FORTRAN 90 
PARA 
WINDOWS
2 
Sumário 
Capítulo 1. INTRODUÇÃO ..........................................................................................
3 
OBJETIVOS DO CAPÍTULO ....................................................................................................
4 
OBJETIVOS DO CAPÍTULO ....................................................................................................
5 
11.6 EXERCÍCIOS ..........................................................................................................
6 
16.1 programa16a.f90 .....................................................................................................
7 
Capítulo 1. INTRODUÇÃO 
OBJETIVOS DO CAPÍTULO 
• Conceitos de: linguagem de programação, FORTRAN, projeto, programa-fon...
8 
1.3 FORTRAN 
Existe uma infinidade de linguagens de programação, por exemplo, Assembly, Cobol, Visual Basic, Pascal, Ja...
9 
1.5 INICIALIZAÇÃO DO APLICATIVO FORTRAN POWERSTATION 4.0 
Para seguir este texto, não é necessário nenhum conhecimento ...
1 
Figura 1.2 Janela principal do aplicativo Fortran PowerStation 4.0. 
1) Na barra em azul, o ícone do Fortran e o título...
1 
1.6 CRIAÇÃO DE UM PROJETO DO TIPO CONSOLE APPLICATION 
O Fortran organiza todos os arquivos de um programa numa entidad...
1 
Figura 1.4 Segundo passo na criação de um projeto no Fortran. 
Figura 1.5 Janela para definição do tipo, diretório e no...
1 
seguida, deve-se clicar sobre o botão Create. Após isso, o Fortran criará um diretório com o nome 
do projeto indicado,...
Capítulo 1. Introdução 14 
Figura 1.9 Fortran com o nome do diretório criado para o projeto especificado. 
1.7 CRIAÇÃO E I...
Capítulo 1. Introdução 15 
b) Clicar sobre o botão OK 
Figura 1.10 Início da criação do programa-fonte. 
Figura 1.11 Janel...
Capítulo 1. Introdução 16 
6) Na janela Microsoft Developer Studio, mostrada na Figura 1.14, clicar sobre o botão Yes 
7) ...
Capítulo 1. Introdução 17 
Figura 1.15 Fortran pronto para edição do programa-fonte. 
1.8 EDIÇÃO DO PROGRAMA-FONTE 
Após a...
Capítulo 1. Introdução 18 
a) Dentro do editor de textos do Fortran, os comandos da linguagem FORTRAN são mostrados na cor...
Capítulo 1. Introdução 19 
(escrito na linguagem dos computadores, usando apenas os algarismos zero-0 e um-1). Uma linguag...
Capítulo 1. Introdução 20 
seguinte no Windows: Start, Programs, Windows NT Explorer. Depois, deve-se acessar o diretório ...
Capítulo 1. Introdução 21 
1) A primeira informa que o Fortran está gerando o programa-executável, processo chamado de lin...
Capítulo 1. Introdução 22 
2) No título desta janela, com fundo em azul, aparece o nome do programa que está sendo executa...
Capítulo 1. Introdução 23 
1.13 EXERÍCIOS 
Exercício 1.1 
1) Editar um programa-fonte em FORTRAN para escrever a data atua...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 24 
Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO 
OBJETIVOS DO CAPÍTULO 
• Conceitos de: va...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 25 
inteiro. 
c) A linha WRITE(*,*) "A" escreve o comentário que está entre aspas; n...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 26 
Figura 2.2 Resultado da execução do programa02.f90, versão A. 
2.2 programa02.f9...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 27 
do FORTRAN são utilizados de forma incorreta. Na subjanela inferior do Fortran, ...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 28 
END 
2) Comentários sobre o programa: a diferença básica entre a versão anterior...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 29 
5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, o resultado é o mesmo m...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 30 
Figura 2.6 Programa02.f90, versão E. 
2.6 programa03.f90, versão A 
Para inicial...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 31 
E = A * B F = A / B 
G = A ** B 
WRITE(*,*) "A = ", A WRITE(*,*) "B = ", B WRITE...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 32 
h) A linha G = A ** B eleva o valor da variável A ao valor da variável B e atrib...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 33 
11)Atribuir valores às variáveis dentro do próprio programa-fonte não é recomend...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 34 
c) A linha WRITE(*,*) "Entre com o valor de A" escreve o comentário que está ent...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 35 
divisão por zero. Isso pode ser feito através de comentários que informem ao usu...
Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 36 
2) Compilar o programa-fonte 
3) Gerar o programa-executável 
4) Executar o prog...
Capítulo 3. Variáveis do tipo real 37 
Capítulo 3. VARIÁVEIS DO TIPO REAL 
OBJETIVOS DO CAPÍTULO
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Fortran90 index
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fortran90 index

256 visualizações

Publicada em

Apostila de Fortran 90

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fortran90 index

  1. 1. FORTRAN 90 PARA WINDOWS
  2. 2. 2 Sumário Capítulo 1. INTRODUÇÃO ................................................................................................................................................. 7 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ............................................................................................................................................. 7 1.1 USO DESTE TEXTO EM DISCIPLINAS .................................................................................................................... 7 1.2 BIBLIOGRAFIA ..................................................................................................................................................... 7 1.3 FORTRAN ............................................................................................................................................................. 8 1.4 CONVENÇÕES ...................................................................................................................................................... 8 1.5 INICIALIZAÇÃO DO APLICATIVO FORTRAN POWERSTATION 4.0 ........................................................................ 9 1.6 CRIAÇÃO DE UM PROJETO DO TIPO CONSOLE APPLICATION .......................................................................... 11 1.7 CRIAÇÃO E INSERÇÃO DO PROGRAMA-FONTE DENTRO DO PROJETO ............................................................ 14 1.8 EDIÇÃO DO PROGRAMA-FONTE ....................................................................................................................... 17 1.9 COMPILAÇÃO E GERAÇÃO DO PROGRAMA-OBJETO ........................................................................................ 18 1.10 GERAÇÃO DO PROGRAMA-EXECUTÁVEL ........................................................................................................ 20 1.11 EXECUÇÃO DO PROGRAMA ............................................................................................................................ 21 1.12 FIM DA SESSÃO ............................................................................................................................................... 22 1.13 EXERÍCIOS ....................................................................................................................................................... 23 Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO ........................................................................................................................ 24 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 24 2.1 programa02.f90, versão A ................................................................................................................................ 24 2.2 programa02.f90, versão B ................................................................................................................................ 26 2.3 programa02.f90, versão C ................................................................................................................................ 27 2.4 programa02.f90, versão D ................................................................................................................................ 28 2.5 programa02.f90, versão E ................................................................................................................................. 29 2.6 programa03.f90, versão A ................................................................................................................................ 30 2.7 programa03.f90, versão B ................................................................................................................................ 33 2.8 FIM DA SESSÃO ................................................................................................................................................. 35 2.9 EXERÍCIOS ......................................................................................................................................................... 35 Capítulo 3. VARIÁVEIS DO TIPO REAL ............................................................................................................................. 37
  3. 3. 3 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 37 3.1 programa03c.f90 .............................................................................................................................................. 37 3.2 programa03d.f90 .............................................................................................................................................. 40 3.3 programa03e.f90 .............................................................................................................................................. 41 3.4 ESCALA DE PRIORIDADES ENTRE OS OPERADORES MATEMÁTICOS ................................................................ 43 3.5 programa03f.f90 ............................................................................................................................................... 45 3.6 EXERCÍCIOS ....................................................................................................................................................... 48 Capítulo 4. VARIÁVEIS DO TIPO CARACTER .................................................................................................................... 50 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 50 4.1 programa4a.f90 ................................................................................................................................................ 50 4.2 programa4b.f90 ................................................................................................................................................ 53 4.3 programa4c.f90 ................................................................................................................................................ 54 4.4 programa4d.f90 ................................................................................................................................................ 56 4.5 EXERCÍCIO ......................................................................................................................................................... 54 Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS ................................................................................. 55 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 55 5.1 programa5a.f90 ................................................................................................................................................ 55 5.2 programa5b.f90 ................................................................................................................................................ 57 5.3 programa5c.f90 ................................................................................................................................................ 60 5.4 programa5d.f90 ................................................................................................................................................ 62 5.5 EXERCÍCIOS ....................................................................................................................................................... 66 Capítulo 6. FORMATOS DE EDIÇÃO ................................................................................................................................ 68 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 68 6.1 FORMATOS DE EDIÇÃO PARA VARIÁVEIS DO TIPO CARACTER: programa6a.f90............................................. 68 6.2 FORMATOS DE EDIÇÃO PARA VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO: programa6b.f90 ................................................ 73 6.3 FORMATOS DE EDIÇÃO PARA VARIÁVEIS DO TIPO REAL: programa6c.f90 ...................................................... 76 6.4 RESUMO DE REGRAS GERAIS DE EDIÇÃO DE PROGRAMAS EM FORTRAN ....................................................... 80 6.5 SEQÜÊNCIA OBRIGATÓRIA DE COMANDOS EM FORTRAN............................................................................... 81 6.6 EXERCÍCIOS ....................................................................................................................................................... 81 Capítulo 7. DECISÕES E OPÇÕES ..................................................................................................................................... 83
  4. 4. 4 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ........................................................................................................................................... 83 7.1 programa7a.f90 ................................................................................................................................................ 83 7.2 programa7b.f90 ................................................................................................................................................ 86 7.3 programa7c.f90 ................................................................................................................................................ 89 7.4 EXERCÍCIOS ....................................................................................................................................................... 92 Capítulo 8. CICLOS .......................................................................................................................................................... 94 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ....................................................................................................................................... 94 8.1 programa8a.f90 ................................................................................................................................................ 94 8.2 programa8b.f90 ................................................................................................................................................ 95 8.3 programa8c.f90 ................................................................................................................................................ 99 8.4 EXERCÍCIOS ..................................................................................................................................................... 102 Capítulo 9. CONJUNTOS ................................................................................................................................................ 104 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 104 9.1 programa9a.f90 .............................................................................................................................................. 104 9.2 programa9b.f90 .............................................................................................................................................. 108 9.3 programa9c.f90 .............................................................................................................................................. 110 9.4 programa9d.f90 .............................................................................................................................................. 113 9.5 EXERCÍCIOS ..................................................................................................................................................... 115 Capítulo 10. MATRIZES ................................................................................................................................................. 117 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 117 10.1 programa10a.f90 .......................................................................................................................................... 117 10.2 programa10b.f90 .......................................................................................................................................... 122 10.3 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 128 Capítulo 11. GRÁFICOS COM WGNUPLOT .................................................................................................................... 130 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 130 11.1 INSERÇÃO DO APLICATIVO WGNUPLOT NUM PROJETO .............................................................................. 130 11.2 UTILIZAÇÃO BÁSICA DO WGNUPLOT ............................................................................................................ 130 11.3 UTILIZAÇÃO DO WGNUPLOT PARA FAZER GRÁFICO DE UM ARQUIVO DE DADOS ...................................... 133 11.4 UTILIZAÇÃO DO WGNUPLOT COM ARQUIVO DE COMANDOS ..................................................................... 136 11.5 programa11.f90 ............................................................................................................................................ 137
  5. 5. 5 11.6 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 140 Capítulo 12. SUB-ROTINAS ............................................................................................................................................ 141 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 141 12.1 programa12a ................................................................................................................................................ 141 12.2 programa12b ................................................................................................................................................ 145 12.3 programa12c ................................................................................................................................................. 148 12.4 programa12d ................................................................................................................................................ 150 12.5 EXERCÍCIO ..................................................................................................................................................... 153 Capítulo 13. VARIÁVEIS DO TIPO REAL DUPLA ............................................................................................................. 154 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 154 13.1 programa13a.f90 .......................................................................................................................................... 154 13.3 programa13c.f90 .......................................................................................................................................... 158 13.4 programa13d.f90 .......................................................................................................................................... 160 13.5 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 163 Capítulo 14. ARQUIVOS DE SAÍDA, DE ENTRADA E INTERNOS ..................................................................................... 165 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 165 14.1 programa14a.f90 .......................................................................................................................................... 165 14.2 programa14b.f90 .......................................................................................................................................... 166 14.3 programa14c.f90 .......................................................................................................................................... 169 14.4 programa14d.f90 .......................................................................................................................................... 170 14.5 programa14e.f90 .......................................................................................................................................... 174 14.6 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 176 Capítulo 15. INICIALIZAÇÃO, TEMPO DE CPU E DOS .................................................................................................... 178 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 178 15.1 programa15a.f90 .......................................................................................................................................... 178 15.2 programa15b.f90 .......................................................................................................................................... 180 15.3 programa15c.f90 .......................................................................................................................................... 185 15.4 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 189 Capítulo 16. MEMÓRIA E SUB-ROTINAS 2 .................................................................................................................... 191 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 191
  6. 6. 6 16.1 programa16a.f90 .......................................................................................................................................... 191 16.2 programa16b.f90 .......................................................................................................................................... 197 16.3 programa16c.f90 .......................................................................................................................................... 199 16.4 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 204 Capítulo 17. MÓDULOS ................................................................................................................................................. 206 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ..................................................................................................................................... 206 17.1 programa17a.f90 .......................................................................................................................................... 206 17.2 programa17b.f90 .......................................................................................................................................... 209 17.3 programa17c.f90 .......................................................................................................................................... 212 17.4 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 213 Capítulo 18. SOLUÇÃO DE SÉRIES E RAÍZES DE EQUAÇÕES .......................................................................................... 212 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 212 18.1 programa18a.f90 .......................................................................................................................................... 212 18.2 programa18b.f90 .......................................................................................................................................... 218 18.3 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 223 Capítulo 19. DERIVADAS E INTEGRAIS NUMÉRICAS ..................................................................................................... 226 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 226 19.2 programa19b.f90 .......................................................................................................................................... 234 19.3 EXERCÍCIOS ................................................................................................................................................... 241 Capítulo 20. SOLUÇÃO DE SISTEMAS DE EQUAÇÕES.................................................................................................... 243 OBJETIVOS DO CAPÍTULO ......................................................................................................................................... 243 20.1 programa20a.f90 .......................................................................................................................................... 243 20.2 EXERCÍCIOS ....................................................................................................................................................... 261 Procedimento: CRIAR PROJETO DO TIPO CONSOLE APPLICATION ............................................................................... 264 Procedimento: FIM DE SESSÃO .................................................................................................................................... 265 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ..................................................................................................................................... 266
  7. 7. 7 Capítulo 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO CAPÍTULO • Conceitos de: linguagem de programação, FORTRAN, projeto, programa-fonte, programa-objeto, programa-executável, compilação, comando • Procedimentos básicos para programar em linguagem FORTRAN • Comandos do FORTRAN: WRITE e END 1.1 USO DESTE TEXTO EM DISCIPLINAS O objetivo deste texto é ensinar a implementar programas com a linguagem FORTRAN 95 e, implicitamente, a desenvolver algoritmos para resolver problemas básicos de matemática e física. Os capítulos 1 a 13 deste texto são recomendados para disciplinas introdutórias de programação em cursos de engenharia. Já os capítulos 14 a 20 podem ser usados em cursos avançados de programação em nível de graduação. Cada capítulo foi estruturado para ser lecionado em aulas com duração de duas horas. Uma disciplina de 30 horas vem sendo ministrada no primeiro período semestral do curso de graduação em engenharia mecânica da Universidade Federal do Paraná. Esta disciplina envolve os capítulos 1 a 13 mais duas provas. Outra disciplina, envolvendo os capítulos 1 a 20, com 45 horas, está prevista para ser lecionada em nível de pós-graduação. 1.2 BIBLIOGRAFIA Não é objetivo deste texto entrar em detalhes sobre hardware e software de computadores. Aos interessados nestes aspectos recomenda-se o livro de Ramalho (2000), que é adotado neste texto como referência para termos técnicos de informática em português. Dois textos recomendados sobre algoritmos são o livro de Forbellone e Eberspacher (2000) e a apostila de Moraes (2000). O material apresentado aqui é baseado no livro de Adams et al. (1997), que se constitui num manual completo sobre a linguagem FORTRAN 95, padronizada pelas organizações ISO (International Standadrs Organization) e ANSI (American National Standards Institute).
  8. 8. 8 1.3 FORTRAN Existe uma infinidade de linguagens de programação, por exemplo, Assembly, Cobol, Visual Basic, Pascal, Java, C++ etc (Ramalho, 2000, p. 114 e 124-30). Elas são usadas para criar os programas, também denominados de softwares ou aplicativos, que são empregados nos computadores. A utilidade das linguagens de programação pode ser percebida ao se lembrar para que são usados, por exemplo: os sistemas operacionais Windows, Unix e Linux; os aplicativos Word, Excel, PowerPoint, FrontPage, CorelDraw, Origin e Acrobat; os navegadores da internet Netscape e Explorer; e os programas dos caixas automáticos dos bancos. A linguagem FORTRAN, contração de FORmula TRANslation (Tradução de Fórmulas), ainda é a principal linguagem de programação usada em engenharia e aplicações científicas (Adams, 2000, p. 1). Foi criada em 1954. Sua primeira versão comercial surgiu em 1957. As versões do FORTRAN padronizadas pela ANSI e ISO são: 1) Ano 1966 = FORTRAN 66 2) Ano 1978 = FORTRAN 77 3) Ano 1992 = FORTRAN 90 4) Ano 1997 = FORTRAN 95 1.4 CONVENÇÕES Para melhor entendimento deste texto, as seguintes convenções são adotadas: 1) São mostrados na cor azul links para endereços de sites da internet ou para arquivos que definem termos e procedimentos importantes para este texto. 2) Comandos de programas ou aplicativos que devem ser executados ao longo do texto são mostrados em negrito. A vírgula é usada para separar uma seqüência de comandos. 3) São apresentados na cor vermelha: os programas, seus dados (entradas) e seus resultados (saídas). 4) Qualquer referência ao sistema operacional Windows NT 4.0 é abreviado para Windows. 5) Qualquer referência ao aplicativo Fortran PowerStation 4.0, da Microsoft, é abreviado para Fortran. 6) Qualquer referência à linguagem FORTRAN é abreviado para FORTRAN, tudo em maiúsculo para distinguir do aplicativo Fortran PowerStation 4.0. 7) Devido à grande quantidade de termos em inglês, não é feito qualquer distinção para palavras em português. 8) Comandos, isto é, palavras-chave da linguagem FORTRAN são apresentados em letras maiúsculas.
  9. 9. 9 1.5 INICIALIZAÇÃO DO APLICATIVO FORTRAN POWERSTATION 4.0 Para seguir este texto, não é necessário nenhum conhecimento anterior sobre linguagem de programação. É necessário apenas ter conhecimentos básicos sobre o sistema operacional Windows NT 4.0 ou versões mais recentes. Todos os programas em FORTRAN apresentados neste texto foram editados e compilados com o aplicativo Fortran PowerStation 4.0, da Microsoft. Além de seus manuais, este aplicativo contém o livro de Hahn (1994) sobre FORTRAN 90 e o item Reference onde são descritos todos os comandos do FORTRAN, incluindo exemplos. Conforme é mostrado na Figura 1.1, para iniciar o uso deste aplicativo, deve-se executar no Windows: Start, Programs, Fortran PowerStation 4.0, Microsoft Developer Studio. Para facilitar a edição dos programas, recomenda-se maximizar a janela principal do Fortran, clicando sobre o ícone central que fica no canto superior direito. Fazendo isso, o aspecto do Fortran deverá ser semelhante àquele mostrado na Figura 1.2. Figura 1.1 Inicialização do aplicativo Fortran PowerStation 4.0. Na janela principal do Fortran, mostrada na Figura 1.2, pode-se perceber:
  10. 10. 1 Figura 1.2 Janela principal do aplicativo Fortran PowerStation 4.0. 1) Na barra em azul, o ícone do Fortran e o título da janela principal: Microsoft Developer Studio. 2) Abaixo da barra em azul, o menu do Fortran, ou seja, as opções existentes para usar este aplicativo, que são: File, Edit, View, Insert, Build, Tools, Window e Help. 3) A janela principal do Fortran é dividida em três partes ou subjanelas. Se não estiver aparecendo a subjanela inferior, mostrada na Figura 1.2, deve-se executar: View, Output. 4) Na subjanela do lado esquerdo, tem-se o diretório principal dos manuais do Fortran, destacando-se: Reference, que é uma lista de comandos do FORTRAN 90, incluindo explicações e exemplos de uso; e Fortran 90 for Scientists and Engineers, que é um livro sobre a linguagem FORTRAN 90. Esta subjanela também é usada para mostrar os nomes dos programas editados na linguagem FORTRAN. Quando um programa estiver sendo editado, para acessar os manuais, deve-se clicar sobre a opção ? InfoView, mostrada na Figura 1.2, que fica na parte inferior da subjanela do lado esquerdo. E para voltar ao programa que está sendo editado, basta clicar sobre a opção FileView. 5) Na subjanela inferior são apresentadas informações sobre erros de programação e compilação. Detalhes serão vistos no capítulo 2. 6) A subjanela do lado direito, a maior das três, é usada para: apresentar o conteúdo dos manuais e para a edição de programas em FORTRAN.
  11. 11. 1 1.6 CRIAÇÃO DE UM PROJETO DO TIPO CONSOLE APPLICATION O Fortran organiza todos os arquivos de um programa numa entidade chamada projeto. Em termos práticos, a criação de um projeto resulta na criação de uma pasta ou diretório dentro do Windows. Existem diversos tipos de projetos que podem ser criados com o Fortran. A escolha do tipo depende da finalidade do programa e dos recursos do Windows que se deseja empregar. No caso deste texto, em sua parte básica, que compreende os capítulos 1 a 13, são empregados apenas projetos do tipo Console Application. E na parte avançada, que corresponde aos capítulos 14 a 20, são usados projetos do tipo QuickWin Application, que permite utilizar diversos recursos do Windows. Para criar um projeto do tipo Console Application, devem ser executados os seguintes passos: 1) No menu do Fortran, conforme é mostrado na Figura 1.3: File, New. Figura 1.3 Início da criação de um projeto no Fortran. 2) Na janela New, mostrada na Figura 1.4, clicar sobre a opção Project Workspace. Depois, clicar sobre o botão OK. 3) Na janela New Project Workspace, mostrada na Figura 1.5, é necessário executar o que segue:
  12. 12. 1 Figura 1.4 Segundo passo na criação de um projeto no Fortran. Figura 1.5 Janela para definição do tipo, diretório e nome do projeto. a) Entre os seis tipos de projetos apresentados na opção Type, clicar sobre Console Application no caso deste tipo de projeto não estar selecionado (realçado em azul). b) Na opção Location estará indicado um diretório (pasta) default, ou seja, um diretório escolhido pelo próprio Fortran em função de sua configuração atual. É possível que não seja o diretório desejado. Neste caso, deve-se clicar sobre o botão Browse para indicar o diretório onde se quer criar o projeto. Ao se fazer isso, surgirá a janela Choose Directory mostrada na Figura 1.6, na qual deve-se executar: • Na opção Drives, clicando sobre o triângulo invertido, escolher C: • Na opção Directory name, digitar C:MSDEVProjects, conforme é mostrado na Figura 1.7. • Clicar sobre o botão OK. c) Estará de volta a janela New Project Workspace, mostrada na Figura 1.5. Clicar dentro do espaço de edição da opção Name. Escrever o nome do projeto, por exemplo, programa01. Depois disso, a janela New Project Workspace deverá ficar conforme a Figura 1.8. Deve-se perceber que o nome do projeto, digitado na opção Name, aparece automaticamente na opção Location. Em
  13. 13. 1 seguida, deve-se clicar sobre o botão Create. Após isso, o Fortran criará um diretório com o nome do projeto indicado, dentro do diretório já selecionado, conforme é mostrado na Figura 1.9. Figura 1.6 Definição do drive do projeto. Figura 1.7 Definição do diretório para criação do projeto. Figura 1.8 Tipo, nome e diretório do projeto já definidos.
  14. 14. Capítulo 1. Introdução 14 Figura 1.9 Fortran com o nome do diretório criado para o projeto especificado. 1.7 CRIAÇÃO E INSERÇÃO DO PROGRAMA-FONTE DENTRO DO PROJETO O processo de edição ou criação de um programa é semelhante à redação de uma carta com o aplicativo Word, que é um editor de textos. São necessários dois componentes: um editor de textos para escrever o programa computacional e um arquivo para guardar o texto no hard disk (HD) do computador. No caso dos programas computacionais, a carta é chamada de programa-fonte e pode ser aberta, editada ou redigida dentro do Fortran ou em qualquer outro editor de textos. Ao longo deste texto, as palavras edição, digitação e implementação serão usadas como sinônimos. Para iniciar a edição ou escrita de um programa-fonte em linguagem FORTRAN é necessário criar e inserir um arquivo dentro do projeto. Isso é feito através dos seguintes passos: 1) No menu do Fortran, conforme é mostrado na Figura 1.10, executar: Insert, Files into Project 2) Na janela Insert Files into Project, mostrada na Figura 1.11, executar o seguinte: a) Na opção File Name, digitar o nome do programa-fonte a ser criado; por exemplo, como mostrado na Figura 1.12, programa01.f90 Sempre deve-se usar f90 como extensão dos nomes dos arquivos do tipo programa-fonte. Ele indica que o programa está ou será escrito na linguagem FORTRAN 90 ou 95.
  15. 15. Capítulo 1. Introdução 15 b) Clicar sobre o botão OK Figura 1.10 Início da criação do programa-fonte. Figura 1.11 Janela para definição do nome do programa-fonte a inserir no projeto. 3) Na janela Microsoft Developer Studio, mostrada na Figura 1.13, clicar sobre o botão Yes 4) Na subjanela do lado esquerdo do Fortran, clicar sobre o sinal + ao lado do nome do projeto; deverá aparecer o nome do programa-fonte que foi inserido no projeto; no caso, programa01.f90 5) Clicar rapidamente duas vezes sobre o nome do programa-fonte que foi inserido
  16. 16. Capítulo 1. Introdução 16 6) Na janela Microsoft Developer Studio, mostrada na Figura 1.14, clicar sobre o botão Yes 7) O programa-fonte inserido no projeto já está pronto para ser editado na subjanela do lado direito do Fortran, conforme mostrado na Figura 1.15. Figura 1.12 Nome do programa-fonte já definido. Figura 1.13. Figura 1.14.
  17. 17. Capítulo 1. Introdução 17 Figura 1.15 Fortran pronto para edição do programa-fonte. 1.8 EDIÇÃO DO PROGRAMA-FONTE Após a criação e inserção do programa-fonte dentro do projeto, o Fortran está pronto para ser usado na edição do programa-fonte, conforme mostrado na Figura 1.15. Um exemplo de edição de programa-fonte é apresentado a seguir. 1) Dentro do espaço de edição do Fortran, na subjanela maior, copiar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho (para aparecerem as aspas, deve-se clicar sobre a tecla delas e, em seguida, clicar sobre a tecla de espaço em branco). WRITE(*,*) "Meu primeiro programa em FORTRAN" WRITE(*,*) "Ano 2004" END 2) Para gravar ou salvar este texto, no menu do Fortran, executar: File, Save. Em seguida, na extremidade inferior da janela principal do Fortran, surgirá uma mensagem informando o diretório e o nome do programa-fonte que foi gravado ou salvo, como mostrado na Figura 1.16. 3) Comentários sobre este programa:
  18. 18. Capítulo 1. Introdução 18 a) Dentro do editor de textos do Fortran, os comandos da linguagem FORTRAN são mostrados na cor azul, conforme pode ser visto na Figura 1.16. E o que é criado ou definido pelo programador é mostrado na cor preta. Comandos são palavras-chave que têm uma função específica e devem ser usados exatamente de acordo com suas normas. b) Existem dezenas de comandos na linguagem FORTRAN. No caso do primeiro programa-fonte, mostrado na Figura 1.16, são usados apenas dois comandos: WRITE e END. c) Como será visto após a execução deste programa, ele simplesmente irá mostrar numa janela duas linhas de texto: na primeira, Meu primeiro programa em Fortran; e, na segunda, Ano 2004. Isso é conseguido com o comando WRITE. Qualquer texto colocado entre aspas após o comando WRITE(*,*) é escrito numa janela. d) O comando END é necessário para indicar o fim do programa. Figura 1.16 Programa-fonte escrito na linguagem FORTRAN. 1.9 COMPILAÇÃO E GERAÇÃO DO PROGRAMA-OBJETO Após concluir a edição de um programa-fonte, ele deve ser compilado. O processo de compilação traduz o programa-fonte (que é um arquivo do tipo texto, isto é, que as pessoas conseguem ler naturalmente, como o programa01.f90) no chamado programa-objeto, que é um arquivo do tipo binário
  19. 19. Capítulo 1. Introdução 19 (escrito na linguagem dos computadores, usando apenas os algarismos zero-0 e um-1). Uma linguagem de programação de alto nível (Ramalho, 2000) como o FORTRAN se constitui numa forma “amigável” ou relativamente fácil de se escrever programas. O aplicativo Fortran PowerStation 4.0, além do editor de programas, também tem junto um compilador de programas. Para compilar um programa-fonte que está aberto no editor de textos do Fortran, deve-se executar o seguinte no menu do Fortran: Build, Compile Após a compilação, conforme é mostrado na Figura 1.17, aparecerão três linhas com mensagens na subjanela da parte inferior do Fortran: 1) A primeira informa que o Fortran está compilando (Compiling) o programa-fonte. 2) A segunda informa o nome e o diretório do programa-fonte que está sendo compilado. 3) Finalmente, a terceira informa o nome do programa-objeto (no caso, programa01.obj) que foi gerado e o número de erros (errors) e de avisos (warnings) relativos ao programa-fonte compilado. Se houver algum erro, o programa-objeto não é gerado. Avisos não impedem a geração do programa-objeto. O nome do programa-objeto é igual ao nome do programa-fonte mas com extensão obj Figura 1.17 Compilação do programa-fonte. A compilação cria automaticamente um subdiretório chamado Debug dentro do diretório do projeto. Dentro deste subdiretório é que se encontra o programa-objeto bem como outros arquivos auxiliares. Pode-se ver isso com o aplicativo Windows NT Explorer, que é acessado executando o
  20. 20. Capítulo 1. Introdução 20 seguinte no Windows: Start, Programs, Windows NT Explorer. Depois, deve-se acessar o diretório do projeto, que deve estar dentro do diretório C:MsdevProjects 1.10 GERAÇÃO DO PROGRAMA-EXECUTÁVEL Após o processo de compilação, é necessário gerar o programa-executável, que é um arquivo possível de ser executado ou “rodado” pelo computador, como qualquer outro programa ou aplicativo; por exemplo, os aplicativos Word, Excel, PowerPoint, FrontPage, CorelDraw, Acrobat, e o navegador Internet Explorer. O programa-executável resulta da união do programa-objeto, que foi gerado na compilação do programa-fonte, com outros programas-objeto da própria linguagem FORTRAN, que contêm a tradução dos comandos do FORTRAN, como o WRITE e END usados no primeiro programa- fonte (Figura 1.17). Para gerar o programa-executável, deve-se fazer o seguinte no menu do Fortran: Build, Build. Em seguida, conforme é mostrado na Figura 1.18, aparecerão duas linhas com mensagens na subjanela da parte inferior do Fortran: Figura 1.18 Geração do programa-executável.
  21. 21. Capítulo 1. Introdução 21 1) A primeira informa que o Fortran está gerando o programa-executável, processo chamado de lincagem (linking). 2) A segunda informa o nome do programa-executável (no caso, programa01.exe) que foi gerado e o número de erros (errors) e de avisos (warnings) relacionados a ele. O nome do programa-executável é igual ao nome do projeto mas com extensão exe O programa-executável é gravado automaticamente dentro do subdiretório Debug, que fica dentro do diretório do projeto, além de outros arquivos auxiliares. Isso pode ser visto com o aplicativo Windows NT Explorer, como mostrado na Figura 1.19. Note nesta figura que no Windows NT Explorer a extensão ou Type do programa-executável aparece como Application. Figura 1.19 Diretório do projeto programa01 e seu subdiretório Debug. 1.11 EXECUÇÃO DO PROGRAMA Após gerar o programa-executável, para executá-lo ou “rodá-lo”, isto é, para colocá-lo em funcionamento, basta fazer o seguinte no menu do Fortran: Build, Execute. Como resultado deste comando, deve ocorrer o seguinte: 1) Aparecer uma janela do tipo DOS, conforme a Figura 1.20. Isso ocorre porque na seção 1.6 foi criado um projeto do tipo Console Application.
  22. 22. Capítulo 1. Introdução 22 2) No título desta janela, com fundo em azul, aparece o nome do programa que está sendo executado e o diretório no qual ele se encontra, no caso C:MSDEVProjectsprograma01Debugprograma01.exe 3) Dentro desta janela, com fundo em preto, aparece o resultado da execução do programa. No caso, as frases Meu primeiro programa em Fortran e Ano 2004. A ordem das duas frases é a mesma em que elas foram colocadas no programa-fonte. Isso ocorre, porque o programa é executado do topo para baixo, linha por linha do programa-fonte. 4) Além disso, também aparece a frase Press any key to continue. Como diz este aviso, basta clicar em qualquer tecla para continuar. Ao fazer isso, a execução do programa é encerrada. Figura 1.20 Resultado da execução do programa01. 1.12 FIM DA SESSÃO Para concluir o uso do Fortran e do Windows, deve-se executar o seguinte: 1) Para encerrar as atividades com um projeto, basta executar no menu do Fortran: File, Close Workspace 2) Na janela Microsoft Developer Studio, clicar sobre o botão Yes 3) Para fechar o aplicativo Fortran, basta fazer o seguinte em seu menu: File, Exit 4) Para fechar o Windows, executar: Start, Shut Down… 5) Na janela Shut Down Windows, escolher a opção Close all programs and log on as a different user?. Clicar sobre o botão Yes
  23. 23. Capítulo 1. Introdução 23 1.13 EXERÍCIOS Exercício 1.1 1) Editar um programa-fonte em FORTRAN para escrever a data atual. 2) Compilar o programa-fonte 3) Gerar o programa-executável 4) Executar o programa Exercício 1.2 1) Repetir o exercício 1.1 para escrever em linhas diferentes cada um dos seguintes itens: nome, e-mail, endereço e telefone de uma pessoa.
  24. 24. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 24 Capítulo 2. VARIÁVEIS DO TIPO INTEIRO OBJETIVOS DO CAPÍTULO • Conceitos de: variáveis do tipo inteiro, atribuição, avisos e erros de compilação, erros de execução, comentários dentro do programa-fonte • Operadores matemáticos básicos • Comandos do FORTRAN: INTEGER e READ 2.1 programa02.f90, versão A Para inicializar as atividades deste capítulo, deve-se executar: 1) No Windows, seguindo o procedimento apresentado na seção 1.5 do capítulo 1: Start, Programs, Fortran PowerStation 4.0, Microsoft Developer Studio 2) No Fortran, seguindo o procedimento apresentado na seção 1.6 do capítulo 1, criar um projeto do tipo Console Application com o nome programa02 no diretório Z:SERVER1Alunos2004_1login, onde login deve ser substituído pelo user name do usuário, isto é, a conta particular na rede Windows do DEMEC/UFPR. 3) No Fortran, seguindo o procedimento apresentado na seção 1.7 do capítulo 1, criar e inserir no projeto o programa-fonte programa02.f90 4) Conforme é mostrado na Figura 2.1, dentro do espaço de edição do Fortran, na subjanela maior, copiar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho. INTEGER A WRITE(*,*) "A" WRITE(*,*) A END 5) Comentários sobre o programa: a) No capítulo 1 foram usados os comandos WRITE e END da linguagem FORTRAN. No programa02.f90, há um novo comando: INTEGER. Ele é usado para definir variáveis do tipo inteiro, isto é, variáveis que podem guardar ou armazenar na memória do computador números inteiros, positivos ou negativos, como 2, 5, 0, 54367 ou –3. b) A linha INTEGER A define a variável A como sendo do tipo inteiro. Este comando reserva um espaço na memória do computador, utilizando o nome ou rótulo A para armazenar um valor
  25. 25. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 25 inteiro. c) A linha WRITE(*,*) "A" escreve o comentário que está entre aspas; no caso a letra A. d) A linha WRITE(*,*) A escreve o valor da variável A que está armazenado na memória do computador. e) A linha END encerra o programa. 6) Ao se compilar o programa, executando Build, Compile, o resultado deve ser o mostrado na Figura 2.1. Deve-se notar na subjanela inferior um aviso (warning) mencionando que o valor da variável A não foi definido. 7) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. Figura 2.1 Resultado da compilação do programa02.f90, versão A. 8) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, surge uma janela, mostrada na Figura 2.2, dentro da qual tem-se: a) Na primeira linha, a letra A, resultado do comando WRITE(*,*) "A" do programa. b) Na segunda linha, o valor zero, resultado do comando WRITE(*,*) A do programa. Isso ocorre porque não foi definido um valor para a variável A, conforme o próprio Fortran informou durante a compilação do programa. Portanto, sempre é necessário definir o valor de cada variável do programa, caso contrário, por default, assume-se valor nulo. c) E na terceira linha, a frase Press any key to continue. Como diz este aviso, basta clicar em qualquer tecla para continuar. Ao se fazer isso, a execução do programa é encerrada. 9) Deve-se perceber a diferença que existe entre os comandos WRITE(*,*) "A" e WRITE(*,*) A do programa. No primeiro, A é um comentário. No segundo, A é uma variável utilizada para armazenar um valor inteiro na memória do computador.
  26. 26. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 26 Figura 2.2 Resultado da execução do programa02.f90, versão A. 2.2 programa02.f90, versão B 1) Dentro do Fortran, editar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho. INTEGER A A = 3 WRITE(*,*) "A" WRITE(*,*) A END 2) Comentários sobre o programa: a única diferença entre a versão anterior (A) e a atual (B) do programa02.f90 é a inclusão da segunda linha, ou seja, A = 3. O sinal de igualdade dentro de um programa escrito em linguagem FORTRAN é utilizado para atribuir o valor que está do lado direito à variável do lado esquerdo. Portanto, neste caso, o valor 3 é atribuído à variável A. Em outras palavras, o valor 3 é armazenado num espaço da memória do computador que é identificado pelo nome ou rótulo A, o nome da variável. Este valor utilizado (3) é apenas um exemplo; ele pode ser qualquer número inteiro. 3) Nesta versão do programa, ao se executar Build, Compile, não haverá aviso (warning) porque, neste caso, o valor da variável A está definido. 4) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. 5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, surge uma janela, mostrada na Figura 2.3, dentro da qual tem-se: a) Na primeira linha, a letra A, resultado do comando WRITE(*,*) "A" do programa. b) Na segunda linha, o valor 3, resultado do comando WRITE(*,*) A do programa e do comando anterior, A = 3. c) E na terceira linha, a frase Press any key to continue. 6) Deve-se perceber que o programa é executado, linha por linha, da primeira (INTEGER A) até a última (END). 7) Um exemplo de erro de compilação é apresentado na Figura 2.4. Ele ocorre devido à eliminação do segundo asterisco da terceira linha do programa. Erros de compilação ocorrem quando os comandos
  27. 27. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 27 do FORTRAN são utilizados de forma incorreta. Na subjanela inferior do Fortran, geralmente haverá um comentário indicando cada erro (error). Logo após o nome do programa-fonte compilado, entre parênteses, é indicado o número da linha do programa-fonte aonde deve estar o erro. No exemplo da Figura 2.4, o compilador do Fortran mostra o seguinte comentário: C:marchiprograma02programa02b.f90(3): error FOR3852: syntax error detected between , and ). Portanto, este comentário indica que na linha 3 há um erro de sintaxe (erro que resulta do uso incorreto de um comando, no caso o WRITE) entre a vírgula e o sinal de fechamento de parênteses. 8) As linhas do programa-fonte são numeradas do topo para baixo, e as colunas, da esquerda para a direita. Na extremidade inferior da janela principal do Fortran, do lado direito, sempre são indicados a linha (Ln) e a coluna (Col) aonde o cursor se encontra dentro do programa-fonte. Figura 2.3 Resultado da execução do programa02.f90, versão B. Figura 2.4 Exemplo de erro de compilação. 2.3 programa02.f90, versão C 1) Dentro do Fortran, editar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho. INTEGER A A = 3 WRITE(*,*) "Valor de A = ", A
  28. 28. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 28 END 2) Comentários sobre o programa: a diferença básica entre a versão anterior (B) e a atual (C) do programa02.f90 é a junção dos dois comandos WRITE num só, na terceira linha do programa, isto é, WRITE(*,*) "Valor de A = ", A. Esta forma do comando WRITE é usada quando se quer escrever na mesma linha diversos elementos. No caso, são apenas dois elementos, ou seja, o comentário Valor de A = e a variável A. Os elementos devem ser separados por vírgula. 3) Executar Build, Compile para compilar o programa. 4) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. 5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, surge uma janela, mostrada na Figura 2.5, dentro da qual tem-se: a) Na primeira linha, como resultado do comando WRITE(*,*) "Valor de A = ", A do programa, o comentário Valor de A = e, na mesma linha, o valor da variável A, cujo valor atribuído dentro do programa foi 3. b) E na segunda linha, a frase Press any key to continue. Figura 2.5 Resultado da execução do programa02.f90, versão C. 2.4 programa02.f90, versão D 1) Dentro do Fortran, editar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho. INTEGER A A = 4 A = 3 WRITE(*,*) "Valor de A = ", A END 2) Comentários sobre o programa: a única diferença entre a versão anterior (C) e a atual (D) do programa02.f90 é a inclusão da linha A = 4, que atribui o valor 4 à variável A. 3) Executar Build, Compile para compilar o programa. 4) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build.
  29. 29. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 29 5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, o resultado é o mesmo mostrado na Figura 2.5. Isso ocorre porque o programa é executado, linha por linha, da primeira (INTEGER A) até a última (END). Assim, embora tenha sido atribuído o valor 4 à variável A na segunda linha do programa, na linha seguinte atribui-se o valor 3 à mesma variável, e, na quarta linha do programa, escreve-se o valor de A. O valor escrito é 3 porque é o último valor que foi armazenado na memória do computador. A denominação variável é usada justamente porque seu valor pode ser alterado ao longo da execução do programa. 2.5 programa02.f90, versão E 1) Dentro do Fortran, editar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho, incluindo a linha em branco. ! Programa02.f90 INTEGER A A = 3 ! atribui o valor 3 à variável A WRITE(*,*) "Valor de A = ", A END 2) Comentários sobre o programa: em cada linha do programa-fonte, tudo que estiver à direita do símbolo ! (exclamação) não é executado pelo programa. São apenas comentários usados para esclarecer o que faz cada parte do programa. Isso é chamado de documentação interna. Dentro do editor do Fortran, todos os comentários ficam na cor verde, como é mostrado na Figura 2.6. Um comentário pode envolver uma linha inteira do programa, como na primeira da versão E, ou apenas uma parte, como na quarta linha do programa. Linhas em branco dentro do programa-fonte também não são executadas. Elas equivalem a um comentário em branco. Um exemplo é a terceira linha do programa02.f90, versão E, na Figura 2.6. 3) Executar Build, Compile para compilar o programa. 4) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. 5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, o resultado é o mesmo mostrado na Figura 2.5. Isso ocorre porque as diferenças entre a versão C e a atual (E) do programa02.f90 são apenas os comentários e uma linha em branco, que não são executados pelo programa. 6) Para maior clareza e facilidade de compreensão do programa-fonte, recomenda-se que dentro dele sejam usados comentários e linhas em branco.
  30. 30. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 30 Figura 2.6 Programa02.f90, versão E. 2.6 programa03.f90, versão A Para inicializar as atividades com o próximo programa, deve-se executar: 1) No Fortran, para fechar o projeto atual: File, Close Workspace 2) Na janela Microsoft Developer Studio, clicar sobre o botão Yes 3) No Fortran, seguindo o procedimento apresentado na seção 1.6 do capítulo 1, criar um projeto do tipo Console Application com o nome programa03 no diretório Z:SERVER1Alunos2004_1login, onde login deve ser substituído pelo user name do usuário, isto é, a conta particular na rede Windows do DEMEC/UFPR. 4) No Fortran, seguindo o procedimento apresentado na seção 1.7 do capítulo 1, criar e inserir no projeto o programa-fonte programa03.f90 5) Dentro do Fortran, editar exatamente o texto mostrado abaixo em vermelho, incluindo as linhas em branco. INTEGER A, B, C, D, E, F, G A = -6 B = 2 C D = = A + B - B A
  31. 31. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 31 E = A * B F = A / B G = A ** B WRITE(*,*) "A = ", A WRITE(*,*) "B = ", B WRITE(*,*) "A + B = ", C WRITE(*,*) "B - A = ", D WRITE(*,*) "A * B = ", E WRITE(*,*) "A / B = ", F WRITE(*,*) "A ** B = ", G END 6) Comentários sobre o programa: a) A linha INTEGER A, B, C, D, E, F, G define as variáveis A, B, C, D, E, F e G como sendo do tipo inteiro. Este comando reserva espaço na memória do computador para diversas variáveis com apenas um comando INTEGER. Entretanto, as variáveis devem estar separadas por vírgula. b) As linhas A = -6 e B = 2 atribuem os valores inteiros −6 e 2 às variáveis A e B. Estes valores são apenas exemplos; eles podem ser quaisquer números inteiros. c) As variáveis C, D, E, F e G são calculadas em função dos valores das variáveis A e B, usando os cinco operadores matemáticos básicos definidos na Tabela 2.1, conforme explicado a seguir. Tabela 2.1 Operadores matemáticos básicos em FORTRAN. Símbolo do operador matemático em FORTRAN Nome do símbolo Operação matemática correspondente + Sinal mais Adição − Sinal menos Subtração * Asterisco Multiplicação / Barra Divisão ** Duplo asterisco Potenciação d) A linha C = A + B adiciona os valores das variáveis A e B e atribui o resultado à variável C. e) A linha D = B - A subtrai o valor da variável A do valor da variável B e atribui o resultado à variável D. f) A linha E = A * B multiplica os valores das variáveis A e B e atribui o resultado à variável E. g) A linha F = A / B divide o valor da variável A pelo valor da variável B e atribui o resultado à variável F.
  32. 32. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 32 h) A linha G = A ** B eleva o valor da variável A ao valor da variável B e atribui o resultado à variável G. 7) Executar Build, Compile para compilar o programa. 8) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. 9) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, surge uma janela, mostrada na Figura 2.7, dentro da qual tem-se: os valores das variáveis A e B; e os valores resultantes das cinco operações matemáticas básicas da Tabela 2.1 efetuadas com as variáveis A e B. Analisar cada resultado, comparando-o com o valor esperado obtido de um cálculo mental. 10)Dentro do programa-fonte, fazer A = 1 e B = 2. Compilar e gerar o executável do programa com esta alteração. Executar o programa cujo resultado deve ser aquele mostrado na Figura 2.8. Analisar cada resultado, comparando-o com o valor esperado obtido de um cálculo mental. O resultado da divisão pode parecer incorreto mas não é. Isso se deve ao seguinte: o valor que resulta de um cálculo envolvendo dois números inteiros também é um número inteiro, que corresponde à parte inteira do número real equivalente ao cálculo realizado. Portanto, o resultado de 1 dividido por 2 resulta em 0,5, que é um número real. Mas como o cálculo envolve dois números inteiros, a parte inteira do número real 0,5 é 0, que é o resultado da divisão mostrado na Figura 2.8. Este tema será explorado com mais detalhes no Capítulo 3. Figura 2.7 Resultado da execução do programa03.f90, versão A, com A = −6 e B = 2. Figura 2.8 Resultado da execução do programa03.f90, versão A, com A = 1 e B = 2.
  33. 33. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 33 11)Atribuir valores às variáveis dentro do próprio programa-fonte não é recomendável. Pois, para alterar os valores, é necessário ter o programa-fonte, além de recompilá-lo e gerar o programa-executável a cada vez. O procedimento mais indicado é utilizar o comando READ, apresentado na próxima seção. 2.7 programa03.f90, versão B 1) Dentro do Fortran, alterar o programa03.f90, versão A, para que fique exatamente igual ao texto mostrado abaixo em vermelho, incluindo as linhas em branco. INTEGER A, B, C, D, E, F, G WRITE(*,*) "Entre com o valor de A" READ(*,*) A WRITE(*,*) "Entre com o valor de B" READ(*,*) B C = A + B D = B - A E = A * B F = A / B G = A ** B WRITE(*,*) "A = ", A WRITE(*,*) "B = ", B WRITE(*,*) "A + B = ", C WRITE(*,*) "B - A = ", D WRITE(*,*) "A * B = ", E WRITE(*,*) "A / B = ", F WRITE(*,*) "A ** B = ", G END 2) Comentários sobre o programa: a) A única diferença entre a versão anterior (A) e a atual (B) do programa03.f90 está no ínicio do programa. É a inclusão de 4 linhas novas no lugar de se atribuir valores às variáveis A e B. b) Até aqui, os comandos da linguagem FORTRAN que foram usados são: WRITE, END e INTEGER. Na versão B do programa03.f90, há um novo comando: READ. Ele é usado para atribuir (fornecer) valores às variáveis durante a execução de um programa. Isto é, o comando READ é empregado para LER os dados de um programa.
  34. 34. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 34 c) A linha WRITE(*,*) "Entre com o valor de A" escreve o comentário que está entre aspas. d) A linha READ(*,*) A lê um valor digitado dentro da janela DOS, aberta durante a execução do programa, e o atribui à variável A. 3) Executar Build, Compile para compilar o programa. 4) Gerar o programa-executável fazendo Build, Build. 5) Ao se executar o programa, através de Build, Execute, surge uma janela do tipo DOS dentro da qual tem-se: a) Na primeira linha, o comentário Entre com o valor de A, resultado do comando WRITE(*,*) "Entre com o valor de A" do programa. b) Na segunda linha, o programa pára e fica aguardando que seja fornecido o valor da variável A, resultado do comando READ(*,*) A do programa. Para que o programa continue sua execução é necessário digitar o valor −6 para a variável A e, em seguida, clicar na tecla enter. c) Na terceira linha, o comentário Entre com o valor de B, resultado do comando WRITE(*,*) "Entre com o valor de B" do programa. d) Na quarta linha, o programa pára e fica aguardando que seja fornecido o valor da variável B, resultado do comando READ(*,*) B do programa. Para que o programa continue sua execução é necessário digitar o valor 2 para a variável B e, em seguida, clicar na tecla enter. e) Em seguida, são apresentados os mesmos resultados da versão A do programa03.f90, conforme a Figura 2.9. Figura 2.9 Resultado da execução do programa03.f90, versão B, com A = −6 e B = 2. 6) Executar novamente o programa, entrando com outros valores para A e B. Em seguida, analisar cada resultado, comparando-o com o valor esperado obtido de um cálculo mental. 7) Executar novamente o programa, com A = 6 e B = 0. Nenhum resultado é apresentado porque o programa não consegue dividir 6 por 0. Isso gera um erro que interrompe a execução normal do programa. Ao se implementar um programa, deve-se prepará-lo para que seja evitado qualquer
  35. 35. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 35 divisão por zero. Isso pode ser feito através de comentários que informem ao usuário do programa, na janela da execução do programa ou no manual do programa, por exemplo, quais as variáveis que não podem ter valor nulo. Outra forma mais efetiva de evitar divisão por zero será vista em capítulo futuro. 2.8 FIM DA SESSÃO Para concluir o uso do Fortran e do Windows, deve-se executar o seguinte: 1) Para encerrar as atividades com um projeto, basta executar no menu do Fortran: File, Close Workspace 2) Na janela Microsoft Developer Studio, clicar sobre o botão Yes 3) Para fechar o aplicativo Fortran, basta fazer o seguinte em seu menu: File, Exit 4) Para fechar o Windows, executar: Start, Shut Down… 5) Na janela Shut Down Windows, escolher a opção Close all programs and log on as a different user?. Clicar sobre o botão Yes 2.9 EXERÍCIOS Exercício 2.1 Executar novamente o programa03.f90, versão B, com A = 2 e B = −1. Em seguida, analisar cada resultado, comparando-o com o valor esperado obtido de um cálculo mental, especialmente o caso da potenciação. No Fortran, para abrir um projeto já existente, como o programa03, basta executar File, Open Workspace. Em seguida, indicar o diretório do projeto e selecionar o arquivo que tem o nome do projeto e extensão mdp, no caso programa03.mdp Exercício 2.2 Executar novamente o programa03.f90, versão B, usando números reais, isto é, A = 1.5 e B = 0.4. Números reais são representados com o sinal de ponto para separar a parte inteira da decimal. Exercício 2.3 1) Editar um programa-fonte em FORTRAN para executar o seguinte algoritmo (passos): a) ler três números inteiros b) calcular a média aritmética deles c) escrever os valores lidos e o valor da média aritmética juntamente com comentários para identificá-los
  36. 36. Capítulo 2. Variáveis do tipo inteiro 36 2) Compilar o programa-fonte 3) Gerar o programa-executável 4) Executar o programa com os valores 1, 2 e 3. Em seguida, analisar o resultado da média fornecido pelo programa comparando-o com o valor esperado obtido por um cálculo mental. 5) Repetir o item 4 para os valores 1, 1 e 2. Exercício 2.4 1) Editar um programa-fonte em FORTRAN para executar o seguinte algoritmo (passos): a) ler o primeiro valor (inteiro) de uma progressão aritmética (P.A.), denotado por A1 b) ler a diferença (número inteiro) entre dois termos subseqüentes da P.A., denotada por D c) ler o número (inteiro) de termos da P.A., denotado por N d) calcular o último termo da P.A., denotado por AN e) calcular a soma de todos os termos da P.A., denotado por SN f) escrever os três valores lidos e os dois calculados juntamente com comentários para identificá-los 2) Compilar o programa-fonte 3) Gerar o programa-executável 4) Executar o programa para A1 = 1, D = 3 e N = 5. Os resultados devem ser AN = 13 e SN = 35.
  37. 37. Capítulo 3. Variáveis do tipo real 37 Capítulo 3. VARIÁVEIS DO TIPO REAL OBJETIVOS DO CAPÍTULO

×