Cenário 2012                                           Visão GeralO maior entrave para o crescimento da economia mundial é...
Cenário 2012Há risco, ainda que pena, dos países abandonarem o EURO e isto despedaçar economicamente aEuropa. Estamos sain...
Cenário 2012crescimento real mensal de 1,3% e de 0,9%, respectivamente, e de 11,3% e 13,2% na comparaçãoanual. Apesar do c...
Cenário 2012                          Expectativa – Brasil4                                 Cenários – 2012*              ...
Cenário 2012ExportaçõesA economia global, como já foi colocado, vem se deteriorando, condicionada pelos renovadostemores a...
Cenário 2012Bolsa de Valores - IbovespaA tendência para o mercado acionário em 2012 deve ser melhor do que a observada em ...
Cenário 2012    Conforme comentários já citados, a seguir a carteira recomendada pela Corretora Souza Barros,    para o an...
Cenário 2012certa estabilidade. Mesmo com um ajuste moderado no nível da taxa básica de juros, a taxa deinflação no horizo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Perspectivas 2012 corretora souza barros_final

172 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perspectivas 2012 corretora souza barros_final

  1. 1. Cenário 2012 Visão GeralO maior entrave para o crescimento da economia mundial é a situação dos PIIGS: i) Gréciacontinua em crise; ii) Itália cada vez mais com maiores dificuldades em fazer captações, iii) o quetambém acontece com os outros, mas em um nível menor. O grande problema hoje é que a crise daZona do Euro é estrutural, enquanto os Estados Unidos passam por um problema cíclico.A própria Ata do Copom vem destacando que a economia mundial está enfrentando um período deincertezas, com deterioração nas perspectivas para a atividade econômica. Há grandes riscos para aestabilidade financeira global, devido à exposição de bancos internacionais às dívidas soberanas depaíses com desequilíbrios fiscais, principalmente na Zona do Euro. Outra preocupação são as taxasde desemprego elevadas por longo período, aliadas às necessidades de ajustes fiscais, bem como aolimitado espaço para ações de política monetária e à incerteza política. Isso tudo têm contribuídopara redução nas projeções de crescimento das economias maduras, ou mesmo de seu crescimentopotencial, indicando ciclo econômico mais amplo e volátil. No que se refere à política monetária, aseconomias maduras continuarão com posturas acomodatícias e, em alguns casos, com iniciativasnão convencionais de política monetária. Se os Estados Unidos apresentarem uma pequenarecuperação, não será suficiente para a retomada do crescimento mundial. Em relação a economiadoméstica a expectativa para 2012 é de que a indústria irá sofrer mais no ano de 2011, pois há sinaisde desaquecimento da indústria brasileira, que trarão impactos também sobre investimentos futuros.Recessão à vista!Acredito que a economia na Zona do Euro deva ficar praticamente estagnada em 2012, comcrescimento entre 0,5% e 0,7% e para não acontecer uma nova recessão será preciso tomar medidasmais drásticas. Há necessidade de criar um tripé: i) pacto fiscal; ii) criar um fundo especifico paraZona do Euro; iii) aval do FMI. As más perspectivas se devem a forte deterioração da confiança nosmercados da União Europeia devido à crise da dívida soberana. Existe uma “crise de confiança”que afeta negativamente a demanda, provocando queda no consumo público e no consumo privado,assim como o adiamento dos investimentos das empresas. Os maiores riscos vêm das preocupaçõesem torno da crise da dívida soberana dos países. 1/8
  2. 2. Cenário 2012Há risco, ainda que pena, dos países abandonarem o EURO e isto despedaçar economicamente aEuropa. Estamos saindo de uma crise financeira e passando para uma crise de crescimento, ou seja,vamos ter um período longo de baixo crescimento. As dificuldades de coordenação política e aindefinição de mecanismos consistentes de resgate para os países da Zona do Euro favoreceram aintensificação do movimento de aversão ao risco nos mercados financeiros, levando ao aumento docusto de financiamento da dívida dos países da região. O agravamento da crise da dívida soberanase propaga em direção aos maiores países da região.EUA – Os dados econômicos americanos melhoraram, mas ainda inspiram preocupação. Ocrescimento anualizado de 2,0%, no terceiro trimestre, foi estimulado pelo consumo das famílias,influenciado pela redução na taxa de poupança. A atividade econômica acelerou nos EstadosUnidos e Japão, mas desacelerou na Zona do Euro e na China. Além disso, os indicadores nomercado imobiliário, no mercado de trabalho, nas condições de crédito e na confiança doconsumidor permanecem ruins. A economia Norte Americana deverá crescer 1,6% em 2011,subindo para 2,5% em 2012. Outro fator que aspira atenção é a eleição presidencial americana, queacontecerá em novembro de 2012. O fato do Obama não possuir a maioria no congresso podedificultar a aprovação de pacotes de ajustes necessários para a retomada dos investimentos. Atividade Econômica – EUA1Indicador 2008 2009 2010 2011* 2012*PIB real 0,00% (2,60%) 2,9% 1,6% 2,5%IPC 3,85% (0,35%) 1,5% 2,7% 1,4%Desemprego 5,80% 9,30% 9,4% 9,0% 8,7%China - A capacidade de investimento do dragão chinês está se esgotando, não será mais como foiem anos anteriores. Atualmente o país enfrenta problemas com os bancos, e a inflação está muitoacima da meta prevista de 4%. Embora em desaceleração, segue com a atividade econômica emritmo significativo. As vendas no varejo e a produção industrial registraram, em outubro,1 Fonte da projeção: FED 02/11/2011 2/8
  3. 3. Cenário 2012crescimento real mensal de 1,3% e de 0,9%, respectivamente, e de 11,3% e 13,2% na comparaçãoanual. Apesar do cenário mais difícil, a China vai continuar sendo o país com maior destaque nocenário mundial. Atividade Econômica Chinesa2Indicador 2008 2009 2010 2011* 2012*PIB real 9,60 9,20 10,40 9,20 8,50IPC 5,90 (0,68) 3,33 5,50 3,75Economia doméstica - Hoje o Brasil não é um país isolado e seu comércio internacional dependetanto dos países desenvolvidos quanto dos emergentes, onde há uma clara desaceleração em cursoda economia mundial. As pressões inflacionárias na economia doméstica começaram a deixar de seruma preocupação do Banco Central, o que mais preocupa agora é a desaceleração da economiabrasileira. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a crise na Europa não está sendoresolvida de forma satisfatória e pode piorar. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada, naindústria de transformação, calculado pela FGV, sem ajuste sazonal, vem caindo e já está abaixo de84%. Isso mostra sinais de enfraquecimento da economia brasileira, confirmado pela ultimapublicação do PIB brasileiro.A Pesquisa Focus3 diminuiu a estimativa de crescimento para 2012, o PIB está estimado em 3,30%.Em relação a expectativa para a produção industrial de 2011, no final do ano de 2010 girava emtorno de 5,30% e hoje a expectativa apresentada para 2011 é de 0,78%, e para o ano de 2012 a taxaé de 3,30%. A meta de inflação em 2011 ultrapassou o seu limite, a expectativa é que feche o anode 2011 em 6,55%, já a perspectiva para 2012 é que seja de 5,32%, a meta deve ser perseguida peloBC (com margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos). Em relação ao Índice Geralde Preços de Mercado (IGP-M) no ano de 2011 o índice fechou em 5,10%, para 2012, a projeção é5,08%.2 Fonte da projeção: Bloomberg3 Relatório Focus do Banco Central de 30/12/11 3/8
  4. 4. Cenário 2012 Expectativa – Brasil4 Cenários – 2012* 2011* 2012 * Pessimista Conservador OtimistaIPCA (%) 6,55% 5,32% 6,00 4,90 4,35Meta Taxa Selic (%) 11,00% 9,50% 10,25 9,50 8,75PIB (%) 2,87% 3,30% 2,50 2,80 3,50Taxa de Câmbio - fim de período (R$/US$) 1,87 1,75 1,72 1,77 1,90Invest. Estrangeiro Direto (US$ bilhões) 63,00 55,00 48,0 50,0 60,0Taxa de JurosO BC vem sinalizando que vai afrouxar ainda mais o aperto monetário e deve continuar reduzindoos juros. Dessa forma podemos chegar ao final de 2012 com a taxa Selic por volta de 9,5%. Atendência está baseada nas expectativas de que a crise na zona do euro deve se agravar comcrescimento do PIB inferior a 1%. Além disso, a Presidente Dilma vem publicamente afirmandoque o governo vai ter a menor taxa real de juros.CâmbioO dólar em 2012 deve permanecer no patamar entre R$ 1,75 e R$ 1,78. A continuidade do nãoaquecimento da economia mundial, mesmo com a China crescendo a 8,5% terá efeito sobre ocomércio e a aversão a risco deve persistir em função do endividamento dos países para salvar osistema financeiro. A taxa real de juros no Brasil está entre as maiores do mundo e por isso devepermanecer atraente para os investidores estrangeiros.4 Relatório Focus do Banco Central de 30/12/11 4/8
  5. 5. Cenário 2012ExportaçõesA economia global, como já foi colocado, vem se deteriorando, condicionada pelos renovadostemores associados à questão fiscal dos países da Europa; pelo impasse sobre a elevação do teto doendividamento nos EUA e posterior rebaixamento de rating por parte de uma agência classificadorade risco; e pelo acirramento das perspectivas quanto à desaceleração econômica nessas duaseconomias e seus efeitos sobre a economia global. Nesse cenário, os mercados financeiros passarama operar sob forte volatilidade, com expressiva percepção de aumento do risco. Com isso aatividade econômica nas principais economias desenvolvidas apresenta sinais evidentes dedesaceleração.Com esse ambiente repleto de incertezas, os preços internacionais das commodities apresentaramelevada volatilidade, com desvalorizações nos segmentos de commodities metálicas e energéticas,cujos preços são mais sensíveis aos ciclos econômicos, enquanto os preços das commoditiesagropecuárias registraram elevações, influenciados pela deterioração das condições de oferta, emambiente de adversidades climáticas em regiões produtoras e de resultados parciais da colheita dealguns produtos, sinalizando produtividade abaixo da esperada.A valorização do real frente ao dólar melhorou, mas nossos produtos tem uma dependência muitogrande dos preços internacionais que são marcados pela alta volatilidade. O ideal seria que nossosprodutos fossem de maior valor agregado, pois esses não dependem apenas da formaçãointernacional de preços. Conclusão: os riscos de um cenário mais negativo são elevados eprejudicam os preços e a nossa balança comercial.CréditoA oferta de crédito doméstico vem se mantendo imune à restrição de liquidez externa. O BC teveque tomar medidas para diminuir e agora para aumentar a liquidez do crédito. O volume total deempréstimos e financiamentos ofertado pelo sistema financeiro, com base em recursos livres edirecionados, vem crescendo. 5/8
  6. 6. Cenário 2012Bolsa de Valores - IbovespaA tendência para o mercado acionário em 2012 deve ser melhor do que a observada em 2011. Aseconomias desenvolvidas seguirão incapazes de caminhar com as próprias pernas. Além do mais, ospaíses estão com grandes déficits ficais, sendo obrigados a fazer ajustes fortes em suas economias.A preocupação deve ser com o ritmo dessa desaceleração, inclusive com a China que tambémnecessita de ajustes, conforme já comentado.Mesmo com as medidas já tomadas para a retomada da demanda o BC deve baixar a taxa Selic para9,50% ao ano. O cenário macroeconômico interno e externo deve desacelerar nos próximos seismeses para depois ganhar ritmo novamente. A expectativa é que o Ibovespa ganhe ritmo em 2012,apesar de que o início do ano ainda não deva ser um dos melhores; melhorando a partir do segundosemestre. Uma projeção mais pessimista seria de 65.000 pontos, conservadora 68.500 e otimista72.000 pontos todos para o final 2012 – uma alta aproximada de 14,5%, 20,70% e 26,90% tendocomo base o fechamento de 2011. O varejo, consumo e financeiro (bancos) devem-se destacarentre os setores no ano de 2012 e não podemos esquecer das empresas que são boas pagadoras dedividendos. Em função das medidas tomadas pelo governo, o setor de consumo deve voltar aaquecer. Com relação ao setor bancário, mesmo com um cenário externo afetando os bancos lá fora,não deve afetar o setor bancário interno - os bancos brasileiros foram afetados em função dosinvestidores estrangeiros terem colocado os brasileiros na mesma situação dos estrangeiros evendidos suas ações. Além disso o crédito deve crescer por volta de 13% em 2012.Outro setor que o investidor deve acompanhar de perto é o da construção civil, em função depossíveis novas medidas que possam surgir por parte do governo; além do mais é o setor que estámais descontado no ano de 2011 com queda de aproximadamente 27,70%.É importante lembrar que a maior do peso do Ibovespa de empresas produtoras de commodities. Épreciso ter cuidado também com a necessidade de financiamento das companhias. As maisendividadas ou que precisam de recursos para fluxo de caixa tendem a ser prejudicadas pelaredução de liquidez e aumento do custo do dinheiro. Os preços internacionais das commoditiesseguiram apresentando forte volatilidade nos últimos meses, porém com tendência de queda,refletindo, principalmente, novo aumento da aversão ao risco, fruto do agravamento da crise fiscalna Europa e desaceleração do crescimento da China. 6/8
  7. 7. Cenário 2012 Conforme comentários já citados, a seguir a carteira recomendada pela Corretora Souza Barros, para o ano de 2012, composta por seis papéis. Carteira Souza Barros para 2012 Fechamento Preço Potencial de Nome Classe Cod. Setor 26/12 Justo ValorizaçãoAll Amer Lat ON ALLL3 R$ 9,42 R$ 19,50 107,01% Transporte ferroviárioBr Malls Par ON BRML3 R$ 18,20 R$ 19,16 5,27% Exploração de Imóveis Cemig PN CMIG4 R$ 33,15 Em revisão - Energia Elétrica Itaú PN ITUB4 R$ 34,50 R$ 45,50 31,88% Bancos Petrobras PN PETR4 R$ 22,17 R$ 35,00* 57,87% Petróleo, gás e biocombustíveis Totvs ON TOTS3 R$ 31,75 R$ 40,00* 25,98% Tecnologia da Informação Importante: Ler Disclaimer abaixo antes de tomar decisão. * Preço Alvo da Consultoria Lopes Filho. Carteira de Dividendos Trimestral (Jan-Mar/2012) Dividendo Yld Nome Classe Cod. Setor 26/12/2012 Ambev PN AMBV4 2,78% Indústrias de Bebidas Cielo ON CIEL3 5,42% Serviços Financeiros DiversosEletropaulo PN ELPL4 20,80% Energia Elétrica Natura ON NATU3 4,90% Produtos de Uso PessoalSid Nacional ON CSNA3 8,43% Siderurgia e Metalurgia Importante: Ler Disclaimer abaixo antes de tomar decisão Conclusão Esse cenário foi construído e analisado sob perspectivas que identificam de modo mais abrangente os reflexos dos desenvolvimentos externos para a economia brasileira – entre outros, os canais do comércio, do preço de importações e da volatilidade externa. Como hipótese de trabalho, admite-se que a continuidade da deterioração do cenário internacional continue causando impacto sobre a economia brasileira. Além disso, supõe-se que a atual situação internacional seja mais persistente do que a verificada nos anos anteriores, porém, menos aguda. No cenário central, entre outras repercussões, ocorre moderação da atividade econômica doméstica e a taxa de câmbio mostrando 7/8
  8. 8. Cenário 2012certa estabilidade. Mesmo com um ajuste moderado no nível da taxa básica de juros, a taxa deinflação no horizonte relevante se posiciona para o centro da meta em 2012.As tensões no mercado cambial, os desequilíbrios fiscais e o endividamento dos países, falta deacordo para um ajuste fiscal para a redução do déficit, junto com as incertezas que rodeiam osmercados financeiros explicam a correção em baixo crescimento para 2012.A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, no seu documentosemestral Perspectiva Econômica, estima que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) globaldesacelere a 3,4% em 2012, ante 3,8%. Trata-se de uma forte queda ante a previsão anterior, demaio, quando a OCDE estimava que o mundo cresceria 4,2 % em 2011 e 4,6 % em 2012. Hoje temuma luta para conter a crise de dívida sem precedentes, a zona do euro já entrou em recessão e vairegistrar um crescimento de apenas 0,2 % em 2012, conforme a OCDE. Os Estados Unidos entrouem estagnação e deve demorar a retomada do crescimento, só vendo a retomada de crescimentoapós a eleição de 2012.Brasil – As medidas do Banco Central já deram bastante o que falar. O mercado vem esperandonovas medidas de política monetária e que a taxa Selic caia pelo menos mais 1,5 ponto percentualdurante o ano de 2012. O fato é que algo mudou em termos de política monetária. O BC vemantecipando os cortes da taxa de juros, o que mostra que está menos preocupado com a inflação ecom atenção maior no aumento da demanda. Ainda existem muito risco e tensão na economiaglobal e isso não deve desaparecer nas economias emergentes, apesar de estarem indo muito bem, jáas avançadas ainda não encontraram seu caminho nesse novo contexto pós-crise.São Paulo, Janeiro de 2012.(11) 3292-6900 - 0800 77 123 00www.souzabarros.com.br – www.investtrader.com.brAnalista CNPI: Clodoir VieiraLarissa Gatti Nappo 8/8

×