Modernismo 1ª fase

869 visualizações

Publicada em

Moderno x Modernismo. Vanguardas europeias. 1ª fase modernismo no Brasil (Semana de Arte Moderna de 1922)

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
869
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
136
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modernismo 1ª fase

  1. 1. Modernismo
  2. 2. Moderno • “Além do seu tempo”; • Negação ou superação do passado. Modernismo • “Estilo de época”, período artístico; • Momento de ruptura radical com os padrões estéticos vigentes.
  3. 3. Modernismo • Estética com a percepção do agora em detrimento do antigo; • Estilo de época → RADICALIZAR a ruptura, feita tanto com o passado quanto com o presente; Arte pela arte; • Ideia de ruptura com padrões antigos e a valorização da vivência presente proposta já pelo Romantismo, ainda de maneira “tímida”, mas intensificada e radicalizada no Modernismo.
  4. 4. Contexto histórico (mundo) • I Guerra Mundial; • Início do séc. XX; • Revolução científica: ▫ Gerou euforia e crença no progresso; ▫ MÁQUINA → presença constante na vida; ▫ Preocupações: aproveitar o presente. • Cultura de massa e Contracultura.
  5. 5. Vanguardas Europeias • Futurismo (Marinetti, 1909): ▫ Palavra em liberdade:  quebra na ordem, na sintaxe, na tipografia. ▫ Futuro → destruição do passado; ▫ Ritmo da vida moderna:  Movimento, máquina, velocidade. • Cubismo (Picasso/Apollinaire): ▫ Formas geométricas, múltiplos ângulos; ▫ Texto – construção visual:  Valorização dos espaços em branco e da tipografia;  Menos adjetivos, pontuação, verbos;  Substantivos “soltos”;  Verso livre.
  6. 6. Vanguardas Europeias • Expressionismo (1910): ▫ Expressão do mundo interior; ▫ Sem preocupação com o belo ou o feio, o bizarro ou grotesco; ▫ Poucas manifestações na literatura; ▫ Artes plásticas (Brasil): Anitta Malfatti  Criticada por Monteiro Lobato, desencadeou reações que impulsionou a Semana de Arte Moderna (1922). • Dadaísmo (Tristan Tzara, 1916): ▫ Negação total, defesa do absurdo, da incoerência; ▫ Improviso, desordem, desequilíbrio. ▫ Protesto à civilização que levou a sociedade à guerra.
  7. 7. Vanguardas Europeias • Surrealismo (Andre Breton, 1924): ▫ Criação de uma nova sociedade (destruição do passado): ▫ DESTRUIÇÃO → CRIAÇÃO. ▫ Arte no impulso, pela inspiração, sem preocupação com a lógica; ▫ Realidade do subconsciente e consciente. ▫ Aproxima-se da atitude romântica, mas + radical.  Futurismo + Dadaísmo.
  8. 8. Modernismo → BRASIL • 1ª Geração ► 1922 – 1930; ▫ 100 anos de independência política; ▫ Independência cultural; ▫ Influência das vanguardas europeias. • Semana de Arte Moderna – 1922 ▫ Graça Aranha (abertura), Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Di Cavalcanti, Anita Malfatti, Villa-Lobos (...) • Revistas: ▫ Klaxon – SP ▫ A revista – MG ▫ Festa / Estética - RJ
  9. 9. Características • DESTRUIÇÃO: • Substituição do velho pelo novo; • Liberdade da forma, da composição, das ideias; • Busca do original, polêmico; • Valorização do cotidiano; • Paródia, ironia, humor; • Nacionalismo crítico, “bairrismo”; • Primitivo; • Verdadeira identidade nacional.
  10. 10. Manifestos • Poesia Pau-Brasil: ▫ Poesia de exportação (conteúdo brasileiro, forma das vanguardas); ▫ Primitivismo (índio), cultura brasileira e realidade. ▫ “Língua brasileira”. • Antropófago: ▫ Assimilação e adaptação da cultura estrangeira. • Verde-amarelismo: ▫ Resposta ao movimento “pau-brasil”, considerado um nacionalismo “afrancesado”; ▫ Nacionalismo ufanista; ▫ Valorização do tupi e da anta. • Regionalista (1926): ▫ Sentimento de unidade do Nordeste; ▫ Arte em prol da região, nos modelos do Modernismo. Oswald de Andrade Plínio Salgado Menotti del Picchia Guilherme de Almeida Graciliano Ramos José Lins do Rego Jose Americo de Almeida João Cabral de Melo Neto
  11. 11. Principais autores • Oswald de Andrade: ▫ Poesia: Pau-Brasil; ▫ “Romance”: Memórias sentimentais de João Miramar; ▫ Teatro: O rei da vela, Serafim Ponte Grande. • Mário de Andrade: ▫ Pensador, crítico de arte; ▫ Poesia: Pauliceia Desvairada; ▫ Romance: Macunaíma; Amar, verbo intransitivo. • Manuel Bandeira: ▫ “Ex-parnasiano”; ▫ Poesia: Estrela da manhã; ▫ Prosa: Itinerário de Pasárgada.
  12. 12. Exemplos de poemas e trechos de obras da 1ª geração modernista no Brasil
  13. 13. Estou farto do lirismo comedido Do lirismo bem comportado Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor. Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo. Abaixo os puristas. [...] [...] Quero antes o lirismo dos loucos O lirismo dos bêbados O lirismo difícil e pungente dos bêbados O lirismo dos clowns de Shakespeare. - Não quero saber do lirismo que não é libertação. Poética Manuel Bandeira
  14. 14. Poema do Beco Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte? - O que eu vejo é o beco. Evocação do Recife Recife Não a Veneza americana Não a Mauritsstad dos armadores das Índias Ocidentais. Não o Recife dos Mascates Nem mesmo o Recife que aprendi a amar depois —Recife das revoluções libertárias Mas o Recife sem história nem literatura Recife sem mais nada Recife da minha infância (...) Manuel Bandeira
  15. 15. Leitor: Está fundado o Desvairismo. Este prefácio, apesar de interessante, inútel. Quando sinto a impulsão lírica escrevo sem pensar tudo o que meu inconsciente me grita. Penso depois: não só para corrigir, como para justificar o que escrevi. Daí a razão deste Prefácio Interessantíssimo. Aliás muito difícil nesta prosa saber onde termina a blague, onde principia a seriedade. Nem eu sei. E desculpo-me por estar tão atrasado dos movimentos artísticos atuais. Sou passadista, confesso. Ninguém pode se libertar duma só vez das teorias-avós que bebeu; e o autor deste livro seria hipócrita si pretendesse representar orientação moderna que ainda não compreende bem. Prefácio - Paulicéia Desvairada (Mário de Andrade)
  16. 16. "No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. [...] Já na meninice fez coisas de sarapantar. De primeiro: passou mais de seis anos não falando. Se o incitavam a falar, exclamava:-- Ai! que preguiça!. . . e não dizia mais nada.[...] Quando era pra dormir trepava no macuru pequeninho sempre se esquecendo de mijar. Como a rede da mãe estava por debaixo do berço, o herói mijava quente na velha, espantando os mosquitos bem. Então adormecia sonhando palavras-feias, imoralidades estrambólicas e dava patadas no ar. Nas conversas das mulheres no pino do dia o assunto era sempre as peraltagens do herói. As mulheres se riam muito simpatizadas, falando que 'espinho que pinica, de pequeno já traz ponta'." Trechos- Macunaíma (Mário de Andrade)
  17. 17. Às mui queridas súbditas nossas, Senhoras Amazonas. Trinta de Maio de Mil Novecentos e Vinte e Seis, São Paulo. Senhoras: Não pouco vos surpreenderá, por certo, o endereço e a literatura desta missiva. Cumpre-nos, entretanto, iniciar estas linhas de saudades e muito amor, com desagradável nova. É bem verdade que na boa cidade de São Paulo - a maior do universo, no dizer de seus pro lixos habitantes - não sois conhecidas por "icamiabas", voz espúria, sinão que pelo apelativo de Amazonas; e de vós, se afirma, cavalgardes ginetes belígeros e virdes da Hélade clássica; e assim sois chamadas. Muito nos pesou a nós, Imperator vosso, tais dislates da erudição porém heis de convir conosco que, assim, ficais mais heróicas e mais conspícuas, tocadas por essa platina respeitável da tradição e da pureza antiga. [...] POUCA SAÚDE E MUITA SAÚVA, OS MALES DO BRASIL SÃO. Carta às Icamiabas- Macunaíma (Mário de Andrade)
  18. 18. Pronominais Dê-me um cigarro Diz a gramática Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da nação brasileira Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me dá um cigarro Valorização da língua nacional Poemas – Pau-Brasil (Oswald de Andrade)
  19. 19. Relicário No baile da corte Foi o conde d'Eu quem disse Pra Dona Benvinda Que farinha de Suruí Pinga de Parati Fumo de Baependi É comê bebê pitá e caí Poesia de exportação “Cobepá, aricobé, cobé, paí” – último verso de Aos Caramurus da Baía, atribuído a Gregório de Matos. Poemas – Pau-Brasil (Oswald de Andrade)
  20. 20. Brasil O Zé Pereira chegou de caravela E preguntou pro guarani da mata virgem – Sois cristão? – Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! O negro zonzo saído da fornalha Tomou a palavra e respondeu – Sim, pela graça de Deus Canhém Babá Canhem Babá Cum Cum! E fizeram o Carnaval Poemas (Oswald de Andrade) Crítica ao nativismo romântico Representação da população brasileira, influências do colonialismo Português (ironizado), índio (romantizado), negro (escravizado)
  21. 21. 1. O PENSIEROSO Jardim desencanto O dever e procissões com pálios E cônegos Lá fora E um circo vago e sem mistério Urbanos apitando nas noites cheias Mamãe chamava-me e conduzia-me para dentro do oratório de mãos grudadas. — O Anjo do Senhor anunciou à Maria que estava para ser a mãe de Deus. Vacilava o morrão do azeite bojudo em cima do copo. Um manequim esquecido vermelhava. — Senhor convosco, bendita sois entre as mulheres, as mulheres não têm pernas, são como o manequim de mamãe até embaixo. Para que pernas nas mulheres, amém. Trecho – Memórias Sentimentais de João Miramar (Oswald de Andrade)
  22. 22. 41. VATICANO Raffaello Sanzio d'Urbino Ventania Muitos lençóis E rabanadas esportivas de profetas Bento que Bento Frades no Pincio Na boca do forno Fornarina — Faremos todos com muito desgosto o que seu mestre mandar. — Cada qual pinte assim que nem Raffaello. E a ventania pegou nos Berninis empetecados para o assombro educado das manadas Cook. — It is very beautiful! Mas São Francisco não acreditaria nas transfigurações bem desenhadas. Trecho – Memórias Sentimentais de João Miramar (Oswald de Andrade)
  23. 23. E começa a longa história do navio que ia e vinha pela estrada azul do Atlântico: Ia, levando pau-brasil e homens cor da manhã, filhos do mato, cheios de sol e de inocência; vinha trazendo delegados… Ia, levando uma esperança; vinha trazendo foragidos de outras pátrias para a ilha da Bem-aventurança. Ia levando um grito de surpresa; da terra criança; e vinha abarrotado de saudade portuguesa Pralapracá (Cassiano Ricardo) Verdamarelismo
  24. 24. Cynthia Funchal http://www.portuguesatodaprova.com.br • A reprodução, alteração e utilização dos slides e textos é livre para fins didáticos, porém, recomenda-se a citação da fonte. É expressamente proibida, para distribuição comercial, a veiculação deste material.

×