Capnografia

12.775 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Esta apresentação é um original e a sua utilização ou cópia deverá ter a autorização expressa da autora.
    Pelo que se vir esta apresentação em ações realizadas pelo Conselho Português de Proteção Civil, ou pelas suas associadas ou ainda por um homem de nome joão paulo saraiva amaral da encarnação, deverá apresentar queixa publicamente à Humedic.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
12.775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
226
Comentários
1
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capnografia

  1. 1. Dalila Marcão – Dez. 2013
  2. 2. A capnografia é uma tecnologia que permite ter uma imagem gráfica e uma medida objetiva do estado ventilatório de um doente. Qualquer alteração na forma da onda na capnografia pode ser detetada perante uma alteração de: - Metabolismo - Perfusão sanguínea ou - Ventilação 
  3. 3.      Explicar a importância da capnografia Descrever o uso da capnografia Identificar as ondas mais comuns Entender como as alterações nas ondas e no valor numérico se relaciona com as alterações na ventilação, perfusão e/ou metabolismo do doente Interpretar e corrigir ondas que possam exibir um padrão diferente devido a circunstâncias internas ou externas
  4. 4.  A capnografia é o método mais rápido para um socorrista avaliar e identificar alterações na condição de um doente.  Permite detetar alterações do metabolismo, ventilação e perfusão do doente de uma forma mais rápida do que qualquer outro método de avaliação disponível atualmente
  5. 5.   O capnografo mede o dióxido de carbono (CO2) expirado, através do tubo endotraqueal (num doente intubado) ou através das vias aéras (boca ou nariz) num doente não intubado Permite aos socorristas monitorizar e vigiar o CO2 exalado do doente
  6. 6. É mais comum fazer capnografia em doentes intubados mas está provado que em doentes não intubados é igualmente eficaz.  Noutros países, no socorro pré-hospitalar, o uso da capnografia é vulgar, porque permite melhorar a avaliação do doente e consequentemente o seu tratamento ser iniciado mais precocemente.  Em Portugal, a capnografia, quando utilizada por médicos ou enfermeiros, ainda é “mantida em segredo”. Como se mede, para que serve e em que aparelhos é encontrado um capnografo ainda são informações desconhecidas para a grande maioria dos técnicos pré-hospitalares 
  7. 7.  O capnografo está presente nos mais baratos oximetros de pulso?
  8. 8.   Durante o metabolismo, o corpo transforma o açúcar e o oxigénio (O2) em energia, o subproduto deste processo é o dióxido de carbono (CO2). Se o metabolismo aumentar (por exemplo, realizando esforço) ou diminuir, assim a produção de CO2 aumenta ou diminui também, e isto pode ser medido pela capnografia.
  9. 9.  Se a pressão arterial baixar, a capacidade do organismo levar o CO2 aos pulmões também diminui
  10. 10.   O corpo regula a frequência respiratória através de receptores quimicos nos vasos sanguíneos que “calculam” a pressão parcial de dióxido de carbono (pCO2). À medida que o pCO2 aumenta, o corpo também aumenta a frequência respiratória para expelir o excesso
  11. 11.  Ler uma capnografia requer olhar para a altura e para a largura da onda  A altura mostra a quantidade numérica de CO2 em mmHg (milímetros de mercúrio) A largura retrata o tempo da expiração   A capnografia tem 4 fases, sendo as fases II e III as mais importantes para a interpretação
  12. 12.   Ocorre durante a expiração do ar a partir do espaço anatómico oco, que normalmente não contém CO2. Esta linha é reta e constitui a base da linha
  13. 13.  Ocorre durante a “lavagem” alveolar e inicio das trocas gasosas, onde o ar se mistura com o ar do espaço anatómico oco. É também o inicio da expiração.
  14. 14.  É o “topo” alveolar, com o gás expirado a libertar-se. Esta é a parte mais importante da onda porque representa o funcionamento dos pulmões. O ponto mais alto desta linha representa o volume tidal (final) do valor de CO2.
  15. 15.  Ocorre durante a inspiração, onde o volume de CO2 desce abruptamente.
  16. 16.   Quem socorre necessita entender as variações nas ondas capnográficas, sejam elas normais ou não. Para reconhecer uma onda não normal é necessário primeiro saber o que é uma onda normal
  17. 17. Uma onda normal deve ser quadrada ou assemelhar-se a uma caixa.  O volume normal de CO2 situa-se entre os 35 e os 45 mmHg e a frequência respiratória deve situar-se entre as 12-20 vpm. 
  18. 18.  Ondas não normais apresentarão um aumento do volume tidal de CO2, sendo as mais comuns de Hipoventilação, hiperventilação e broncoconstrição.
  19. 19.  Tem forma de barbatana de tubarão.
  20. 20.   Tipicamente quadrada. A expiração pode estar um pouco prolongada O Volume tidal de CO2 é superior a 45 mmHg
  21. 21.   Tipicamente quadrada mas com uma fase de expiração mais curta. O volume de CO2 tidal é inferior a 35 mmHg
  22. 22.  A capnografia demonstrou ser útil em doentes com as seguintes condições: - Alterações do estado de consciência - Paragem cardíaca (PCR), mede a eficácia das - compressões Diabetes Over-dose Asma e DPOC Queixas respiratórias Convulsões e No tratamento da dor
  23. 23.     Um oximetro de pulso leva 8 a 12 minutos a conseguir uma leitura de SPO2 exacta. O uso do capnografo é tão útil como um eletrocardiograma (ECG) de 12 derivações. A capnografia é o meio complementar de diagnóstico mais rápido atualmente. O uso do capnografo não é influenciado pela temperatura, nem pela pele espessa… O capnografo pode ser usado sob quaiquer condições, em qualquer doente, seja qual for o problema
  24. 24. Pela nossa saúde, aprenda a fazer uso da capnografia
  25. 25. Dalila Marcão – Dez. 2013

×