Como Eliminar as Dívidas

243 visualizações

Publicada em

O eBook Como Eliminar as Dívidas - O Método Definitivo através de uma metodologia simples, apresenta o passo a passo que você deve seguir para eliminar as dívidas de uma vez por todas. O método apresentado irá priorizar as suas necessidades básicas e a conquista de seus objetivos com o apoio de um orçamento mensal.

Você aprenderá a administrar seu orçamento de forma organizada sempre em busca de uma melhor qualidade de vida.

Cada vez mais pessoas estão com problemas financeiros e procuram meios para livrar-se do endividamento. Não existe nenhum meio mágico ou fórmula padrão que funcione para todos. Porém, com algumas simples atitudes, você poderá dar os primeiros passos para eliminar as dívidas.

Você irá aprender a gastar dinheiro de forma inteligente. Isso fará com que você mantenha o seu orçamento no azul e não se sujeite a pagar os altos juros do cheque especial e rotativo do cartão de crédito.

Veja quais são os 3 Passos Simples para Eliminar as Dívidas

1 - Monitorar

Nesta primeira parte você irá visualizar tamanho do problema. Para Eliminar as Dívidas definitivamente é fundamental admitir que as dívidas são resultados de escolhas erradas e que será necessário comprometimento e disciplina.

Com a utilização da planilha EAD (Eliminar as Dívidas) você saberá o valor real de cada dívida e aprenderá quais dívidas devem ser pagas primeiro para buscar a realização de seus sonhos.

2 - Objetivar

Nesta segunda fase, nos vamos focar no que é mais importante em sua vida, você irá refletir sobre quais são os seus maiores sonhos e o que deve ser feito para eliminar as dívidas e buscar realizá-los

3 - Balancear

Na terceira fase, vamos juntos analisar o seu orçamento mensal e buscar estratégias para adequar seu padrão de vida a seu orçamento sempre em busca da eliminação total de seu endividamento.

Você aprenderá sobre a portabilidade de crédito (trocar suas dívidas caras por dívidas mais baratas), Terá informações valiosas sobre o uso do cheque especial e do cartão de crédito. Aprenderá sobre a importância da constituição da reserva de emergência e dicas práticas para renegociar as dívidas da melhor forma possível.

www.eliminardividas.com.br/eliminardividas

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Como Eliminar as Dívidas

  1. 1. Autor do livro Economizar sem perder o prazer de viver www.queroeconomizar.com.br No livro, ensinamos um método; na vida realizamos Sonhos! CLEITON OLIVEIRA i
  2. 2. Copyright Dedicatória Introdução CAPÍTULO 1 - Como se livrar das Dívidas de uma vez por todas CAPÍTULO 2 - Como Renegociar as suas Dívidas CAPÍTULO 3 - Como Definir seus Objetivos CAPÍTULO 4 - Reserva de Emergência: Aprenda sobre a sua importância CAPÍTULO 5 - Como Gastar Dinheiro de Forma Inteligente CAPÍTULO 6 - Como Economizar Dinheiro - O Guia Definitivo CAPÍTULO 7 - O que fazer em caso de Superendividamento CAPÍTULO 8 - Economizar sem Perder o Prazer de Viver SUMÁRIO 2
  3. 3. © 2015, InvestMobile Todos os direitos reservados e protegidos pela lei nº 9.610, de 19/02/1998 Nenhuma parte deste livro, sem autorização prévia por escrito do editor, poderá ser reproduzida ou transmitida sejam quais forem os meios empregados: eletrônico, mecânicos, fotográficos, gravação ou quaisquer outros COPYRIGHT iii
  4. 4. “A Sandra minha eterna companheira e ao meu filho Érick, que vem me apoiando a construir uma vida muito feliz e repleta de realizações” iv
  5. 5. Quem nunca teve alguma dívida, que atire o primeiro cartão de crédi- to. Cada vez mais pessoas estão com problemas financeiros e procuram meios para livrar-se do endividamento. Não existe nenhum meio mágico ou fórmula padrão que funcione para todos. Porém, com algumas simples atitudes, você poderá dar os primeiros passos para eliminar as dívidas. Primeiramente, será necessário um pouco de esforço, dedicação, disciplina e uma análise profunda de todos os seus gastos. O Planejamento Financeiro é fundamental e essencial para a organização de seu orçamento. O Planejamento Financeiro Pessoal e Familiar tem como principal meta prover uma melhor qualidade de vida sempre de acordo com seus objetivos. Portanto, com a organização de seu orçamento, você saberá se está sobrando ou faltando dinheiro, para que consiga realizar todos os seus objetivos. Nesta fase inicial, será muito importante a utilização de uma planilha financeira. Através de sua utilização, você saberá para onde está indo seu dinheiro e quais gastos podem ser cortados. Você poderá utilizar nosso modelo de Planilha de Orçamento Mensal, através dela, você poderá iniciar o ciclo da eliminação do endividamento. É fundamental que você aprenda a gastar dinheiro de forma inteligente. Isso fará com que você mantenha o seu orçamento no azul e não se sujeite a pagar os altos juros do cheque especial e rotativo do cartão de crédito. O importante é manter um equilíbrio financeiro entre o quanto você ganha e quanto você gasta. Isso não quer dizer que você tenha que empatar as entradas e saídas, é sempre importante que o dinheiro gasto seja menor do que o valor ganho. Com essa sobra você poderá constituir uma reserva de emergência para os mo- mentos adversos de sua vida. Na verdade não é com a sobra que você deve constituir uma reserva de emergên- cia ou separar um valor para a realização de seus sonhos. INTRODUÇÃO v
  6. 6. O valor para seus objetivos deve ser separado tão logo você receba seu seus rendi- mentos. Organização do Orçamento Mensal A organização do orçamento mensal consiste, basicamente, em balancear entre quanto você ganha e o quanto você gasta. Esse é o segredo da riqueza: nunca gastar mais do que se ganha. Mas, por mais simples que seja essa regra de ouro das finanças, ela dificilmente é seguida à risca, especialmente nos dias atuais onde a natureza do consumo imediato e o forte e crescente foco nos gastos, faz com que sobre cada vez menos dinheiro no final do mês. O sustento pessoal ou familiar definitivamente não está baseado somente nas contas fixas como aluguel, alimentação, água, luz, transporte e condomínio. Sabemos bem que esta lista de despesas é só o começo de algo que, para muitos, parece um grande buraco negro. São muitas vezes os gastos inesperados como um problema de saúde levando a uma consulta médica de emergência, a manutenção de algum equipamento do carro, um presente de aniversário de última hora, e até mesmo, para os menos precavidos, o IPTU que todo ano tem que pagar, mas você insiste em esquecer dele, afinal, já pagou isso esses dias, certo? Existem diversas circunstâncias que faz com que você fique endividado. Mas, se você ainda não se deu conta dessas adversidades, é muito importante que você acom- panhe este livro até o final para eliminar as dívidas de uma vez por todas. O Método Definitivo para Eliminar as Dívidas Um planejamento financeiro tem como principal meta prover uma melhor quali- dade de vida sempre de acordo com os objetivos definidos. O Método Mobile possui 6 passos simples para organizar a vida financeira, você poderá monitorar seu orçamento direcionando o dinheiro gasto com supérfluos para o consumo de bens ou serviços que lhe trarão melhores benefícios no presente e no seu futuro. Com ênfase no crescimento consistente de seu patrimônio esse planejamento fará com que se liberte do endividamento e que seus frutos possam lhe conferir um vi
  7. 7. sustento para que possa consumir de forma duradoura sem ter que recorrer a juros exorbitantes. Neste livro, iremos utilizar os 3 primeiros passos do método para que você possa sair do vermelho e eliminar as dívidas definitivamente. O Método Mobile Esse método foi criado e utilizado ao longo de alguns anos, por clientes que pos- suíam uma vida repleta de dívidas, infelicidade e, já nas fases iniciais puderam enxer- gar uma luz no fim do túnel. Um dos passos mais relevantes é perceber que está em uma situação de endivida- mento e que está difícil sair pelos próprios meios, então, a busca de informação é o pri- meiro passo para a libertação. O método Mobile consiste de seis fases. 1. Monitorar 2. Objetivar 3. Balancear 4. Investir 5. Lapidar 6. Exaltar Com a utilização deste método, você compreenderá como atender suas necessida- des básicas de consumo com uma melhor organização e controle de gastos. Ele permitirá que você saia do endividamento assegurando uma melhor qualida- de de vida no presente sem prejudicar os objetivos e sonhos programados para o futu- ro. Através da aplicação do método MOBILE, você estará seguindo automaticamen- te este caminho. Não estará contando com a sorte, como grande parte das pessoas para atingir tal objetivo. Seguindo somente os 3 dos 6 passos simples para organizar sua vida financeira, sair do vermelho será uma consequência natural. Vejamos qual o caminho percorrido para livrar-se das dívidas. vii
  8. 8. 1. Monitorar Com o monitoramento do orçamento pessoal ou familiar é muito mais fácil verifi- car para onde está sendo direcionado seu dinheiro ganho com muito suor e que termi- na antes mesmo de chegar à metade do mês. Efetuando esse acompanhamento com a utilização da planilha de orçamento mensal ficará muito mais claro atacar os gastos supérfluos e as dívidas que não agrega valor a sua vida. O sucesso financeiro não está em quanto você ganha, mas sim na diferença entre seu ganho e gasto mensal. É esse valor que economizado ao longo dos anos, que lhe trará mais segurança e para que seja capaz de realizar seus sonhos. Muitos culpam outras pessoas por causa de seu endividamento ou fracasso finan- ceiro. Essa transferência de culpa na maioria das vezes é para fugir das responsabilida- de. Acredito que você não é uma dessas pessoas, pois decidiu ler este livro para orga- nizar a sua vida financeira. Então mãos a obra, baixe a planilha de orçamento mensal através deste link. 2. Objetivar Deixando um pouco de lado o controle do orçamento financeiro é hora de pensar no que realmente o motiva e definir seus objetivos. Refletir sobre os sonhos individu- ais e coletivos. Em termos simples, um objetivo é algo que você planeja alcançar. Seu objetivo pode ser adquirir um carro, uma casa ou mesmo conquistar a tão sonhada independên- cia financeira. O ideal é que você digite seu objetivo no computador ou escreva em um pedaço de papel e o tenha sempre em vista. Um objetivo não escrito é somente um desejo. Outro fator importante é colocar um tempo limite para conquistar seus objetivos, e os mesmos devem ser realistas e alcançáveis. Acredito ser esta a fase mais importante de um Planejamento Financeiro, pois com um objetivo bem definido será muito mais fácil lutar e enfrentar as possíveis difi- culdades que aparecerão ao longo do caminho criando hábitos que o levará a consumir de forma consciente e inteligente. Para auxiliar na definição de seus objetivos é muito importante que você leia o ca- pítulo 3 Como Definir seus Objetivos. viii
  9. 9. 3. Balancear Esta fase do planejamento após você ter estabelecido quais são seus objetivos e sonhos, será a a fase de balancear a distribuição de seus recebimentos, de acordo com suas prioridades. Após efetuar a relação com todos os credores, identificar se há aplicação que po- derá ser resgatada, se há bens que podem ser vendidos e quais contas podem ser dimi- nuídas ou eliminadas, você irá determinar quanto de sua renda mensal será capaz de economizar sem comprometer sua qualidade de vida. Serão priorizados gastos que agregam valor a sua vida e, nesta fase, você iniciará a constituição da reserva de emergência que é importante para os casos da ausência do salário de algum provedor. É através desta consciência que você conseguirá diminuir os gastos supérfluos e economizar dinheiro. Nesta fase a participação e a colaboração de todos os componen- tes da família é muito importante. Todo o sacrifício é válido nesta fase do planejamento para se livrar do endivida- mento e posteriormente realizar os seus maiores sonhos. 4. Investir Uma vez que colocado às contas em ordem e separado um valor para a reserva de emergência deve-se investir parte de seu dinheiro para garantir a realização de seus so- nhos. É muito importante que tenha disciplina e que se empenhe a obter seus objeti- vos, não deixando de investir por qualquer situação adversa e principalmente utilizan- do tal valor conquistado para a compra de itens supérfluos. Se você é uma daquelas pessoas que não tem essa disciplina requerida, mas dese- ja realizar seus sonhos, você tem uma opção… E ela se chama “Investimentos progra- mados“. Você descobrirá que não é importante economizar muito, mas economizar sem- pre. O melhor investimento é aquele feito regularmente. Portanto, para o melhor aproveitamento, procure separar um valor para ser in- vestido tão logo suas dívidas sejam eliminadas, pois você poderá aproveitar as taxas de juros e a ação do tempo sobre o valor investido. ix
  10. 10. Um excelente conteúdo para as pessoas que estão iniciando no mundo dos inves- timentos é investir em conhecimento. Por isso, recomendo a leitura do Livro Economi- zar sem Perder o Prazer de Viver. 5. Lapidar Nesta fase do planejamento independentemente do nível de desempenho atingi- do, há sempre espaço para melhorar. Identificar as áreas mais fracas do planejamento financeiro para aperfeiçoar e la- pidar as habilidades e permanecer rumo à realização de seus sonhos. É hora de analisar o orçamento e verificar onde pode ser melhorado, isso não si- gnifica ter que cortar mais gastos e sim visualizar se os mesmos estão de acordo com seu objetivo. Esse procedimento pode sempre ser realizado ao longo do trajeto para identificar possíveis alterações e adequar o planejamento a sua fase atual na vida. Muitas vezes, não é possível cortar mais gastos, então você pode encontrar ou- tras formas de aumentar os seus rendimentos. Através de muita disposição e com alguns sacrifícios, é possível sair de situações desesperadora. Os dias de sofrimento e angústia com noites mal dormidas, podem ser transformados em dias melhores. Não é preciso nenhum método mirabolante ou mágica para isso, basta seguir es- ses passos e se comprometer em realizá-los. 6. Exaltar Esta é a fase da celebração, comemorar as conquistas obtidas nesse trajeto e per- manecer com o plano da conquista da independência financeira caso não a tenha obti- do, mas seguido o plano essa realização será questão de tempo de ser alcançada. Não há mágica e sim ter foco, disciplina e perseverança em buscar seus objetivos e sonhos. Monitorando em uma planilha as entradas e saídas e refletindo sobre seus so- nhos e objetivos. Basta colocar em prática o balanceamento priorizando o mais impor- tante, reservando um valor para a reserva de emergência e para os investimentos sem- pre verificando onde pode ser melhorado e comemorando as conquistas realizadas. x
  11. 11. Assuma o compromisso de eliminar as dívidas e possuir a vida que tanto sonhou. Neste livro, iremos utilizar somente os 3 primeiros passos para organizar a sua vida financeira e manter o orçamento em ordem sempre em busca da realização de seus Sonhos. xi
  12. 12. COMO SE LIVRAR DAS DÍVIDAS DE UMA VEZ POR TODAS 1 12
  13. 13. Para Eliminar as Dívidas definitivamente é fundamental admitir que as dívidas são resultados de escolhas erradas e que será necessário comprometimento e discipli- na. Algumas atitudes tomadas como: parcelar as compras, mesmo tendo dinheiro para comprar a vista, entrar em financiamento de longo prazo como a compra da casa ou carro, utilizar o cheque especial como uma extensão do salário, poderá levá-lo ao endividamento, quando esses gastos sobreporem seus rendimentos. Algumas situações inesperadas como o desemprego, problemas de saúde que po- dem acontecer a qualquer um, pode agravar esse quadro e isso muda repentinamente a vida financeira das pessoas, principalmente se não há reserva de emergência para essa finalidade. Um levantamento efetuado pela Serasa (2015) revela que a perda do emprego é o motivo mais frequente para a inadimplência dos brasileiros – 26% dos inadimplentes culpam o desemprego para o atraso das contas. O segundo maior motivo para a inadimplência é o descontrole financeiro, aponta- do por 17%, seguido pelo esquecimento na hora de pagar as contas (7%). Outros 7% di- zem ter emprestado o nome para terceiros, e 7% justificam com despesas extras com serviços, educação e saúde. 13
  14. 14. O percentual de inadimplentes que apontam o desemprego como causa é maior no Sudeste, onde alcança 33% do total de entrevistados. O Nordeste vem em segundo, com 28% dos entrevistados afirmando ser essa a causa do nome sujo, seguido pelo o Sul, com 23% e o Norte, com 13%. Fonte: Serasa Para sanar este problema, muitas pessoas solicitam ajuda aos consultores finan- ceiros e aos especialistas em finanças quando já estão no fundo do poço, mas quando são confrontados com a verdade de que para se livrar das dívidas é necessário uma dose de sacrifício e muito comprometimento, grande parte das pessoas abandonam o processo de organizar o orçamento. Não é muito agradável ter alguém que aponte os nossos erros, nos culpando pela situação em que encontramos, mas é importante perceber que a decisão de gastar mais do que ganha e não economizar nada, é nossa. É necessário aceitar a responsabilidade pela situação e entender que é importan- te mudar a forma como lidar com o dinheiro, sendo essencial avaliar a gravidade da si- tuação financeira, afinal muitos só tem uma noção parcial da dívida e de alguns com- promissos financeiros. Além de assumir a responsabilidade, outro fator importante é o emocional que conta muito nesse aspecto e que deve ser levado em consideração. Pesquisa recente fei- ta pelo SPC Brasil e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) conclu- iu que 48% dos consumidores inadimplentes sentem vergonha de suas dívidas. Outro fator relevante leva em conta que 43% dos entrevistados com dívidas atra- sadas por mais de três meses disseram que sentiram a autoestima afetada. Além disso, 39% dos endividados disseram sofrer de insônia e 31% possuem receio de atender o te- lefone. Outros sentimentos negativos que foram relatados pelos entrevistados são a infe- licidade (46%), irritação e desespero (44%), insegurança e o medo de não consegui- rem quitar as pendências (44%). Fonte: SPC Brasil O emocional já entre em cena na hora da utilização do crédito mais caro. O em- préstimo pessoal possui, em média, juros muito menores em comparação ao cartão de 14
  15. 15. crédito e o cheque especial. Porém, para usufruir do empréstimo pessoal é necessário comparecer ao banco e falar com o gerente. Logo, o constrangimento de ficar cara a cara com o gerente é um fator determi- nante na utilização de crédito mais caros. Utilizar a vergonha como obstáculo fará com que você não tenha acesso a crédito mais barato. Erga a cabeça, coloque esse sentimen- to negativo de lado e parta para a eliminação das dívidas de sua vida. Após essa conscientização, surge aquela dúvida primordial: Quais os primeiros passos para eliminar as dívidas? Esse será o assunto do nosso próximo tópico. Primeiro passo para eliminar as dívidas O primeiro passo para eliminar as dívidas é listar todas as dívidas em um cader- no ou planilha para saber qual o total do endividamento e quais são as taxas de juros cobradas. Muitas pessoas acreditam que devem pagar as dívidas de maior valor, porém, é importante pagar as dívidas que possuem a maior taxa de juros. Um dos maiores erros que os endividados cometem é esconder a situação dentro de casa por motivo de vergonha. Presenciei um caso de um casal recém casado que estava querendo realizar o so- nho da casa própria. Procuraram e encontraram a tão sonhada casa e na hora das in- formações sobre o financiamento e conclusão do contrato, não puderam efetuá-lo por conta do marido possuir uma dívida grande junto a instituição financeira. O detalhe mais importante desta história é que a esposa não tinha conhecimento sobre esta dívida, logo, ficou sabendo por meio do gerente do banco. Listar todas as dívidas O primeiro passo é fazer uma lista de todas as suas dívidas, você pode ficar im- pressionado com o tamanho de seu endividamento, porém, o mais importante é que você deu o primeiro passo para resolver esse problema. A maioria das pessoas possuem medo em conhecer a real situação de seus proble- mas, pois acreditam não ser possível se livrar deste pesadelo. Porém, não tem como fu- gir, pois tenho certeza que você e até mesmo seus parentes (apesar de ser proibido) es- tão recebendo ligações dos credores para que você pague suas dívidas. 15
  16. 16. Por isso, é muito importante efetuar o levantamento das dívidas e realizar um planejamento financeiro para se livrar delas de uma vez por todas. Além disso, muitas pessoas passam as noites em claro, tentando encontrar uma solução para livrar-se do endividamento, isso pode ocasionar problemas de saúde, bai- xa produtividade no trabalho e conflitos com os familiares. Então vamos efetuar o primeiro passo para livrar-se das dívidas como podemos visualizar no exemplo abaixo: No exemplo, utilizamos a Planilha EAD (Eliminar as Dívidas). Está planilha está disponibilizada através deste link. Podemos verificar que na planilha consta dívidas em dois cartões de crédito, che- que especial, financiamento do imóvel e veículo, crédito educacional, compra em lojas e tratamento dentário parceladas em algumas vezes com juros variados. Nesta planilha deve-se preocupar com o pagamento das parcelas de maior juros, pois são essas parcelas que podem crescer de forma absurda. O credito estudantil e os financiamentos do imóvel e veículo, apesar de possuírem os maiores valores, podem ser pagos conforme os prazos estabelecidos. As dívidas que possuem os maiores juros devem ser eliminados o mais rápido possível, conforme a capacidade de pagamento disponível no orçamento. Salvo algumas excessões, como no caso de endividamento temporário, a prioriza- ção do financiamento do veículo ou financiamento imobiliário que podem sofrer a reto- mada do bem em relação ao pagamento ou utilização do cheque especial ou cartão de crédito, pode-se optar pelo pagamento da dívida de menor juros. 16
  17. 17. O que não pode deixar acontecer é a excessão virar regra, portanto, a utilização da Planilha EAD realizada juntamente com um planejamento financeiro irá ajuda- lo(a) a eliminar as suas dívidas. Para maiores informações, falaremos detalhadamente no próximo tópico sobre Quais dívidas devem ser pagas primeiro. Listar todos os bens Efetuar uma lista de bens pessoais pode ser uma tarefa árdua e lenta, porém, o esforço trará diversos benefícios. Esta lista será valiosa tanto para o presente momento, quanto para o seu futuro e o ajudará muito em relação a sua aposentadoria. Ela também proporcionará muita tranquilidade em relação a um dos momentos mais difíceis para os familiares: a morte repentina. A sua lista de bens pode ser dividida em bens financeiros e físicos. Os bens físicos podem estar inclusos os imóveis, carros, computadores, etc. Os bens financeiros estão inclusos suas aplicações financeiras, seguro de vida, pensão, etc. Esta lista será importante para ajudá-lo a livrar-se das dívidas. Você irá utilizar primeiramente todos os bens financeiros que possui. Aqueles que não possuem recursos investidos, podem optar por vender bens que poderão ser recomprados mais tarde. Portanto, você pode vender aquela TV de LED, o home theater ou algum outro item que possa ajudá-lo a livrar-se do endividamento o mais rápido possível. Para muitas pessoas ter que vender um bem para quitar uma dívida pode ser algo humilhante e doloroso. No entanto, devido as adversidades do momento, deixar de vendê-lo e postergar o pagamento da dívida pode ser uma atitude fatal. O carro, assim como o imóvel possuem diversas despesas que podem aumentar o tamanho de sua dívida. Se você tem um desses bens, poderá vender. Um carro, por exemplo, além da economia com seguro e taxas como IPVA, você pode abater uma par- te de sua dívida. Em ambos os casos, devido as diversas despesas que esses bens possuem, é me- lhor vendê-los para que além de abater suas dívidas pare de jorrar dinheiro de seu bol- so. Caso seja imprescindível a utilização do carro, você poderá vender o atual e ad- quirir outro de menor valor, utilizando a diferença de valores para abater suas dívidas. 17
  18. 18. A pessoa que está endividada e possui um financiamento de veículo e percebe que não possui mais condições para pagar as prestações também pode optar por estas duas saídas para evitar que a dívida vire uma bola de neve: 1. Devolver o veículo para a financeira e tentar resgatar pelo menos uma parte do valor pago. 2. Pode procurar transferir a dívida para outro consumidor. Na devolução que é chamada de amigável para a financeira o carro vai a leilão e o valor obtido na venda é usado pelo banco para quitar as parcelas restantes. O que so- bra é devolvido para o consumidor. Na transferência de dívida o consumidor vende o veículo e faz uma negociação com a parte que está disposto a assumir o restante das parcelas. Veja abaixo um exemplo de Planilha que você pode utilizar para montar a sua lis- ta e preencher com os bens que você possui. Criar um Orçamento Mensal É fundamental criar um controle para seu orçamento mensal para se livrar das dívidas. Sem esse controle, você não tem ideia para onde o seu dinheiro está sendo gas- to. 18
  19. 19. Suas dívidas foram criadas por pequenos gastos acumulados ao longo do tempo sem o devido registro. Sem esse controle você nunca saberá se chegou ao limite, o que pode ocasionar o termino do dinheiro antes do final do mês. Portanto, um passo fundamental para eliminar e evitar dívidas é saber para onde seu dinheiro está sendo gastos. Através deste controle, você saberá quais gastos cortar sem prejudicar muito a sua qualidade de vida. Para efetuar os registros, você pode utilizar um caderno, uma agenda ou pode bai- xar gratuitamente a nossa Planilha de Orçamento Mensal. A utilização da planilha está melhor detalhada no meu livro Economizar sem Perder o Prazer de Viver. Através do controle do orçamento mensal, você poderá verificar e cortar alguns gastos mesmo que momentaneamente diminuindo um pouco a sua qualidade de vida. É muito melhor e menos traumático efetuar esse processo de forma consciente do que chegar lá na frente e ter um corte brusco. Procure reservar cerca de 70% de sua renda para os gastos do dia a dia e os ou- tros 30% devem ser utilizados para o pagamento das dívidas. Criar um Cronograma de Pagamento Após a identificação das dívidas e o monitoramento do orçamento, deve-se criar um cronograma para o pagamento. O pagamento das dívidas devem ser prioridade, todo e qualquer entrada de dinheiro extra no orçamento, deve ser direcionado para o pagamento das dívidas. A venda de algum bem, o recebimento de férias ou a restituição do imposto de renda, deve ser direcionado para quitar as dívidas. Não adianta pensar em investimentos agora, pois os juros cobrados nas dívidas são sempre maiores do que os juros recebidos em uma aplicação financeira. 19
  20. 20. Verifique e estipule os valores que poderão ser direcionados para quitar as dívi- das. Procure somente os credores quando souber exatamente quais os valores poderão ser utilizados em cada prestação. Neste período procure evitar novas dívidas enquanto não quitar as anteriores. É muito importante cumprir o acordo estabelecido com os credores. Eliminar as dívidas é possível. É necessário planejamento financeiro e foco para sair desta situação adversa. Apresentamos um resumo para você eliminar e manter-se longe do endividamen- to. ◦ Anote todas as suas despesas inclusive as pequenas. Assim você vai sa- ber detalhadamente quais são seus gastos mensais ◦ Anote o seu salário liquido e ajuste seus gastos para que fique dentro deste valor. ◦ É muito importante monitorar as despesas fixas, pois elas norteiam o orçamento. Quanto maior for seu gasto fixo mais difícil será fazer sobrar dinheiro no final do mês. ◦ É importante somar as dívidas e nunca deixar que ultrapasse 30% da sua renda mensal; ◦ Nunca utilize o cartão de crédito ou o cheque especial como complemen- to de renda. Os juros cobrados nestas modalidades são os maiores do mercado. ◦ Efetue um levantamento detalhado de suas dívidas para descobrir qual é a sua real situação financeira. ◦ Liste seus bens físicos e financeiros para utilizar no abatimento ou na eliminação total do endividamento. 20
  21. 21. Quais Dívidas devo pagar primeiro As pessoas que vivem endividadas, além de passar por problemas financeiro, so- frem de problemas de ansiedade, problemas familiares, noites mal dormida, entre ou- tros. Sempre ficam pensado: Quais dívidas devo pagar primeiro? Imagine o desespero de possuir o nome na lista dos inadimplentes. Só de falar em SPC e SERASA, as pessoas não conseguem dormir sabendo que eliminar as dívidas tornou-se uma tarefa quase impossível. Esse sofrimento as deixam transtornadas emocionalmente e sem saber o que fa- zer para retomar o controle de sua vida pessoal e financeira de volta. Existem diversas razões que podem levar uma pessoa a enfrentar dificuldades fi- nanceiras e se endividar, sendo que um dos principais fatores são os gastos excessivos. São eles que levam ao total descontrole financeiro. Quais os riscos do não pagamento das dívidas Você deve ficar se perguntando: Quais são os riscos de não efetuar ou atrasar o pagamento de uma dívida? O primeiro risco é ser considerado inadimplente, portanto, ter seu nome incluído no cadastro de maus pagadores do Banco Central. Você ficará sem crédito na praça e poderá lhe ocasionar muitos transtornos no dia a dia. O segundo risco é o que essa decisão pode acarretar em sua vida. Tem pessoas que nem podem imaginar fazendo qualquer tipo de dívida, agora pense o que pode acontecer se essa pessoa se tornar inadimplente, a dor de cabeça que ela vai sentir. Portanto, é muito importante saber  quais dívidas deve pagar primeiro, assim, você poderá evitar muitas dores de cabeça no futuro. Para saber quais dívidas deve pagar primeiro, é necessário avaliar tranquilamen- te quais as condições previstas nos financiamentos que você efetuou, para só então exe- cutar a decisão sobre o que priorizar. É preciso entender o saldo devedor em cada caso e, quais as suas respectivas ta- xas de juros, para entender quais as conseqüências em caso de atraso ou não pagamen- tos das principais modalidades de crédito existentes. 21
  22. 22. Classifique suas Dívidas Geralmente os devedores possuem dívidas  em diversas instituições diferentes, seja em bancos, lojas ou outros departamentos. São tantas dívidas que às vezes é difí- cil saber por onde começar primeiro. Independente de a divida ser no cartão de crédito, cheque especial, financiamen- to imobiliário, financiamentos do carro, cheques sem fundo, é primordial que todas as dívidas devem ser quitadas. Porém, é necessário classificá-las conforme suas priorida- des. Aprender a diferenciar umas das outras vai auxiliá-lo a criar um plano de ação para sua eliminação. É muito importante que você saiba quais as taxas de juros que incidem em cada uma de suas dívidas, pois é consenso atacar as dívidas que possuem as maiores taxas de juros. Efetuando esse procedimento, você reduzirá o tempo de incidência de taxas, pois estas representam, na maioria das vezes, grande perda de dinheiro. Se você tiver foco, poderá quitar suas dívidas uma a uma, de acordo com a sua classificação. Após classificar e definir quais são suas dívidas prioritárias, é importante defi- nir uma data para eliminar cada uma, ou com todas, e comprometa-se consigo mesmo a cumprir este prazo. Enquanto estiver focado em pagar a dívida que escolheu procure não pensar nas outras, isso só trará mais ansiedade e você poderá ficar desmotivado 22
  23. 23. Ordem do Pagamento das Dívidas O pagamento das dívidas deve seguir uma ordem, dando-se preferência aos servi- ços essenciais, que podem ser cortados caso não sejam pagos, como contas de luz, água, condomínio e gás. Então, podemos considerar o pagamento em primeiro lugar dos serviços essenciais a nossa sobrevivência. Não há lógica de se pensar em pagar o financiamento do carro ou o cartão de cré- dito se não temos o mínimo necessário para a nossa sobrevivência. Logo em seguida devem ser priorizadas o pagamento das dívidas que possu- em bens em garantia, bens que podem ser retomados em caso de inadimplência, como financiamentos e refinanciamentos de veículos e imóveis. Depois de priorizar o pagamento das dívidas de serviços essenciais e de bens que podem ser retomados, o próximo passo é pagar as dívidas que possuem os maiores ju- ros, como as do cartão de crédito e do cheque especial. E, finalmente, as dívidas de ju- ros menores que não possuem bens vinculados a elas. Quais os próximos passos Após descobrir quais dívidas você deve pagar primeiro, o passo seguinte é procu- rar os credores para negociar, sejam eles bancos, outras instituições financeiras ou lo- jas. Você vai dar prioridade sempre ao pagamento das dívidas que possuem os juros maiores. Porque, enquanto você possuir dívidas, não vale a pena separar um valor para investir, pois os juros das dívidas são muitos superiores aos juros recebidos dos investimentos. As dívidas de maiores juros sempre constam a do cartão de crédito e do cheque especial. Elas são as campeãs de juros altos, logo após resolvidas essas pendências, você pode começar a negociação das dívidas mais baratas. Como comentamos no tópico anterior, jamais deixe de pagar as despesas de con- sumo essencial, como água, luz, gás, condomínio, entre outras. Além de ser dívidas ne- cessárias a sobrevivência, a inadimplência se prolongada, pode levar à interrupção da prestação do serviço. No caso do condomínio, pode resultar em despejo caso haja um  atraso superior a seis meses. No caso de a dívida ser um carro, por exemplo, você sempre terá a possibilidade de vendê-lo para se livrar da dívida. Para não ficar sem o mesmo em casos de necessi- dades, após a venda, você pode financiar outro de menor valor. 23
  24. 24. Atenção as Propostas Para efetuar um acordo com o credor é necessário pensar em uma proposta rea- lista de como pagar a dívida. Você corre um grande risco devido ao despreparo de acei- tar uma proposta efetuada pela empresa que não seja favorável as suas condições. Analise as suas condições financeiras e não tenha medo ou vergonha de expô-la ao credor, o máximo que pode acontecer é o credor recusar a sua proposta e oferecer uma contraproposta, nesta hora é importante você avaliar se ela é compatível com seu bolso. Também não se deve dar por vencido ou dar como terminada uma negociação sem antes ter nas mãos diversas propostas. As primeiras propostas oferecidas podem não ser interessante e compatíveis com o seu bolso, mas em muitos casos, pode apare- cer uma segunda terceira proposta cujo pagamento seja vantajoso e viável. Deixe bem claro junto a instituição sobre as suas reais condições de pagamento, não caia na conversa sobre condicionamentos de produtos ou serviços na hora em que fechar o acordo, pois isso é venda casada e é proibido a sua comercialização. Educação financeira A Educação Financeira é muito importante na busca de uma melhor qualidade de vida hoje e no futuro. Não consiste somente em aprender a cortar gastos e economi- zar como muitas pessoas imaginam. Através da Educação Financeira você poderá aprender como se relacionar me- lhor com o seu dinheiro, você aprenderá a gastar com produtos e serviços que agre- gam valor a sua vida e não com gastos supérfluos que só fazem com que você fique en- dividado. Efetuando gastos conscientes e inteligentes, você estará rumo a conquista de seus sonhos, podendo estes ser a compra de um carro, da casa próprio ou aquilo que você deseja realizar. É necessário analisar e refletir sobre todos os gastos contidos em seu orçamento mensal, eliminando os gastos supérfluos e cortando alguns desperdícios como os gas- tos de energia, você ficará cada vez mais próximo de seus objetivos. Não adianta colocar a culpa no governo de que a conta de luz está cara e você não está fazendo sua parte para economizar, iremos mostrar em um capítulo posterior Di- cas Eficazes para Economizar Dinheiro para ajudar em seu orçamento. 24
  25. 25. Cuide de seu Orçamento A ideia de registrar todos os seus gastos é algo que a maioria das pessoas acredi- tam que somente os denominados sovina, mão de vaca, muquirana, entre outros, é que praticam e limitam os seus gastos no dia a dia. No entanto, é fundamental organizar seu orçamento mensal para eliminar as dívi- das. Sem esse controle, você não sabe para onde o seu dinheiro está indo e, por isso, que está endividado. Suas dívidas foram criadas por pequenos gastos acumulados ao longo do tempo. Sem o devido registro de seus gastos, você nunca saberá se chegou ao limite, logo, esse processo irá ocasionar o termino do dinheiro antes do final do mês. Portanto, o primeiro passo para eliminar e evitar dívidas é saber para onde seu dinheiro está sendo gastos. Através deste controle, você saberá quais gastos cortar sem prejudicar a sua qualidade de vida. Para efetuar os registros, você pode utilizar um caderno, uma agenda ou pode bai- xar gratuitamente a nossa Planilha de Orçamento Mensal. Monitorar o Orçamento Você percebeu que ficar endividado é muito fácil, principalmente por conta das diversas ofertas de produtos e serviços que nos são empurrados diariamente. Agora, o difícil é conseguir pagar todas essas dívidas. Inicialmente você terá que selecionar quais dívidas pagar primeiro de acordo com a prioridade mencionada ante- riormente. Isso, não quer dizer que as outras dívidas não devem ser pagas. Primeiro, você pa- gará as dívidas essenciais, organizará o seu orçamento cortando todos os gastos supér- fluos para quitar todas as dívidas com seus credores. Com isso, você voltará a ter noites de sonos tranquilas. É fundamental que você se eduque financeiramente para poder utilizar o dinheiro de forma consciente e inteli- gente sempre em busca de seus sonhos. Após listar quais contas pagar primeiro, para se livrar das dívidas definitivamen- te serão necessários alguns passos. E o primeiro passo do método mobile é Monito- rar. 25
  26. 26. Anotar todos os recebimentos e gastos Anote todas as fontes de renda como salários, pensões, aposentadorias, aluguéis, etc, e todos os seus gastos, não se esquecendo dos gastos menores como gorjetas, taxas de banco e cafezinhos, por exemplo. Você pode utilizar a nossa Planilha de Orçamento Mensal gratuita ou se você não for adepto aos computadores, pode utilizar um caderninho. Logo, o primeiro passo do Método Mobile para que você possa eliminar as dívi- das, é efetuar o levantamento de todas as entradas e saídas. Com isso, você saberá tudo o que tem que pagar, saberá para onde o seu dinheiro está indo e já será possível ter uma noção de quanto dinheiro sobrará para ser direcio- nado a eliminação das dívidas. Esse procedimento será primordial neste momento, porém não será necessário utilizar para sempre, você terá a opção de eterniza-lo ou não. A Planilha de Orçamento Mensal tem a finalidade de fazê-lo assumir um compro- misso em busca da realização de seus sonhos juntamente com a utilização do planeja- mento financeiro. O planejamento financeiro é um plano personalizado para evitar ou resolver pro- blemas financeiros individual ou familiar, buscando definir o melhor modo para se atingir os objetivos estabelecidos. A Planilha de Orçamento Mensal é o primeiro item a ser utilizado para averiguar sua real situação financeira. Na Planilha, você irá anotar os recebimentos e todos os gastos efetuados dentro de um mês. Para Organizar sua Vida Financeira, a Planilha de Orçamento Mensal será im- prescindível. Efetuando esse primeiro passo que é fazer um levantamento de todos os seus gas- tos, para saber onde seu dinheiro está sendo direcionado, você estará apto para efetu- ar o passo mais importante que é Definir seus Objetivos e logo em seguida, você irá aprender Como Priorizar seus Objetivos. 26
  27. 27. O Controle Financeiro O controle financeiro contribui para organização e reestruturação financeira, co- laborando para a realização dos sonhos de curto, médio e longo prazo. Aprender a fazer o orçamento pessoal para controlar os gastos e criar um planeja- mento financeiro é muito importante para a realização de seus objetivos. Esse processo, deve ser contínuo, e não somente para eliminar as dívidas ou mes- mo para sair de algum sufoco. É um processo ininterrupto a ser utilizado para sempre. Você deve utilizar o controle financeiro, mesmo quando não houver problema fi- nanceiro, afinal, com tudo organizado e anotado, você saberá exatamente para onde está indo cada centavo de sua renda. Dê prioridade aos gastos com relação as suas necessidades básicas e planeje com muitos cuidado as outras despesas. É muito importante definir uma verba para o lazer, pois essa verba fará com que você reserve tempo e dinheiro para aliviar as tensões do dia a dia. 27
  28. 28. E se você cortar do orçamento tudo e não separar essa verba, é bem capaz de você sabotar a utilização da planilha de orçamento mensal e perder o controle financei- ro. A utilização da Planilha de Orçamento Mensal, tem a finalidade de organizar sua vida financeira para que possa atingir alguns objetivos, tais como: ◦ Eliminar o endividamento; ◦ Constituir uma reserva de emergência, para poder viver com mais tran- qüilidade; ◦ Construir um patrimônio que garanta uma fonte de renda compatível com seus gastos no futuro. ◦ Realizar os seus maiores sonhos Eliminar o Endividamento Como comentamos anteriormente, o primeiro passo é visualizar as  despesas e cortar gastos supérfluos. Através de um orçamento mais enxuto, você terá maior facili- dade para quitar as suas dívidas. Além disso, ao evitar o compromisso com novos empréstimos, você deixará de pa- gar mais juros e reduzirá o risco de descontrole financeiro. É muito importante cortar desde os pequenos até os grandes gastos, mas corte so- mente os gastos que não agreguem valor a sua vida. Em muitos casos, é melhor cortar os custos fixos com maiores valores mesmo que momentaneamente. Caso não seja possível diminuir ainda mais as despesas mensais, você pode pro- curar aumentar os seus ganhos mensais. Posteriormente, vamos passar algumas dicas para que você possa obter Renda Extra. 28
  29. 29. Classifique seu orçamento em categorias É importante classificar em categorias as suas despesas não esquecendo de defi- nir suas prioridades, pois assim você consegue perceber e identificar o que é essencial e o que é supérfluo. Desta maneira será mais fácil quando você precisar cortar gastos. Em nossa plani- lha, temos as categorias Fixo, Alimentação, Diversos, Lazer, Saúde e Cartão de Crédi- to. Você pode classificar da forma que achar melhor e de acordo com seus objetivos. Também é muito importante, definir limites de gasto para cada categoria e o ide- al é que a planilha seja preenchida conforme os gastos vão ocorrendo. Você deve checá-la semanalmente para verificar se os gastos estão ocorrendo den- tro do limite estabelecido. Foque em seus Objetivos Em meio às dívidas é comum perdermos o foco. Parece que nada dá certo. Nesse momento, é importante manter os “pés no chão” e focar em seus objetivos. 29
  30. 30. Se você está empenhado em se livrar das dívidas que estão fora de controle, não faz muito sentido separar uma parte do dinheiro para investir. Não agora. Livre-se pri- meiro das dívidas para depois investir. Os juros dos empréstimos, financiamentos, cheque especial são muitos maiores do que os juros recebidos das aplicações financeiras. Com objetivos definidos, suas ações durante a fase de eliminar as dívidas, terão caráter temporário e serão pautadas pelo que você quer e precisa fazer. Você terá tranquilidade para não se deixar levar pelo consumo imediato e pelas ofertas e pressão dos outros (a expectativa alheia pode ser fatal nessas horas). Esqueça os outros, afinal quem paga suas contas é você! Muito importante: é necessária a participação de todos os integrantes nos proble- mas e também nas soluções necessárias para alcançar os objetivos, pois os momentos de dificuldades são mais facilmente superados com a ajuda de todos. Em um capítulo posterior vamos falar sobre como definir e conquistar seus obje- tivos. Elimine gastos supérfluos Com a organização de seu orçamento, será possível saber onde o seu dinheiro está sendo gasto, e com isso, será possível cortar qualquer gasto que não seja impres- cindível em seu orçamento neste momento. Quanto mais gastos você cortar, sem prejudicar a sua qualidade de vida, mais rá- pido poderá eliminar as dívidas, porém essa análise cabe única e exclusivamente a você. É muito importante a colaboração de todos os membros da família. Pois, se todos estiverem envolvidos no esforço, a possibilidade de dar certo será maior e de forma muito mais rápida e eficiente. Pois, será criado o hábito de consumo consciente e inteligente, não somente para este momento de dificuldade, mas para todo o restante da vida. Se você não tem idéia do que pode ser cortado, então é importante que você co- nheça e evite algumas situações como: 30
  31. 31. Evite essas 13 Maneiras de Perder Dinheiro. A fórmula para alcançar a estabilidade financeira você provavelmente já conhe- ce: gastar menos do que ganha, poupar uma parte do salário todo mês e investir outra parte em um aplicação financeira adequada ao seu perfil. Parece simples, não é? Mas se na teoria parece bem simples ter uma vida finan- ceira equilibrada, na prática é muito mais fácil e rápido perder dinheiro. Vou listar para você alguns hábitos que sempre ou na maioria dos casos, levam à perda de dinheiro e consequentemente ao endividamento. Esses hábitos são os mais comuns e são sempre mencionados pelos educadores financeiros, consultores financei- ros e especialistas em finanças pessoais. A verdade é que são escolhas feitas sem perceber, como que naturalmente, em vá- rios momentos do seu dia, que boicotam seu processo de enriquecimento financeiro. Vamos as 13 maneiras de perder dinheiro. 1. Passear à toa pelo shopping Esse item é para você que ainda está com alguma dificuldade em controlar seus impulsos em compras. Um simples passeio pelo shopping center pode resultar em gas- tos adicionais. Além das despesas previstas, como cinema, pipoca e refeição, por exemplo, é grande a chance da pessoa sair de lá com uma compra que não estava nos planos. O caso é que no shopping, somos bombardeados por ações de compra, então se você tem dificuldades em segurar seus impulsos, o ideal é evitar a tentação. 2. Não saber o preço justo das coisas Ainda no exemplo do Shopping, se o consumidor vai lá para comprar uma calça que custa R$ 100, não parece muito gastar R$ 7 num café, mesmo ciente de que o café não vale tudo isso e é mais barato em outro lugar. O consumo responsável está relacionado a pagar um preço justo e evitar pagar o que não achamos justo. É bom lembrar que uma coisa é você optar por esse gasto sa- bendo que está dentro do orçamento e outra é não ter controle algum sobre isto. 31
  32. 32. 3. Comprar título de capitalização O produto é unanimidade, entre os especialistas em finanças pessoais, quando se fala em uso indevido do dinheiro. O título de capitalização é vendido como se fosse muito vantajoso porque o dinheiro é devolvido corrigido pela TR (Taxa Referencial), ela foi criada no Plano Collor II para substituir os antigos cálculos de correção monetá- ria. Mas a TR tem um valor muito abaixo da inflação. Assim, quando se “investe” em capitalização é como se investisse na sorte, uma vez que a chance de ser sorteado é mí- nima. Então, é melhor aplicar o dinheiro na poupança e ganhar os juros. 4. Usar o cheque especial Quem tem cheque especial costuma usá-lo como uma espécie de renda extra. O problema é que os juros cobrados no especial são muito altos! Em caso de necessida- de, é melhor pegar um empréstimo pessoal no banco, porque os juros serão mais bai- xos. 5. Pagar o valor mínimo da fatura do cartão de crédito Os cartões de crédito estão entre os maiores vilões do endividamento, mostram dados de pesquisas recentes, 28% dos inadimplentes tinham dívida no cartão. Quem não paga a fatura integral do cartão se vê numa bola de neve da qual é muito difícil sair. Os juros são os mais altos do mercado para pessoas físicas: 9,37% ao mês, ou 192,94% ao ano, segundo a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade). 6. Comprar tudo que está em oferta, promoção e liquidação Comprar produtos que estão em oferta pode ser um ótimo negócio, mas apenas se esse gasto já estiver previsto no seu orçamento. As pessoas acabam comprando pro- dutos em promoção sem necessidade. A pessoa vai comprar um determinado produto, mas a loja está vendendo pela metade do preço, então ela aproveita e leva três. Mas isso só é vantajoso se você real- mente estiver precisando dos três. 32
  33. 33. 7. Ter um plano de celular fora de seu perfil Quando você contrata um plano de celular que dá direito a 500 minutos de liga- ções e usa apenas 300, por mais barato que ele seja, você está jogando dinheiro fora, porque está pagando por mais do que precisa. Ao mesmo tempo, se seu plano dá direito a 500 minutos e você usa 600, vai pa- gar caro pelos 100 minutos adicionais. Sendo assim, é necessário adequar o plano ao seu perfil de uso para não perder dinheiro. 8. Pagar por benefícios não usados Os bancos costumam oferecer contas com muitos benefícios para quem tem ren- da mais alta, como atendimento preferencial, cartão de crédito com limite mais alto etc. De nada adianta ter tudo isso e não usar, porque esses benefícios são cobrados nas tarifas bancárias e na anuidade do cartão de crédito, por exemplo. A maior parte dos cartões cobra taxas mais caras para que você receba mais milhas, e o consumidor acaba não usando essas milhas depois. 9. Optar pelo pacote bancário errado Os bancos são obrigados a oferecer alguns serviços básicos gratuitamente para seus clientes. Mesmo assim, muita gente contrata pacotes de serviços que não são usa- dos. Se a pessoa faz operações, como transferências de uma conta para outra, por exemplo, em quantidades que não estão incluídas no pacote, precisando pagar mais por isso. É importante, assim, ter atenção na hora de escolher o pacote. 10. Contratar seguro para cartões O valor mensal do seguro contra perda e roubo de cartão (de crédito ou débito) é pequeno. Poderia ser até um gasto interessante, se não fosse inútil. Segundo Maria Inês Dolci, da Proteste, todo consumidor tem o direito de contestar e reaver o dinheiro em caso de fraude envolvendo o cartão, mesmo que não tenha pago o seguro. Em vez de contratar seguro, é preciso avisar logo a operadora em caso de perda ou roubo. 33
  34. 34. 11. Acreditar em dinheiro rápido e fácil Acreditar em maneiras milagrosas de ficar rico é outra forma de perder dinheiro facilmente, alertam os especialistas. Entrar em esquemas de pirâmide financeira é um bom exemplo. Uma empresa procura pessoas que não só vendam seus produtos, mas também, e principalmente, recrutem novos associados. O maior ganho de quem entra num esquema assim vem justamente desse recru- tamento. Esse esquema é ilegal e, geralmente, beneficia somente quem entrou primei- ro e conseguiu levar outras pessoas para a empresa. 12. Pagar para consultar lista de “nome sujo” Há muitos anúncios em sites de “Consultas a SPC e Serasa a partir de R$ 10.” Es- sas propagandas são comuns pelas ruas e pela internet, mas representam um gasto to- talmente inútil. Isso porque o consumidor não precisa pagar para saber como anda sua situação nos cadastros de proteção ao crédito. É seu direito ter acesso a essa informação gratui- tamente. No próximo capítulo vamos lhe mostrar como efetuar essa consulta gratuita para renegociar suas dívidas. 13. Não efetuar um controle financeiro Por último, mas não menos importante! Anotar os gastos diários numa planilha é atitude simples, mas que pode fazer toda a diferença no fim do mês. Pois quem não faz controle financeiro tende a gastar mais. Essa atitude evita que o consumidor gaste além do que ganha e perceba exata- mente onde estão as despesas que podem ser cortadas em caso de necessidade. Pode haver alguma atitude nesta lista das 13 maneiras de perder dinheiro que você ainda pratique e que a opção pela mudança de comportamento traga mudança em sua vida financeira. Um dos grandes vilões desta lista são a utilização errônea do cartão de crédito e do cheque especial. O cartão de crédito é uma ótima ferramenta desde que seja utiliza- do de forma correta, porém, quando se está no vermelho, é melhor aposentá-lo por um período. 34
  35. 35. Mas se ele for um amigo inseparável, vamos apresentar 3 informações importan- tes sobre a sua correta utilização. Esqueça o Cartão de Crédito por um tempo Para muitos, o cartão de crédito é sinônimo de dinheiro fácil. O cartão de crédito é um excelente instrumento, se utilizado de forma correta, mas diante da realidade de dívidas crescentes o cartão de crédito pode ser uma tentação difícil de evitar. Com a facilidade de comprar pela internet, deixar o cartão em casa já não é o sufi- ciente, então é melhor abandonar o uso do cartão de crédito de maneira consciente, por algum tempo. Não sou adepto de cortar o cartão e eliminá-lo definitivamente de sua vida, o car- tão não tem nenhuma parcela de culpa de alguém se endividar ou não. Então, guarde-o em um local de difícil acesso, para ser utilizado de forma consci- ente mais a frente. O crédito rotativo do cartão possui a mais alta taxa cobrada do consumidor, em alguns casos pode chegar a 300% ao ano. Isso significa que um dívida no cartão pode dobrar em um pouco mais de 6 me- ses. Se você não sabe ou não consegue lidar com o crédito, é melhor não usar! Mas se mesmo assim você ainda pretender continuar utilizando o cartão de crédi- to, então é importante você conhecer essas 3 informações importantes: 3 Informações Importantes que você precisa saber sobre cartão de crédito O Cartão de Crédito chegou ao Brasil por volta dos anos 60. E cada vez mais o “di- nheiro de plástico” cai no gosto do brasileiro, mas ainda possui alguma dificuldade para entender com o funcionamento crédito em geral. A maior parte das pessoas considera o limite do cartão, do cheque especial e o empréstimo consignado como complementos de renda, e esse pensamento transforma a dificuldade nas finanças pessoais em uma bola de neve. 1. Cartão de crédito é somente uma forma de pagamento Até pouco tempo atrás, o cartão de crédito não era utilizado com frequência. Mas atualmente é muito mais fácil encontrar quem possua mais de um cartão, inclusive ten- 35
  36. 36. tando fazer mágica com as contas e financiando sonhos de consumo que poderiam es- perar um pouco mais. Você deve conhecer alguém que já caiu na armadilha dos juros exorbitantes, por conta de ter pago o mínimo do cartão. E como é difícil retomar as rédeas da vida finan- ceira… Mas não impossível. O cartão de crédito deve ser considerado uma ferramenta de pagamento, um meio, e só. Trata-se de uma forma de postergar o pagamento, é verdade, mas com pla- nejamento. A regra de ouro das compras com cartão: pague o valor total da fatura… Sempre! Para ter dinheiro para o pagamento da fatura, devemos conhecer todas as nossas possibilidades financeiras: os limites devem ser conhecidos e obedecidos a partir do orçamento pessoal, que deve estar sempre atualizado. Você faz as compras pelo cartão, mas não se esqueça que quando a fatura vem, ela deve ser paga em seu valor total para não criar o “monstro” dos juros! 2. Cartão de crédito: para usar é preciso organizar, planejamento e certa dose de bom senso As pessoas bem organizadas frequentemente concentram seus gastos no cartão de crédito, e fazem isso por razões simples: – Porque simplificam seus pagamentos e mantém datas estabelecidas para paga- mento de suas despesas, pagando a(s) fatura(s) sempre em dia; – Porque lançam estas transações em seu caderno (ou planilha) de controle finan- ceiro e mantém à vista o saldo disponível para o restante do mês; – Porque aproveitam os programas de recompensa (pontos, milhagem ou descon- tos) e acumulam benefícios depois usados nas férias, em viagens ou mesmo em novas oportunidades de consumo. Algumas pessoas acabam descobrindo os benefícios por trás da utilização do car- tão crédito. E então utilizam o cartão para pagamentos de contas (luz, água, gás e etc.) e ainda ganham pontos nos programas de relacionamento com cartão. Mas o que parece um benefício pode se tratar de uma péssima decisão, pois gra- ças às taxas e impostos que são embutidos nessas operações, o estrago financeiro pode ser grande, isso sem contar na utilização do limite, que pode comprometer as finanças em algum momento de crise. Ou seja, quando parece que você está ganhando na verdade, você está gastando com taxas desnecessárias. Logo, o benefício acaba não compensando. 36
  37. 37. 3. Cartão de crédito: é necessário um controle firme do orçamento Muitas pessoas têm o hábito de culpar o cartão, a operadora e o banco pelos pro- blemas com o cartão de crédito. Mas essas mesmas pessoas “se esquecem” que a culpa são por conta de suas próprias escolhas! Devido a má utilização da ferramenta e, mais importante, a ausência de um orça- mento doméstico detalhado. Segue algumas dicas para ajudá-lo na utilização do cartão, sempre de forma orga- nizada: – Separe os gastos do cartão por categorias e mantenha-os no orçamento domés- tico; – Defina um limite de gasto e respeite-o; – Evite ter muitos cartões de crédito, dois são o suficiente; – Opte por cartões que as vantagens sejam realmente palpáveis; – Quanto às parcelas, divida as compras em no máximo três vezes e inclua as par- celas futuras nas previsões de despesas dos meses seguintes em sua planilha de orça- mento mensal. Usar o crédito com responsabilidade é uma escolha. Quem não consegue lidar com o crédito precisa assumir esse problema e enfrenta-lo, se responsabilizar e não culpar os outros por suas escolhas ou inabilidade. Uma ótima ferramenta é o uso de nossa Planilha de Orçamento Mensal. O cartão de crédito pode ser usado de maneira consciente, porém é preciso co- nhecer suas características e perigos! Aproveite a possibilidade de centralizar o paga- mento em uma data como um grande benefício. “Nunca utilize” ou Evite o máximo usar o Cheque Especial O cheque especial é usado por muitas pessoas como complemento de renda, seja sacando ou pagando contas considerando esse limite como seu próprio dinheiro. Uma vez, conversando com uma pessoa, ela expressava uma felicidade enorme por seu gerente de banco ter aumentado seu limite do cheque especial, mal sabe ela que o nó da corda estava sendo dado. Vale lembrar que assim como no cartão, os juros dessa linha de crédito são altíssi- mos. O dinheiro é liberado na conta, assim que você ficar sem saldo, logo você começa- rá a pagar juros, taxas e tarifas. 37
  38. 38. Se você estiver devendo no cheque especial, é melhor fazer um empréstimo mais barato como: consignado, crédito pessoal ou CDC, por exemplo, assim você cobre o cheque especial e pode ajustar o seu orçamento para não precisar mais utilizá-lo. O melhor que você tem a fazer é solicitar ao seu gerente que retire este limite ou deixá-lo com o menor valor possível. Negocie suas dívidas Continuando com o processo de eliminar o endividamento, após você efetuar o levantamento de todas as suas dívidas, chegou a hora de buscar alternativas em dife- rentes instituições financeiras que lhe propicie o pagamento através de taxas de juros menores e prazos maiores e, que caibam e seu orçamento. Os empréstimo pessoal ou consignado, oferecem as menores taxas de juros. Po- rém, somente utilize esse tipo de empréstimo de forma organizada e planejada. Nunca utilize para aumentar o consumo ou como complemento de renda. Como informado no tópico anterior, é muito importante que você elimine o uso do cheque especial e do cartão de crédito para que sua dívida não aumente ainda mais. Esses dois métodos de crédito, possuem as maiores taxas de juros do mercado, e como você já está trocando todas as suas dívidas de maiores juros por juros menores, sua utilização atrapalhará todo esse planejamento. Agora vamos apresentar um passo a passo para você negociar as suas dívidas. 1. Liste todas as suas despesas: água, luz, telefone, alimentação, etc, e veri- fique quais são as suas dívidas (cartão de crédito, cheque especial, financiamentos, lo- jas, cheques sem fundos, condomínio, etc). 2. Corte supérfluos e reduza despesas. São despesas que você pode ficar sem por um período de tempo. Faça as contas e veja qual a disponibilidade para paga- mento. 3. Troque dívidas caras por dívidas mais baratas. Por exemplo: Se os juros do cheque especial são de 12% ao mês é mais viável contrair um empréstimo bancário com juros pré-fixados de 5% ao mês e quitar a fatura do cartão de crédito. Neste caso a economia será bastante significativa. 4. Negocie diretamente com os credores o mais breve possível. 5. Cultive bons hábitos, saia de casa com o dinheiro “contado”. 38
  39. 39. 6. Economize nas pequenas despesas. “um pequeno vazamento afunda um grande navio” (Benjamin Franklin). 7. Cancele o cheque especial. 8. Conheça seus direitos: Verifique se o que está sendo cobrado, mesmo previsto em contrato, é legalmente permitido (encargos, multa, correção monetária, tarifas, outras despesas). Crie uma reserva de emergência Após organizar as suas contas e quitar suas dívidas, comece a separar uma peque- na parte de sua renda para a constituição de um fundo de emergência. Esta reserva de emergência, inicialmente pode ser constituída com pelo menos 10% da renda para cobrir possível imprevistos futuros. Assim, você terá um fundo de segurança para qualquer situação não planejada que possa surgir, não ficando refém dos acontecimentos ao seu redor. Com essa reserva de emergência, você estará livre dos empréstimos e das altas ta- xas de juros cobradas pelas instituições financeiras. Contudo, o acesso a esse dinheiro deve ser único e exclusivamente para situações que fogem ao controle e deve ser reposto tão logo sua situação tenha sido normaliza- da. Por ser muito importante, vamos explicar em um capítulo posterior, como você pode constituir a sua Reserva de Emergência. Cuide Melhor do seu Dinheiro Ao reconhecer e assumir o problema financeiro, é muito provável que você procu- re, seja em livros ou na Internet, dicas e sugestões para lidar com a questão. E creio que foi dessa maneira que te levou a adquirir este material para solucio- nar o seu problema. Por que não agir assim mesmo quando não existirem dívidas? Por que não man- ter uma leitura diária sobre o tema para entender melhor sobre nossa economia e como aproveitar para investir melhor, por exemplo? Atualmente, no Brasil temos grandes autores que fazem um excelente trabalho com relação à educação financeira, investimentos e economia. Na internet, você vai en- contrar muito conteúdo gratuito de qualidade. 39
  40. 40. Valorize também os livros, que são resultado de um trabalho de pesquisa e edi- ção. Não encare a compra dos livros como um gasto, mas sim como um investimento para sua saúde financeira. Conheça o nosso trabalho, ele foi realizado depois de muita pesquisa e dedicação, tenho certeza que seguindo o método proposto, você irá se surpreender com o resulta- do: Economizar sem Perder o Prazer de Viver. Resumindo o que aprendemos sobre como se livrar das dívidas: 1. O primeiro passo é admitir que as dívidas são resultados de suas esco- lhas e realizar um mapeamento delas, fazer um levantamento de cada uma; 2. Anote todas as suas fontes de renda e todos os seus gastos e, é muito im- portante anotar desde os grandes até os pequenos gastos, pois, são estes últimos que não percebemos e faz uma diferença enorme em nosso orçamento; 3. Classifique seu orçamento em categoria para identificar o que é supér- fluo e essencial, com isso, será mais fácil visualizar o que pode ser eliminado; 4. Foque na realização de seus objetivos. Neste primeiro momento, é im- portante se livrar das dívidas definitivamente e, após esse período, seu foco deve ser na realização de seus sonhos; 5. Elimine o máximo possível de seus gastos para se livrar das dívidas, fo- que no corte dos gastos supérfluos. Esses gastos são aqueles que não agregam valor a sua vida; 6. Esconda o cartão de crédito nesta fase momentânea de se livrar das dívi- das. Não sou adepto de cortar e eliminar definitivamente o cartão, pois aprendendo a utilizá-lo, ele se torna uma excelente ferramenta; 7. Evite o máximo utilizar o limite do cheque especial, é um dinheiro fácil e rápido de ser usado, porém o mesmo possui uma das maiores taxas de juros do mer- cado; 8. Não aceite a primeira oferta para quitar suas dívidas, com o corte em seu orçamento, verifique o quanto é possível usar para se livrar das dívidas e negocie junto ao credor; 9. Crie uma reserva de emergência para os momentos difíceis que podem aparecer ao longo do caminho, com essa reserva, não será preciso solicitar emprésti- mo e arcar com os altos juros; 10. Por fim, procure formas de aprender sobre economizar e cuidar melhor de seu dinheiro. 40
  41. 41. Agora tenho uma questão para você… O que você pode fazer hoje que o deixará mais próximo de se livrar das dívidas? Não deixe para tomar uma atitude amanhã, realize algo hoje mesmo! Mesmo que seja uma pequena e simples atitude, é importante começar a agir ago- ra. Imagine que agora estamos no dia seguinte, então reflita sobre o quão satisfeito você estaria, se soubesse que sua vida mudou e está mais leve com uma pequena atitu- de realizada no dia anterior. Agora, o melhor de tudo, ainda estamos no dia de hoje, então faça algo para que seu amanhã seja diferente! PS: Todos os links estão disponíveis na versão completa do eBook, para adquirir a sua versão CLIQUE AQUI. 41
  42. 42. COMO RENEGOCIAR AS SUAS DÍVIDAS 2 42
  43. 43. Life Coach e Analista DISC (Análise de Perfil Comportamental) pela SLAC - So- ciedade Latino americana de Coach. Planejador Financeiro Pessoal e Familiar. Gra- duado em Ciências da Computação pela Universidade Nove de Julho e certificado CEA - ANBIMA (Especialista em Investimentos)    Co-fundador da empresa InvestMobile empresa que presta consultoria financei- ra pessoal e familiar, com o objetivo de que as pessoas e famílias possam conquistar seus sonhos de forma organizada e autor do blog “Resenha Virtual - Educação Finan- ceira ao seu alcance!!!“ que aborda sobre resenhas de livros e artigos referente a pla- nejamento e educação financeira.     "No livro, ensinamos um método; na vida realizamos Sonhos" 43 Cleiton Oliveira SOBRE O AUTOR

×