Trabalhooo ñ mecha karalho

150 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
150
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalhooo ñ mecha karalho

  1. 1. ALUNOS :Wendel , Jonilson e heron .......FORMÇÃO E EVOLUÇÃO DO SISTEMA SOLARA formação evolução do sistema solar iniciou-se a cerca de 4,568 bilhões de anoscom o colapso Gravitaacional de uma pequena parte de uma nuvem molecular Grandeparte da massa colapsada ficoau no centro, formando o Sol, enquanto que o restoachatou, devido à força gravitacional, tornando-se num disco protoplanetário, que maistarde viria a formar os planetas, luas, asteroides e outros corpos menores do sistemasolar.Desde a Antiguidade, a Lua é um objeto de grande curiosidade e misticismo, fascinandoa humanidade através das eras. Foi objeto de culto quando o homem glorificava osastros por temer o desconhecido. Objeto de amor quando encarnou a deusa dafertilidade, pela aproximada equivalência entre o período orbital responsável pelas faseslunares e o ciclo menstrual. E objeto de inspiração para os jovens astrônomos ecientistas, representando o primeiro passo na grande jornada da humanidade rumo aoespaço sideral.A Lua é o único astro que gira ao redor da Terra e também o mais próximo, com umadistância média de cerca de 385 mil quilômetros. Foi o primeiro e único astro, até omomento, a ser visitado pelo homem. O primeiro a pisar em solo lunar foi NeilArmstrong, tripulante da nave Apolo 11, em 1969. Seu diâmetro é aproximadamente1/3 da Terra. Vale ressaltar que os períodos de rotação em torno de seu eixo e em tornoda Terra são iguais, fazendo com que a mesma face da Lua esteja sempre visível paranós.Mesmo nos dias de hoje, ainda não temos certeza absoluta de como foi a formação daLua. Pela teoria mais aceita, conhecida como Big Splash, em algum momento doperíodo Hadeano (4,57 a 3,85 bilhões de anos atrás) um objeto do tamanho de Marte sechocou com a Terra. Esse modelo consegue explicar o momento angular orbital dosistema Terra-Lua e também a semelhança entre os dois corpos em termos decomposição química. O gigante impacto entre esse corpo (Theia é o nome que foi dadoà esse planeta) e a Terra ocasionou a vaporização total do primeiro, bem como asuperfície do segundo, lançando toda água e rocha fundida na atmosfera, formando umanel similar ao de Saturno. Esse anel então se condensou e formou a Lua, que ficoupresa no campo gravitacional terrestre.
  2. 2. A captura da Lua tranformou de maneira significativa aTerra primitiva. O periodo rotacional da Terra vem decaindo desde este evento, devidoprincipalmente às forças de maré. Durante o período Devoniano (415 a 360 milhões deanos atrás) a duração de um dia era de 21,6 horas.A perda de energia rotacional pela Terra foi ganha pela Lua, fazendo com que adistância média entre Lua e Terra tenha aumentado, desde a sua formação. Isso significaque ela foi formada a uma distância muito menor do que a que observamos hoje. E umaLua mais próxima significa efeitos de maré muito mais elevados, o que ajudaria muitona formação da famosa “sopa primordial”: mares primitivos com alta concentração demateriais orgânicos e que poderiam ter facultado a formação da vida. A Lua, portanto,pode ter exercido um papel fundamental na origem da vida na Terra. E entender suaorigem implica, em última análise, em tentarmos entender a nossa própria existência.Um meteoro é uma raia luminosa de luz no céu (ou uma "estrela cadente") produzidapela entrada de um meteoróide pequeno na atmosfera da Terra. Se você estiver numlocal com céu escuro e limpo você provavelmente verá alguns por hora em uma noitecomum; durante uma das chuvas de meteoro anuais você pode chegar a ver até100/hora. Meteoros muito luminosos são conhecidos como bolas de fogo; se você viruma, por favor avise.As chuvas de meteoro podem ser muito impressionantes. As famosas linhas de SamuelTaylor Coleridge em A Rima do Marinheiro Antigo:O céu explodiu em vida!E cem bolas de fogo brilharam,Para lá e para cá elas estavam apressadas!E para lá e para cá, para dentro e para fora,As estrelas pálidas dançavam entre elasE o vento chegando rugiu mais alto,E as velas suspiraram como capim;E a chuva verteu abaixo de uma nuvem preta;A Lua estava atrás delapodem ter estado inspiradas pela chuva de meteoro Leônidas que ele testemunhou em1797.
  3. 3. Os meteoritos são pedaços do sistema solar que caem na Terra. A maioria vem deasteróides, incluindo alguns que se acredita terem vindo especificamente de 4 Vesta; ealguns que provavelmente vêm de cometas. Um número pequeno de meteoritos foramdescobertos ser de origem Lunar (23 achados) ou marciana (22). Um dos meteoritos marcianos, conhecido como ALH84001 (esquerda), acredita-se mostrar evidências de vida primitiva em Marte. Embora meteoritos possam parecer ser somente pedras enfadonhas, eles são extremamente importantes nisso já que nós podemos analisá-los cuidadosamente em nossos laboratórios. Apesar dos poucos quilos de pedrastrazidos da lua pelas missões Apolo e Luna, os meteoritos são nossa única evidênciamaterial do universo além da Terra. Tipos de meteorito principalmente ferro e níquel; semelhante aos Ferro asteróides tipo M Ferro misturas de ferro e material rochoso assim rochoso como os asteróides tipo S sem dúvida o maior número de meteoritos se enquadra nesta classe; semelhante em Condrito composição aos mantos e crostas dos planetas terrestres Condrito bem parecido em composição com o Sol sem carbonado os voláteis ; semelhante aos asteróides tipo C
  4. 4. semelhante aos basaltos terrestres; os Acondrito meteoritos que se acreditam ter sido originados na Lua e Marte são acondritosUma "queda" significa que o meteorito foi visto por alguém quando caiu do céu. Um"achado" significa que o meteorito não foi visto cair e foi achado depois do fato.Aproximadamente são testemunhadas 33% das quedas de meteoritos. A tabela a seguiré de um livro de Vagn F. Buchwald. Nela estão todos os meteoritos conhecidos (4.660ao todo, pesando um total de 494.625 kg) no período entre 1740-1990 (excluindo osmeteoritos achados na Antártica). Estatísticas de meteorito Tipo Queda% Encontrado% Peso encontrado Peso Achado Rochoso 95,0 79,8 15.200 8.300 Ferro-rochoso 1,0 1,6 525 8.600 Ferro 4,0 18.6 27.000 435.000Um número muito grande de meteoróides entra na atmosfera da Terra todo diachegando a mais de cem toneladas de material. Mas eles são quase todos muitopequenos, só algumas miligramas cada. Só os maiores alcançam a superfície e setornam meteoritos. O maior meteorito já achado (Hoba, na Namíbia) pesa 60 toneladas.O meteoróide comum entra na atmosfera entre 10 e 70 km/sec. Mas todos até os muitomaiores são rapidamente desacelerados para algumas centenas de km/hora pela fricçãoatmosférica e atingem a superfície da Terra com muito pouco estrago. Porémmeteoróides maiores que algumas centenas de toneladas são reduzidos em velocidademuito pouco; só estes grandes (e felizmente raros) fazem crateras.Um bom exemplo do que acontece quando um asteróide pequeno batena Terra é a Cratera de Barringer (também conhecida como a Craterado meteoro) perto de Winslow, Arizona. Foi formada por um meteoroférreo há aproximadamente 50,000 anos atrás ele tinha cerca de 30-50metros de diâmetro. A cratera tem 1200 metros em diâmetro e 200 metros deprofundidade. Foram identificadas aproximadamente 120 crateras de impacto na Terra,tã pelo menos (veja abaixo ).Um mais recente impacto aconteceu em 1908 em uma região despovoada remota daSibéria ocidental conhecida como Tunguska . O objeto tinha aproximadamente 60metros de diâmetro e provavelmente consistia de muitos pedaços levemente agrupados.Em contraste com o evento da Cratera de Barringer, o objeto Tunguska desintegroucompletamente antes de bater no chão e assim nenhuma cratera foi formada. Entretanto,todas as árvores foram derubadas em uma área de 50 quilômetros. O som da explosãofoi ouvido em Londres.
  5. 5. Há provavelmente pelo menos 1000 asteróides maiores que 1 km de diâmetro quecruzam a órbita da Terra. Um destes atinge a Terra pelo menos uma vez a cada ummilhão de anos em média. Os maiores são menos numerosos e os impactos são menosfreqüentes, mas algumas vezes acontecem e com conseqüências desastrosas .O impacto de um cometa ou asteróide com o tamanho deHephaistos ou SL9 que bateu na Terra foi provavelmente oresponsável há 65 milhões de anos atrás pela extinção dosdinossauros . Deixou uma cratera de 180 km agora enterradadebaixo da selva perto de Chicxulub na Península de Iucatã(direita).Cálculos baseados no número observado de asteróides sugerem que nós deveríamosesperar aproximadamente 3 crateras de 10 km ou mais a ser formada na Terra a cadamilhão de anos. Isto está bem de acordo com os registros geológicos. É mais difícil decomputar a freqüência de grandes impactos como o Chicxulub mas uma vez a cada 100milhões de anos parece uma suposição razoável.Aqui estão as suposições sobre as conseqüências de impactos de vários tamanhos: Diâmetro do Rendimento Intervalo Objeto Conseqüências (megatons) (anos) (metros) meteoros na atmosfera superior a maioria <50 <10 <1 não alcança superfície os de ferro fazem crateras como a Cratera de Meteoro; os rochosos produzem 75 10 - 100 1.000 deslocamentos de ar como Tunguska; impactos em terra destroem uma área do tamanho de uma cidade os de ferro e os rochosos atingem o solo; cometas produzem deslocamentos de ar; 160 100 - 1.000 5.000 impactos em terra destroem uma área do tamanho de uma grande área urbana (Nova Iorque, Tóquio) impactos em terra destroem uma área do 350 1000 - 10.000 15.000 tamanho de um estado pequeno; impacto no oceano produz tsunamis moderados impactos em terra destroem uma área do 10.000 - tamanho de um estado médio (Virgínia); 700 63.000 100.000 impacto no oceano produz tsunamis grandes impacto em terra levanta poeira com 100.000 - implicação global; destrói área do 1.700 250.000 1.000.000 tamanho de um estado grande (Califórnia, França)
  6. 6. • o Projeto Spacewatch • a Escala Torinode ameaça de impacto • A Catástrofe do Impacto • Ensaio sobre o Evento K-T por Calvin Hamilton do LANL • A Probabilidade de Colisões com a Terra (também do LANL) • texto e imagens das Crateras de Impacto Terrestres (também do LANL) • um guia do professor sobre Colisões Cósmicas por Sally Stephens do PASP • A Cratera do Meteorito Barringer, um belo site com muitas informações • Página de Tunguska do Planetário de Southworth • Home page de Tunguska • outra Home page de Tunguska da Universidade de Bolonha • meteoritos às vezes atingem casas! • Diagramas das Órbitas de vários objetos próximos à terra e cometas • Tabelas de aproximações passadas e futuras à Terra e Potencialmente Perigosos NEOs • Asteróide 1999 AN10 • bom atlasde Estruturas de Impacto Terrestres (com mapas e imagens) • outra lista de crateras de impacto identificadas na Terra (arquivo texto) • Catastrofismo por Philip Burns • FIDAC(FIreball DAta Center), inclui um formulário de relatório de bolas de fogo on-line • Página dos Recursos da Pesquisa de Meteoros • A Bola de fogo de Peekskill • simulação de um grande impacto de cometa em SandiaQuestões em aberto • Nós podemos localizar a origem dos vários tipos de meteoritos a partir de um asteróide pai? • Foi um cometa ou um asteróide que causou a cratera de Chicxulub no Iucatã (e provavelmente causou a extinção dos dinossauros)? • O projeto Spacewatch conseguirá fundos suficientes para terminar o seu trabalho de identificar todos os asteróides próximos da Terra potencialmente perigosos? • Nós acharemos mais pedaços de Marte na Antártica?NotaAqui está o que o Presidente do Estados Unidos Bill Clinton disse sobre a descoberta deevidência de vida no meteorito de Marte:"Vale bem ressaltar como nós alcançamos este momento dedescoberta. Mais de 4 bilhões de anos atrás este pedaço de pedra foiformava uma parte da crosta original de Marte. Depois de bilhões deanos ele saiu da superfície e começou uma viagem de 16 milhões deanos através do espaço e terminou aqui em Terra. Ele chegou em uma chuva demeteoros 13.000 anos atrás. E em 1984 cientista americano em uma missão anual dogoverno norte-americano para procurar meteoros na Antártica o apanhou e o levou para
  7. 7. Dados de Os Perigo do Impacto, por Morrison, Chapman e Slovic, publicado em Perigos devido a Cometas e AsteróidesEstudos mais recentes indicam uma ligeiramente diminuição na freqüência.Mais sobre Meteoritos • mais imagens • Meteoritos e suas Propriedades, por David A. Kring (se você pensa que achou um meteorito leia isto) • New England Meteoritical Services (muitas informações) • O que é um Meteorito? por Paul Sipiera • objetos próximos da Terra pelo RGO • Micrometeoritos pelo LANL • Comitê consultivo de Meteoritos e Impactos, inclui informações e mais imagens • ANSMET, A Busca na Antártica por Meteoritos • Meteoritos do Arizona, inclui um agradável mapa clicável dos achados no Arizona • Organização Internacional de Meteoros • Chuva de Meteoros, uma tabela concisa dos dados de chuvas de meteoros • A página da Chuva de Meteoros de Gary Kronk • Sociedade Holandesa de Meteoros --informações sobre as chuvas atuais de meteoro (e mais) • Home page da Chuva de Meteoros Leônidas • Meteoritos pelo SNC • Meteoritos lunares • Meteoritos de Marte por Ron Baalke do JPL (muitas imagens!) • lista de Meteoritos marcianos • revista Meteorite! • Material Extrasolar de meteoritos • Americal Meteor Society inclusive um FAQ informativo em duas partes. • Laboratório de Meteoritos NAU Meteoritos à venda • O Mercado de Meteorito, informações sobre coleções de meteoritos e meteoritos e muitas belas imagens • A Troca de Meteoritos, informações e mais links • Meteoritos de R.A. Langheinrich, inclui uma galeria de belas imagens • Meteorites.com, também inclui alguma informação de classificação • Expresso Meteorito • Meteoritos Michael Blood • meteorites.tv Impactos • Perigos de Impacto de Cometas e Asteróides pela NASA AMES • Levantamento do Spaceguard
  8. 8. Há provavelmente pelo menos 1000 asteróides maiores que 1 km de diâmetro quecruzam a órbita da Terra. Um destes atinge a Terra pelo menos uma vez a cada ummilhão de anos em média. Os maiores são menos numerosos e os impactos são menosfreqüentes, mas algumas vezes acontecem e com conseqüências desastrosas .O impacto de um cometa ou asteróide com o tamanho deHephaistos ou SL9 que bateu na Terra foi provavelmente oresponsável há 65 milhões de anos atrás pela extinção dosdinossauros . Deixou uma cratera de 180 km agora enterradadebaixo da selva perto de Chicxulub na Península de Iucatã(direita).Cálculos baseados no número observado de asteróides sugerem que nós deveríamosesperar aproximadamente 3 crateras de 10 km ou mais a ser formada na Terra a cadamilhão de anos. Isto está bem de acordo com os registros geológicos. É mais difícil decomputar a freqüência de grandes impactos como o Chicxulub mas uma vez a cada 100milhões de anos parece uma suposição razoável.Aqui estão as suposições sobre as conseqüências de impactos de vários tamanhos: Diâmetro do Rendimento Intervalo Objeto Conseqüências (megatons) (anos) (metros) meteoros na atmosfera superior a maioria <50 <10 <1 não alcança superfície os de ferro fazem crateras como a Cratera de Meteoro; os rochosos produzem 75 10 - 100 1.000 deslocamentos de ar como Tunguska; impactos em terra destroem uma área do tamanho de uma cidade os de ferro e os rochosos atingem o solo; cometas produzem deslocamentos de ar; 160 100 - 1.000 5.000 impactos em terra destroem uma área do tamanho de uma grande área urbana (Nova Iorque, Tóquio) impactos em terra destroem uma área do 350 1000 - 10.000 15.000 tamanho de um estado pequeno; impacto no oceano produz tsunamis moderados impactos em terra destroem uma área do 10.000 - tamanho de um estado médio (Virgínia); 700 63.000 100.000 impacto no oceano produz tsunamis grandes impacto em terra levanta poeira com 100.000 - implicação global; destrói área do 1.700 250.000 1.000.000 tamanho de um estado grande (Califórnia, França)

×