PRINCÍPIOS E PERSPECTIVAS
DA AGROECOLOGIA
FRANCISCO ROBERTO CAPORAL
EDISIO OLIVEIRA DE AZEVEDO
(Orgs.)
© 2011 - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARANÁ –
EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
Irineu Mário Colombo
Reitor
...
O presente livro é uma coletânea de quatro artigos já disponíveis
na literatura, elaborados por Francisco Roberto Caporal,...
No segundo capítulo, o leitor encontrará um texto de autoria de
Caporal, Costabeber e Paulus, onde os autores procuram amp...
No quinto capítulo é apresentado um texto para discutir os desafios
que a Agroecologia tem para enfrentar e as perspectiva...
O Professor Francisco Roberto Caporal,é graduado em Agronomia
com Mestrado em Extensão Rural e Doutorado em Agroecologia,
...
João Carlos Costa Gomes é graduado em Engenharia Agronômica
pela UFPEL com Mestrado em Extensão Rural e Doutorado em
Agroe...
Sumário
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . 13
1.1 Introdução. . . . . . . . ...
3.4 Agriculturas alternativas de base ecológica e
agriculturas mais sustentáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
As bases epistemológicas
da Agroecologia
As bases epistemológicas
da Agroecologia11
João Carlos Costa Gomes
1.1 Introdução
Antes de tentar mapear as bases epistemo...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
14
produtivista, baseado nos preceitos d...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
15
nome de “positivismo” e...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
16
Bacon parte dos fatos empíricos do mu...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
17
7.	 A tese do poder bas...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
18
No racionalismo, os conhecimentos vál...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
19
define que os “fatos” s...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
20
como “Círculo de Viena”, fundou uma d...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
21
do “cisne negro”; ainda...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
22
respostas(sempreprovisórias)acontrata...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
23
lógica, adquire importâ...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
24
para que a atividade científica tenha...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
25
Kuhn considera como “re...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
26
1.6 Debates contemporâneos sobre a Ci...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
27
e de valores nos cienti...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
28
conhecimento sobre o conhecimento é o...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
29
2º. Metacomunicação da ...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
30
1.7.3 Paradigma ecológico
O conceito ...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
31
o caos e o erro. Também...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
32
conhecimentos como epistemologia natu...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
33
respeitando o ecossiste...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
34
desenvolverem o conceito de ciência p...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
35
que permitam a integraç...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
36
da Agroecologia. A referência ao méto...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
37
Neste sentido, as contr...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
38
econômico trás das demandas, por um l...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
39
na produção e circulaçã...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
40
A produção do conhecimento deve ser c...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Princípios e Perspectivas da Agroecologia
41
uma produção de conheci...
Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia
Instituto Federal do Paraná
42
Morin, E. (1996): O problema epistemo...
Agroecologia: matriz disciplinar
ou novo paradigma para o
desenvolvimento rural sustentável
Agroecologia: matriz disciplinar
ou novo paradigma para o
desenvolvimento rural sustentável42
Francisco Roberto Caporal
Jo...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Instituto Federal...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Princípios e Pers...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Instituto Federal...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Princípios e Pers...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Instituto Federal...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Princípios e Pers...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Instituto Federal...
Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para
o desenvolvimento rural sustentável
Princípios e Pers...
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia

278 visualizações

Publicada em

Transição Agroecológica

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
278
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caporal francisco-roberto-azevedo-edisio-oliveira-de-princípios-e-perspectivas-da-agroecologia

  1. 1. PRINCÍPIOS E PERSPECTIVAS DA AGROECOLOGIA FRANCISCO ROBERTO CAPORAL EDISIO OLIVEIRA DE AZEVEDO (Orgs.)
  2. 2. © 2011 - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARANÁ – EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Irineu Mário Colombo Reitor José Carlos Ciccarino Diretor Geral de Educação a Distância Ricardo Herrera Diretor de Planejamento e Administração EaD - IFPR Mércia Freire Rocha Cordeiro Machado Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão EaD - IFPR Marcelo Camilo Pedra Nilton Menoncin Coordenadores do Governo Federal - SETEC/MEC Otávio Bezerra Sampaio Silvana dos Santos Moreira Cristina Maria Ayroza Sandra Terezinha Urbanetz Coordenadores do Instituto Federal do Paraná/EaD Ester dos Santos Oliveira Flávia TerezinhaVianna da Silva Telma Lobo Dias Jaime MachadoValente dos Santos Revisão Editorial e Diagramação
  3. 3. O presente livro é uma coletânea de quatro artigos já disponíveis na literatura, elaborados por Francisco Roberto Caporal, José Antônio Costabeber, Gervásio Paulus e João Carlos Costa Gomes e um artigo inédito do Professor Edisio Oliveira de Azevedo. Os autores vêm, ao longo de muitos anos, defendendo a Agroecologia como referencial teórico para a sustentabilidade da agricultura e como ciência norteadora de suas intervenções no campo profissional. O primeiro capítulo trata sobre Epistemologia em Agroecologia. Para os praticantes desta nova ciência é fundamental entender as bases epistemológicas que dão sustentação a este novo paradigma, até mesmo para evitar os reducionismos ou o equivocado uso da palavra Agroecologia, muitas vezes como se fosse mais um tipo de agricultura. O texto de João Carlos Costa Gomes inicia com uma abordagem histórica sobre a construção da epistemologia da ciência, destacando alguns de seus principais autores, chegando aos debates contemporâneos sobre ciência, para propor, finalmente, o “pluralismo epistemológico na Agroecologia”, onde destaca a pluralidade de contextos e soluções para a produção e circulação do conhecimento agrário; os saberes tradicionais como fonte de conhecimentos e práticas válidas, assim como a implicação do contexto social e suas demandas com respeito à produção e circulação deste conhecimento agrário. Apresentação
  4. 4. No segundo capítulo, o leitor encontrará um texto de autoria de Caporal, Costabeber e Paulus, onde os autores procuram ampliar a dimensão dos debates em torno da Agroecologia, mostrando que se tratadeumaciênciadocampodacomplexidade.Partindodaperspectiva da ética que requer este novo paradigma, os autores mostram que a Agroecologia é uma matriz disciplinar ou um paradigma que busca superar os limites da ciência convencional na medida em que, ao contrário do reducionismo paradigmático que caracteriza a ciência normal, a Agroecologia é uma ciência integradora de diferentes conhecimentos. Neste sentido, os autores dão alguns exemplos da contribuição de diferentes disciplinas à construção do conhecimento em Agroecologia, sem perder de vista que suas bases epistemológicas destacam a importância dos conhecimentos e saberes dos agricultores e camponeses acumulados ao longo dos processos de coevolução dos homens com seus agroecossistemas. O terceiro capítulo trata sobre a Agroecologia como um enfoque científico necessário para apoiar a transição para agriculturas mais sustentáveis. Neste texto o autor recupera elementos da epistemologia que são fundamentais para o redesenho de agroecossistemas mais sustentáveis,destacando,ainda alguns elementos de uma Agroecologia aplicada, assim como sua importância para a segurança alimentar. O quarto capítulo é uma proposta para o debate acerca da construção de um Plano Nacional de Transição Agroecológica. O autor argumenta que o avanço da transição Agroecológica – ou seja, a adoção dos princípios e bases epistemológicas da Agroecologia - é o único caminho para reduzir os impactos ambientais hoje presentes em nossa sociedade e afirma que isto requer um plano e um conjunto de políticas públicas, sem as quais a transição continuará em sua marcha lenta, enquanto o avanço dos danos ambientais e impactos sociais seguirá em marcha acelerada. Ademais, apresenta alguns dados sobre a dependência agroquímica da agricultura dita moderna, fala sobre problemas nacionais como a redução da biodiversidade e aumento das contaminações, alertando para os riscos que o atual modelo de agricultura pode gerar inclusive para a nossa soberania alimentar. Por fim,o texto apresenta algumas ideias para iniciar o debate acerca de um plano nacional de transição agroecológica.
  5. 5. No quinto capítulo é apresentado um texto para discutir os desafios que a Agroecologia tem para enfrentar e as perspectivas para sua consolidação enquanto proposta alternativa ao modelo agroquímico exportador, destacando a necessidade de se ampliar os espaços de formação técnica dos profissionais da Agroecologia. O texto levanta questionamentos sobre o papel do poder público, das Instituições de ensino, pesquisa e extensão e das organizações sociais na defesa de um novo paradigma para a agricultura brasileira.
  6. 6. O Professor Francisco Roberto Caporal,é graduado em Agronomia com Mestrado em Extensão Rural e Doutorado em Agroecologia, Campesinato e História. Foi diretor substituto e coordenador geral de ATER e educação do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural (DATER), da Secretaria da Agricultura Familiar, do Ministério do Desenvolvimento Agrário, no período de 2003 a 2010. Atualmente é Professor de Extensão Rural na UFRPE. Tem livros e artigos publicados sobre Agroecologia, desenvolvimento rural sustentável, meio ambiente e agricultura familiar. É o atual Presidente da Associação Brasileira de Agroecologia. O Professor Jose Antonio Costabeber, é Engenheiro Agrônomo com Mestrado em Extensão Rural e Doutorado em Agroecologia, Campesinato e História. Foi extensionista rural da EMATER/ RS-ASCAR de 1978 a 2009. Atualmente é Professor no Departamento de Educação Agrícola e Extensão Rural, Coordenador do Curso de Agronomia da UFSM. Publicou artigos em periódicos especializados,capítulos de livros e livro Agroecologia,Extensão Rural e Desenvolvimento Rural. É vice-presidente (gestão 2010-2011) da Associação Brasileira de Agroecologia. O Engenheiro Agrônomo Gervasio Paulus é graduado pela UFSM com Mestrado em Agroecossistemas pela UFSC. Atualmente é coordenador de projetos da Associação Sulina de Crédito e Assistência Rural. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agroecologia e Agriculturas de Base Ecológica. Os autores
  7. 7. João Carlos Costa Gomes é graduado em Engenharia Agronômica pela UFPEL com Mestrado em Extensão Rural e Doutorado em Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. É pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA, com atuação em Agroecologia, agricultura familiar, desenvolvimento rural, transferência de tecnologia e gestão de pesquisa, desenvolvimento e inovação. O Professor Edisio Oliveira de Azevedo é graduado em Medicina Veterinária com Mestrado e Doutorado em Medicina Veterinária Preventiva. É responsável pela disciplina de Extensão Rural da Universidade Federal de Campina Grande e Professor colaborador do curso de Tecnólogo em Agroecologia do Instituto Federal do Paraná. É coordenador do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Agroecologia de Patos – NEPA e tem experiência com difusão de tecnologias, Agroecologia, agricultura familiar, extensão rural e reforma agrária. Tenham todos uma boa leitura.
  8. 8. Sumário Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . 13 1.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 1.2 Da Filosofia da Ciência TradicionaI à Nova Filosofia da Ciência Tradicional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 1.3 Neopositivismo: Círculo de Viena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 1.4 Racionalismo Crítico: Karl Popper (1902-1994). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 1.5 A Nova Filosofia da Ciência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 1.6 Debates contemporâneos sobre a Ciência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 1.7 Pertinência de um paradigma mais flexível na Ciência. . . . . . . . . . . . . . . 28 1.8 A articulação entre conhecimento científico e cotidiano. . . . . . . . . . . . . . 31 1.9 Participação dos atores sociais “implicados”. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 1.10 O Pluralismo Epistemológico na Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 1.11 Como conclusão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 2.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 2.2 A ética na Agroecologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 2.3 Agroecologia como matriz disciplinar integradora: um novo paradigma. . 50 2.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Capítulo 3 – Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveis. . . . . . . . . . . . . . . 83 3.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 3.2 O que não é Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 3.3 O que é Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
  9. 9. 3.4 Agriculturas alternativas de base ecológica e agriculturas mais sustentáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 3.5 Alguns elementos de uma Agroecologia Aplicada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 3.6 Segurança alimentar e nutricional: com agricultura química? . . . . . . . . . . 105 3.7 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Capítulo 4 – Em defesa de um plano nacional de transição agroecológica: compromisso com as atuais e nosso legado para as futuras gerações. . . . . . . . . . . . . . . . . 123 4.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 4.2 Alguns dos problemas da Revolução Verde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 4.3 O problema dos venenos agrícolas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 4.4 A questão dos fertilizantes químicos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 4.5 A perda de biodiversidade e o desmatamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 4.6 Degradação, contaminação e perdas de solo e água . . . . . . . . . . . . . . . . 137 4.7 A Agroecologia como enfoque científico orientador da transição agroecológica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 4.8 Elementos para um Plano Nacional de Transição Agroecológica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 4.9 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 Capítulo 5 – Desafios e perspectivas da Agroecologia. . . . . . . . . . . . . . . 167 5.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 5.2 Surgimento das organizações não governamentais, o êxodo rural e a agroecologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 5.3 As redes de articulação e a comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 5.4 A formação de agroecólogos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 5.5 A extensão rural como instrumento transformador. . . . . . . . . . . . . . . . . . 175 5.6 A nova lei de ater. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177 5.7 Crédito agrícola e o discurso do agronegócio. . . . . . . . . . . . . . . . . 178 5.8 Perspectivas da agroecologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 Considerações gerais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 Bibliografia comentada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
  10. 10. As bases epistemológicas da Agroecologia
  11. 11. As bases epistemológicas da Agroecologia11 João Carlos Costa Gomes 1.1 Introdução Antes de tentar mapear as bases epistemológicas da Agroecologia, considero importante explicitar o que se entende por epistemologia. Dependendo da corrente de pensamento, o conceito de epistemologia pode assumir diferentes significados. Aqui o conceito epistemologia é utilizado com o sentido de teoria do conhecimento, englobando tanto o conhecimento científico como os saberes cotidianos, no caso, expressados na sabedoria dos agricultores, também é denominado conhecimento“tradicional”,“local”ou“autóctone”.Este esclarecimento indica que a análise exclusiva dos conhecimentos científicos deve ficar no campo da filosofia da ciência. A necessidade de estudar as bases epistemológicas da Agroecologia é decorrência do que normalmente se denomina crise do paradigma ocidental, na agricultura expressada como a crise do modelo 1 Este texto recupera alguns tópicos discutidos com mais profundidade na tese de doutorado do autor “Pluralismo metodológico en la producción y circulación del conocimiento agrario. Fundamentación epistemológica y aproximación empirica a casos del sur de Brasil” (Gomes, 1999) e pode ser encontrado em: GOMES, J.C.C. Bases epistemológicas da Agroecologia. In: AQUINO, A. M. de; ASSIS, R. L. de. (Org.). Agrecologia: Princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília-DF: Embrapa Informação Tecnológica, 2005, p. 71-99. Fonte: http://www.coptec.org.br/biblioteca/Agroecologia/Artigos/bases%20 epistemol%F3gicas%20da%20Agroecologia%20-%20Costa%20Gomes.pdf
  12. 12. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 14 produtivista, baseado nos preceitos da revolução verde. Muitos estudiosos consideram a Agroecologia como o novo paradigma. Para evitar que se busque a saída para a crise usando as mesmas ferramentas responsáveis por ela, ou seja, para que a base epistemológica na busca de soluções para os problemas contemporâneos, da agricultura em particular e da ciência em geral, não seja a mesma epistemologia que sustenta o paradigma responsável pelo surgimento de seus problemas, é importante fazer-se um mapa, ainda que breve, das características do paradigma em crise, feito através de breve reconstrução crítica das concepções teóricas do conhecimento científico técnico, permitindo uma reflexão sobre o progresso da moderna ciência ocidental, evitando que a busca das bases epistemológicas da Agroecologia venha seguir por um caminho equivocado. 1.2 Da Filosofia da Ciência TradicionaI à Nova Filosofia da Ciência Tradicional Como Filosofia da Ciência Tradicional caracteriza-se o surgimento do discurso epistemológico moderno, identificando os traços que definiram a fase pioneira do Modelo Empirista de Ciência: empirismo britânico,racionalismo e positivismo moderno,a partir dos autores mais importantes desses movimentos, respectivamente Francis Bacon, René Descartes e Auguste Comte. De forma sintética, durante os séculos XVI, XVII e XVIII sucederam-se tanto o desenvolvimento da ciência como os intentos de teorizá-la. Aos esforços pioneiros de Copérnico, Kepler e Galileu para instaurar um método experimental e de Bacon para teorizá-lo, foi acrescentada a filosofia mecanicista de Descartes, considerada a primeira das correntes filosóficas da modernidade. A afirmação da autonomia da razão não é exclusiva do racionalismo, mas a partir deste, de todo o pensamento moderno. Mais tarde Hume matura o empirismo e Isaac Newton conjuga os descobrimentos dos pioneiros para dar um decisivo giro na filosofia natural, onde a matemática deixa de ser o fundamento para converter-se em meio auxiliar. No século XIX, Auguste Comte renova o empirismo sob o
  13. 13. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 15 nome de “positivismo” e, ao mesmo tempo, estabelece os fundamentos da sociologia positivista. Uma análise histórica sobre esta evolução é importante por dois motivos: a. Nem tudo significa o mesmo. As críticas ao processo de consolidação da ciência moderna e ao modo de apropriação de seus resultados, são dirigidas ao “modelo científico empírico”, “baconiano”, ao “paradigma cartesiano”, ao “positivismo” ou ao “reducionismo”, desconhecendo que existem diferenças conceituais e várias reformulações nessas propostas, ainda que no seu conjunto representem decisivo papel na consolidação do que se reconhece como “ciência”, “metodologia científica”, “paradigma ocidental”. b. Caráter progressista das propostas para o que era domi- nante nas épocas em que surgiram. As críticas contem- porâneas associam autores e conceitos com a manutenção do status quo e com práticas científicas conservadoras, não obstante a contextualização histórica. A consolidação da ciência (e do conhecimento científico) era percebida, à época, como a melhor estratégia e talvez a única, para no campo das ideias enfrentar o dogmatismo e dominação da igreja, os governos autocráticos e a ordem estabelecida. Não se trata de uma defesa à críticas que são verdadeiras, mas de resgatar o quadro geral de então e o papel crítico desses autores, para o rompimento do que era dominante na época. 1.2.1 Empirismo britânico: Francis Bacon (1561-1626) Em Bacon é central a ideia de domínio sobre a natureza a partir da experiência e dos sentidos. Seu modelo de ciência tinha como objetivo o conhecimento para o controle sobre a realidade e apropriação da natureza. Bacon era consciente do papel fundamental reservado à ciência no progresso futuro da humanidade.
  14. 14. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 16 Bacon parte dos fatos empíricos do mundo natural para promover a dúvida crítica com respeito ao saber tradicional; da investigação metódicaedaclassificaçãosistemáticadainformação,baseadaemdados objetivos; da rigorosa experimentação e da aplicação essencialmente prática de todo o conhecimento. O método científico representa um conjunto de regras para observar fenômenos e inferir conclusões a partir da observação. O método de Bacon era o indutivo, baseado em regras tão simples, que “qualquer que não fosse um deficiente mental poderia aprendê-las e aplicá-las”, e também infalíveis “bastava aplicá-las para fazer avançar a ciência”. A crença acrítica da existência de tal método e de que sua aplicação não requer talento nem preparação, representa uma espécie de metodolatria, hoje objeto de pesadas críticas.2 Sete são os princípios definidores da concepção empirista clássica de ciência, presentes a partir de Bacon: 1. A racionalidade científica é vista como auto-subsistente e lacrada em si mesma (autosuficiente e fechada à trocas simbólicas com outras áreas de investigação); 2. Na ótica empirista não existe teoria própriamente dita, do plano da observação se passa à generalização, a partir de um número significativo de casos; 3. A desconsideração por hipóteses, não levando em conta o papel das antecipações no processo de definição “do que” observar, ignorando que são elas que transformam um campo observacional em campo problemático; 4. O modelo indutivista de explicação, que é considerado como o único capaz de abordar questões empíricas; 5. As unidades de conhecimento (os dados dos sentidos), tem valor epistêmico próprio (tesis do atomismo metodológico); 6. O modelo cumulativo de progresso, onde a evolução da ciência consiste no crescente desvelar ou gradual retificação de erros; 2 Ver: Bunge (1985) e Oliva (1990), entre outros.
  15. 15. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 17 7. A tese do poder baseado no saber (que torna o exercício da autoridade intelectual sempre legítimo). Além destes, ao negar a existência de sujeito epistêmico (o investigador é considerado um mero catalogador de fenômenos), o empirismo colocou exagerada importância nas regras metodológicas, ao ponto de chegar a uma espécie de “absolutização normativa” (OLIVA, 1990). A concepção baconiana de ciência desconheceu importantes conquistas científicas e metodológicos de sua época, assim como a importância da matemática para a formulação de leis e teorias científicas. Supondo que a produção científica necessite da participação de elementos como ciência anterior, observação, hipóteses, matemática e experimento planejado, pode-se concluir que Bacon desconsiderou três princípios decisivos: 1. Formação de hipóteses orientadoras num contexto problemático; 2. Expressão matemática dos conteúdos interpretativos;e 3. Proposição de teorias unificadoras no campo experimental. Não se pode negar que Bacon, como um profeta, vislumbrou que o domínio do homem sobre a natureza dependia da ciência, e que esta deveria se desenvolver através do trabalho em equipe e da pesquisa planificada. O empirismo inaugurado por Bacon acabou transformando-se numa espécie de epistemologia natural, sendo seus principais defeitos a tentativa de absolutizar o conjuntural e adaptar a racionalidade científica a rígidos esquemas filosóficos. Tais defeitos se devem ao pioneirismo no enfrentamento aos canones da época e a dogmatização de certos princípios filosóficos. 1.2.2 Racionalismo: René Descartes (1596-1650) O racionalismo, corrente filosófica à que pertence Descartes surgiu em oposição a filosofia empirista britânica, representada por Bacon. Sua contribuição é associada às bases filosóficas do paradigma que dominou amplamente a produção científica contemporânea, o paradigma “newtoniano-cartesiano” (a Newton é atribuída a base “mecanicista” do paradigma).
  16. 16. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 18 No racionalismo, os conhecimentos válidos e verdadeiros sobre a realidade são procedentes da razão e não dos sentidos e da experiência. A oposição se refere a fonte do conhecimento e não aos objetos. Como Bacon, Descartes tem claro o objetivo de domínio sobre a natureza, pelo qual era “possível chegar a conhecimentos muito úteis para a vida, encontrando uma filosofia prática pela qual o conhecimento da força e ações do fogo, da água, do ar, dos astros, dos céus e dos demais corpos que nos rodeiam, permitiriam aproveitá-las para todos os usos para os quais são próprias, nos tornando donos e possuidores da natureza, disfrutando sem nenhuma pena dos frutos da terra”. Descartes parte de princípios gerais para posteriormente utilizar a dedução. Em seu Discurso do método, de 1637, faz uma análise do método, para o qual define quatro regras universais: 1. Não admitir como verdade nada que não seja evidente; 2. Cada dificuldade deve ser dividida em tantas partes quanto seja possível e necessário para poder resolvê-las; 3. Ir sempre do simples ao complexo; 4. Fazer descrições tão completas e contagens tão gerais, para que se tenha a segurança de não esquecer nada. A opção pela dúvida metódica, como ponto de partida, foi levada a radicalidade, chegando próximo ao ceticismo. Descartes também confiava no saber como verdade absoluta, expressado com o célebre cogito ergo sun,“penso,logo existo”,admitido como o primeiro princípio da filosofia que buscava.A dúvida cartesiana é a pura expressão de uma atitude de desconfiança e de cautela, exigindo evidência indestrutível, mas principalmente é um método de pesquisa positiva,pois a afirmação que sobreviva aos ataques da dúvida metódica, levada aos extremos do rigor, é a verdade buscada e servirá de sólido fundamento para o descobrimento de outras verdades. 1.2.3 Positivismo:Auguste Comte (1798-1857) Do ponto de vista epistemológico, o conceito de positivismo está muito relacionado com o modo de entender a natureza do saber e do conhecimento. O conhecimento positivo é proveniente dos sentidos e
  17. 17. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 19 define que os “fatos” são os únicos objetos possíveis de conhecimento. O positivismo de Comte, nascido na atmosfera cultural da burguesia industrial,estabelece uma série de afirmações com pretensão de verdade e uma teoria da realidade que trata da ruptura da antiga unidade social e do desajuste e crise da sociedade, como consequências da revolução francesa e da situação criada pela industrialização. Frente a sociedade do antigo regime, baseada em princípios teológicos e regida pelos sacerdotes ou teólogos e pelos militares, a sociedade industrial se funda sobre a ciência.São os sábios e os cientistas os responsáveis pela sua direção espiritual. O desaparecimento de um tipo de sociedade e o surgimento de outra é o que constitui o estado de crise da época de Comte. O processo industrial, com sua ideologia, estava destinado a ser o marco da nova ordem social. O processo de industrialização implica que o homem não só pode mas tem que transformar a natureza, o que significa a potenciação de uma razão prática dominadora, atitude assinalada por Bacon e prosseguida pelo lema cartesiano: “conhecer para dominar, dominar para apropiar-se”. O positivismo assume a fé no progresso da ciência como única forma de conhecimento válido. A ciência proporciona um conhecimento puramente descritivo, que deve estender-se a todos os campos do saber, incluindo o homem. Todo conhecimento para ser autêntico deve ser fundado na experiência e toda proposição não verificável empíricamente deve ser erradicada da ciência. O positivismo foi uma espécie de “purificação” da atividade intelectual (pelo menos para seus defensores).O rigor,a honestidade,a asséptica prudência dos cientistas é o que o positivismo pretendeu levar a toda atividade intelectual. Mas, é inegável, que essa intenção derivou para o reducionismo e exageros científicos, hoje objeto de críticas. 1.3 Neopositivismo: Círculo deViena Historicamente, a constituição de uma teoria da ciência como disciplina filosófica autônoma é devida a um grupo de filósofos e cientistas que na década de 20 reuniu-se em Viena.O grupo,conhecido
  18. 18. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 20 como “Círculo de Viena”, fundou uma das mais influentes e poderosas correntes filosóficas e epistemológicas: o neopositivismo, também conhecido como empirismo lógico ou positivismo lógico.A autocrítica e a honestidade intelectual, características do grupo, impuseram uma série de revisões e modificações em suas posições ao longo dos anos. Durante a década de 1930 a 1940, quando o neopositivismo ganhava maior força, o Círculo de Viena já estava em processo de dissolução. Alguns aceitaram cátedras no exterior, dois faleceram (um assassinado por um discípulo fanático), e os outros, apesar de pouca atividade política,por seu temperamento crítico e científico,tornaram- se suspeitos ante os governos clericais de direita e ainda mais ante os nazistas, obrigando a maioria a ir ao exílio. Entre as características mais importantes do neopositivismo está a intenção de unir o empirismo com a lógica formal simbólica; a tendência antimetafísica, expressada na questão da verificabilidade dos enunciados como critério de significância; e o desenvolvimento da tese da verificação. A intenção do Círculo de Viena foi dotar a filosofia com os instrumentos da lógica matemática. Na verdade, um método rigoroso de controle de seus resultados, da mesma maneira que o desenvolvimento das ciências naturais, na época, estava ligado à matemática. A completa eliminação da metafísica era a razão para que o Círculo de Viena estivesse vinculado ao positivismo. Este ideal de ciência, utilizado com êxito na física, foi proposto também para as ciências sociais.Era a tese do fisicalismo,um programa de unificação da ciência que negava a existência de diferença entre as ciências naturais e as ciências sociais. Os neopositivistas, seguindo a tradição empirista, eram partidários do método indutivo: observação de grande número de casos favoráveis,diretamente na realidade,através da experiência e da verificação de hipóteses. Entretanto, enfrentaram um problema lógico: a acumulação de casos favoráveis não é suficiente para a verificação de modo conclusivo de enunciados ou hipóteses, pois sempre estará aberta a possibilidade de que um único exemplo negativo os refute. O exemplo clássico desta impossibilidade lógica é o
  19. 19. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 21 do “cisne negro”; ainda que todos os cisnes conhecidos sejam brancos, sempre existe a possibilidade de que surja um diferente. Isso quer dizer que a busca do conhecimento verdadeiro, objetivo, é algo impossível de ser alcançado do ponto de vista lógico. 1.4 Racionalismo Crítico: Karl Popper (1902-1994) Popper assinala dois problemas à epistemologia: o do conhecimento do sentido comum e o do conhecimento científico.Como alguns filósofos, aceita que o conhecimento científico só pode ser uma ampliação do conhecimento do senso comum, mas que a coincidência acaba aí. Popper centra suas preocupações epistemológicas no desenvolvimento e no aumento do conhecimento científico e desenvolve o racionalismo crítico em oposição aos critérios neopositivistas de busca da verdade na ciência. Em lugar da impossibilidade lógica de chegar ao conhecimento verdadeiro pela verificação de hipóteses, Popper propõe a falsabilidade como opção. Como as incoerências do princípio da indução e as diversas dificuldades da lógica indutiva, o que denominou “problema da indução”, eram insuperáveis, propôs a contratação dedutiva de teorias ou método dedutivo de contratação. O método de contrastar criticamente as hipóteses e de escolher uma entre elas parte da apresentação de hipóteses provisórias. Uma vez apresentada a título provisório uma nova ideia ou hipótese a contratação permite que se extraiam conclusões provisórias sobre elas. Ou seja, o conhecimento será sempre provisório, nunca definitivo nem verdadeiro. Dito de outra maneira, Popper não exige que um sistema científico possa ser selecionado de uma vez por todas, para sempre, em sentido positivo; mas sim que seja suscetível de seleção em um sentido negativo por meio de contrastes ou provas empíricas provisórias. Ou ainda, pela experiência sempre será possível refutar um sistema científico empírico, nunca afirmá-lo em sentido positivo. Para Popper a ciência nunca persegue a ilusória meta de que suas respostas sejam definitivas.Seu avanço é o de descobrir incessantemente problemas novos, mais profundos e mais gerais, e de submeter as
  20. 20. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 22 respostas(sempreprovisórias)acontrataçõesconstantementerenovadas e cada vez mais rigorosas. E para alcançar este ideal é necessário fugir da “especialização estreita” e da “fé obscurantista” na destreza singular dos especialistas, seus conhecimentos e autoridades pessoais, tão de acordo com a destruição da própria racionalidade. A proposta de Popper tem importantes implicações na produção do conhecimentoagráriobaseadonométodoindutivoenaexperimentação repetitiva como fonte de conhecimento válido (em muitos casos, até hoje a experimentação continua sendo o principal instrumento metodológico na produção do conhecimento). Pesquisadores, formados dentro desta tradição metodológica, têm dificuldades em entender a provisoriedade do conhecimento, pois foram treinados no sentido de que o conhecimento obtido experimentalmente e submetido ao rigor dos testes estatísticos representa a única fonte de conhecimento válido. Ou seja, resultados assim obtidos constituem a “verdade”. A dificuldade em adotar posturas epistemológicas como a do “falseamento” de hipóteses permite afirmar que em muitos casos a produção do conhecimento agrário ainda encontra-se em uma etapa “pré-popperiana”: só consegue trabalhar com a “certeza”,sendo incapaz de conviver com a dúvida ou com o “provisório”. 1.5 A Nova Filosofia da Ciência A Nova Filosofia da Ciência incorpora elementos históricos, contextuais ou compreensivos na explicação da atividade científica, rechaçando as teses fundamentais do positivismo ou empirismo lógico: existência de uma base empírica teoricamente neutra; a importância exclusiva do contexto da justificação, onde são manejados as técnicas e métodos de pesquisa; e o caráter acumulativo do desenvolvimento científico. Os principais autores desta concepção compartem, mais ou menos, algumas teses que caracterizam o que se pode chamar ciência “pós-empírica” ou “pós-positivista”: 1. A história da ciência é a principal fonte de informação para construir e colocar à prova os modelos sobre a ciência: frente à análise
  21. 21. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 23 lógica, adquire importância o desenvolvimento histórico para a compreensão do conhecimento científico; 2. Não existe uma única maneira de organizar conceitualmente a experiência. Todos os fatos estão carregados de teoria; 3. As teorias científicas são construídas e avaliadas sempre em marcos conceituais mais amplos.Pressupostos e interesses definem os espaços para a ação. Os paradigmas, programas de pesquisa, tradições de investigação, domínios ou teorias globais, segundo diferentes autores, operam com significados similares; 4. Os marcos conceituais mudam e, por isso,buscam-se marcos suficientemente profundos e duradouros; 5. O desenvolvimento da ciência não é linear nem acumulativo. A ciência não é uma atividade totalmente autônoma; 6. Os modelos de desenvolvimento científico não têm base neutra de contratação e a racionalidade científica não pode ser determinada a priori. A Nova Filosofia da Ciência estuda as propriedades dos paradigmas, programas,tradições, domínios, etc., unidades de análise superiores às teorias científicas, com a finalidade de explicar a evolução do conhecimento científico, cuja ocorrência só tem sentido em contextos determinados; definidos exatamente por,e no âmbito,de tais unidades estáveis de ordem superior, e que proporcionem a perspectiva conceitual necessária para determinar as questões que devem ser pesquisadas, e qual é o conjunto de respostas aceitáveis. Ainda que possam ser mencionados autores como Imre Lakatos,Paul Feyerabend e Larry Laudan,o autor da “nova filosofia da ciência”que causou maior impacto e “comoção” foi, sem dúvidas,Thomas Kuhn. Kuhn apresenta uma visão da atividade científica, no que se refere principalmente a sua evolução histórica, bastante diferente das concepções empiristas e racionalistas. Desmonta a ideia de neutralidade na ciência e o caráter fictício dos processos verificacionistas ou falsacionistas, assim como o conjunto de regras sobre o qual estava assentada a racionalidade científica e a concepção de progresso da ciência como atividade essencialmente acumulativa (a ciência varia de uma época para outra). O consenso necessário
  22. 22. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 24 para que a atividade científica tenha êxito está baseado em três tipos de elementos: o problema a ser resolvido, o tipo de resposta válida e o método admitido como efetivo. A existência desse acordo, assim como a prática e o pensamento dele derivados são o que Kuhn denomina “paradigma”. Quando apreende um paradigma, o cientista adquire ao mesmo tempo teoria, métodos e normas, quase sempre em uma mescla inseparável. A pesquisa tendo por base as firmes convicções e os fundamentos adquiridos e reconhecidos pela comunidade científica, em um determinado paradigma, é denominada”ciência normal”. Nela os cientistas utilizam a maior parte de seu tempo em atividades sob a suposição de que a comunidade científica “sabe como é o mundo”, defendendo suas suposições a altos custos, inclusive com a supressão de inovações fundamentais,para não colocar em risco o status quo e os compromissos básicos da categoria. Em períodos de ciência normal ocorre acumulação de conhecimentos, mas não grandes inovações científicas ou descobrimento de novos fenômenos.É produzida uma ampliação de conhecimentos sobre fatos “reveladores” no âmbito do próprio paradigma. Este ajuste paradigmático, com frequência, ocupa os melhores talentos científicos de toda uma geração. Quando a natureza, de alguma maneira, viola o quadro de expectativas induzidas pelo paradigma surge o que Kuhn denomina “anomalia”. A identificação de uma anomalia ocorre porque os cientistas conhecem, com precisão, o que se pode esperar dentro do paradigma, ou seja, “quanto mais preciso um paradigma, tanto mais sensível será como indicador da anomalia e, por conseguinte, de uma ocasião para mudança de paradigma”. Quando a situação anômala persiste, transforma-se em crise científica, primeiro passo para o surgimento de uma “revolução científica”. Dito de outra maneira, a própria ciência normal “prepara o caminho para sua mudança”, ou, uma crise no paradigma é a indicação de que chegou a hora de “redesenhar as ferramentas” ou mudar o rumo na atividade.
  23. 23. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 25 Kuhn considera como “revoluções científicas” os períodos em que não ocorre acúmulo de novos conhecimentos e que levam a que o antigo paradigma seja substituído completamente ou em parte, por outro novo e incompatível. Nos períodos revolucionários ocorre mudança nos compromissos profissionais, provocada pela pressão de “anomalias que subvertem a tradição de práticas científicas”, dando início a pesquisas extraordinárias que conduzem a adoção de um novo marco referencial para a atividade científica, com reestruturação nos “acordos de grupo” da parcela da comunidade que segue o novo caminho. O início da revolução científica ocorre à partir da dissidência de um segmento da comunidade científica, às vezes pequeno, que compreende que o paradigma já não é suficiente para a elucidação de todos os temas que o próprio paradigma havia indicado. A situação revolucionária não é consensual. Só é percebida como tal por aqueles que sentem seus paradigmas afetados por ela. Para os observadores externos pode parecer apenas que o processo de desenvolvimento científico segue, normalmente, seu curso. Até aqui tratamos de realizar uma espécie de “desconstrução epistemológica” da ciência “convencional”, preparando o caminho para apontar as bases epistemológicas da Agroecologia. Como esta é uma tarefa não acabada, neste texto apresenta-se um recorte do discurso de autores contemporâneos que tem tratado do assunto, alguns com mais especificidade. Na construção da epistemologia da Agroecologia tem lugar, inclusive alguns aportes isolados, provenientes da epistemologia e da ciência convencional.Isso significa que a Agroecologia ainda não pode ser considerada como um novo paradigma, como algo puro e acabado, que represente uma ruptura e que oriente a produção e circulação do conhecimento na agricultura. O que sem dúvida está acontecendo e pode ser notado facilmente, é a explosão de anomalias no interior do paradigma convencional. A consolidação da Agroecologia como novo paradigma poderá vir a ocorrer, mas depende de esforço intelectual, prática política, ajustes institucionais, entre outras coisas. Assim mesmo,espera-se que este texto possa contribuir na tarefa dessa construção.
  24. 24. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 26 1.6 Debates contemporâneos sobre a Ciência Os “debates contemporâneos” sobre a ciência representam um esforço de muitos cientistas na crítica da ciência convencional; na construção de alternativas para a própria ciência; e para uma nova forma de orientar sua relação com a sociedade, tornando-a mais democrática e, portanto, menos excludente. Como estas são propostas que estão na fonte de inspiração da Agroecologia, aqui são postas a favor da construção da “base epistemológica da Agroecologia”. 1.6.1 Os Contextos da pesquisa e a pluralidade na Ciência A análise da ciência não deve permanecer restrita ao campo das ideias e interesses, externos à ciência (contexto da descoberta) ou aos fatores internos à ciência (contexto da justificação epistemológica). A ciência é também uma atividade prática e de intervenção e transformação do mundo. Por isso, é necessário considerar pelo menos quatro contextos para a prática científica. O primeiro deles é o Contexto do Ensino da Ciência: ainda que não participe da atividade científica todo o ser humano em sua fase de formação é confrontado a uma representação pré-constituída sobre a ciência. Neste contexto ocorrem duas ações básicas: ensino e aprendizagem, com domínio absoluto da “ciência normal”.Neste contexto,importam a comunicabilidade, a publicidade, o cosmopolitismo. Outro é o Contexto da Inovação, onde tem lugar a produção do conhecimento teórico, empírico e técnico, mas também a construção de artefatos de uso prático, como resultado da aplicação da ciência. Neste contexto é diluída a separação entre ciência básica e aplicada. Os critérios que importam na inovação são generalidade, coerência, consistência e validez.O terceiro é o Contexto da Avaliação Científica, onde ocorre a aplicação dos métodos e do instrumental analítico e a contratação com outros membros da comunidade científica. É neste contexto que ocorre o “trânsito” entre o experimento e o congresso. São critérios: a evolução do processo científico, mas não só, também importa como poderia ter sido, o que pode suscitar uma crise ética
  25. 25. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 27 e de valores nos cientistas. O último é o Contexto da Aplicação da Ciência, onde aparecem a utilidade social e a eficiência econômica, geridas pelas políticas públicas de CT e os juízos da sociedade em geral. A contradição entre conceitos e finalidades contrapostos deve remeter também para a análise da contradição entre a equidade e a justiça social e a produtividade e o lucro, por exemplo. Este é um problema que a ciência convencional eliminava através de pressupostos falsos, como os da neutralidade e da objetividade da ciência. 1.6.2 Nova Aliança entre homem e natureza A Nova Aliança entre homem e natureza é proposta por Prigogine Stengers (1994) para a construção de um Novo Diálogo Experimental que substitua o cientificismo triunfante, a busca da verdade absoluta, permitindo o ressurgimento da dúvida e da incerteza. Para isso seria necessário uma nova interrogação científica com a re-descoberta da complexidade, que permita passar do determinismo ao pluralismo científico, da cultura científica clássica ao humanismo como referente. São considerados traços dessa Nova Aliança a re-habilitação da desordem e do acaso; a fuga do óbvio para a reflexão sobre o que é dado como certo e natural, mas que na verdade pode ocultar coisas que ignoramos ou desconhecemos (ou seja, é preciso ir além da aparência para penetrar na essência das coisas e dos fenômenos). Além disso, a ciência não pode ser válida somente dentro da comunidade que comparte os critérios de validez, assim como a objetividade da ciência não é independente do observador que a produz. Qualquer coisa que destrua ou limite a aceitação e a compreensão da diversidade, desde a presunção da posse da verdade até a “certeza ideológica”, destrói ou limita o fenômeno social, inclusive o científico, que não ocorre sem a aceitação dialógica e dialética do outro e da diferença. Portanto, esta necessidade de repensar todos os tipos de relações, inclusive no campo da produção do conhecimento científico, acaba levando à introdução de novos valores, como a ética e a história no cotidiano dos cientistas. A este novo quadro referencial, Maturana e Varela (1996) denominam o conhecimento do conhecimento. O
  26. 26. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 28 conhecimento sobre o conhecimento é o que nos obriga a manter uma atitude de vigília contra a tentação da certeza, pois ao saber que sabemos não podemos ignorar nem negar o que sabemos. 1.7 Pertinência de um paradigma mais flexível na Ciência Este é um tema que tem merecido a atenção de muitos autores. Neste texto estão referenciados os que têm trabalhado o tema de forma mais aproximada ou mais tangível ao que interessa para o campo da Agroecologia, entre eles Miguel Martínez Miguelez, Boaventura de Sousa Santos, Fritjof Capra e Francisco Garrido. 1.7.1 As Características do novo paradigma Para Martínez Miguelez (1988; 1993) o central no novo paradigma é a superação das cinco “antinomias fundamentais” (contradições inerentes a um conceito) dominantes na ciência ocidental: 1. Sujeito- Objeto: no processo científico não se pode isolar o processo da observação do observador e do observado. 2. Linguagem-Realidade: é muito difícil expressar novas ideias a partir de velhos esquemas ou sistemas conceituais. 3. Partes-Todo: a ciência convencional está fundada principalmente no estudo das partes, ignorando que o todo é sempre maior que a soma delas. 4. Filosofia-Ciência: os cientistas convencionais são avessos ao exercício filosófico, mas quando um cientista não filosofa explicitamente, o faz implicitamente e aí o faz mal. 5. Liberdade-Necessidade: é mais cômodo alojar-se em “compartimentos conceituas” aceitos, fugindo da incerteza cognitiva ou da dúvida sistemática. Quatro são os postulados fundamentais para mudar a estrutura e o processo científico tradicional. 1º. Tendência à ordem nos sistemas abertos: modelo de compreensão da realidade que explica a tensão na transformação.Asteoriasdabifurcaçãoedasestruturasdissipativashoje são utilizadas em vários campos, como no estudo do caos do trânsito.
  27. 27. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 29 2º. Metacomunicação da linguagem: é impossível captar a realidade a partir de uma abordagem única. A expressão não-verbal, às vezes, consegue explicar o inexplicável.3º. Princípio da complementariedade: não explicar nada a partir de preconceitos ou de uma única visão de mundo. O sujeito deve assumir protagonismo em sua dimensão histórica.4º. A superação do sentido restrito da comprovação empírica: o procedimento rigoroso, sistemático e crítico permite compreender um mundo em transição. Para Martinez Miguelez à academia compete indicar como viver na incerteza sem cair na paralização ou no imobilismo da dúvida. Os ambientes acadêmicos não podem ficar entre a “confusão epistemológica” e a “feliz ingenuidade”. 1.7.2 Transição para uma Ciência pós-moderna Sousa Santos (1995a; 1995b) critica a separação entre sujeito epistêmico e sujeito empírico, propondo a segunda ruptura epistemológica. Para ele quatro são as características desta ruptura, que por seus efeitos, representaria também uma transição na ciência. 1. Deixou de ter sentido a distinção entre ciências sociais e ciências naturais, todo o conhecimento científico natural é científico social. 2.Todooconhecimentoélocaletotal;constitui-seapartirdapluralidade metodológica; e sua pauta é temática em lugar de disciplinar. 3. Todo o conhecimento é também auto-conhecimento. É necessário conhecer para saber viver e não só para sobreviver. 4. Todo o conhecimento científico deve constituir-se em conhecimento comum, dialogando com outras formas de saber e deixando-se interpenetrar por elas. A dupla ruptura epistemológica proposta por Sousa Santos pretende uma ciência prudente e um sentido comum esclarecido, dando lugar a outra forma de conhecimento e a uma nova configuração para o saber, que sendo prático não deixa de ser esclarecido e que sendo sábio não deixa de ser democraticamente distribuído. Ou seja: inclui a relação entre a ciência e a sociedade como um componente da atividade científica, ainda que complexa3 3 Vale lembrar que para Thomas Khun a “verdade” na ciência deveria dizer respeito somente à comunidade científica.
  28. 28. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 30 1.7.3 Paradigma ecológico O conceito de paradigma ecológico, proposto por Capra (1992) vai além dos conceitos sistêmico ou holista, que podem ser aplicados, por exemplo, a uma bicicleta. O paradigma ecológico enfatiza a vida, o mundo em que vivemos e as relações que nele existem. Implica uma visão além do mero ambientalismo, transcende a estrutura científica e requer nova base filosófica e ética. Capra amplia o conceito de paradigma de Khun, da ciência para o âmbito da sociedade, passando a representar um conjunto de valores, conceitos, percepções e práticas compartidos socialmente e determinando a própria forma de organização da sociedade. Para este autor, se a ciência fosse mais democrática, refletiria melhor a necessidade e a vontade da sociedade, implicando, por exemplo, em mais recursos para a ecologia e menos para a biologia molecular e a engenharia genética. Os critérios do novo paradigma, segundo Capra devem contemplar: 1º. Da parte ao todo: as propriedades das partes só podem ser compreendidas a partir da dinâmica do conjunto. 2º. Da estrutura ao processo: cada estrutura é considerada como manifestação de um processo subjacente, não sendo a interação entre as estruturas o que gera os processos. 3º. Da ciência objetiva à ciência “epistemológica”: a observação é dependente do observador, portanto as descrições científicas não são objetivas, independentes do processo de conhecimento. 4º. Do pontual à rede: o conhecimento deve ser representado como uma rede de relações sem hierarquia, e não como construção de leis e princípios explicados individualmente. 5º. Da verdade ao conhecimento aproximado: os cientistas devem substituir a busca da verdade absoluta e da certeza por descrições aproximadas e limitadas da realidade (neste ponto, Capra revela aproximação à epistemologia proposta por Popper). Para Garrido Peña (1996), o novo paradigma é anti-totalitário, ao abdicar do exclusivismo e da hegemonia, é pluralista; é dialógico, ao pretender recuperar o diálogo como reconhecimento da diferença; é termodinâmico, ao aceitar as relações entre ordem e desordem, entre
  29. 29. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 31 o caos e o erro. Também é fractal, o que supõe cosmovisão pluralista, difusa, dinâmica, gradualista e não-linear da natureza e do real. Além disso, é pós-tecnológico, onde o essencial no modo técnico é o modo e não a técnica em si. Isso significa recuperar a essência da técnica, liberando o modo da servidão tecnocrática. Longe de ser anti-técnico, o paradigma ecológico é um modo emancipatório da evolução da racionalidade técnico-instrumental para uma racionalidade baseada no ser humano (o que representa a própria humanização da técnica, tema também abordado por Habermas, 1994). 1.8 A articulação entre conhecimento científico e cotidiano 1.8.1 Epistemologia Natural Na discussão sobre a pertinência de um paradigma mais flexível na ciência, um tema que tem merecido atenção crescente é a articulação dos conhecimentos científicos com os saberes cotidianos.Neste campo, a importância da estrutura dos conhecimentos tradicionais,levando em conta a relação do homem com a natureza sem promover degradação ambiental, e a validez destes conhecimentos na construção de programas de desenvolvimento sustentável são vistas como alternativas importantes e inclusive como base de sustentação para a pesquisa em Agroecologia. Entretanto, a articulação de conhecimentos oriundos de bases epistemológicas diferentes não é assim uma coisa tão fácil, ainda que às vezes pareça demasiadamente óbvia. Em primeiro lugar é necessário caracterizar a diferença entre o conhecimento “letrado” e o conhecimento “cotidiano”, lembrando que o conhecimento letrado é um produto do que se caracteriza como “atividade científica”, obtido geralmente através do experimento e que circula através de um “texto”. Já o conhecimento cotidiano é produto tanto da acumulação pessoal como do acúmulo das sucessivas gerações, e sua circulação depende diretamente da memória e da sabedoria. Iturra (1993) denomina a esta forma de produção e de circulação de
  30. 30. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 32 conhecimentos como epistemologia natural, o que significa que estes conhecimentos ou saberes cotidianos são dotados de valor epistêmico e de grande importância para a própria produção de conhecimento científico. Grosso modo, se poderia dizer que na ciência predomina o saber; na sabedoria o conhecer. O conhecimento tradicional, na agricultura familiar, depende de reprodução em dois sentidos: do surgimento de novas pessoas e do aprendizado sobre o modo de reprodução que as caracteriza. Ou seja, sua circulação depende do contato direto entre os atores sociais, num contexto histórico e cultural. Fenômenos como êxodo ou diáspora, quando ocorrem, provocam também uma ruptura, ao interromper o ciclo. Isso também é o que temo corrido pelo processo de invasão cultural e lavagem cerebral, impostas pela ideologia da civilização urbana industrial, baseada em duas premissas falsas: superioridade dos técnicos e pesquisadores sobre a cultura rural (atrasada) e a ideia de que a ciência representa a única forma de conhecimento válido, transformada em ideologia e mecanismo de dominação. A utilização do conhecimento proveniente da epistemologia natural é explicada por Toledo (1992, 1993) através dos conceitos de corpus, ou repertório de símbolos, conceitos e percepções sobre a natureza, e práxis, conjunto de operações práticas utilizadas na apropriação material da natureza. Assim o corpus está contido tanto na memória de um agricultor individualmente como de uma geração e circula por acúmulo histórico. Já a práxis é a prática cotidiana que tem permitido aos agricultores, como grupo social, sobreviver através do tempo. Portanto, a epistemologia natural é constituída de corpus e de práxis (da sabedoria dos agricultores). 1.8.2 Epistemologia Evolucionista O conceito de coevolução indica que os sistemas naturais evoluem em resposta às pressões culturais e tendendo a refletir valores, visão de mundo e organização social das populações de um determinado local. Por outro lado, o sistema social evolui na seleção de possibilidades,
  31. 31. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 33 respeitando o ecossistema e refletindo estabilidade no manejo das opções oferecidas pelo sistema natural.Este conceito foi formulado por Richard Norgaard (1995), que também propôs, talvez pela primeira vez, as premissas epistemológicas para a Agroecologia. Para ele são seis essas premissas: 1. Os sistemas sociais e ecológicos tem potencial agrícola. 2. Este potencial foi captado pelos agricultores tradicionais através de um processo de prova e erro, seleção natural e aprendizagem cultural. 3. Os sistemas sociais e ecológicos coevolucionaram cada um mantendo dependência e “feedback’’ com relação ao outro, o que gera uma dependência estrutural. O conhecimento incorporado nas culturas tradicionais estimula e regula o “feedback’’ do sistema social para o ecossistema. 4. A natureza do potencial dos sistemas sociais e biológicos podem ser melhor compreendidas usando o atual estoque de conhecimentos científicos, o que permite compreender como as culturas agrícolas tradicionais captaram e utilizaram este potencial. 5. O conhecimento científico objetivo, o conhecimento desenvolvido nos sistemas tradicionais, o conhecimento e alguns “inputs’’ desenvolvidos pela ciência agrícola moderna e as experiências e tecnologias geradas por instituições agrícolas convencionais podem ser combinados para melhorar significativamente ambos ecossistemas, o tradicional e o moderno. 6. O desenvolvimento agrícola através da Agroecologia manterá mais opções ecológicas e culturais para o futuro e trará menores efeitos perniciosos para a cultura e o meio ambiente do que a tecnologia agrícola moderna por si só. 1.9 Participação dos atores sociais “implicados” 1.9.1 Epistemologia Política A constatação de que a ciência normal, no sentido de Thomas Khun, não resolveu os problemas da “modernidade” (ao contrário, em alguns casos, é justamente este modelo de ciência que está na base dos problemas), levou Funtowicz e Ravetz (1993; 1996) a
  32. 32. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 34 desenvolverem o conceito de ciência pós-normal. A ciência pós- normal não pretende neutralidade ética nem ignora as consequências políticas do uso da ciência na sociedade moderna, como defendem empiristas, racionalistas e positivistas. Simplesmente pretende um tipo de “ciência com la gente”. Na resolução de problemas complexos, não basta superar as incertezas cognitivas. A elas somam-se às incertezas éticas derivadas dos valores conflitivos da sociedade.O manejo da incerteza pode tomar o caminho da Incerteza Técnica, que pode ser resolvida pela “ciência normal”, ou ciência aplicada, da Incerteza Metodológica, quando se introduzem aspectos de valor e depois se trabalha tecnicamente,como, por exemplo, nas consultorias de profissionais experts; e da Incerteza Epistemológica, quando a incerteza é essencialmente ignorância: pensamos que as coisas são assim, ou aceitamos acriticamente que sejam assim, embora possam ser completamente diferentes. Este é o campo da ciência pós-normal.Nele,é necessário,sobretudo, evitar a Falsa Certeza, como no caso dos agrotóxicos, onde se supunha que seguir as indicações técnicas do fabricante era suficiente para o uso seguro. Agora, muito tempo depois, foram descobertos os efeitos colaterais, lentos mas letais. A ciência pós-normal é recomendada para se sair do reducionismo dominante nas “comunidades restringidas de pares”, levando a tomada de decisão para o âmbito das “comunidades estendidasdepares”,atravésdodebatemaisamplocomtodaasociedade. Ou seja, promovendo democratização na produção e circulação do conhecimento, exatamente como pretendido na Agroecologia. 1.9.2 Epistemologia da Participação Umdostemasdefendidosnoâmbitodatransiçãoparadigmáticaeque pode ser incluído no espectro da base epistemológica da Agroecologia, é a participação dos atores sociais implicados. Sinteticamente, a partir de Campos (1990), pode-se afirmar que: 1. A oposição entre conhecimentos científico e tradicional e participação é falaciosa. O problema reside em esclarecer as condições epistêmico-metodológicas,
  33. 33. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 35 que permitam a integração de saberes de forma não-subordinada. 2. A incorporação de modos de conhecimento baseados na experiência, não considerados de forma passiva, permite superar problemas metodológicos,teóricos e técnicos,provocados pela mediação “racional científica”, que normalmente tende a filtrar ou adaptar os outros conhecimentos a seus esquemas, empobrecendo-os. 3. A participação não é “somente um método”, ainda que seja verdade que seus mais sérios problemas ocorram no plano epistemológico.Teorizar e ir para a prática são coisas inseparáveis. 4. Os diversos tipos de conhecimentos não têm atributos específicos que os tornem superiores ou inferiores uns aos outros. Todos os conhecimentos estão inseridos na realidade complexa, contraditória e diversa, constantemente sob intervenção do ser humano. 5. A tomada de posição frente à realidade estudada é inseparável da prática científica, portanto, a neutralidade axiológica é uma falácia. O desafio na ciência não é negar ou eliminar posições comprometidas, mas manter vigilância para evitar que as posições individuais interfiram impropriamente no processo do conhecimento. 6. A articulação crítica entre o conhecimento científico e os saberes populares, historicamente cindidos e às vezes antagônicos, implica em enfrentar a alienação e a ignorância que se alojam na cultura popular e as distorções e reducionismo do conhecimento científico. Não se pode admitir nem o conhecimento científico como instrumento de dominação nem a valorização condescendente e paternalista do saber popular. 7. A articulação entre teoria e prática deve ocorrer sem que a primeira conduz a retilínea e mecanicamente à segunda nem que a segunda represente um critério mecanicista de verdade. Toda a teoria deve ser o aspecto consciente da prática e toda prática deve ser objeto de elaboração crítica. 1.10 O Pluralismo Epistemológico na Agroecologia A partir da reconstrução crítica de algumas concepções teóricas sobre o conhecimento, resgatam-se alguns elementos que permitem fundamentar a proposta de um pluralismo metodológico para a produção do conhecimento agrário, como parte da base epistemológica
  34. 34. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 36 da Agroecologia. A referência ao método, pelo uso do adjetivo “metodológico”, tem um sentido amplo, não só relativo às técnicas de pesquisa, ainda que também se refira a elas. O pluralismo que se propõe para o método também aponta em várias direções e não só a uma.Com a expressão pluralismo metodológico nos estamos referindo aos seguintes aspectos:pluralidade de contextos e soluções para a produção e circulação do conhecimento agrário; abertura aos conhecimentos e técnicas agrícolas tradicionais como fonte de conhecimentos e práticas válidas; implicação do contexto social e suas demandas na produção e circulação do conhecimento agrário; e combinação de técnicas de pesquisa variadas, quantitativas e qualitativas, numa perspectiva interdisciplinar. Para a tentativa de construção de um marco geral para o pluralismo metodológico e epistemológico se destacam alguns elementos e concepções teóricas.Algumas delas estão diretamente relacionadas com as questões sociais, ambientais, econômicas, técnicas ou metodológicas que envolvem a produção e circulação do conhecimento agrário ou a convivência e relação entre o ser humano e a natureza. Outras são de conteúdo mais teórico. Sem dúvida, para aqueles que exercem suas atividades no campo da Ciência e da Tecnologia, não será difícil estabelecer a conexão com suas próprias práticas, ainda que alguns se situem, pela própria influência do paradigma dominante, distanciados da reflexão teórica. Heisenberg e Bachelard já haviam apontado a ação específica que o observador exerce sobre o objeto de sua observação. Na ciência contemporânea, esta posição ganha corpo. Habermas (1994), propõe sair da pretendida relação asséptica entre o sujeito da observação (o pesquisador) e o objeto investigado, para uma relação intersubjetiva, entre sujeitos que dialogam no processo da produção do conhecimento, trazendo a ciência para este mundo em que as coisas acontecem: o mundo da vida dos homens, onde a relação entre iguais deveria ser fundamentada pela ação comunicativa entre os sujeitos. E, como não existe o conhecimento desinteressado,é necessário situar o observador- pesquisador dentro e em relação com a sociedade, explicitando qual o seu papel como ator social.
  35. 35. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 37 Neste sentido, as contribuições de Kuhn, ainda que de grande interesse para a compreensão da organização da prática científica e para a explicação do desenvolvimento da ciência, são limitadas, por não terem mencionado o papel dos cientistas na organização da sociedade. Diversos autores enfatizam a atividade dos cientistas e o papel que desempenham como atores em papéis relevantes para as mudanças sociais ou para a manutenção da ordem dominante. Hoje em dia, é impossível desconsiderar que saber é poder e que a ciência é uma categoria que tanto pode estar a serviço da construção de sujeitos sociais como da sua exclusão. No paradigma em construção, é necessário esquecer a busca da objetividade e da neutralidade como pretenderam os positivistas, em seus diferentes matizes. Sob a influência do positivismo, os sociólogos e os teóricos da ciência tem debatido a questão da objetividade do conhecimento a partir do modelo das ciências naturais, que exige observação quantitativa dos fenômenos e privilegia a indução na construção das teorias. Nessa perspectiva,o momento da investigação não é problematizado em sua dimensão social, sendo considerado como simples registro dos dados e garantia da neutra objetividade. Contra essa ilusão, é necessário destacar que os métodos e técnicas de investigação, junto com os conceitos e teorias, são os instrumentos de produção do conhecimento concreto, e a eleição de um determinado conjunto de instrumentos ou métodos assegura de antemão os resultados a serem obtidos. Ou seja, no mesmo marco geral da crise da ciência (e da sociedade) moderna, está inserida a crise dos fundamentos da moderna ciência. Não só objetividade, coerência lógica e neutralidade são criticadas epistemologicamente. A relação da ciência com outras formas de conhecimento e a seletividade na apropriação dos resultados científicos e tecnológicos são temas que tem merecido a atenção de muitos cientistas. Cada dia está mais difícil o acesso aos resultados de pesquisa, com mais consequências práticas, de forma democrática, dado o interesse
  36. 36. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 38 econômico trás das demandas, por um lado, e a vigência de uma ordem político-institucional, que redundou no encapsulamento burocrático das instituições, por outro. Então a “mudança de paradigma” deve caminhar na direção da abertura para a democracia participativa como forma de superar a assimetria social entre incluídos e excluídos, ensejando oportunidade para a reconstrução de sujeitos sociais, onde tensões e conflitos podem coexistir com a participação e com a diversidade. Entretanto, como aponta Bachelard (1977; 1996), se não há pergunta não há conhecimento, ou seja, perguntas não feitas podem permanecer para sempre sem resposta. Portanto, se uns têm a prerrogativa de perguntar e outros não, as respostas produzidas no processo de geração de conhecimento para eles estarão dirigidas. Sousa Santos afirma: assumir epistemologicamente a verdade social da ciência significa submetê-la a crítica dentro e fora da comunidade científica, evitando que os resultados sejam apropriados somente pelos detentores do poder. Portanto, a consideração do social e do humano na ciência e na produção do conhecimento não pode ficar como mera abstração. Significa falar de pessoas que vivem e sofrem todas as consequências dos processos que tem sido motivo de crítica por diferentes autores ao longo deste texto.Todavia não só falar de relações sociais e ambientais excludentes, mas é preciso tentar mudar a situação de maneira a produzir ciência no “mundo da vida” com e para a “comunidade estendida de pares”(viabilizando a participação da sociedade, de forma ampla), o que também requer introduzir a questão da ética nas pautas das instituições para que seu comportamento não permaneça como o das “torres de marfim”, comandadas por “comunidades restringidas de pares” (o reduzido grupo que decide o que e o como, uns validando o que fazer dos outros), impregnadas de discursos do tipo “a tecnologia que serve para o grande também serve para o pequeno”, ou “técnica e política são coisas independentes”. Feitas estas considerações, é possível caracterizar as linhas gerais para o pluralismo na ciência, na metodologia ou na epistemologia, que ajudam a indicar o caminho para a construção das bases epistemológicas
  37. 37. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 39 na produção e circulação do conhecimento na Agroecologia. A pluralidade de perspectivas epistemológicas e metodológicas não pretende a supremacia de categorias sociais ou formas de conhecimento, não pretende abolir os especialistas e a ciência rigorosa; nem idealiza o “popular” como fonte de toda a bondade e sabedoria. Uma proposta plural deverá caminhar para pautas temáticas em lugar das disciplinares, reconhecendo que existem alternativas teóricas na produção do conhecimento e a opção por uma delas não é determinação de critérios internos à própria ciência, mas opção dos pesquisadores. O pluralismo não representa anarquismo ou ecletismo metodológico.Suaintençãoéadeintroduzirobjetivossociaisnareflexão epistemológica e metodológica, e objetivos teóricos na reflexão social e política. O pluralismo na ciência é compatível com uma perspectiva mais humanista e democrática, contemplando a possibilidade da coexistência de matrizes epistêmicas dentro de mesmas coordenadas sociais e históricas. 1.11 Como conclusão Em resumo, os caminhos teóricos até agora traçados indicam que o pluralismo na produção do conhecimento, como base epistemológica para a Agroecologia,deve contribuir para superar a ideia de supremacia das ciências naturais sobre as ciências sociais proposta no fisicalismo e o caminho da especialização, como única forma capaz de promover o desenvolvimento na ciência. É necessário adotar não só ações de tipo interdisciplinar ou transdisciplinares como também promover o dialógo de saberes, articulando os conhecimentos científico e “tradicional”. Ou seja, é preciso superar a concepção de ciência como fonte única do conhecimento válido, pois os conhecimentos produzidos pela “epistemologia natural”também representam importante alternativa na recuperação e manutenção dos recursos naturais ou na construção da sustentabilidade,em suas várias dimensões.Em lugar do conhecimento que permita o domínio da natureza, deve ser introduzida a cooperação (ou, de novo, o diálogo), entre cientistas, cidadãos e natureza.
  38. 38. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 40 A produção do conhecimento deve ser considerada mais como domínio de reflexão do que de prática, ajudando a superar o reducionismo ainda dominante, a ideia da asséptica, mas inexistente, da neutralidade dos pesquisadores e a falsa concepção de objetividade na ciência. Além disso, a ideia de que a aplicação rigorosa “do método”, por si só, garante o êxito da atividade científica é falsa. Não existe este tal conjunto de regras infalíveis: o bom pesquisador qualifica o método e não contrário. Também é preciso ir além da prática da “ciência normal”, na qual energia e tempo são gastos na pesquisa do que “já sabemos”. É necessário pesquisar o desconhecido, ainda que isso implique mudanças paradigmáticas (no sentido de Kuhn). As concepções dominantes na ciência tradicional também devem ser superadas coma adoção e consolidação de novas posturas teórico- conceituais-metodológicas, relacionadas com as mudanças que estão ocorrendo na ciência e na sociedade. A tendência à captação viciada e seletiva da realidade, condicionada por verdades que trazemos com nossas tradições sociais, culturais, ideológicas, institucionais ou científicas, é incompatível com a prática pluralista e com a democratização de conhecimentos. É necessário evitar tanto o otimismo tecnológico como o catastrofismo e propor alternativas que contemplem a equidade e a justiça social, além da sustentabilidade. É necessário admitir que todo conhecimento, como construção social, é interessado e está impregnado por questões éticas e ideológicas. Em lugar de consenso científico excludente é necessário abrir-se e conviver com o conflito e com a diversidade como fatores que contribuem para a consolidação de processos participativos e democráticos. AbaseepistemológicadaAgroecologianãodeveráestarapoiadanem no simples rechaço nem na ingênua adoração da ciência: é rechaço do cientificismo e instrumento para promover uma ciência comprometida com a sociedade e com suas necessidades.Esta base,construída a partir do pluralismo metodológico e epistemológico, não significa abolir o procedimento rigoroso, sistemático e crítico, nem muito menos levar a
  39. 39. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Princípios e Perspectivas da Agroecologia 41 uma produção de conhecimento de segunda categoria.As mudanças na ciência, como desenhadas neste texto, são dependentes de especialistas e de instrumentos de pesquisa sofisticados. Isso, entretanto, não supõe a liberdade absoluta do pesquisador. A ciência, como outras atividades, deve ser submetida a algum tipo de controle pela sociedade. Referências BACHELARD, G. (1977): Epistemologia; trechos escolhidos. Rio de Janeiro, Zahar. 196 p. BACHELARD, G. (1996): O novo espírito científico. Lisboa, Edições 70. 125 p. BUNGE, M. (1985): Epistemología, curso de actualización. Barcelona, Ariel. 275 p. Campos, A. (1990): Investigación participativa: reflexiones acerca de sus fundamentos me- todológicos y de sus aportes al desarrollo social. Cuadernos de agroindustria y economía rural. n.24, p.129-146. Capra, F. (1992): O ponto de mutação. São Paulo, Cultrix. 447 p. Funtowicz, S. Ravetz, J. (1993): Epistemología política; ciencia con la gente. Bue- nos Aires, Centro Editor de América Latina. 94 p. Funtowicz, S. Ravetz, J. (1996): La ciencia postnormal: la ciencia en el contexto de la complejidad. Ecología Política, n. 12, p.7-8. Garrido Peña, F. (1996): La ecología política como política del tiempo. Granada, Coma- res. 367 p. Gomes, J. C. C. (1999): Pluralismo metodológico en la producción y circulación del cono- cimiento agrario.Fundamentación epistemológica y aproximación empirica a casos del sur de Brasil. Córdoba, Instituto de Sociología y Estudios Campesinos, Universidad de Córdoba. 360 p. (Tese de doutorado). Habermas, J. (1994): Ciencia y técnica como “ideología”. Madrid,Tecnos. 181 p. Iturra, R. (1993): Letrados y campesinos: el método experimental en la antropólogía eco- nómica. In: Sevilla Guzmán, E. González de Molina, M. Ecología, campesinado e historia. Madrid, La Piqueta. p. 131-152. Miguelez, M. (1988): Enfoque sistémico y la metodología de la investigación. Anthropos (Los Teques), (9), n.1. p. 43-56.
  40. 40. Capítulo 1 – As bases epistemológicas da Agroecologia Instituto Federal do Paraná 42 Morin, E. (1996): O problema epistemológico da complexidade. Mira-Sintra - Mem Mar- tins, Ed. Europa-América. 135 p. Maturana, H. Varela, F. J. (1996): El árbol del conocimiento; las bases biológicas del conocimiento humano. Madrid, Debate. 219 p. Norgaard, R. B. (1995): Development betrayed; the end of progress and a coevolutionary revisioning of the future. London, Routledge. 280 p. Oliva, A. (1990): A hegemonia da concepção empirista de ciência a partir do Novum Orga- non de F. Bacon. In: Oliva, A. (org.): Epistemologia: a cientificidade em questão. Campinas, Papirus. p.11-33. Prigogine, I. Stengers, I. (1994): La nueva alianza;metamorfosis de la ciencia. Madrid, Alianza. 359 p. Sousa Santos, B. (1995a): Introdução a uma ciência pós-moderna. Porto, Afrontamento. 199p. _________. (1995b): Um discurso sobre as ciências. Porto, Afrontamento. 58 p. Toledo, V. M. (1993): La racionalidad ecológica de la producción campesina. In: Sevilla Guzmán, E. González de Molina, M. Ecología, campesinado e historia. Madrid, La Piqueta. p.197-218. Toledo, V. (1992): What is ethnoecology? Etnoecológica, v.1, n. 1, p. 5-21. A construção do conhecimento, assim como o desenvolvimento de tecnologias para apoiar uma transição agroecológia, exige uma compreensão adequada da epistemologia daAgroecologia.Trata-se da construção de um novo paradigma capaz de superar a ciência normal. Assim, a pluralidade epistemológica da Agroecologia, que a diferencia da ciência convencional, situa-se numa nova visão das relações homem- natureza e busca sua concretude numa articulação que contemple não só a questão ecológica, senão que também as bases de uma epistemologia natural e evolucionista. Do mesmo modo, se amplia e se fortalece no campo da complexidade na medida em que inclui uma epistemologia política e da participação distintos atores no processo de construção do conhecimento.
  41. 41. Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável
  42. 42. Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável42 Francisco Roberto Caporal José Antônio Costabeber Gervásio Paulus 2.1 Introdução A Agroecologia vem se constituindo na ciência basilar de um novo paradigma de desenvolvimento rural, que tem sido construído ao longo das últimas décadas. Isto ocorre, entre outras razões, porque a Agroecologia se apresenta como uma matriz disciplinar5 integradora, totalizante, holística, capaz de apreender e aplicar conhecimentos gerados em diferentes disciplinas científicas, como veremos mais adiante, de maneira que passou a ser o principal enfoque científico da nossa época, quando o objetivo é a transição dos atuais modelos de 4 Este texto foi publicado em 2006 e pode ser acessado em: http://www.agroeco.org/socla/ archivospdf/Agroecologia%20%20Novo%20Paradigma%2002052006-ltima%20Verso1.pdf 5 Ver Sevilla Guzmán y Woodgate (2002).
  43. 43. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Instituto Federal do Paraná 46 desenvolvimento rural e de agricultura insustentáveis para estilos de desenvolvimento rural e de agricultura sustentáveis6 . Ademais, como ciência integradora a Agroecologia reconhece e se nutre dos saberes, conhecimentos e experiências dos agricultores(as), dos povos indígenas, dos povos da floresta, dos pescadores(as), das comunidades quilombolas, bem como dos demais atores sociais envolvidos em processos de desenvolvimento rural, incorporando o potencialendógeno,istoé,presenteno“local”.Noenfoqueagroecológico o potencial endógeno constitui um elemento fundamental e ponto de partida de qualquer projeto de transição agroecológica, na medida em que auxilia na aprendizagem sobre os fatores socioculturais e agroecossistêmicos que constituem as bases estratégicas de qualquer iniciativa de desenvolvimento rural ou de desenho de agroecossistemas que visem alcançar patamares crescentes de sustentabilidade. Nesta perspectiva, pode-se afirmar que a Agroecologia se constitui num paradigma capaz de contribuir para o enfrentamento da crise socioambiental da nossa época. Uma crise que, para alguns autores, é, no fundo, a própria crise do processo civilizatório. Diante dessa crise, os problemas ambientais assumiram um status que ultrapassa o estágio da contestação contra a extinção de espécies ou a favor da proteção ambiental, para transformar-se “numa crítica radical do tipo de civilização que construímos. Ele é altamente energívoro e devorador de todos os ecossistemas (...). Na atitude de estar por sobre as coisas e 6 Ver Caporal e Costabeber (2000a; 2000b; 2001; 2002; 2004a; 2004b). Para Pretty (1995), “é importante clarificar o que está sendo sustentado, por quanto tempo, em benefício e às custas de quem”. Este autor lembra que responder a estas questões é difícil, pois implica avaliar a troca de valores e crenças. Muito embora não explicitados, esses valores e crenças jogam um papel muito importante na produção do conhecimento científico, não apenas na definição das linhas de investigação como também na interpretação de resultados (PAULUS, 1999). A postura dominadora do ser humano em relação ao meio circundante reflete-se na abordagem positivista das ciências agronômicas. Lembramos que, mesmo em países com um sistema de controle biológico bastante eficaz e descentralizado, o conceito de praga –entendida como “um inimigo a ser destruído”– por exemplo, continua sendo preponderante nas diretrizes das investigações agronômicas. Como já afirmava Schumacher (1983) em O negócio é ser pequeno, “o homem moderno não se experiencia como parte da natureza, mas como uma força exterior destinada a dominá-la e a conquistá-la. Ele fala mesmo de uma batalha contra a natureza, esquecendo que, se ganhar a batalha, estará do lado perdedor”.
  44. 44. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Princípios e Perspectivas da Agroecologia 47 por sobre tudo,parece residir o mecanismo fundamental de nossa atual crise civilizacional” (BOFF, 1995), razão pela qual necessitamos de novas bases epistemológicas, novas perguntas e novos conhecimentos, como nos proporciona a Agroecologia, para o enfrentamento e superação desta crise. Portanto, a Agroecologia, mais do que simplesmente tratar sobre o manejo ecologicamente responsável dos recursos naturais, constitui- se em um campo do conhecimento científico que, partindo de um enfoque holístico e de uma abordagem sistêmica, pretende contribuir para que as sociedades possam redirecionar o curso alterado da coevolução social e ecológica,nas suas múltiplas inter-relações e mútua influência7 . Como defendemos neste texto, este novo campo de estudo busca a integração e a articulação de conhecimentos e saberes relativos a diferentes disciplinas e a distintas ciências, que aqui exemplificamos com contribuições vindas da “Física”, da “Economia Ecológica e Ecologia Política”, da “Ecologia e Agronomia”, da “Biologia”, da “Educação e da Comunicação” e da “História, da Antropologia e da Sociologia”. Concordando com Guzmán Casado et al (2000, p. 159), “es necesario llevar a cabo una ‘orquestación de las ciencias’ donde los distintos hallazgos sean coordinados y las contradicciones e incompatibilidades sean abordadas para encarar su resolución. No se trata de caer en ningún reduccionismo, ni de buscar una utópica unificación de la ciencia, sino de aceptar un pluralismo metodológico, donde los límites de los juicios de autoridad de cualquier experto sean aceptados”. Não obstante, antes também é preciso demarcar que a perspectiva agroecológica possui em seus princípios a preocupação e a defesa de uma nova ética ambiental. 2.2 A ética na Agroecologia Ainda que possa parecer demasiado filosófico, nunca é demais enfatizar que a Agroecologia tem como um de seus princípios a questão da ética, tanto no sentido estrito, de uma nova relação com 7 Ver Sevilla Guzmán y González de Molina (1993). Sobre a coevolução sociedade-natureza, ver Norgaard (1989, 2002).
  45. 45. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Instituto Federal do Paraná 48 o outro, isto é, entre os seres humanos, como no sentido mais amplo da intervenção humana no meio ambiente. Ou seja, como nossa ação ou omissão podem afetar positiva e/ou negativamente a outras pessoas, aos animais ou à natureza. Como assinala Riechmann (2003a, p. 516), ao estabelecer “quem é o outro”, estaremos tratando de uma moral que envolve sujeitos e objetos, do mesmo modo que quando falamos de ações e omissões estamos avançando no campo da ação moral. Os “outros”, neste caso, incluem, necessariamente, as futuras gerações humanas, significando que a ética ambiental tem que ter uma solidariedade inter e intrageracional. As escolhas que fazemos podem estar determinadas apenas e tão somente por um desejo de consumo ou lucro individual – características das sociedades capitalistas, assim como podem ser balizadas por princípios de ética ou valores. Logo, poderíamos dizer que a ética é a “reflexão sobre as atitudes e ações apropriadas com respeito aos seres e processos com relevância, onde a relevância tem que ver com o fato de que estes seres e processos têm importância em si mesmos” (HEYD, 2003). Na prática, a questão ética se manifesta através de certo sentido da responsabilidade que nasce de nossa relação com outras pessoas. Esta responsabilidade dá lugar a relações normativas, isto é, um conjunto de “obrigações” que passam a ser socialmente sancionadas, adquirindo o status de normas ou valores em uma dada sociedade ou grupo social. Neste sentido, a ética ambiental está centrada na reflexão sobre comportamentos e atitudes adequadas em vistas a processos e seres de relevância, em um determinado contexto, no caso o ambiente onde vivemos e no qual intervimos para realizar nossas atividades agrícolas. Comonocontextodequalqueratividade,ondedeterminadasformas de agir ou determinadas práticas podem ser consideradas corretas ou incorretas, também nossas ações no marco do meio ambiente podem
  46. 46. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Princípios e Perspectivas da Agroecologia 49 ser positivas ou merecer censura moral. Por exemplo, no caso do meio ambiente se tem como incorreto – ou moralmente problemático – jogar lixo tóxico no mar, ou formar um grande lixão que vai poluir águas superficiais ou subterrâneas de uma determinada zona. Isto é, a ética ambiental procura orientar como deveria ser nossa ação quando ela pode vir a afetar outros seres. Nesta perspectiva, vale ressaltar que estaremos diante de certos compromissos e responsabilidades que assumimos pessoalmente como indivíduos, para atender nossos desejos, ou que passamos a adotar como atitudes normais em razão de imposições de uma parte da sociedade. Logo, a ética ambiental, além de ser um compromisso pessoal, pode passar a ser um requisito de uma dada sociedade que tenha a busca da sustentabilidade entre seus objetivos. Deste modo, se analisarmos o comportamento individual e/ ou coletivo à luz da ética ambiental, poderemos ir estabelecendo e avaliando aspectos críticos do comportamento humano que podem estar afetando – ou possam vir a afetar no futuro – as condições ambientais desejáveis para a manutenção da vida sobre o Planeta. Do ponto de vista prático, por exemplo, a emissão de gases que podem causar tanto o aquecimento global, através do aumento do efeito estufa, com consequências climáticas catastróficas a médio e longo prazos, quanto problemas específicos no curto prazo (doenças pulmonares em populações urbanas, decorrentes da poluição do ar, por exemplo), a difusão de organismos transgênicos sem um estudo prévio de seus possíveis efeitos no ambiente e sobre a saúde humana, a contaminação do solo e da água com resíduos químicos de longa persistência,entre outros,são procedimentos condenáveis à luz da ética ambiental. Por isto mesmo, a ética ambiental tem estreita ligação com o “princípio da precaução”, cuja aplicação busca evitar o aumento dos riscos – além dos já existentes – em razão do desenvolvimento e da aplicação de novas tecnologias e/ou processos. Como lembra Thomas Heyd (2003, p. 249), “A aplicação da ética ambiental, na prática, significa não somente que temos que ter em
  47. 47. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Instituto Federal do Paraná 50 conta os efeitos sobre o meio ambiente mais próximo, senão que também os impactos que as atividades podem ter a alguma distância no espaço ou no tempo”. Por exemplo, as emissões de gases provenientes de usina termoelétrica do Rio Grande do Sul são acusadas de causar chuva ácida e prejudicar os campos do vizinho país Uruguai, afetando a produção agropecuária e a saúde de populações, o que se constitui numa atitude não ética com respeito àquele país e seu povo. Como impactos que se observam no decorrer do tempo, vale mencionar que os efeitos das aplicações de agroquímicos organoclorados, usados a partir do pós-segunda guerra até o início dos anos 1980, são sentidos ainda hoje, sendo causa de várias doenças (a exemplo do câncer de mama), conforme indicam vários estudos e pesquisas8 . Outro aspecto que deve ser tomado em conta quando tratamos da dimensão ética é o respeito a todas as manifestações e formas de vida, o que significa a necessidade de desenvolver estratégias de manutenção da biodiversidade natural dos distintos ecossistemas terrestres e aquáticos. O respeito à vida nos remete também à necessidade de desenvolver uma “ética do cuidado”, no sentido que tudo aquilo que nós realmente julgamos ter importância, isto é, que queremos que permaneça vivo, merece ser cuidado, como nos lembra Leonardo Boff, para quem a falta de cuidado é o grande estigma do nosso tempo. Assim, a dimensão ética nas nossas relações com outros seres e coisas exige a “concretização do cuidado” (com o Planeta, com o próprio nicho ecológico, com a sociedade sustentável, com o outro, etc.)9 . 2.3 Agroecologia como matriz disciplinar integradora: um novo paradigma Comoescrevemosemoutrolugar(CAPORALeCOSTABEBER, 2004b), a “Agroecologia é uma ciência para o futuro sustentável”. Isto porque, ao contrário das formas compartimentadas de ver 8 Ver, por exemplo, Costabeber (1999). 9 Ver Boff. Saber cuidar: ética do humano – compaixão pela Terra (1999).
  48. 48. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Princípios e Perspectivas da Agroecologia 51 e estudar a realidade, ou dos modos isolacionistas das ciências convencionais, baseadas no paradigma cartesiano10 , a Agroecologia integra e articula conhecimentos de diferentes ciências, assim como o saber popular, permitindo tanto a compreensão, análise e crítica do atual modelo do desenvolvimento e de agricultura industrial, como o desenho de novas estratégias para o desenvolvimento rural e de estilos de agriculturas sustentáveis, desde uma abordagem transdisciplinar e holística11 . Ainda que este texto não permita o aprofundamento desta questão em toda a sua amplitude, se pretende mostrar, embora com breves exemplos, como se processa, desde a Agroecologia, a apreensão e a aplicação dos ensinamentos de diferentes disciplinas científicas para se entender o caráter de insustentabilidade dos atuais modelos de agricultura e de desenvolvimento rural e como se pode pensar, dialeticamente, estratégias diferentes que viabilizem o alcance de patamares crescentes de sustentabilidade na agricultura e no desenvolvimento rural. 10 Segundo Viglizzo, “La investigación agropecuaria convencional responde, en general, a una visión tradicional de la ciencia. Predominan los enfoques reduccionistas y cartesianos (derivan del método científico desarrollado por Descartes), en los cuales el énfasis se pone sobre las relaciones causa-efecto que surgen cuando dos factores se influencian entre sí”. O autor ainda afirma que este método leva ao estudo das partes e a um esquecimento das relações que elas estabelecem dentro do todo. “El modelo tecnológico impuesto por la Revolución Verde es un producto típico de esta concepción reduccionista debido a que administra unos pocos insumos de alto impacto productivo individual” (VIGLIZZO, 2001, p. 88). 11 “La investigación medio ambiental (de que trata o enfoque agroecológico – N.A.) responde a una visión opuesta. En lugar de estudiar componentes aislados, procura estudiar el todo con sus parcialidades incorporadas. Pierde noción de algunas relaciones causa-efecto que pueden ser vitales, pero gana en una visión global de los sistemas. Es el enfoque que define a las ciencias holísticas (derivación del inglés Whole = todo) o sistémicas. Su foco científico son los sistemas completos, con todos sus componentes, interacciones y complejidades. Es transdisciplinario por necesidad y genera nuevos campos de conocimiento, que surgen del cruce de dos o más disciplinas” (VIGLIZZO, 2001, p. 88). Etimologicamente, a palavra holístico deriva do grego holos (todo, completo, visão do conjunto). Na abordagem holística o todo não significa a soma das partes, mas é maior que esta. A maneira como as partes se relacionam faz com que emerjam novas propriedades, da mesma forma que um amontoado de materiais necessários e suficientes para construir um avião, por exemplo, por si só não lhes confere a capacidade de voar.
  49. 49. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Instituto Federal do Paraná 52 Partindo-se da noção de sustentabilidade em perspectiva multidimensional (CAPORAL e COSTABEBER, 2004a), autores como Guzmán Casado et al (2000) agrupam os elementos centrais da Agroecologia em três dimensões: a) ecológica e técnico-agronômica; b) socioeconômica e cultural; e c) sócio-política. Estas dimensões não são isoladas. Na realidade concreta elas se influem uma à outra e interagem o tempo todo, de modo que estudá-las, entendê-las e propor alternativas mais sustentáveis supõe, necessariamente, uma abordagem inter, multi e transdisciplinar, razão pela qual os agroecólogos lançam mão de ensinamentos presentes no saber popular, mas também de conhecimentos gerados no âmbito da Física, da Economia Ecológica e Ecologia Política, da Agronomia, da Ecologia, da Biologia, da Educação e Comunicação, da História, da Antropologia e da Sociologia, para ficarmos apenas em alguns exemplos que orientam esta reflexão. Como matriz disciplinar a Agroecologia se encontra no campo do que Morin (1999, p. 33) identifica como sendo do “pensar complexo”, em que “complexus significa o que é tecido junto”. “O pensamento complexo é o pensamento que se esforça para unir, não na confusão, mas operando diferenciações”. Logo, a Agroecologia não se enquadra no paradigma convencional, cartesiano e reducionista, conhecido como o paradigma da simplificação (disjunção ou redução), pois, como ensina o mesmo autor, esse não consegue reconhecer a existência do problema da complexidade. E é disto que se trata, reconhecer-se que, nas relações do homem com outros homens e destes com os outros seres vivos e com o meio ambiente,estamos tratando de algo que requer um novo enfoque paradigmático, capaz de unir os saberes populares com os conhecimentos criados por diferentes disciplinas científicas, de modo que possamos dar conta da totalidade dos problemas e não do tratamento isolado de suas partes. Questões dessa natureza vêm sendo tratadas pelos teóricos do Metabolismo Social, quando nos ensinam que, ao realizar suas atividades produtivas, “los seres humanos consuman dos actos: por un lado socializan fracciones o partes de la naturaleza, y por el otro,
  50. 50. Capítulo 2 – Agroecologia: matriz disciplinar ou novo paradigma para o desenvolvimento rural sustentável Princípios e Perspectivas da Agroecologia 53 naturalizan a lasociedad al producir y reproducir sus vínculos com el universo natural”. Isto leva a uma determinação recíproca entre natureza e sociedade. Logo, esta “doble conceptualización (ecológica de la sociedad y social de la naturaleza) (...)” leva a uma abordagem que supera “el conocimiento parcelado y la habitual separación entre las ciencias naturales y las ciencias sociales y humanas al que nos tiene condenado la práctica dominante del quehacer científico, es decir, permite adoptar un pensamiento complejo” (TOLEDO y GONZÁLEZ DE MOLINA, 2004). Deste modo, a Agroecologia como matriz disciplinar vem aportando as bases para um novo paradigma científico, que, ao contrário do paradigma convencional da ciência, procura ser integrador, rompendo com o isolacionismo das ciências e das disciplinas gerado pelo paradigma cartesiano. Na realidade, a partir do início da construção do enfoque agroecológico, nos últimos anos, vem ocorrendo uma “revolução paradigmática” que, associada a outros movimentos de mudança deste início de século, começa a “modificar os núcleos organizadores da sociedade, da civilização, da cultura (...)”. Neste sentido, observa-se que um dos eixos importantes é o processo de ecologização que está em curso, diante da necessidade de buscar estratégias de desenvolvimento sustentável, que sejam capazes de reorientar o curso alterado da coevolução sociedade-natureza. Assim, a Agroecologia, como ciência do campo da complexidade, se enquadra, no que Morin (1998, p. 290) qualifica como “uma transformação no modo de pensar, do mundo do pensamento e do mundo pensado”. Se trata, pois, de uma “revolução paradigmática que ameaça não apenas conceitos, ideias e teorias, mas também o estatuto, o prestígio, a carreira de todos os que vivem material e psiquicamente da crença estabelecida”, aderidos ao paradigma convencional. Por isto, existe uma enorme resistência no meio acadêmico e técnico-científico para aceitar o novo paradigma. Ao mesmo tempo, os pioneiros deste novo paradigma “têm que enfrentar não somente censuras e interpretações, mas o ódio” (daqueles que não querem ver a perda de seu status). Por esta razão, “primeiro desviante e rejeitada, a ideia nova precisa constituir-se num

×