Sistemas de águas interiores

8.298 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
108
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistemas de águas interiores

  1. 1. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darci Ribeiro Centro de Biociências e Biotecnologia Ecologia Geral Paulo Pedrosa     Bárbara Pitta Della Noce Dalvania Pinho Domingues Fralini dos Santos Marcilio Gisele Cordeiro Fernandes Lorrana Abud Licassali Milena Amendro Faria Níbia Moço Chagas Vinícius Ferreira Pinto
  2. 2. CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUAS INTERIORES
  3. 3. INTRODUÇÃO <ul><li>A convenção das nações unidas sobre o direito do mar, na parte II, secção I, artigo 8º, dispõe que “as águas situadas no interior da linha de base do mar territorial fazem parte das águas interiores do estado” </li></ul><ul><li>A caracterização de ecossistemas de águas interiores varia de acordo com sua localização no espaço, a composição química das rochas a sua volta, a urbanização, sua latitude no globo; e no tempo, as variações sazonais </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Os ambientes de água doce são divididos em sistemas lóticos e lênticos. </li></ul><ul><li>Os sistemas lóticos (água corrente) são representados pelos rios,nascentes,ribeiras e riachos; </li></ul><ul><li>Os sistemas lênticos (águas calmas) são representados por lagos,lagoas,charcos ou pântanos </li></ul>Lênticas X Lóticas
  5. 5. Gênese das águas interiores <ul><li>A partir da precipitação. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>É definida como águas não correntes paradas, mas que podem flutuar de acordo com a sazonalidade por exemplo. </li></ul>Águas Lênticas
  7. 7. Águas Lênticas <ul><li>- Nutrientes </li></ul><ul><li>Os nutrientes são elementos essenciais ao desenvolvimento da biota aquática e que podem, em excesso, provocar a eutrofização dos lagos e reservatórios . </li></ul><ul><li>Os principais nutrientes são: Fósforo, Nitrogênio, Carbono e Sílica. </li></ul>
  8. 8. Águas Lênticas <ul><li>- Eutrofização </li></ul><ul><li>Depois das enchentes catastróficas, do assoreamento pleno e do rompimento do dique, a eutrofização é o maior desastre ambiental que pode ocorrer num lago ou reservatório. O enriquecimento com Nutrientes (P, N, C e outros) das águas conduz a uma proliferação exagerada da flora aquática, ao ponto de prejudicar a fauna, obstruir condutos e impedir a navegação. </li></ul>
  9. 9. Lagos e Lagoas <ul><li>. </li></ul><ul><li>Os lagos são formados por grandes massas de água salgada ou doce ocupando depressão entre colinas, em crateras vulcânicas e outros locais assemelhados </li></ul><ul><li>Os lagos podem ser originados de diferentes maneiras: pelos movimentos da terra (lagos tectônicos), por formações vulcânicas (lagos vulcânicos), pelo deslocamento das geleiras (lagos glaciais) ou quando a água fica em uma zona de depressão e não vai diretamente para o mar. </li></ul>
  10. 10. Estrutura de um lago ZONA LITORAL ZONA LIMNÉTICA ZONA PROFUNDA
  11. 11. Características químicas da água <ul><li>Varia de acordo o espaço, composição mineralógica das rochas, relevo, presença antrópica, vegetação; o e tempo, com ciclos sazonais. </li></ul>
  12. 12. Eutrofização
  13. 13. ÁGUAS LÓTICAS <ul><li>DEFINIÇÃO; </li></ul><ul><li>GENESE; </li></ul><ul><li>CARACTERISTICAS GERAIS; </li></ul><ul><li>ESTRATIFICAÇÃO E DINÂMICA; </li></ul>
  14. 14. Definição <ul><li>Defini-se águas lóticas como águas interiores que se movimentam, águas correntes, dentre as diferenças de´lóticas para as lenticas podemos citar: </li></ul><ul><li>1. O movimento; </li></ul><ul><li>2. O contato terra-água; </li></ul><ul><li>3. O teor de oxigenio. </li></ul>
  15. 15. Gênese <ul><li>Os rios se originam a partir do conjunto de pequenos cursos de água que surge das nascentes e da precipitação que excede a evaporação e a água em excesso então se escoa sobre a superfície da terra. </li></ul>
  16. 16. zona montante e zona jusante
  17. 17. Bacia de drenagem
  18. 18. Estratificação dos rios <ul><li>Em geral os rios podem sofrer estratificação longitudinal. </li></ul><ul><li>Pode se escolher, como exemplo caraceristico, a distribuição de peixes nuns cursos de agua, pode se ter uma zonagem longitudinal dos invertebrados, tambem. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>A medida que se move corrente abaixo, a água é mais quente, flui mais lentamente e é mais rica em nutrientes, os ecossistemas são mais complexos e geralmente mais produtivos. </li></ul>Estratificação dos rios
  20. 20. Áreas de Rifles x Poças <ul><li>Rifles, onde a água corre rapidamente sobre um substrato rochoso e poças, onde as águas se movem mais lentamente. </li></ul><ul><li>A água é bem mais oxigenada nos rifles, enquanto em poças tende a se acumular silte e matéria orgânica. </li></ul>
  21. 21. Assim como nos ambientes lênticos, os sistemas lóticos vão ter sua características químicas fortemente influenciada pelo entorno.
  22. 22. Adaptações dos organismos ao habitat <ul><li>Ganchos e ventosas; </li></ul><ul><li>Superfícies ventrais pegajosas; </li></ul><ul><li>Corpos fusiformes; </li></ul><ul><li>Corpos achatados; </li></ul><ul><li>Fixação ao substrato. </li></ul>
  23. 23. Represas e açudes
  24. 24. Impactos ambientais negativos da construção de um açude <ul><li>1. Alterações climáticas (ciclo hidrológico); </li></ul><ul><li>2. Deslizamento de terra e tremores (peso das águas represadas e/ou </li></ul><ul><li>barragem); </li></ul><ul><li>3. Alterações em lençóis freáticos e umidade do solo e epidemiologia; </li></ul><ul><li>4. Aumento da sedimentação à montante em afluentes; </li></ul><ul><li>5. Inundação de áreas florestais ou agrícolas (com alteração das características </li></ul><ul><li>físico-químicas da água), com possibilidades maiores de eutrofização; </li></ul><ul><li>6. Inundações de reservas minerais desconhecidas e/ou locais de importância </li></ul><ul><li>histórica; </li></ul>
  25. 25. <ul><li>7. Alteração de condições reprodutivas de espécies aquáticas e da constituição </li></ul><ul><li>da ictiofauna; </li></ul><ul><li>8. Modificações nos habitats marginais; </li></ul><ul><li>9. Bloom de crescimento de macrófitas aquáticas, principalmente flutuantes; </li></ul><ul><li>10. Alteração da configuração do corpo d’água (cachoeiras, cavernas, rios, lagos, </li></ul><ul><li>corredeiras); </li></ul><ul><li>11. Deslocamento de populações estabelecidas em terras inundadas, que passam </li></ul><ul><li>a exercer pressão sobre os recursos naturais locais; </li></ul><ul><li>12. Alteração de condições antes sazonais, com eventual eliminação de espécies, </li></ul><ul><li>devido a alterações no enriquecimento de zonas potencialmente alagáveis </li></ul>
  26. 26. conclusões <ul><li>As características químicas dos sistemas de águas interiores são fortemente influenciados pelo ambiente a sua volta. Isso pode ser exemplificado pelo fenômenos que ocorre no encontro das águas do Rio Negro e do Rio Solimões. </li></ul>

×