Perspectiva
Cinematográfi
ca
Dirigido com competência por Christopher
Nolan, o filme inicia em ritmo alucinante
mostrando diversas ações paralelas que
...
A excelente fotografia azulada cria um
ambiente frio e assustador, além de
mergulhar os personagens em sombras
e escuridão...
Análise
Roteiro e Trama
Gotham parece mais segura agora que o Batman existe. Ele e o Tenente Gordon (Gary
Oldman) conseguiram o que queriam: os ba...
Enquanto isso, chega
um novo e diferente
criminoso na cidade, o
chamado… Coringa
(Heath Ledger).
A histórica atuação de Heath Leadger compôs
um personagem fascinante e temível. O Coringa
é alguém sem apego a dinheiro ou...
Um agente do caos cujo único intuito é provar que não
apenas as estruturas sociais podem ruir quando seus
ídolos são ferid...
“Eu não quero te matar. Você me completa. ”
“Quando o mundo acabar, essas tais pessoas civilizadas,
vão comer umas às outr...
“Às vezes, a verdade não é boa o bastante. Às
vezes, as pessoas merecem mais. Às vezes,
merecem ter toda a sua fé recompen...
“A loucura é como a gravidade, só precisa de um empurrãozinho.”
“O que não nos mata nos
torna mais estranhos” em
uma clara...
Dent acaba se tornando o
personagem símbolo da ideologia
do vilão, que tenta provar que
todos nós temos um lado mais
obscu...
Quando Harvey Dent se transforma no Duas-
Caras, o Coringa prova sua teoria: até o mais
são dos homens… pode virar um louc...
“A única moral em um
mundo cruel é uma chance
imprevisível e neutra.”.
Análise de Batman - O Cavaleiro das Trevas (Cine Qua Non)
Análise de Batman - O Cavaleiro das Trevas (Cine Qua Non)
Análise de Batman - O Cavaleiro das Trevas (Cine Qua Non)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise de Batman - O Cavaleiro das Trevas (Cine Qua Non)

1.137 visualizações

Publicada em

Slideshow de análise feita sobre o filme Batman - Cavaleiro das Trevas para o projeto Cine Qua Non promovido pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.137
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise de Batman - O Cavaleiro das Trevas (Cine Qua Non)

  1. 1. Perspectiva Cinematográfi ca
  2. 2. Dirigido com competência por Christopher Nolan, o filme inicia em ritmo alucinante mostrando diversas ações paralelas que formarão a base da narrativa. Nolan também é competente na criação de cenas plasticamente belas, como os travellings que sobrevoam as cidades e as empolgantes sequências de ação e perseguição. Além disso, o diretor utiliza interessantes movimentos de câmera, como podemos notar durante o diálogo entre Gordon, Dent e Batman no terraço.
  3. 3. A excelente fotografia azulada cria um ambiente frio e assustador, além de mergulhar os personagens em sombras e escuridão por diversas vezes, refletindo muito bem o sombrio universo do super-herói amargurado. O trabalho técnico do filme também é extremamente competente. Desde a trilha sonora típica de filmes de ação, pesada e com picos de volume para criar tensão, até os espetaculares trabalhos de som e efeitos sonoros, capazes de captar cada pequeno detalhe como o som do pescoço do Coringa estalando e da capa do Batman voando. Os efeitos especiais trabalham para ajudar o filme (e não se tornam a razão de ser dele), como podemos notar nos perfeitos ferimentos no rosto do Duas-Caras e nas maravilhosas sequências de ação.
  4. 4. Análise Roteiro e Trama
  5. 5. Gotham parece mais segura agora que o Batman existe. Ele e o Tenente Gordon (Gary Oldman) conseguiram o que queriam: os bandidos tem medo só de ver o bat-sinal nos céus. No entanto, ao mesmo tempo que há menos criminosos circulando, existem pessoas que se vestem como o homem-morcego querendo combater o crime como ele. Isso faz o protagonista parar pra pensar sobre o fato de ter dito que queria inspirar as pessoas… não era essa a ideia. Para piorar a situação dos criminosos de Gotham eis que temos a figura de Harvey Dent, promotor distrital que utiliza a sua imagem a serviço da justiça, usando todos os recursos que possui para colocar ordem na cidade. E graças ao seu empenho contra o crime, ele se transforma em celebridade.
  6. 6. Enquanto isso, chega um novo e diferente criminoso na cidade, o chamado… Coringa (Heath Ledger).
  7. 7. A histórica atuação de Heath Leadger compôs um personagem fascinante e temível. O Coringa é alguém sem apego a dinheiro ou regras, que tenta provar que no fundo de sua alma todo ser humano tem seu lado ruim e cruel. Sua intenção é provar que, quando colocadas em alguma situação de risco, as pessoas sempre tentarão salvar a própria pele, como fica evidente na cena dos barcos e em sua engraçada metáfora com os cães de um mafioso. “Introduza um pouco de anarquia. Perturbe a ordem vigente e então tudo se torna um caos. Eu sou um agente do caos. E sabe, a chave do caos é o medo!”
  8. 8. Um agente do caos cujo único intuito é provar que não apenas as estruturas sociais podem ruir quando seus ídolos são feridos, como também os valores humanos podem se destruídos a ponto de não restar nada além da loucura e da miséria. O objetivo central do Coringa é provar como todas as coisas que fazem sentido para nós podem ser destruídas com simples e tênues atos. A crítica evidenciada nos atos do vilão esboçam como os valores morais são relativos e servem apenas quando nos favorecem. Caso contrário, colocamos a moral de lado e nos servidos do banquete da crueldade.
  9. 9. “Eu não quero te matar. Você me completa. ” “Quando o mundo acabar, essas tais pessoas civilizadas, vão comer umas às outras.” “O único modo razoável de se viver neste mundo é sem regras!”
  10. 10. “Às vezes, a verdade não é boa o bastante. Às vezes, as pessoas merecem mais. Às vezes, merecem ter toda a sua fé recompensada.” Batman se prova irredutível às manobras do Coringa. Em um exemplo de estoicismo, o herói demonstra sua força de vontade ao firmar-se sobre suas convicções e valores, cujo desvencilhamento poderia conduzi-lo ao mesmo patamar que o Coringa.
  11. 11. “A loucura é como a gravidade, só precisa de um empurrãozinho.” “O que não nos mata nos torna mais estranhos” em uma clara referência à famosa frase do filósofo Fredrich Nietzsche: “O que não me mata me fortalece.”
  12. 12. Dent acaba se tornando o personagem símbolo da ideologia do vilão, que tenta provar que todos nós temos um lado mais obscuro. O momento da revelação de seu rosto é uma grande cena do filme. Interessante notar como a moeda utilizada por Dent se torna ainda mais simbólica após a tragédia que destruiu a vida do personagem, com o lado queimado passando a simbolizar a morte. Impressionante também é a comovente reação de Eckhart quando nota a moeda em seu leito.
  13. 13. Quando Harvey Dent se transforma no Duas- Caras, o Coringa prova sua teoria: até o mais são dos homens… pode virar um louco (referência óbvia a graphic novel A Piada Mortal).
  14. 14. “A única moral em um mundo cruel é uma chance imprevisível e neutra.”.

×