Um mal-inaceitavel-port-br

343 visualizações

Publicada em

ppt, politics

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
343
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
184
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um mal-inaceitavel-port-br

  1. 1. Um Mal Inaceitável40 Anos de Munições Cluster Fotografias de © Alison Locke
  2. 2. Em 2003, Suraj perdeu suas pernas depois de descobrir uma submunição cluster lançada em 2001. Suraj, seu irmão de 13 anos e dois primos estavam caminhando em um parque quando a bomba explodiu. Um dos primos de Suraj foi morto, os outros três sofreram profundas lesões.
  3. 3. Rafeullah, estudande afegão do ensino médio, tinha 11 anos quando ele e seu irmão encontraram o que pensaram ser um brinquedo. Seu irmão cutucou a submunição com um pedaço de pau, depois passou Rafeullah. Ela explodiu, decepando sua mão direita.
  4. 4. Yohansu Gebra, 50 anos, foi uma das muitas pessoas que correram para ajudar as vítimas de um bombardeio cluster lançado sobre uma escola primária em 1998. Ela perdeu sua perna esquerda. Viúva, ela mal consegue criar seus dois filhos pequenos, que normalmente só comem uma vez por dia.
  5. 5. Em 1998, Phouvieng foi atingido após desenterrar uma submunição cluster próximo à sua casa. Enquanto Phouvieng estava no hospital, seu filho mais velho morreu de uma doença que a família não pode pagar pelo tratamento. As famílias das vítimas de munições cluster também sentem o impacto dos ferimentos.
  6. 6. Assim como muitas crianças, Zahra Hussein Soufan, de 11 anos, foi atraída pelo pequeno e curioso formato da submunição cluster que a machucou. Nos seis meses que seguiram o cessar fogo de agosto de 2006, no Líbano, cerca de 200 civis foram mortos ou feridos por munição cluster não detonada. Um quarto dos civis feridos eram crianças.
  7. 7. Khamon, 74 anos, ficou cego em 1965 durante um bombardeio cluster no Laos. Ele agora precisa de assistência constante de sua esposa e filhos. Sobreviventes de danos provindos de munição cluster requerem imediato e constante cuidado, que pode se expandir por todos ramos de suas vidas.
  8. 8. Armen Mousaelian encontrou uma submunição cluster enquanto pastoreava em Nagorno Karabakh. Sem saber com o que lidava, tentou abrir. Ela explodiu seu braço e o cegou. Agora ele tem 20 anos, é o filho mais velho e é incapaz de ajudar sua família.
  9. 9. Mahmad Khudoiev perdeu sua perna em um bombardeio cluster no Tadjiquistão, em 1993. Mahmad , posteriormente, pode voltar a trabalhar como motorista de táxi depois de adaptar seu carro para ser controlado apenas pelos braços.
  10. 10. Gharachi Belkher foi parcialmente cego em 1983 depois de tentar pegar uma submunição cluster no Saara Ocidental. Seus olhos continuaram a se deteriorar, pois ele não teve acesso à tratamento médico. Agora ele é completamente cego.
  11. 11. Os Operários de Apuramento e Assistência da Aldeia (Village Assistance Clearance Operatives, em inglês) no Laos foram especificamente treinados para ajudar sua própria comunidade. A Convenção Sobre Armas Cluster afirma que os terrenos contaminados devem ser limpos em até 10 anos.
  12. 12. Próteses de membros devem ser substituídas a cada 2 anos. Essa forma vital de reabilitação não é uma opção para a maioria dos sobreviventes de bombas cluster que precisam delas, por todo o globo.
  13. 13. No Laos, sucata pode ser vendida pelo preço de U$ 1,00 cada cinco quilos. Mulheres e crianças geralmente se arriscam para coletar esses materiais. Pessoas continuam executando esse serviço pois não tem outra alternativa financeira.
  14. 14. Kamsouk tinha 15 anos quando foi ferido por uma bomba cluster no Laos. Ele depende de ajuda e caridade da sua aldeia, já que não consegue trabalhar e sua família não tem condições de manter mais um adulto.
  15. 15. Depois do cessar fogo de 14 de agosto de 2006, a família Siklawi retornou para encontrar sua casa destruída no sul do Líbano. As terras lindeiras, das quais ele dependiam para sobreviver, foram destruídas e queimadas por bombas cluster. Não há suporte para a perda do lar e subsistência.
  16. 16. Em 1999, dois oficiais Gurkha do Exército Britânico e três soldados kosovarianos foram mortos ao remover submunições cluster da Escola da Aldeia de Orlatt, no Kosovo. Foi declarada segura em breve, mas recentemente mais submunições não detonadas foram encontradas.
  17. 17. Dtar perdeu seus braços depois de encontrar uma submunição cluster enquanto pescava, no Laos. Ela estava no chão por pelo menos 30 anos antes de detonar. Milhares já foram mutilados ou mortos por bombas de fragmentação, seja durante ataques ou nos anos seguintes.

×