Primeiros socorros trabalho em altura 2014

11.852 visualizações

Publicada em

0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.852
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.020
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Primeiros socorros trabalho em altura 2014

  1. 1. TRABALHO EM ALTURA – NR 35 PRIMEIROS SOCORROS Noções básicas
  2. 2. NR Nº 35 35.3. Capacitação e Treinamento 35.3.1 O empregador deve promover programa para capacitação dos trabalhadores à realização de trabalho em altura. 35.3.2 Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e aprovado em treinamento, teórico e prático, com carga horária mínima de oito horas, cujo conteúdo programático deve, no mínimo, incluir: f) acidentes típicos em trabalhos em altura; g) condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros.
  3. 3. Aspectos legais dos primeiros socorros • Art. 135 do Código Penal Brasileiro: Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública:
  4. 4. • Chamar o socorro especializado, nos casos em que a pessoa não possui um treinamento específico ou não se sente confiante para atuar, já descaracteriza a ocorrência de omissão de socorro.
  5. 5. Pela lei, um indivíduo pode ser enquadrado em lesão corporal ou homicídio culposo quando incorre em um ou mais dos seguintes elementos: Negligência: Não tomar as devidas precauções. Ex.: Desrespeitar normas de segurança, não chamar a atenção de funcionário que estiver descumprindo normas de segurança, deixar de informar situações que podem provocar acidentes de trabalho, etc ...
  6. 6. Imprudência: Agir de forma arriscada. Imprudente é aquele que sabe do grau de risco envolvido na atividade e mesmo assim acredita que é possível a realização sem prejuízo para ninguém. É aquele que extrapola os limites da inteligência e do bom censo. Ex.: Usar o cinto e deixar de ancorar-se com o talabarte, não usar linha de vida adequada, não fixar andaimes ou escadas, etc... Imperícia: Falta de técnica ou devido conhecimento. Aplicável a qualquer profissional que não agir de acordo com o que se espera dela na função que ocupa.
  7. 7. O QUE É PRIMEIROS SOCORROS? É o atendimento provisório e imediato aplicável a vítimas de acidentes no local da ocorrência. OBJETIVOS - Manter a vida - Evitar agravamento - Diminuir a dor
  8. 8. Em primeiros socorros... NEGLIGÊNCIA: Não prestar nenhum tipo de socorro a uma vítima • IMPRUDÊNCIA: Prestar socorro de forma totalmente insegura e desatenciosa (não usar luva, não avaliar os riscos, etc) • IMPERÍCIA: Não ter conhecimento básico necessário ao menos pra saber o que não se deve fazer
  9. 9. PRIMEIROS SOCORROS A quem compete? CARACTERISTICAS DO SOCORRISTA - Iniciativa - confiança - Calma - Solidariedade - Conhecimento
  10. 10. Elementos comuns a qualquer acidente
  11. 11.  Vítima: Nome que se dá à pessoa que sofreu o acidente  Socorrista: Auxilia a vítima de modo a impedir o agravamento das suas lesões e, se possível, fazê-las melhorar. O socorrista não cura ninguém, não dispensa nunca um médico ou enfermeiro é um bom colaborador deles.  Curiosos: Pessoas que sofrem influência indireta do evento. Participam passivamente. Quase sempre tumultuando o evento. o socorrista deve saber lidar com os espectadores, transmitindo tranqüilidade e segurança. Podem ser bastante úteis em tarefas simples. (sinalizando o transito(isolando a área do acidente) e acionando o serviço de emergência)
  12. 12. Informando uma ocorrência Ao informar sobre o acidente, faça-o de forma clara e objetiva.  ONDE? Dê os detalhes exatos sobre o local da emergência;  O QUE? Dê uma breve descrição do que aconteceu e possíveis detalhes sobre a via e as condições do veículo;  QUANTAS PESSOAS ESTÃO FERIDAS? Dê o numero de feridos;  QUE TIPO DE FERIMENTO? Se possível, dê detalhes dos ferimentos que representam risco de vida; se as vítimas estão presas no interior do veículo ou se está incendiando. AGUARDE INSTRUÇÕES: A chamada sempre será finalizada pelo operador do serviço. Responda a todas as informações e peça orientação de como agir. www.robertainstrutura.hpg.com.br
  13. 13. Passos a serem seguidos numa situação de Emergência  OBSERVAÇÃO/PROTEÇÃO  SINALIZAÇÃO/ISOLAMENTO  AVALIAÇÃO PRIMÁRIA E SOCORRO DA VÍTIMA CHAMAR ATENDIMENTO ESPECIALIZADO
  14. 14. Em situações de Emergências • Isolar e sinalizar o local • Avaliar o estado das vítimas •Chamar resgate (Bombeiros, SAMU) • Remover as vítimas que estejam em local instável • Determinar as prioridades de atendimento • Cuidar das lesões mais graves. • Providenciar o transporte , se necessário e de forma adequada.
  15. 15. Avaliação da vítima Avaliação primária • Respiração e manutenção da coluna vertebral • Circulação • Avaliação neurológica
  16. 16. DESMAIO. O desmaio é dividido em: Síncope vasovagal, que ocorre quando o coração deixa de bombear sangue ao cérebro, e síncope neurogênica, que acontece após uma variação da pressão arterial e da frequência cardíaca. Causas: crises de hipoglicemia, intoxicação, alterações cardíacas e até mesmo doenças neurológicas, o que pode acarretar convulsão. O que fazer: Deitar a vítima e elevar suas pernas; Se não for possível deitá-lo, sente-o e abaixe sua cabeça até a altura do joelho para aumentar a quantidade de sangue circulando; Verificar o pulso (batimentos cardíacos) No caso de desmaios seguidos de convulsões, coloque um travesseiro embaixo da cabeça da pessoa e vire a cabeça dela para o lado, para que ela não engasgue com a saliva
  17. 17. Desmaio
  18. 18. Causas possíveis: Ataque cardíaco, envenenamento, sufocação por causa de fumaça, forte pancada na cabeça ou no peito, afogamento, corpo estranho na garganta, a língua ou muco espesso atrapalhando a passagem do ar na garganta Sinais e sintomas: Ausência de movimentos no peito da vítima; lábios, a língua e unhas ficam azulados O que fazer? Desobstruir vias aéreas Restabelecer imediatamente a respiração aplicando a respiração de socorro. PARADA RESPIRATÓRIA
  19. 19. Desobstrução de vias aéreas
  20. 20. Reanimação cardio respiratória
  21. 21. Nestes casos a ação deve ser imediata, não espere a chegada do médico. •O coração parou se: •Não perceber batimentos do coração •Não conseguir palpar o pulso •Se a vítima apresentar acentuada palidez faça massagem cardíaca externa do seguinte modo: •Coloque a vítima deitada de costas sobre superfície dura •Coloque sua mão sobre o externo •30 compressões e duas ventilações. PARADA CARDÍACA
  22. 22. MÉTODO DE RCP • Segundo orientação do American College of Emergency Physicians 2005: 30 compressões torácicas - 2 insuflações reavaliar após cinco ciclos. ( tanto p/ um socorrista como p/ dois). OBSERVAÇÃO Se o pulso estiver comprovadamente presente, mas sem respiração - aplique apenas insuflações
  23. 23. QUEIMADURAS Toda lesão decorrente da ação do calor sobre organismo é queimadura •Substâncias químicas: Ácidos e Álcalis •Elétrica •Contato direto com calor •Classificação: 1º Grau: lesão superficial (causadas por raios solares) 2º Grau: com formação de bolhas 3º Grau: com destruição do tecido Quanto maior a área queimada, mais grave é o caso.
  24. 24. Nas queimaduras por agentes químicos, lave a área atingida com bastante água e leve o paciente ao médico. Nas queimaduras por agentes físicos, proteger a área afetada com pano limpo e levar o paciente ao médico.
  25. 25. CHOQUE ELÉTRICO. IMPORTANTE : PREVENÇÃO. - Não fazer trabalhos em eletricidade, se não for eletricista. - Verificar se os fios e tomadas estão em bom estado. - Não fazer ligações elétricas inadequadas. O QUE PODE ACONTECER. - Parada cardíaca. - Queimaduras. - Contrações musculares. - Arritmias no coração. CUIDADOS - Não tocar na vítima, até a corrente elétrica ser desligada. - Só usar materiais não condutores de eletricidade (madeira, borracha) secos. - Atender conforme os sintomas e sinais apresentados.
  26. 26. FERIMENTOS DIVERSOS Os ferimentos podem ser: 1. Cortante – Ex: com faca, gilete, navalha, etc... 2. Perfurante – Ex: Com bala, prego, etc... 3. Contuso – Ex: Pedrada, soco, etc... Conduta nos ferimentos superficiais: a) Contenha a hemorragia b) Limpe o ferimento com água limpa ou soro c) Proteja o ferimento com gaze esterilizada ou pano limpo d) A menos que saiam facilmente durante a limpeza, não tente retirar farpas, vidros ou partículas de metal do ferimento.
  27. 27. Acidentes típicos de trabalho em altura
  28. 28. Não perca tempo...Faça pressão diretamente sobre a ferida. Coloque um pedaço de gaze esterilizada, um lenço ou um pano limpo e faça pressão. Se a hemorragia não pode ser controlada com pressão direta, ela pode ser diminuída fazendo pressão sobre as principais artérias. HEMORRAGIA GRAVE
  29. 29. Há dois tipos de fraturas: 1-Não exposta: Sem haver rompimento da pele 2-Exposta: Com rompimento da pele FRATURAS Nas fraturas expostas controle a hemorragia e imobilize. Nas não expostas, imobilize conforme figuras
  30. 30. AVC • AVC – Acidente Vascular Cerebral.pptx
  31. 31. TELEFONES ÚTEIS • SAMU: 192 • BOMBEIROS: 193

×