Correções caderno do Estudante

5.194 visualizações

Publicada em

Revisem as correções dos capítulos marcados para nosso teste (somente 13 ao 16)

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
303
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Correções caderno do Estudante

  1. 1. CADERNO DO ESTUDANTE Moderna PLUS Parte II Organizadora: Editora Moderna Obra coletiva concebida, desenvolvida e produzida pela Editora Moderna. Editora Executiva: Maria Raquel Apolinário HISTÓRIA CONEXÕES
  2. 2. Sumário Capítulo 13 O império colonial português Antes de estudar o capítulo ............................................... 4 Seção 13.1 A construção do império marítimo português ........................................ 5 Seção 13.2 O Estado do Brasil ............................................ 6 Seção 13.3 O Brasil açucareiro .......................................... 6 Seção 13.4 A União Ibérica e o Brasil holandês .................................................. 9 Fechando o capítulo 13 ............................................................. 11 Capítulo 14 A colonização da América espanhola Antes de estudar o capítulo ............................................... 12 Seção 14.1 A conquista espanhola .................................. 13 Seção 14.2 A colonização ..................................................... 13 Seção 14.3 Trabalho e organização econômica da colônia .................................... 15 Fechando o capítulo 14 ......................................................... 16 Capítulo 15 O Atlântico negro: o tráfico de escravos e as relações comerciais com a África Antes de estudar o capítulo ............................................... 17 Seção 15.1 A presença portuguesa na África ............. 18 Seção 15.2 O tráfico negreiro ............................................. 19 Seção 15.3 O trabalho escravo no Brasil ...................... 19 Fechando o capítulo 15 ......................................................... 22 Capítulo 16 A mineração na América portuguesa Antes de estudar o capítulo ............................................... 23 Seção 16.1 A descoberta do ouro no Brasil ................. 24 Seção 16.2 Sociedade e economia das Minas Gerais .............................................. 26 Seção 16.3 A religiosidade e a cultura do barroco ........................................... 26 Fechando o capítulo 16 ......................................................... 29 Capítulo 17 As treze colônias e a formação dos Estados Unidos Antes de estudar o capítulo ............................................... 30 Seção 17.1 Ingleses na América ....................................... 31 Seção 17.2 A independência das treze colônias ....... 32 Seção 17.3 Expansão e guerra ........................................... 32 Seção 17.4 A guerra civil ....................................................... 34 Seção 17.5 O avanço norte-americano na América Latina ............................................ 34 Fechando o capítulo 17 .......................................................... 36 Capítulo 18 O iluminismo Antes de estudar o capítulo ............................................... 37 Seção 18.1 O movimento iluminista ................................ 38 Seção 18.2 O despotismo esclarecido ........................... 40 Fechando o capítulo 18 ......................................................... 42 Capítulo 19 Das Revoluções Inglesas à Revolução Industrial Antes de estudar o capítulo ............................................... 43 Seção 19.1 A Inglaterra no século XVI ........................... 44 Seção 19.2 A crise do absolutismo inglês .................... 44 Seção 19.3 A Revolução Industrial .................................. 47 Seção 19.4 O cotidiano das cidades e dos trabalhadores ....................................... 48 Fechando o capítulo 19 ......................................................... 50 Capítulo 20 A Revolução Francesa e o Império Napoleônico Antes de estudar o capítulo ............................................... 51 Seção 20.1 A guerra revolucionária e a queda da monarquia ....................................... 52 Seção 20.2 A república revolucionária ........................... 52 Seção 20.3O cotidiano durante a revolução .............. 55 Seção 20.4Ascensão e queda do Império Napoleônico ...................................... 55 Fechando o capítulo 20 ........................................................ 58 Capítulo 21 A independência das colônias espanholas Antes de estudar o capítulo ............................................... 59 Seção 21.1 Antes da independência ............................... 60 Seção 21.2 A luta na América Central e no México ......................................................... 60 Seção 21.3 A independência do Haiti e de Cuba ....... 61 Seção 21.4 A independência na América do Sul ................................................... 61 Seção 21.5 Uma América, muitas Américas ................ 61 Fechando o capítulo 21 ......................................................... 63 Capítulo 22 A independência do Brasil e o Primeiro Reinado Antes de estudar o capítulo ............................................... 64 Seção 22.1 A crise do sistema colonial ......................... 65 Seção 22.2 A chegada da corte e a abertura dos portos ....................................... 65 Seção 22.3 A proclamação da independência e o Primeiro Reinado ...................................... 67 Seção 22.4 O fim do Primeiro Reinado ........................... 67 Fechando o capítulo 22 ......................................................... 69 2 CadernodoEstudante•hIStóRIA•ParteII
  3. 3. Capítulo 23 Ciência, nação e revolução no século XIX Antes de estudar o capítulo ............................................... 70 Seção 23.1 As revoluções liberais na Europa ............. 71 Seção 23.2 O nacionalismo .................................................. 71 Seção 23.3A ciência no século XIX ................................. 73 Seção 23.4 Organizar cientificamente a sociedade ......................................................... 73 Fechando o capítulo 23 ......................................................... 75 Capítulo 24 O movimento operário e as ideias socialistas Antes de estudar o capítulo ............................................... 76 Seção 24.1 A luta pela cidadania ...................................... 77 Seção 24.2 Socialismo e anarquismo ............................. 77 Seção 24.3A mobilização da classe operária .................................................. 79 Fechando o capítulo 24 ......................................................... 80 Capítulo 25 Um império nos trópicos: a monarquia brasileira Antes de estudar o capítulo ............................................... 81 Seção 25.1 Da Regência ao Segundo Reinado ............................................. 82 Seção 25.2 A economia no governo de d. Pedro II ..................................................... 82 Seção 25.3 Cultura e cotidiano no Segundo Reinado ............................................. 85 Seção 25.4 O fim do Segundo Reinado .......................... 85 Fechando o capítulo 25 ......................................................... 87 3 CadernodoEstudante•hIStórIa•ParteII
  4. 4. Capítulo O império colonial português 13 Unidade E PARTE II Seções: 13.1 A construção do império marítimo português 13.2 O Estado do Brasil 13.3 O Brasil açucareiro 13.4 A União Ibérica e o Brasil holandês Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. O império colonial português A colonização da América portuguesa O engenho colonial A administração dos domínios portugueses Missões jesuíticas na América A União Ibérica Invasões holandesas bibliotecadecartografia/usp,sãopaulo Companhia de Jesus. Colonização. Engenho. Império marítimo português. América. União Ibérica. Justifique suas escolhas. América, mapa de Cornelis Claesz, 1606. 4 CadernodoEstudante•históriA•Parteii X X X X A partir do século XVI, as potências ibéricas iniciaram o processo de colonização da América. O império marítimo português compreendia, além das terras americanas, domínios na Ásia e na África.
  5. 5. Capítulo 13 Faça a conexão seção 13.1 A construção do império mArítimo português Império marítimo português Colonização Tratado de Tordesilhas 1 Associe as duas colunas. 1. Casa da Mina. 2. Estado da Índia. 3. Fortaleza de São Jorge da Mina. 2 Indique a divisão estabelecida pelo Tratado de Tordesilhas e quais foram as vantagens dessa divisão para Portugal. 3 Leia o poema abaixo e responda às questões. termos e conceitos Praças comerciais de Goa, Málaca e Ormuz. Responsável por administrar o monopólio português do comércio africano. Feitoria portuguesa na África. Conjunto de feitorias e fortalezas construídas na Ásia. a) Escreva qual acontecimento histórico é abordado no poema de Fernando Pessoa. b) Segundo o poema, o que esse acontecimento histórico significou para o povo português? “Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal! Por te cruzarmos, quantas mães choraram, Quantos filhos em vão rezaram! Quantas noivas ficaram por casar Para que fosses nosso, ó mar! Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena! Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor Deus ao mar o perigo e o abismo deu Mas nele é que espelhou o céu.” PESSOA, Fernando. Mensagem. São Paulo: Difel, 1986. p. 53. 5 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 2 1 3 2 O poema de Fernando Pessoa aborda a expansão marítima portuguesa no início da era moderna. O Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, acomodou, pelo menos por um tempo, os interesses portugueses e espanhóis em relação às terras do Novo Mundo, disputa que já tinha causado grandes tensões entre os dois países. O tratado estendeu a linha imaginária que dividia as terras encontradas ou por encontrar entre Portugal e Espanha para 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde. Desse modo, Portugal garantiu a segurança de suas rotas marítimas no sul do Oceano Atlântico e afastou os espanhóis do litoral da África, rota que os conduzia às Índias. As viagens portuguesas teriam exigido um enorme sacrifício do povo português. “Ó mar salgado, quando do teu sal/são lágrimas de Portugal”. O poeta, nesses versos, faz uso de um pleonasmo literário para dar a dimensão da dor que o projeto ultramarino português impôs aos navegadores e as suas famílias. A tarefa de fazer do Atlântico um mar português e de atravessar o Cabo do Bojador para chegar às Índias tinha seu preço.
  6. 6. Capítulo 13 o BrAsil AçucAreiro o estAdo do BrAsil seção 13.3 seção 13.2 Capitanias hereditárias Governo geral Engenho colonial Trabalho escravo Companhia de Jesus Aldeamentos jesuítas 1 Leia o texto e responda às questões. 2 Complete o diagrama abaixo com as responsabilidades que um capitão donatário tinha sobre sua capitania. termos e conceitos “[El rei d. João III] ordenou que se povoasse esta província, repartindo as terras por pessoas que se lhe ofereceram para as povoarem e conquistarem à custa da sua fazenda, e dandoacadaumcinquentaléguasporcostacomtodooseusertão,paraqueelesfossemnão só senhores, mas capitães delas, pelo que se chamam e se distinguem por capitanias.” SALVADOR, Frei Vicente do. História do Brasil (1550-1627). São Paulo; Rio de Janeiro: Weiszflog Irmãos, 1819. p. 103. a) Identifique o nome do sistema de divisão administrativa adotado na América portuguesa tratado no texto. b) O que o texto informa sobre o modo como essa divisão territorial era realizada? c) Preencha as linhas. 1. Objetivo do rei ao dividir as terras. 2. Nome de quem recebia as terras. 3. Com que recursos ele conquistaria a terra. Capitão donatário Guia de estudo 6 CadernodoEstudante•históriA•Parteii As capitanias hereditárias deviam ocupar uma faixa de cinquenta léguas no litoral. As capitanias também compreendiam todo o território que se estendesse dessa faixa em direção ao interior. Sistema de capitanias hereditárias. Garantir a defesa militar da capitania contra os estrangeiros. Estabelecer boas relações comerciais e missionárias com os indígenas. Desenvolver a produção local de gêneros economicamente rentáveis. Montar um aparato administrativo e jurídico. Estimular o povoamento da capitania e a comunicação com as vizinhas. Colonizar as terras americanas. Capitão donatário. Com recursos próprios (“à custa da sua fazenda”).
  7. 7. 3 Escreva V (verdadeiro) ou F (falso) sobre os objetivos da criação do governo geral. Reduzir os conflitos existentes entre os próprios capitães donatários, que dificultavam a defesa do território e a produção agrícola. Centralizar o sistema político-administrativo da colônia. Julgar os donatários que não estivessem aperfeiçoando suas propriedades. Fornecer assistência para aquelas capitanias com dificuldade de prosperar. Estabelecer relações amistosas com os navegantes e comerciantes estrangeiros que aportavam no Brasil. 4 Complete o diagrama sobre a Companhia de Jesus na América portuguesa. A Companhia de Jesus na América portuguesa Objetivo Criação de Missões ou aldeamentos Reunia indígenas de várias aldeias Organização da missão: deveria ser Atividades econômicas: Objetivos e instrumentos de ensino: Documento que a regulava: O que havia na missão: 7 CadernodoEstudante•históriA•Parteii F V F V F Evangelizar colonos e nativos. colégios. Constituições. habitações, igreja, colégio, mercado, cemitério. criação de gado, lavouras, oficinas etc. instrução e evangelização, com o uso do teatro, da música e da dança. autossuficiente.
  8. 8. Faça a conexão 5 Leia o texto, observe a litogravura e responda às questões. “[...] A mão de obra empregada na montagem dos engenhos de açúcar no Brasil foi predominantemente indígena. [...] Os primeiros escravos africanos começaram a ser importados em meados do século XVI; seu emprego nos engenhos brasileiros, contudo, ocorria basicamente nas atividades especializadas. Por esse motivo, eram bem mais caros que os indígenas: um escravo africano custava, na segunda metade do século XVI, cerca de três vezes mais que um escravo índio. Após 1560, com a ocorrência de várias epide- mias no litoral brasileiro (como sarampo e varíola), os escravos índios passaram a morrer em proporções alarmantes, o que exigia reposição constante da força de trabalho nos engenhos. Na década seguinte, em resposta à pressão dos jesuítas, a Coroa portuguesa promulgou leis que coibiam de forma parcial a escra- vização de índios. Ao mesmo tempo, os portugueses aprimoravam o funcionamento do tráfico negreiro transatlântico [...].” MARQUESE, Rafael de Bivar. A dinâmica da escravidão no Brasil. Resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. Novos estudos – Cebrap, 2006, n. 74, p. 111. a) Explique por que, com base no texto, a mão de obra indígena foi predominante na montagem dos engenhos de açúcar no Brasil até por volta de 1560. b) Por que o escravo africano era mais caro que o escravo indígena? c) Explique os três fatores que levaram à progressiva substituição da mão de obra escrava indígena pela africana nos engenhos de açúcar. 1. 2. 3. reprodução-bibliotecaguitae josémindlin,sãopaulo Litografia de Henry Koster representando um engenho, de 1816. 8 CadernodoEstudante•históriA•Parteii A mão de obra indígena foi predominante nessa fase porque ela custava, em média, três vezes menos que a escrava africana. Por duas razões principais: a primeira, não citada no texto, eram os custos que envolviam a captura ou a compra dos escravos na África e o seu transporte para a América; a segunda era o fato de africanos serem utilizados em atividades mais especializadas, que exigiam mão de obra mais cara. A Igreja Católica, preocupada em concretizar seu projeto de evangelização dos nativos, pressionou a Coroa portuguesa a decretar leis que coibiam gradualmente a escravidão indígena. O aprimoramento do tráfico transatlântico, que se tornava cada vez mais rentável. Várias epidemias no litoral brasileiro dizimaram grande parte dos escravos indígenas.
  9. 9. Capítulo 13 A união iBéricA e o BrAsil holAndêsseção 13.4 União Ibérica Companhia das Índias Orientais Companhia das Índias Ocidentais Restauração 1 Assinale a afirmativa correta sobre a União Ibérica. Associação econômica que pretendia estender sua influência comercial sobre o Mar Mediterrâneo. Conhecida também como Península Ibérica, região geográfica que compreendia o Reino Português e o Reino Espanhol. Tratado de paz que pretendia colocar um fim nos conflitos entre comerciantes portugueses e espanhóis. Documento que estabelecia a divisão territorial das terras americanas entre o Reino Português e o Reino Espanhol. Período de sessenta anos em que Portugal e seus domínios ultramarinos estiveram incorporados ao Reino Espanhol. termos e conceitos 2 Complete o esquema abaixo com as características das invasões holandesas na América portuguesa. Guia de estudo Invasão holandesa na América portuguesa 1624-1625 Capitania Objetivo Desfecho Objetivo Desfecho 1630-1654 Capitania Empresa que comandou as invasões 9 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Bahia. Controlar a agroindústria açucareira do Nordeste. Expulsos por portugueses e espanhóis. Controlar a agroindústria açucareira do Nordeste. Ocuparam a região durante anos, mas foram, finalmente, expulsos. Pernambuco. X Companhia das Índias Ocidentais.
  10. 10. 3 Complete os quadrados abaixo relacionando cada afirmação a uma explicação. 1. A região era o maior centro açucareiro do mundo, negócio altamente lucrativo do qual os holandeses já participavam. 2. O alvo da segunda invasão holandesa, em 1630, foi a capitania de Pernambuco. 3. Em Portugal, o fim do domínio espanhol contribuiu para fortalecer a decisão de reconquistar Pernambuco; na colônia, a Companhia das Índias Ocidentais começou a cobrar os empréstimos feitos aos colonos, que também estranhavam os costumes protestantes dos holandeses. 4. Os holandeses conquistaram uma forte participação no comércio mundial do açúcar e no tráfico transatlântico de escravos, antes controlados por portugueses. 5. No final do século XVII, o império ultramarino português enfrentava sérias dificuldades. 6. Os luso-brasileiros iniciaram o levante contra o domínio holandês no Nordeste após a partida de Maurício de Nassau para a Holanda. a) porque b) porque c) porque Faça a conexão 4 Leia o texto abaixo e responda às questões. “Uma pergunta que sempre surge quando se estuda a presença holandesa no Brasil é a seguinte: o destino do país seria diferente se tivesse ficado nas mãos da Holanda e não de Portugal? Não há uma resposta segura para essa questão, pois ela envolve uma conjectura, uma possibilidade que não se tornou real. Quando se compara o governo de Nassau com a rudeza lusa e a natureza muitas vezes predatória de sua colonização, a resposta parece ser positiva. Mas convém lembrar que Nassau re- presentava apenas uma tendência e a Companhia das Índias Ocidentais outra, mais próxima do estilo do empreendimento colonial português. Vista a questão sob esse ângulo, e quando se constata o que acon- teceu nas colônias holandesas da Ásia e das Antilhas, as dúvidas crescem. A colonização dependeu menos da nacionalidade do colonizador e mais do tipo de colonização implantado. [...] Nas mãos de portugueses ou holandeses, com matizes certamente diversos, o Brasil teria mantido a mesma condição de colônia de exploração integrada no sistema colonial.” FAUSTO, Boris. História do Brasil. 2. ed. São Paulo: Edusp/FDE, 1995. p. 89. a) De acordo com o texto, o futuro do Brasil teria sido diferente se a colonização holandesa tivesse permanecido? Justifique. b) Interprete o sentido da seguinte frase: “Não há uma resposta segura para essa questão”. 10 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Não. Muitas pessoas acreditam encontrar no período colonial os fatores que explicam a condição de subdesenvolvimento do Brasil. Nessa visão, o principal fator para explicar o subdesenvolvimento não seria a própria colonização, mas sim a colonização realizada pelos portugueses. Caso a colonização tivesse sido efetuada por outro país, como a Holanda, a formação histórica do Brasil teria sido diferente, senão melhor. De acordo com o texto, no entanto, o sentido da colonização da América portuguesa foi definido pelo tipo de colonização implantada, mas não pela nacionalidade dos colonizadores. Boris Fausto afirma que a administração de Maurício de Nassau constituía uma exceção. De modo geral, a colonização portuguesa e a holandesa seguiam as regras do sistema colonial. 2 1 5 4 6 3 Para apresentar uma resposta segura a essa questão, deveria existir a possibilidade de “simular” uma história alternativa do Brasil. A partir de uma dada suposição (por exemplo, os holandeses venceram os portugueses e ampliaram os seus domínios na América portuguesa), os acontecimentos posteriores seriam todos reescritos. O conhecimento histórico, no entanto, é construído com base na análise de fontes históricas, que não existiriam no caso de uma história condicional. A história investiga aquilo que foi, e não aquilo que poderia ter sido. A questão levantada pelo autor tem como objetivo discutir uma visão disseminada sobre essa possibilidade na história do Brasil, sem a pretensão de apresentar alguma resposta.
  11. 11. Ordene cronologicamente as medidas administrativas que favoreceram a expansão do império marítimo português. Sintetize Fechando o capítulo 13 Implantação do sistema de capitanias hereditárias na Ilha da Madeira. Assinatura do Tratado de Alcáçovas. Decreto da bula papal Romanus Pontifex. Instituição do monopólio do rei de Portugal sobre todo o comércio africano. Fundação da Casa da Mina em Lisboa. Conquista de Goa, Málaca e Omuz. Implantação do sistema de capitanias hereditárias no Brasil. Fundação da Casa da Índia. Instituição do governo geral no Brasil. Assinatura do Tratado de Tordesilhas. A Coroa portuguesa arrendou a exploração das terras brasileiras a um grupo de comerciantes. Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. O império colonial português A colonização da América portuguesa O engenho colonial A administração dos domínios portugueses Missões jesuíticas na América A União Ibérica Invasões holandesas Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. 11 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 1 4 2 5 3 9 10 7 11 6 8
  12. 12. Capítulo A colonização da América espanhola 14 Unidade E PARTE II Seções: 14.1 A conquista espanhola 14.2 A colonização 14.3 Trabalho e organização econômica da colônia Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. Os índios e a conquista espanhola A administração da América espanhola Encomienda/Repartimiento Exclusivo metropolitano Hacienda Divisão social na América espanhola Chapetones. Hacienda. Colônia. Conquista. Metrópole. Justifique suas escolhas. thebridgemanartlibrary/grupo keystone–thestapletoncollection Colombo descobrindo a América, gravura de Theodor Galle feita a partir de Jan van der Straet, da obra Nova Reperta, c. 1600. 12 CadernodoEstudante•históriA•Parteii X X X Resposta pessoal. A gravura representa o imaginário europeu sobre o Novo Mundo na época da expansão marítima. Nos primeiros anos após a chegada dos europeus, a América era vista por eles como o paraíso terrestre, com a natureza pródiga, terra fértil, clima ameno e o indígena sem pecado. A imagem representa, portanto, a visão predominante nas metrópoles europeias sobre as colônias americanas.
  13. 13. seção 14.1Capítulo 14 seção 14.2 Conquista Códice Colônia Exclusivo metropolitano Metrópole Conselho das Índias Chapetones Criollos Mestiços 1 Associe as colunas. 1. Conquista espanhola. 2. Exclusivo metropolitano. 3. Conselho das Índias. 4. Casa de Contratação. termos e conceitos Responsável por formular leis para as colônias. Monopólio do comércio colonial. Responsável por organizar a colonização. Hernán Cortés. Formado por pessoas nomeadas pelos vice-reis. Responsável por criar leis para controlar o comércio colonial. Francisco Pizarro. 2 Leia o texto abaixo e identifique as principais consequências da conquista espanhola na América para a população indígena. “As consequências imediatas da conquista e ocupação das áreas mais densamente povoadas da civilização ameríndia foram desastrosas. O somatório de doenças epidê- micas (varíola, sarampo, febre tifoide), superexploração do trabalho e debilitação física resultante, choque cultural induzido pela remodelação de uma sociedade comunal em termos individualistas e orientados para o lucro, acabou por produzir, no século XVI (e no início do XVII), um dos declínios demográficos mais desastrosos jamais registrados pela história mundial. [...]” STANLEY, J. S.; STEIN, B. A herança colonial da América Latina. In: PINSKY, Jaime e outros. História da América através de textos. São Paulo: Contexto, 2007. p. 47. A conquistA espAnholA A colonizAção 13 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 3 De acordo com os autores, o declínio demográfico da população indígena do continente americano foi a maior consequência da conquista espanhola e dos acontecimentos que a acompanharam, como as doenças epidêmicas (varíola, rubéola e febre tifoide), a exploração da mão de obra indígena e o choque cultural. 2 4 1 3 4 1
  14. 14. 5 Responda às questões abaixo. a) Que organismo a Coroa espanhola criou para controlar a exploração do comércio colonial? b) Quais eram as regras do exclusivo metropolitano? 4 Complete o diagrama abaixo com os grupos que compunham a organização social das colônias hispano-americanas. Guia de estudo Organização social das colônias hispano-americanas Chapetones Criollos Mestiços Índios e africanos 3 Complete o esquema abaixo descrevendo as circunstâncias que foram favoráveis aos conquistadores. Conquistadores espanhóis no Peru Situação interna Relação com outros povos 14 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Colonos brancos nascidos na Espanha. Os únicos que podiam participar do comércio externo e ocupar cargos da administração colonial. Descendentes de europeus nascidos na América. No início, possuíam terras e minas, mas não podiam ocupar cargos da administração, como ocorreu no século XVII. Filhos de espanhóis com as nativas americanas. Exerciam funções de capatazes e auxiliares de fazendas. Na cidade, eram artesãos ou atuavam no comércio. Representavam a maioria da população (índios) e da mão de obra na agricultura e nas minas. Também exerciam trabalhos domésticos. Em 1503, a Coroa espanhola criou a Casa de Contratação, cujo objetivo era criar regras para o comércio colonial, limitando a ação de outros exploradores. Segundo as regras do exclusivo metropolitano, as colônias só podiam comercializar com suas respectivas metrópoles: tudo o que fosse obtido nas áreas coloniais devia ser encaminhado ou vendido apenas à metrópole, e os colonos só podiam comprar produtos diretamente da metrópole. Os espanhóis encontraram o Império Inca rachado e consumido internamente pela disputa entre os herdeiros Atahualpa e Huascar. Povos subjugados pelo Império Inca aliaram-se aos invasores espanhóis, pois viam nessa aliança a oportunidade de se livrarem daquele domínio.
  15. 15. Capítulo 14 3 Complete o diagrama da economia na América espanhola. Guia de estudo Hacienda Encomienda Repartimiento Mita 1 Associe as colunas. 1. Repartimiento. 2. Encomienda. 3. Mita. termos e conceitos Instituição pela qual os espanhóis podiam explorar a mão de obra indígena e cobrar tributos dos nativos, devendo, porém, promover a sua evangelização. Tributo pago pelos indígenas na forma de trabalho nas minas e nas obras públicas. Forma de trabalho compulsório praticada no Império Inca. 2 Explique quais foram as mudanças ocorridas na substituição da encomienda pelo repartimiento. trAbAlho e orgAnizAção econômicA dA colôniAseção 14.3 A economia na América espanhola (principal atividade econômica) 1. Exploração de 2. As minas eram propriedade do 3. Negócio acessível 4. Destino da produção: Agricultura Pecuária 1. Principais produtos: 2. Eram cultivados nas 3. Destino da produção: 1. : Peru, Bolívia e Chile, visando à produção de 2. Equinos e bovinos: região do Prata, com uso na alimentação, no transporte e produção de couro. 3. Destino da produção: Características Características Características 15 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 2 1 3 No regime da encomienda, o colono recebia da Coroa autorização para explorar uma ou mais comunidades indígenas. Com o tempo a Coroa decidiu assumir diretamente o controle sobre as populações indígenas, agrupando- -as em corregimientos próximos às áreas de trabalho. Com essa mudança, alterou-se o regime de trabalho forçado da encomienda para o repartimiento, que era um tributo a ser pago pelos indígenas na forma de trabalho. Mineração ouro e prata. rei. aos homens mais ricos. Europa. algodão, milho, tabaco e haciendas. Europa. Alpacas e lhamas tecidos. mercado interno e Europa. cana-de-açúcar.
  16. 16. colonização – populações indígenas – Espanha – América Utilize os termos do quadro abaixo e os dados do gráfico para elaborar um texto-síntese sobre as populações indígenas durante o processo de conquista da América pela Espanha. Sintetize Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Fechando o capítulo 14 Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. Os índios e a conquista espanhola A administração da América espanhola Encomienda/Repartimiento Exclusivo metropolitano Hacienda Divisão social na América espanhola Fonte: BETHEL (Org.). História da América Latina: a América Latina colonial. 2. ed. São Paulo: Edusp; Brasília: Fundação Alexandre Gus- mão, 1998. v. 1, p. 201. O decréscimo da população indígena no México fernandojoséferreira 0 5 10 15 20 25 População(emmilhões) 1519 1532 1548 1568 1580 16 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Sugestão de resposta. A conquista da América foi acompanhada de inúmeros desmandos e crimes contra as populações indígenas nativas, cuja história foi e ainda é marcada pela descrição de massacres, torturas, derrotas e, consequentemente, pelo desaparecimento de boa parte das sociedades nativas contatadas pelos europeus. A resistência indígena, contudo, sempre existiu.
  17. 17. Seções: 15.1 A presença portuguesa na África 15.2 O tráfico negreiro 15.3 O trabalho escravo no Brasil O Atlântico negro: o tráfico de escravos e as relações comerciais com a África 15 Capítulo Unidade E PARTE II Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. A escravidão africana O tráfico negreiro O trabalho escravo no Brasil A resistência contra a escravidão Senhores de escravos. Escravidão africana. Tráfico de escravos. Resistência dos escravos. Quilombos. Justifique suas escolhas. reproduçÃo–FuNdAçÃoBIBLIoTeCA NACIoNAL,rIodeJANeIro Crioulo fugido, anúncio dos irmãos Laemmert publicado pela Tipografia Universal. Rio de Janeiro, 1854. 17 CadernodoEstudante•históriA•Parteii X X Resposta pessoal. A gravura representa uma prática frequente no Brasil da época da escravidão: a fuga de escravos. Apesar de a escravidão ter permanecido no Brasil durante mais de três séculos, a fuga e outras diversas formas de resistência escravista nunca deixaram de ocorrer.
  18. 18. Seção 15.1Capítulo 15 A presençA portuguesA nA ÁfricA Guia de estudo Colonização Feitoria Escravidão Assimilação cultural 1 Sublinhe as expressões entre parênteses que completam adequadamente o texto. Os (portugueses/ingleses) começaram a ocupar o território africano no século XV, à medida que avançavam as expedições destinadas a descobrir um caminho marítimo para (a América/ as Índias). Nas áreas onde se instalavam, eles criavam (feitorias/capitanias), que funcionavam ao mesmo tempo como pontos de comércio e abastecimento e como (fortificações/ acampamentos) militares. As fortalezas de Arguim, São Jorge da Mina e (Axim/Málaca), por exemplo, prosperaram com as trocas comerciais envolvendo mercadores portugueses, árabes e comerciantes locais. O comércio de cavalos, trigo, armas, ouro, tecidos, objetos de metal e, principalmente, (escravos/ cana-de-açúcar) enriqueceu comerciantes e reinos da Europa e da própria África. Termos e conceitos A escravidão africana Escravidão local Escravidão transatlântica Como eram obtidos 1. 2. 3. 1. 2. Em que atividades trabalhavam 1. 2. 3. 1. 2. 2 Preencha o quadro comparativo sobre a escravidão africana. 3 Qual foi a grande mudança em relação à escravidão que os portugueses introduziram na África? 18 CadernodoEstudante•hiSTóriA•Parteii Guerras. Sequestros. Pagamento de dívidas. Atividades domésticas. Concubinas. Soldados. Alianças com chefes locais. Apresamento direto no interior do continente. Levados para trabalhar nas colônias americanas. Atividades econômicas nas colônias portuguesas na África. A escravidão era praticada na África havia muitos séculos, mas, por ser realizada em pequena escala e nos limites do próprio continente, ela não alterava a composição demográfica africana. A escravidão praticada pelos europeus transformou uma prática local em um negócio internacional, responsável por enriquecer mercadores e reis e por causar a expatriação e a morte de milhões de africanos.
  19. 19. Capítulo 15 o trAbAlho escrAvo no brAsil o trÁfico negreiro Tráfico negreiro Tumbeiro Escravidão africana Sociedade escravista Quilombo 1 Assinale a afirmativa que explica a principal motivação do tráfico transatlântico entre a África e o Brasil. Geração de grandes lucros e alta demanda por mão de obra escrava no Brasil. O favorecimento dos ventos e das marés, visto que, inicialmente, o destino do tráfico eram as Índias. O tráfico era uma válvula de escape para a alta concentração populacional do continente africano. Retirar da África os indivíduos que provocavam distúrbios em suas comunidades. termos e conceitos 2 Explique por que é correto dizer que o Brasil se organizou como uma sociedade escravista. seção 15.3 seção 15.2 No século XVI, os escravos africanos que chegavam ao Brasil vinham da e da . No século XVII, os escravos africanos vinham do e de . Nos séculos XVIII e XIX, os escravos africanos vinham principalmente da e depois do . Condições naturais da travessia A travessia era feita através do e era facilitada pelos e pelas . Podia durar de 35 dias, entre e , a 3 meses, entre e . A rota do tráfico negreiro Condições humanas da travessia A travessia era realizada em navios chamados , e a alimentação e a higiene eram . Desembarcavam principalmente nos portos de , e . 3 Complete o diagrama abaixo com as principais características do funcionamento do tráfico negreiro. Guia de estudo 19 CadernodoEstudante•históriA•Parteii X Desde o início da colonização portuguesa, a escravidão, inicialmente a indígena e depois principalmente a africana, foi uma atividade fundamental no desenvolvimento das atividades econômicas coloniais, destinadas, sobretudo, a enriquecer a Coroa e a burguesia de Portugal. A escravidão era essencial tanto na produção de riquezas quanto na caracterização das relações sociais que marcaram aquela sociedade. A presença disseminada de escravos em praticamente todas as atividades econômicas ajudou a cristalizar uma mentalidade senhorial e racista que ainda hoje se faz presente no Brasil. Oceano Atlântico Guiné ventos marés Angola Angola Rio de Janeiro Moçambique Rio de Janeiro Costa da Mina Costa da Mina Congo Rio de Janeiro Salvador Recife tumbeiros precáriasBenim
  20. 20. 4 A partir de 1570, nas grandes lavouras de exportação do Nordeste, a mão de obra indígena foi gradualmente substituída pela mão de obra escrava. Complete o esquema abaixo com os fatores que provocaram esta mudança. 5 Escreva V (verdadeiro) ou F (falso) sobre a resistência dos escravos contra a escravidão no Brasil. Muitos escravos fugiam do cativeiro e formavam quilombos em várias partes da colônia. Como na Roma antiga, no Brasil também houve várias revoltas armadas que ameaçaram a preservação da escravidão. Todos os escravos resistiram de alguma forma ao trabalho forçado, expressando o desejo de liberdade. O Quilombo dos Palmares, construído entre Alagoas e Pernambuco, foi destruído por bandeirantes paulistas depois de várias campanhas fracassadas para liquidá-lo. Muitos escravos, em vez de fugir para obter a liberdade, preferiam trabalhar para comprar a alforria. A maior parte dos quilombos formou-se na Amazônia e no sul da colônia. Substituição da mão de obra indígena pela africana 20 CadernodoEstudante•históriA•Parteii V F F V V F Mortalidade e diminuição da população indígena em decorrência das doenças trazidas pelos europeus. Conflitos entre portugueses e indígenas, quando o escambo se tornou desinteressante aos nativos. Interesse dos portugueses em estabelecer boas relações com os indígenas para tê-los como aliados contra invasões estrangeiras. Lei promulgada pela Coroa portuguesa em 1570, que proibia a escravidão indígena. A escravidão africana impulsionava o tráfico negreiro, uma fonte de grandes lucros.
  21. 21. Faça a conexão 6 Leia o texto abaixo e responda às questões. a) Que fonte histórica é utilizada? b) Quais são os sujeitos tratados no texto? c) Que informações sobre o ferreiro Arcângelo são fornecidas pelo inventário? d) Que informações o documento fornece sobre a sociedade em que Arcângelo e os outros personagens viveram? “Na [...] [Vila de Sabará], Arcângelo tem amante, uma preta forra, de nome Maria Ribeiro, sua ex- -escrava, que lhe deu e cuida de três filhos mulatos e três filhas mulatas. Ela será sua inventariante e o trata de ‘meu senhor’. Dos seus escravos (6) sabemos o nome de um: é João, negro angola de 29 anos, avaliado em 200$000 (duzentos mil reis) e que tem ‘princípios de ferreiro’ e é, provavelmente, seu auxiliar/aprendiz de utilidade vital em sua ocupação [...].” Inventário post mortem do ferreiro Arcângelo Ribeiro de Queiroz, que morreu em 1800. In: LIBBY, Douglas Cole; FURTADO, Júnia Ferreira (Orgs.). Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006. p. 71. 21 CadernodoEstudante•históriA•Parteii O inventário post mortem do ferreiro Arcângelo Ribeiro de Queiroz. Arcângelo Ribeiro de Queiroz, Maria Ribeiro e o escravo João. Arcângelo Ribeiro de Queiroz era um ferreiro que viveu na Vila de Sabará ou próximo a ela, onde morreu em 1800. Teve seis filhos mulatos, três homens e três mulheres, com Maria Ribeiro, uma ex-escrava que, provavelmente, pela condição de amante e mãe de seus filhos, conseguiu a alforria. Apesar de liberta, Maria Ribeiro ainda o chamava de “meu senhor”. Arcângelo tinha seis escravos, entre eles um angolano de nome João, que era seu ajudante e valia 200$000 (duzentos mil réis). Os personagens viveram no Brasil do século XVIII e XIX, uma sociedade escravista e colonial. Conclui-se, pela leitura do documento, que a escravidão não marcava apenas as relações de trabalho na grande lavoura voltada para a exportação ou na atividade mineradora. Ela também estava presente nos centros urbanos e na vida cotidiana das pessoas mais comuns da época, como o ferreiro Arcângelo Ribeiro de Queiroz, que tinha seis escravos.
  22. 22. Resuma alguns conteúdos aprendidos neste capítulo preenchendo o esquema a seguir. Sintetize Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. fechando o capítulo 15 Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. A escravidão africana O tráfico negreiro O trabalho escravo no Brasil A resistência contra a escravidão Brasil colonial: uma sociedade escravista Tráfico de escravos Base da produção Coroa e comerciantes portugueses Igreja Católica Escravidão africana 22 CadernodoEstudante•históriA•Parteii O tráfico de escravos africanos foi uma das atividades mais rentáveis para a Coroa e os comerciantes portugueses. A lucratividade do tráfico negreiro foi uma das principais motivações para a substituição progressiva da escravidão indígena pela africana na grande lavoura canavieira e em outras atividades econômicas da colônia. No Brasil colonial, o tráfico de escravos e a escravidão eram instituições legalmente reconhecidas. Do ponto de vista político, havia legislação específica; do ponto de vista religioso, a Igreja Católica encarregou-se de criar mecanismos ideológicos que justificassem a existência e a manutenção, por séculos, da escravidão africana.
  23. 23. Seções: 16.1 A descoberta do ouro no Brasil 16.2 Sociedade e economia das Minas Gerais 16.3 A religiosidade e a cultura do barroco A mineração na América portuguesa 16 Capítulo Unidade E PARTE II Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. A crise econômica portuguesa do século XVII Os bandeirantes e a descoberta de ouro na colônia A exploração de ouro e diamantes em Minas Gerais Os impostos sobre a mineração As irmandades leigas O barroco mineiro Casas de fundição. Trabalho escravo. Guerra dos Emboabas. Pedras preciosas. Quinto. Justifique suas escolhas. reprodução-fundaçãobiblioteca nacional,riodejaneiro Extração de diamante, pintura de Carlos Julião, segunda metade do século XVIII. Ouro de aluvião. Balança comercial. 23 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Resposta pessoal. A imagem representa a extração de diamantes, pedra de grande valor econômico descoberta no norte das áreas de extração do ouro. Na exploração das pedras predominava também o trabalho escravo de origem africana. O regime de tributos na extração dos diamantes era semelhante ao estabelecido na mineração aurífera, o que significava que um quinto de todo o volume de diamantes extraídos pertencia à Coroa portuguesa. X X X
  24. 24. 1. 1 Escreva, nas linhas ao lado, o termo correspondente a cada frase a seguir. 1. Colonos paulistas que penetravam no interior do continente em busca de índios para escravizar e de metais e pedras preciosas. 2. Conflito causado pela disputa entre colonos paulistas e de outras partes da colônia e de Portugal pelo controle da região das minas. 3. Resultava de um longo processo natural de desgaste das rochas. 4. Constituía a base que possibilitou a exploração aurífera na colônia. termos e conceitos Guia de estudo 2 Complete o diagrama sobre a crise do Império Português no século XVII e as medidas tomadas para superá-la. Crise do Império Português no século XVII Medidas tomadas pelo Império Português Acontecimento que contribuiu para a recuperação do Império Português Portugal perdeu para a o controle das principais rotas de do . O das principais na Ásia foi também para a . As guerras de de Pernambuco e a do internacional provocaram a dos obtidos com o . As não cobriam as importações de tecidos e de outros produtos manufaturados, resultando em uma continuamente deficitária. Descoberta de grandes de na portuguesa. da comercial realizada sobre as . A economia dá seus primeiros passos rumo à . A descobertA do ouro no brAsilseção 16.1Capítulo 16 4. 3. 2. 24 CadernodoEstudante•históriA•Parteii jazidas ouro América Reorganização exploração colônias portuguesa industrialização restauração concorrência açúcar queda lucros Brasil Holanda comércio Oceano Índico domínio possessões perdido Holanda Bandeirantes Trabalho escravo exportações balança comercial Ouro de aluvião Guerra dos Emboabas
  25. 25. 4 Complete o diagrama sobre os impactos provocados pela descoberta das minas de ouro. Descoberta das minas de ouro Movimento em direção à região das . Crescimento da colonial, que saltou de , em 1690, para 1,5 milhão, em . Crescimento , provocado pela de vilas e . Organização administrativa da região das para garantir a cobrança de para a . Integração entre as várias partes da colônia, promovida principalmente pelo comércio dos . Deslocamento do da colônia do Nordeste para o Centro-Sul. Transferência da da colônia de para o Rio de Janeiro. Desenvolvimento da arte mineira. 3 Ordene as frases a seguir para que elas formem um texto contínuo e coerente. As expedições de maior destaque partiam da vila de São Paulo e penetravam no interior do continente em busca de índios para trabalhar como escravos nas lavouras paulistas de cana, trigo e algodão. A exploração do ouro e a formação de núcleos urbanos na região das minas promoveriam importantes mudanças na economia, na política e na composição social da América portuguesa. A notícia da descoberta das minas de ouro espalhou-se rapidamente, atraindo para a região pessoas de toda parte da colônia e de Portugal. No século XVI, muitas expedições particulares e oficiais percorriam o interior do continente em busca de índios para escravizar e de metais preciosos, principalmente após a descoberta de ouro e prata nas colônias espanholas. As primeiras descobertas de jazidas de ouro, feitas provavelmente por exploradores paulistas, ocorreram no final do século XVII na região onde hoje se localiza a cidade mineira de Sabará. O fluxo migratório para a região das minas foi tão intenso que, em menos de oitenta anos, a população da colônia saltou de 240 mil para 1,5 milhão de pessoas. 25 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 2 6 4 1 3 5 migratório territorial tropeiros eixo econômico capital Salvador barroca minas população urbano construção cidades 242 mil 1766 minas tributos Coroa
  26. 26. Controle da exploração aurífera pela Coroa portuguesa Nome: . Instituído em: . Detodoo pelominerador, era destinado à Coroa. Nome: . Instituído em: . Responsável pelo do quinto, onde o era contado, e . Nome: . Imposto cobrado sobre todos os do minerador. As minas pertenciam à , que cobrava pela concessão da exploração. 2 Complete o diagrama abaixo. Quinto Casas de fundição Capitação Irmandades leigas Tratado de Methuen Arte Religião Barroco mineiro 1 Complete o texto com as palavras que faltam. A descoberta do ouro em Minas Gerais garantiu um breve respiro à debilitada portuguesa. Por isso, a Coroa tratou de reforçar o controle da região para garantir a cobrança dos e combater a do ouro. A preocupação da Coroa em garantir uma fiscalização eficiente a levou também a controlar a entrada de ordens nas vilas mineiras, cujos interesses muitas vezes conflitavam com os do governo. Na ausência dessas ordens, formaram-se associações , chamadas de ordens terceiras ou leigas. Essas associações ocuparam um papel de destaque na vida religiosa, e social das cidades mineiras. termos e conceitos Guia de estudo seção 16.3 seção 16.2Capítulo 16 A religiosidAde e A culturA do bArroco sociedAde e economiA dAs minAs gerAis 26 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Coroa Quinto 1700 Capitação bensouro extraído 1/5 Casas de fundição 1717-1719 controle ouro selado tributado tributos economia tributos evasão religiosas regulares religiosas leigas irmandades cultural
  27. 27. 3 Interprete o esquema a seguir e explique o que foi o Tratado de Methuen. Portugal Inglaterra Vinho Tecidos Tratado de Methuen Faça a conexão 4 Leia o texto a seguir. “Por ordem do governador, que era então d. Pedro de Almeida, conde de Assumar, começaram a ser erguidas as casas de fundição em Vila Rica, Sabará, S. João d’el-Rei e Vila do Príncipe. Foi estabelecido o prazo de um ano para a conclusão das obras, e durante esse período continuaria vigorando o sistema de fintas – como as taxas eram chamadas. Em reação à criação das casas de fundição e ao estabelecimento da cobrança do ‘quinto’ rigoroso, os mineiros se amotinaram. Alegavam que o trabalho de extração do ouro era árduo e a aquisição de escravos muito dispendiosa. Diante da revolta, o conde de Assumar viu-se obrigado, em outubro de 1720, a suspender a execução da ordem régia. Ainda não foi dessa vez que as casas de fundição começaram a funcionar.” SILVA, Maria Beatriz N. da. Sem ouro para o rei. Revista de História da Biblioteca Nacional, 1o jan. 2007. Disponível em www.revistadehistoria.com.br. Acesso em 9 nov. 2010. a) Escreva V (verdadeiro) ou F (falso) sobre o acontecimento narrado no texto. As casas de fundição de Sabará e de outras vilas mineiras começaram a ser erguidas por ordens do governador, seguindo determinação régia. No primeiro ano de funcionamento das casas de fundição foram cobradas as fintas. As casas de fundição funcionaram durante um ano, até que uma revolta de mineiros obrigou o governo a suspendê-las. A criação das casas de fundição desencadeou uma rebelião de mineiros, que se queixavam dos altos custos da exploração do ouro. O levante dos mineiros obrigou o governo da capitania a adiar a data prevista para o início das atividades das casas de fundição. 27 CadernodoEstudante•históriA•Parteii O Tratado de Methuen foi um acordo comercial estabelecido entre Inglaterra e Portugal em 1703. Segundo esse acordo, a Inglaterra garantia prioridade de compra dos vinhos portugueses e exigia, em contrapartida, a preferência portuguesa pelos tecidos ingleses. O Tratado de Methuen estabelecia uma relação desigual entre os dois países, pois, como os tecidos vendidos pelos ingleses eram mais caros que os vinhos portugueses, a balança comercial portuguesa ficava deficitária, obrigando Portugal a compensar seu déficit com o ouro extraído do Brasil. Com isso, parte do lucro obtido com a extração aurífera no Brasil foi utilizada pelos portugueses para efetuar o pagamento de suas importações. V F F V V
  28. 28. 5 O testemunho a seguir relata uma festividade religiosa que ocorreu em Vila Rica em 1733. Leia o texto e responda às questões. “[...] Precedia uma dança de turcos e cristãos, em número de trinta e duas figuras, militarmente vestidos, uns e outros, em igualdade divididos a um imperador e alferes; a estes conduziam dois carros de excelente pintura e dentro acompanhavam músicos de suaves vozes e vários instrumentos. Seguiam-se outras danças de romeiros ricamente vestidos, que continuamente ofereciam à vista a gravidade do gesto, a variedade da ordem em diferentes mudanças da arte. Depois desta se dilatava outra vistosa dança, composta de músicos, em cujas figuras era o ornato todo telas e preciosas sedas de ouro e prata; pertenciam-lhe dois carros de madeira de singular pintura; um menor, que levava patente aos olhos uma serpente [...].” MACHADO, Simão Ferreira. Triunfo eucarístico. In: DEL PRIORE, Mary. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 46. a) Destaque elementos da festividade descrita no texto que façam remissão ao barroco mineiro. b) Dê exemplos de festas da sociedade brasileira atual que tenham características semelhantes às festas do barroco mineiro do século XVIII. b) Escolha o esquema que melhor representa os acontecimentos relatados no texto. As casas de fundição começam a ser construídas. As casas de fundição começam a ser construídas. Por ordem régia, o governador da capitania cria as casas de fundição. Os mineiros rebelam-se contra as casas de fundição. Por ordem régia, o governador da capitania cria as casas de fundição. As casas de fundição começam a ser construídas. Por ordem régia, o governador da capitania cria as casas de fundição. O governo adia o início das atividades das casas de fundição. Os mineiros rebelam-se contra as casas de fundição. O governo adia o início das atividades das casas de fundição. Os mineiros rebelam-se contra as casas de fundição. O governo adia o início das atividades das casas de fundição. c) Com base no estudo dos conteúdos da seção 16.2 do seu livro-texto, identifique a revolta citada no texto e escreva o desfecho que ela teve. 28 CadernodoEstudante•históriA•Parteii X O texto refere-se à Revolta de Filipe dos Santos, também conhecida como Revolta de Vila Rica, ocorrida em 1720. O movimento foi reprimido pelas autoridades, e o principal líder, Filipe dos Santos, foi condenado à morte e executado em praça pública. Ornamentos exagerados e rebuscados, como seda, prata e ouro, levam os participantes e o público a impressões visuais típicas do barroco mineiro. O desfile das escolas de samba no carnaval. Assim como a festividade relatada no testemunho, os desfiles das escolas de samba também seguem uma ordem predefinida, além de abusar dos ornamentos exagerados e rebuscados como plumas, carros alegóricos etc.
  29. 29. Elabore um pequeno texto contendo os termos e conceitos que, em sua opinião, sintetizam o conteúdo de uma das seções estudadas neste capítulo. Sintetize Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Fechando o capítulo 16 Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. A crise ecônomica portuguesa do século XVII Os bandeirantes e a descoberta de ouro na colônia A exploração do ouro e diamantes em Minas Gerais Os impostos sobre a mineração As irmandades leigas O barroco mineiro 29 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Sugestão de resposta. A notícia da descoberta das minas de ouro no interior atraiu gente de toda parte da colônia e de Portugal para a área da mineração. A região urbanizou-se rapidamente, estimulando o desenvolvimento do mercado interno da colônia e a instituição de dispositivos de controle social sobre os setores marginalizados da população livre e da população escrava. A riqueza trazida pelo ouro e a expansão da vida urbana possibilitaram o desenvolvimento do barroco mineiro.
  30. 30. Capítulo As treze colônias e a formação dos Estados Unidos 17 Unidade E PARTE II Seções: 17.1 Ingleses na América 17.2 A independência das treze colônias 17.3 Expansão e guerra 17.4 A guerra civil 17.5 O avanço norte-americano na América Latina Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. A formação das treze colônias A independência das treze colônias A marcha para oeste A Guerra Civil Americana O avanço norte-americano na América Latina Declaração de Independência. Guerra de Secessão. Republicanismo. Destino Manifesto. Homestead Act. Treze colônias. Conquista do oeste. As Montanhas Rochosas, litogravura de Frances Flora Bond Palmer, 1854. RepRodução-MuseudeBelas aRtes,sãofRancisco Justifique suas escolhas. 30 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Resposta pessoal. A pintura mostra uma caravana de colonizadores a caminho da costa oeste dos Estados Unidos. Eles estão diante das Montanhas Rochosas, importante barreira enfrentada pelos colonos em sua expansão em direção ao Pacífico. A conquista do oeste dos Estados Unidos foi impulsionada pela crença no Destino Manifesto, pela aprovação do Homestead Act e pela expansão das ferrovias. X X X
  31. 31. Ingleses na amérIcaseção 17.1Capítulo 17 Colonização Pais peregrinos Puritanos Treze colônias Comércio triangular Plantation 1 Associe as colunas. 1. Pais peregrinos. 2. Puritanos. 3. Treze colônias. 4. Comércio triangular. 5. Plantation. 2 Complete o diagrama sobre as treze colônias inglesas da América do Norte. termos e conceitos Guia de estudo Calvinistas perseguidos na Inglaterra devido a diferenças religiosas. Atividade que ligava as colônias do norte e do centro da América inglesa, ilhas do Caribe e continente africano. Núcleos coloniais fundados por ingleses na América do Norte. Grande propriedade rural monocultora e escravista. Fundaram Plymouth, em 1620. As treze colônias Colônias do norte e do centro Colônias do sul Economia Unidade de produção: Mão de obra: Atividades: Principais produtos: Comércio: Economia Unidade de produção: Mão de obra: Atividades: Principais produtos: Comércio: Sociedade Estrutura social: Características: Sociedade Estrutura social: Características: 31 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 2 4 3 5 1 interno e triangular. externo, para a Europa, principalmente a Inglaterra. pequena propriedade policultora, grande propriedade voltada para a subsistência e o mercado interno. monocultora, voltada para o mercado externo (plantation). livre e assalariada. escrava. caça, pesca, criação de animais, exploração de essencialmente agrárias. madeira e uma indústria crescente. frutas, grãos, batata e milho. arroz, índigo, tabaco e algodão. formada por uma classe média verticalizada e hierarquizada, urbana nascente. controlada pelos grandes proprietários rurais. a maioria da população era favorável pregavam-se os valores católicos e a à abolição da escravidão e tinha interesses em desenvolver a supremacia branca, que foi estabelecida com a hegemonia política indústria. Porém, existia a ideia de superioridade do homem branco, e econômica dos grandes fazendeiros. Os sulistas eram contra o fim assim como nas colônias sulistas. da escravidão.
  32. 32. expansão e guerra a IndependêncIa das treze colônIas seção 17.3 seção 17.2Capítulo 17 Metrópole Leis Intoleráveis Declaração de Independência Constituição Destino Manifesto Conquista do oeste Homestead Act termos e conceitos 2 Redija um texto relacionando os termos do quadro. Homestead Act – Destino Manifesto – conquista do oeste 1 Defina os seguintes termos. a) Leis Intoleráveis. b) Declaração de Independência. c) Destino Manifesto. d) Homestead Act. 32 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Conjunto de medidas tomadas pela Coroa inglesa após o episódio da Documento aprovado por representantes das treze Ideologia criada nos Estados Unidos no século XIX segundo a qual Lei decretada pelo governo dos Estados Unidos, em 1862, que estabelecia a Festa do Chá de Boston, em 1773, que consistiu na ocupação militar da colônia de Massachusetts, no colônias inglesas da América do Norte, reunidos no Segundo Congresso Continental da Filadélfia, em o povo norte-americano tinha sido escolhido por Deus para encabeçar a luta da civilização contra a concessão de terras, a preços bem baixos, a todos aqueles que quisessem se instalar nas terras fechamento do porto e na ampliação da presença militar metropolitana nas demais colônias. 1776, pelo qual as colônias declaravam sua independência em relação à Inglaterra. barbárie, o que lhe dava o direito de expandir seus domínios sobre as terras de outros povos. do oeste. Sugestão de texto. A decretação do Homestead Act (Lei da Propriedade Rural), em 1862, concretizou a política do governo dos Estados Unidos de incentivo à conquista do oeste. Pela lei, o governo cedia lotes de terras, a preços bem baixos, aos interessados em se estabelecer nas terras do oeste. Depois de cinco anos de cultivo, os colonos adquiriam o direito de propriedade sobre as terras. A disposição de ocupar as terras do oeste também era estimulada pela crença no Destino Manifesto, ideologia que pregava a ideia de que o povo norte-americano tinha a missão divina de levar o progresso e a civilização para os demais povos.
  33. 33. Guia de estudo 3 Complete o diagrama sobre as medidas mercantilistas adotadas pela Coroa inglesa. Lei do Melaço (1733) Lei da Receita (1764) Lei do Selo (1765) Lei Townshend (1767) Lei do Chá (1773) Medidas de controle das treze colônias 4 Sublinhe as palavras entre parênteses que completam adequadamente o texto. As medidas de reforço do (sistema colonial/federalismo) adotadas pela Coroa inglesa, como a Lei do Selo, provocaram reações por parte dos (colonos/indígenas). O episódio mais conhecido de reação colonial, anterior à independência, foi a (Guerra de Secessão/Festa do Chá de Boston), em 1773, em protesto contra a (Lei do Chá/Lei do Selo). A metrópole respondeu decretando (a Declaração de Direitos/ as Leis Intoleráveis), que ampliavam o controle militar sobre as colônias. A tensão entre as colônias e a metrópole crescia a cada dia, anunciando uma ruptura próxima. A reunião dos (britânicos/colonos) no Primeiro e no Segundo Congresso Continental da Filadélfia (1774 e 1776) definiu os passos da (emancipação/revolução). Em julho de 1776, os colonos aprovaram a (Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão/Declaração de Independência), documento que formalizava a ruptura com a metrópole inglesa. 33 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Estabelecia tributos elevados para o melaço adquirido fora das áreas de colonização. Instituía tarifas alfandegárias e restrições à importação de açúcar, café, vinho, têxteis, madeiras e produtos de luxo. Controle da circulação de impressos na colônia, exigindo a exibição de selo expedido e vendido pela metrópole inglesa. Definia tributos e o controle da circulação de produtos como papel, tinta, vinho e chumbo. Monopólio do fornecimento de chá para a América inglesa.
  34. 34. a guerra cIvIl o avanço norte-amerIcano na amérIca latInaseção 17.5 seção 17.4Capítulo 17 Abolição da escravidão Federalismo Ianques Confederados Guerra de Secessão Doutrina Monroe Emenda Platt Big Stick 1 Associe as colunas. 1. Ianques. 2. Confederados. 3. Federalismo. 4. Doutrina Monroe. termos e conceitos Assegurava autonomia aos estados. Como eram conhecidos os estados do norte na guerra civil. Para muitos autores, foi o primeiro passo da política expansionista norte-americana na América Latina. Congregava os estados do sul, o lado perdedor da guerra civil. 2 Sublinhe as palavras entre parênteses que completam adequadamente o texto. a) Três meses antes da capitulação do sul, (a guerra/a escravidão) foi proibida nos Estados Unidos por meio da 13a emenda à Constituição. b) O objetivo original do governo dos Estados Unidos ao anunciar a (Doutrina Monroe/Constituição) era promover a aliança entre os países do continente americano e a autonomia frente aos interesses europeus. c) A política intervencionista implementada pelo presidente norte-americano Theodore Roosevelt na América Latina ficou conhecida como (Doutrina Monroe/Big Stick). d) A (15a emenda da Constituição/Emenda Platt) autorizou os Estados Unidos a agir militarmente em Cuba para proteger e garantir a estabilidade política da ilha. Guia de estudo 3 Escreva N para os estados do norte e S para os estados do sul. Pretendiam abastecer o oeste norte-americano com seus produtos industrializados. Viam as vastas terras disponíveis no oeste como uma oportunidade de expandir sua produção agropecuária. Desejavam implantar uma política econômica que protegesse a produção industrial e assegurasse a manutenção e a ampliação do mercado interno. Defendiam tributos altos sobre a importação de manufaturas e produtos industrializados. Dependiam das manufaturas e dos produtos industrializados europeus para garantir o abastecimento interno. Defendiam a manutenção da escravidão, argumentando que o escravismo impedia o surgimento de conflitos entre patrões e empregados. Defendiam a abolição da escravidão e impediam escravos em suas áreas. 34 CadernodoEstudante•históriA•Parteii 3 N S N N S S N 1 4 2
  35. 35. 4 Preencha o diagrama com acontecimentos nos Estados Unidos após a guerra civil. Faça a conexão 5 Leia o texto abaixo e relacione a Doutrina Bush, o Destino Manifesto, a Doutrina Monroe e a política do Big Stick. “A Doutrina Bush é o conjunto de princípios e métodos adotados pelo presidente George W. Bush para proteger os EUA depois dos atentados de 11 de setembro, consolidar a hegemonia americana no mundo e perpetuá-la indefinidamente. Ela parte do pressuposto de que os EUA, única superpotência global, têm o papel de proteger o mundo civilizado de terroristas que vivem nas sombras, se superpõem aos Estados e planejam ataques ‘iminentes’ com armas de destruição em massa. [...] Foi assim com a Doutrina Truman, que formou o pilar da Guerra Fria em 1947 e acabou derrotando a União Soviética quatro décadas depois, e com a Doutrina Monroe, de 1823, que garantiu aos EUA a ascen- dência sobre a América Latina e afastou a influência europeia sobre a região. [...]” AITH, Márcio. A nova doutrina americana. Folha de S.Paulo, 29 out. 2002. Os Estados Unidos após a guerra civil A expansão territorialA situação dos negros Legislação afirmativa • 1865-1866. Garantia o direito de propriedade e Justiça. • 1866. a cidadania as pessoas ou . Realidade adversa • Vetava aos negros o exercício de postos de trabalho. • estados . • O grupo racista promovia atos terroristas contra . • 1889. reuniram os países do continente para defender seu papel de . • 1898. intervieram na guerra de independência contra . • 1901. Os Estados Unidos aprovaram a , que autorizava o país a intervir . • 1901-1903. No governo de , implementou-se a política do , que combinava com intervenções . 35 CadernodoEstudante•históriA•Parteii De acordo com a Doutrina Bush, os Estados Unidos têm o papel exclusivo de proteger todas as outras nações contra a constante ameaça do terrorismo. A origem histórica dessa doutrina pode ser encontrada no Destino Manifesto, ideologia religiosa e política que justificava a expansão norte-americana em direção ao oeste. Já a Doutrina Monroe criou condições para legitimar, posteriormente, a influência norte-americana sobre a América Latina, enquanto a política do Big Stick afirmava o direito de intervenção militar e política dos Estados Unidos nos países latino-americanos. Pode-se notar nessas doutrinas a existência permanente de um inimigo a combater: a barbárie, o colonizador, os ideais divergentes, o comunismo, o terrorismo. As ações intervencionistas dos Estados Unidos na América e no Oriente Médio estão baseadas na ideia de que a expansão norte-americana é essencial para sua prosperidade e para o bem-estar e a segurança de toda a humanidade. aos negros impedia o acesso a segregavam os negros os negros Leis de alguns Ku Klux Klan recorrer à Lei dos Direitos Civis, que garantia a todas Os Estados Unidos Os Estados Unidos Emenda Platt Big Stick ações diplomáticas militares em Cuba Theodore Roosevelt de Cuba a Espanha protetores da América naturalizadas Estados Unidos lhes permitia cargos públicos, nascidas nos
  36. 36. Complete o diagrama abaixo. Sintetize Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Fechando o capítulo 17 Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. A formação das treze colônias A independência das treze colônias A marcha para o oeste A Guerra Civil Americana O avanço norte-americano na América Latina Questões em conflito 1. 2. Economia Unidade de produção Comércio Economia Unidade de produção Comércio Estados Unidos: colonização e guerra civil Colônias do sulColônias do centro e do norte Guerra de Secessão Vitória dos . 36 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Diversificada: caça, pesca, comércio e agricultura familiar. Agrária. Pequena propriedade policultora e familiar voltada para a subsistência. Plantation: grande propriedade monocultura e escravista voltada para o mercado externo. Ativo comércio local e triangular (internacional). Principalmente com a metrópole. Política econômica: tributação/proteção à indústria ou à agricultura. Escravidão. estados do norte (ianques)
  37. 37. Seções: 18.1 O movimento iluminista 18.2 O despotismo esclarecido O iluminismo 18 Capítulo Unidade F PARTE II Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. O movimento iluminista A valorização da ciência e da razão O papel da educação Os iluministas diante da república e da monarquia A crítica ao Antigo Regime O despotismo esclarecido reprodução-bibliotecasda universidadedeoklahoma Justifique suas escolhas. Educação. Iluminismo. Revolução Francesa. Antigo Regime. República. Despotismo esclarecido. Frontispício da obra Elementos da filosofia de Newton, de Voltaire, 1738. 37 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Resposta pessoal. A imagem representa um movimento ocorrido na Europa entre os séculos XVII e XVIII: o iluminismo. Os iluministas valorizaram o papel da razão e da ciência da vida social, retirando a Igreja Católica do lugar privilegiado que ocupava até então. Os dogmas políticos e religiosos, considerados, por muito tempo, os fundamentos das relações entre as pessoas, eram substituídos por leis elaboradas conforme o método científico. A educação, para os iluministas, cumpriria um papel fundamental na tarefa de libertar o homem da ignorância e da superstição. X X
  38. 38. Seção 18.1Capítulo 18 Formação da esfera pública de livros e outros . Formação do hábito de em salões aristocráticos, , cafés, públicas. Esfera pública Espaço para o e a troca de e , contribuindo para o surgimento da ao e à . O mOvimentO iluminista Iluminismo Educação Esfera pública República 1 Escreva V (verdadeiro) ou F (falso) sobre o iluminismo. O movimento iluminista nasceu na França, no século XVIII, tendo como fundamento a valorização da ciência e da razão. O nome iluminismo remetia à ideia de luz e esclarecimento, que só o pensamento racional seria capaz de garantir, em oposição à escuridão dos dogmas religiosos e da ignorância. Os iluministas criticam a propriedade privada, considerada a origem de todas as desigualdades sociais. Os iluministas combatiam o Antigo Regime e defendiam a república como a única forma de governo legítima e capaz de assegurar os direitos fundamentais do homem. A educação, vista como essencial para os iluministas, tinha como tarefa formar cidadãos instruídos, autônomos e libertos das trevas da ignorância. Termos e conceitos Guia de estudo 2 Preencha o esquema seguinte com as características do processo de formação da esfera pública. Enciclopédia Organizadores: Data de publicação: Características físicas: Objetivo da publicação: Público leitor da obra: 3 Complete a ficha sobre a obra Enciclopédia. 38 CadernodoEstudante•hiSTória•Parteii Circulação escritos leituras públicas clubes sociais oficinas e praças debate ideias opiniões crítica poder religião V V F F V Diderot e Jean D’ Alembert. entre 1751 e 1765. coleção organizada em 17 volumes. reunir todo o conhecimento produzido pela humanidade até então. inicialmente só as camadas mais abastadas; depois se tornou também acessível às classes populares.
  39. 39. 4 Associe cada pensador às suas respectivas ideias ou obras. 1. Jean-Jacques Rousseau. 2. Diderot e Jean D’ Alembert. 3. Immanuel Kant. 4. Montesquieu. 5. Marquês de Sade. Somente a república poderia cumprir o ideal iluminista de progresso e liberdade. O papel da educação era formar cidadãos bons e virtuosos, livres dos vícios da civilização. A propriedade privada era a origem de todas as guerras, misérias e horrores praticados pela civilização humana. A Enciclopédia reunia conhecimentos produzidos por vários autores, em diferentes áreas, desde as ciências e os ofícios às belas artes. Defendia a separação de poderes e um regime político em que o povo fosse o soberano, pois a humanidade é capaz de se autogovernar. Criticava, em seus romances, a moral vigente no Antigo Regime. A monarquia constitucional, em que o poder do soberano é limitado por um parlamento e uma justiça independentes, era a forma de governo mais apropriada para garantir a liberdade do indivíduo. 5 Complete o diagrama abaixo com as características da educação no Antigo Regime e as propostas dos iluministas para a educação. Educação Antigo Regime O ensino estava sob a responsabilidade e era restrito . As famílias mais ricas para educar , pois não havia de ensino. Educação iluminista gratuita, obrigatória e laica – portanto, da influência . A e as ciências eram que deveriam ser incluídas , pois eram importantes no aos dogmas religiosos e na racionais para os e os acontecimentos sociais. 39 CadernodoEstudante•história•Parteii 3 1 1 2 3 5 4 da Igreja Católica a uma pequena parcela da sociedade contratavam receptores seus filhos um sistema público e universal Defendiam uma educação livre religiosa disciplinas no currículo combate busca por explicações fenômenos naturais história
  40. 40. Capítulo 18 Monarca Reformas: política de religiosa e de liberdade de , fim da prática da e criação de um baseado na dos . Monarca Ministro Reformas: racionalização da , aperfeiçoamento da , às manufaturas, renovação do e fomento à . Monarca Reformas: enfraquecimento do poder da , liberdade , reforma e e criação de um reconhecendo a de todos. Monarca Reformas: realização de que visavam e a Rússia, eliminando os resquícios . Império RussoÁustriaPortugal Despotismo esclarecido Prússia seção 18.2 O despOtismO esclarecidO Antigo Regime Despotismo esclarecido 1 Defina os termos a seguir. a) Antigo Regime. b) Despotismo esclarecido. termos e conceitos 2 Preencha o diagrama abaixo. Guia de estudo 40 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Frederico II. tolerância expressão tortura código civil igualdade cidadãos José I. Marquês de Pombal. administração arrecadação de impostos incentivo ensino exportação José II. Igreja Católica religiosa administrativa linguística código civil igualdade jurídica Catarina II. reformas modernizar industrializar feudais Modelo de governo adotado por alguns monarcas do século XVIII, que procuravam aplicar a racionalização administrativa proposta pelos iluministas, preservando a sociedade de ordens e o absolutismo monárquico. Nome que se dá ao modelo de sociedade que vigorou na Europa, particularmente na França, durante a Idade Moderna (séculos XV-XVIII), caracterizado, no campo político, pela monarquia absolutista, no campo social, pela divisão em ordens ou estamentos e, no campo econômico, pelas práticas mercantilistas.
  41. 41. Faça a conexão 3 Voltaire viveu os últimos vinte anos de vida em uma propriedade em Ferney, território francês na fronteira com a Suíça. Lá o filósofo teve uma intensa atividade política e intelectual, em que se destacou a sua atuação na defesa da família Calas. Sobre o assunto, leia o texto a seguir e responda à questão. “No dia 13 de outubro de 1761, o senhor Calas e sua mulher encontram um de seus filhos enforcado numa barra de madeira, num dos cômodos de sua casa. Chega a polícia, reúne-se uma multidão do lado de fora. Na confusão, alguém diz: ‘Marco Antônio foi enforcado por seus pais huguenotes porque se converteu ao catolicismo!’ [...] O processo é levado ao Parlamento de Toulouse. O jovem morto começa a ser considerado pelo povo como um novo mártir da religião; as irmandades religiosas desfilam pelas ruas pedindo reparação; os padres, em seus púlpitos, pedem um castigo exemplar para os supostos assassinos. Uma paixão fanática domina a cidade. [...] Os bens dos Calas são confiscados. Algum tempo depois, a notícia chega a Ferney. De início, Voltaire não sabe que partido tomar. Pede a D´Alembert que lhe consiga mais informações sobre o processo. O caso lhe parece importante, pois, se Calas é culpado, matou o filho por fanatismo; se Calas é inocente, o tribunal agiu por motivos religiosos. [...] Voltaire inicia então uma grande campanha, que nós chamaríamos hoje de publicitária, a respeito do processo. Manda vir a Ferney os membros da família e interroga-os longamente. Mobiliza os grandes reinos, escreve cartas às autoridades. [...] Finalmente, a situação criada por Voltaire é tal que o Parlamento de Paris cassa a decisão do Parlamento de Toulouse. No ano seguinte, o caso é novamente julgado, e a família, considerada inocente, é reabilitada. [...] O caso Calas é um dos momentos mais brilhantes na luta de Voltaire contra a ‘infâmia’. Conta-se que, ao receber em Ferney a notícia da reabilitação, Voltaire abraçou o mensageiro e, emocionado, disse aos presentes: ‘É a filosofia sozinha que obteve a vitória!’.” NASCIMENTO, Maria das Graças S. Voltaire: a razão militante. São Paulo: Moderna, 1993. p. 15-17. (Coleção Logos) De que forma Voltaire defendeu a família Calas? 41 CadernodoEstudante•históriA•Parteii Voltaire atuou na defesa do casal conforme os princípios defendidos pelos iluministas: todo cidadão tem direito a um julgamento justo, deve ter garantidas as liberdades civis e a ação do Estado e da sociedade, deve guiar-se pela razão e não pelo fanatismo religioso. Acreditando nisso, Voltaire empenhou-se para que a sentença do casal fosse decidida com base nos fatos, colhidos por meio de uma investigação racional, e não sob influência da cegueira religiosa.
  42. 42. Com base no texto a seguir, do filósofo francês Montesquieu, elabore um texto-síntese sobre as principais ideias do iluminismo. Sintetize Fechando o capítulo 18 Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. O movimento iluminista A valorização da ciência e da razão O papel da educação Os iluministas diante da república e da monarquia A crítica ao Antigo Regime O despotismo esclarecido “O rei da França é o mais poderoso príncipe da Europa. [...] é um grande mago, que manda até na inteligência dos seus vassalos, fazendo-os pensar como ele quer. [...] há outro mago mais forte que ele, que manda em seu espírito tanto quanto ele nos demais. Esse mago chama-se papa. Ora ele faz acreditar que três são apenas um [...] e mil coisas do gênero.” MONTESQUIEU, Charles Louis de Secondat, baron de la Brède et de. Cartas persas. [1701]. São Paulo: Pauliceia, 1991. p. 49. 42 CadernodoEstudante•históriA•Parteii O iluminismo foi um movimento intelectual que surgiu na França, no século XVIII, e de lá se difundiu para outros países da Europa. Tendo como principais representantes Voltaire, Montesquieu e Rousseau, os iluministas defendiam a supremacia da razão e da ciência sobre a superstição e os dogmas religiosos, e a soberania da liberdade e dos direitos civis sobre a tirania e a arbitrariedade. O trecho dessa obra de Montesquieu critica as autoridades políticas e religiosas da França do Antigo Regime, ou seja, a Igreja Católica e a monarquia absolutista, com seus dogmas e leis ilegítimas e inquestionáveis. Montesquieu satiriza a falta de lógica dos poderes da época, tanto do religioso quanto do temporal. Para ele, a religião e as leis deveriam se adequar à natureza complexa dos seres humanos, que eram dotados de razão para exercer um pensamento crítico sobre diversos temas, inclusive os religiosos e políticos. Para os iluministas, a razão, e não a tradição, deveria reger a vida social e política.
  43. 43. Seções: 19.1 A Inglaterra no século XVI 19.2 A crise do absolutismo inglês 19.3 A Revolução Industrial 19.4 O cotidiano das cidades e dos trabalhadores Das Revoluções Inglesas à Revolução Industrial 19 Capítulo Unidade F PARTE II Antes de estudar o capítulo Veja neste quadro os temas principais do capítulo e marque um X na coluna que, em sua opinião, traduz o seu conhecimento sobre cada tema. Veja abaixo alguns termos e conceitos que você encontrará no capítulo. Marque um X naqueles que você julga estarem relacionados à imagem. Temas principais do capítulo Já estudei. Será um aprofundamento. Nunca estudei. Será totalmente novo. Não lembro se estudei. Os cercamentos As Revoluções Inglesas do século XVII A Revolução Industrial Efeitos sociais e ambientais da industrialização A organização dos trabalhadores O liberalismo econômico Indústria moderna. Sistema doméstico. Maquinofatura. Cercamentos. Trabalho. Gravura representando uma oficina que utiliza máquinas a vapor, de E. Bourdelin, século XIX. giannidagliorti/corbis/ latinstock-coleçãoparticular Justifique suas escolhas. 43 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII Resposta pessoal. A imagem representa algumas das principais mudanças produtivas ocorridas com a Revolução Industrial: o surgimento da produção em série, o uso da energia a vapor para mover as máquinas e o predomínio das relações assalariadas de produção. X X X
  44. 44. A InglAterrA no século XVI A crIse do AbsolutIsmo Inglêsseção 19.2 seção 19.1Capítulo 19 Indústria moderna Império comercial Gentry Cercamentos Monarquia absolutista Revolução Puritana Revolução Gloriosa Atos de Navegação 1 Sublinhe as expressões entre parênteses que completam adequadamente as frases. termos e conceitos a) Grandes proprietários expulsaram camponeses das terras comunais, cercaram-nas e as utilizaram como pasto para a criação de ovelhas, processo conhecido como (cercamentos/Revolução Gloriosa). b) A Inglaterra foi o primeiro país do mundo a desenvolver as condições necessárias para o desenvolvimento da (monarquia absolutista/ indústria moderna). c) A vitória da marinha inglesa sobre a marinha espanhola foi um dos principais sinais da transformação da Inglaterra em um (império industrial/império comercial). d) Henrique VIII, ao romper com a Igreja de Roma, confiscou as terras eclesiásticas e as vendeu para os proprietários rurais ingleses, classe conhecida como (gentry/burguesia), que a partir de então puderam ampliar sua influência social. e) Os reis da dinastia Stuart tentaram retomar o (absolutismo monárquico/cercamentos), mas enfrentaram a resistência de um (operariado/ Parlamento) forte e atuante. f) Os Atos de Navegação, aprovados pelo Parlamento, estabeleceram o (monopólio inglês/liberalismo holandês) do comércio e da navegação, permitindo que a (Inglaterra/Holanda) se transformasse na soberana dos mares. g) A (Revolução Gloriosa/Revolução Puritana) foi uma reação da burguesia (calvinista/católica) inglesa às medidas absolutistas do rei Carlos I. h) Na Revolução Puritana também se expressaram os interesses das camadas populares, como os (dos levellers/da gentry), que exigiam o fim dos cercamentos das terras, a abolição da (prisão por dívidas/escravidão), o sufrágio universal e o fim do (clero/dízimo). 44 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII
  45. 45. Guia de estudo 2 Complete o diagrama sobre o processo de cercamentos na Inglaterra e suas consequências. 3 Preencha os quadrados associando corretamente as frases abaixo, que dizem respeito às leis contra a vadiagem na Inglaterra. 1. Uma lei promulgada em 1530 concedia licença para mendigar. 2. A pena era o açoite público e a prisão. 3. Eram considerados criminosos irrecuperáveis e enforcados em praça pública. 4. Quem denunciasse podia escravizar, açoitar e acorrentar essa pessoa. 5. Depois de saírem das workhouses, se fossem surpreendidos novamente mendigando, eram enforcados. 6. Para isso, era necessário ser idoso ou incapacitado. 7. Homens sadios que mendigavam eram considerados criminosos. 8. Pelas leis de 1547 e 1572, uma pessoa podia ser acusada de não querer trabalhar. 9. A lei era ainda mais severa com os acusados pela segunda vez de mendicância. 10. Pelas novas leis, os desocupados considerados irrecuperáveis eram encaminhados para casas de trabalho forçado, onde permaneciam de seis meses a dois anos. a) e b) e c) e d) e e) e Os cercamentos (séculos XVI e XVII) Empobrecimento da e formação de uma população . de vilas inglesas e para dar lugar às pastagens. Organização de uma voltada para o e em bases . urbanas e rurais. dos camponeses para as , onde muitos se transformam em . As eram cercadas pelos grandes proprietários ( ) e utilizadas para a criação de . 45 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII terras comunais gentry ovelhas população camponesa flutuante Despovoamento destruição de florestas agricultura mercado assentada capitalistas Revoltas Migração cidades operários 6 7 2 8 4 9 3 10 51
  46. 46. 4 Preencha o diagrama abaixo. Imposição . Criação de novos . Venda de . Venda de . Políticas mercantilistas adotadas durante o reinado de Jaime I Estímulo à . Política de com a . 5 Numere, em ordem cronológica, os acontecimentos que deram origem à Revolução Puritana na Inglaterra. O Parlamento, em vez de atender ao pedido do rei, impôs uma série de restrições ao poder real, entre elas o direito de dissolver o Parlamento. A nobreza e a alta burguesia, beneficiadas pela concessão de monopólios, permaneceram fiéis à monarquia. Carlos I assumiu o trono na Inglaterra e deu continuidade à política absolutista do pai. Uma onda de repressão espalhou-se pelo país, com censura à liberdade de expressão, julgamentos arbitrários e torturas. Carlos I convocou novamente o Parlamento com o objetivo de obter recursos para reprimir uma revolta. A gentry, a burguesia comercial, os trabalhadores e os camponeses preferiram desobedecer às determinações do rei, recusando-se a pagar impostos não aprovados pelo Parlamento. Carlos I dissolveu o Parlamento por se recusar a aprovar os recursos solicitados pelo rei. Revolução Puritana Alta burguesia e proprietários rurais (gentry) Reivindicações . 6 Preencha o esquema abaixo com os projetos de grupos políticos distintos durante a Revolução Puritana. 7 Responda às questões abaixo. a) Caracterize a política econômica de Oliver Cromwell. b) Explique a principal consequência da Revolução Gloriosa. Levellers (niveladores) e diggers (escavadores) Reivindicações . 46 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII de tarifas protecionistas impostos monopólios cargos e honrarias pirataria aproximação Espanha A política econômica de Cromwell destacou-se pela criação dos Atos de Navegação, aprovados pelo Parlamento em 1651, estabelecendo que todas as mercadorias que entrassem na Inglaterra só podiam ser transportadas em navios ingleses ou dos países produtores. A principal consequência da Revolução Gloriosa foi a consolidação do Estado burguês na Inglaterra, criando as condições institucionais necessárias para o desenvolvimento do capitalismo industrial no país. Defendiam o fim dos obstáculos ao desenvolvimento de suas atividades econômicas, como monopólios, taxas, impostos e outras formas de intervenção do Estado na economia. 7 4 1 3 6 5 2 Divisão das grandes propriedades rurais, fim dos cercamentos das terras comuns, abolição da prisão por dívidas, voto universal e supressão do dízimo pago ao clero.
  47. 47. A reVolução IndustrIAlseção 19.3Capítulo 19 Revolução Industrial Sistema doméstico Sistema manufatureiro Maquinofatura Liberalismo econômico 1 Associe as colunas. 1. Sistema doméstico. 2. Sistema manufatureiro. 3. Maquinofatura. 4. Revolução Industrial. termos e conceitos Conjunto de transformações econômicas, tecnológicas e sociais ocorridas na Inglaterra do final do século XVIII com implicações tanto no modo de produzir mercadorias quanto nas relações de trabalho. Mecanização da produção, resultando na redução do tempo de trabalho necessário para a fabricação de mercadorias e, consequentemente, no aumento vertiginoso da produtividade. Os trabalhadores eram donos de suas próprias ferramentas de trabalho ou as alugavam de terceiros. A produção de mercadorias era realizada em grandes oficinas, e os artesãos já não eram donos dos instrumentos de trabalho. Guia de estudo 2 Preencha o diagrama com as inovações tecnológicas que marcaram a Revolução Industrial. Inovações tecnológicas da Revolução Industrial Aumentou a produtividade e a qualidade dos fios produzidos e dispensou a força humana. Possuía 18 fusos, que permitiam tecer diversos fios ao mesmo tempo. Usada na tecelagem de fios de lã e de algodão. Dobrou a produtividade do trabalho de um tecelão. Invenção revolucionária que permitiu aproveitar a energia do carvão para mover as máquinas. 47 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII 4 3 1 2 Tear hidráulico. Máquina de fiar jenny. Lançadeira volante. Máquina a vapor.
  48. 48. Guia de estudo 2 Complete o diagrama abaixo com as principais conquistas dos trabalhadores ingleses. Conquistas dos trabalhadores ingleses 1825 1833 1834 1847 Capítulo 19 seção 19.4 o cotIdIAno dAs cIdAdes e dos trAbAlhAdores Meio ambiente Trabalho Ludismo Organização dos trabalhadores termos e conceitos 1 Identifique os erros nas afirmativas a seguir e corrija-os. a) No início da Revolução Industrial não havia uma legislação de proteção ao trabalho. Não havia, por exemplo, férias, descanso remunerado, licença maternidade e limite de trabalho diário. A extrema exploração dos trabalhadores levou ao surgimento das primeiras reações contra o sistema de fábrica. O ludismo, pioneiro nessas lutas, pregava a organização dos trabalhadores em um partido político para tomar o poder e construir um Estado socialista. b) O desenvolvimento industrial causou fortes impactos no ambiente. O aumento do volume e do ritmo da produção gerava uma grande demanda por recursos naturais, principalmente petróleo, a fonte energética que movia as máquinas. O crescimento das cidades também pressionava pelo aumento da oferta de combustíveis domésticos. O uso crescente do gás natural, principalmente no aquecimento das casas, resultou no esgotamento das reservas de combustíveis fósseis inglesas. 48 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII Revogação das Combination Acts, leis que proibiam e consideravam criminosas as organizações sindicais. Limitaram o trabalho das crianças entre 10 e 13 anos a 48 horas semanais, e entre 13 e 18 anos, a 69 horas semanais. A classe operária inglesa formou a primeira central de trabalhadores (Grand National Consolidated Trade Unions). O movimento operário conseguiu a redução da jornada de trabalho para dez horas em toda a Inglaterra. Correção. O ludismo, pioneiro nessas lutas, reuniu principalmente artesãos, prejudicados pela mecanização da produção. Voltando-se contra as máquinas, que consideravam responsáveis pelo desemprego, os ludistas espalharam-se pela Inglaterra promovendo a destruição de máquinas. Correção. O aumento do volume e do ritmo da produção gerava uma grande demanda por recursos naturais, principalmente carvão mineral, a fonte energética que movia as máquinas. O uso crescente do carvão vegetal, especialmente no aquecimento das casas, resultou na devastação de grande parte das florestas inglesas.
  49. 49. Faça a conexão 5 Leia o texto abaixo e explique como o tempo foi utilizado tanto como meio de exploração quanto de resistência pelos trabalhadores. “[...] A primeira geração de trabalhadores nas fábricas aprendeu com seus mestres a importância do tempo; a segunda geração formou os seus comitês em prol de menos tempo de trabalho no movimento pela jornada de dez horas; a terceira geração fez greves pelas horas extras ou pelo pagamento de um per- centual adicional (1,5%) pelas horas trabalhadas fora do expediente. Eles tinham aceito as categorias de seus empregadores e aprendido a revidar os golpes dentro desses preceitos. Haviam aprendido muito bem a sua lição, a de que tempo é dinheiro.” THOMPSON, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p. 294. Estado liberal Política externa •  Política interna •  •  3 Complete o esquema abaixo com as funções do Estado para Adam Smith. 4 Assinale a afirmativa incorreta sobre o liberalismo econômico. Na teoria liberal, os indivíduos são mais importantes que a sociedade, e devem ser livres para perseguir seus interesses privados. O sucesso econômico do indivíduo também beneficia a sociedade ao gerar emprego e enriquecer a nação. O mercado deve ser regulado pela lei básica da oferta e da procura e não por medidas restritivas definidas pelo Estado. Adam Smith, o mais importante teórico do liberalismo econômico, defendia que tanto os empresários quanto os trabalhadores procuravam lucrar com aquilo que tinham a oferecer, e isso era benéfico para a sociedade. O liberalismo econômico e o mercantilismo coincidiam na defesa dos monopólios e de tarifas protecionistas para proteger a produção nacional. 49 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII No sistema de produção fabril, o tempo é um dos principais fatores da produtividade e, consequentemente, da lucratividade. Produzir mais, em menos tempo e com menor custo possível é um dos princípios do funcionamento da grande indústria capitalista. O tempo era utilizado, portanto, como meio exploração do trabalhador, que devia produzir cada vez mais em um período de tempo cada vez menor. Percebendo sua importância na produção industrial, os trabalhadores fabris voltaram suas reivindicações justamente para o modo como o tempo era utilizado e aproveitado. A redução da jornada diária para dez horas e o pagamento das horas trabalhadas além do expediente são exemplos de reivindicações que mostram como o tempo foi incorporado às mobilizações dos trabalhadores. Proteção do país contra invasões estrangeiras. Administração da justiça: proteção à propriedade privada e garantia às atividades econômicas; Realização de grandes obras públicas, como canais, pontes e estradas. X
  50. 50. Preencha o diagrama que sintetiza as condições que permitiram a industrialização inglesa. Sintetize Avalie Marque um X na coluna que melhor traduz o seu aprendizado sobre cada tema. Depois, compare este quadro com o que você preencheu no item “Antes de estudar o capítulo”. Se você teve dificuldade para compreender algum desses temas, reveja as atividades do Caderno do estudante referentes a este capítulo e revise seu livro-texto. Caso seja necessário, peça ajuda ao seu professor ou a um colega. Fechando o capítulo 19 Temas principais do capítulo Compreendi bem o tema. Compreendi, mas tenho algumas dúvidas. Tenho muitas dúvidas. Os cercamentos As Revoluções Inglesas do século XVII A Revolução Industrial Efeitos sociais e ambientais da industrialização A organização dos trabalhadores O liberalismo econômico Políticos 1. Fixação de ao monárquico. 2. Revolução e . 3. Fortalecimento do . Econômicos/sociais 1. . 2. Leis contra a . 1. para os centros urbanos. 2. Disponibilidade de para o . 3. A permitiu o acúmulo de . Comerciais 1. Modernização da . 2. : estabeleceu o do comércio e da navegação. 3. Estímulo à . 1. Formação do . 2. Acúmulo de para as pesquisas e instalar . 1. Consolidação do na Inglaterra, com o papel de proteger a e proibir a . Condições que permitiram a industrialização inglesa ResultadosAcontecimentos 50 CadernodoEstudante•hIstóRIA•ParteII limites poder Puritana Revolução Gloriosa Parlamento Cercamentos vadiagem frota inglesa Atos de Navegação monopólio inglês pirataria Estado burguês propriedade privada organização dos trabalhadores Migração de camponeses mão de obra trabalho nas fábricas império comercial inglês capitais financiar as fábricas superexploração lucros

×