C o l e c ç ã o
Mandala
Título
Profecias
– da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo –
Autor
Eduardo Amarante
Coordenação e revisão
D...
apeiron
e d i ç õ e s
Eduardo Amarante
MIFO DD OO MÃÇ U
A
N
T
D
ER
O
PRETNIAD
CRIT ISN TA OO
DADNIVÀ
A LINGUAGEM SIMBÓLICA
DAS ILUSTRAÇÕES DE PROFECIAS
Gabriela Marques da Costa (a pintora)
O gosto pelo simbolismo foi sempr...
achei primordial colocá-lo como suporte das chamas (vida/renovação/conhe-
cimento), da Cruz e da Fénix.
As doze imagens re...
ÍNDICE
INTRODUÇÃO
CAPÍTULO I – O TEMPO E A PRÉ-VISÃO
DO FUTURO
1. A Profecia e os seus Arautos
1.1. Os Magos e o Mistério ...
CAPÍTULO IV – A PROFECIA DO REI DO MUNDO.
SHAMBALA
1. Shambala e as Tradições. Melquisedec e a
Fraternidade Branca Univers...
CAPÍTULO IX – DAS PROFECIAS PAGÃS ÀS PRÉ-CRISTÃS
E CRISTÃS
1. A Profecia de Esculápio (Códices de Nag
Hammadi VI)
2. A Pro...
2. A Profecia de La Salette e o Fim dos Tempos
3. O Terceiro Segredo Fátima e o Anticristo
3.1. O Dia X – A Chegada de um ...
13Apeiron Edições |
CAPÍTULO XII – AS PROFECIAS CIENTÍFICAS – 2012, O
ANO DA DECISÃO
1. A Ressonância Schumann e a Inversã...
Quando vedes aparecer uma nuvem no poente,
logo dizeis que vem chuva, e assim acontece.
E quando vedes soprar o vento sul,...
PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo
Apeiron edições | 17
INTRODUÇÃO
“Certo dia – o último d...
Eduardo Amarante
18 | Apeiron Edições
dadeiro do falso. Daí que os sábios da Antiguidade tenham velado as
grandes verdades...
PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo
Apeiron edições | 19
CAPÍTULO I
O TEMPO E A PRÉ-VISÃO D...
Miolo extracto_Profecias
Miolo extracto_Profecias
Miolo extracto_Profecias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Miolo extracto_Profecias

771 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
771
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Miolo extracto_Profecias

  1. 1. C o l e c ç ã o Mandala
  2. 2. Título Profecias – da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo – Autor Eduardo Amarante Coordenação e revisão Dulce Leal Abalada Grafismo, Paginação e Arte final Div'Almeida Atelier Gráfico www.divalmeida.com Ilustração e Técnica da capa Gabriela Marques da Costa Arte Digital / Assemblage Digital A Fénix das Profecias gabriela.marques.costa@gmail.com www.gabrielamarquescosta.wordpress.com www.facebook.com/home.php?#!/pages/Gabriela-Marques-da-Costa/134735599901538 +351 915960299 Impressão e Acabamento Espaço Gráfico, Lda. www.espacografico.pt Distribuição G.C.E – Sodilivros Grupo Coimbra Editora, SA comercial@coimbraeditora.pt 1ª edição – Novembro 2010 ISBN 978-989-8447-02-9 Depósito Legal nº 317918/10 ©Apeiron Edições Reservados todos os direitos de reprodução, total ou parcial, por qualquer meio, seja mecânico, electrónico ou fotográfico sem a prévia autorização do editor. Projecto Apeiron, Lda. www.projectoapeiron.blogspot.com apeiron.edicoes@gmail.com
  3. 3. apeiron e d i ç õ e s Eduardo Amarante MIFO DD OO MÃÇ U A N T D ER O PRETNIAD CRIT ISN TA OO DADNIVÀ
  4. 4. A LINGUAGEM SIMBÓLICA DAS ILUSTRAÇÕES DE PROFECIAS Gabriela Marques da Costa (a pintora) O gosto pelo simbolismo foi sempre uma constante no meu trabalho; não sei trabalhar sem esses elementos. Para mim, a simbologia numa obra é como as palavras de um livro. Ambos se lêem sempre que se quer. Eles es- tão sempre lá com o seu significado e com a sua história, faça chuva ou faça sol! Como esta temática profética não fala especificamente de uma profecia em concre- to ou de uma personagem profética em des- taque, optei por dar essa ideia na capa. Ten- tei mostrar pelas imagens, que este livro iria abranger várias profecias dos quatro cantos do mundo. Isso encontra-se representado pe- las pequenas imagens no topo da capa e con- tracapa. Simbolicamente representam a linha do Tempo; e já que falamos de profecias, elas encontram-se no hipotético futuro que, neste caso, é o topo da capa. Quanto à cruz invertida, optei por dar- -lhe um certo declive, insinuando que ela está a cair e a afundar-se nas suas próprias chamas. Acabei por lhe colocar o pentagra- ma invertido na charneira da cruz, dando uma carga simbólica mais vincada ao An- ticristo. O Alfa e Ómega aparecem bem vin- cados à frente das asas da Fénix. Na minha opinião, a cruz é o primeiro elemento que se destaca e, logo em seguida, o Alfa e o Ómega nas asas da renovação. A Fénix aparece na frente de tudo. Está no canto inferior da página com toda a sua carga simbólica de renovação, transformação, mudança positiva, etc. Penso que não poderia existir um símbolo melhor à frente do Anticristo e das imagens proféticas, do que uma Fénix com uma mensagem subliminar positiva. A mensagem final do livro é de esperança, pois tudo isto faz parte de um processo evolutivo do Planeta e da Humanidade. Por falar em Planeta, PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo 7Apeiron Edições | Pintura de Gabriela Marques da Costa Capa e Contracapa
  5. 5. achei primordial colocá-lo como suporte das chamas (vida/renovação/conhe- cimento), da Cruz e da Fénix. As doze imagens representam algumas das profecias que o livro mencio- na. Começando desde a contracapa para a capa e da esquerda para a direita temos: a paragem do núcleo da Terra, os Aztecas, as profecias Indianas, o Rei- no do Interior da Terra, a ciência profetiza colisão com Cometa, a profecia dos Papas, a profecia dos Índios da América do Norte, a inversão dos pólos, as pirâmidesdoEgipto,osMayas,ShambalaeMalaquias. Outros elementos suplementares de interpretação (Dulce Leal Abalada) Vários são os elementos representados nesta pintura. Desde logo vemos uma série de imagens contínuas e identificativas de algumas das mais antigas culturas da humanidade (não esquecendo as tradições antiquíssimas dos Pe- les Vermelhas), passando pelo papel de alguns Papas e padres da Igreja, cul- minando este quadro profético nas expectativas que a ciência actual tem quan- to ao destino do planeta Terra. Contudo, o que mais se realça e salta aos nossos olhos nesta pintura é a presença de uma cruz invertida mergulhada em chamas, de cores muito vivas, com o pentagrama invertido desenhado num círculo, tendo como pano de fundo o planeta Terra. Este conjunto confere à mensagem que se pretende transmitir o seu carácter universalista, comum a todas as tradições, se bem que apresentadas e representadas de modo diverso consoante a cultura. A forma como a cruz mergulha, em posição oposta à do crucificado, símbolo daquele que finalizou o caminho da iniciação humana – o Cristo –, o ungido, com o sinal das duas pontas viradas para cima simboliza o diabolos (o diabo), o Anticristo, a marca da separatividade que divide os homens entre si e os afasta dos outros reinos da Natureza. Do que algumas profecias nos relatam dir-se-ia que o homem estava fatalmente destinado à destruição e a viver eternamente nas chamas do Inferno, pelo facto de se entregar à sedução do Anticristo. No entanto, um si- nal de esperança, presente desde sempre nas origens dos Tempos, marca o início (simbolizado na letra A, Alfa) e o fim (na letra Ù, Ómega) de um ciclo necessário à evolução humana: a Fénix. Se olharmos bem a pintura veremos que estas chamas de vibração activa representam, como signo principal, a estilização de um pássaro mítico, semelhante a uma águia, um animal sim- bólico, que com as suas asas abertas aceita, em sinal de sacrifício, oAnticristo. O simbolismo aqui inerente está associado ao poder regenerador deste animal que estando presente, mas esquecido na memória consciente dos povos em épocas do domínio do Anticristo, onde impera o ódio, a inveja, a desunião, a guerra, o poder, etc., trabalha ocultamente a fim de renascer mais forte num tempo vindouro e destruir as forças que hipotecam o destino de muitos homens. Eduardo Amarante 8 Apeiron Edições|
  6. 6. ÍNDICE INTRODUÇÃO CAPÍTULO I – O TEMPO E A PRÉ-VISÃO DO FUTURO 1. A Profecia e os seus Arautos 1.1. Os Magos e o Mistério do Futuro Insondável CAPÍTULO II – A EVOLUÇÃO OCULTA DA HUMANIDADE. A MÍTICA IDADE DE OURO E A EXPULSÃO DO PARAÍSO 1. Os Mitos e o Jardim das Hespérides 2. A Origem Oculta do Homem na Terra. Os Mistérios 3. O Mito Atlante CAPÍTULO III – O SEGREDO INICIÁTICO DA ATLÂNTIDA NAS PROFECIAS DO EGIPTO 1. O Dilúvio nas Antigas Tradições 1.1. O Livro de Enoch 2. Os Últimos Dias da Atlântida 3. Uma Página Negra da História do Egipto 3.1. A Moral Egípcia 4. As Profecias de Thot e de Hermes-Thot 4.1. A Profecia de Thot 4.2. A Profecia de Hermes-Thot 9Apeiron Edições | 17 19 23 27 31 39 41 51 54 59 60 61 65 66 68 68 69 PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo
  7. 7. CAPÍTULO IV – A PROFECIA DO REI DO MUNDO. SHAMBALA 1. Shambala e as Tradições. Melquisedec e a Fraternidade Branca Universal 2. A Profecia de Shambala e o Rei do Mundo 3. As Tradições do Passado e do Presente 4. Mitos, Mistérios e Sábios da Tradição Ocidental CAPÍTULO V – AS PROFECIAS ORIENTAIS. O VISHNU PURANA 1. Uma Antiga Profecia do Vishnu Purana 2. A Profecia do Srimad-Bhagavatam ou Livro de Krishna CAPÍTULO VI – AS PROFECIAS MAYAS 1. A Tradição e o “Mágico” Fim do Mundo do Ano 2012 1.1. 2012 – O Filme CAPÍTULO VII – A PROFECIA INCA DA ÁGUIA E DO CONDOR – UNU PACHAKUTI 1. A Lenda da Águia e do Condor CAPÍTULO VIII – O PRENÚNCIO DOS ÚLTIMOS TEMPOS NA DOUTRINA ISLÂMICA 1. Os Principais Sinais da Última Hora – Extraídos do Corão e da Sunna 2. Tradições sobre a Época do Ocultamento do Imã Mahdi e os Sinais que Precedem a sua Aparição 10 Apeiron Edições| 72 73 76 80 84 91 93 100 101 110 111 113 114 115 115 117 Eduardo Amarante
  8. 8. CAPÍTULO IX – DAS PROFECIAS PAGÃS ÀS PRÉ-CRISTÃS E CRISTÃS 1. A Profecia de Esculápio (Códices de Nag Hammadi VI) 2. A Profecia do Oráculo de Delfos 3. Egipto e Moisés – O Confronto de Duas Tradições 3.1. As Dez Pragas do Egipto: Magia Negra ou Catástrofe Natural? 4. Os Romanos e os Oráculos Sibilinos 5. S. Paulo e a Linguagem dos Mistérios 5.1. A Profecia de S. Paulo e o Livro do Apocalipse 6. As Visões Proféticas de S. João – A Perspectiva Cristã do Fim do Mundo 7. A Profecia de Jesus Cristo nos Evangelhos 8. A Profecia de S. Nilo. A Vinda do Anticristo 9. As Profecias de João de Jerusalém 9.1. O Despertar de uma Nova Era 10. As Profecias de S. Malaquias 11. A Explicação de S. Bernardo de Claraval sobre os Últimos Tempos, o Fim do Mundo e a Vinda de Jesus Cristo 12. Joaquim de Flora e o Advento da Idade do Espírito Santo 13. Völuspá, a Profecia do Vidente 14. As Predições do Papa Pio XII 15. As Profecias de Nostradamus – As Centúrias CAPÍTULO X – AS PROFECIAS DOS TEMPOS MODERNOS 1. As Predições dos Meios Ocultistas e o Conde de Saint-Germain 11Apeiron Edições | 120 120 121 122 123 126 128 131 134 136 137 139 143 145 148 148 149 150 151 153 154 PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo
  9. 9. 2. A Profecia de La Salette e o Fim dos Tempos 3. O Terceiro Segredo Fátima e o Anticristo 3.1. O Dia X – A Chegada de um Novo Tempo 4. Da Necessidade da Queda Apocalíptica do Mundo Moderno 5. A Sinarquia e o Governo do Mundo 6. As Profecias da Nova Era Espiritual CAPÍTULO XI – PROFECIAS OU CONSPIRAÇÃO PROFÉTICA? (SOB A ÉGIDE SOCIOPOLÍTICA, FILOSÓFICO- -RELIGIOSA E ECONÓMICO-FINANCEIRA) 1. A Era de Aquário e a Nova Ordem: os Iluminados da Baviera e a Edelweiss 1.1. Os Senhores das Trevas e a Nova Ordem Mundial 2. As Predições dos Protocolos e a Estratégia dos Governantes Invisíveis Instaurarem o Governo Único Mundial 3. Os Prognósticos de Carl Friedrich von Weizsäcker 4. As Profecias do Fim dos Tempos: “Olhai que ninguém vos engane” 5. As Sete Vacas Magras: A Crise Económica do Futuro 6. A Civilização X: O Fim da Democracia e da Hegemonia Americana 7. O Plano Profético do Colapso Económico 8. O Poder da Mente-Pensamento da Quinta Raça. Como controlá-lo? 9. A Profecia da Ciência e da Religião no Futuro 10. As Previsões Astrológicas para 2009-2012 12 Apeiron Edições| 157 159 162 164 165 168 171 174 180 184 190 191 197 199 201 209 211 215 Eduardo Amarante
  10. 10. 13Apeiron Edições | CAPÍTULO XII – AS PROFECIAS CIENTÍFICAS – 2012, O ANO DA DECISÃO 1. A Ressonância Schumann e a Inversão dos Pólos: A Guinada Magnética 2. As Consequências da Poluição Electromagnética CAPÍTULO XIII – CONCLUSÃO – PALAVRAS DE ESPERANÇA 1. Os Erros e os Pontos Fracos dos Senhores das Trevas 216 222 224 226 227 PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo
  11. 11. Quando vedes aparecer uma nuvem no poente, logo dizeis que vem chuva, e assim acontece. E quando vedes soprar o vento sul, dizeis que haverá calor, e assim acontece. Hipócritas, sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu e, entretanto, não sabeis discernir esta época? Lucas 12, 54-56
  12. 12. PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo Apeiron edições | 17 INTRODUÇÃO “Certo dia – o último dia da Idade de Ouro – a Mentira surpreendeu a Verdade enquanto dormia; arrebatou as suas alvas vestimentas, revestiu-se com elas e, assim vestida, tornou-se a única soberana da Terra. O mundo, seduzido pelo falso brilho da Mentira disfarçada de Verdade, perdeu a sua primitiva inocência, renunciando a toda a Sabedoria, a toda a probidade e a toda a justiça. Expulsa e menosprezada, a Verdade rendeu-se desde então à Mentira, que lhe usurpara o nome e o culto que era, até então, rendido somente ao verdadeiro e ao justo. Tudo o que a Verdade dizia era considerado como visão e tudo o que fazia era julgado como a mais into- lerável das extravagâncias. A despeito, pois, dos seus legítimos privilégios, a Verdade chegou a suplicar que a ouvissem e a atendessem, mas foi re- chaçada com maus modos, em todos os lugares que visitou. Houve até um insolente que se atreveu a qualificar de libertinagem a sua casta e ingénua nudez! – Vai-te embora – diziam-lhe. – Vai-te embora daqui, mulher abomi- nável. Como te atreves a aparecer nua diante dos nossos olhos púdicos! Jamais conseguirás seduzir-nos com os teus absurdos! A Verdade, convencida de que a Humanidade a execrava, foi para o deserto. Ainda não tinha lá chegado, encontrou perto de umas sarças as espalhafatosas roupas que a Mentira havia abandonado quando roubou as suas e, como não tinha outras, vestiu-as, ficando assim a Verdade disfarçada com a roupa característica da Mentira... Assim transformada, pôde retornar para junto dos homens, que a aco- lheram com espanto e alegria. Os mesmos que antes se haviam escanda- lizado com a sua nudez foram os que melhor a receberam, sob essa nova aparência e com o belo nome de fábula, ou “parábola” que ela adoptou.” Roso de Luna Esta história, contada sob a forma de uma parábola, não define, em si, uma profecia, mas manifesta a queda do estado psicológico e espiritual do homem, prisioneiro da sua ignorância que o impede de discernir o ver-
  13. 13. Eduardo Amarante 18 | Apeiron Edições dadeiro do falso. Daí que os sábios da Antiguidade tenham velado as grandes verdades ao comum dos mortais sob a forma de parábolas, má- ximas, profecias, enigmas ou quebra-cabeças. Um enigma que perpassa os milénios é aquele que está representado na imagem da Esfinge. A Esfinge, também chamada Harmachis (Sol nascente), simboliza a luz que vence as trevas, o espírito divino que renasce em ciclos infinitos. A representação de uma cabeça humana sobre um corpo de leão simboliza a Natureza em evolução. Junto com o filósofo-poeta, exclamamos: “Quanta nobreza e consciência há nessa augusta cabeça que contempla o sol nascente do espírito e da verdade eterna!” A Esfinge também é conhecida por lançar a cada um de nós a seguinte adivinha: “Que criatura tem quatro pés pela manhã, ao meio-dia tem dois, e à tarde tem três? A esfinge estrangulava1 Foi Édipo quem solucionou o enigma ao dar a seguinte resposta: qualquer um que lhe desse uma resposta errada. “É o homem que engatinha com quatro pés quando bebé, anda sobre dois pés na idade adulta e usa uma bengala quando ancião.” Se na Antiguidade os sábios esconderam a verdade sob a forma de mitos cabe-nos a nós, então, desvelar esse manto mítico e encontrar a verdade da história que neles subjaz. É o que tentarei fazer com esta obra sobre as Profecias, procurando tanto quanto possível desmistificar os mitos que rodeiam os Fins dos Tempos, a vinda do Anticristo e, por fim, a tão esperada Idade de Ouro com a vinda de Cristo. 1 A origem do nome esfinge, deriva do grego sphingo que significa estrangular.
  14. 14. PROFECIAS - da interpretação do fim do mundo à vinda do Anticristo Apeiron edições | 19 CAPÍTULO I O TEMPO E A PRÉ-VISÃO DO FUTURO O mistério não é um muro onde a inteligência esbarra, mas um oceano onde ela mergulha. Gustav Thibon Damo-nos conta do conceito tempo como algo que vivenciamos no nosso dia-a-dia. É uma forma a priori (utilizando a terminologia kantiana) – ou uma concepção que é independente da experiência – que mede a duração dos acontecimentos e que se situa na fronteira entre um futuro que ainda não existe e um passado que, por escassos momentos, foi presente. Daí que seja difícil definir o termo tempo em palavras. Inclusive esta concepção de tempo tem sido muito discutida desde o início da cultura ocidental até aos dias de hoje. Se recorrermos a uma enciclopédia para saber o significado desta palavra encontraremos uma definição que nos fala de um sistema que mede a sequência dos acontecimentos, com o propósito de comparar as durações destes eventos, os seus intervalos, e, por último, quantificar o movimento dos objectos. No entanto, se recorrermos ao antigo pensamento grego encontraremos duas palavras que definem o termo Tempo. São elas, Chronos2 Kairose 3 2 Em grego Xρόνος, Chronos, formou-se de si próprio, no princípio dos tempos, como um ser . incorpóreo e serpentino possuidor de três cabeças, uma de homem, uma de touro e outra de leão. Uniu-se à sua companheira anaké (a inevitabilidade), em espiral, à volta do ovo primogénito, separando-o, e formando então o Universo, a Terra, os Oceanos e o Céu. Permaneceu como deus remoto e sem corpo que envolvia todo o Universo, regendo a rotação dos céus e o caminhar eterno do tempo. Ocasionalmente aparecia perante Zeus sob a forma de um homem idoso de longos cabelos e barba brancos, embora na maior parte das vezes surgia como uma forma de força que estava além do alcance e do poder dos deuses mais jovens. Uma das representações mais bizarras de Chronos, é a de um homem que devora o seu próprio filho. No entanto, esta representação deve-se ao facto de os antigos gregos tomarem Chronos como o criador do tempo, uma vez que toda a criação, estando sujeita à lei do tempo, não lhe pode escapar e, tarde ou cedo, todos serão vencidos (ou devorados) pelo tempo (in Wikipédia, a enciclopédia livre).

×