tecido+ Tempo                                                                                         Cláudia Villela* de ...
minha contribuição para a me-                                                                   FOTOS: Divulgação         ...
No início do curso, a turma não estavatão motivada devido a vários fatoresenfrentados até então. Mesmo assim,conseguiu se ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo ld

277 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
277
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
103
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo ld

  1. 1. tecido+ Tempo Cláudia Villela* de somar+S e o conhecimento é a base efeitos indesejáveis ocorridos na O Projeto SOMAR acontece des- do desenvolvimento humano, educação até aqui, e isso está ao de maio de 2012, levando aos somar experiências bem-su- alcance de todos nós. municípios capacitações para oscedidas e conhecimentos adquiri- profissionais da educação infan-dos pode ser a chave-mestra para Temos um objetivo enorme a atin- til ao ensino médio, conformea promoção da educação nacional. gir com o Projeto SOMAR: a me- demanda. Possui em sua essên- lhoria da qualidade do ensino e a cia dois enfoques distintos: oEsse é o propósito do Projeto garantia da aprendizagem, de fato. comportamental e o didático-S­ OMAR, da Rede SESI de Educação E para melhorar a qualidade do en- -técnico-pedagógico.de Minas Gerais, que acontece em sino e garantir a aprendizagem, éparceria com as Secretarias Mu- necessário começar pelos educa- Estrategicamente, todo encontronicipais de Educação do Vale do dores, fazedores do trabalho peda- inicia com o enfoque comporta-Jequitinhonha e Mucuri e com o gógico, dia a dia. É imprescindível mental, provocando reflexõesapoio do SENAI da região. Em ca- iniciar por quem faz as coisas acon- acerca do papel de cada um naráter piloto, neste ano de 2012 tecerem nas escolas, instigá-los à escola, no município e no ce-estão contemplados os municípios adoção de uma postura proativa, nário nacional em relação a serde Jaíba e Turmalina. dinâmica, inquieta diante do desa- professor/educador nos dias de fio de passar do discurso pedagógi- hoje. O que faço para contribuirSabemos que a educação no Brasil co para a prática. Instigá-los para com o sucesso no trabalho? Oainda apresenta problemas estru- que assumam com determinação e que pode ser melhorado? Quan-turais graves e que o desempenho garra o papel de educadores nesse to de mim fica esperando pelosdo ensino público brasileiro está cenário que exige novas posturas e outros, ou responsabilizando osaquém das suas potencialidades, novas práticas para vencermos, de outros pelas minhas experiên-reforçando o gargalo dos resulta- uma vez por todas, o analfabetismo cias de fracasso? Quais são osdos satisfatórios do sistema edu- de fato, o analfabetismo funcional, meus valores? Minhas potencia-cacional. Não dá para voltar no o analfabetismo ecológico e o anal- lidades? O que tenho feito pelatempo, mas dá para reverter os fabetismo tecnológico. educação do município? Qual a66 Revista Linha Direta
  2. 2. minha contribuição para a me- FOTOS: Divulgação lhoria da educação no Brasil? O que posso fazer? Essas reflexões surgem a partir de atividades vi- venciadas pelo grupo de profes- sores que experimentam o valor da atitude positiva e criativa para a resolução de problemas. São reflexões relevantes para a vida pessoal e profissional, que, através do autoconhecimento e da autoestima, contribuem para uma vida melhor e um trabalho educacional melhor ainda. A partir daí, explicitado o gran- de potencial de realização doAtividade vivencial com o grupo de educadores de Turmalina grupo, numa injeção de ânimo e incentivo à motivação, é tra- balhado o aspecto didático-téc- nico-pedagógico. São repassadas estratégias eficazes referentes às modernas práticas pedagógi- cas e estudados temas, dentre eles: contextualização como algo que faça sentido para o aluno; interdisciplinaridade como arti- culação entre as disciplinas; uso da tecnologia como aliada; ava- liação como acompanhamento do caminho que o aluno faz e sina- lizadora da alteração de rumos, se preciso; valorização do conhe- cimento prévio do aluno, preser- vando a proposta pedagógica e aOficina de matemática na educação infantil em Turmalina, com a realidade vigente; inclusão comoconsultora Luce Meire Carvalho compromisso primeiro de levar todo e qualquer aluno a avan- çar, com profundo respeito às diferenças; didática para língua portuguesa e letramento, mate- mática, organização e gestão da secretaria escolar e biblioteca. As experiências até aqui viven- ciadas com os educadores, nos municípios, têm sido de gran- de valia. Os professores têm demonstrado disponibilidade e envolvimento com os trabalhos realizados. De uma ação para outra, podemos observar pro- gressos na ação dos professores que, gradativamente, se refle-Oficina de matemática em Jaíba: trabalho com os blocos lógicos / tem em melhoria no aproveita-sequência lógica / descobrindo atributos mento dos alunos. Revista Linha Direta 67
  3. 3. No início do curso, a turma não estavatão motivada devido a vários fatoresenfrentados até então. Mesmo assim,conseguiu se renovar, juntar as for-ças e se recarregar para o dia a dia.Muitas dúvidas foram sanadas, asatividades com as crianças ganharammais movimento, os ambientes forammais decorados, a hora do descanso,que nem sempre proporcionava des-canso, melhorou muito. O curso pro-porcionou uma segurança maior nodesenvolvimento das atividades comas crianças. Estamos mais tranquilase cheias de energia para continuar naluta pela formação de cidadãos maishumanos e felizes. Rita Alves deSouza e Silva – Coordenadora peda- Oficina de matemática em Jaíba: compreendendo o sistema degógica das creches – Turmalina numeração decimalO Projeto SOMAR soma todos os meussonhos como educadora e gestoradesta instituição, nos tornando maisprofissionais... Nossa escola tem es-paço, trabalho digno, nome e nor-mas. Denilda Ruas – Coordenadorado ensino médio, área C3 – JaíbaA cada capacitação, o SESI semprenos motiva, concordando que difi-culdades existem, mas que, diantedelas, as possibilidades são maiorespara que possa acontecer o ensino--aprendizagem e para que tenha-mos cidadãos competentes e críticosdiante do mundo. Joelma – Profes-sora do 4º ano do ensino médio, Professores de Jaíba – Ensino médio C3área C3 – JaíbaO contexto atual nos convida, urgente-mente, a unir esforços, competências,habilidades e boas atitudes; a sair doconformismo, abandonar o coitadismo,a dificuldade de reconhecer erros eassumir riscos; e a criar novos cená-rios para fazer da educação, a cadageração, o maior legado a ser deixadopara a sociedade brasileira. É precisoSOMAR! *Pedagoga, consultora educacional,palestrante, assessora pedagógicaespecialista em Empreendedorismona Escolawww.fiemg.com.br/sesi Trabalho em grupo – Professores do ensino fundamental I de Turmalina68 Revista Linha Direta

×