Jornal A voz Espírita - Edição Setembro - Outubro

215 visualizações

Publicada em

34ª Edição do Jornal A Voz Espírita, do bimestre Setembro-Outubro de 2015.
Tema Central da edição: Uma homenagem ao mestre Liones, Allan Kardec.
3 ótimos artigos para kardec e sobre kardec.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
215
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal A voz Espírita - Edição Setembro - Outubro

  1. 1. Informativo do 6º Conselho Espírita de Unificação · Ano VII · Nº 34 · Edição de Setembro / Outubro de 2015 · Circulação Interna A VOZ ESPÍRITA OBRIGADO KARDEC “Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.” Allan Kardec 1 Nunca, nos tempos atuais, foi tão relevante a proposta trazida pelo Codificador na célebre frase constante da contracapa de O Evangelho Segundo o Espiritismo. Inspirado pelos mais elevados espíritos e especialmente por um, que ao olhar da médium Senhorita V, no relato contido no livro Obras Póstumas era especialmente superior a todos os demais, e que nos leva a crer trata-se do próprio Cristo 2 , o grande mestre Lionês inaugura para a sociedade uma Nova Era, onde a fé e a razão eram convidadas para aliarem-se uma a outra instituindo para a humanidade um novo sentimento religioso, não mais inimigo das ciências e dos experimentos de ordem racional. Estava Alan Kardec, sob o comando superior, a dissipar as trevas da indiferença, da ignorância, do ceticismo religioso que se instalara com a construção do pensamento positivista impulsionado pelo século das luzes. O planejamento que se materializava na Terra sob as mãos do respeitável professor, conhecedor de muitas ciências, discípulo e contemporâneo de Pestalozzi, era muito mais que uma mera proposta religiosa, mais uma reconciliação da sociedade consigo mesma e com as bases edificadas pelo Cristianismo, que se perdera ao longo do tempo pela influência dos desejos de dominação e poder que conduziram os líderes religiosos. Nestes dias, em que voltamos a ser dominados por uma onda de pessimismo que nos leva a crer que a “grande nau” do nosso planeta está à deriva no Mar da Vida, necessário é retornarmos a refletir em Kardec, na certe- za de que se a nossa fé esta estremecida é sinal de que foi edificada em bases pueris, sem a consistência necessária para o enfrentamento das transforma- ções que são urgentes à vivência dos tempos novos. Quem conhece a doutrina consoladora que se materializou na Terra pelo esforço e sacrifício pessoal de Allan Kardec, não se permite duvidar do amor de Deus e da condução de Jesus nos atuais “aparentes” conflitos sociais que vivemos. Estamos no grande momento da transição, e nunca foi tão necessário a solidificação da nossa fé, cujo o instrumento mais eficaz para isso é o conhecimento espírita e a certeza da continuidade da vida para além das experiências deste ciclo. Por isso, quem já se permitiu permear o mundo íntimo com o olhar doce e consolador do Codificador, deve sempre elevar o pensamento ao Céu em um hino de gratidão àquele que colocando a própria vida à serviço da humanidade, escreveu na história as mais belas páginas de sabedoria e amor, após a mensa- gem da Boa Nova. Vamos dizer, sem receio de sermos taxados por dogmáticos ou veneradores: Salve Kardec! Salve Kardec pelo seu exemplo de vida. Salve Kardec pela sua inteligência colocada a serviço de todos. Salve Kardec pela sua profunda contribuição a obra de regeneração pela educação do homem em todos os aspectos da vida. Salve Kardec pelo seu bom senso, como maior símbolo de razão que a história já conheceu. Salve Kardec, acima de tudo pela sua grande fidelidade à Jesus, convertendo as palavras amorosas do Cristo em mensagens acessíveis a todos aqueles que desejam conhecer o evangelho puro e verdadeiro. Salve Kardec! Referências Bibliográficas: 1- KARDEC, A. Obras Póstumas. Tradução de Guillon Ribeiro. 1ª ed. especial. Rio de Janeiro. Federação Espírita Brasileira, 2011. 472-475 p. 2- KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 1ª edição histórica. Brasília: Federação Espírita Brasileira, 2013. 256 p.  Obrigado Kardec Por Bruno Lourenço Página 01 Destaques  Aos mestres com muito mais do que carinho. Por Gecília Câmara Página 02  Informe-se Vem aí o II encontro da Comunicação Social espírita de Magé e Guapimirim. Página 03  Kardec e a Caridade. Por Cláudio Vianna Dutra. Página 04 Homenageado da Edição Nascimento: 03 de Outubro de 1804 (Lyon, França) Desencarne: 31 de Março de 1869 (Paris, França)
  2. 2. Para os espíritas, outubro é o mês de Kardec, mas, outubro também é o mês dos mestres, comemorando o fato, dedicamos a estes, o presente artigo. Caro (a) Professor (a) você já ouviu falar de um pedagogo francês, do século XIX, chamado Hippolyte Léon Denizard Rivail? Já leu algum texto de sua autoria? Ele nasceu (ou renasceu?) em Lyon (França), a 03 de outubro de 1804. Aos onze anos foi para Yverdun (Suíça) estudar no então mundialmente conceituado colégio do Mestre Pestalozzi, cuja pedagogia buscava a educação integral do ser pela estimulação de suas potencialidades através do amor do diálogo, da observação, da ação do contato com a natureza e da liberdade. A moralidade era tida como a verdadeira religião. As vivências em Yverdun, marcaram fortemente sua personalidade. Como seu Mestre foi o educador por excelência, idealista, preocupado com a educação do povo e das mulheres, por serem elas as primeiras educadoras dos seus filhos. Tornou-se membro de várias instituições dedicados ao estudo de diversas áreas do conhecimento e chegou a fundar na própria residência cursos gratuitos de química, física, anatomia comparada, astronomia e etc.; numa época em que raras pessoas se dedicavam a essas ciências. Aos vinte anos já era professor em Paris. Fundou escolas e publicou vários trabalhos sobre educação. Dentre eles temos dois traduzidos por Dora Incontri e reunidos no livro Textos pedagógicos (1). O Primeiro “Plano proposto para melhoria da Educação Pública”, datado de 1828, apresenta uma crítica à inadequação dos currículos e da formação dos professores e à própria valorização dos professores até pela sociedade no geral (até parece que foi escrito hoje). Sugere a substituição das Escolas Normais por uma “escola teórica e prática de pedagogia”, com curso de três anos, associada a um estabelecimento de ensino gratuito onde, a partir do 2º ano, os alunos educadores praticassem a arte de educar com a supervisão dos seus mestres, sugerindo inclusive um currículo para essa escola. O segundo texto é, um discurso dirigido aos pais de alunos, em 1834, no qual presta contas de sua gestão como diretor de escola, esclarecendo as inovações pedagógicas inseridas para melhor atender as finalidades educativas. Nesses textos podemos apreciar toda importância que ele dá a educação que considera como uma arte particular que exige muito estudo e muita dedicação por ser também uma ciência e uma filosofia e no “discurso” chega mesmo a afirmar “a educação é a obra da minha vida e todos os instantes são empregados em meditar sobre essa matéria. ” (1). Há notícias de duas de suas encarnações anteriores também dedicadas à educação: uma na Gália (Atual França), como o druida Allan Kardec (2) e a outra como Jan Huss. “Os druidas não eram somente sacerdotes, mas também os filósofos, os sábios e os educadores da juventude” (2). Jan Huss (1396 a 1415) foi um reformador Tcheco, sacerdote e teólogo, “tradutor da Bíblia, para a linguagem do povo com o objetivo de democratizar a religião e libertar as mentes do jugo da igreja: enfim reitor da Universidade de Praga, assumindo a tarefa de educar a juventude” (3). Por criticar os abusos, a corrupção e a adulteração do cristianismo pelo clero e o papado, foi condenado a morte na fogueira, situação que enfrentou com serenidade e ainda foi capaz de perdoar seus carrascos. Em 1854, Rivail interessou-se pelo fenômeno das mesas girantes e passou a estudá-lo cientificamente, através de observações meticulosas procurando causas, consequências e leis que o regiam e deu início a uma nova ciência: A ciência dos Espíritos. Codificou então a Doutrina Espírita que ele sempre afirmou não ser de sua autoria e sim dos Espíritos, que “apenas” organizadas as explicações dadas pelos próprios espíritos sobre fenômenos que sempre existiram, por serem naturais, mas que estavam envoltos em mistérios, crendices e mal explicados por nunca terem sidos estudados com seriedade. Como a obra não era sua, resgatou seu nome de druida da antiga Gália, Allan Kardec, e em 18 de abril de 1857 publicou O Livro dos Espíritos, que se desdobrou em outras obras, nas quais podemos observar sua clareza de raciocí- nio e de expressão, seu bom senso, sua capacidade de síntese e de colocar temas de difíceis alcance do povo; um verdadeiro trabalho pedagógico. Foi o coroamento da “obra da sua vida”: não era mais o educador preocupado com seu povo como o druida, Jan Huss ou o Professor Rivail, agora era o educador preocupado com a Humanidade! Referências Bibliográficas: 1- RIVAIL, H. L. D. Kardec Educador - Textos pedagógicos. 1ª Edição. ed. São Paulo: Editora Comenius, 1998. 2- DENIS, L. O Gênio Céltico e o mundo invisível. 3ª Edição. ed. Rio de Janeiro: CELD, 2008. 3- INCONTRI, D. Para entender Allan Kardec. Bragança Paulista: Lachatre /Comenius , 2004.
  3. 3. Vem aí o II Encontro de Comunicação Social Espírita de Magé e Guapimirim! Será realizado entre os dias 24 e 25 de Outubro e contará com a presença do Vice- Presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB) e coordenador editorial da FEB EDITORA, responsável pela Biblioteca de Obras Raras e Museu da FEB, Geraldo Campetti, além de Renata Andrade, diretora da área de comunicação social do Grupo Espírita Casa do Caminho, no Guará II, DF. Veja programação no quadro ao lado. Inscrições gratuitas no site do 6ºCEU ou através das fichas nas Instituições Espíritas da Região. Venha participar!!! Divulgue para seus amigos! O 6º CEU realizará o Encontro Regional do SAPSE (Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita). O Encontro será dinamizado pela companheira Karina de Menezes e acontecerá no dia 27 de Setembro das 09h às 11:30min. O Local do encontro será o Centro Espírita Amor ao Próximo (Rua Expedicio- nário Otacílio Souza, 394—Fragoso/ Magé). Do lado da estação de trem de Fra- goso. Não é necessário inscrição prévia. Após o encontro, será oferecido um almoço ao custo de R$15,00 O Centro Espírita Amor ao Próximo comemorará 62 de trabalho Venha participar das comemorações dos 62 anos de trabalho, amor e abnegação do Centro Espírita Amor ao Próximo. Dia 04 de Outubro, a partir das 16h, palestra com a companheira: Ana Guimarães. Além da apresentação do Coral Espírita Bezerra de Menezes. II CEEM reúne os evangelizadores da Região. Realizada no dia 02 de Agosto no Centro Espírita Cultivadores do Evangelho, a II Confraternização dos Evangelizadores Espíritas de Magé foi um dia de muito aprendizado e amor. A dinamização ficou por conta de Lúcia Moysés, Dorilan Mallet e Bruno Lourenço. Veja foto ao lado: Mais fotos no Facebook do 6ºCEU (www.facebook.com/6ceu.mage COMEM 2015 reforça união das moci- dades espíritas da região. Realizado entre os dias 25 e 26 de Julho, a COMEM 2015, cujo tema foi: Eu quero falar com você, no Colégio Estadual Joaquim Leitão (Santo Aleixo), mostrou a força da Juventude Espírita Mageense. No encontro foi discutido diversas temas de interesses do jovem sob a ótica espírita, destacando a questão do uso com equilíbrio das novas tecnologias. Fotos no Facebook do 6ºCEU.
  4. 4. Sociedade Espírita de Assistência e Estudo (SEAE) Rua das Hortências, 133-Centro-Guapimirim Reunião Pública: Sábado—18h Grupo Espírita Joana D’Arc (GEJD) Rua Expedicionário Otacílio Souza, 415 Fragoso– Magé Reunião Pública: Segunda-feira—19:30h Grupo Espírita André Luiz (GEAL) Rua Maria Marques, 86—Mundo Novo— Magé Reunião Pública: Terça-feira às 20h C. E. União, Amor e Caridade (CEUAC) Rua: Malvino Ferreira de Andrade, 118 Santo Aleixo—Magé Reunião Pública: Quinta-feira às 20h C.E Cultivadores do Evangelho (CECE) Rua Maria do Patrocínio, 40—Raiz da Serra- Magé Reunião Pública: Terça-feira às 20h Casa Espírita Caminho de Suruí (CECS) Rua Tupiniquins, 247—Suruí—Magé Reunião Pública: Sábado às 09:30h Sociedade Espírita Amor e Luz (SEAL) Rua Conde de Itaguaí, 350—Lagoa—Magé Reunião Pública: Quarta-feira—19h Grupo Espírita Cristão André Luiz (GECAL) Rua Saquarema, nº 23—Fundos 5—Vila Nova Magé Reunião Pública: Domingo às 18h Grupo Espírita Allan Kardec (GEAK) Rua: Mirabel nº 119—Piabetá—Magé Reunião Pública: Domingo às 18h Centro Espírita Luz e Caridade (CELC) Av. Simão da Motta, 315– Centro—Magé Reunião Pública: Segunda-feira às 20h Centro Espírita Amor ao Próximo (CEAP) Rua: Expedicionário Otacílio Souza, 394 Fragoso—Magé Reuniões Públicas: Segunda-feira às 20h e Sábado às 16h Órgão de Divulgação do Movimento Espírita dos municípios de Magé e Guapimirim. Editado pela Área de Comunicação Social Espírita do 6ºConselho Espírita de Unificação, representação do Conselho Espírita do Rio de Janeiro (CEERJ). Endereço para correspondência: Av. Simão da Motta, 315 Centro- Magé-RJ-CEP 25900-000 Endereço eletrônico: www.6ceu.org E-mail: cse.6ceu@hotmail.com Tiragem: 500 exemplares Redação e diagramação: Equipe de Comunicação Social Espírita do 6ºCEU/CEERJ www.6ceu.org Quando compreendemos que o lema de todo espírita, segundo o Evangelho Segundo o Espiritismo, é o “Fora da caridade não há salvação”, muitos não sabem que esse já era o lema do Profº Rivail, desde quando ele se entende como espírito encarnado, no processo de relação com todos aqueles que conviviam com ele. Se voltássemos no tempo, em meados de 1809, veríamos o menino Rivail, que contava com seus 04 para 05 anos, questionando seus pais a respeito dos verdadeiros objetivos da religião e do que é ser cristão verdadeiro. Em diversas ocasiões nota-se esse amor ao próximo: Em épocas de festas familiares (páscoa, natal, ano novo, etc...) o espírito de caridade e amor do menino ao trazer mendigos e maltrapilhos de rua para participarem das ceias, e quando questionado por seus pais, lembrava que Jesus dizia que quando derdes de comer a quem tem fome era a ele que alimentávamos; No Instituto de Yverdun, na Suíça, quando ensinava e tirava dúvidas dos seus amigos de universidade, pelo simples prazer de ser útil; Quando seu tio, viciado em jogatinas, gastara todo o dinheiro que ele juntara com grande sacrifício para montar seu Instituto, e de seus lábios e coração só surgem o perdão e os sentimentos de compreensão e compaixão; quantos e quantos alunos pobres que nada pagavam por suas aulas, tudo por amor ao próximo e pela educação; quantos homens e mulheres que lhe procuravam no Instituto Parisiense com necessidades extremas, e ele solicito, metia a mão no bolso dando tudo o que tinha esquecendo-se de si próprio; Quantas noite sem dormir, quantas viagens aos grupos nascentes regando a semente fecunda do consolador. Kardec foi a expressão viva da caridade com Jesus. Se Jesus é a porta, Kardec é sem sombra de dúvidas a chave. Viva Kardec, viva o Espiritismo!!!

×