Retrarto de uma princesa desconhecida de Sophia De Mello Breyner

2.813 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.813
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Retrarto de uma princesa desconhecida de Sophia De Mello Breyner

  1. 1. «RETRARTO DE UMA PRINCESA DESCONHECIDA» Análise do poema «Retrato de uma princesa desconhecida» de Sophia de Mello Breyner, 1972. Ana Coelho, nº4 Joana Guerreiro, nº18
  2. 2. SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDERSEN • Nasceu dia 6 de Novembro de 1919, no Porto e faleceu a 2 de Julho de 2004, em Lisboa. • Publicou os seus primeiros versos em 1940, nos Cadernos de Poesia. • Autora de catorze livros de poesia, publicados entre 1944 e 1997, escreveu também contos, histórias para crianças, artigos, ensaios e teatro. • Foi a primeira mulher portuguesa a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999.
  3. 3. O TEMA • O poema fala-nos das relações sociais entre senhores e escravos, ou seja, o modo de construção das desigualdades sociais e étnico-racias no Brasil. • O sujeito poético começa por descrever uma princesa bela e frágil, dá-nos até uma ideia de perfeição. No entanto, todas estas caraterísticas têm um preço, pois eram necessários grandes esforços físicos exercidos pelos pobres escravos. • A sociedade deste tempo era uma sociedade esclavagista, na qual reinava o racismo.
  4. 4. A POSIÇÂO CRÍTICA DO SUJEITO POÉTICO • O sujeito poético crítica os privilégios dos nobres, consequentes do trabalho árduo dos escravos. Afirmando que esta situação é um esforço desperdiçado, já que é exercido unicamente para a princesa, referida como uma exilada sem destino.
  5. 5. RECURSOS EXPRESSIVOS • Metáfora: «… Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule …» vv.2, estr.1 • Serve para dar uma ideia de fragilidade, a princesa descrita tem pulsos finos. • Anáfora: «… Para que…» vv.1 a 4, estr.1 • Realça-nos a ideia de que todos os esforços eram unicamente para que a princesa fosse mais bela e perfeita.

×