Tele existência e subjetividade intermitente

504 visualizações

Publicada em

Apresentação do resumo estendido no COLÓQUIO SOCIODROMOLOGIAS I: MAPEAMENTOS SETORIAS DA ACELERAÇÃO DA VIDA COTIDIANA, promovido pelo CENCIB - Centro Interdisciplinar de Pesquisas em Comunicação e Cibercultura. PROJETO: COMUNICAÇÃO E VELOCIDADE (CNPq).

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
504
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tele existência e subjetividade intermitente

  1. 1. Tele-existência e subjetividade intermitente Velocidade tecnológica como fuga da condição mortal Cíntia Dal Bello COLÓQUIO SOCIODROMOLOGIAS I: mapeamentos setorias da aceleração da vida cotidiana PROJETO COMUNICAÇÃO E VELOCIDADE – CNPq OUTUBRO/2013
  2. 2. Velocidade como busca
  3. 3. A superação de limites: - Do corpo próprio; - Do espaço geográfico; - Do tempo cronológico. Vantagens e privilégios aguerridamente incorporados -> caráter bélico do homo velox. Superar a si mesmo como condição de superação do outro O que se busca por meio da velocidade? Congraçamento com a perspectiva do pós-humano
  4. 4. Velocidade como corrida
  5. 5. Velocidade como corrida Dromocracia (TRIVINHO, 2007): • Instituição da velocidade como vetor de organização da vida e das relações humanas • Naturalização das violências e dos acidentes da velocidade • Paixão pelas tecnologias do tele • Comunicação: amistosa x agônica Corrida de obstáculos: a superação de limites presta-se à competição entre os homens
  6. 6. Velocidade como fuga
  7. 7. Velocidade como fugaDo que se foge velozmente? Dos limites do espaço geográfico – onde a existência comparece fadada às intempéries da natureza-mundo (Gaia).
  8. 8. Velocidade como fuga Dos limites do tempo cronológico – que devora a existência (Cronos). Do que se foge velozmente?
  9. 9. Velocidade como fugaDo que se foge velozmente? Dos limites do corpo próprio – que padece, adoece, esmorece e morre.
  10. 10. Como se foge: do corpo? • Pela espectralização (ser/estar imagem): tele-existência (cibermediática, glocal e hiperespetacular) do espaço? • Pelo desenraizamento: nulodimensionalidade ciberespacial do tempo? • Pela invenção e adoção do tempo real: eterno presente, tempo do gerúndio
  11. 11. Velocidade tecnológica como fuga da condição mortal Heidegger • Existência/presença: ser-com, ser-para -> convivência, relação (outro) ser-em -> situa a existência na concretude do mundo (espaço) ser-para-a-morte -> consciência da passagem do tempo de existência e da finitude da vida (tempo) Como escapar dessa misteriosa verdade última – a morte? Como perdurar? Como resistir? Perspectivas que flertam com a “morte”
  12. 12. Debray • Imagem como resposta ao problema da impermanência, da fugacidade e da finitude humanas. • Eterniza, petrifica, cristaliza o instantâneo, o efêmero. • Imortaliza – ao menos na imagem. • Perdura, resiste ao esquecimento (re-existência). • Aquilo que se pode fazer ante o horror da decomposição (recomposição do que deixará de existir). Morin • (Ilusão de) continuidade da presença na ausência. Mas... ser-para-a-morte continua a despontar sua inescapável realidade com a pós-moderna desvantagem de que não há, como antes, teleologias ou narrativas redentoras para acolchoar, de algum modo, a absoluta falta de sentido da vida, a queda no nada.
  13. 13. Flusser Escalada decrescente rumo ao abstrato (Dança ao redor do concreto) • Do mundo dos volumes (tridimensionalidade); • Para o mundo das imagens (bidimensionalidade); • Para o mundo dos textos (pensamento histórico-linear); • Para o mundo do cálculo (nulodimensionalidade). • Imagens técnicas: resultantes da combinação de pixels, bits e bytes no jogo computacional, recobrem o nada e o tornam ilusoriamente habitável (in-lusio). A nulodimensionalidade é um “não-lugar”
  14. 14. Amarrações: Cyberspace (não-lugar) -> nulodimensionalidade ciberespacial Alucinação consensual (William Gibson, 1984) -> in-lusio (campo imaginário, universo lúdico) Colonização do tempo real (Virilio) -> plataformas ciberespaciais: bases de apresentação e convivência (imagens-técnicas que recobrem o “nada”) -> espectralização da existência: virtualização e indexação generalizadas, submissão do tempo de vida ao seu registro e publicização simultâneos -> ser/estar glocal: subjetividade intermitente (projeção/dissolução)
  15. 15. - velocidade como redenção - Paixão pelas tecnologias do tele
  16. 16. Obrigada. Cíntia Dal Bello http://www.cintiadalbello.blogspot.com pubcintia@yahoo.com.br COLÓQUIO SOCIODROMOLOGIAS I: mapeamentos setorias da aceleração da vida cotidiana PROJETO COMUNICAÇÃO E VELOCIDADE – CNPq OUTUBRO/2013

×