Romantismo II

11.102 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.102
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
534
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
215
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Romantismo II

  1. 1. TRABALHO DE LITERATURA ROMANTISMO NO BRASIL Prosa e Teatro – Autores e Obras Disciplina: Português Professora: Nicéia
  2. 2. Introdução <ul><li>Este trabalho tem como objetivo mostrar o início do Romantismo no Brasil, salientando seus autores, seus feitos e suas obras tão conceituadas até hoje, que influenciam até hoje novos talentos, que tem eles como referência. Que nunca falte um pouco de romantismo em nossos corações. </li></ul>
  3. 3. Sumário <ul><li>I. José de Alencar </li></ul>II. Bernardo Guimarães III. Franklin Távora IV. Joaquim Manoel de Macêdo V. Castro Alves VI. Alvares de Azevedo VII. Antônio Gonçalves Dias
  4. 4. Romantismo <ul><li>A literatura romântica inicia-se oficialmente no Brasil em 1836 com a publicação na França da Nictheroy - revista brasiliense , por Gonçalves de Magalhães . Este lança no mesmo ano a obra Suspiros poéticos e saudades . O romantismo inicia-se no Brasil, portanto, já distante das primeiras experiências européias, em um momento em que o movimento começará a entrar em decadência neste continente. </li></ul>
  5. 5. Prosa <ul><li>A prosa romântica brasileira é uma reprodução dos temas primordiais deste período: o indivíduo e a tradição. Assim como ocorrera no resto do mundo, o romance foi, a partir do Romantismo, um excelente índice dos interesses da sociedade culta e semiculta do Ocidente. No Brasil a obra A Moreninha ( 1844 ), de Joaquim Manuel de Macedo , é considerado o primeiro romance nacional, e inaugura o romantismo. </li></ul>
  6. 6. Autores e suas Obras I. José de Alencar <ul><li>Nome de Batismo : José Martiniano de Alencar, nascido em Mecejana-CE em 1829, falecido em Rio de Janeiro em 1877, diplomado em Direito, trabalhou na Imprensa no Rio de Janeiro, foi Deputado chegou a Ministro da Justiça em 1868. </li></ul><ul><li>Quando foi indicado para o Senado onde encabeçava uma lista não foi escolhido pelo Imperador D. Pedro II o que levou a abandonar a política, morreu em 1877 pouco depois ele retorna de uma viagem à Europa onde foi fazer tratamento de saúde. </li></ul><ul><li>Obras: </li></ul><ul><li>Romance Urbano : Cinco Minutos (1856); </li></ul><ul><li>A Viuvinha (1860). </li></ul><ul><li>Romance Regionalista : O Gaúcho (1870); </li></ul><ul><li>O Tronco do Ipê (1871). </li></ul><ul><li>Romance Indianista : O Guarani (1857); </li></ul><ul><li>Iracema (1865). </li></ul><ul><li>Romance Histórico : As Minas de Prata (1865); </li></ul><ul><li>A Guerra dos Mascates (1873). </li></ul><ul><li>Teatro : Demônio Familiar (1857); </li></ul><ul><li>As Asas de um Anjo (1860); </li></ul><ul><li>O Jesuíta (1875). </li></ul>
  7. 7. II. Bernardo Guimarães <ul><li>Nome de batismo: Bernardo Joaquim da Silva Guimarães, nascido em 1825 e falecido em 1884 na cidade de Ouro Preto-MG, estudou Direito SP, estreou na literatura com livros de poesia – Contos da Solidão, foi Juiz de Direito em Catalão-GO e professor do Liceu Mineiro (Ouro Preto), foi jornalista e humorista. </li></ul><ul><li>Obras: </li></ul><ul><li>Criador do Romance Sertanejo e Regional; </li></ul><ul><li>O Semirarista (1870); </li></ul><ul><li>O Garimpeiro (1872); </li></ul><ul><li>A Escrava Isaura (1875). </li></ul>
  8. 8. III. Franklin Távora <ul><li>Nascido em 1842 na cidade de Baturité-CE, falecido na cidade do Rio de Janeiro em 1888, foi Bacharel em Direito, foi Deputado, Jornalista e Advogado. </li></ul><ul><li>Obras: </li></ul><ul><li>Romance : Os Índios no Jaguaribe (1862); </li></ul><ul><li>A Casa de Palha (1866). </li></ul>
  9. 9. IV. Joaquim Manoel de Macêdo <ul><li>Nasceu em Itaborai-RJ em 1820, faleceu em 1882 na cidade do Rio de Janeiro, diplomou-se em Memdicina, mas não exerceu a profissão. No mesmo ano da formamtura, publicou A Moreninha (1844), que lhe valeu um êxito invulgar. </li></ul><ul><li>Dedicou-se ao jornalismo, à política e ao magistério, foi professor de História e Geografia no Colégio Pedro II e sócio-fundador do Instituto Histórico Geográfico Barsileiro. Apesar da popularidade das suas Obras, morreu pobre e esquecido. </li></ul><ul><li>Romance: A Moreninha (1844); </li></ul><ul><li>O Moço Loiro (1845); </li></ul><ul><li>Dois Amores (1848); </li></ul><ul><li>Teatro: </li></ul><ul><li>O Cego (1849); </li></ul><ul><li>O Fantasma Branco (1856); </li></ul><ul><li>O Primo da California (1858). </li></ul>
  10. 10. V. Antônio Frederico de Castro Alves <ul><li>Nasceu em Curralinho , 14 de março de 1847 , faleceu em Salvador , 6 de julho de 1871 , com 24 anos. Cursou Direito em Recife. Foi um poeta brasileiro . Nasceu na fazenda Cabaceiras, a sete lagunas (42 km) da vila de Nossa Senhora da Conceição de &quot;Curralinho&quot;, hoje Castro Alves , Estado da Bahia . Suas poesias mais conhecidas são marcadas pelo combate à escravidão, motivo pelo qual é conhecido como &quot;Poeta dos Escravos&quot; </li></ul><ul><li>É patrono da cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras . </li></ul><ul><li>Romance: Poesias Espelho Flutuantes (1870); </li></ul><ul><li>A Cachoeira de Paulo Afonso (1876); </li></ul><ul><li>Os Escravos (1873). </li></ul><ul><li>Teatro: Gonzaga ou a Revolução de Minas (1875)‏ </li></ul><ul><li>Caracteristicas: Visava Poesias sociais </li></ul>
  11. 11. VI. Manuel Antônio Álvares de Azevedo <ul><li>Nasceu em (São Paulo, 12 de setembro de 1831, faleceu na cidade do Rio de Janeiro, 25 de abril de 1852) foi um escritor da segunda geração romântica (Ultra-Romântica, Byroniana ou Mal-do-século), contista, dramaturgo, poeta e ensaísta brasileiro, autor de Noite na Taverna. Foi Bachareu em Direito </li></ul><ul><li>Poesias: Lira dos vinte anos (1853)‏ </li></ul><ul><li>Conde Lopo (1853)‏ </li></ul><ul><li>Contos: A noite na Taverma (1855). </li></ul><ul><li>Teatro: Macorio (1855) </li></ul><ul><li>Caracteristicas: Conhecido como poeta da adolescência, solidão, melancolia, morte etc... </li></ul>
  12. 12. VII. Antônio Gonçalves Dias <ul><li>Nascido em (Caxias, 10 de agosto de 1823, faleceu em Guimarães, 3 de novembro de 1864) foi um poeta e teatrólogo brasileiro. A Canção do Exílio foi amplamente recriada e parodiada, principalmente pelos poeta modernista; dois de seus versos estão citados no Hino Nacional Brasileiro (&quot;Nossos bosques têm mais vida,/Nossa vida, mais amores.&quot;). </li></ul><ul><li>Poesias: Canção do exílio (1843) </li></ul><ul><li>Primeiros Contos (1846); </li></ul><ul><li>Segundos Contos (1848); </li></ul><ul><li>Sextelho de Frei Antão (1848); </li></ul><ul><li>Últimos Contos (1851). </li></ul><ul><li>Teatro: Beatriz Cenci (1843); </li></ul><ul><li>Leonor de Mendonça (1847)‏ </li></ul>
  13. 13. Conclusão <ul><li>A literatura romântica inicia-se oficialmente no Brasil em 1836 com a publicação na França da Nictheroy - revista brasiliense , por Gonçalves de Magalhães. Este lança no mesmo ano a obra Suspiros poéticos e saudades . O romantismo inicia-se no Brasil, portanto, já distante das primeiras experiências européias, em um momento em que o movimento começará a entrar em decadência neste continente. </li></ul><ul><li>Romantismo é a maneira dos poetas manisfetarem nas suas idéias o lado poético, lírico, nobre, apaixonante, como podemos ver isso nas obras dos grandes poetas, diretores de novelas, filmes e principalmente em nossas vidas. </li></ul><ul><li>Quem aqui entre nós não amou ou tem um amor? Devemos com os exemplos dos nossos grandes Escritores, aplicar um pouco de romantismo em nossas vidas, em todos os aspectos falando visando dias melhores para todos nós. </li></ul>
  14. 14. Canção do exílio <ul><li>&quot;Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite - Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá.“ </li></ul><ul><li>Antônio Gonçalves Dias - 1843 </li></ul>
  15. 15. Bibliografia <ul><li>Língua, Literatura e Redação – Vol. II </li></ul><ul><li>Autor: João Domingues Maia </li></ul><ul><li>Editora: Ática </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Can%C3%A7%C3%A3o_do_ex%C3%ADlio </li></ul>
  16. 16. Integrantes da equipe: <ul><li>Ana Rita </li></ul><ul><li>Eduardo Santos </li></ul><ul><li>Joelma </li></ul><ul><li>Márcia Maria </li></ul><ul><li>Maria das Graças </li></ul><ul><li>Simone </li></ul>

×