CAPÍTULO 1 - Apresentação 1
CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalização e Edição de um 4
Partes adaptadas de:
ASSO...
© 2012 Wanderson Leite
progeCAD 2011
Desenho
CAPÍTULO 1 - Apresentação 1
CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalizaç...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 1 - Apresentação
Conceito de trabalho com softwares de CAD
A tecnologia CAD revolucionou n...
© 2012 Wanderson Leite
1.1 Iniciando o Programa.
Para iniciar o ProgeCAD clique duplamente no ícone da área de trabalho do...
© 2012 Wanderson Leite
A figura abaixo, descreve todos os elementos que constam na tela de apresentação do
programa, e que...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalização e Edição de um Desenho
Os comandos para abrir e...
© 2012 Wanderson Leite
2.1 Funções do Mouse
Os mouses têm funções um pouco diferente no ProgeCAD. O botão do meio exerce u...
© 2012 Wanderson Leite
2.2 Funções do Teclado
O teclado exerce inúmeras funções nos comandos do CAD.
- F1 – Help: Ativa o ...
© 2012 Wanderson Leite
2.3 Conceitos importantes
Para entender melhor o ambiente de desenho do ProgeCAD, deve-se entender ...
© 2012 Wanderson Leite
Comando SAVE: Salva um desenho que já está aberto no ProgeCAD. Você pode salvar seu desenho com
vár...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 3 – Entrada de dados
Um grande conselho
A melhor maneira de se assimilar os comandos e de ...
© 2012 Wanderson Leite
3.1 Zoom
PAN –Permite arrastar a tela de visualização sobre o desenho, sem modificar a magnitude de...
© 2012 Wanderson Leite
3.2 Select (Seleção)
A ferramenta Select prepara um grupo de entidades que fica aguardando a ação d...
© 2012 Wanderson Leite
Cpolygon (cp) - Captura através de um polígono imaginário o que
contiver dentro dele ou que cruzare...
© 2012 Wanderson Leite
Modos de Seleção
Durante um determinado comando, e necessitamos selecionar um objeto podemos, quand...
© 2012 Wanderson Leite
3.3 Object Snap (Referência de objetos)
O conjunto de ferramentas de precisão Object Snap, toma com...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 4 – Entidades de Desenho
No CAD o comando Line pode realizar uma linha (reta) ou uma seqüê...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 3 – Construa a figura abaixo, conforme dimensional.
,
- 16 -
A)
B)
C)
D)
E)
© 2012 Wanderson Leite
- 17 -
F) G)
H)
I)
J)
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 4 – Construa a figura abaixo, conforme dimensional.
- 18 -
© 2012 Wanderson Leite
4.2 Circulo
No CAD o comando Circle desenha círculos pelo centro e raio; centro e diâmetro; 2 ponto...
© 2012 Wanderson Leite
4.3 Arc
No ProgeCAD o comando Arc desenha arcos. Deve-se sempre considerar o sentido anti-horário p...
© 2012 Wanderson Leite
Start, Center, Lenght – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o
...
© 2012 Wanderson Leite
Center, Start, End – Pede inicialmente o centro do arco, posteriormente o centro do arco e o outro ...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 5 – Construa os desenhos abaixo.
Exercício 6 – Construa os desenhos abaixo.
- 23 -
Ø50.3
...
© 2012 Wanderson Leite
4.4 Rectangle (Retangulo)
No ProgeCAD o comando Rectangle desenha um retângulo, através da solicita...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 8 – Construa os desenhos abaixo.
- 25 -
50
100
50
25
Ø30
R21.4
76
42.8
42.8
76.5
A)
B)
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 5 – Comandos de Modificação
5.1 Erase (Apagar)
Erase <enter> ou E <enter>
Select entities ...
© 2012 Wanderson Leite
5.4 Miror
Mirror em português significa espelho No ProgeCAD o comando Mirror espelha uma entidade o...
© 2012 Wanderson Leite
5.6 Scale
O comando Scale aumenta ou diminui o valor numérico (tamanho) da escala de uma ou mais en...
© 2012 Wanderson Leite
5.9 Chamfer (Chanfrar)
Este comando “quebra” (Chanfer) ou “ os cantos em ângulos ou distâncias pré ...
© 2012 Wanderson Leite
5.11 OffSet
No AutoCAD o comando Offset realiza cópias paralelas de linhas, polilinhas, arcos e cír...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 9 – Construa o desenho abaixo.
-31 -
A)
B)
© 2012 Wanderson Leite
5.13 Extend
O Extend estende (prolonga) uma linha, polilinha ou arco em direção a uma outra entidad...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 10 – Construa o desenho abaixo.
-
- 33 -
Para fazer a Porta:
- Construa um retangulo 3x70...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 6 – Diemensinamento
Antes de fazermos a cotagem em um desenho , devemos preparar o estilo ...
© 2012 Wanderson Leite
6.1 Dimensionando: Após configura o sistemas podemos utilizar a barra de ferramentas Dimension para...
© 2012 Wanderson Leite
Antes de iniciar o processo de dimensionamento de um desenho é importante compreender como o sistem...
© 2012 Wanderson Leite
6.4 Exemplo de aplicação
A)
B)
Tipos de Cotas utilizdas
A - Radius
B - Linear (Vertical)
C - Angula...
© 2012 Wanderson Leite
6.5 Configuração do Software
Antes de iniciarmos um detalhamento (cotar) do desenho devemos configu...
© 2012 Wanderson Leite
Abaixo segue restante das configurações dos menus. Configure todas as telas conforme modelo abaixo....
© 2012 Wanderson Leite
- 40 -
© 2012 Wanderson Leite
- 41 -
© 2012 Wanderson Leite
- 42 -
© 2012 Wanderson Leite
- 43 -
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 7 – Layers
Temos aqui a ferramenta que nos permite criar e modificar os "LAYERS" . Quando ...
© 2012 Wanderson Leite
Após o acesso a um dos comandos, a caixa de dialogo de configuração de layer apresentara-se conform...
© 2012 Wanderson Leite
7.2 Criação e alteração de Layer
Assim, para criar uma Layer a qualquer momento do projeto basta so...
© 2012 Wanderson Leite
7.3 Selecionando Layers
Para desenhar conforme uma layer basta selecionar a layer na barra de ferra...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 11 – Construa o desenho abaixo.
- 48 -
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 8 – Lines (Linhas)
Quando você desenha, por exemplo, uma linha, arco ou circulos no CAD, t...
© 2012 Wanderson Leite
8.3 Tipos de Linha: Sugestão de Aplicação
- 50 -
© 2012 Wanderson Leite
8.4 Norma:NBR 6492/1994
- 51 -
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 9 – Hatch (Hachuras)
Para facilitar a interpretação dos detalhes internos de desenhos foi ...
© 2012 Wanderson Leite
1 – Inicialmente Clique dentro da janela “Swatch” e selecione a pasta ANSI e clicamos em uma das op...
© 2012 Wanderson Leite
9.1 Exemplificando.
Para aplicarmos, podemos definir o tipo de hachura que empregaremos . Para isso...
© 2012 Wanderson Leite
9.2 HATCH e desenho técnico
Para facilitar a interpretação dos detalhes internos de desenhos foi no...
© 2012 Wanderson Leite
Cortes Longitudinais e transversais: São desenhos onde a edificação é representada como se tivesse ...
© 2012 Wanderson Leite
Exercício 12 – Construa o desenho abaixo.
CORTE BB
- 57 -
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 10 - Criação e edição de textos:
10.1 Mtext Permite escrever com a opção de texto múltiplo...
© 2012 Wanderson Leite
Considere o esquema ao abaixo:
LT, TC, TR, ML, MC, MR, BL, BC, BR
São opções de variações de justif...
© 2012 Wanderson Leite
Define o espelhamento (backward). Normalmente não se marca esta opção. Permite que as letras
sejam ...
© 2012 Wanderson Leite
Ex.: Calcular a altura da letra no comando dtext para a régua CL-140 para desenhar em uma
escala de...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 11 – Blocos
A manipulação de blocos é uma das ferramentas mais poderosa do progeCAD, permi...
© 2012 Wanderson Leite
11.3 Wblock Entre com este comando no prompt para criar um bloco e grava-lo no Disco Rígido como um...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 12 – Paper space e model space (Telas de impressão)
Até agora somente tem-se desenhado no ...
© 2012 Wanderson Leite
12.1 Paper Space:
Para criar novas portas de visualização dentro dos novos layouts é necessário est...
© 2012 Wanderson Leite
Fator corretivo de escala para o zoom:
Após a criação das portas de visualização, deve-se corrigir ...
© 2012 Wanderson Leite
CAPÍTULO 13 – Imprimindo
É conveniente , antes de mais nada , que se entenda a diferença entre "Imp...
© 2012 Wanderson Leite
Na aba Advanced, aparece o "Estilo de Plotagem"(Print Style Table - tipos de penas que
serão aplica...
© 2012 Wanderson Leite
Abaixo alguns exemplos de fatores de plotagem
Na aba “Scale/View, aparece também o "Print Area" . P...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Proge cad 2012_civil_rev_1

451 visualizações

Publicada em

Proge cad 2012

Publicada em: Serviços
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
451
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proge cad 2012_civil_rev_1

  1. 1. CAPÍTULO 1 - Apresentação 1 CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalização e Edição de um 4 Partes adaptadas de: ASSOCIAÇÃOBRASILEIRADENORMASTÉCNICAS. NBR6492: Representação de projetos de arquitetura. Rio de Janeiro, 1994. BAGNO, R., B., PROJECAD, Apresentações: Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, Belo Horizonte 2010. IZIDORO, Nacir. Conceitos Básicos para Trabalhar com o AutoCAD, Apostila: EEL, São Paulo, 2008. MERCADI. ProgeCAD 2007, Apostila, São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.mercadi.com.br RESENDE, Ezequiel Mendonça Rezende. Curso de AutoCAD 2006 - módulo 2D, Apostila: Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, Belo Horizonte 2007. UNIP. Aula 1- Caligrafia, traço e introdução à perspectiva, Apresentação: UNIP, São Paulo, 2009. LEITE, Wanderson de Oliveira. 2012. Desenho Auxiliado por Computador – Apostila do Curso. Segundo Semestre de 2012, 2.ª Edição. Belo Horizonte, 2012. Edições e Revisões: - Elaborada em Agosto/Dezembro de 2011, Primeira impressão e edição em Fevereiro de 2012. - 1ª Revisão: Revisão de telas e acréscimo de exercícios. Agosto 2012 progeCAD é marca registrada ou marca comerciais da progeCAD Srl., nos Estados Unidos e/ou outros países. Todos os outros nomes de marcas, nomes de produtos ou as marcas comerciais pertencem a seus respectivos titulares. Eng. Civil e Ambiental progeCAD Fundamentos Básicos Modulo 2D 1.ª Edição O conteúdo integral das páginas da apostila são propriedade intelectual do autor e demais autores referenciados. Todos os direitos reservados. A reprodução, transferência, distribuição e armazenamento de todo ou parte do conteúdo em qualquer formato, sem a prévia autorização por escrito do autor, é proibida ( LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998). O autor permite que você armazene em seu computador ou imprima cópias destas páginas apenas para seu uso pessoal conforme prévia autorização do mesmo. O autor se reserva o direito de revisar as páginas ou revogar o acesso a elas a qualquer momento. O autor não aceita nenhuma responsabilidade por material criado, modificado ou publicado por terceiros para os quais as páginas possuam ou não referência explicitas.
  2. 2. © 2012 Wanderson Leite progeCAD 2011 Desenho CAPÍTULO 1 - Apresentação 1 CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalização e Edição de um Desenho 4 CAPÍTULO 3 - Entrada de dados 9 CAPÍTULO 4 - Entidades de Desenho 15 CAPÍTULO 5 - Comandos de Modificação 26 CAPÍTULO 6 - Diemensinamento 34 CAPÍTULO 7 - Layers 44 CAPÍTULO 8 - Lines (Linhas) 49 CAPÍTULO 9 - Hatch (Hachuras) 52 CAPÍTULO 10 - Criação e edição de textos 58 CAPÍTULO 11 - Blocos 62 CAPÍTULO 12 - Paper space e model space (Telas de impressão) 64 CAPÍTULO 13 - Imprimindo 67
  3. 3. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 1 - Apresentação Conceito de trabalho com softwares de CAD A tecnologia CAD revolucionou nossa maneira de projetar, não só pelas ferramentas de trabalho, como também pela maneira que cada programa CAD interpreta os aspectos geométricos gerados. A começar conceito de "Desenho". Muitas vezes nos referimos ao resultado que o Cad mostra na tela como aspectos geométricos. Isso porque o que é determinado em um desenho gerado pelo Cad são formulas matemáticas que nos dão aparência de linhas e arcos e o conjunto destes aspectos, a aparência de plantas e projetos. ENTIDADES As entidades são geometrias pré-definidas no editor gráfico. cada entidade possui um identificador individual. Alguns exemplos de entidades no Cad são : point , line , circle , arc , el ipse text e etc. OBJETOS Objetos podem ser criações bi ou tridimensionais com um só identificador. Os objetos diferem dos blocos no fato de que podem ser editados de maneira desigual sem que precise desagrupar seus segmentos. O Cad fornece comandos de criação de objetos e comandos que transformam entidades individuais em objetos com um só identificador. Alguns exemplos de objetos bidimensionais são gerados pelos comandos rectangle, pline, polygon , mtext, dimension, entre outros. Os comandos sphere, cone, pyramid, entre outros geram objetos tridimensionais. BLOCOS Blocos são aspectos geométricos formados por entidades e / ou objetos agrupados. O desenho de um fogão, por exemplo composto por entidades como line, arc e circle pode formar um bloco. Um bloco pode ser usado em qualquer desenho sem precisar que seja refeito e possui um só identificador. Existem comandos específicos que agrupam entidades individuais em blocos. Sem esse agrupamento, as entidades terão handles individuais. Entidades agrupadas como um bloco não poderão Ter os segmentos editados individualmente, a menos que se desagrupe-os . - 1 -
  4. 4. © 2012 Wanderson Leite 1.1 Iniciando o Programa. Para iniciar o ProgeCAD clique duplamente no ícone da área de trabalho do seu computador. Área de trabalho do ProgeCAD A Área de Trabalho é a página de abertura do ProgeCAD composta por vários Menus, Barras com ícones, área gráfica e Barra de comando. Principais formas de acessos aos comandos do programa ProgeCAD: Barra de Menu: menu principal de acesso aos comandos, onde consta a maioria das ferramentas do programa. Menu suspenso: menu secundário a partir do principal, para acessar os comandos e configurações do sistema. Barra de ferramenta: barras onde constam os ícones de acesso a várias ferramentas do programa, que podem ser fixadas nas laterais ou suspensa na Área de Trabalho. Caixa de diálogo: caixas com informações e opções para executar ou configurar comandos ou tarefas. Barra de comando: acesso ao comando através da digitação no teclado. Caixa de exibição do cursor: caixa que aparece na Área de Trabalho na forma suspensa, com os comandos associados ao comando ativo. Menu auxiliar de comando: menu que aparece na Área de Trabalho na forma suspensa, quando é selecionada uma entidade sem um comando ativo. Menu auxiliar ESNAP: menu que aparece na Área de trabalho na forma suspensa, quando o usuário acionar simultaneamente a tecla <Shift>.com o botão direito do mouse. - 2 -
  5. 5. © 2012 Wanderson Leite A figura abaixo, descreve todos os elementos que constam na tela de apresentação do programa, e que serão abordados posteriormente. - Indicador UCS – Serve para orientar o usuário no espaço de desenho. - Linguetas – O Cad é composto de dois ambientes de desenho. São eles: o Model Space (espaço de modelação) onde fazemos nosso desenho sempre em escala real e o Paper Space (espaço de impressão) que é onde fazemos o layout para apresentação do desenho. Iniciamos no espaço MODEL e consequentemente utilizaremos o espaço de LAYOUT (impressão / plotagem). - Mouse - Um grande aliado em desenhar no Cad é o mouse. Todos os botões tem uma função de auxilio muito importante e expecífica. Para ativar o Menu de Auxilio – Menu ESNAP – que veremos mais tarde, basta manter pressionada a tecla Shift do seu teclado e clicar o botão esquerdo do mouse (Enter), teclado (tecla Enter) ou ainda o botão do meio (modo avançado). Alguns mouses de três botões necessitam de configurações especiais para abrir o ESNAP. Consulte o suporte técnico. – Ícones de Comando - São pequenas figuras gráficas (ícones) mostrados no Cad. Clique com o esquerdo para ativa-los. Quando existir uma “seta” na parte inferior do ícone, isto significa que existem outras funções e para mostrá-las basta segurar o botão de seleção por alguns segundos e aparecerão os outros ícones de comando. Pode-se alterar os ícones de comando ou adicionar mais barras de ícones de comando clicando com o botão direito sobre qualquer um destes. - 3 -
  6. 6. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 2 - Comandos de Inicialização, Finalização e Edição de um Desenho Os comandos para abrir e fechar um desenho estão no Menu Files, que é a primeira subdivisão do Menu de Barras. Os comandos de inicialização e finalização de um desenho são aqueles que criam, salvam e fecham um desenho, propriamente dito. Agora veremos os principais os principais comandos que se situam no Menu File: NEW – Cria um novo desenho a partir de um “desenho protótipo”, que é um desenho padrão com configurações iniciais já existentes, para facilitar o desenho. Este desenho protótipo é descrito pelo Cad como TEMPLATE e possui a extensão DWT (Drawing Template). Se na tela inicial você não pedir nenhum desenho protótipo diferente do atual, ele vai carregar o ACADISO.DWT. OPEN – Abre um desenho já existente. O Cad pode abrir vários desenhos ao mesmo tempo. SAVE – Salva um desenho que já está aberto no Cad. Você pode salvar seu desenho com várias extensões diferentes: DXF, DWG de versões anteriores e DWT. SAVE AS – Salva um desenho que já está aberto no Cad com outro nome, ou em outro diretório sem alterar o desenho atual. EXPORT – Exporta desenhos do Cad (DWG) para outras extensões, entre elas: (WMF, STL, EPS, BMP, 3DS, etc.) EXIT – Sai do desenho e do Cad. Pode ser executado através do teclado com o comando QUIT. Os comandos de edição se localizam no Menu Edit. Os principais são: UNDO – Desfaz os últimos comandos acionados. Pode ser ativado pelo teclado através da tecla U. REDO – O contrário de UNDO, REDO refaz o que o UNDO desfez no Cad. CUT (Clip) – Recorta a parte selecionada para a área de transferência COPY (Clip) – Copia os objetos selecionados para a área de transferência. PASTE – Cola os objetos que estão na área de transferência na área de trabalho do Cad. - 4 -
  7. 7. © 2012 Wanderson Leite 2.1 Funções do Mouse Os mouses têm funções um pouco diferente no ProgeCAD. O botão do meio exerce uma função a mais. Mas se você não possuir um mouse de três botões não se preocupe. Para ativar o Menu de Precisão – Menu OSNAP – que veremos mais tarde, basta manter pressionada a tecla Shift do seu teclado e clicar o botão esquerdo do mouse (Enter) ou no teclado (tecla Enter). Muitos mouses de três botões não fazem abrir o Menu Osnap no segundo botão, devido a estes possuírem outras configurações. - 5 - Botão de Seleção Ativa comandos nos Menus ou seleciona entidades de desenho Botão ENTER Mesma função que ENTER do teclado e função de cancelar comandos SHIFT + ENTER Ativa o menu OSNAP de comandos de precisão Botão Wheel Botão “rolante” que dá Zoom e Pan (move a tela) no desenho
  8. 8. © 2012 Wanderson Leite 2.2 Funções do Teclado O teclado exerce inúmeras funções nos comandos do CAD. - F1 – Help: Ativa o comando de ajuda. - F2 – Progecad Promt History: Ativa e desativa a tela de Text Window, que na verdade é a linha de comando do CAD, só que ampliado, mostrando mais linhas de comandos no monitor e dentro de uma janela. - F3 – Esnap On/Off: Liga e desliga o sistema automático de detecção de pontos de precisão (Esnap) - F4 – Tablet On/Off: Ativa e desativa a mesa digitalizadora, se esta estiver sendo utilizada. Durante o curso não veremos como utilizar a mesa digitalizadora. - F5 – Isoplane Right/Left/Top: Muda o tipo de perspectiva para desenhos isométricos. Neste curso não veremos como desenhar isometricamente. - F6 – Coords On/Off: Liga e desliga o contador de coordenadas. - F7 – Grid On/Off: Liga e desliga p Grid, que é uma grade de referência que veremos posteriormente. - F8 – Ortho On/Off: Liga e desliga o método de criação de entidades ortogonais (vertical e horizontal). - F9 – Snap On/Off: Liga e desliga o tabulador Snap, que será visto posteriormente. - F10 – Polar On/Off: Liga e desliga o método de criação polar (mostrando posições verticais e horizontal na areal de trabalho). - F11 – Otrack On/Off: Esta opção liga e desliga o OTrack (Object Snap Tracking), que nos ajuda a desenhar objetos em ângulos específicos ou em relações com outras entidades. - Esc: Cancela o Comando Ativo – “CANCEL” - Enter: Confirma a maioria dos comandos e Ativa o último comando realizado. - 6 -
  9. 9. © 2012 Wanderson Leite 2.3 Conceitos importantes Para entender melhor o ambiente de desenho do ProgeCAD, deve-se entender alguns conceitos básicos utilizados no programa (e praticamente em todos os tipos de programas de CAD). - Grid: São pontos visíveis na tela, utilizados apenas para a referência no desenho. Os grids podem ser alterados de aspecto, podendo ter valores de espaçamentos diferentes, tanto no X, como no Y. Liga e desliga com a tecla F7 ou pela Barra de Status. - Snap: É uma espécie de malha, que não permite que o cursor ande fora dela. Funciona como um tipo de imã, prendendo o cursor a esta malha. É muito útil para um desenho com precisão e velocidade. Liga e desliga com a tecla F9 ou pela Barra de Status. A Grid e o Snap podem ser configurados pelo menu Tools Drafting Settings. - Unidades de trabalho: No ProgeCAD a unidade de trabalho é adimensional, isto é, definida pelo usuário, não existe unidade fixa, pode ser, centímetros, metros, polegadas, milhas, ano-luz, etc. Ajusta-se com a opção de menu Format Units. - limite do desenho: Devido ao fato de não ter uma unidade de trabalho fixa, o limite do desenho, também não é fixo, portanto é praticamente infinito. Ajusta-se com a opção de menu Format Drawing Limits. A grid somente aparecerá dentro destes limites do desenho. Existe uma outra opção do comando limits, que quando estiver ligado não permite desenhar fora dos limites definidos, portanto faça o comando limits ficar em off. - Zoom: A tela gráfica é apenas uma pequena janela que se movimenta sobre o desenho. Pode-se colocá-la sobre qualquer parte dele, com qualquer incremento de visualização. Pode-se desenhar com precisão um prédio com uma cidade ou estado em torno dele, ou mesmo desenhar uma bactéria na cozinha deste mesmo prédio. 2.4 Funções importantes Comando NEW: Cria um novo desenho a partir de um “desenho protótipo”, que é um desenho padrão com configurações iniciais já existentes, para facilitar o desenho. Este desenho protótipo é descrito pelo ProgeCAD como TEMPLATE e possui a extensão DWT (Drawing Template). Se na tela inicial você não pedir nenhum desenho protótipo diferente do atual, ele vai carregar o Acadiso.Dwt. Comando OPEN: Abre um desenho já existente. O ProgeCAD pode abrir vários desenhos ao mesmo tempo. - 7 -
  10. 10. © 2012 Wanderson Leite Comando SAVE: Salva um desenho que já está aberto no ProgeCAD. Você pode salvar seu desenho com várias extensões diferentes: DXF, DWG de versões anteriores e DWT. Comando SAVE AS: Salva um desenho que já está aberto no ProgeCAD com outro nome, ou em outro diretório sem alterar o desenho atual. Comando REGEN: Provoca uma regeneração do desenho, isto é, regenerar s ignifica recalc ular todas as entidades matemáticas contidas no desenho (acionado pelo teclado). Comando LIMITS: Define os limites da área de trabalho. Seu uso é necessário, pois auxilia na regeneração da imagem. Quando acionamos o grid , o ProgeCAD usa a área delimitada pelo comando limits para posic ionar o grid. Comando EXPORT: Exporta desenhos do ProgeCAD (DWG) para outras extensões, entre elas: (WMF, STL, EPS, BMP, 3DS, etc.) Comando EXIT: Sai do desenho e do ProgeCAD. Pode ser executado através do teclado com o comando QUIT. Comando UNDO: Desfaz o último comando, para alguns comandos serve para desfaze r a se leção, para o comando line espe cificamente de ntro de se u comando ativo desfaz o último segmento de re ta sucessivamente . Comando REDO: Refaz o último comando de sfe ito pelo comando “UNDO ”. PLOT (File > Plot ) Plot (ou Print ): Envia o desenho para que se ja impresso em uma impressora gráfica ou plotter (impressora de grande porte ), A opção de impressão será detalhada mais adiante. PLOT PREVIEW (File > Plot Preview) Mostra como o desenho será visto quando impresso ou plotado. SETTINGS: (Tools Drafting Settings ) / clicar Botão direito do mouse em cima de GRID, SNAP ou outro da barra de Status , acessando as caixas para configurações . Estes comandos na barra de status será de grande uso e todo o processo de construção de nossos projetos e desenhos. - 8 -
  11. 11. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 3 – Entrada de dados Um grande conselho A melhor maneira de se assimilar os comandos e de aprender a desenhar e atuando na prática ou seja, desenhando. Gostaria de salientar, que deve-se perder o medo inicial de errar, pois ninguém nasceu sabendo como também, somente a prática nos leva a perfeição; por isso aconcelho ao usuário de qualquer software de CAD, no início de seu aprendizado a praticar por pelo menos uma hora diária ou mais, até o máximo de três horas, acima deste período (continuamente falando), perdemos a capacidade de acimilação. Abaixo iremos ver as três barras mais importantes para a criação de desenhos e sua edição correta. São elas: DraW Modify Zoom Indiferente do tipo de CAD que você estiver usando, os camandos de criação de entidades mais usados são linha (line) e circulo (circle), e os comados de modificação são cortar (trim), extender (extend), apagar (erase) e transferir (offset). Para ajuste do desenho em tela os mais usados são Zoom extendido (extend) e Zoom Window. Se o usuário gravar fortemente estes comando, conseguirá desenhar sem maiores problemas e com uma grande produtividade desde o início. Além do mouse, as informações de coordenadas podem ser passadas ao cad pelo teclado de maneira precisa, informando numericamente como o programa deve agir. Muitas vezes é necessário este procedimento, pois o mouse não permitirá que se chegue ao resultado desejado. - 9 -
  12. 12. © 2012 Wanderson Leite 3.1 Zoom PAN –Permite arrastar a tela de visualização sobre o desenho, sem modificar a magnitude de visualização em tempo real com o auxilio do mouse. O comando pede dois pontos para o movimento da tela. Window – Mostra a imagem definida por uma janela indicada pelos pontos de sua diagonal. Aciona as outras In - Permite aproximar do desenho. Out –Permite afastar do desenho. Extend - Mostra a extensão máxima que o desenho pode ocupar na tela. - 10 -
  13. 13. © 2012 Wanderson Leite 3.2 Select (Seleção) A ferramenta Select prepara um grupo de entidades que fica aguardando a ação de um comando. Pode-se utilizar para este comando qualquer modo de seleção dentro dele. (Pega-se o grupo de seleção feito com o comando select, utilizando a opção previous dentro de um comando qualquer). Assim, quando se executa um determinado comando, e precisamos selecionar um objeto podemos aplicar uma das formas de seleção, conforme ilustrado. Por Default (padrão) do ProgeCAD o cursor troca para forma de um “quadradinho” (Pick Box) ao digitarmos o comando. A expressão “Select Objects” é exibida na Barra de Comando. Neste momento podemos selecionar entidades uma a uma os objetos a serem trabalhados. Formas de Seleção Windows -Captura entidades que estão contidas inteiramente dentro de uma janela de seleção, que você clique fora do objeto e enquadrando-( da esquerda para direita e fundo da janela azul (default). Windows Crossing – Captura as entidades que estão contidas dentro da janela de seleção ou que cruzarem a linha tracejada da janela aberta pelo mouse . (da direita para a esquerda e fundo da janela verde(default). Fence (f)- Captura entidades por uma linha imaginária. Após o Select Object - digite um “F” First fence point:P1 Specify endpoint of line or [Undo]: P2 Specify endpoint of line or [Undo]: P3 Specify endpoint of line or [Undo]: P4 Specify endpoint of line or [Undo]: <ENTER> Para confirmar seleção - 11 -
  14. 14. © 2012 Wanderson Leite Cpolygon (cp) - Captura através de um polígono imaginário o que contiver dentro dele ou que cruzarem. Após o Select Object - digite um “CP” First fence point:P1 Specify endpoint of line or [Undo]: P2 Specify endpoint of line or [Undo]: P3 Specify endpoint of line or [Undo]: P4 Specify endpoint of line or [Undo]: <ENTER> Para confirmar seleção Wpolygon (wp) - Captura através de um polígono imaginário o que contiver dentro dele. Após o Select Object - digite um “WP” First fence point:P1 Specify endpoint of line or [Undo]: P2 Specify endpoint of line or [Undo]: P3 Specify endpoint of line or [Undo]: P4 Specify endpoint of line or [Undo]: <ENTER> Para confirmar seleção Outros: o All - Seleciona todas as entidades em tela gráfica. o Last (L): Seleciona a última entidade desenhada, atualmente visível. o Previous (P): Seleciona o último grupo de entidades selecionadas por um comando de edição. o Remove: Permite remover entidades selecionadas no comando em ação – adicione o “R” (digite) após o select object e selecione novamente para desmarcar a seleção. o ADD: Retorna ao modo de seleção normal após a utilização do Remove, adicionando(digitando) um “A” após o remove select para voltar a seleção normal o select object. - 12 -
  15. 15. © 2012 Wanderson Leite Modos de Seleção Durante um determinado comando, e necessitamos selecionar um objeto podemos, quando ‘Select Objects..’ é exibida no prompt de comando. Neste momento podemos selecionar entidades uma a uma os objetos a serem trabalhados. Windows - Captura entidades que estão contidas inteiramente dentro de uma janela ( da esquerda para direita) Windows Crossing – Captura entidades que estão contidas dentro da janela ou que cruzarem a linha tracejada de uma janela. (da direita para a esquerda). Fence (f)- Captura entidades por uma linha imaginária. Cpolygon (cp) - Captura através de um polígono imaginário o que contiver dentro dele ou que cruzarem. Wpolygon (wp) - Captura através de um polígono imaginário o que contiver dentro dele. - 13 -
  16. 16. © 2012 Wanderson Leite 3.3 Object Snap (Referência de objetos) O conjunto de ferramentas de precisão Object Snap, toma com referência os pontos notáveis das entidades gráficas quando se está efetuando um comando. Sua principal aplicação é proporcionar precisão ao traçado de entidades. Podemos manter ativos aqueles Osnaps que mais necessita através da caixa de dialogo clicando com o botão direito em cima da palavra ESNAP,na barra de Status, opção Settings. Quando se clica na barra de Status Snap ou o F3(caso não haja nenhuma seleção já pré-setada), o CAD automaticamente abre a caixa de diálogo Osnap Settings, vista anteriormente. Para um melhor desempenho das funções evite deixar todos ligados, pois muitas vezes podem capturar pontos não desejaveis, se caso desejar precisar capturar um ponto e ele acende outro, podemos “forçar” a entrada clicando o seu icone ou mesmo digitando as letras inicais em negrito abaixo. Os principais pontos de precisão utilizados são: ENDpoint – Ponto final de linhas, arcos e polylines. MIDpoint - Ponto médio de linhas, arcos e polylines. INTersetion –Intersecção de dois objetos como segmentos de reta, círculos, arcos e splines. EXTension - Extente um ponto sobre a extensão de objetos. CENter – Centro de círculos e Arcos QUAdrant – Define os pontos dos polos de círculos e arcos( os pontos 0º,90º,180º e 270º graus) mais próximos. TANgent – Tangente a círculos e arcos a partir do último ponto definido PERpendicular – Atrai para o ponto de um objeto que um alinhamento normal ou perpendicular com o outro objeto. PARallel- Desenha linhas paralelas a outras linhas existentes, só funcionacom a projeção Polar ligada. - 14 -
  17. 17. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 4 – Entidades de Desenho No CAD o comando Line pode realizar uma linha (reta) ou uma seqüência de linhas conectadas, onde cada segmento de reta (linha) pode ser manipulado posteriormente de forma independente. 4.1 Linha Command: LINE <ENTER> ou L LINE <ENTER> LINE Start of line: P1:<ENTER> (Clique com botão esquerdo um ponto na tela) Angle/Length/Follow/Undo/<End point>: P2:<ENTER> (Clique com botão esquerdo um segundo ponto na tela) P1 P2 1) Exercício – Construa a figura abaixo, conforme a vídeo aula. P2 P1 P3 P4 P5 P6 P2 P1 P6 P3 P4 P7 P9 P6 P5 P7 P8 P2 P3 P4 P1 P12 P11 P5 P10 P8 Exercício 2 – Construa a figura abaixo, conforme dimensional. - 15 -
  18. 18. © 2012 Wanderson Leite Exercício 3 – Construa a figura abaixo, conforme dimensional. , - 16 - A) B) C) D) E)
  19. 19. © 2012 Wanderson Leite - 17 - F) G) H) I) J)
  20. 20. © 2012 Wanderson Leite Exercício 4 – Construa a figura abaixo, conforme dimensional. - 18 -
  21. 21. © 2012 Wanderson Leite 4.2 Circulo No CAD o comando Circle desenha círculos pelo centro e raio; centro e diâmetro; 2 pontos; 3 pontos; duas tangentes e raio e três tangentes. CIRCLE <ENTER> ou C <ENTER> 2Point/3Point/RadTanTan/Arc/Multiple/<Center of circle>: Diameter/Radius: D (diâmetro) ou R (raio) Specify Radius of circle: 20 (tamanho do raio) CIRCLE 2Point/3Point/RadTanTan/Arc/Multiple/<Center of circle>:: 20 Diameter/Radius:D Specify diameter of circle: 40 P1 (Enter) 40 (Enter) Outras variações 2P – são fornecidos 2 pontos que definem o diâmetro do círculo. 3P- são fornecidos 3 pontos pelos quais o círculo “passa”. TTR – são indicados 2 elementos (retas ou arcos ) tangentes e é fornecido via teclado o valor do raio. TTT – são indicados 3 elementos tangentes - 19 -
  22. 22. © 2012 Wanderson Leite 4.3 Arc No ProgeCAD o comando Arc desenha arcos. Deve-se sempre considerar o sentido anti-horário para o desenho dos arcos. Assim como círculos, podemos criar arcos de diversas maneiras, as quais veremos agora: 3 Point – Pede três pontos: um inicial, um ponto no meio do arco e um ponto final. Start, Center, End – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o centro do raio e um terceiro ponto que representa o outro extremo do arco. Start, Center, Angle – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o centro do raio e um terceiro ponto que é o ângulo que define o comprimento do arco. - 20 -
  23. 23. © 2012 Wanderson Leite Start, Center, Lenght – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o centro do raio e um terceiro ponto que representa o comprimento do arco. Start, End, Angle – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o ponto final do arco e um terceiro ponto que é ângulo que define o comprimento do arco. Start, End, Direction – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o ponto final do arco e um terceiro ponto que é a inclinação (acréscimo ou decréscimo do valor do raio) do arco Start, End, Radius – Pede um ponto inicial que é um extremo do arco, um segundo representando o ponto final do arco e por último o valor do raio do arco. - 21 -
  24. 24. © 2012 Wanderson Leite Center, Start, End – Pede inicialmente o centro do arco, posteriormente o centro do arco e o outro é o extremo do arco. Center, Start, Angle – Pede inicialmente o centro do arco, posteriormente o centro do arco e o outro é o ângulo que define o comprimento do arco. Center, Start, Length – Pede inicialmente o centro do arco, posteriormente o centro do arco e o outro é o comprimento do arco. Continue – Cria um arco a partir do último ponto clicado na área gráfica. - 22 -
  25. 25. © 2012 Wanderson Leite Exercício 5 – Construa os desenhos abaixo. Exercício 6 – Construa os desenhos abaixo. - 23 - Ø50.3 R10.3 50 50 R12.5 R25 Ø40 A) B)
  26. 26. © 2012 Wanderson Leite 4.4 Rectangle (Retangulo) No ProgeCAD o comando Rectangle desenha um retângulo, através da solicitação de dois pontos em diagonal na tela, podendo ser aleatório ou dois pontos determinados. A partir desse ponto podemos gerar um retângulo por uma diagonal imaginária, definindo clicando um ponto para gerar um retângulo aleatório ou inserir uma coordenada relativa (@X,Y) respectivamente a sua largura em X e a sua altura em Y e pela referência do plano cartesiano definirmos a posição do nosso retângulo em relação ao ponto clicado. Exemplo: Chamfer/Elevation/Fillet/Rotated/Square/Thickness/Width/<Select first corner of rectangle>: @50,20 Exercício 7 – Construa os desenhos abaixo. - 24 - P2 P1 50mm 20mm 60 3 R60 50 80 50 50 60 80 R 30 R 30 A) B) C)
  27. 27. © 2012 Wanderson Leite Exercício 8 – Construa os desenhos abaixo. - 25 - 50 100 50 25 Ø30 R21.4 76 42.8 42.8 76.5 A) B)
  28. 28. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 5 – Comandos de Modificação 5.1 Erase (Apagar) Erase <enter> ou E <enter> Select entities to delete: <ENTER> (Use um método de seleção de objeto) OBS: Após selecionado o objeto, é necessário teclar <ENTER> para que possa alterar para o próximo estágio do comando. Também pode-se apagar entidades no desenho são também realizadas através da tecla DEL, do teclado. 5.2 Move (Mover) No ProgeCADo comando Move altera a localização das entidades selecionadas. Para a execução do comando, digite o comando, selecione um grupo de entidades, dê um pick para o ponto início (P1) do movimento e um pick para o fim do movimento (P2) ou à distância desejada. Move <enter> ou M <enter> Select entities to move: <ENTER> (Use um método de seleção de objeto) Click no ponto do origem (P1) click no ponto de destino (P2) ou a distância. 5.3 Copy No ProgeCAD o comando Copy copia ou duplica, triplica... um grupo de entidades selecionadas de um ponto base para um ponto final. Segue da mesma forma que o comando Move → Seleção do Objeto → Ponto de Arrasto → Ponto de Fixação ou dimensão de deslocamento. As mudanças entre um comando e outro e que Comando Move desloca o nosso objeto e Comando Copy cria uma ou mais cópias idêntica. Command: Copy <enter> ou CP <enter> - 26 - Seleção P3... Seleção P1 P2 Distância P1 P2 Distância
  29. 29. © 2012 Wanderson Leite 5.4 Miror Mirror em português significa espelho No ProgeCAD o comando Mirror espelha uma entidade ou um grupo de entidades selecionadas por uma linha imaginária de espelho definida por dois pontos (P1 e P2 abaixo). A distância dos novos objetos à linha de espelho será igual a dos objetos fontes. O comando pergunta se mantém ou apaga os objetos originais. Ao acionarmos o comando ( mirro <enter> ou mi <enter>), vamos selecionar a(s) entidade(s) e depois definir uma linha de espelho, que na verdade é a linha onde vamos espelhar a(s) entidade(s). Normalmente trabalha-se com o ortho ligado. Fazendo o espelho, vamos escolher se preservamos a entidade espelhada ou se vamos apagá-la. Para detalhes, ver figura abaixo: Command: mi <enter> Select entities to mirror: <ENTER> (Use um método de seleção de objeto) Start of mirror line: (ponto inicial da linha de espelho) End of mirror line: (ponto final da linha de espelho) Delete the original entities? <N>( Y= deleta os objetos espelhados, N = não deleta) 5.5 Rotate O comando Rotate rotaciona um grupo para um ponto final, tomando com base um ponto de referência. O comando tem a opção reference que permite a mudança da referência (o ângulo default é zero). Inicialmente temos que selecionar o objeto a ser rotacionado, depois solicitado o um ponto que será o ponto base de rotação, e por fim, definimos o ângulo que rotacionará o nosso objeto seguindo a orientação anti-horária ou um ponto fixação (uma referência). Ao acionarmos o comando, ele nos pede para selecionarmos entidades, após selecionarmos clicamos num ponto de área gráfica que e o eixo de rotação. Podemos rotacionar visualmente com o mouse ou digitar um ângulo absoluto em relação ao circulo trigonométrico. command : rotate <enter> Select entities to rotate: Entities in set: 1, 2, etc Rotation point: Base angle/<Rotation angle>: (digite o Ângulo de rotação) - 27 - Espelho
  30. 30. © 2012 Wanderson Leite 5.6 Scale O comando Scale aumenta ou diminui o valor numérico (tamanho) da escala de uma ou mais entidades/objeto. Podendo escalar qualquer entidade, com exceção de linhas de construção e pontos. Para escalar uma ou mais entidade, selecionando e clicamos num ponto de base que a partir de onde o objeto tende a crescer ou diminuir e clicamos na tela no tamanho desejado ou, precisamente, digitamos uma escalando no formato W ou W/Y ou ainda no formato referente. No formato W digitamos um numero que pode aumentar ou diminuir a escala do objeto, por exemplo: 2 (dobra o tamanho do objeto), 0.5(divide o valor numérico do objeto por 2.). No formato referente digitamos uma escala inicial qualquer e uma escala final que aumenta ou diminui o objeto. Por exemplo: se a escala inicial de um objeto for 2 e a final 4 dobraremos o valor numérico dele (tente enxergar isto). 5.7 Explode As entidades criadas com o comando Bloco, Polyline, Rectang, Multiline e Polygon podem ser explodidas. A ação de explodir consiste em transformar estas entidades únicas (várias linhas formam uma entidade) em várias entidades (cada linha tornará uma entidade única). Para desfazer a ação do comando Explode, podemos utilizar o comando Undo. 5.8 Array O comando Array gera um arranjo (“cópias”) com uma entidade ou um grupo de entidades selecionadas. Tendo como opção o array retangular (cópias lineares em X e Y), onde as entidades se alinham em torno de colunas e linhas, ou o array polar (cópias circulares), onde as entidades se organizam em torno de um eixo. O array polar ainda pode ser rotacionado ou não rotacionado. Ao selecionar damos um ponto de origem (Base Point) e posteriormente um ponto final da entidade em relação ao ponto inicial, gera um arranjo com uma entidade ou um grupo de entidades selecionadas. Command : Array <enter> ou Command : ar <enter> - 28 - Exemplo de modificação de escala de trabalho de polegada para centímetro.
  31. 31. © 2012 Wanderson Leite 5.9 Chamfer (Chanfrar) Este comando “quebra” (Chanfer) ou “ os cantos em ângulos ou distâncias pré definidas, como a indicado abaixo Ainda, o comando faz a união das pontas de duas linhas, polilinhas ou arcos. Apara (ou unir) dois objetos com uma linha reta ou cria uma conexão entre dois objetos através de uma linha reta com dimensões( distância relativa entre os dois eixos ou uma distância e um ângulo) determinadas. Command: CHAMFER <enter> Chamfer (dist1=0, dist2=0): Distance/Settings/Polyline/<Select first entity>: (Especifique as distância. Digite D para acessar as opções) Chamfer distance on first entity <0>: (digite a primeira distância) Chamfer distance on second entity <0>: (digite a segudna distância) Chamfer (dist1=10, dist2=20): Distance/Settings/Polyline/<Select first entity>(selecione as linhas que serão chafradas) 5.10 Fillet (Arredondar) Este comando “arredonda” (fillet) ou “ os cantos em ângulos ou distâncias pré definidas, como a indicado abaixo Ainda, comando faz a união das pontas de duas linhas, polilinhas ou arcos. Também permite fazer a concordância de linhas através de um arco, com raio definido pelo comando. Ou seja, opção de arredondar todos os cantos definidos por um raio. Command: fillete <enter> ou f <enter> Fillet (radius=0): Radius/Settings/Polyline/<Select first entity>: (Especifique o raio do fillet desejado. Digite r para acessar as opções) Fillet radius <0>: (Digite o valor do raio desejado) Fillet (radius=10): Radius/Settings/Polyline/<Select first entity>:(selecione as linhas) Select second entity: - 29 - Unir Distâncias iguais Distância + ângulo
  32. 32. © 2012 Wanderson Leite 5.11 OffSet No AutoCAD o comando Offset realiza cópias paralelas de linhas, polilinhas, arcos e círculos etc. O comando inicialmente pergunta pela distância do offset. A opção multiple permite fazer o offset repetidas vezes. - Digitando offset ou o e enter acessamos o comando - Inicialmente é necessário entrar com o valor a distância para a cópia paralela do nosso objeto <Enter>. - Agora podemos selecionar a linha ou objeto que queremos gerar sua cópia paralela (P1)<Enter>. - Na seqüência é solicitado que clicamos na nossa tela gráfica o lado, P2 (direita, esquerda – acima, abaixo) que queremos a cópia, o comando se mantêm ativo, gerando cópias até das próprias cópias até confirmamos com <Enter> para a sua finalização. 5.12 Trim Trimar uma entidade será muito utilizada em qualquer desenho. Ela consiste em cortar (apagar) uma ou mais partes de um objeto em relação a uma ou mais facas cortantes (entidades selecionadas para cortar) quando estas estão se cruzando. O comando corta ou apara linhas, polilinhas, círculos ou arcos etc em relação a uma outra entidade (fronteira). As fronteiras devem estar cruzando as entidades. - Digitando Trim ou “t” e enter acessamos o comando - Inicialmente é solicitado para selecionarmos o objeto a ser usado como linha de corte ou limite, que deverá obrigatoriamente ter uma intersecção ou estar cruzando o que irá ser cortado (P1 e P2) , clicamos <ENTER> a continuar. - A partir da escolha de nossa linha de corte, selecionamos o que queremos recortar ( P3 e P4), após apagar as linhas desejadas, tecle <enter> para finalizar. -30 - (Distância) Offset das paredes 0,15cm + Trim Fronteira Corta
  33. 33. © 2012 Wanderson Leite Exercício 9 – Construa o desenho abaixo. -31 - A) B)
  34. 34. © 2012 Wanderson Leite 5.13 Extend O Extend estende (prolonga) uma linha, polilinha ou arco em direção a uma outra entidade (fronteira). As fronteiras devem estar no alcance das entidades. - Digitando Extend ou “ex” e <enter> acessamos o comando - Inicialmente é pedido para selecionarmos o objeto a ser usado como linha limite ou de referência (linha ou objeto até onde queremos estender), P1, clicamos <ENTER> a continuar. Escolhendo nossa referencia, selecionamos clicamos nos objetos que queremos estender até está referencia, (P2, P3, P4, etc) <ENTER> para finalizar. -32 -
  35. 35. © 2012 Wanderson Leite Exercício 10 – Construa o desenho abaixo. - - 33 - Para fazer a Porta: - Construa um retangulo 3x70 - Acione o comando Arco: - Na linha de comando escreva a letra “C” e depois pressione <ENTER>; - Na sequencia clique na dobradiça da porta; - Clique no início do arco; - Clique no fim do arco. Para fazer a janela: - Primeiro abra a vão da janela; - Lembre-se que é importante usar o comando OFFSET e TRIM.; - Depois usando o comando Line, desenhe as linhas do peitoril da janela. (Se necessário, é importante ligar a ferramenta de precisão OBJECT ESNAP); - E para criar as duas linhas duplas internas use o comando OFFSET com a distância de 6 Início Fim
  36. 36. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 6 – Diemensinamento Antes de fazermos a cotagem em um desenho , devemos preparar o estilo , ou seja , como serão : as linhas de chamadas(ou linhas de estensão) , as linhas de cotas , o estilo de texto , seu afastamento da linha de cota e se haverá ou não setas . Para isso , você deve acionar , o comando "FORMAT" e em seguida a opção "DIMENSION STYLE". Dependendo da sua opção quando iniciou o Cad ( se unidades em metro ou em polegada ) , aparecerá o estilo que é o default . No caso do sistema métrico , aparecerá estilo "ISO-25" . Para ter acesso as informações padrões desse estilo e poder alterar suas características , acione "MODIFY" . Teremos as seguinte funções: Obs.: Primeiramente é aconselhável a criação de um estilo do cota para melhor adequação a normalização ABNT e a escala do desenho. Este tópico não será abordado nesta apostila por ser tratar de um tópico intermediário. Para mais informações consulte o help do software. - 34 -
  37. 37. © 2012 Wanderson Leite 6.1 Dimensionando: Após configura o sistemas podemos utilizar a barra de ferramentas Dimension para acessar os vários comandos de dimensionamento. Já o comando a ser escolhido dependerá do tipo de conta desejada, não existe um tipo ideal, tudo dependerá da escolha do usuário. Segue abaixo a descrição dos principais comandos e exemplo de aplicação. Acessos: Ativar barra: Tools > Customize > ToolBar > Dimension Barra de ferramentas Dimension A – QUICK: Dimensionamento inteligente – semi automático; B - LINEAR: Dimensionamento de linhas horizontais e verticais; C - ALIGNED: Cotar linhas inclinadas ( e também as horizontais e verticais ); D - RADIUS: Dimensiona o raio de círculos ou de arcos; E – DIAMETER: Cota o diâmetro de círculos ou arcos; F - ANGULAR: Dimensionamento de ângulos; G - BASELINE: Dimensão linear ou angular a partir de uma linha de referência; H - CONTINUE: Faz cotas em sequência (a próxima começa no final da anterior); I - LEADER: Criar uma leader ( seta) para indicação de detalhes ou um texto; J – EDIT DIMENSION – Edita texto da cota. K - DIMENSION STYLE: Abre tela de configurações/opções de dimensionamento, com opções para tamanho e estilo do texto, tolerâncias e unidades, etc.; DIMSCALE: Configura a escala (tamanho) da cota. Esta opção também está disponível na caixa de opções de dimensionamento. L – UPDATE: Atualiza as configurações realizadas na tela de configurações de dimensionamento sobre as dimensões selecionadas. ATENÇÃO: nenhuma das opções alteradas surte efeito sem o uso desta opção. -35 - Menu: Dimension
  38. 38. © 2012 Wanderson Leite Antes de iniciar o processo de dimensionamento de um desenho é importante compreender como o sistema CAD processa cada tipo de solicitação de dimensionamento. Isso não será abordado em profundidade nesta apostila, para tal consulte o help do programa. Mas segue abaixo princípios básicos das definições dos pontos de dimensionamentos. 6.2 - Pontos de definição: Solicitados ao solicitar algum tipo de dimensionamento 6.3 Tipos de cotagem: Aplicações -36 - Continue dimensions Aligned dimensions Arc length dimensions
  39. 39. © 2012 Wanderson Leite 6.4 Exemplo de aplicação A) B) Tipos de Cotas utilizdas A - Radius B - Linear (Vertical) C - Angular. D - Continue E - Aligned. F - Diameter G - Linear (Horizontal) H - Baseline (Horizontal) - 37 -
  40. 40. © 2012 Wanderson Leite 6.5 Configuração do Software Antes de iniciarmos um detalhamento (cotar) do desenho devemos configurar o software CAD, pois o mesmo, esta configurado com sistema de cotas padrão do programa. Obs.: É necessário fazer esta configuração em todos os desenhos. Acesso ao menu de configuração: Dimension Style Menu: Dimension > Dimension Style Teclado: DIMSTYLE Atalho do teclado: D, DST ou DIMSTY - 38 - Primeiramente solicite uma nova configuração, clicando no botão New. Defina um nome, por exemplo, a escala da cota ou empresa.
  41. 41. © 2012 Wanderson Leite Abaixo segue restante das configurações dos menus. Configure todas as telas conforme modelo abaixo. - 39 -
  42. 42. © 2012 Wanderson Leite - 40 -
  43. 43. © 2012 Wanderson Leite - 41 -
  44. 44. © 2012 Wanderson Leite - 42 -
  45. 45. © 2012 Wanderson Leite - 43 -
  46. 46. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 7 – Layers Temos aqui a ferramenta que nos permite criar e modificar os "LAYERS" . Quando trabalhamos com desenhos que apresentam muitos detalhes , muitas especificações , ao colocarmos tudo isso numa mesma página , vemos que se torna difícil analisarmos certas características do desenho . Torna-se , então , necessário separarmos as especificações . Imagine uma desenho(planta) de uma residência , onde deveríamos mostrar as paredes , as portas e janelas , as instalações elétricas e hidráulicas , as fundações , as vigas , os pilares . Isso tudo num só desenho , mesmo que desenhado com linhas de cores diferentes , causaria dificuldade de leitura para quem tivesse , por exemplo , se preocupando só em analisar a parte de elétrica . Para evitar isso , empregamos os "LAYERS" , que funcionam como se fossem nada mais que folhas transparentes , que podem ser colocadas umas sobre as outras , permitindo a leitura global do projeto . Em cada folha ( leia-se , LAYER) , desenhamos as partes do projeto. No nosso exemplo, teríamos um LAYER para a parte elétrica , outro para a hidráulica , outro para as fundações e assim por diante. Como vamos trabalhar com várias folhas , podemos escolher as características das linhas que iremos desenhar ( cores , espessura , se linha contínua , se tracejada , se pontilhada) . Podemos também determinar se essas linhas , criadas num determinado LAYER , estarão visíveis ou não , no desenho global e se estarão ou não disponíveis (visíveis ou não) , quando da impressão do desenho global . 7.1 Configuração do Software Antes de inicializarmos o desenho ou a qualquer momento podemos definir as Layer (linhas, camadas) as quais serão necessárias para representar os diversos tipos (cheia, tracejada, centro, etc.) e espessuras de linhas (0,01, 0,07 etc). Obs.: É necessário fazer esta configuração em todos os desenhos. Acesso ao menu de configuração: Explore Layers Menu: Format > Layers Teclado: Layer Atalho do teclado: LA Acessos: Ativar barra: Tools > Customize > ToolBar > Entity Properties Barra de ferramentas Dimension - 44 - Os acessos ao menu Explore Layers também, abre a Caixa que permite visualizar a lista das Layers existentes no desenho com todas as suas propriedades atuais.
  47. 47. © 2012 Wanderson Leite Após o acesso a um dos comandos, a caixa de dialogo de configuração de layer apresentara-se conforme abaixo. Segue descritivo das configurações possíveis deste menu. - 45 -
  48. 48. © 2012 Wanderson Leite 7.2 Criação e alteração de Layer Assim, para criar uma Layer a qualquer momento do projeto basta solicitar a criação de uma nova Layer e preencher sua configurações (confirmar sua criação <OK>). Para modificar uma layer basta acessar o menu de configurações e realizar as alterações desejadas na layer. Segue as configurações para formatação das (linhas) Layers Após a configuração o menu ficara conforme modelo abaixo. Para editar uma layer já criada basta acessar o menu e clicar na coluna correspondente ao item que seja ser alterado. - 46 - NOME COR ESPESSURA LAYERTYPE Paredes Magenta 0,60mm Continuous Janela Green(Verde) 0,3mm Continuous Peitoril Yellow(Amarelo) 0,2mm Continuous Cotas Green(Verde) 0,3mm Continuous Porta Yellow(Amarelo) 0,2mm Continuous Piso Red(Vermelho) 0,09mm Continuous Fantasma 8 (cinza) 0,09mm PHANTOMX2 Hachuras Red(Vermelho) 0,09mm Continuous 253 253 0,09 Continuous Projeção Yellow(Amarelo) 0.2mm DASHED
  49. 49. © 2012 Wanderson Leite 7.3 Selecionando Layers Para desenhar conforme uma layer basta selecionar a layer na barra de ferramentas Layer. A Layer Contorno por exemplo. A partir desta seleção o software CAD esta habilitado a desenhar com a layer selecionada. Obs.: A qualquer momento do projeto você poderá trocar de layer, simplesmente selecionando na barra de ferramentas a layer desejada. 7.4 Aplicando Layers Para aplicar uma layer em um desenho já existente basta selecionar a(s) entidade(s) ir à barra de ferramentas de Layer e escolher a layer desejada. - 47 - Antes Depois Entidades selecionadas Barra de ferramentas Alteração das linhas de contorno Alteração das linhas de centro Barra de ferramentas
  50. 50. © 2012 Wanderson Leite Exercício 11 – Construa o desenho abaixo. - 48 -
  51. 51. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 8 – Lines (Linhas) Quando você desenha, por exemplo, uma linha, arco ou circulos no CAD, tem a possibilidade de atribuir ao objeto uma linetype (ou tipo de linha). Como se pode observar, o ProgeCAD trás uma série de estilos pré-definidos, que podem ser tracejados, ponto e traço dentre outras. 8.1 Configurando as linhas: Modo 1 8.2 Configurando as linhas: Modo 2 - 49 -
  52. 52. © 2012 Wanderson Leite 8.3 Tipos de Linha: Sugestão de Aplicação - 50 -
  53. 53. © 2012 Wanderson Leite 8.4 Norma:NBR 6492/1994 - 51 -
  54. 54. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 9 – Hatch (Hachuras) Para facilitar a interpretação dos detalhes internos de desenhos foi normalizada a utilização de vistas em corte. Uma vista em corte é uma projeção ortogonal feita a partir de um determinado ponto. A aplicação mais comum de cortes na Engenharia Civil é nas plantas baixas (SCALCO, 2004). Para determinar essas representações, as edificações podem ser seccionadas com planos horizontais, gerando as plantas baixas, ou com planos verticais, gerando elevações em corte (SCALCO, 2004). No caso das plantas baixas, o plano secante atravessa a edificação na altura de 1,5m a partir do piso, permitindo que sejam observadas as paredes, portas e janelas, e suas características (SCALCO, 2004). Podemos preencher regiões ( fechadas ou abertas ) com hachuras . No caso de regiões fechadas basta clicar em um ponto interno da mesma . Já para regiões abertas , necessitaremos clicamos sobre as linhas . Menu: Draw -> Comando: Bhatch + <enter> H + <enter> - 52 -
  55. 55. © 2012 Wanderson Leite 1 – Inicialmente Clique dentro da janela “Swatch” e selecione a pasta ANSI e clicamos em uma das opções ANSI 31 (hachura de ferro) ANSI32 (hachura de aço) ANSI 33 (hachura para latão, bronze ou metal leve) ANSI 36 (Alumínio) , há outras que podemos relacionar devidamente conforme as nossas normas da ABNT. 2 - Clicamos o botão “Add Pick Point”, para definirmos nossa área irá ser hachurada ou selecionando objetos (normalmente está fica tracejada), obrigatoriamente nossa área deverá estar totalmente fechada, se tiver um milésimo aberto ou mesmo fora da sua tela gráfica não enquadrando a sua área afim, o AutoCad emitirá uma mensagem de erro. 3 – Clicamos o botão Select objeto da selecionar objetos, que serão os limites das áreas hachuradas, conforme item anterior. 4- O valor “Scale” refere a distancia entre as linhas de hachura, podemos aumentar o valor para maior distanciamento ou diminuir para ficar mais compacta. O fator 1 o real, acima de 1 aumenta em porcentagem por ex. 1.3 – amplia 30% e abaixo diminui respectivamente Ex.0,5 – reduz 50%. 5 - O valor do “Angle” refere ao ângulo de inclinação da hachura, por Default é 0 (zero) inclinado para direita e com ângulo à 45º , se caso queria inverter o lado da inclinação troque o “0” por 90. 6 – Definindo o tipo de região em “Iland Detection” , pode ser Normal (definido pelo limite de duas entidades), Outer ( somente as região externa) ou Ignore ( ignora regiões internas). 7 – Hachuras em Degrade ou preenchidas: No AutoCAD 2004 foi inseridos tipos de hachuras com gradientes, muito usado para arquitetura, como por exemplo, para um efeito de reflexão de uma vidraça. - 53 -
  56. 56. © 2012 Wanderson Leite 9.1 Exemplificando. Para aplicarmos, podemos definir o tipo de hachura que empregaremos . Para isso clique sobre a aba "Pattern" . Isso fará abrir uma nova caixa de diálogo , com os diversos tipos de hachuras disponíveis . Verifique as opções : "ANSI" , "ISO" , "OTHER PREDIFINED" . Clique sobre a deseja e dê "OK". Na aba pattern Propertier há opções para alterar o ângulo de inclinação das linhas de hachura e para alterar a escala das mesmas . Na opção "SCALE" , clique sobre o retângulo e escolha a um valor para a escala . Ainda na caixa de diálogo , aparecem outras opções : – Boundaries : deve ser empregada quando tivermos uma região fechada . Ao clicarmos sobre o botão , voltamos ao desenho e será pedido que cliquemos num ponto qualquer , dentro da região que queremos hachurar , portanto clique em qualquer ponto dentro do objeto e dê enter. Add: Pick objects : quando tivermos regiões abertas , usamos esta opção . Clicando sobre o botão , voltamos ao desenho e nos é pedido que selecionemos as linhas , entre as quais a hachura será produzida . Para o nosso exemplo , clique sobre as linhas paralelas e dê enter . Voltamos para a caixa de diálogo . Add: Pick points, também pode ser usada em regiões fechadas , bastando clicar sobre a linha de contorno dessa região .Caso tenhamos algum texto dentro de uma certa região (aberta ou fechada ) e queremos hachurá-la , sem cobrir o texto , devemos usar o Select Entities(vide 6) . - 54 -
  57. 57. © 2012 Wanderson Leite 9.2 HATCH e desenho técnico Para facilitar a interpretação dos detalhes internos de desenhos foi normalizada a utilização de vistas em corte. Uma vista em corte é uma projeção ortogonal feita a partir de um determinado ponto. A aplicação mais comum de cortes na Engenharia Civil é nas plantas baixas (SCALCO, 2004). Para determinar essas representações, as edificações podem ser seccionadas com planos horizontais, gerando as plantas baixas, ou com planos verticais, gerando elevações em corte (SCALCO, 2004). No caso das plantas baixas, o plano secante atravessa a edificação na altura de 1,5m a partir do piso, permitindo que sejam observadas as paredes, portas e janelas, e suas características (SCALCO, 2004). - 55 -
  58. 58. © 2012 Wanderson Leite Cortes Longitudinais e transversais: São desenhos onde a edificação é representada como se tivesse sido cortada por um ou mais plano, os quais dever ter sua posição determinada nas plantas-baixas • A finalidade das hachuras é indicar partes maciças evidenciando as áreas de corte ou regiões especificas . • O espaçamento entre as hachuras deverá variar com o tamanho da área a ser hachurada. • Em uma mesma estrutura/peça as hachuras devem ter uma só direção. • Nos desenhos de conjuntos mecânicos, as peças adjacentes devem ser hachuradas em direções diferentes. • Na área de edificações esta regra não é valida. Abaixo são reproduzidos os tipos de hachura recomendados pela norma NBR 6492/94, a qual trata mais especificamente da área de edificações. - 56 -
  59. 59. © 2012 Wanderson Leite Exercício 12 – Construa o desenho abaixo. CORTE BB - 57 -
  60. 60. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 10 - Criação e edição de textos: 10.1 Mtext Permite escrever com a opção de texto múltiplo. Pede-se dois pontos na tela abrindo uma caixa de texto. Após isto, apresentará um quadro de diálogo acima da caixa de texto, podendo-se modificar várias características da fonte. Comando: Mtext ou Mt + <enter> 10.2 Dtext Comando de texto dinâmico. Normalmente é utilizado para escrever somente uma linha de texto no desenho, como nome de cômodos, numeração de portas e janelas, etc. Quando se escreve, tudo aparece na tela. A seqüência do comando é a seguinte: - Ponto inicial do texto, - Pede-se a altura do texto (somente se o estilo de letra tiver altura = 0 - Veja text style), - Ângulo de rotação, - Escreve-se o texto, - Com finaliza-se o comando. Tanto o comando Mtext como o Dtext permitem modificar a justificativa do texto. - 58 -
  61. 61. © 2012 Wanderson Leite Considere o esquema ao abaixo: LT, TC, TR, ML, MC, MR, BL, BC, BR São opções de variações de justificativas baseadas no desenho acima. O comando Dtext ainda tem mais as seguintes opções de prompt: Align Fit Center Middle Right Style Escreve o texto alinhado por dois pontos, mantendo as proporções originais da letra. Escreve o texto alinhado por dois pontos, mas preenchendo o espaço entre estes pontos, mantendo altura original da letra e deformando a largura (width). Escreve o texto centralizado. Escreve o texto centralizado horizontal e verticalmente. Escreve o texto alinhado pela direita. Opção do comando dtext que permite escolher o estilo de letra que será utilizado. LT, TC, TR, ML, MC, MR, BL, BC, BR no desenho acima. 10.3 Mirrtext Variável que controla o espelhamento do texto através do comando Mirror. Normalmente utiliza-se a variável mirrtext = 0. 10.4 Definindo uma fonte: São opções de variações de justificativas baseadas Fontes O ProgeCAD permite a utilização das fontes do Windows (fontes .fft) e também uma série de fontes especiais para símbolos. O AutoCAD utiliza fontes especiais que são as fontes .shx. Utilize estas fontes em seu desenho, pois são mais rápidas para o computador. As principais fontes SHX são as fontes Simplex e Romans. Para definir uma fonte nova, segue-se a seguinte seqüência abaixo: Vá ao menu Format Text Style; Cria-se um novo estilo com a opção New, dando um nome ao novo estilo de texto; Escolhe a fonte, podendo ser qualquer fonte SHX ou TTF do Windows; Defina uma altura (height) para a fonte. Caso contrário, se a altura for = 0, o comando dtext sempre pedirá a altura da letra; Define se será de cabeça para baixo (upside-down). Normalmente não se marca esta opção; - 59 -
  62. 62. © 2012 Wanderson Leite Define o espelhamento (backward). Normalmente não se marca esta opção. Permite que as letras sejam escritas de modo espelhado - só a letra, não o texto; Define se será Escrita na vertical (vertical). Normalmente não se marca esta opção; Define a largura (width factor) para a fonte.Valores > 1 aumenta a largura da letra e < 1 diminui a largura da letra. Pode-se criar um estilo com widht factor = 0.8 para textos pequenos, como os utilizados em numeração de pisos de escadas; Define o ângulo de inclinação (obliquing angle). Este ângulo configura uma aparência itálica para a fonte. Fontes que já são itálicas não necessitam desta mudança; Aplica-se e fecha o quadro de diálogo e o estilo será o corrente. 10.5 Caracteres especiais: Pode-se escrever com as fontes TTF, utilizando os acentos de maneira natural. Para manter compatibilidade com as versões anteriores, ainda utiliza os seguintes símbolos: %%C = %%D = símbolo de diâmetro símbolo de grau %%U = texto sublinhado %%O = texto %%P = sobrelinhado símbolo de tolerância Outros caracteres podem ser escritos, bastando para isto entrar com o seu código ASCII. Ex.: para escrever a letra “A” maiúscula é o mesmo que digitar “Alt + 65”. 10.6 Regra para altura de letras: Um dos maiores problemas quando se trabalha com o AutoCAD em um sistema não padronizado, é as alturas de letras em relação a escala que se deseja desenhar. Uma simples regra permite calcular a altura da letra no comando Dtext em qualquer escala. Considerando as alturas padrões das Réguas de Normógrafo (normalização ISO) em milésimo de polegadas e suas respectivas alturas em pontos e em centímetros, temos: RÉGUA ALTURA Pontos (Cm) RÉGUA ALTURA pontos (Cm) CL-60 = 60/1000” CL-80 = 80/1000” CL-100 = 100/1000” CL-120 = 120/1000” CL-140 = 140/1000” CL-175 = 175/1000” 5 6 7 8 10 12 0.15 0.20 0.25 0.30 0.35 0.40 CL-200 = 200/1000” CL-240 = 240/1000” CL-290 = 290/1000” CL-350 = 350/1000” CL-425 = 425/1000” CL-500 = 500/1000” 14 17 20 24 28 34 0.50 0.60 0.70 0.80 1.00 1.20 Tem-se a seguinte fórmula, para cálculo de alturas de letra em qualquer escala: se a unidade do desenho for centimetros: se a unidade do desenho for metros: H REGUA ESCALA H DTEXT = HREGUA ESCALA H DTEXT = 100 Obs.: o item ESCALA, é o denominador da escala de trabalho. Normalmente utiliza-se principalmente as alturas padronizadas 0.20cm (Régua CL-80) e 0.35cm (Régua CL-140) para quase a totalidade de textos em um desenho de arquitetura (textos pequenos para informações gerais e cotas, e textos grandes para títulos de cômodos). - 60 -
  63. 63. © 2012 Wanderson Leite Ex.: Calcular a altura da letra no comando dtext para a régua CL-140 para desenhar em uma escala de desenho de 1/250, considerando que a unidade do desenho é centímetros. H = 0.35 250 H = 87.5 unidades de desenho 1.4 Configurações: Segue abaixo sugestão de tamanho do texto em diferentes escalas de impressão. Tamanho do texto Escalas 1/5 1/10 1/20 1/25 1/50 1/75 1/100 Régua 80 (0,20cm) 1 2 4 5 10 15 20 Régua 120 (0,30cm) 1.5 3 6 8 15 22 30 Régua 175 (0,40cm) 2 4 8 10 20 30 40 Segue abaixo descrição das opções da caixa de texto Mtext. - 61 -
  64. 64. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 11 – Blocos A manipulação de blocos é uma das ferramentas mais poderosa do progeCAD, permitindo a construção de bibliotecas de desenhos padrões para posterior utilização. Os blocos nada mais são que simples desenhos feitos normalmente no editor do AutoCAD, eles devem ser salvos no disco rígido (HD) para posterior utilização. Um ponto importante a se observar na construção dos blocos é em relação ao seu ponto de inserção. Também se deve considerar o layer das entidades, se for um bloco de símbolo que possa ser utilizado em qualquer camada (layer), deve-se faze-lo no layer 0, e quando inserido no desenho, este assumirá o layer corrente na inserção. Na internet é possível obter uma infinidade de blocos prontos. O usuário, a medida de sua necessidade, poderá ampliar a sua biblioteca padronizada de blocos. Exemplos: http://www.ufv.br/dec/Drenaweb/galeria.htm - Aplicação em drenagem urbana; http://www.cadblocos.arq.br/ - Aplicações diversas em arquitetura e eng. civil; http://www.ecivilnet.com/cad/ http://cben.net/ E muitos outros. Comandos: 11.1 Bmake: Este comando cria uma entidade “bloco” com as entidades selecionadas. Este bloco criado existe somente no desenho em edição. 11.2 Insert block (ddinsert): Este comando insere no desenho os blocos existentes no desenho ou no disco rígido. Permite ainda a mudança de escalas no x, y, z e rotação. Selecione todas as três opções Specify on screen, senão o programa vai inserir o bloco no ponto, escala e rotação especificado dentro do quadro de diálogo. Segue abaixo descrição detalhada. ddinsert ou I + <enter> - 62 -
  65. 65. © 2012 Wanderson Leite 11.3 Wblock Entre com este comando no prompt para criar um bloco e grava-lo no Disco Rígido como um desenho DWG. O bloco criado com o comando bmake ou block também pode ser gravado com o comando wblock. Segue descrição abaixo. wblock + <enter> 11.4 BLOCK: Possui a mesma função que os anteriores, a diferença e que ele cria blocos para uso no desenho corrente. Segue descrição de suas configurações. block ou -b + <enter> - 63 -
  66. 66. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 12 – Paper space e model space (Telas de impressão) Até agora somente tem-se desenhado no Model Space, ou seja no espaço do modelo. Este espaço tem um ícone com duas setas representando o X e Y com um W no meio, que indica o WCS, ou World Cordinate Sistem - Sistema de Coordenadas Global, normalmente utilizada para desenhos em duas e três dimensões . Pode-se criar vários Layouts para a visualização e organização do desenho a ser impreso, com ele é possível criar várias portas de visualização do modelo que está no Model Space. Com estas portas, pode-se controlar a escala e layers a ser visualizado. Quando se trabalha com apenas uma escala no desenho, é preferível utilizar somente o Model Space para desenhar, mas com várias escalas a opção mais simples é o uso do Paper Space( lay outs). Quando se está na opção Layout, o ícone do WCS transforma-se num esquadro. O comando Layout acessado pela barra de Navegação, permite alternar entre o Model Space e os Layouts existentes. Estando no espaço do modelo e dando um click no botão layout , você irá para o Layout e o comando de impressão será acionado. Pode-se cancelar o quadro de diálogo de impressão. Agora o comando Model existente na barra de Status permite alternar entre o Model Space e layout . Pode-se criar novos Layouts utilizando o Wizards disponível para esta função. (menu: Insert -> Lay out -> new lay out) Resumindo: Model Space: O Model Space é o “espaço do modelo” (espaço do desenho). É neste espaço que o desenho é criado e modificado; Paper Space: “Espaço do papel”, nele é feita a preparação para a impressão. Permite: • Configurar várias viewports com diferentes escalas e diferentes pontos de vista que podem ser plotadas; • Controlar a visibilidade de camadas individualmente em cada janela; • Incluir margens e legendas que aparecerão somente no PS; • Editar as viewports (mover, mudar o tamanho, as propriedades, etc) sem alterar o objeto do MS. Pode-se dizer que o PS é um tipo de layout de página onde se pode colar diferentes exibições do desenho. O CAD possui um “espaço do modelo” (Model) e pode apresentar vários “espaços do papel” (Layout1, Layout2, etc) em função da necessidade de cada desenho - 64 -
  67. 67. © 2012 Wanderson Leite 12.1 Paper Space: Para criar novas portas de visualização dentro dos novos layouts é necessário estar dentro da layout . Vá ao menu View -> Viewports -> 1 Viewport e crie as suas novas portas de visualização. Estas portas podem ser movidas, copiadas, apagadas ou editadas pelos grips, de modo a serem melhor diagramadas dentro do formato de desenho. As portas podem ser de formato retangular, circular ou irregular. Deve-se criar estas portas dentro de um layer específico (por exemplo VP), de modo que possa ser congelado antes da impressão. IMPORTANTE: Para ter acesso ao desenho dentro da janela deve dar um duplo click (rápido) com o botão direito do mouse em cima da janela. Para sair da janela deve-se dar um duplo click em qualquer lugar fora da janela. - 65 -
  68. 68. © 2012 Wanderson Leite Fator corretivo de escala para o zoom: Após a criação das portas de visualização, deve-se corrigir a escala que cada desenho é apresentado dentro de cada. Existe duas forma de fazer isso. 1ª) Vá a opção layout , e selecione a janela desejada com um duplo click nela. Agora execute o comando Zoom digitando no teclado (Z) e complete com a escala desejada (e mais XP). -Para uma escala de: 1 / 50 → utiliza-se o zoom = 1/50 xp 1 / 100 → utiliza-se o zoom = 1/100 xp 1 / 331/3 → utiliza-se o zoom = 0.03 xp (onde 0.03 = 1/331/3). 2 / 1 → utiliza-se o zoom = 2 xp Atenção: • O formato quando inserido no Lay out, deverá Ter escala =1. • Se você desenha em unidade de metro, o formato de papel deve ser desenhado em metros. Portanto um formato A-1 inserido no Layout terá 0.84x0.594 unidades • Se você desenha em unidade de centímetro, o formato de papel deve ser desenhado em centímetros. Portanto um formato A-1 inserido no Layout terá 84x59.4 unidades • Ainda é possível criar e congelar layers específicos para cada porta de visualização, de modo que o mesmo desenho visualizado por duas portas diferentes, pode ter informações visíveis apenas nas portas desejadas, para isso, vá ao comando de Layer. 2ª) Insira a barra de ferramentas ViewPorts. - Selecione a janela desejada com um duplo click. - Escola a escala desejada no menu. - De um duplo click fora da janela para sair dela. - 66 -
  69. 69. © 2012 Wanderson Leite CAPÍTULO 13 – Imprimindo É conveniente , antes de mais nada , que se entenda a diferença entre "Imprimir" e "Plotar". Quando se manda imprimir um desenho , a configuração das linhas que compõe o mesmo , é feita por sua impressora . Esta só lhe permite definir se o desenho terá ou não cores , o tamanho do papel e a qualidade das linhas . Em uma plotagem , você pode definir a espessura para cada tipo de linha , suas cores(tipos de canetas) , seus estilos e os diversos tamanhos de papel . Para configurarmos a impressão , devemos acionar o comando "PLOT" , que se encontra no menu superior em "FILE" . Você pode notar, que na pasta do "Printer", aparece o nome da impressora e se clicar sobre "Properties", aparecerão as características de configuração de sua impressora . Quando você instala o Cad, ele automaticamente procura por sua impressora . - 67 -
  70. 70. © 2012 Wanderson Leite Na aba Advanced, aparece o "Estilo de Plotagem"(Print Style Table - tipos de penas que serão aplicados) . Para modificar as características das penas , clique sobre "Edit" . 13.1 ESCALA DE PLOTAGEM Para definir a escala que será empregada , clique sobre o "Plot Settings" e aparecerá a caixa de diálogo abaixo. Em "Paper size and Paper units" , você define o tamanho do papel e suas unidades( em mm ) para a "impressão" do desenho . Ao lado , em " Drawing orientation" você define a maneira que o desenho será disposto na folha . Um pouco mais abaixo , aparece o "Plot Scale" , que permitirá definir a escala que o desenho será impresso ou plotado . Como você já sabe , quando digitamos um determinado comprimento , o Cad , o trata sem unidades de medidas (metro , centímetros ou outro ) . Quem define a escala é você . Normalmente , quando dizemos escala 1:100 , se tivermos trabalhando em metros , significa que 1 cm equivale a 100 cm ou seja que 1 cm no papel equivale a 100 cm ou 1 m no real . No Cad , a equivalência é feita em milímetros ( mm ) . Ou seja quantos milímetros serão usados para representar uma unidade de nosso desenho . Portanto , se você quer que 1 unidade do seu desenho seja equivalênte a 1 metro , terá que empregar a escala 10:1 , no Cad . Vejamos a equivalência : 10 mm = 1 unidade do desenho ( 1m ) Caso você queira duplicar seu desenho , a escala será : 20:1 ( 20 mm = 1m , ou seja 2 cm equivalerão a 1 metro ) . : - 68 -
  71. 71. © 2012 Wanderson Leite Abaixo alguns exemplos de fatores de plotagem Na aba “Scale/View, aparece também o "Print Area" . Pode ser usado , quando se quer imprimir um desenho através da própria impressora , sem se definir uma escala prévia .As opções são as seguintes : 1 - LIMITS : estará disponível para a impressão apenas a parte do seu desenho que estiver dentro dos limites definidos pelo "Drawing Limits" . 2 - EXTENTS : independente de qualquer escala escolhida , será impresso o desenho todo , na folha da impressora . 3 - DISPLAY : será impresso apenas aquilo que aparece na tela . 4 - WINDOW : para acionar este comando , clique sobre o botão : "Window " . Serão pedidos os limites do desenho que você quer imprimir . Basta envolver o desenho (ou parte dele) com uma janela ( clique com o botão esquerdo do mouse e arraste ) . - 69 -

×