Mudanças no feudalismo

6.200 visualizações

Publicada em

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.200
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
256
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mudanças no feudalismo

  1. 1. Mudanças no feudalismoA partir do século XI, a Europa feudal começa a mudar; a expansão dasáreas de cultivo e as inovações técnicas contribuíram para um aumentosignificativo da produção de alimentos.
  2. 2. Quais as contribuições do períodomedieval para nossa sociedade? Você utiliza garfo na sua refeição? Você pensa em fazer curso universitário? Já imaginou janelas sem vidros para clarear? Óculos? Conhece alguém que precise usar óculos?Pois bem, estas são invenções medievais. O livro, comonós o conhecemos, também é um exemplo de criaçãodeste período.
  3. 3. Inovações técnicasAs principais inovações técnicas ocorridas na Europa no século XI foram: O uso do arado de ferro, conhecido como charrua, em lugar doarado de madeira; A introdução do sistema de cultura em três campos (chamadorotação trienal). Antes disso era apenas dois campos (rotação bienal). A utilização do cavalo para puxar o arado. O cavalo antes eraatrelado pelo pescoço, fato que limitava seu rendimento e, por vezes, osufocava; a partir do século X, passou a ser atrelado pelo peito, o queaumentava seu rendimento e resistência. O aprimoramento e a difusão dos moinhos acionados pela força dovento ou da água contribuíram para aumentar a velocidade e aqualidade de moagem do trigo.
  4. 4. Charrua (arado de ferro)
  5. 5. Rotação trienal dos campos
  6. 6. Atrelamento do cavalo pelo peito e osmoinhos.
  7. 7. Crescimento populacional Século População da EuropaIX 18 MilhõesXI 22 MilhõesXII 26 MilhõesXIII 35 MilhõesXIV 55 MilhõesO aumento da produçãode alimentos colaborou,por um lado, para grandecrescimento dapopulação e, por outro,para um revigoramentodo comércio e dascidades, a tabela abaixodá uma dimensão docrescimento dapopulação no período.
  8. 8. Cidades crescem ...Com o aumento da ofertade alimentos, já não havianecessidade de tanta gentepara trabalhar na agricultura.Então, muitos camponesesdeixaram o campo embusca de outro meio de vida:alguns se tornarammercadores ambulantes,outros foram trabalhar comoartesãos nas cidades, osmoradores do campopassaram a trocar suaprodução por produtos feitosnas cidades, o que estimulouo artesanato e o comérciolocal, atividades decisivaspara o renascimento dascidades.
  9. 9. Comércio de longa distância
  10. 10. A partir do século XI, o comércio europeu delonga distância também cresceu. O principalpolo comercial eram as cidades comerciais deGenova e Veneza; os mercadores dessascidades compravam artigos de luxo (Seda,Perfumes, Porcelanas) e especiarias nos portosde Constantinopla, Trípoli e Antioquoa. Depois,revendiam-nos com grande lucro na Europa.Outros polos importantes eram a cidade deLubeck, no norte da atual da Alemanha, e acidade de Bruges, na atual Bélgica.
  11. 11. Rotas ...O comércio entre o sul e onorte da Europa se faziapor meio de duasimportantes rotasterrestres: uma que ligavaGênova a Bruges,passando pelas feiras daregião de Champagne, eoutra que ligava Veneza aHamburgo.
  12. 12. A vida nas cidadesmedievaisAs feiras medievaisduravam de 15 a 60dias e aconteciam umaou duas vezes por ano,reunindo mercadoresde várias partes domundo. Nelas erapossível ver umveneziano vendendoseda chinesa, um inglêsoferecendo lã, umnativo de Brugescomercializando tecidoe etc.
  13. 13.  Nos primeiros séculos da Idade Média, as cidades eramgeralmente pequenas, como poucos moradores, queviviam, sobretudo, do trabalho no campo. A vida nocampo tinha mais importância do que a vida urbana. A partir do século XI, no entanto, com o aumento doartesanato e do comércio, as cidades cresceram eoutras surgiram. Algumas nasceram ao redor das feiras;outras, às margens de rios, e outras ainda em torno docastelo de um nobre.
  14. 14. BurgosOscomerciantes, banqueiros eartesãos viviam geralmente numa áreaafastada do centroda cidade, o burgo, ecompunham umgrupo chamado deburgueses.
  15. 15. Corporações de ofício Nas cidades medievais, a pessoa só podia trabalhar sepertencesse a uma corporação, isto é, a umaassociação de profissionais do mesmo ramo deatividade. Os artesãos formavam as corporações deofícios. Cada corporação controlava o preço, a qualidade, ea quantidade do que ia ser produzido e estabelecia asregras para o ingresso na profissão, além de amparar osprofissionais idosos, inválidos e doentes.
  16. 16. Liga HanseáticaOs comerciantes também tinham suascorporações, que reuniam profissionais dediversas cidades da Europa, conhecida comoLigas, a mais conhecida delas era a LigaHanseática, que era muito poderosa, possuíamuitos navios e dominava o comércio no norteda Europa, o objetivo dessa liga era comandaro comércio em determinada área e evitar aconcorrência entre seus membros.
  17. 17. Carta de Franquia As cidades medievais nasceram dentro das terras danobreza ou do clero. Com o passar do tempo, foramadquirindo, por força das armas ou do dinheiro, direitosque lhes garantiam autonomia administrativa ejudiciária. O documento que lhes assegurava essaautonomia era chamado de carta de franquia. Essascidades eram governadas pelo patriciado urbano, istoé, as camadas mais altas de mercadores e artesãos.
  18. 18. As UniversidadesCom esse renascimento das cidades, favoreceu mudanças na áreado conhecimento e da arte, como a necessidade de saber ler,calcular para praticar o comércio, o clima de maior liberdade nascidades, o estreitamento do contato entre pessoas de diversasregiões. Tudo isso propiciou o surgimento de um novo tipo de escola,favorecendo também o avanço da ciência e a criação dauniversidade.A universidade foi uma criação medieval que pode ser definida comouma associação de professores ou de alunos com a intenção debuscar o conhecimento. A Universidade de Bolonha, por exemplo, foicriada por uma associação de alunos, já a de Paris nasceu de umaassociação de Professores.
  19. 19. O contexto religioso e a política da igreja A hierarquia, que havia marcado as relações sociais durante o feudalismo,estendia-se também para as relações religiosas, ou seja, na relação entreDeus e os homens havia uma hierarquia: o homem havia recebido odireito de habitar a terra como se o planeta fosse um grande feudo; emtroca tinha de jurar fidelidade a Deus prestando-lhe fidelidade e prestar-lhe serviço militar. Era como funcionava a relação entre um suserano e umvassalo. Dessa forma se criou o argumento religioso-feudal que se organizou umgrande exército de "vassalos" cristãos que deveriam lutar pelo seu"suserano", que era Deus. Eis as origens da ideia de guerra santalevada a cabo pelas cruzadas. Era a luta contra os inimigos de Deus, fossem muçulmanos, heréticos,pagãos ou cristãos ortodoxos. O guerreiro era recompensados coma indulgência ( perdão dos pecados ),bem como sua esposa, caso lhepermanecesse fiel. Durante a guerra, os bens do cruzados eramadministrados pela igreja e suas dívidas eram suspensas temporariamente.
  20. 20. Jerusalém, uma cidade disputada.
  21. 21. Internamente a igrejacatólica passava por crises.Havia sofrido forte golpe em1054, no Cisma do Oriente,quando o alto clero deConstantinopla rejeitou asupremacia papal de Roma,dando origem aIgreja Ortodoxa. Era aoportunidade do papa deRoma recuperar o prestigio ea unidade da igreja,ajudando os bizantinos ("irmãos do Oriente") contra oavanço muçulmanos em seuterritório.
  22. 22. As Cruzadas: expedições militares que partiramda Europa, entre os séculos XI e XIII, a fim decombater os muçulmanos no Oriente.
  23. 23. Reflexão!
  24. 24. Doenças, Fome e Revoltas A partir das primeiras décadas do século XV, iniciou-se na Europauma prolongada crise, marcada por fome, doenças e revoltassociais. Naquelas décadas, a oferta de alimento tornou-se insuficientepara atender a população; ocorreram chuvas torrenciais, seguidasde más colheitas, e áreas agrícolas passaram a ser usadas para acriação de ovelhas e extração da lã. Isso ajuda a explicar porque, entre 1315 e 1317, uma crise de fome matou milhares deeuropeus. Além disso, as condições de higiene na Europa erampéssimas: o lixo das casas era lançado às ruas e não havia serviçosde coleta, encanamento ou esgoto. Fome e falta de higienecolaboraram para que uma terrível epidemia, a “grandepeste”, atingisse todo o território europeu.
  25. 25. A peste era provocada por uma bactéria transmitida por pulgasque picavam os ratos e, depois, os seres humanos. Calcula-seque a grande peste matou cerce de um terço da populaçãoeuropeia.
  26. 26. Revolta de Camponeses Com as mortes provocadas pela fome, pela peste epela Guerra dos Cem anos (Guerra entre 1337 e 1453deflagrada pela Inglaterra e França) começou a faltarmão de obra nos campos, o que levou à diminuição daprodução agrícola, acarretando prejuízo para anobreza. Para compensar suas perdas, a nobrezaaumentou o controle sob os camponeses e os tributospagos por eles. Os camponeses, por sua vez, reagiam incendiandocolheitas, fugindo e promovendo revoltas. Exemplosdessa importantes revoltas ocorreram na França em1358 e na Inglaterra em 1381.
  27. 27. Jacquerie Na França essas revoltas eram conhecidascomo Jacquerie, nome pejorativo que a nobreza davaaos camponeses, que começaram nos arredores deParis e no interior na França, ao mesmo tempo. Os cemmil camponeses que delas participaram incendiaramcastelos e mataram muitos nobres. Estes reagiram e, deposse de melhores armas e de treinamento militar,sufocaram a revolta, massacrando os rebeldes.
  28. 28. Watt Tyler Na Inglaterra, a revolta foi liderada por Watt Tyler, cercade dez mil camponeses ingleses se dirigiam a Londres eexigiram do rei de seu país, Ricardo II, o fim da servidãoe a diminuição dos impostos pagos por eles. Napresença dos rebeldes, o rei concordou, mas emseguida, voltou atrás e se uniu aos nobres, arrasando asaldeias camponesas sublevadas. Embora tenham sido massacradas pelos exércitos do reie da nobreza, essas revoltas contribuíram para oenfraquecimento do feudalismo na Europa.
  29. 29. Queda de Constantinopla em 29 de marçode 1453, marco do Fim da Idade Média.

×