Camila Carine Catarina t2

94 visualizações

Publicada em

Trabalho Bião e Zanza

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
94
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Camila Carine Catarina t2

  1. 1. MODA
  2. 2. Como saber se o modelo que você usa é uma cópia? É dificil ser original quando praticamente tudo já foi inventado. Confira alguns dos maiores nomes no mundo da moda que tiveram os seus trabalhos plagiados. A moda é uma ten- dência associada ao vestuário que varia entre cultu- ras e períodos da história. Palavra vinda do Francês (mode), é utili- zada para definir o que está sendo usado no momento Aquilo o que você consome define as suas pre- ferências e gostos. Cada pessoa tem o livre arbítrio para usar o que bem entender, mas essa inde- pendência de estilo não é ilimita- da. Como foi dito anteriormente, o lugar onde você vive e a época onde está não só definem, mas limitam as suas escolhas de ves- timenta. Quer dizer, você pode até sair de casa no Rio de Janeiro atual com um vestido do século XIX, mas será julgado por isso, sem contar que irá sentir um ca- lor insuportável! Então talvez não seja uma boa ideia. A nossa cul- tura também é definida pelo que vestimos. A cultura de cada pes- soa depende diretamente de como nos mostramos perante à socieda- de. Por exemplo, pessoas que se vestem com o moleton dos Los Angeles Lakers deixam implícito que moram nos Estados Unidos. Quer dizer, podem até não mo- rar, mas qual é a graça de torcer para um time que dificilmente irá acompanhar? Novas tendências aparecem no mundo da moda todos os dias. As roupas expostas nas passarelas das semanas de moda em Paris, Milão, São Paulo, Nova York, além de outras cidades que são símbolos de estilo e sofisticação, são uma amostra do que está no topo das paradas, e certamente será cobiçado por milhares de pessoas nos meses a se seguir. ENTENDASOBREOPLÁGIO Tudo o que é lançado pelas grifes e estilistas famosos surgiu a partir de uma ideia. Tal ideia pode ter vindo da cabeça do autor, ou não. Muitos estilistas são acusados de plágio, ou seja, apropriação de algo que não foi inventado por tal pessoa, o que é crime. Algumas das maiores marcas no universo da moda já foram acusadas de plágio, como por exemplo a Gucci e a Guess, que são suspeitas de cópia por terem as logomarcas semelhantes. Além desse exemplo, podemos citar empresas que são conhecidas por venderem roupas de passarela por preços mais baratos (outro tipo de cópia), como a Forever 21, Topshop e ZARA, entre outras. MODA NA Texto Diagramação Fotos Camila Jesus, Catarina Oliveira e Carine do Carmo PLÁGIO
  3. 3. No mundo das tendências, o plágio é algo muito comum de ser encontrado. Mesmo sabendo que copiar algo que é de autoria de outra pessoa é errado, a indústria da moda obtém crescimento fácil, se apropriando de ideias de outros estilistas e assim lucrando em cima dos gigantes da moda. Estilistas famosos em todo o mundojá foramvítimasdecópias. Temos como exemplo alguns dos maiores nomes da área, Donatella Versace, Christian Dior, Yves Saint Laurent, Ralph Lauren, Calvin Klein, Giorgio Armani, Gianni Versace e Valentino, vale ressaltar que a lista não para por ai, e há uma grande chance de que todas as marcas citadas a cima serão plagiadas novamente. Os próprios estilistas acima citados, não estão livres de acusações de plágio. Lembrando que qualquer semelhança (quando se trata de moda), por menor que ela possa ser, pode ser vista como cópia. SOBRE ISABEL MARANT Isabel Marant é uma designer francesa conhecida internacio- nalmente. Possui lojas na Euro- pa, Ásia, e nas Américas. Seus modelos foram usados por mui- tas celebridades e a sua marca (Isabel Marant) é milionária. Até aí tudo bem, o que nos interessa mesmo é o fato seguinte: Isabel Marant foi recentemente acusada de plágio, mas não qualquer tipo de plágio. A estilista gerou polê- mica ao supostamente ter copia- do a vestimenta tradicional de uma tribo indígena. O elemento que teria sido plagiado foi uma túnica típica da tribo mexicana Santa Maria Tlahuitoltepec. Tal acontecimento pode ser chama- do de plágio cultural, quando há apropriação de algum elemento característico da cultura de al- gum povo. Esse tipo de plágio é gravíssimo, pois ofende a uma cultura inteira. A peça de roupa está avaliada em mais de duzen- tos dólares, mas se você quiser um preço mais em conta, vá até a tribo que também a fabrica, pois lá, a blusa está avaliada em ape- nas dezenove dólares. Mas como saber se o plágio foi intencional? A estilista não pode ter tido a mesma idéia? Quando questionada sobre a cópia, Ma- rant não quis fazer nenhum co- mentário, talvez por realmente ter sido proposital, ou talvez por ela não querer dar satisfações a mídia e se sinta ofendida com tal acusação. A grande jogada da história é que pouco importa se Isabel Marant copiou o modelo com a esperança de não ser pega, ou se apenas teve uma idéia se- melhante, se é igual e veio de- pois, é plágio, e a estilista pode (e foi) processada por isso. UMA MULHER CHAMADA DAPHINE Quem diria que uma estudante de direito faria tanto sucesso fa- bricando roupas inspiradas em outros modelos? A palavra “ins-
  4. 4. pired”, que tem como significado inspiração ou inspirado, é utili- zada para as peças diretamente copiadas. Daphine Guimarães é uma Piauíense de 28 anos que tem paixão por moda. “Meu ateliê começou muito ti- midamente, na verdade como uma loja de alugueis. Em mi- nha casa funcionam somente o espaço onde as clientes olham e provam os vestidos que ja temos prontos ou tiram medidas para a confecção de vestidos que vão comprar ou fazer o primeiro alu- guel. O ateliê começou com ape- nas uma costureira, que até hoje e meu braço direito e se chama Eliane, mas hoje tenho uma equi- pe grande que me apoia , com costureiras e bordadeiras, e com profissionais supertalentosos que me ajudam na produção dos edi- toriais. Os lucros já bateram a porta, mas ainda a muito trabalho a fazer. Queremos expandir para outros estados.” Os seus modelos são inspirados em looks anterior- mente usados por pessoas famo- sas ou personagens de TV, como é o caso do vestido branco usado por Blair, personagem principal da série Gossip Girl, que foi co- piado por Daphine, e agora é ven- dido por um preço bastante aces- sível, enquanto a peça original está estimada em mais de mil dó- lares, um precinho bem salgado. O que alguns chamam de plágio, Daphine define como inspiração, “A verdade é que no mundo da moda há uma linha tênue entre plágio e inspiração. Muitos cha- mam de inconsciente coletivo, outros afirmam se tratar mera- mente de falta de criatividade. Há uma grande divergência de opini- ões sobre a moda inspired: mui- tas pessoas a favor e outras tantas contra. Os que defendem, acre- ditam que os produtos inspireds são uma oportunidade de ter algo com um design bacana, sem pa- gar um preço que muitos conside- ram absurdo. Os que são contra, acreditam que deve ser respeitado o direito autoral da imagem do produto de quem cria, e que não é certo lucrar em cima de idéias de outras pessoas, alegando serem suas’’ diz Daphine em entrevista para a revista EGO. PLÁGIO É CRIME? Plágio não é brincadeira, muitos cometem tal crime inconscien- temente, alguns fazem de má fé. O que todos devem saber e que tal ato não deixa de ser um cri- me, não importa suas intenções. De qualquer forma e bom tomar cuidado com o que você se apro- pria, qualquer coisa que leva o seu nome e subentendido como sendo seu, mesmo que as vezes nao seja. Em um mundo onde praticamente tudo já foi pensa- do e inventado, quando falamos de moda, é improvável ou no mínimo ingênuo da nossa parte pensar que não surgirão ideias parecidas. Se dois estilos de rou- pas bastante semelhantes forem lançados, não é certo que a peça divulgada por ultimo seja uma cópia. É parecida? Sim, de fato. Porém nada pode nos dar a cer- teza de que o estilista não tenha apenas tido a mesma ideia, isso é perfeitamente possível de acon- tecer. Ou então ele pode ter co- piado mesmo. Créditos Camila de Jesus Catarina Costa e Carine do Carmo

×