ApresentaçãoApresentação
• Instituição – Faculdade Pitágoras Uberlândia
• Curso – Pedagogia (2º e 3º Período Noturno)
• Di...
ReferênciasReferências
 VASCONCELOS, Celso dos Santos. Em busca d algumas
alternativas. In:_______. Avaliação: concepção ...
Mudança de prática - AvaliaçãoMudança de prática - Avaliação
• Uma nova relação com as ideias e com a realidade:
- Ideias ...
IntençãoIntenção
 Abrir mão do uso autoritário de avaliar.
 Modificar sua postura perante
a avaliação.
 Sem reprodução ...
1ª Linha de ação1ª Linha de ação
 Conteúdos mais significativos.
 Metodologia prática.
 Mudança de trabalho em sala de ...
2ª Linha de ação2ª Linha de ação
 Diminuir a importância da avaliação em termos de
classificação.
 Mudança de conteúdo, ...
3ª Linha de ação3ª Linha de ação
 Remanejar o conteúdo a ser avaliado.
 Não avaliar de forma mecânica.
 Avaliação refle...
3ª Linha de ação3ª Linha de ação
 Avaliação Sócio Afetiva:
(Atitudes, valores, interesse, esforço, participação,
comporta...
4ª Linha de ação4ª Linha de ação
 Postura diferente perante os resultados da avaliação.
 Os resultados são parte de um d...
5 ª Linha de ação5 ª Linha de ação
 Trabalhar para conscientização da comunidade.
 Esclarecer aos pais e alunos os crité...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação

206 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
206
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
60
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação

  1. 1. ApresentaçãoApresentação • Instituição – Faculdade Pitágoras Uberlândia • Curso – Pedagogia (2º e 3º Período Noturno) • Disciplina – Avaliação da Aprendizagem • Tema do Trabalho – Em busca de Algumas Alternativas • Componentes : - Ana Paula de Menezes - Dhayana Novais Oliveira - Leidiane Oliveira - Nattassia Kinsk - Taísa Teófilo Prof.ª – Ketiuce Ferreira Silva Maio/2014
  2. 2. ReferênciasReferências  VASCONCELOS, Celso dos Santos. Em busca d algumas alternativas. In:_______. Avaliação: concepção dialética- libertadora do processo de avaliação escolar. 18. ed. São Paulo: Libertad, 2008. Cap. 5, p.65-102.
  3. 3. Mudança de prática - AvaliaçãoMudança de prática - Avaliação • Uma nova relação com as ideias e com a realidade: - Ideias possibilitam modificações, mas não mudam, o que transforma é a prática. - Avaliar é um processo contínuo que visa um diagnóstico. - A mudança não ocorre de uma vez, pois é um processo de ação-reflexão-ação. - Autocrítica.
  4. 4. IntençãoIntenção  Abrir mão do uso autoritário de avaliar.  Modificar sua postura perante a avaliação.  Sem reprodução automática.  Trabalho coletivo e esforço.  Criatividade.  Sem receita, sem modelo.
  5. 5. 1ª Linha de ação1ª Linha de ação  Conteúdos mais significativos.  Metodologia prática.  Mudança de trabalho em sala de aula.  Criatividade fundamental.  Proporcionar condições e participação.  Sentido para conhecimento.  Agir para conhecer.  Direito à dúvida.
  6. 6. 2ª Linha de ação2ª Linha de ação  Diminuir a importância da avaliação em termos de classificação.  Mudança de conteúdo, finalidade e forma.  Avaliação no processo.  Crítica à “prova”.  Não se trata de abolir a Avaliação.  Aprender x Tirar Nota.  Observação e registro.
  7. 7. 3ª Linha de ação3ª Linha de ação  Remanejar o conteúdo a ser avaliado.  Não avaliar de forma mecânica.  Avaliação reflexiva, relacional e compreensiva.  Valorizar avaliação conforme o cotidiano do educando.  Continuidade da avaliação conforme trabalho em sala de aula.  Avaliar o que é fundamental.  Romper com os questionários.
  8. 8. 3ª Linha de ação3ª Linha de ação  Avaliação Sócio Afetiva: (Atitudes, valores, interesse, esforço, participação, comportamento, relacionamento, criatividade e iniciativa).  Não intimidar o aluno através da nota em relação a indisciplina.  Auto avaliação sem vínculo com nota.  Nota de participação precisar possuir critérios bem objetivos.  “Trabalhinho” ser realizado no contexto significativo do aprender.  Trabalho em grupos devidamente orientados, para um ensino mais significativo e participativo.
  9. 9. 4ª Linha de ação4ª Linha de ação  Postura diferente perante os resultados da avaliação.  Os resultados são parte de um diagnóstico: identificar a necessidade do alunos e intervir para ajudar na superação.  Deixar de valorizar o erro e passar a considerar o raciocínio do aluno. - O erro é uma forma de aprendizagem.  Evitar análise superficial do aluno, entender ele como um ser em mudança.  O conselho de classe não pode ser um “acerto de contas”.  A recuperação precisa ser da aprendizagem e não da nota.  A reprovação precisa ser definida democraticamente.
  10. 10. 5 ª Linha de ação5 ª Linha de ação  Trabalhar para conscientização da comunidade.  Esclarecer aos pais e alunos os critérios de avaliação.  Incentivar os alunos a prática da colaboração com os colegas.  Conscientização dos pais, orientação á família e compromisso com a luta pelos direitos desta.  Aconselhar a família em caso de transferências.  A educação libertadora não pode ser distorcida.  Entender o verdadeiro sentido da avaliação na formação de professores, mudando sua prática.  A avaliação deve abranger todo processo e sistema educacional.  Os educadores precisam se comprometer com o processo de transformação da realidade.

×