1
Sumário
• Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios,
Portaria n.º 1532/2008 de 29 de Dezembro
– Titulo...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Os edifícios e os recintos devem
Critérios de...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Os edifícios devem estar
localizados e constr...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Existir disponibilidade de
água para abasteci...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
A localização dos edifícios esta
Critérios de...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recint...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recint...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recint...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recint...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Estacionamento dos veículos de
socorro junto às fachadas
acessiveis.( 4ª cat. de risco no
minímo duas fachadas)
Vias de ac...
Vias de acesso a edifícios de H > 9m
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
• As via...
Vias de acesso a edifícios de H > 9m
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
16
Extra...
Vias de acesso a edifícios de H > 9m
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Capacida...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Acessibilidade as fachadas
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Pontos de penetraç...
Acessibilidade as fachadas
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Uma fachada tipo c...
Acessibilidade as fachadas
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Sinalização óptica...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Paredes exteriores tradicionais
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Distância ent...
Paredes exteriores tradicionais
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Distância ent...
Paredes exteriores tradicionais
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Nas fachadas ...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Paredes exteriores tradicionais
Edifícios com...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Paredes exteriores tradicionais
•• Edifícios ...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Paredes exteriores tradicionais
Edifícios com...
• Reacção ao fogo de elementos de revestimento exterior criando caixa de ar
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra I...
Reacção ao fogo dos sistemas compósitos para isolamento térmico exterior
com revestimento sobre isolante «etics» e o mater...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Nas fachadas cortina em vidro a
distância entre vãos situados em
pisos sucessivos pode ser atingido
SegurançaSegurança Con...
Nas duplas fachadas de vidro ventiladas aplica-se à fachada em contacto
com o espaço interior do edifício
SegurançaSeguran...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Edifícios ≤ 28m – EI60
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Paredes de empena
Edif...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
As coberturas devem possuir acessos :
Através de todas as escadas protegidas
para edifícios com H >28m
A partir das circul...
Vãos em paredes exteriores sobranceiros a cobertura de outros edifícios
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incên...
Cobertura com envidraçado na faixa dos 4,0m deve ser EI60
Reacção ao fogo do revestimento da cobertura em terraço
Seguranç...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
Marcos de incêndio a uma
distância ≤ 30m
Bocas de incêndio embebidas em
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incên...
Hidrantes exteriores em recintos itinerantes ou ao ar livre
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em Edif...
Titulo II - Condições exteriores comuns
Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade
Critérios de Segur...
A localização da UT da 3ª e 4ª cat.
de risco depende da grau de
prontidão do socorro e do corpo de
SegurançaSegurança Cont...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
45
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
UT II - Estacio...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
UT VI – Espectá...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
UT XII – Indust...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
UT XII – Indust...
50
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Titulo III – Condições Gerais de Comportament...
Os elementos estruturais com estabilidade ao fogo
Os edifícios devem possuir compartimentação corta-fogo para evitar a
pro...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Critérios de segurança
Quando a capacidade de...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo I - Resistência ao fogo de element...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Resistência ao fogo de elementos estruturais ...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Resistência ao fogo de elementos estruturais ...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo I - Resistência ao fogo de element...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Resistência ao fogo de elementos estruturais ...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo I - Resistência ao fogo de element...
• Coexistência entre UTs distintas
Não é admitido coexistência no mesmo edifício de uma UT XII de 3ª e 4ª Cat.
de risco co...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
paredes, pavim...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
Os espaços ocu...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
Em regra , os ...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
• Áreas máxima...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
• Constituem e...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
As áreas máxim...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
As áreas de co...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
Quando existem...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
Isolamento e p...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Compartimentação geral de fogo
Isolamento e p...
71
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo I - Resistência ao fogo de element...
Isolamento e protecção de locais de risco B
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
I...
Isolamento e protecção de locais de risco C e risco C agravado
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em E...
Isolamento e protecção de locais de risco C agravado
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEd...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Isolamento e protecção de locais de risco
• I...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Isolamento e protecção de locais de risco
• I...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Isolamento e protecção de locais de risco
Iso...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Isolamento e protecção de locais de risco
Iso...
80
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Protecção das vias horizontais de evacuação
Exigências de protecção das vias horizontais de evacuação
– Vias comuns a di...
• Resistência ao fogo mínima da envolvente de vias horizontais de
evacuação interiores protegidas
• Estas vias não podem d...
• Resistência ao fogo mínima da envolvente de vias horizontais de
evacuação interiores protegidas
Vãos adjacentes a vias h...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Protecção das vias verticais de evacuação
• Exige-se protecção para todas as vias verticais de evacuação excepto:
Locais...
• Protecção das vias verticais de evacuação
As vias verticais de evacuação exteriores devem garantir as distâncias aos
vão...
• Protecção dos acessos a vias verticais de evacuação protegidas e
localizadas no piso de saída para o exterior
SegurançaS...
• Protecção dos acessos a vias verticais de evacuação protegidas não
localizadas no piso de saída para o exterior
Seguranç...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Isolamento de outras circulações verticais
As circulações verticais interiores que não sejam vias de evacuação devem
ser...
• Isolamento de outras circulações verticais
No caso de escadas mecânicas ou tapetes rolantes não incluídos nas vias
verti...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Isolamento e protecção das caixas dos
elevadores
As paredes e portas de patamar de isolamento
das caixas dos elevadores ...
• Isolamento e protecção das caixas dos elevadores
Nos pisos abaixo do plano de referência os acessos aos elevadores que
s...
• Isolamento e protecção das
caixas dos elevadores
Nos edifícios de H>28m os
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra ...
97
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Campo de aplicação
Canalizações eléctricas, esgotos, gases (incluindo os de ar comprimido)
Condutas de:
SegurançaSeguran...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Meios de isolamento
Alojamento em ductos
Atribuição de resistência ao fogo às próprias canalizações ou condutas
Seguranç...
• Meios de isolamento
Alojamento em ductos as canalizações e condutas que:
– Estejam situadas em edifícios de grande altur...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Condições de isolamento
• Não abrangidas pelo alojamento em ductos:
Meios de isolamento com a mesma classe de resistênci...
• Condições de isolamento
Não abrangidas pelo alojamento em ductos:
• As exigências anteriores são satisfeitas em:
Seguran...
• Condições de isolamento
Condutas de evacuação de lixo devem ser construídas com materiais A1 e
SegurançaSegurança Contra...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Características dos ductos
Ductos de secção > 0,2 m2 devem ser construídos em materiais A1
SegurançaSegurança Contra Inc...
• Características dos ductos
Nos ductos destinados a alojar canalizações de líquidos e gases
SegurançaSegurança Contra Inc...
• Características dos ductos
As portas de acesso deverão ser da classe de resistência ao fogo padrão E
30 C, se a altura d...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Dispositivos de obturação automática
O accionamento dos dispositivos de obturação automática deve ser
comandado por meio...
113
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo IV - Isolamento e protecção das vi...
• Portas:
Resistência ao fogo com escalão de tempo igual à metade do edifício para a parede onde se
insere
SegurançaSegura...
Nas câmaras corta-fogo são permitidas instalações eléctricas que sejam
necessárias á iluminação e detecção de incêndios e ...
Todas as portas resistentes ao fogo
integradas em caminhos de evacuação
devem ser providas de dispositivos que
SegurançaSe...
Portas de duas folhas → dispositivo selector de
fecho.
As portas das câmaras corta-fogo ou de acesso
a vias verticais de e...
Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e
Protecção
Capitulo VII - Reacção ao fogo
Campo de apl...
• A classificação de reacção ao fogo dos materiais do presente
regulamento aplica-se aos revestimentos de:
Vias de evacuaç...
Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de vias de evacuação horizontais
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Inc...
Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de vias de evacuação verticais e câmaras corta-fogo
SegurançaSegurança Contra Inc...
Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de locais de risco A; B; C; D; E e F
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra...
Reacção ao fogo da classe A1 na construção ou no revestimento de:
– Caixas de elevadores
– Condutas e ductos
– Comunicaçõe...
Mobiliário fixo em locais de risco B ou D
Materiais C-S2d0
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em Edifí...
Em vias de evacuação os elementos em relevo ou suspensos não devem
ultrapassar 20% ( de parede ou tecto) devem possuir rea...
Coberturas
Paredes das tendas e das estruturas insufláveis C-S2d0
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios e...
Palcos, estrados, palanques, plataformas, bancadas, tribunas e pavimentos
elevados de classe C-S2d0 assentes em estruturas...
Elementos de decoração temporária
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Reacção ao ...
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios
Condições especificas das UTs
130
UT II - Estacionamentos
Vãos para passagem de viaturas nas paredes de compartimentação devem
SegurançaSegurança Contra Inc...
UT V – Hospitalares e lares de idosos:
• Blocos operatórios, blocos de partos e unidades de cuidados intensivos
devem ser ...
UT VI – Espectáculos e reuniões públicas:
Isolamento em relação a outras UT.
SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra ...
UT VIII – Comerciais e gares de transportes:
• Resistência ao fogo em gares subterrâneas.
• Áreas máximas de compartimenta...
UT X – Museus e galerias de arte:
• Isolamento e protecção de armazéns
• Sub-compartimentação quando a carga de incêndio e...
UT XII – Indústrias, oficinas e armazéns:
• Áreas máximas de compartimentação corta-fogo:
SegurançaSegurança Contra Incênd...
UT XII – Indústrias, oficinas e armazéns:
• Caso IV – Edifício isolado exclusivamente afecto à UT XII, sem pisos abaixo
do...
OBRIGADO
138
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sci acores 11_no_vx

399 visualizações

Publicada em

Segurança Contra Incêndios

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sci acores 11_no_vx

  1. 1. 1
  2. 2. Sumário • Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndio em Edifícios, Portaria n.º 1532/2008 de 29 de Dezembro – Titulo II SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios – Titulo II • Condições exteriores comuns – Titulo III • Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção 2
  3. 3. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m e recintos ao ar livre Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 3
  4. 4. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Os edifícios e os recintos devem Critérios de Segurança Os edifícios e os recintos devem possuir vias de acesso a veículos de socorro com ligação permanente à rede viária pública 4
  5. 5. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Os edifícios devem estar localizados e construídos de Critérios de Segurança localizados e construídos de forma a evitar propagação do incêndio, pelo exterior, nos próprios edifícios e entre edifícios vizinhos 5
  6. 6. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Existir disponibilidade de água para abastecimento Critérios de Segurança água para abastecimento dos veículos de socorro no combate de um incêndio 6
  7. 7. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios A localização dos edifícios esta Critérios de segurança A localização dos edifícios esta condicionada pela distância a um quartel de bombeiros e pelo grau de prontidão destes 7
  8. 8. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 8
  9. 9. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recintos ao ar livre Estacionamento dos veículos de socorro a uma distância não inferior a 30m de pelo menos a uma das saídas do edifício A distância pode ser aumentada para 50m em centros urbanos antigos Características das vias de acesso Largura útil – 3,5m Altura útil – 4,0m Raio de curvatura mínimo – 11,0m Inclinação máxima – 15% 9
  10. 10. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recintos ao ar livre Capacidade para suportar um veículo de 130KN: •40KN do eixo dianteiro •90KN no eixo traseiro•90KN no eixo traseiro As vias em impasse devem possuir 7m de largura ou em alternativa condições de forma a que o veículo de socorro não percorra mais de 30m em marcha -atrás. (Excepto a 1ª cat. de risco sem locais de risco D) 10
  11. 11. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recintos ao ar livre Vias de acesso a espaços itinerantes ou provisórios e a recintos ao ar livreou provisórios e a recintos ao ar livre 11
  12. 12. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Vias de acesso a edifícios de H ≤ 9m e recintos ao ar livre Vias de acesso a espaços itinerantes ou provisórios e a recintos ao ar livre Deve ser previsto um corredorDeve ser previsto um corredor permanentemente livre para as operações de socorro com: Comprimento não inferior metade do perímetro do recinto Largura útil não inferior a 3,5m Altura útil mínima de 4,0m 12
  13. 13. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 13
  14. 14. Estacionamento dos veículos de socorro junto às fachadas acessiveis.( 4ª cat. de risco no minímo duas fachadas) Vias de acesso a edifícios de H > 9m SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Caracteristicas das vias de acesso – Largura útil – 6m, (10m em impasse) – Altura útil – 5m – Raio de curvatura minímo – 13m – Inclinação máxima – 10% – Capacidade de suporte 260KN: • 90KN do eixo dianteiro • 170KN do eixo traseiro 14
  15. 15. Vias de acesso a edifícios de H > 9m SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios • As vias em impasse devem assegurar que os veículos de socorro não percorram mais de 20 m em marcha- atrás para inverter a marcha • As faixas de operação junto as fachadas devem ser : A distância entre fachadas ( ponto mais saliente) e o bordo da faixa de operação entre 3m e 10m Largura miníma da faixa – 7m Comprimento minímo – 15m 15
  16. 16. Vias de acesso a edifícios de H > 9m SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios 16 Extraído do Manual de Segurança Contra Incêndio em Edifícios, Escola Nacional de Bombeiros, 2004
  17. 17. Vias de acesso a edifícios de H > 9m SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capacidade de resistir ao punçoamento por uma força de 170KN distribuida por uma área circular de 20cm de diâmetro Esta faixa de operação deve ser livre de obstáculos Os pontos de penetração na fachada estejam incluidos entre os planos verticais tirados pelos extremos da faixa de operação 17
  18. 18. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 18
  19. 19. Acessibilidade as fachadas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Pontos de penetração ( em todos os níveis) Vãos de porta ou janelas situados a uma altura não superior a 50ma uma altura não superior a 50m Um ponto de penetração para cada 800m2 de área de piso Edificios com H<9m – os vãos de janela o pano de peito deve ter e<0,3m numa extensão de 0,5m para engate das escadas manuais de gancho 19
  20. 20. Acessibilidade as fachadas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Uma fachada tipo cortina, os vãos que funcionam como pontos de penetração devem possuirpenetração devem possuir sinalização, de forma a permitir a sua identificação pelos bombeiros a partir da via de acesso 20
  21. 21. Acessibilidade as fachadas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Sinalização óptica de accionamento automático de todos os vãos acessíveis Sinalização na fachada junto ao exterior no pavimento do nível de referência indicando uma prumada cujos os vãos sejam todos acessíveis Dimensão mínima 1,2mx0,6m (a dar para os caminhos de evacuação) 21
  22. 22. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 22
  23. 23. Paredes exteriores tradicionais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Distância entre vãos situados em pisos sucessivos da mesma prumada – 1,10m Se existirem elementos salientes (ex-varanda) com as características de resistência ao prolongados por mais 1,0m para cada lado desses vãos ou guardas opacas que apresentem classe de resistência ao fogo EI60 pode- se somar as diversas partes constituintes 23
  24. 24. Paredes exteriores tradicionais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Distância entre vãos situados em pisos sucessivos da mesma prumada – 1,10m Se existirem elementos salientes (ex-varanda) prolongados por mais 1,0m para cada lado desses vãos ou guardas opacas que apresentem classe de resistência ao fogo EI60 pode- se somar as diversas partes constituintes 24
  25. 25. Paredes exteriores tradicionais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Nas fachadas que existam diedros de abertura inferior a 135° deve existir uma faixa vertical de cada lado da aresta do diedro com:lado da aresta do diedro com: – EI30 - H≤28m – EI60 - H>28m – Ângulo < 100° - L - 1,5m – Ângulo > 100° < 135°L - 1,0m Na utilização tipo XII o valor duplica para a largura das faixas 25
  26. 26. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores tradicionais Edifícios com alturas diferentes A faixa deve ser prolongada porA faixa deve ser prolongada por toda a altura do corpo mais alto com um máximo de 8,0m acima da cobertura do mais baixo 26
  27. 27. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores tradicionais •• Edifícios em confrontoEdifícios em confronto •• As paredes exteriores dos edifícios em confrontoAs paredes exteriores dos edifícios em confronto Paredes EI60 ou REI60 e os vãos E30 se a distância for inferior a:Paredes EI60 ou REI60 e os vãos E30 se a distância for inferior a:Paredes EI60 ou REI60 e os vãos E30 se a distância for inferior a:Paredes EI60 ou REI60 e os vãos E30 se a distância for inferior a: 27
  28. 28. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores tradicionais Edifícios com mais de um piso de altura a classe de reacção ao fogo dos revestimentos exteriores sobre fachadas, caixilharias e estores 28
  29. 29. • Reacção ao fogo de elementos de revestimento exterior criando caixa de ar SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores tradicionais 29
  30. 30. Reacção ao fogo dos sistemas compósitos para isolamento térmico exterior com revestimento sobre isolante «etics» e o material de isolante térmico SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores tradicionais 30
  31. 31. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 31
  32. 32. Nas fachadas cortina em vidro a distância entre vãos situados em pisos sucessivos pode ser atingido SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores não tradicionais pisos sucessivos pode ser atingido pela utilização de elementos interiores de construção. A distância entre a fachada e os elementos atrás referidos não pode ser superior a 0,2m. 32
  33. 33. Nas duplas fachadas de vidro ventiladas aplica-se à fachada em contacto com o espaço interior do edifício SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes exteriores não tradicionais Pode ser utilizada cortina de água sendo a exigência de resistência ao fogo de apenas EI30 Soluções diferentes devem ser sujeitas a uma apreciação técnica do LNEC ou por entidade reconhecida pela ANPC 33
  34. 34. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 34
  35. 35. Edifícios ≤ 28m – EI60 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Paredes de empena Edifícios ≤ 28m – EI60 Edifícios > 28m – EI90 Guarda-fogo no mínimo de 0,60m acima das coberturas quando estas não garantem a resitência ao fogo padrão 35
  36. 36. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 36
  37. 37. As coberturas devem possuir acessos : Através de todas as escadas protegidas para edifícios com H >28m A partir das circulações verticais comuns ou de circulações horizontais que com SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Coberturas ou de circulações horizontais que com elas comuniquem Edifícios com H >28m devem possuir terraço acessível Nestes terraços as instalações técnicas não podem ocupar mais que 50% de área útil do terraço Nos edifícios com H < 28m devem possuir guarda exterior periférica (0,60m) O espaçamento das aberturas ≤ 0,12m 37
  38. 38. Vãos em paredes exteriores sobranceiros a cobertura de outros edifícios SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Coberturas 38
  39. 39. Cobertura com envidraçado na faixa dos 4,0m deve ser EI60 Reacção ao fogo do revestimento da cobertura em terraço SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Coberturas O revestimento exterior de coberturas inclinadas deve ser, no mínimo, da classe de reacção ao fogo C-s2d0. 39
  40. 40. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 40
  41. 41. Marcos de incêndio a uma distância ≤ 30m Bocas de incêndio embebidas em SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Disponibilidade de água Bocas de incêndio embebidas em caixa própria instaladas em paredes exteriores ou muros a uma cota de nível entre 0,6m e 1,0m acima do pavimento Distância uma por cada 15,0m de parede 41
  42. 42. Hidrantes exteriores em recintos itinerantes ou ao ar livre SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Disponibilidade de água 42
  43. 43. Titulo II - Condições exteriores comuns Capitulo I - Condições exteriores de segurança e acessibilidade Critérios de Segurança Vias de Acesso a edifícios com altura não superior a 9 m Vias de Acesso a edifícios com altura superior a 9m Acessibilidades SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Limitações a propagação do incêndio pelo exterior Paredes exteriores tradicionais Paredes exteriores não tradicionais Paredes de empena Coberturas Zonas de Segurança Capitulo III - Abastecimento e prontidão dos meios de socorro Disponibilidade água Grau de prontidão do socorro 43
  44. 44. A localização da UT da 3ª e 4ª cat. de risco depende da grau de prontidão do socorro e do corpo de SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Grau de prontidão do socorro bombeiros local que depende do tempo de resposta e dos meios humanos e materiais Deve ser previsto o agravamento das medidas de segurança quando não é possível garantir a prontidão de socorro 44
  45. 45. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs 45
  46. 46. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs UT II - Estacionamentos Parques exteriores devem ter pelo menos uma via, no mínimoParques exteriores devem ter pelo menos uma via, no mínimo Parques exteriores devem ter marcos de incêndio junto às vias de acesso e noutros pontos de forma a ficarem a menos de 100m de qualquer ponto do parque 46
  47. 47. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs UT VI – Espectáculos e reuniões públicas Acessos a partir do exterior dos meios de socorro a todos os pisos da caixa de palcocaixa de palco Em alternativa existir uma ou mais escadas enclausuradas a toda a altura da caixa de palco e ser: •Largura mínima de 1 UP e corrimão •Portas em todos os patamares de acesso •Possuir numa das escadas pelo menos rede de incêndios com bocas de incêndio tipo teatro em todos os patamares 47
  48. 48. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs UT XII – Industrias, Oficinas e Armazéns Quando os edifícios em confronto estão a uma distância inferior as paredesQuando os edifícios em confronto estão a uma distância inferior as paredes exteriores devem ter uma resistência ao fogo EI60 ou REI60 com vãos E30 48
  49. 49. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs UT XII – Industrias, Oficinas e Armazéns Sempre que as distâncias sejam inferiores a metade dos valores indicados no quadro para 2ª, 3ª e 4ª Cat. De risco, então as paredes passam a ser EI90 ou REI90 e os vãos E45 Se os equipamentos de produção ou armazenamento for ao ar livre as distâncias serão aumentadas em 4,0m Vãos sobranceiros a coberturas da UT XII só se for garantida uma faixa de 8,0m com materiais de reacção ao fogo A1 49
  50. 50. 50
  51. 51. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Titulo III – Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Critérios de Segurança Capitulo I - Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Capitulo II - Compartimentação geral de fogoCapitulo II - Compartimentação geral de fogo Capitulo III - Isolamento e protecção de locais de risco Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 51
  52. 52. Os elementos estruturais com estabilidade ao fogo Os edifícios devem possuir compartimentação corta-fogo para evitar a propagação do incêndio ou fraccionar a carga de incêndio SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Critérios de segurança propagação do incêndio ou fraccionar a carga de incêndio UTs diferentes devem ser compartimentos corta-fogo independentes A compartimentação corta-fogo para além da capacidade de suporte deve garantir estanquidade a chamas e gases quentes e isolamento térmico durante um determinado tempo 52
  53. 53. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Critérios de segurança Quando a capacidade de suporte não esteja em causa, poderão ser usadas outros materiais homologados (Ex. telas batidas por cortina de água) Protecção de canalizações e condutas As vias de evacuação devem ser compartimentos corta-fogo independentes Os locais de risco C e F devem constituir compartimentos corta-fogo 53
  54. 54. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo I - Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Resistência ao fogo de elementos estruturais Resistência ao fogo de elementos incorporados em instalações Capitulo II - Compartimentação geral de fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Compartimentação geral de fogo Coexistência entre Uts distintas Compartimentação geral Corta-fogo Isolamento e protecção de pátios interiores Capitulo III - Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção dos locais de risco B Isolamento e protecção dos locais de risco C Isolamento e protecção dos locais de risco D Isolamento e protecção dos locais de risco E Isolamento e protecção dos locais de risco F 54
  55. 55. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Resistência ao fogo de elementos estruturais 55
  56. 56. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados • Não são feitas exigências à resistência ao fogo dos elementos estruturais Edifícios de UT I da 1ª Cat. e risco (Ex: habitações unifamiliares) Edifícios de uso exclusivo a UT III e UT XII da 1ª Cat. de risco apenas comEdifícios de uso exclusivo a UT III e UT XII da 1ª Cat. de risco apenas com um piso • Nas tendas os caminhos de evacuação devem ser protegidos • Estruturas insufláveis – Espaço protegido em cada saída 56
  57. 57. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo I - Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Resistência ao fogo de elementos estruturais Resistência ao fogo de elementos incorporados em instalações Capitulo II - Compartimentação geral de fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Compartimentação geral de fogo Coexistência entre Uts distintas Compartimentação geral Corta-fogo Isolamento e protecção de pátios interiores Capitulo III - Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção dos locais de risco B Isolamento e protecção dos locais de risco C Isolamento e protecção dos locais de risco D Isolamento e protecção dos locais de risco E Isolamento e protecção dos locais de risco F 57
  58. 58. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados • Resistência ao fogo de elementos incorporados em instalações As cablagens eléctricas e de fibra óptica e as de sistemas de energia ou sinal bem como os seus acessórios e tubagens que são indispensáveis para obem como os seus acessórios e tubagens que são indispensáveis para o funcionamento dos sistemas de segurança ou locais de risco F devem estar protegidos em ducto próprio ou em alternativa garantir a classe de resistência P ou PH Excepção os percursos de cablagem no interior de câmara corta-fogo e vias verticais de evacuação 58
  59. 59. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo I - Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Resistência ao fogo de elementos estruturais Resistência ao fogo de elementos incorporados em instalações Capitulo II - Compartimentação geral de fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Compartimentação geral de fogo Coexistência entre Uts distintas Compartimentação geral Corta-fogo Isolamento e protecção de pátios interiores Capitulo III - Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção dos locais de risco B Isolamento e protecção dos locais de risco C Isolamento e protecção dos locais de risco D Isolamento e protecção dos locais de risco E Isolamento e protecção dos locais de risco F 59
  60. 60. • Coexistência entre UTs distintas Não é admitido coexistência no mesmo edifício de uma UT XII de 3ª e 4ª Cat. de risco com outra UT de 2ª à 4ª Cat. de risco SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Excepções: • UT II • UT I da 1ª Cat. De risco destinada a proprietários ou funcionários Nas outras situações os espaços ocupados por UTs diferentes devem ser separados por paredes, pavimentos e vãos resistentes ao fogo, segundo a situação mais gravosa dos quadros seguintes 60
  61. 61. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo paredes, pavimentos vãos 61
  62. 62. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Os espaços ocupados por UTs situadas abaixo do plano de referência servidos por via de evacuação enclausurada não exclusiva, deve ser protegida por câmara corta-fogo Não são permitidas comunicações interiores das UT I da 2ª à 4ª Cat. de risco com UTs V e VII a XII de qualquer Cat. risco 62
  63. 63. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Em regra , os diversos pisos devem constituir compartimentos corta-fogo diferentes, tendo em atenção as condições de isolamento e protecçãodiferentes, tendo em atenção as condições de isolamento e protecção referentes a locais de risco existentes nesses pisos Os compartimentos corta-fogo não devem ter áreas superiores às indicadas no quadro seguinte 63
  64. 64. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo • Áreas máximas de compartimentação geral corta-fogo 64
  65. 65. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo • Constituem excepção: Espaços afectos à UT I da 1ª Cat. de risco Os espaços das UTs indicadas quando situadas em edifícios de H<9m em que três pisos podem constituir um compartimento corta-fogo, desde que nenhum dos pisos tenha mais de 800m2 e não se situe mais de um piso abaixo do plano de referência: • UTs III, VII e VIII • UTs IV e V, com locais de risco D apenas no piso de referência 65
  66. 66. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo As áreas máximas de compartimentação podem ser ampliadas desde que protegidas por sistema de controlo de fumos que garanta uma altura livre de fumo não inferior a 4,0m e com justificação fundamentada, em: • UT VIII, nos termos das condições específicas • UT VI,IX e X 66
  67. 67. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo As áreas de compartimentação podem ser duplicadas quando os edifícios são protegidos por uma rede de extinção automática de incêndio por água com cobertura total Resistência ao fogo de compartimentação • UTs I e III a X – EI30 ou REI30 • Para as restantes Uts – EI60 ou REI60 67
  68. 68. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Quando existem interligações de pisos sobrepostos efectuados por rampas, escadas rolantes, pátios interiores ou qualquer outro acesso que não seja via de evacuação admite-se a dispensa de elementos fixos resistentes ao fogode evacuação admite-se a dispensa de elementos fixos resistentes ao fogo para protecção desde que se verifique: • As áreas máximas por piso • Nesses pisos não existam fogos de habitação nem locais de risco D ou E • O controlo de fumo se faça por hierarquia de pressões 68
  69. 69. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Isolamento e protecção de pátios interiores • São permitidos pátios interiores, desde que : As suas dimensões permitam inscrever um cilindro dimensionado em funçãoAs suas dimensões permitam inscrever um cilindro dimensionado em função de H do pátio, cujo diâmetro seja igual ou superior a: – H, para H≤7m com mínimo 4,0m – √7H para H>7m As paredes do edifício que confinam com o pátio cumpram as exigências para a limitação de propagação Tenham envolvente EI30 quando liguem com locais de risco D ou E ou de caminhos de evacuação Horizontais de locais de risco D 69
  70. 70. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Compartimentação geral de fogo Isolamento e protecção de pátios interiores A protecção da envolvente, no caso de caminhos de evacuação que sirvam locais de risco E, pode ser feita por meios activos de controlo de fumos elocais de risco E, pode ser feita por meios activos de controlo de fumos e painéis de cantonamento ou telas accionados por detecção automática 70
  71. 71. 71
  72. 72. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo I - Resistência ao fogo de elementos estruturais e incorporados Resistência ao fogo de elementos estruturais Resistência ao fogo de elementos incorporados em instalações Capitulo II - Compartimentação geral de fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo II - Compartimentação geral de fogo Coexistência entre Uts distintas Compartimentação geral Corta-fogo Isolamento e protecção de pátios interiores Capitulo III - Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção dos locais de risco B Isolamento e protecção dos locais de risco C Isolamento e protecção dos locais de risco D Isolamento e protecção dos locais de risco E Isolamento e protecção dos locais de risco F 72
  73. 73. Isolamento e protecção de locais de risco B SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco 73
  74. 74. Isolamento e protecção de locais de risco C e risco C agravado SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco 74
  75. 75. Isolamento e protecção de locais de risco C agravado SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco 75
  76. 76. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco • Isolamento e protecção de locais de risco C Cozinhas ligadas a salas de refeições apenas a envolvente do conjunto deveCozinhas ligadas a salas de refeições apenas a envolvente do conjunto deve possuir resistência ao fogo desde que haja controlo de fumo Não podem existir locais de risco C em tendas ou em estruturas insufláveis , as quais devem estar a uma distância superior a 5,0m As portas destes locais devem ser E30C 76
  77. 77. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco • Isolamento e protecção de locais de risco D Se tiverem área útil >400m2 devem ser subcompartimentados por elementos resistentes ao fogo de forma a tornar possível a evacuação horizontal (compartimento a subcompartimento) 77
  78. 78. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção de locais de risco E 78
  79. 79. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de locais de risco Isolamento e protecção de locais de risco F 79
  80. 80. 80
  81. 81. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação 81
  82. 82. • Protecção das vias horizontais de evacuação Exigências de protecção das vias horizontais de evacuação – Vias comuns a diversas UTs da 3ª e 4ª Cat de risco com comprimento >30m SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação – Vias comuns a diversas UTs da 3ª e 4ª Cat de risco com comprimento >30m – Vias com comprimento superior a 10m em pisos com H>28m ou abaixo do plano de referência – Vias horizontais de evacuação de locais de risco B sem vias alternativas – Vias Horizontais de evacuação nos locais de risco D – Vias em impasse de comprimento superior a 10m – Galerias de ligação de edifícios 82
  83. 83. • Resistência ao fogo mínima da envolvente de vias horizontais de evacuação interiores protegidas • Estas vias não podem dar acesso a locais de risco C, D, E ou F SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação 83
  84. 84. • Resistência ao fogo mínima da envolvente de vias horizontais de evacuação interiores protegidas Vãos adjacentes a vias horizontais que se situem na área de um rectângulo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação de 2,0m por 8,0m devem ser E30 excepto se a via não tiver em impasse Vias horizontais de evacuação interiores com acesso a locais de risco D ou E devem ser isoladas com envolvente e partes resistentes ao fogo 84
  85. 85. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação 85
  86. 86. • Protecção das vias verticais de evacuação • Exige-se protecção para todas as vias verticais de evacuação excepto: Locais que sirvam: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação exclusivamente a UT I da 1ª Cat. de risco IV e V, com locais de risco D, apenas no piso do Plano de Referência Edifícios de pequena altura com um único piso abaixo do plano de referência Ou que sejam escadas de ligação entre pisos contidos no mesmo compartimento corta-fogo Protecção da envolvente da classe de resistência ao fogo não inferior á exigida para os elementos estruturais 86
  87. 87. • Protecção das vias verticais de evacuação As vias verticais de evacuação exteriores devem garantir as distâncias aos vãos adjacentes atrás referidos SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação vãos adjacentes atrás referidos Os acessos às vias verticais de evacuação protegidas em função da altura do edifício e do tipo de via, sendo as exigência distintas para o piso de saída e para os restantes pisos conforme os quadros seguintes: 87
  88. 88. • Protecção dos acessos a vias verticais de evacuação protegidas e localizadas no piso de saída para o exterior SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação 88
  89. 89. • Protecção dos acessos a vias verticais de evacuação protegidas não localizadas no piso de saída para o exterior SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação 89
  90. 90. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 90
  91. 91. • Isolamento de outras circulações verticais As circulações verticais interiores que não sejam vias de evacuação devem ser separadas dos restantes espaços conforme quadro seguinte: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação ser separadas dos restantes espaços conforme quadro seguinte: 91
  92. 92. • Isolamento de outras circulações verticais No caso de escadas mecânicas ou tapetes rolantes não incluídos nas vias verticais de evacuação o isolamento para ser realizado por obturadores de SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação accionamento automático em caso de incêndio Junto das escadas mecânicas ou dos tapetes rolantes deve ser afixado sinal com a inscrição «em caso de incêndio não utilizar este caminho» ou com pictograma equivalente 92
  93. 93. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 93
  94. 94. • Isolamento e protecção das caixas dos elevadores As paredes e portas de patamar de isolamento das caixas dos elevadores devem cumprir as SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação das caixas dos elevadores devem cumprir as seguintes condições: – Classes de resistência ao fogo indicadas no quadro anterior até ao limite de altura de 28m do edifício, desde que o piso de menor cota servido seja o imediatamente abaixo do plano de referencia – Paredes EI60 ou REI60 e portas de patamar E30, quando sirvam mais do que um piso abaixo do plano de referência 94
  95. 95. • Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Nos pisos abaixo do plano de referência os acessos aos elevadores que sirvam espaços afectos à UT II devem ainda ser protegidos por câmara corta- SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação sirvam espaços afectos à UT II devem ainda ser protegidos por câmara corta- fogo que pode ser comum à caixa de escada As portas de patamar de funcionamento automático 95
  96. 96. • Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Nos edifícios de H>28m os SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das vias de evacuação Nos edifícios de H>28m os elevadores prioritários de bombeiros devem ser servidos por um átrio com acesso directo à câmara corta- fogo que protege a escada e contém os meios de combate a incêndio 96
  97. 97. 97
  98. 98. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 98
  99. 99. • Campo de aplicação Canalizações eléctricas, esgotos, gases (incluindo os de ar comprimido) Condutas de: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas Condutas de: – Ventilação, tratamento de ar, evacuação de afluentes de combustão, desenfumagem e evacuação de lixos Aplicáveis a instalações que sirvam locais de risco C, edifícios com H>9m ou possuam locais de risco D ou E Excepção os ductos ou condutas afectos à UT I 99
  100. 100. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 100
  101. 101. • Meios de isolamento Alojamento em ductos Atribuição de resistência ao fogo às próprias canalizações ou condutas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas Atribuição de resistência ao fogo às próprias canalizações ou condutas Instalações de dispositivos no interior das condutas para obturação automática em caso de incêndio Resistência ao fogo não inferior à metade exigida para os elementos de construção que atravessam 101
  102. 102. • Meios de isolamento Alojamento em ductos as canalizações e condutas que: – Estejam situadas em edifícios de grande altura ou quando atravessam pavimentos ou paredes SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas – Estejam situadas em edifícios de grande altura ou quando atravessam pavimentos ou paredes de compartimentação – Possuam diâmetro nominal >315mm ou secção equivalente 102
  103. 103. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 103
  104. 104. • Condições de isolamento • Não abrangidas pelo alojamento em ductos: Meios de isolamento com a mesma classe de resistência ao fogo dos SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas Meios de isolamento com a mesma classe de resistência ao fogo dos elementos atravessados: Com diâmetro nominal > 75 mm ou secção equivalente, que atravessem elementos de compartimentação corta-fogo; Condutas de efluentes de combustão 104
  105. 105. • Condições de isolamento Não abrangidas pelo alojamento em ductos: • As exigências anteriores são satisfeitas em: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas • As exigências anteriores são satisfeitas em: Condutas metálicas de ponto de fusão > 850 ºC; Condutas de PVC da classe B com diâmetro nominal não superior a 125 mm. Canalizações e condutas com diâmetro nominal superior a 125 mm devem ser isoladas nos percursos no interior de locais de risco C. 105
  106. 106. • Condições de isolamento Condutas de evacuação de lixo devem ser construídas com materiais A1 e SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas garantir EI 60 Condutas de controlo de fumo devem satisfazer as disposições específicas do título VI. As exigências anteriores podem ser asseguradas apenas nos pontos de atravessamento por dispositivos de obturação automática em caso de incêndio. 106
  107. 107. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 107
  108. 108. • Características dos ductos Ductos de secção > 0,2 m2 devem ser construídos em materiais A1 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas Ductos de secção > 0,2 m2 devem ser construídos em materiais A1 Os ductos devem ser seccionados por septos constituídos por materiais da classe A1 nos pontos de atravessamento de paredes e pavimentos de compartimentação corta-fogo ou de isolamento entre locais ocupados por entidades distintas. 108
  109. 109. • Características dos ductos Nos ductos destinados a alojar canalizações de líquidos e gases SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas combustíveis: Não é permitido qualquer seccionamento; Os troços verticais devem dispor de aberturas permanentes de comunicação com o exterior do edifício com área não inferior a 0,1 m2, situadas uma na base do ducto, acima do nível do terreno circundante, e outra no topo, ao nível da cobertura. 109
  110. 110. • Características dos ductos As portas de acesso deverão ser da classe de resistência ao fogo padrão E 30 C, se a altura do edifício for menor ou igual a 28 m, ou E 60 C, nas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas 30 C, se a altura do edifício for menor ou igual a 28 m, ou E 60 C, nas restantes situações. 110
  111. 111. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Protecção das vias horizontais de evacuação Protecção das vias verticais de evacuação Isolamento de outras circulações verticais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção das caixas dos elevadores Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas Campo de Aplicação Meios de isolamento Condições de isolamento Características dos ductos Dispositivos de Obturação Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Capitulo VII - Reacção ao fogo 111
  112. 112. • Dispositivos de obturação automática O accionamento dos dispositivos de obturação automática deve ser comandado por meio de dispositivos de detecção automática de incêndio, SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Isolamento e protecção de canalizações e condutas comandado por meio de dispositivos de detecção automática de incêndio, duplicados por dispositivos manuais. 112
  113. 113. 113
  114. 114. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo IV - Isolamento e protecção das vias de evacuação Capitulo V - Isolamento e protecção de canalizações e condutas SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Capitulo VI - Protecção de vãos interiores Resistência ao fogo de portas Isolamento e protecção através de câmaras corta-fogo Dispositivo de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo Dispositivos de fecho das portinholas de acesso a ductos de isolamento Capitulo VII - Reacção ao fogo 114
  115. 115. • Portas: Resistência ao fogo com escalão de tempo igual à metade do edifício para a parede onde se insere SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Protecção de vãos interiores • Câmaras corta-fogo: Paredes não resistentes – EI60 Pavimentos e paredes resistentes – REI60 Portas – E30C – Devem possuir controlo de fumo: No seu interior não pode existir ductos para canalizações, lixos ou quaisquer acessos a ductos para qualquer outro fim, canalizações de gases, combustíveis, comburentes ou líquidos combustíveis, instalações eléctricas 115
  116. 116. Nas câmaras corta-fogo são permitidas instalações eléctricas que sejam necessárias á iluminação e detecção de incêndios e comando de dispositivos SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Protecção de vãos interiores de segurança È ainda permitido a existência de canalizações de água destinadas ao combate a incêndio Nas faces exteriores das portas deve ser afixado sinal com a inscrição «câmara corta-fogo manter porta fechada» ou pictograma equivalente 116
  117. 117. Todas as portas resistentes ao fogo integradas em caminhos de evacuação devem ser providas de dispositivos que SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo as reconduzam automaticamente, por meios mecânicos, à posição fechada. As portas que devam ser mantidas abertas por razões de exploração devem ser providas de dispositivos de retenção que em caso de incêndio as libertem provocando o seu fecho. 117
  118. 118. Portas de duas folhas → dispositivo selector de fecho. As portas das câmaras corta-fogo ou de acesso a vias verticais de evacuação não podem ser SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Dispositivos de fecho e retenção das portas resistentes ao fogo a vias verticais de evacuação não podem ser mantidas em situação normal na posição de abertas. Nas portas equipadas com dispositivos de retenção deve ser afixado sinal com a inscrição: «Porta corta-fogo. Não colocar obstáculos que impeçam o fecho» ou pictograma equivalente. Portinholas de acesso a ductos → mantidas fechadas. 118
  119. 119. Titulo III - Condições Gerais de Comportamento ao Fogo, Isolamento e Protecção Capitulo VII - Reacção ao fogo Campo de aplicação Vias de evacuação horizontais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Vias de evacuação verticais e câmaras corta-fogo Locais de risco Outras comunicações verticais dos edifícios Materiais de tectos falsos Mobiliário fixo em locais de risco B ou D Tendas e estruturas insufláveis Bancadas, palanques e estrados em estrturas insufláveis, tendas e recintos itinerantes Materias de correcção acústica Elementos de decoração temporária 119
  120. 120. • A classificação de reacção ao fogo dos materiais do presente regulamento aplica-se aos revestimentos de: Vias de evacuação Câmaras corta-fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo Câmaras corta-fogo Locais de risco Comunicações verticais (caixas de elevador, condutas, ductos) Elementos de decoração Mobiliário fixo • Estão isentos a UT VII da 1ªCat. de risco 120
  121. 121. Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de vias de evacuação horizontais SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo 121
  122. 122. Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de vias de evacuação verticais e câmaras corta-fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo 122
  123. 123. Reacção ao fogo mínima dos revestimentos de locais de risco A; B; C; D; E e F SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo 123
  124. 124. Reacção ao fogo da classe A1 na construção ou no revestimento de: – Caixas de elevadores – Condutas e ductos – Comunicações verticais dos edifícios SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo – Comunicações verticais dos edifícios – Septos de ductos referidos quando existam Reacção ao fogo não inferior ao da classe C-S2d0 para materiais constituintes dos tectos falsos Materiais para difusão de luz embutidos em tectos falsos até 25% da área total – D-S2d0 Dispositivo de fixação e suspensão TF da classe A1 124
  125. 125. Mobiliário fixo em locais de risco B ou D Materiais C-S2d0 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo Elementos de enchimento desses equipamentos D-S3d0 Cadeiras, poltronas e os bancos C-S2d0 Cadeiras, poltronas, estofados – Estrutura – D-S2d0 – Com enchimento – D-S3d0 – Invólucro – C-S1d0 125
  126. 126. Em vias de evacuação os elementos em relevo ou suspensos não devem ultrapassar 20% ( de parede ou tecto) devem possuir reacção ao fogo B-S1d0 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo Nos locais de risco B – C-S1d0 Excepto obras de arte se colocadas em paredes A1 Não são permitidos reposteiros ou de outros elementos suspensos – Nas vias de evacuação – Nas saídas de locais de risco B; C; D; E e F 126
  127. 127. Coberturas Paredes das tendas e das estruturas insufláveis C-S2d0 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo As clarabóias e faixas laterais, elementos transparentes – Rígidos – D-S2d0 – Flexível – D-S3d0 se tiverem: o Espessura ≤5mm o Área ≤ 20% área total da tenda o Afastadas 3,5m entre si 127
  128. 128. Palcos, estrados, palanques, plataformas, bancadas, tribunas e pavimentos elevados de classe C-S2d0 assentes em estruturas construídas em materiais A1 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo A1 Pavimentos devem ser contínuos Degraus devem ter espelho Fachadas lateralmente por materiais D-S1 Os materiais de correcção acústica devem satisfazer as exigências impostas para os locais de risco 128
  129. 129. Elementos de decoração temporária SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Reacção ao fogo Afastados da fonte de calor É permitido a utilização dos materiais de classe não especifica desde que aplicados em suportes de D-S1d0 ( tectos e paredes) Se forem adoptadas medidas de auto-protecção 129
  130. 130. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs 130
  131. 131. UT II - Estacionamentos Vãos para passagem de viaturas nas paredes de compartimentação devem SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs ser fechados por portões de correr, painéis ou telas de fecho automático. Limitações relativas às condutas no interior dos parques. 131
  132. 132. UT V – Hospitalares e lares de idosos: • Blocos operatórios, blocos de partos e unidades de cuidados intensivos devem ser separados por elementos que garantam a resistência ao fogo SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs indicada no quadro. • Locais com áreas > 200 m2 devem ser subdivididos. 132
  133. 133. UT VI – Espectáculos e reuniões públicas: Isolamento em relação a outras UT. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs Isolamento e protecção dos espaços cénicos. Dispositivos de obturação da boca de cena. Depósitos temporários. Isolamento dos camarins. Reacção ao fogo de espaços cénicos isoláveis e não isoláveis. Reacção ao fogo de telas de projecção. 133
  134. 134. UT VIII – Comerciais e gares de transportes: • Resistência ao fogo em gares subterrâneas. • Áreas máximas de compartimentação corta-fogo: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs • Áreas máximas de compartimentação corta-fogo: 8000 m2 num único piso ou loja; 16000 m2 com corredores de 10 UP separando áreas não superiores a 3200 m2; Sem limite em plataformas de embarque. • Isolamento e protecção de locais de estacionamento, embarque e espaços comerciais em gares. 134
  135. 135. UT X – Museus e galerias de arte: • Isolamento e protecção de armazéns • Sub-compartimentação quando a carga de incêndio exceder 1 500 000 SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs • Sub-compartimentação quando a carga de incêndio exceder 1 500 000 MJ em armazéns de obras de manifesto interesse histórico ou cultural. • Reacção ao fogo: Paredes e tectos: A2-s1 d0; Pavimentos: CFL-s2 135
  136. 136. UT XII – Indústrias, oficinas e armazéns: • Áreas máximas de compartimentação corta-fogo: SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs 136
  137. 137. UT XII – Indústrias, oficinas e armazéns: • Caso IV – Edifício isolado exclusivamente afecto à UT XII, sem pisos abaixo do plano de referência e respeitando os afastamentos regulamentares. SegurançaSegurança Contra Incêndios emContra Incêndios em EdifíciosEdifícios Condições especificas das UTs do plano de referência e respeitando os afastamentos regulamentares. • Isolamento e protecção de zonas destinadas a pintura e locais onde sejam armazenados ou manuseados líquidos combustíveis. 137
  138. 138. OBRIGADO 138

×