universitário do Norte Paulista(Unorp), a União das Faculdades dos Grandes Lagos (Uni-lago) e a Universidade Paulista (Unip).Entre as diversas pesquisas desenvolvidas na cida-de, podem se destacar as realizadas por docentes doDepartamento de Biologia e do Departamento de Físicado IBILCE, que participaram do grupo de pesquisa doProjeto Genoma, que identificou e mapeou 80 mil genesdo DNA humano, armazenando e dispondo essas infor-mações em um banco de dados. A universidade tambémmantém pesquisas de impacto nas áreas relacionadas àbiotecnologia, como a agricultura, a produção de ener-gia, o controle do lixo e a despoluição ambiental.A 18 CIDADE MAIS PROMISSORA DO BRASILPARA COMEÇAR SUA CARREIRA PROFISSIONALO município se destaca pelo número de instituições de ensino superior,entre elas a UNESP, uma das mais tradicionais universidades do paísFotoUnesp–SãoJosédoRioPreto–arquivoa
  30. 30. 30 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialTALENTO NAMEDIDA DO MUNDO“Quem tem a sorte de nascer personagem vivo, pode rir até damorte. Não morre mais. Quem era Sancho Pança? Quem era DomRodrigo? E, no entanto, vivem eternamente, pois – vivos embriões –tiveram a sorte de encontrar uma matriz fecunda, uma fantasia quesoube criá-los e nutri-los, fazê-los viver para a eternidade!”Luigi PirandelloO Festival Internacional de Teatro de Rio Preto está entre os mais conceituados do país. Espetáculo Romeu e Julieta (FIT 2012)Foto Fit
  31. 31. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 31Rio Preto / IpiguáEspecialteatro é uma das mais belas artes criadas pelohomem. Milênios atrás, sem poder ler ou es-crever, o homem interpretava suas dores e an-gústias, suas alegrias e vitórias. Se não para ooutro, o fazia para si, na intimidade da própriamente, no palco mágico que a imaginação constrói. Nãose pode datar a criação do teatro porque ele nasceu como humano e morrerá com ele.Quem começa o ano em Rio Preto pode curar a res-saca do feriado gargalhando no festival Janeiro Bra-sileiro de Comédia que, em 2013, comemorou o 7ºaniversário. Realizado a primeira vez em 2003, atraiumais de quatro mil expectadores ao Teatro Municipal.A programação dura oito dias, com a apresentação depeças diariamente, além da realização de palestras,workshops e oficinas de teatro.O evento mais famoso do gênero na cidade é o Festival In-ternacional de Teatro de São José do Rio Preto, que terá sua44ª edição este ano. Graças à iniciativa de artistas locais,surgiu na década de 60. Com caráter competitivo e amador,é uma importante manifestação cultural do município.Integrantes do grupo de Teatro Jovem da Casa de Cul-tura abriram, em julho de 1969, o Festival Nacional Ama-dor de São José do Rio Preto. No elenco, grandes nomesdas artes cênicas como Humberto Sinibaldi Neto, Dino-Orath do Valle, José Eduardo Vendramini, Fábio Marquesdos Santos, Maria Cristina Miceli, Raildo Viana, RicardoAlbuquerque e Reinaldo Silva.Em sua primeira edição, 11 espetáculos participaramda programação, vindos dos estados de Minas Gerais,São Paulo e Paraná. As peças foram apresentadas noauditório da Basílica Nossa Senhora Aparecida, no bair-ro Boa Vista. Durante os anos de 1973 a 1980, o eventofoi interrompido por falta de apoio político, uma vez queo Brasil – sob regime militar – passava por um períodomuito controverso no que se referia às artes e outras ma-nifestações culturais, voltando a ser realizado em 1981.A partir de 2001, o Festival Amador deu espaço parao FIT (Festival Internacional de Teatro de São José do RioPreto). Com caráter experimental, o FIT propõe, a cadaedição, novos conceitos e olhares sobre o fazer teatral ea investigação das artes cênicas. Atualmente, integra oNúcleo dos Festivais, sendo um dos oito maiores festivaisde artes cênicas do país. É um dos eventos mais aguar-dados por críticos, artistas e público de diversos estadosbrasileiros.Este ano o Festival será realizado entre 3 e 14 de ju-lho, e as inscrições estão abertas para as companhiasinteressadas em participar da programação. Vale apena assistir!Espetáculo de rua A Pereira da Rua Miséria (FIT 2012)FotoFit
  32. 32. 32 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialvalei-me,NOSSA SENHORAAPARECIDA DE RIO PRETO!FotoMaríliaDominicci
  33. 33. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 33Rio Preto / IpiguáEspecialParóquia de Nossa Senhora Aparecida foi cria-da por Dom Lafayete Libânio em 11 de maiode 1933. No ano de 1932, durante a RevoluçãoConstitucionalista, Dom Lafayette fez uma pro-messa à Santíssima Virgem de que, se a Dio-cese não fosse atingida pelas lutas que ocorriam em todoo país, ele construiria um Santuário no Bairro da Boa Vis-ta em honra de Nossa Senhora da Imaculada ConceiçãoAparecida. Em 1933, iniciou as obras da basílica em agra-decimento pela prece atendida. Tombada como patrimôniohistórico, sua grande beleza faz da basílica uma das maisprocuradas para celebração de casamentos e batizados.A Igreja se caracteriza pelo estilo neorromântico, comarcos plenos e três naves internas, sendo uma a maior ecentral e duais laterais, formada por fileiras de arcos ecolunas internas. Vitrais, uma característica incomum noestilo romântico, podem ser vistos em pequenas janelasem arcos. Na nave, duas ordens de colunas laterais, comseis colunas cada, são notórias.Até os anos 50, a Basílica tinha três sinos com nomespróprios: Cristo Rei, pesando 3 mil quilos; Nossa SenhoraAparecida, pesando 1780 quilos; e São Francisco, pesan-do 810 quilos. A Basílica vendeu, então, o sino maior (CristoRei) ao Santuário Nossa Senhora Aparecida de Catanduvae os três menores à Herval D`oeste de Santa Catarina, eencomendou modelos novos e mais modernos na Europa.Em 1959, foi enviado da Alemanha um projeto detalhadopara o fornecimento de quatro sinos, tocados eletronica-mente. A dificuldade foi obter a licença de importação semdespesas, que, por causa do peso, custaria uma fortuna.Construída em agradecimento pela proteção de Nossa Senhoradurante a Revolução Constitucionalista de 1932, a basílica é umcartão postal da cidadeAFotoMaríliaDominicci
  34. 34. 34 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialConstruído em 1956, o Parque da Represa Municipal estálocalizado a 5 minutos dos residenciais Damha Rio Preto.É uma área de águas superficiais e extrema beleza natu-ral frequentada por uma variedade de espécies de peixes,aves e mamíferos. Os mais notórios são as capivaras, quepodem ser vistas em grupos nadando ou se estendendoao sol. Os patos, garças e outros pássaros, que chamam aatenção pela beleza e quantidade, adotaram as ilhas cen-trais como área de descanso e reprodução.Além de ponto turístico e cartão postal, a Represa deRio Preto é responsável pelo abastecimento de 30% a40% da água que chega aos moradores, após tratamentono Palácio das Águas. A belíssima infraestrutura, instala-da durante um projeto de revitalização nos anos de 1990e 1991, permite a realização de caminhadas, a aprecia-ção da paisagem natural e as reuniões familiares. Entreos equipamentos disponíveis estão a pista de caminhadade 2,7 mil metros lineares, três conjuntos de equipamen-tos de ginástica, sanitários públicos e 23 quiosques, des-tinados ao lazer de todos os frequentadores do parque.ONDE MORAM AS CAPIVARAS...E MUITAS OUTRAS ESPÉCIESA represa é um santuário para espécies nativas da regiãoFotoMaríliaDominicci
  35. 35. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 35Rio Preto / IpiguáEspecialÚTIL:Parque Ecológico EducativoAv. Benedito RodriguesLisboa, 1.300(17) 3216-2868Zoológico MunicipalRua José Deguer, S/NJardim Nazareth(17) 3225-3930Teatro Municipal HumbertoSinibaldi NetoAv. Brig. Faria Lima, 5381Nova Redentora(17) 3226-2626Zero Grau – Bar E ChopperiaAv. Alberto Andaló, 3474 - Centro(17) 3235-2010Biblioteca Pública MunicipalPça. Jornalista Leonardo GomesCentro Cultural Prof. Daud Jor 1(17) 3225-6164Vila Dionísio BarAv. Bady Bassit, 3961Boa Vista(17) 3235-4482O zoológico é uma ótima opção para um passeio no final da tardeFotoMaríliaDominicci
  36. 36. 36 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialIPIGUÁ (SP),MENINA DOS OLHOS VERDES“À noite, em Ipiguá, fiquei fascinada com a delicada composição do céuazul índigo brilhante. Como se fosse um tecido fino, cravejado de estrelas,a abraçar uma lua imensa. A lua branca, tão próxima da terra, brincavasorrindo, a entrar e a sair pelas janelas das casas...”Constância NeryIgreja São Sebastião de IpiguáFotoMaríliaDominicci
  37. 37. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 37Rio Preto / IpiguáEspecialm 1920, quando foi fundada sob o nome depovoado de Barra Funda, a cidade abrigavaalgumas construções rústicas e uma pequenapopulação cercada pelo sertão e pela matavirgem. Infelizmente, são poucos os documen-tos que registram essa época e boa parte da história lo-cal se perdeu com o tempo, mas a pequena Ipiguá, comseus quase 5.000 habitantes, não se faz de rogada e en-canta visitantes e moradores com sua tranquilidade.Ainda por completar dez anos de emancipação, Ipi-guá é cercada pelo verde até onde a vista alcança. Lo-calizada a apenas 15 minutos de São José do Rio Pre-to, não compartilha a agitação da vizinha mais antiga.Basta acessar a avenida principal para perceber que aarborização é destaque e que os prédios da metrópo-le não têm vez no pacato município de casas térreas,diante das quais as pessoas se reúnem para conversarao final da tarde.Em meio a essa quietude sobressai-se o interesse nocrescimento e desenvolvimento urbano do município,que oferece programas de incentivo fiscal e tributáriopara indústrias e comércios que desejam se instalar naregião, que já conta com um grande shopping centerpróximo e está em franca expansão.Terra natal de Constância Nery, sua calma, paz e cam-pos cultivados ficaram marcados na memória da pintora,ícone da chamada arte Naïf, cujas obras, expostas em di-versas galerias de arte no Brasil e no mundo, retratam oscostumes e as paisagens que guarda na alma com todaa inocência e explosão de cores próprias de seu estilo.EArborização é marca da cidadeFotoMaríliaDominicci
  38. 38. 38 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecial“Dia Feliz” retrata imagens da infância da pintora nas férias observando os colonos no campoReprodução autorizada pela artistaTODA A INOCÊNCIADA PINTuRA NAÏF
  39. 39. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 39Rio Preto / IpiguáEspecialascida em Ipiguá, em 1936, Constância Nerypassou parte da infância no campo, onde,durante as férias, observava os colonos nascolheitas e as manifestações folclóricas.Transferiu-se mais tarde para São Paulo, ci-dade em que cursou a Escola Paulista de Propagandae Marketing e frequentou a Escola de Folclore de SãoPaulo. Chegou a trabalhar como publicitária, abrin-do seu próprio escritório, até que, em 1969, decidiuabraçar a pintura como atividade profissional e exporseus trabalhos. A partir de então, tem participado dediversas mostras no Brasil e no exterior. Atualmentevive na cidade do Porto, em Portugal, mas suas raízesainda permeiam todas as suas obras. Membro efetivoda União Brasileira dos Trovadores, além de pintora,Constância é poetisa. Com louvor. E falou com a EstiloDamha com muito orgulho de sua terra natal.“LÁ, ONDE ESTÁ A MINHA ALMA”Constância NeryNão faço hoje nada muito importante.Não há prêmio nem crítica que mereça o esforço.Olho no espelho, a vida está parada.Nem sabores, nem perfumes.Cantar, sonhar, enlouquecer… nada importa!Não deixo chorar a minha alma,essa alma crente, generosa, útil e inocente morta.Escondo a lágrima seca, da minha nascente escondida,que só a mim pertence.Não teimo em mostrar o brilho que não há.O que sinto não merece aplauso.Deixo a minha dor em paz… Silencio meus lábios.Meu pranto não é o ruído das guerrasnem das novelas no ar.Não é música que vem e que vai.Não sabe as cantigas de vento ou de mar.A ninguém interessa!Posso ousar entrar no reino da minha alma.Com a minha alma está a minha alegria.O que está inerte já não existia, nem ontem, nem hoje.Há um sabor de folhas frescas, intocáveis…E o som do silêncio, um som para descobrir…Posso sentir onde está a minha alma.N“Calma no Interior”: família no campodurante a colheita de jabuticabasÚTIL:Galeria Jacques ArdiesRua Morgado de Mateus, 579São Paulo (SP)(11) 5539-7500(11) 5539-7675www.ardies.comjacques@ardies.comReprodução autorizada pela artista
  40. 40. 40 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Rio Preto / IpiguáEspecialDAMHACHEGA AIPIGUÁ (SP)Residencial Damha Fit Ipiguá, comárea total de mais de 359 mil m²,terá 733 lotes residenciaisVista panorâmica das portarias de acessoImagemmeramenteilustrativa“O loteamento Damha Fit Ipiguá, em Ipiguá (SP), encontra-se em processo de registro. Nos termos do disposto na Lei 6.766/79, as vendas sóserão iniciadas após o registro do empreendimento junto ao Oficial de Registro de Imóveis competente. ”
  41. 41. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 41Rio Preto / IpiguáEspecialIpiguá prepara-se para receber o residencial Damha Fit que contará com o melhor con-ceito em urbanização e sustentabilidade do país. Serão 733 lotes divididos em 2 fases devendas com dimensões entre 223,51 m² a 444,68 m², aproximadamente, em uma área commais de 359 mil m² e incluirão mais de 72 mil m² de áreas verdes e de lazer.
  42. 42. 42 | Estilo Damha Junho | Julho 2013TiêMúsicaiê significa sabedoria em japonês, mas tam-bém nos remete ao espetacular pássaro deplumagem vermelha, o tiê-sangue, ave sím-bolo da Mata Atlântica. Este último, porém, aocontrário da bela cantora de mesmo nome,não tem no canto seu ponto forte.Aos 33 anos, Tiê é mãe de duas meninas, Liz, de 4 anos,e Amora, de poucos meses, e traz em seu currículo umcurso de relações públicas, aulas de canto em Nova York,o trabalho como modelo e atriz e a condução do CaféBrechó. Aliás, foi nesse bar-loja em Perdizes, São Paulo,que Tiê foi apresentada ao cantor e compositor Toquinho,com quem gravou sua primeira música e viajou por todoo Brasil e pela Europa. Foi com Toquinho, também, queTiê encontrou o cantar sussurrado que marca seu estilo.Em 2009 lançou seu primeiro álbum, Sweet Jardim, inti-mista, inteiramente autoral e que figura, segundo o jornalFolha de S.Paulo, na lista dos 50 discos que formam aidentidade musical brasileira dos anos 2000. Dois anosdepois, veio A Coruja e o Coração, um disco mais des-contraído e com o instrumental mais trabalhado.Em março, a nova representante da MPB se apresen-tou no SESC São Carlos, onde concedeu entrevista à re-vista Estilo Damha.TA DOCE VOZDA MPBTexto: Dirlene Ribeiro MartinsFotos: Tati Zanichelli
  43. 43. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 43Estilo Damha – Observando sua trajetória, fica a impres-são de que você é uma pessoa agitada, dinâmica. Aomesmo tempo, quando se ouvem suas músicas, sua voz,imagina-se uma pessoa tranquila, centrada. Você traz emsi essas duas personalidades?Tiê – Totalmente, sou bem agitada, faço um monte decoisa, sou brava também. Agora, a minha voz é doce,então, se fica com a sensação de que sou uma pessoa‘fofa’, e de ‘fofa’ eu não tenho nada. O pessoal lá emcasa, quando alguém fala, “Como a Tiê é doce!”, logodiz: “Ahã, sei” (risos). Sou mãe de duas filhas, começoo dia às 6 horas da manhã, e dou de mamar, levo praescola, lavo louça, arrumo a casa... Claro que tenho aajuda de muita gente, mas quem é mãe sabe como é.Isso faz parte. E, na música, hoje, todo mundo é mui-to batalhador. Mesmo eu, que tenho a parceria de umagravadora, preciso batalhar, ir atrás, é uma luta diária,mas é boa essa agitação.ED – Por falar em gravadora, você é considerada umaartista independente, mas, ao mesmo tempo, tem portrás uma grande gravadora, que é a Warner. Como é seurelacionamento com a gravadora e até que ponto elesinfluenciam suas escolhas musicais?Tiê – Como eu fiz o primeiro disco independente e sódepois a gravadora entrou, ela respeita muito a minha au-tenticidade, a minha história. A Warner não dá palpite emquestões artísticas, suas sugestões são mais relaciona-das ao planejamento de marketing, por exemplo, porquea gravadora tem um alcance que o independente nãotem, como rádio, distribuição. E nisso a gravadora ajudamuito, considero-a uma parceira.ED – Em seu segundo disco, A Coruja e o Coração, vocêfez uma música para sua filha Liz (“Na Varanda da Liz”,composta em parceria com Plínio Profeta e João Caval-canti). Sua segunda filha, Amora, também pode esperaruma música?Tiê – Pode, mas ainda não tem. Segundo filho já é maislargado (risos), segundo filho não tem música, não temroupa nova, é tudo emprestado, não tem nada...ED – Essa música poderia vir em um terceiro disco...Tiê – Não sei se o terceiro disco será lançado este ano,mas com certeza será feito este ano. A pequenininha(Amora) me inspira muito. Eu brinco que é largado, masé só porque já estou caminhando de outro jeito. Não éo mesmo desespero de mãe de primeira viagem, que,quando o filho chora, já fica se descabelando. Quando oterceiro disco estiver na estrada, minhas duas filhas esta-rão junto, com certeza.TiêMúsicaTiê durante show no SESC São Carlos
  44. 44. 44 | Estilo Damha Junho | Julho 2013TiêMúsicaED – Em geral, depois que nos tornarmos mães, ficamosmais cuidadosas, em vários aspectos. Isso aconteceucom você e de que forma influenciou sua carreira?Tiê – Acho que fiquei um pouco mais medrosa, mais aler-ta. E eu relaciono isso com a maternidade recente. Claroque as contas aumentam; você faz filhos e as contas vãodobrando. Então, existe a preocupação de as coisas da-rem certo, a certeza de que não é só um hobby, mas aminha carreira. Terminamos o ano passado com o pé di-reito, fazendo a festa da virada na Avenida Paulista para2 milhões de pessoas, foi superespecial. A Amora esta-va então com dez dias e me trouxe este presente, poisdizem que filho traz presente. E este ano está cheio deshows, mesmo com um disco que já não é tão novo. Coma carreira não estou preocupada.ED – Em uma entrevista em 2009, você disse que fechouo Café Brechó porque queria viver de sua voz, “a qual-quer custo”. Quase quatro anos depois, você se arrepen-deu?Tiê – De jeito nenhum, foi a melhor escolha que fiz! É cla-ro que tem mês que é melhor, tem mês que é pior, comoqualquer outra profissão, mas pelo menos eu faço o quegosto, graças a Deus consigo viver disso. Fiquei seis me-ses “com fome” (risos), mas deu certo.ED – O que você considera que seja a sua marca re-gistrada?Tiê – Acho que, para quem escuta, a voz doce talvezseja uma forma de me reconhecer. Já o show tem umacoisa mais engraçada, faço muita piada. Às vezes façopiada que ninguém entende, mas faço mesmo assim,e isso gera uma certa loucurinha, pois as pessoas meolham como quem está pensando: “Do que ela está fa-lando?” (risos). Mas acho que o que mais me identificaé o timbre da voz.ED – A música brasileira é movida a modismos. Vocêacredita que o momento atual da música brasileira é pro-pício para você?Tiê – Acho que deu certo porque não pensei nisso. Quan-do fiz o Sweet Jardim, eu realmente fiz um disco pra mim,um disco intimista em que cantava as minhas histórias, fizcomo se estivesse gravando em minha casa. Enquantopensava em sucesso, em qual música iria funcionar, aminha carreira não deslanchava. Quando eu desapegueide tudo e resolvi fazer um disco pra mim foi que deu cer-to; foi essa sinceridade que funcionou.ED – Você parece ser uma pessoa que tem uma conexãoespecial com a natureza (seu nome, o nome das filhas,as músicas), como você exercita isso morando em umacidade como São Paulo?Tiê – Em minha casa tem um jardim bem especial. Euaté brinco que, como o meu primeiro disco se chamouSweet Jardim, eu mudei de casa e ganhei um ‘jardin-zão’. Eu falei, então, que meu segundo disco deveriase chamar Meu Primeiro Milhão, mas, como não fiz, o“milhão” não rolou (risos). Estou até pensando no ter-ceiro disco, como é que vai se chamar... Mas, graças aDeus, tenho uma casa muito boa onde posso exercitarmeu lado natureza.
  45. 45. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 45FrejatEntrevistaMúsica
  46. 46. 46 | Estilo Damha Junho | Julho 2013etapa inaugural da Taça Ricardo Rossi, váli-da para o ranking do Damha Golf Club 2013,também levou grandes marcas ao Damha GolfClub, em São Carlos (SP). Além de disputar umtorneio num dos melhores campos do país, osgolfistas puderam conhecer de perto verdadeiras máqui-nas da Aston Martin e da Jaguar, que estiveram à disposi-ção para test drives. Os automóveis ficaram expostos nosábado, dia do torneio, e também no domingo, para quemais sócios e visitantes pudessem conhecer os produtos.Outra novidade foi a realização da 1ª Feijoada noDamh­a Golf Club, preparada pelo Restaurante Tulha, quemarcou o encerramento do torneio, acompanhada do somao vivo de bateria de escola de samba.A 6ª Taça Ricardo Rossi de Golfe será compostapor outras cinco etapas, cujas datas já se encontramno calendário publicado no site do Damha Golf Club(www.dgc.co­m.br) e ainda estão sujeitas a confirma-ção. As inscrições estão abertas a sócios do Damha e avisitantes. Informações podem ser obtidas na secretaria.Os campeões de cada categoria do circuito serãoanunciados e premiados na festa de final de ano doDamha Golf Club, quando receberão a cobiçada TaçaRicardo Rossi 2012. O campeão gross da primeira eta-pa foi Rogério Cardoso, do Damha, e os melhores netforam Jorge Fernandes e Marcelo Rossini (visitante).Eduardo Junqueira Meirelles fez um hole in one no bu-raco 11 do campo.O nome da competição homenageia Ricardo Rossi,um dos maiores golfistas do Brasil de todos os tempos,responsável pelo design do Damha Golf Club, considera-do o quarto melhor campo de golfe do país pela ediçãoamericana da revista Golf Digest, a mais importante doesporte no mundo.ANovidades do Damha Golf ClubGolfNewsGolfistas e visitantes do Damha Golf Club puderam dirigir verdadeiras máquinasGolfe com Jaguare Aston MartinPrimeira etapa da Taça Ricardo Rossi oferece test drives,feijoada e muita competição aos golfistasFoto Divulgação
  47. 47. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 47Novidades do Damha Golf ClubGolfNewsDamha Golf Club tem atraído cada vez maisgrandes marcas, interessadas em expor seusprodutos ou serviços para o público do interiorpaulista. Prova disso é a recente realização dedois grandes eventos no clube: o ChevroletGolf Cup 2013 e o Nespresso Trophy Brasil.“Esse é o terceiro ano seguido que recebemos a Che-vrolet Golf Cup e o segundo ano que realizamos o tor-neio da Nespresso, o que demonstra a força do mercadoconsumidor do interior paulista”, diz Carlos Gonzalez,presidente do Damha Golf Club. “São duas marcas muitofortes, que acreditam no golfe para chegar a um públicoformador de opinião”, completa.O Chevrolet Golf Cup selecionou no Damha um timepara participar da final nacional do circuito, que aconte-cerá no Clube de Campo de São Paulo. O time campeãofoi o formado por Daniel Simione, Célia Moraes Correa,Henrique Fruet e Walter Gagliardi, com 40 net. Além dostroféus e da vaga na final nacional do circuito no Clubede Campo de São Paulo, os campeões ganharam tam-bém uma taqueira com o logo da Chevrolet.As duplas formadas por Antonio Arruda/Heitor Portoe Ronaldo Mardegan/Daniel Maganini foram as vence-doras da etapa Damha Golf Club da segunda ediçãoda Nespresso Trophy Brasil, que aconteceu no clube nofinal de abril.O Nespresso Trophy Brasil envolve 13 clubes de golfede cinco diferentes estados e conta com o patrocínio daLexus e do grupo de shoppings Iguatemi e o apoio dasÁguas Perrier, Whisky Glenmorangie e TaylorMade Adi-das Golf. A final nacional é em 20 de setembro, no SãoFernando Golf Club, onde as 38 duplas finalistas concor-rem a uma viagem para a Espanha, para jogar golfe como lendário José María Olazábal.ODamha Golf Club atraieventos de grandes empresasHeitor Porto e Antonio Arruda, campeões da Nespresso Os vencedores da Chevrolet Golf Cup no DamhaMarcas consagradas descobrem o potencial do interior paulistaFotos Divulgação
  48. 48. 48 | Estilo Damha Junho | Julho 2013O que acontece na DamhaDamhaNewsDAMHA URBANIZADORA LANÇASEU PRIMEIRO EMPREENDIMENTOEM FEIRA DE SANTANA (BA)RESIDENCIAL DAMHAEM CAMPOS DOSGOYTACAZES (RJ) RECEBECERTIFICAÇÃO AQUADAMHA NA FEIJOADANOITE E DIAA chegada da Damha Urbanizadora a Fei-ra de Santana (BA) foi um sucesso absoluto.O Village Damha I, primeiro empreendimentoda empresa no estado da Bahia, tem 610 lotesresidenciais com dimensões entre 302 e 506m², em uma área total de 210 mil m², além delote destinado à parte comercial de 15,9 mil m²e espaços reservados exclusivamente à áreaverde e de lazer da ordem de 70 mil m², tota-lizando um investimento de aproximadamenteR$ 48 milhões. O residencial é o segundo, dos12 novos empreendimentos previstos para se-rem lançados em todo o país em 2013. Entreeles está o projeto do Village Damha II, tam-bém em Feira de Santana.O Residencial Damha I, em Campos dos Goytacazes,é o primeiro residencial horizontal fechado no Estado doRio de Janeiro a receber o selo, que atesta a adoção demedidas sustentáveis, concedido pela Fundação Vanzo-lini. Com previsão de lançamento em breve, o Damha Ié o terceiro empreendimento da Damha Urbanizadora areceber tal reconhecimento.Cerca de 1.200 pessoas, enquanto apreciavamuma gostosa feijoada, puderam conhecer melhor aDamha Urbanizadora, recém-chegada a Feira deSantana. Na entrada, todos os convidados foramagraciados com um kit especial que imediatamentefez sucesso entre os presentes. O evento, ocorridono início de abril, foi animado por diversas bandase teve como atração principal o cantor Luiz Caldas.FotosDivulgação
  49. 49. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 49PARQUE ECOESPORTIVO DAMHARECEBE O GPEXTREME BRASILO que acontece na DamhaDamhaNewsVITOR GUARALDOÉ DESTAQUE EMTORNEIOSA 3ª edição do GP Extreme Brasil movimentou o ParqueEco Esportivo Damha, em São Carlos (SP), nos dias 6 e7 de abril. Mais de 1.000 atletas participaram do evento,que é uma das provas mais desafiadoras do calendárionacional. Foi o cenário ideal para a competição, já queconta, além da estrutura adequada de subidas, retas ve-lozes e trechos técnicos, com um aparato completo paraa prática de esportes.O nadador Vitor Guaraldo dos Santos, patrocinado pelaDamha Urbanizadora, foi um dos destaques da equipebrasileira que venceu o Campeonato Sul-Americano Ju-venil de Natação. Convocado para a Seleção Brasileirapor conta dos bons resultados obtidos em 2012, o atletaconquistou o bicampeonato nos 100 metros nado costase obteve a sexta colocação nos 200 metros. Dia 22 deabril, competindo pela primeira vez no Troféu Maria Lenk,no Rio de Janeiro, Vitor foi o melhor atleta da categoriaJúnior I, alcançando o 7º lugar. Assim, confirmou o índicepara participar do Mundial Júnior de Natação, em Dubai.ASSEMBLEIA OFICIALIZAENTREGA DO DAMHA II,EM UBERABA (MG)Foi realizada, em 18 de abril, a assembleia de entrega do em-preendimento Damha II, em Uberaba (MG). A ação formalizoua transferência da gestão administrativa do residencial para aAssociação dos Moradores, agora responsável por todas asdecisões gerenciais do condomínio. O evento, que serviu paraeleger os membros da Associação, contou com a participaçãodos proprietários dos lotes. Para celebrar a ocasião, foi ofereci-do aos participantes um coquetel no Centro de Convívio.FotosDivulgação
  50. 50. 50 | Estilo Damha Junho | Julho 2013DAMHA URBANIZADORAINVESTE R$ 5 MILHÕESEM VIAS DE ACESSOREINALDO COLUCCICONQUISTA VITÓRIANO TROFÉU BRASILSUCESSO TOTAL NO LANÇAMENTODO RESIDENCIAL DAMHA IV,EM CAMPO GRANDE (MS)Uma parceria entre a Damha Urbanizadora e o poderpúblico deu início, em maio, às obras de pavimentação daAv. Fernando Pinto de Queiroz, no Bairro SIM, em Feira deSantana. O projeto inclui melhoria da via de 1,1 km de ex-tensão, com a duplicação de parte da Av. Noide Cerquei-ra e a construção de uma interligação entre as avenidasNoide Cerqueira e Artêmia Pires. Está prevista, também, afutura execução de uma segunda obra na região, já apro-vada pela prefeitura. A ação beneficiará toda a populaçãolocal e nela a Damha investirá um total de R$ 5 milhões. Aprevisão é que a obra iniciada seja concluída antes da en-trega das obras do Residencial Village I Feira de Santana.O lançamento do Residen-cial Damha IV, em CampoGrande (MS), no dia 21 demarço, foi um sucesso absolu-to. Todos os 340 lotes disponí-veis foram comercializados noprimeiro dia. O quinto empre-endimento da urbanizadorana capital sul-mato-grossensepossui uma área total de 330mil m², resultado de um inves-timento na ordem de R$ 30 mi-lhões. Além dos residenciaisDamha I, II, III e IV, a urbaniza-dora conta com outro produ-to na região: o Villas Damha,condomínio de casas prontas.O Troféu Brasil de Triathlon aconteceu em 12 de maio,Dia das Mães. Numa disputa acirrada do começo ao fim,Reinaldo superou todos os seus limites e disputou a vitó-ria milímetro a milímetro. O atleta, patrocinado pela Da-mha Urbanizadora, terminou o desafio em primeiro lugar,com 3 segundos de vantagem sobre Santiago Ascenço,segundo colocado, e dedicou a conquista à sua mãe,Vera. “Confesso que por um momento pensei que nãoseria possível vencer o Santiago, mas, mesmo assim,continuei forçando e dando meu melhor até o final, o quefoi recompensado com a minha vitória, e isso me mostroumais uma vez que não devemos nunca desistir dentro deuma competição!”, disse ele após a prova.O que acontece na DamhaDamhaNewsFotosDivulgação
  51. 51. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 51O que acontece na DamhaDamhaNews
  52. 52. 52 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Dona OnçaGastronomiaOs Sabores da Onçaa pauliceia saboreia a combinação da comida brasileira com tempero caipiraTexto: Décio JuniorFotos: Mauro HolandaDelícia fácil de preparar em casa
  53. 53. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 53Dona OnçaGastronomiagastronomia paulistana impressiona pela qua-lidade e pela variedade. Na cidade que nãodorme, comida árabe tem. Chinesa, japonesae francesa também tem. Argentina, uruguaiae espanhola não falta. Isso sem falar da italia-na, da mexicana e, claro, da caipira. Sim, em São Paulo,no Bar da Dona Onça o chamariz é o tempero da roçapaulista, aquele bem do interior, que vem do embrião deSão José do Rio Pardo, cidade do aclamado chef Jeffer-son Rueda. Mas quem manda por essas bandas é DonaOnça, Janaina Rueda.Esposa de Jefferson, Janaina começou a carreira emcasa sem os palpites do marido, que só resolveu intervirquando ela decidiu montar um bar. “Quando falei isso, eleme disse: ‘então agora vem aqui que eu vou te ensinaralgumas coisas’, principalmente no preparo dos molhos,pois não uso nada industrializado”, conta.Aluna dedicada, Janaina já foi aclamada, recebeuprêmios e hoje comanda uma equipe de 21 pessoasque trabalha sob o olhar da Dona Onça. Mas, apesardo apelido carinhoso que ganhou do marido, Janainaé adorável, divertida, agradável, extremamente gentile, acima de tudo, mulher, que se divide para cuidar dacozinha, dos filhos e do marido.O Bar da Dona Onça completa cinco anos em 2013.No cardápio paulista, ou caipira, um dos destaquesé a famosa rabada, um dos pratos mais vendidos. Acouve-flor por lá é à milanesa. O arroz, mexidinho comfeijão. O feijão, tropeiro. A carne, moída. A couve, ser-vida com farinha.Janaina explica que o interior paulista, em alguns mo-mentos, se mistura com o mineiro, mas ela garante: “onosso tempero é paulista”, fazendo referência à região deRio PaRdo, assim mesmo, com o R bem foRte.Além dos pratos caipiras, o Bar da Dona Onça tambémoferece uma das melhores feijoadas da cidade, que aju-da a aquecer os sábados frios que já começam a dar ascaras pela capital paulista.Para saborear esses e outros pratos, vale a pena visi-tar o Bar da Dona Onça. E para ficar com água na boca,acompanhe a receita que ela presenteia os leitores daEstilo Damha.ANo comando com as mãos na massa (e nas carnes)
  54. 54. 54 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Dona OnçaGastronomiaÚTIL:Bar da Dona OnçaAv. Ipiranga, 200, RepúblicaSão Paulo, SP(11) 3129-7619INGREDIENTESPara o rosbife250 g de file mignon em formato de bastoneteSal a gostoPimenta do reino a gosto50 ml de azeitePara a salada1 batata cozida em cubinhos aquecida½ maçã verde cortada em brunoise¼ de salsão cortado em brunoise1 mandioquinha cozida, amassada e aquecida1 colher de sopa de maionese5 gotas de suco de limão1 colher de sopa de salsinha picadaSal a gostoROSBIFE CASEIRO COM SALADA DE BATATASMODO DE PREPARORosbifeEm uma frigideira bem quente coloque o azeite,doure o filé mignon por 3 minutos de um lado,vire por mais 3 minutos do outro. Retire e deixedescansar por 5 minutos.Salada de batatas mornasMisture todos os ingredientes em um bowl e re-serve. Fatie o rosbife em rodelas de 1 cm e sirvacom a salada de batatas.Requinte e com temperos simples de casa
  55. 55. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 55s cidades podem ser conhecidas e aprecia-das a partir de diversas perspectivas. Nature-za, monumentos históricos e aventuras são al-gumas delas. Aqui, porém, propomos um touralternativo. Embora os itens também enchamos olhos, é o estômago quem fica mais satisfeito.AGourmet Tour DamhaGastronomiaGOURMET TOUR DAMHAOs sabores das cidades onde a Damha está presenteTexto: Dirlene Ribeiro MartinsCaranguejo: o saboroso crustáceo que mereceu uma passarela com seu nomeFoto Filippe AraújoA ideia é conhecer alguns lugares a partir de um tour gas-tronômico e, para tal, escolhemos algumas cidades onde osempreendimentos Damha já estão presentes e na cidadeonde está localizada sua sede (São Paulo). As opções vãodesde deliciosos pratos típicos até despretensiosos lanchesque chamam a atenção por suas histórias e curiosidades.Nossa viagem começa por Aracaju (SE) e por umaiguaria que é tão apreciada no local que até ganhou umespaço em sua homenagem. Estamos falando da Passa-rela do Caranguejo e, é claro, do crustáceo que leva essenome. Os menos habituados talvez tenham dificuldadeAracaju/seem ultrapassar o obstáculo representado pela carapaçarígida do caranguejo, mas, ao provarem a carne branca,macia e salgadinha, verão que o esforço valeu a pena.Então, é bem capaz que se cansem de quebrar cascaspor não querer parar de comer o petisco.
  56. 56. 56 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Gourmet Tour DamhaGastronomiaSeguiremos agora até Campo Grande (MS) e, nova-mente, o prato contemplado é tão importante para a po-pulação que mereceu um monumento em frente ao Mer-cado Municipal e foi registrado pela prefeitura como oprimeiro bem imaterial do patrimônio histórico e culturalda cidade. Trata-se do sobá, iguaria feita com macarrãocozido, carne suína (ou bovina), ovos em tiras e ceboli-nha, acompanhados de um caldo quente cuja base é omolho de soja. Essa delícia que não deixa dúvida da in-fluência japonesa na cultura campo-grandense pode serencontrada na Feira Central de Campo Grande.Já em São Paulo, o destino é o interior do estado, paraexperimentar uma lenda, as famosas “Pamonhas, pamo-nhas, pamonhas; pamonhas de Piracicaba”, que ficaramconhecidas não só pelo jingle gravado na década de1960, mas principalmente porque eram diferentes das fa-bricadas em Minas Gerais. “O puro creme de milho” nãolevava leite e era adoçado com açúcar cristal, além de aembalagem usada ser a própria palha do milho. Atual­mente, porém, é difícil encontrar a iguaria fora da Festado Milho Verde, que acontece sempre em março em Tan-quinho, distrito de Piracicaba. Mas esse lapso, segundoa direção do Centro Rural de Tanquinho, está com os diascontados, pois em breve uma fábrica se encarregará defornecer pamonha o ano todo, e com o tradicional sabor.Sobá: influência japonesa na culinária de Campo GrandeBanca do Edson: difícil escolher um sóFoto: DivulgaçãoFoto: Jorge AlmoasO puro creme de milhoJá em Uberaba (MG), fica difícil escolher um únicoproduto. Doces, queijos, temperos, são muitas as op-ções. Na dúvida, o melhor é passar no Mercado Muni-cipal, uma construção em forma de octógono que ficana Praça Manoel Terra, e levar um pouco de cada coisapara se deleitar. Se estiver com um bocadinho de pres-sa e quiser pegar tudo num lugar só, a Banca do Edsoné uma boa pedida.Foto: DivulgaçãoPiracicaba/spUberaba/mgCampoGrande/ms
  57. 57. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 57Em seguida, a parada é em Bueno de Andrada, paraprovar o salgado que, em 2001, mereceu uma crônica doararaquarense Ignácio de Loyola Brandão. As coxinhasdouradas, do Bar e Mercearia Freitas, comandado pelosimpático casal Paulo e Sônia Freitas, transformaram opacato distrito de Araraquara (SP) em um ponto turísticoda região. O segredo, segundo Ignácio de Loyola, estána “massa de batata crocante, recheio generoso, frangodesfiado em quantidade, bem temperado”. E algumascoisas mudaram desde a primeira visita do cronista aolugar. Agora, para quem não quiser se ater ao salgadotradicional, há outras dez opções de coxinhas, que vãodesde a de camarão até a de brócolis.Já em São Carlos (SP), a opção é pelo lanche, tãoapreciado pelos milhares de estudantes que lotam repú-blicas e lanchonetes da cidade. E, óbvio, para matar afome dessa gurizada, quanto maior, melhor. Nesse que-sito, o Trem Bão já detém um recorde, o de ter produzi-do o maior sanduíche comercializado do mundo, o TremGodzilla, que, entre outros ingredientes, leva 26 kg depresunto e queijo, 100 hambúrgueres, 60 ovos, 7 kg decalabresa e 6 kg de cebola. E agora, segundo Ronei Pilla,um dos sócios da empresa, a próxima meta é entrar parao Guinness Book com o maior sanduíche do planeta, ul-trapassando o lanche de quase uma tonelada produzidopor uma lanchonete americana.Gourmet Tour DamhaGastronomiaÚTIL:Feira CentralRua 14 de Julho, 3351Campo Grande (MS)Quartas e sextas-feiras,a partir das 17 h, e aossábados, a partir das 10 hBanca do EdsonMercado Municipal de Uberaba,Box 19/20, (34) 3333-2262Pça Manoel Terra, s/n,Uberaba (MG)Segunda a sábado, das 6 h às18 h, domingo, 6 h às 12 hCoxinhas douradas: só um cronista consegue descreverTrem Bão: o lanche de dois andaresCentro Rural de TanquinhoRua Américo Faganello, s/n(19) 3431-1266Distrito de TanquinhoPiracicaba (SP)Finais de semanaBar e Mercearia FreitasAv. Nilo Rodrigues da Silva, 15(16) 3335-4176Distrito de Bueno de AndradaAraraquara, SPTerça a domingo, das 19 hàs 22 hPassarela do CaranguejoOrla da Praia de Atalaia,Aracaju (SE)Trem Bão Burger & Grill(Trembão USP)Rua Carlos de Camargo Salles,500, Jd. Lutfalla, São Carlos (SP)(16) 3501-4633Domingo a quinta, das 18 hàs 2 h, de sexta e sábado,das 18 h às 6 hFoto: Dirlene Ribeiro MartinsFoto: Dirlene Ribeiro MartinsAraraquara/spSãoCarlos/sp
  58. 58. 58 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Gourmet Tour DamhaGastronomiaa capital paulistana tudo é superlativo. É a ci-dade dos grandes números, das misturas, detudo um pouco ou muito de tudo. São Pauloé um verdadeiro mosaico de culturas que sereflete diretamente em sua identidade e, óbvio,em sua cozinha. Afinal, estamos falando de um dos maio-res centros gastronômicos do mundo.São 52 nacionalidades e regionalidades que podemser observadas nos temperos e influências dos pratos. Ésó pensar em determinada culinária que São Paulo tem.Seja turista ou morador, sempre há algum prato que agra-de e que caiba no bolso.Como seria difícil escolher um único prato que repre-sentasse a capital paulistana, optamos por algumas igua-rias que inspiraram histórias curiosas ou que caíram nogosto popular.Nsão paulo paratodos os gostosPratos que, além de deliciosos, têm muita história para contarTexto e fotos: Dirlene Ribeiro MartinsBisteca do Sujinho: porções generosas e suculentas
  59. 59. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 59Gourmet Tour DamhaGastronomiaÉ o caso da bisteca bovina do Sujinho, bar cuja históriae tradição estão ligadas à boemia paulistana. Hoje, sãocinco casas da rede, mas a primeira delas, que nasceuna Rua da Consolação, 2078, esquina com a Rua Ma-ceió, é a mais conhecida. Quando abriu as portas, lá peladécada de 1920, funcionava como um misto de boteco earmazém, mas logo começou a fazer sucesso pela biste-ca de boi, preparada em brasa de carvão e servida emporções generosas.O nome Sujinho foi dado pelos próprios clientes e, oque poderia ser um antimarketing, funcionou bem e foiassumido pelos proprietários. Porém, a maior propagan-da da casa foi feita pelo ex-presidente Lula, em 1994.Quando saía de uma churrascaria em Nova York, recla-mou do filé de 60 dólares que havia comido e disse: “Abisteca do Sujinho é muito melhor”.Já no Bar e Lanches Estadão, boteco 24 horas que éum ícone da cidade, a dica é experimentar o suculentolanche de pernil, o item mais pedido do cardápio. Por dia,são consumidas 30 peças de pernil, que na versão tradi-cional vem acompanhado de cebola, tomate e pimentão,tudo envolvido pelo pão francês.O “pernil do Estadão”, como é mais conhecido, é umareferência ao jornal O Estado de S. Paulo, que ficava aolado do bar nos anos 1970 e lotava o balcão com seusjornalistas esfomeados. Hoje, mesmo de madrugada, olocal fica cheio de motoristas de táxi, policiais e boêmiosem geral.Ainda no quesito lanche, vale a pena experimentar obauru do Ponto Chic, bar inaugurado no Largo do Paissan-du, em 1922, em plena efervescência da Semana de ArteModerna. O sanduíche famoso só surgiria anos depois,quando o bar recebeu a visita de Casimiro Pinto Neto,que era conhecido na Faculdade de Direito da USP, noLargo de São Francisco, pelo apelido de “Bauru”. Ele erafrequentador do Ponto Chic e, em uma noite de 1936, atra-sado para uma partida de sinuca, pediu a um funcionáriodo local para montar o famoso lanche pela primeira vez.Ainda hoje, quem frequenta alguma das quatro lojas darede, três na capital e uma em Ribeirão Preto, e pede umbauru, recebe abundante recheio de rosbife mais umamistura de quatro tipos de queijo derretidos em banho-maria, fatias de tomate e pepino acomodados em um pãofrancês sem miolo. Depois dessa descrição é fácil en-tender por que muitos paulistanos esbravejam ao verem,em algum cardápio, um bauru montado com presunto,queijo, tomate e orégano.Yakissoba da Feirinha da Liberdade:vale a pena enfrentar a filaBauru do Ponto Chic:quatro tipos de queijo derretidos em banho-mariaPernil do Estadão:o preferido dos jornalistas esfomeados
  60. 60. 60 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Gourmet Tour DamhaGastronomiaQuem não se incomoda em comer em pé, encostadoem muros ou até sentado na escadaria do metrô, tem noyakissoba da Feirinha da Liberdade, que acontece napraça e bairro de mesmo nome, uma boa opção. A fila éenorme, mas a eficiência dos atendentes faz com que elaande bem rápido. Além disso, a primeira garfada (paraquem não tem intimidade com o hashi) leva embora qual-quer incômodo. O preço também é convidativo (o marmi-tex pequeno R$ 12,00 e o grande, R$ 14,00), e o fato deficar bem próximo ao metrô ajuda na locomoção.E já que se está por lá, é uma boa ideia aproveitar paraconhecer as outras barracas, tomar um suco natural (ode goiaba é muito bom!) ou um saquê (cerveja tambémtem, é claro) e fechar o almoço com um doce de feijão,chamado azuki, uma das sobremesas preferidas porquem frequenta a Feira.Por fim, mas não menos famoso, temos o sanduíche demortadela do Mercadão. O lugar escolhido para apreciara iguaria é o Bar do Mané, que está ali desde a inaugura-ção do Mercado Municipal Paulistano, em 1933, e é res-ponsável por criar, na década de 1970, o lanche que atraimilhões de pessoas todos os anos. Quem pede o lanchese depara com nada menos do que 250 g de mortadela,então, não é por acaso que o lema no Bar é “aqui, o quetem menos é o pão”.Ainda no Mercadão, é divertido parar nas barracas(são 275 boxes ao todo) e observar bem os produtos, tirardúvidas, conhecer novos ingredientes e, claro, degustar.Mas é bom estar preparado para encontrar muita genteque teve a mesma ideia. Diariamente, circulam por lá de11.000 a 25 000 pessoas.ÚTIL:Restaurante SujinhoRua da Consolação, 2078(11) 3231-5207Todos os dias, das 12 h às5 da madrugadaBar e Lanches EstadãoViaduto 9 de Julho, 193, Centro(11) 3257-7121Atendimento 24 horasPonto ChicLargo do Paissandu, 27,República, (11) 3222-6528Seg. a sábado, das 10 h às 22 hFeira de Arte, Artesanatoe Cultura da LiberdadePraça da Liberdade, s/n,Liberdade, (11) 3208-5090Sábado, das 9 h às 18h,domingo, das 9 às 19 hBar do ManéMercado Municipal Paulistano,Rua da Cantareira, 306, E-14,(11) 3228-2141Todos os dias, das 4 h às 17Sanduíche de mortadela do Mercadão: o que tem menos é o pão
  61. 61. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 61Eduardo AmuriColunaEconomiarandes fatos acontecem por conta da nossaimpulsividade. Namoros começam e termi-nam, carros são comprados, ofensas sãoditas. No geral, a impulsividade é tida comoalgo ruim. Mas e se pudéssemos tirar proveitodela para melhorar nossa vida financeira? E se pudésse-mos utilizar o impulso para criar bons hábitos?Se você optou por ler este texto (e se você já chegouaté aqui), é bem provável que tenha interesse, mesmoque mínimo, em melhorar sua relação com o dinheiro dealguma forma. Essa vontade existe agora, mas pode su-mir daqui algumas horas. Por isso, o melhor momentopara promover qualquer mudança é sempre o “agora”.Não existe força de vontade futura. O regime pensadono sábado com promessa de ser colocado em práticana segunda-feira tem grandes chances de nem começar.Nosso “eu do futuro” terá outras preocupações. Ele nemse lembrará da tal promessa.Trazendo para o viés financeiro, sobram opções.Quando você estiver analisando seu extrato e perce-ber que tem mais dinheiro do que imaginava que ti-nha, transfira essa sobra para a poupança, na hora.Aproveite o cenário favorável, você já está sentado nocomputador, seu internet banking já está aberto, a mo-bilização é pequena. Se o dinheiro fizer falta mais paraa frente, você resgata, mas, a princípio, separe.Geralmente, após lermos um texto que fala sobre or-ganização financeira estamos motivados a tomar algumaprovidência. Se o chamariz da vitrine nos faz comprar oque não planejamos, por que não utilizar a reflexão cau-sada por um texto para motivar uma ação que reconhe-cemos como benéfica?Outras ações menos diretas, mas igualmente eficien-tes, podem ser tomadas sempre que essa boa vontadesurgir. Não necessariamente conseguiremos reduzir gas-tos que já temos, mas podemos, com relativa facilidade,eliminar gatilhos de compra. São pequenos cenários esituações na nossa rotina que disfarçadamente nos im-pulsionam a gastar mais. Geralmente é um gasto bobo,com algo que não agrega tanto assim, que não nos faráfalta. Podemos cancelar a assinatura de uma newsletterque nos envia ofertas de coisas que não precisamos todosanto dia, por exemplo, ou podemos finalmente tomar co-ragem para ligar para a operadora de celular e optar porum plano mais simples, que já atende ao que necessi-tamos. O mesmo vale para planos de TV por assinatura.Muitas vezes, o que precisa ser feito já está bem claro,falta só deixar a preguiça de lado e agir. Mais do quegrandes sacadas e teorias econômicas, o que compõeuma vida financeira próspera são as pequenas ações.GA IMPULSIVIDADEPOSITIVAO melhor momento parapromover qualquer mudançaé sempre o “agora”Foto:DivulgaçãoEduardo Amuri - Formado em psicologia econômica, escreve sobre finanças e comportamento também noPapodeHomem (papodehomem.com.br) e no Dinheirama (dinheirama.com).
  62. 62. 62 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Foto:DivulgaçãoMárcio MoreiraColunaGastronomiaMarcio Moreira – O chef Marcio Moreira, do alto dos seus 20 anos da área da gastronomia, detém vastaexperiênca acumulada no mundo dos sabores e é essa bagagem que lhe permite hoje prestar serviços pelaempresa 2M Soluções Gastronômicas para restaurantes e rede hoteleira, ministrando palestras e oficinas emboa parte do país. O chef destacou-se durante 7 anos como coordenador e chef de cozinha da culinária doprograma Mais Você da Rede Globo, pela sua capacidade de criar pratos com sabores do nosso Brasil.ecidi inspirar minha primeira coluna na EstiloDamha com um tema que está diretamente re-lacionado às nossas vidas, afinal, quem podedizer que nunca acordou de mau humor ouperdeu a paciência com alguma coisa e aca-bou tendo um dia “daqueles”?Poucas pessoas sabem, mas alguns alimentos têm opoder mágico de melhorar o humor e nos deixar maisalegres. Se para você o simples fato de se preparar parauma boa refeição já é suficiente para abrir um sorriso,imagine poder escolher alimentos que mudam a químicado cérebro e melhoram o humor.Alguém lhe disse, por exemplo, que alimentos verdesajudam a combater a tristeza e que, para superar essa“fase ruim”, você pode estar precisando de um bomprato de espinafre? A deficiência no consumo de ácidofólico (presente principalmente em folhas verdes e legu-minosas) leva a variações no humor que podem chegar àdepressão. Além disso, para manter o ânimo, controlar aansiedade e ativar os neurotransmissores reguladores dohumor é necessária uma boa dose de ômega 3 e selênio,encontrados nas nozes, castanhas e peixes, enquanto ozinco, presente nos frutos do mar, arroz, bananas e laran-jas, pode contribuir para o bom humor porque sua açãoestimula as células nervosas.O triptofano está relacionado ao controle do sono, doânimo e do bem-estar. Se você não passa um dia sem umpedacinho de chocolate (que contém doses generosasdo aminoácido) sabe do que estou falando. Felizmente,pode ser encontrado também em outros alimentos deli-ciosos e menos calóricos, como queijo cottage, tofu, fei-jão e grão-de-bico.Café da manhã é um item indispensável para repor osaçúcares consumidos durante o sono, controlando o mauhumor e a ansiedade, mas ranzinzas crônicos precisamtambém colocar em dia as doses de vitamina B, neces-sárias para aproveitar os carboidratos na condução dosimpulsos nervosos e controle da depressão. É precisotambém investir no consumo de minerais presentes emsementes e castanhas oleaginosas.Para completar, que tal consumir alguns minerais? Assementes de abóbora torradas, por exemplo, são umaforma de combater a vontade de sair por aí quebrandotudo, uma vez que são ricas em magnésio e potássio,elementos básicos essenciais para o aproveitamento daenergia e para manter a fadiga bem longe. Esses ele-mentos também são encontrados em outras sementes eem castanhas oleaginosas em geral – de quebra, são ri-cas em cobre, que funciona como “combustível celular”.Se o melhor a fazer é aproveitar a fome para saciar-see recuperar o bom humor, eu não ia deixar você assim,sem uma ótima receita, fácil e prática, para recarregaras energias.Aprecie a felicidade sem moderação. Bom apetite!DALIMENTEO BOM HUMORAlguns alimentos têm o podermágico de nos deixar mais alegres
  63. 63. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 63Márcio MoreiraColunaGastronomiaINGREDIENTESPeixe2 lombos (250 g cada) de badejo,cherne ou namorado com peleSal e pimenta do reino branca a gostoAzeitePesto170 g de azeitonas pretas sem caroço1 dente de alho pequeno50 g de castanhas-do-pará tostadas50 g de parmesão50 g de mostarda dijon em grãos100 ml de azeiteSal e pimenta a gostoDica do Chef: BADEJO ALEGRIAMODO DE PREPARORefogado de Acelga1 colher (sobremesa) de manteiga1 colher (sopa) de cebola picadinha1 dente de alho picadinho½ xícara (chá) de lentilha cozida“al dente” em água e sal150 g de acelga cortada em partes80 g de tomate cereja cortado ao meio20 ml de caldo de frango50 g de castanha de caju trituradaFolhas de hortelã picadasSal e pimenta do reinoPeixeTempere o peixe com sal e pimenta do reino egrelhe por 3 minutos de cada lado com poucoazeite em frigideira antiaderente. Mantenha noforno aquecido a 180ºC por 5 minutos.Refogado de AcelgaNuma frigideira em fogo médio coloque a man-teiga e refogue a cebola e o alho, junte a lenti-lha, a acelga e o tomate. Cozinhe até murchar.Acrescente o caldo de frango. Polvilhe as fo-lhas de hortelã picadas e a castanha de caju etempere com sal e pimenta do reino.PestoBata todos os ingredientes no liquidificador.Mantenha na geladeira.MontagemNum prato fundo coloque o refogado e, porcima, o lombo do peixe grelhado. Faça umaquenelle com o pesto e disponha sobre o peixe.Sirva imediatamente. Rende 2 porções.Foto:Divulgação
  64. 64. 64 | Estilo Damha Junho | Julho 2013Férias x FilhosEspecialFériasEnvolver os filhos no planejamentodas férias é uma boa ideiaTexto: Dirlene Ribeiro MartinsFotos: DivulgaçãoFÉRIASESCOLARES:ÉPOCA DE TENTARCOISAS NOVASs férias de julho estão chegando e, para mui-tas famílias, principalmente aquelas em quehá crianças pequenas, pode ser uma épocade problemas na rotina familiar. Os pais ficamdivididos entre os compromissos de trabalho esociais e os desejos dos filhos de aproveitarem ao máxi-mo os dias sem aula.Para crianças e jovens é uma delícia poder acordar maistarde, sem se preocupar com horários ou tarefas, e ficarmais tempo em frente ao computador ou à TV, por exem-plo. Aliás, nos primeiros dias de recesso escolar, é justa-mente aos eletrônicos que eles recorrem. Mas, por incrívelque pareça, até isso cansa. E é nesse momento que po-dem surgir conflitos entre o que os filhos desejam fazer e oque os pais querem deixar ou podem acompanhar.Embora alguns filhos não se importem, ou até dese-jem, ficar em casa, com ou sem a presença de um adulto,para alguns pais isso é motivo de preocupação. Então,existem as opções tradicionais: os acampamentos, asférias na casa de outros parentes, os cursos de “férias”.A
  65. 65. Junho | Julho 2013 Estilo Damha | 65FilhosEspecialFériasA cirurgiã dentista Daniela Nussbaumer, de CampoGrande (MS), acredita que a mudança na rotina duran-te o recesso escolar tem suas vantagens, pois os paistambém tiram “férias” do vaivém de uma aula para outrados filhos. Ela e o marido, o engenheiro Filinto, gostariamde poder compartilhar o mesmo período de férias dos fi-lhos, mas, como não é possível, conciliam atividades quepodem realizar nos finais de semana juntos e também in-centivam o convívio com os avós.Aliás, a visita aos avós, que moram no Rio Grande doSul, é a primeira e obrigatória etapa de todas as férias.“Na casa de veraneio dos avós, a criançada se divertecom banho de rio, piscina, caiaques, pedalinhos, lan-chas, caminhadas ecológicas, pescarias”, conta Danie-la. A criançada, no caso, sãos os filhos Henrique, de 12anos, e Valentina, de 8 anos.Daniela reconhece que os ajustes na casa recém-inau-gurada no Residencial Damha II, em Campo Grande, eo fato de ela e um grupo de amigos terem assumido adiretoria da associação de moradores não têm permiti-do viagens muito longas, mas isso não representa umproblema, porque a família apela para a criatividade.“Sempre que possível, realizamos viagens curtas, definais de semana, aos principais paraísos da região,como ao Pantanal do Mato Grosso do Sul, à FazendaSão José, onde meus filhos entram em contato cons-tante com a natureza e aprendem a cuidar do seu pa-trimônio”, diz.Mudança na rotinaDaniela Nussbaumer em pescaria com os filhos e parentes
  66. 66. 66 | Estilo Damha Junho | Julho 2013FilhosEspecialFériasPara a cirurgiã dentista, um prazer especial é poderjuntar amigos, tios e avós para pescarias que duram odia inteiro: “A visão dos cardumes é maravilhosa e a sen-sação das crianças ao fisgarem um peixe grande é in-descritível!”. Além disso, como o residencial proporcionavárias opções de lazer e o casal gosta de casa cheia,incentivam os filhos a chamarem os amigos. “As fériastambém clamam por um cineminha com pipoca, uma far-ra na piscina e pizza com a galera da escola. Festa dopijama, então, é toda a semana!”, conta.Já a psicóloga Daniela Lacerda, mãe de Pedro, de 7anos, e de Helena, de 2 anos, procura, junto como mari-do, Anderson, se organizar para passarem pelo menos 20dias fora de casa durante as férias das crianças, indepen-dentemente de ser uma viagem longe ou perto de ondemoram, Campinas (SP). “Acreditamos que mudar a rotinadurante pelo menos 20 dias por ano, organizar a rotina deoutra forma, ir a outros lugares, nos faz conseguir avaliaro que estamos fazendo, nos dá a possibilidade de mudarou continuar aquilo que nos faz bem”, explica.A prioridade do casal campineiro é que o entretenimen-to das crianças se dê fora de casa, seja com sol, chuva,frio ou calor, até para que os filhos possam reconhecercada época do ano por meio da natureza. “Descobrimosque brincar em parques, com coisas da natureza, é o quemais tranquiliza uma criança. Diferentemente dos meioseletrônicos, como TV, computador, videogames, que dei-xam as crianças mais agitadas”, diz a psicóloga.A psicóloga Daniela com o marido e os filhos no zoológico

×