SUBJETIVIDADE E TELE-EXISTÊNCIA NA
ERA DA COMUNICAÇÃO VIRTUAL
O hiperespetáculo da dissolução do sujeito nas
redes sociais...
INTRODUÇÃO: A Tese
EXISTIR EM TEMPO REAL – TELE-EXISTIR
(Teletecnologias de comunicação e relacionamento)
COMPULSIVOIMPERA...
PARTE I - Capítulo 1
QUE TELE-EXISTÊNCIA?
CIBERMEDIÁTICA, GLOCAL E HIPERESPETACULAR
Tele-existência e telepresença – desdo...
PARTE I - Capítulo 2
TELE-EXISTÊNCIA como processo comunicacional
PRESENÇACOMUNICAÇÃO AUSÊNCIA
Teoria da Mídia – Mídia com...
PARTE I - Capítulo 3
TELE-EXISTÊNCIA como imperativo de época
ACIDENTE DO TEMPO REAL VIOLÊNCIA INVISÍVEL - DROMOCRACIA
Sup...
PARTE II – Capítulo 1
TELE-EXISTÊNCIA ONDE?
NULODIMENCIONALIDADE CIBERESPACIAL
Cyberspace
• Ambiente comunicacional (não-l...
PARTE II – Capítulo 2
TELE-EXISTÊNCIA COMO?
ESPECTRALIZAÇÃO E PROJEÇÃO SUBJETIVA
Tempo real: nada penetra sem estar esvazi...
REGIME DE
(IN)VISIBILIDADE
PARTE II – Capítulo 3
TELE-EXISTÊNCIA GLOCAL
A SUBJETIVIDADE INTERMITENTE
GLOCAL: Novo campo de...
PARTE III – Capítulo 1
TELE-EXISTÊNCIA HIPERESPETACULAR
A SUBJETIVIDADE PERFORMÁTICA
Fenomenologia: é próprio da ontologia...
PARTE III – Capítulo 2
TELE-EXISTÊNCIA E ESTÉTICA DO DESAPARECIMENTO
A DISSOLUÇÃO DO SUJEITO
Cyberspace como passatempo – ...
PARTE III – Capítulo 3
TELE-EXISTÊNCIA como NÃO-SER
Considerações Finais
Os resultados desta pesquisa aproximam-se muito do que Flusser (2011, p. 26-27) intuiu como
tendência...
Obrigada!
Cíntia Dal Bello
pubcintia@yahoo.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Tese - Subjetividade e tele-existência em redes sociais digitais

866 visualizações

Publicada em

Slides utilizados para a apresentação da Tese à Banca de Defesa do Doutorado em Comunicação e Semiótica. Tese defendida em dezembro de 2013 por Cíntia Dal Bello.

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
866
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
330
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tese - Subjetividade e tele-existência em redes sociais digitais

  1. 1. SUBJETIVIDADE E TELE-EXISTÊNCIA NA ERA DA COMUNICAÇÃO VIRTUAL O hiperespetáculo da dissolução do sujeito nas redes sociais de relacionamento Cíntia Dal Bello (bolsista CAPES) Orientador: Prof. Dr. Eugênio Trivinho PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA – PUC-SP Apresentação à Banca de Defesa da Tese – dez/2013
  2. 2. INTRODUÇÃO: A Tese EXISTIR EM TEMPO REAL – TELE-EXISTIR (Teletecnologias de comunicação e relacionamento) COMPULSIVOIMPERATIVO CONDICIONAMENTO PROJEÇÃO CONTÍNUA DE SI – DESEJO DE “APARESER” “NATURALIZADO” PROJEÇÃO DO SUJEITO: EXCESSO DE INFORMAÇÕES PLATAFORMAS CIBERCULTURAIS: (IN)VISIBILIDADE AGÔNICA DISSOLUÇÃO DO SUJEITO TECNODEPENDÊNCIA
  3. 3. PARTE I - Capítulo 1 QUE TELE-EXISTÊNCIA? CIBERMEDIÁTICA, GLOCAL E HIPERESPETACULAR Tele-existência e telepresença – desdobramentos Sentidos de presença : • remota, virtual, mediática • ilusão perceptual de não-mediação • estado de consciência – telepresença como faceta Tele-existência como redenção • imaginário pós-humano (superação das limitações humanas)
  4. 4. PARTE I - Capítulo 2 TELE-EXISTÊNCIA como processo comunicacional PRESENÇACOMUNICAÇÃO AUSÊNCIA Teoria da Mídia – Mídia como re-existência - Corpo e comunicação presencial - Suportes e comunicação não-presencial - Mídia terciária e telepresença (multiplicação da presença, onipresença, fazer-se presente a distância em tempo real, tele-existência) Do ato comunicativo ao ambiente comunicacional (não-lugar, espectralidade, radical abstração) Imagem como estratégia de superação do problema da ausência (desejo de imortalidade)
  5. 5. PARTE I - Capítulo 3 TELE-EXISTÊNCIA como imperativo de época ACIDENTE DO TEMPO REAL VIOLÊNCIA INVISÍVEL - DROMOCRACIA Supremacia do presente - Retração narcísica (pós-modernidade) - Ausência de sentido (espaço) - Ausência de profundidade (tempo) - Espetacularização da história (pós-história) - Falso presente: presente “em efígie” - Consciência do vazio e da falta de sentido (pós-modernidade) Comunicação em tempo real - Onisciência (panorâmica) - Onipresença (relativa) - Onipotência (inviável por escassez de presença)
  6. 6. PARTE II – Capítulo 1 TELE-EXISTÊNCIA ONDE? NULODIMENCIONALIDADE CIBERESPACIAL Cyberspace • Ambiente comunicacional (não-lugar) sustentado pelas tecnologias do tempo real (tele) • “Nada-tecnológico” (fluxos informacionais) onde redes sociais, metaversos e social games correspondem a platôs colonizáveis • Imagens-técnicas que recobrem o vazio, o abismo com mais vazio, abismo, distância • Composição de territorialidades imaginadas • Do paralelo ao sobreposto/híbrido (territórios digitais informacionais)  Crescente codificação e virtualização do mundo
  7. 7. PARTE II – Capítulo 2 TELE-EXISTÊNCIA COMO? ESPECTRALIZAÇÃO E PROJEÇÃO SUBJETIVA Tempo real: nada penetra sem estar esvaziado de sua substância - imagem-técnica: perfil/avatar Presença espectral  Existência fantasmagórica Aparição-presença: sujeito intermitente, glocal Projeção subjetiva  construção de um lugar de fala (circunscrição de um sujeito provisório, negociado) - Eu como projeto (lugar de enunciação) - Eu projetado como imagem (objeto de desejo/consumo) - Eu como objeto de distinção (reconhecido, legitimado) Tensões de mimicry: representação, simulação Identidadade-perfil (ter) x Perfil-sujeito (ser)
  8. 8. REGIME DE (IN)VISIBILIDADE PARTE II – Capítulo 3 TELE-EXISTÊNCIA GLOCAL A SUBJETIVIDADE INTERMITENTE GLOCAL: Novo campo de ação e vivência Nova economia de atenção: Próximos-distantes e distantes-próximos Dromoaptidão cibercultural Tecnodependência Manutenção do estado “always on” Existir = Ser/estar visível Existir = ser imagem, viver nas imagens e por imagens Existir = “apareSer” VISIBILIDADE INVISIBILIDADE PROJEÇÃO DISSOLUÇÃO
  9. 9. PARTE III – Capítulo 1 TELE-EXISTÊNCIA HIPERESPETACULAR A SUBJETIVIDADE PERFORMÁTICA Fenomenologia: é próprio da ontologia do ser não deixar-se capturar-se (não é uma substância parcialmente oculta) Admissão do ser como evento, ocorrência, devir (fluidez) Aparecer/ser/existir difere do “apareSer” tele-existencial (lógica metafísica: proposição de cristalizações do eu) Existir = ser reconhecido, admirado, estar na mídia, ter fãs Imaginário inoculado pela indústria cultural (mediosfera) “ApareSer” torna-se vital - Iconofagia Encenação do sujeito / Aura de Visus Da função-espelho à função-vitrine (o duplo encantador) Visibilidade x vigilância: a dimensão do entretenimento
  10. 10. PARTE III – Capítulo 2 TELE-EXISTÊNCIA E ESTÉTICA DO DESAPARECIMENTO A DISSOLUÇÃO DO SUJEITO Cyberspace como passatempo – ética do lazer, ética dispersiva Entreter-se... Do quê? – Vazio, falta de sentido, “ser-para-a-morte” (consciência infeliz) Brincar de ser alguém: mimicry Disputar atenção e posições de sujeito: agon Regime de (in)visibilidade hiperespetacular: contínuo aparecer/desaparecer Inscrição da subjetividade em suportes impermanentes Dissoluções: -Fadiga do olhar por excesso - Olhar encantado pela tela - O outro abstraído como número - O eu fadado ao desaparecimento por soterramento informacional
  11. 11. PARTE III – Capítulo 3 TELE-EXISTÊNCIA como NÃO-SER
  12. 12. Considerações Finais Os resultados desta pesquisa aproximam-se muito do que Flusser (2011, p. 26-27) intuiu como tendência ocidental ao extermínio: as tecnologias do tele são, de certo modo, refinamento do programa que prima pela aniquilação ao objetivar e desumanizar os homens. Distraídos alegremente das motivações que tornam atraente a empreitada, os indivíduos buscam o ser-para-sempre do hiper-real, do hiperespetacular. Na tela, imagens e mensagens esplendorosas do eu não sabem quando deixarão de ser indícios para tornarem-se epitáfios ou adornos de sarcófagos virtuais. Nelas, as almas já foram deixadas. Porque, no real, pálidos zumbis, cansados e concentrados em alimentar suas imagens de vida com a seiva dos momentos, mal esperam para sucumbir. Parecem viver em dobro, intensamente, ao passo que mal vivem. Esfolam-se no esforço trans ou pós- humano de desdobrarem-se, de re-existirem, de “apareSer”. De alcançar, por meio do always on, o always live.
  13. 13. Obrigada! Cíntia Dal Bello pubcintia@yahoo.com.br

×