Atendimento Publicitário - Estrutura de uma Agência de Publicidade e Propaganda

752 visualizações

Publicada em

Atendimento Publicitário - Estrutura de uma Agência de Publicidade e Propaganda

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
752
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atendimento Publicitário - Estrutura de uma Agência de Publicidade e Propaganda

  1. 1. Atendimento em Propaganda - Prof. Marcelo Simioni 1 AULA 1 ESTRUTURA DE UMA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE Como uma das muitas forças de comunicação, a Publicidade/Propaganda cumpre seu papel quando leva o consumidor por sucessivos níveis de captação da mensagem até a ação de comprar um produto/serviço. Atualmente as grandes características de uma agência de publicidade são:  Criar mensagens publicitárias que irão divulgar os produtos, serviços e/ou marcas das empresas anunciantes, tendo como princípio exaltar os fatores positivos e maquiar (evitar) a exibição dos pontos negativos. Isso não se trata de desonestidade e sim, uma maneira de mostrar ao público um lado mais atraente;  Produzir e materializar as ideias propostas e aprovadas;  Exercer a função de estabelecer um canal entre uma empresa anunciante, uma empresa meio (veículos de comunicação) com o intuito de atingir o consumidor final. Não podemos esquecer que a publicidade é uma ação de persuasão, não de vendas. Ela deve atrair a atenção do consumidor para a existência das marcas de empresas, assim como seus respectivos produtos e serviços. Tem que ser bonita, despertar o desejo e, aí sim, a vontade de comprar. Para que o ato da compra de determinado produto ou serviço se concretize, outras variáveis de marketing deverão fazer sua parte, como por exemplo, preço e distribuição. Como as agências de publicidade passam por um processo de transformação que teve início na década de 90, o pensamento agora é aumentar a gama de serviços oferecidos, reestruturando-se para atender os novos segmentos assumindo o papel de agência de comunicação. Com este intuito, a nova agência pode auxiliar no planejamento e na implementação do composto de comunicação em um esforço integrado com a organização e continuar construindo a imagem de parceiras do anunciante.  Os Modelos de Agências Não existem limites muito precisos entre o que é considerado como agência pequena e média ou média e grande. Mesmo porque há pequenas de diversos tamanhos e estruturas, assim como médias e grandes muito diferentes entre si. Grosso modo, porém, pode-se dizer que uma agência pequena é aquela que tem basicamente as quatro áreas essenciais do negócio — atendimento, planejamento, criação e mídia — com alguns profissionais, e mesmo um único, em cada área. A agência média tem uma estrutura mais bem definida e um número maior de profissionais em cada setor essencial, além de contar (em muitos casos) com os demais departamentos de apoio.
  2. 2. Atendimento em Propaganda - Prof. Marcelo Simioni 2 A agência grande possui estrutura sofisticada, departamentos essenciais bem organizados e às vezes até subdivididos. E com áreas de apoio igualmente constituídas. Os três tipos básicos de agência geralmente são encontrados no mercado brasileiro são:  A agência de pequeno porte ou agência pequena  A agência de médio porte ou agência média  A agência de grande porte ou agência grande Uma agência de propaganda se estrutura essencialmente em função das quatro principais etapas do trabalho que presta: o atendimento, o planejamento, a criação e a mídia. Quando a agência é mais sofisticada, existem também áreas especializadas em pesquisa, produção gráfica e eletrônica (som e imagem), tráfego (dos trabalhos por entre as áreas da agência) e até outras ferramentas de comunicação (relações públicas, promoção, merchandising etc.). Cada área da agência pode estar constituída de uma ou até de muitas dezenas de pessoas, dependendo do tamanho e estrutura da empresa. Há desde o caso de diversas pessoas cuidando exclusivamente de um único tipo de tarefa (produção gráfica, por exemplo) até a situação em que uma só pessoa realiza todas as tarefas da área. Evidentemente, como as agências são empresas, torna-se necessária uma área de administração da organização em si, cuidando das tarefas atinentes a essa função, como a gestão financeira, do pessoal, da contabilidade e outras semelhantes. Como capacidade de produção, de prestação de serviços aos clientes, porém, o que conta é o número e a qualidade das pessoas que trabalham nas áreas operacionais, a partir do eixo atendimento, planejamento, criação e mídia.  Perfil de investimento dos anunciantes  Grandes anunciantes – se utilizam da mídia tradicional; televisão, jornal, revistas, mais recentemente web, etc.  Pequenos anunciantes – iniciam seu processo de comunicação via material promocional, promoção de vendas ou veículos dirigidos, como mala direta, ou jornais e rádios regionais. Considera-se anunciante toda organização que possui a necessidade de comunicar alguma coisa para o público. Possuem diversos tamanhos e estruturas, podem ser: pequenas empresas, grandes conglomerados, empresas do terceiro setor, sem fins lucrativos, empresas públicas ou mistas.
  3. 3. Atendimento em Propaganda - Prof. Marcelo Simioni 3  Perfil de clientes  Business to consumer – B2C  Bens de Consumo Empresas que dirigem seus produtos para o consumidor final: Alimentos, bebidas, eletrodomésticos, automóveis, etc. Vendem seus produtos a intermediários, concessionárias, grandes grupos de loja – Pão de Açúcar por exemplo – que por sua vez vendem ao consumidor final. Na comunicação, criam uma identidade e posicionamento para a empresa e seus produtos, além de auxiliar os intermediários na comercialização com o consumidor final. Exemplo: comercial pôneis malditos  Bens de Serviço Mercado muito diversificado, podem ser pequena escola de inglês até grandes instituições financeiras. A comunicação pode ter funções diferentes, dependendo do porte e da complexidade do serviço oferecido. Em bancos e seguradoras por exemplo pode se ter como objetivos de comunicação fixar a marca, ao passo que em uma imobiliária seria principalmente a divulgação das características dos imóveis, preços, condições de pagamentos etc.  Business to business – B2B Produzem bens que são consumidos por outras empresas. Exemplos: Cibié, fabrica faróis que serão consumidos pela indústria de automóveis. A comunicação tem a função de informação, de exposição e comparação de características, também pode posicionar a empresa. Utilizam dos veículos específicos com informações técnicas: revistas do segmento, relações públicas, marketing direto, eventos, twitter, face book.  Intermediários Empresas que compram os produtos dos fabricantes e dedicam-se às vendas aos consumidores finais. Podem ser o varejista, como o atacadista, como a franquia. Exemplos: Grupo Pão de Açúcar, Kalunga, O Boticário. É comum no meio varejista a propaganda cooperada, que tem a função de informar sobre a disponibilidade do produto, ofertas, condições de pagamentos, preços, etc. Pode também posicionar a sua marca. Exemplo: Carrefour, Extra, Pão de Açúcar.
  4. 4. Atendimento em Propaganda - Prof. Marcelo Simioni 4  A necessidade de conhecer o consumidor Sendo principalmente um meio de promover vendas em massa, a publicidade visa três objetivos:  Incutir uma ideia na mente da massa;  Criar o desejo pela coisa anunciada;  Levar a massa ao ato da compra. Para isto, a publicidade tem de informar, persuadir, lembrar, buscando levar ao convencimento para ação, ou seja, tem de influir no comportamento das pessoas consumidoras. Para influir no comportamento de alguém é preciso conhecer este alguém, e este conhecer deve abranger:  A natureza humana: as necessidades básicas, desejos e paixões que fazem o agir do ser humano;  Seus hábitos e motivos de compra. Portanto, o publicitário não tem contato com a clientela, não lhe é possível o conhecimento do indivíduo em sua plenitude, mas ele tem que conhecer o comportamento da massa como um todo, isto é, o conhecimento das reações e gostos médios do conjunto de indivíduos, que formam o mercado a atingir. Enquanto o vendedor pensa e age em termos de indivíduo, o publicitário tem de fazê-lo em termos de massa. Ele tem que discernir na massa o indivíduo típico, o denominador comum, aquele que expressa em si a média das necessidades, desejos, gostos, etc., da maioria. Para este conhecimento contamos com a pesquisa. O conhecimento do mercado, a análise das reações, hábitos e motivos de compra do consumidor típico, seus hábitos de leitura e audição de rádio, o conhecimento real do produto em relação aos concorrentes são as bases do planejamento publicitário.  Organograma É uma forma gráfica de representar como se organiza uma empresa ou instituição, exibindo as relações entre cargos, grupos e funcionários. Como característica de um bom organograma, podemos exemplificar uma melhor visualização das responsabilidades de cada pessoa em uma agência.
  5. 5. Atendimento em Propaganda - Prof. Marcelo Simioni 5 Exemplo gráfico de um organograma básico em uma agência de publicidade: REFERÊNCIA BIBLIOGRÀFICA LUPETTI, Marcélia. Administração em Publicidade: a verdadeira alma do negócio. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. SANT’ANNA, Armando. Propaganda. Teoria, Técnica e Prática. 7ª ed. São Paulo: Pioneira, 2000. SAMPAIO, Rafael. Propaganda de A a Z. São Paulo: Campus, 2000. PRESIDENTE PESQUISA ATENDIMENTO PLANEJAMENTO CRIAÇÃO MÍDIA OUTRAS ÁREAS MARKETINGTRÁFEGOPRODUÇÃO

×