ÍNDICE
Página
1 _ Objeto 2
2 _ Objetivo 2
3 _ Domínio de aplicação 2
4 _ Aplicações gerais 2
4.1 _ Ensaios Dielétricos 2
4...
1- Objeto :
Estabelecer roteiros para execução de inspeção final acompanhada pelo Cliente em equipamentos
BT.
2- Objetivo ...
PROCEDIMENTOS DO SISTEMA DA QUALIDADE
• Antes, executar a medição da resistência de isolamento com megger de no mínimo 500...
Dimensional
De posse dos desenhos de vistas ou implantação, realizar:
• Verificação das cotas principais do equipamento: a...
• Verificar o funcionamento dos relés de tensão, se houverem, seja de mínima ou máxima
tensão;
• Injetar corrente variável...
• Alimentar o circuito do comando geral com a tensão correspondente e acionar os
dispositivos da manobra principal (disjun...
4.3.3 – Painéis Tipo Controle, Comando e Proteção e PLC
• Ensaio funcional destes tipos de equipamentos é realizado confor...
4.8 – Verificação da operação mecânica
• Verificar o funcionamento mecânico dos dispositivos de manobra, tais como disjunt...
- De 75% até 100% do valor especificado, crescendo na proporção de 2% do valor
total/segundo, conforme norma pertinente
• ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Montagem de painel procedimentos de qualidade

1.210 visualizações

Publicada em

montagem de painel eletrico

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.210
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Montagem de painel procedimentos de qualidade

  1. 1. ÍNDICE Página 1 _ Objeto 2 2 _ Objetivo 2 3 _ Domínio de aplicação 2 4 _ Aplicações gerais 2 4.1 _ Ensaios Dielétricos 2 4.2 _ Verificações Visuais 4 4.3 _ Ensaios Funcionais 5 4.3.1_ Painéis Tipo CCM 5 4.3.2_ Painéis Tipo QDI 6 4.3.3_ Painéis Tipo Controle, Comando, Proteção e PLC 8 4.4 _ Verificação da Espessura e Aderência da Pintura 8 4.5 _ Certificado de Inspeção Final 8 4.6 _ Etiqueta de Identificação da Situação da Inspeção 9 4.7 _ Métodos de Ensaios Elétricos na Inspeção Final 9 4.8 _ Verificação da Operação Mecânica 9 4.9 _ Ensaio de Tensão Suportável a Freqüência Industrial a Seco 9 4.9.1_ Circuitos Auxiliares 9 4.9.2_ Circuitos Principais 10
  2. 2. 1- Objeto : Estabelecer roteiros para execução de inspeção final acompanhada pelo Cliente em equipamentos BT. 2- Objetivo : Enumerar e padronizar as diversas etapas de execução dos ensaios de rotina na inspeção final acompanhada pelo Cliente . 3- Domínio de aplicação : Todos os equipamentos BT fabricados e montados na MECATEL PRODUTOS INDUSTRIAIS LTDA . 4- Disposições gerais As Instruções relacionadas a seguir estão em conformidade com as últimas revisões da Norma Brasileira NBR 60439-1 em seu capítulo B, itens 8.2.3; 8.2.5; 8.2.6; 8.2.7; 8.3; 8.3.1; 8.3.2 e 8.3.3 Os ensaios de rotina em equipamentos BT são realizados em quatro etapas: • Ensaios dielétricos, conforme NBR 60439-1itens 8.2.3 r 8.3.2; • Verificações visuais, conforme NBR 60439-1 itens 8.2.5; 8.2.6; 8.2.7; 8.3.1 e 8.3.3 • Ensaios funcionais, conforme NBR 60439-1 item 8.3.1; • Verificação de espessura e aderência da pintura, conforme NBR 11003 4.1 – Ensaios Dielétricos • Todos os bornes de comando e força, blocos de saída e barramentos devem estar fechados em curto circuito; • Equipamentos eletrônicos, tais como: anunciadores, relés. Conversores e módulos de PLC são desconectados e seus cabos curto circuitados.
  3. 3. PROCEDIMENTOS DO SISTEMA DA QUALIDADE • Antes, executar a medição da resistência de isolamento com megger de no mínimo 500vCC ( valor mínimo a ser encontrado é de 0,5ohm); • Se a tensão nominal ( Un ) do circuito de comando, medição e controle for diferente da tensão nominal (Un) do circuito de força ( principal ) os ensaios são feitos em separado; • A tensão a ser aplicada é conforme a tabela a seguir: CIRCUITO PRINCIPAL E CIRCUITO DE CONTROLE LIGADO DIRETAMENTE AO CIRCUITO PRINCIPAL Un ( V ) Até 60 De 60 a 300 De 300 a 660 De 660 a 800 De 800 a 1.000 De 1.000 a 1.500 (somente cc) Uap (V ) 1.000 2.000 2.500 3.000 3.500 3.500 CIRCUITO DE CONTROLE NÃO LIGADO AO CIRCUITO PRINCIPAL Un (V) Até 12 De 12 a 60 > 60 Uap (V) 250 500 2 Un + 1000 ( Mínimo 1500 ) • A tensão é mantida por um minuto e se não ocorrerem descargas disruptivas, o equipamento é considerado aprovado neste ensaio • Quando ocorrerem descargas, o defeito é sanado e o ensaio repetido, lembrando que este ensaio submete o dielétrico à esforços severos e que se aplicado várias vezes, apressa ou causa defeito, sendo portanto, discutível a sua repetição. 4.2 – Verificações Visuais Conferência de componentes De posse de todos os documentos referentes aos componentes montados no equipamento ( lista de materiais, desenhos de vistas ou implantação, etc.), realizar verificação quanto ao tipo, fabricante, quantidade, localização e identificação
  4. 4. Dimensional De posse dos desenhos de vistas ou implantação, realizar: • Verificação das cotas principais do equipamento: altura, largura, comprimento e cotas de flanges ( se houverem ); • Verificação das cotas dos furos e distância entre eles, em barramento de interligação. Gravações De posse da lista de gravações e desenhos de vistas, realizar: • Verificação de todas as etiquetas externas do equipamento quanto a inscrição correta, qualidade de gravação, dimensões e material de construção da etiqueta. PROCEDIMENTOS DO SISTEMA DA QUALIDADE De posse dos desenhos de vistas, notas gerais ( detalhes construtivos ) e esquema unifilar, verificar: • Dimensões e bitolas dos cabos e barras ( se houverem ); • Tratamento dado às barras : isolamento, prateação, estanhagem ou polimento ( se houverem); • Identificação por cores das barras ( se houverem); • Rigidez da fixação das barras ( se houverem ); • Distância de isolamento e escoamento entre fases e terra, conforme IEC 664 e 664a, para equipamentos BT; • Seguimento elétrico do barramento, conforme esquema unifilar ( se houver ); • Aterramento de portas e estruturas e rack’s do PLC; • Vedação das portas e tampas, conforme graus de proteção especificado; • Fechamento e acionamento das portas; • Cores e cabos conforme especificado; • Qualidade da conexão elétrica dos cabos; 4.3 – Ensaios funcionais ( verificação da fiação e da seqüência de funcionamento ) 4.3.1 – Painéis tipo CCM De posse dos diagramas elétricos unifilar e trifilar e esquemas funcionais: Circuito de Entrada • Alimentar o barramento de entrada com a tensão nominal, observando a correta seqüência das fases; • Observar a leitura das tensões das fases do voltímetro, acionando a comutadora do mesmo;
  5. 5. • Verificar o funcionamento dos relés de tensão, se houverem, seja de mínima ou máxima tensão; • Injetar corrente variável no;s terminais dos secundários dos TC’s de entrada e verificar funcionamento dos amperímetros, medidores e indicadores de potência, se houverem, e funcionamento das proteções contra sobrecorrente através de relés; • Ligar a seccionadora ou disjuntor de entrada e com isto energizar o barramento geral; • Caso o circuito de comando das gavetas seja alimentado por um único transformador; alimenta-lo ligando o disjuntor ou seccionadora correspondente e medir a tensão do secundário neste trafo, conferindo com a tensão nominal do circuito do ;comando das gavetas. Gavetas • Caso cada gaveta tenha seu próprio trafo de comando, liga-los individualmente, acionando a seccionadora ou disjuntor de entrada das gavetas; • Seguindo o esquema funcional das gavetas, energizar o(s) contator(es) principal(ais) e is relés auxiliares, se houverem; • Verificar o funcionamento das lâmpadas de sinalização de “ligado”e “desligado” (se houverem); • Desarmar mecanicamente o relé térmico e observar se o contator principal se desliga, se o circuito assim o permitir; • Rearmar o relé térmico, através de alavanca apropriada; • Com o contator principal energizado, medir a tensão nos bornes de saída da gaveta, verificando a seqüência das fases; • Verificar o funcionamento dos contatos auxiliares; • Verificar o funcionamento dos relés auxiliares e/ou relés de proteção (se houverem) • Verificar o funcionamento dos fim-de-cursos do rearme térmico e posição de teste (se houverem); • Verificar o funcionamento dos intertravamentos mecânicos de seccionadora e do disjuntor de entrada; • Extrair dada gaveta (nos casos de CCM com gavetas extraíveis), em sua posição de teste alimentando os bornes respectivos com a tensão externa e verificar o funcionamento da gaveta. 4.3.2 – Painéis Tipo QDI De posse dos diagramas elétricos unifilar e trifilar: • Alimentar o barramento de entrada com a tensão nominal, observando a correta seqüência das fases; • Observar a leitura das tensões no voltímetro, acionando a comutadora do mesmo; • Verificar o funcionamento dos relés de tensão, se houverem, seja de mínima ou máxima tensão; • Injetar corrente variável nos terminais dos secundários dos TP’s de entrada e verificar funcionamentos dos amperímetros, medidores e indicadores de potência e dos relés de proteção por sobrecorrente, se houverem;
  6. 6. • Alimentar o circuito do comando geral com a tensão correspondente e acionar os dispositivos da manobra principal (disjuntor ou seccionadora); Caso existam duas ou mais entradas, realizar as mesmas verificações em cada entrada. Sistema com seccionadoras: • Ligar e desligar a seccionadora geral, verificando o funcionamento da mesma e o bloqueio da porta na posição ligado (se houver); • Verificar o posicionamento dos contatos auxiliares e sinaleiros (se houverem); • Verificar o funcionamento dos bloqueios mecânicos (se houverem); Sistema com disjuntor: • Em conformidade com o esquema de comando, verificar o acionamento do disjuntor, manual e/ou eletricamente; • Se for o disjuntor com comando motorizado, ou com motor para carregar mola, verificar o funcionamento do mesmo; • “Verificar o funcionamento das lâmpadas de sinalização “ligado” e molas carregadas” (se houverem); • Verificar o funcionamento do botão “desliga emergência”, • Verificar o funcionamento dos bloqueios mecânicos (se houverem); • Se o disjuntor for extraível, verificar o funcionamento do mesmo na posição de teste; • Se houver mais de uma entrada de interligação, realizar as mesmas verificações descritas acima, e ainda: * verificar o bloqueio elétrico entre os disjuntores, conforme esquema, * verificar o funcionamento da transferência automática (se houver) Geral • Verificar o funcionamento dos disjuntores ou seccionadoras de saída, acionando-os e verificando a correta seqüência de fases nos bornes de saída; • Verificar o funcionamento dos circuitos de desumidificação e iluminação interna do equipamento (se houver).
  7. 7. 4.3.3 – Painéis Tipo Controle, Comando e Proteção e PLC • Ensaio funcional destes tipos de equipamentos é realizado conforme a necessidade do esquema elétrico, em função dos componentes elétricos existentes, que variam conforme cada projeto. • Ensaio em Plataforma do Sistema com PLC Após realizados os ensaios funcionais descritos acima, para os Painéis do PLC, são efetuados os testes de simulação. Quando não for possível o teste de simulação no painel PLC, os racks são retirados e montados na mesma configuração do caderno eletromecânico na Plataforma de Sistema de Automação. O programa aplicativo desenvolvido para o PLC pode conter rotinas de cálculos matemáticos, comunicação e tratamentos de entrada e saídas, conforme a necessidade de cada projeto, portanto, o ensaio em plataforma consiste em testar essas rotinas do programa, simulando os sinais e/ou seqüências de campo conforme a necessidade, de maneira a assegurar que o programa desenvolvido atenda a necessidade do Cliente. 4.4 – Verificação da espessura e a aderência da pintura A pintura será analisada sob dois aspectos: • Espessura da camada total de proteção com a utilização de um medidor de camada; Aderência da pintura a ser verificada em corpo da prova, conforme norma NBR 11003 4.5 – Certificado de Inspeção Final Após a execução dos ensaios, preencher e assinar o Certificado e Inspeção Final, conforme Instrução Operacional 004 10 006 9A. 4.6 – Etiqueta de identificação da situação de Inspeção Após preencher o CIF – Certificado de Inspeção Final, preencher o campo “INSPECIONADO” da etiqueta de situação do equipamento. 4.7 – Métodos de ensaios elétricos na inspeção final • Energizar o circuito de desumidificação, verificando a atuação dos termostatos, a tensão nos bornes dos resistores e o efetivo aquecimento dos mesmos; deixar o circuito de desumidificação energizado por pelo menos 5 minutos.
  8. 8. 4.8 – Verificação da operação mecânica • Verificar o funcionamento mecânico dos dispositivos de manobra, tais como disjuntores e seccionadoras, operando-os cinco vezes, observando se não ocorre alteração no esforço requerido para tal operação; • Inserir e extrair as gavetas e os dispositivos de manobra extraíveis por cinco vezes, observando se não ocorre a alteração no esforço requerido para tal operação ; • Verificar o funcionamento dos intertravamentos mecânicos que possam existir, observando se não ocorre alteração no esforço requerido para tal operação; repetir a operação por cinco vezes. 4.9 – Ensaio de tensão suportável a freqüência industrial a seco 4.9.1 – Circuitos auxiliares • Todos os circuitos auxiliares são submetidos ao ensaio entre as partes vivas e o invólucro(massa); • Interligar toda fiação para simplificação do ensaio; • São desconectados os cabos dos seguintes locais, antes de efetuar o ensaio: - Barras de terra - Equipamentos eletrônicos - Reatores de lâmpadas fluorescentes. • O valor da tensão do ensaio é 1500V/60Hz, durante 60 segundos; • Antes e depois de aplicar tensão, medir as resistências de isolamento dos circuitos com auxílio do megômetro. Os resultados deverão ser iguais ou maiores que 1.000 x volt da tensão dos circuitos, conforme normas pertinentes. • O ensaio é aprovado se durante sua execução não ocorrerem descargas disruptivas; • Após concluir o ensaio, deixar os painéis preparados para repetição do mesmo na presença do inspetor do Cliente, se houver inspeção com o mesmo. 4.9.2 – Circuitos Principais • Todos os circuitos principais são submetidos ao ensaio, aplicando-se a tensão em cada fase, estando as demais aterradas; • Fechar todos os equipamentos de manobra antes de aplicar a tensão de ensaio (disjuntores, contatores e chaves seccionadoras – exceto as de aterramento); • Desconectar dos circuitos principais os transformadores de potencial e força – o ensaio destes componentes é feito conforme normas pertinentes. Se não houver possibilidade de desconectá- lo, a tensão do ensaio é reduzida para 75% do valor da tensão indicada nas normas citadas acima; são também desconectados os pára-raios e capacitores, antes do início do ensaio. • Curto-circuitar e aterrar os secundários dos transformadores, antes de utilizar o megômetro, e aplicar a tensão de ensaio; • Os valores da tensão de ensaio estão indicados nas normas pertinentes; • Aplicar a tensão de ensaio da seguinte forma: - De 0a 75% do valor especificado, rapidamente
  9. 9. - De 75% até 100% do valor especificado, crescendo na proporção de 2% do valor total/segundo, conforme norma pertinente • Antes e depois de aplicar tensão, medir as resistências de isolamento com auxílio de megômetro; • O ensaio será considerado aprovado se durante sua execução não ocorrerem descargas disruptivas; • Deixar os painéis preparados para repetição do ensaio na presença do inspetor do Cliente, se houver inspeção com o mesmo.

×