Como Elaborar um Pôster

5.105 visualizações

Publicada em

Orientações de formatação de pôster acadêmico para apresentação de pesquisas

Publicada em: Design
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.105
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
33
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
214
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Elaborar um Pôster

  1. 1. Departamento de Design e Expressão Gráfica Profª Cínthia Kulpa
  2. 2. Forma de Comunicação CONGRESSOS SEMINÁRIOS WORKSHOPS FÓRUNS PÔSTER OU BANNER mais difundida
  3. 3. Funções de um pôsterFunções de um pôster Sintetizar Informações e dados relevantes da pesquisa
  4. 4. Como se faz um pôster científico? para um evento
  5. 5. O formato você escolhe! LEMBRE! Caráter Técnico- Científico Conteúdo de forma didática Chamar atenção do leitor!
  6. 6. Funções de um pôsterAspectos básicos Preparação Do Conteúdo Diagramação Critérios De Composição Como Fazer
  7. 7. Funções de um pôsterPreparação de Conteúdos Conteúdo Tamanho Local Fixação Horário Retirada...
  8. 8. PÔSTER não é PAPER
  9. 9. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências
  10. 10. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Deve ser Sintético e Refletir a Essência do Trabalho
  11. 11. Título: Um lugar de destaque
  12. 12. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Citados por extenso, acompanhados de suas vinculações
  13. 13. Autores: Por extenso + Instituição
  14. 14. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Apresenta uma visão geral do trabalho, pode ser redigido por último!
  15. 15. Introdução: Visão geral do trabalho
  16. 16. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Apresenta autores e teorias que dão subsídios ao trabalho
  17. 17. Referêncial: Conceitos estudados
  18. 18. Funções de um pôsterEstrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Expõe claramente a finalidade do trabalho, podem ser gerais ou específicos
  19. 19. Objetivo: Finalidade do trabalho
  20. 20. Estrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Apresenta os procedimentos de coletas e análise de dados
  21. 21. Metodologia: Análise de dados
  22. 22. Estrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Apresentam e analisam os dados obtidos
  23. 23. Resultados: Apresentam os dados
  24. 24. Estrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Confirma/refuta os objetivos do trabalho
  25. 25. Considerações Finais: Refuta/Confirma
  26. 26. Estrutura do Pôster Título Autores Introdução Referencial Objetivos Metodologia Desenvolvimento Resultados Obtidos Considerações Finais Referências Cita autores mencionados no texto
  27. 27. Referências: Autores mencionados
  28. 28. Elementos Básicos do Pôster Textos Dados Imagens tabelas, gráficos, diagramas, estatísticas desenhos, fotografias, ilustrações
  29. 29. Funções de um pôsterDiagramação Distribuição de elementos gráficos e textuais apresentados no pôster
  30. 30. Qual a quantidade de texto?
  31. 31. Nem muito... ...nem pouco
  32. 32. 500 a 1000 palavras Uma ou duas páginas A4 Fonte 10 Espaço 1 ½
  33. 33. Tabelas e Gráficos? Apenas o Necessário
  34. 34. Funções de um pôsterNão repita informações A distribuição por gênero observada na pesquisa foi desigual: enquanto na faixa de 60 a 70 anos havia um predomínio de homens nas faixas de 71 a mais de 90 anos esta situação se inverteu, havendo um predomínio de mulheres, atingindo a maior diferença na faixa de 81 a 90 anos. OU...
  35. 35. Imagens Pertinentes a o Te m a
  36. 36. Funções de um pôsterQual o tamanho do pôster? Tamanhos mais comuns: 90 x 90 90 x 100 90 x 120 80 x 100 80 x 120 60 x 90 Tamanho SIC/UFRGS
  37. 37. Informe endereço para Contato
  38. 38. Use o símbolo de sua Instituição
  39. 39. Hierarquize o textopor meio de Alinhamento
  40. 40. Diagramar um texto Introdução: A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as pos- síveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento: Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de desco- brir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o conhecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais consistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o tra- balhador. Conclusão: Os setores de produção das indústrias de calçados constituem um segmento industrial de relevante sig- nificado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre outros fatores, da segurança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do trabalhador.
  41. 41. Diagramar um texto Introdução A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o con- hecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais con- sistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. Conclusão Os setores de produção das indústrias de calçados constituem um segmento industrial de relevante significado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre out- ros fatores, da segurança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do trabalhador.
  42. 42. Diagramar um texto Introdução A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o con- hecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais con- sistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. Conclusão Os setores de produção das indústrias de calçados constituem um segmento industrial de relevante significado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre out- ros fatores, da segurança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do trabalhador.
  43. 43. Diagramar um texto Introdução A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombal gias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o conhecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais consistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. Conclusão Os setores de produção das indústrias de calçados constituem um segmento industrial de relevante significado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre outros fatores, da segurança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do trabalhador.
  44. 44. Diagramar um texto Introdução A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombal gias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o conhecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais consistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. Conclusão Os setores de produção das indústrias de calçados constituem um segmento industrial de relevante significado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre outros fatores, da segurança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do trabalhador.
  45. 45. Introdução A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de tra- balho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alter- ações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. Desenvolvimento Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos rela- tivos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de cos- tura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. O trabalho busca avançar com o conhecimento científico e o conhecimento proveniente do senso comum, procurando trazer, para um debate mais consistente, a manifestação direta daquele que executa a atividade no setor de costura: o trabalhador. Conclusão Os setores de produção das indústrias de calçados con- stituem um segmento indus- trial de relevante significado econômico e social para o Estado do Rio Grande do Sul. Por conseguinte, a sua competitividade depende, entre outros fatores, da segu- rança nos postos de serviço, do bem-estar postural e da adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos tra- balhadores, o que também está ligado à Ergonomia e à qualidade de vida do tra- balhador. Diagramar um texto
  46. 46. Funções de um pôsterUtilize destaques Aspas Negrito Itálico Sublinhado Maiúsculas Recuos Tamanho
  47. 47. Cuidado com os Espaçamentos
  48. 48. A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coleti- va na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de cos- tura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coleti- va na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calça- dista de grande porte, descrever as possíveis alterações biome- cânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga.
  49. 49. Não esqueça a R e v i z ã o Gramatical
  50. 50. Cuidado com as Fontes de L e t r a s
  51. 51. A B C d e f A B C d e f
  52. 52. A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Cole- tiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como ob- jetivos verificar a aceitação da postura de trabalho de pé na percepção dos trabalhadores nos setores de costura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biomecânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os as- pectos críticos sob o ponto de vista de fadiga. A proposta deste estudo, que é uma exigência do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva na área de atenção à saúde do trabalhador, tem como objetivos verificar a aceit- ação da postura de trabalho de pé na percepção dos tra- balhadores nos setores de cos- tura de uma indústria calçadista de grande porte, descrever as possíveis alterações biome- cânicas para a coluna vertebral com enfoque nas lombalgias e discutir os aspectos críticos sob o ponto de vista de fadiga.
  53. 53. Uma fonte para o título e subtítulos E outra para o corpo de texto pode ser uma boa alternativa
  54. 54. Preocupe-se com a Legibilidade
  55. 55. Ilegibilidade
  56. 56. Quanto Espaço?
  57. 57. Qual o tamanho das Fontes? A partir de corpo 20
  58. 58. Critérios de Composição Hierarquia Alinhamento Simetria Sobreposição Ordem Oposição Contraste Simplicidade Equilíbrio Use princípios de composição
  59. 59. Observe a Hierarquia
  60. 60. Hierarquia de Títulos Título Autores Instituição Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Cor- po de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Tex- to Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Conclusões Referências
  61. 61. Hierarquia de Conteúdos Como fazer um pôster Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Cor- po de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Corpo de Texto Referências Autores Subtítulos
  62. 62. Hierarquia
  63. 63. Ausência de Hierarquia
  64. 64. Justificado ou Alinhado Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incen- tivar novos estudos, a fim de descobrir fatos relativos a um campo bastante dúbio e re- forçar os conceitos na análise da melhor postura de tra- balho no setor de costura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos rela- tivos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de cos- tura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. Os indicadores detectados na pesquisa se destinam a incentivar novos estudos, a fim de descobrir fatos rela- tivos a um campo bastante dúbio e reforçar os conceitos na análise da melhor postura de trabalho no setor de cos- tura da indústria calçadista, visando maior conforto e bem-estar dos trabalhadores. Caixa alta ou caixa baixa Os indicadores detectados na pesquisa se des- tinam a incentivar novos estudos. OS INDICADORES DETECTADOS NA PESQUISA SE DESTINAM A INCENTIVAR NOVOS ESTU- DOS.
  65. 65. Simetria
  66. 66. Sobreposição
  67. 67. Ordem e Oposição
  68. 68. Oposição
  69. 69. Contraste e Cor
  70. 70. Simplicidade e Equilíbrio
  71. 71. Quais os erros mais comuns na elaboração de um pôster? • Dificuldade de ler o pôster a uma distância de 1,20m ou mais; • Excesso de informações; • Objetivos e conclusões não destacadas. “ ”American Gastroenterological Association (AGA) para Digestive Disease Week 2004
  72. 72. Pesquise
  73. 73. Como fazer? PowerPoint CorelDRAW Adobe Illustrator Adobe Photoshop Que programa usar?
  74. 74. Livros de Referência
  75. 75. Obrigada! cinthia.kulpa@gmail.com
  76. 76. REFERÊNCIAS CATTANI, Airton. Elaboração de pôster. Porto Alegre : Editora da UFRGS, 2005 KOREN, Leonard; MECKLER, R. Wippo. Recetario de diseño gráfico. Barcelona: Gus- tavo Gili, 2001. GOMES FILHO, João. A Gestalt do objeto. São Paulo : Escrituras, 2000. GRUSZYNSKI, Ana Cláudia. Design gráfico: do invisível ao ilegível. Rio de Janeiro: 2ab, 2000. PORTER, Tom. Diseño: tecnicas graficas para arquitectos, disenadores y artistas. Mexico : G. Gili, 1992. PORTER, Tom. Manual of graphic techniques for architects, graphic designers, & art- ists. London : Astragal Books, 1985. 4 Volumes. SWANN, Alan. Bases del diseño grafico. Barcelona : G. Gili, 1995. WILLIAMS, Robin. Design para quem não é designer. Noções básicas de planejamen- to visual. São Paulo : Callis, 1995.

×