Informativo do 6º Conselho Espírita de Unificação · Ano VII · Nº 36 · Edição de Novembro / Dezembro de 2015 · Circulação I...
RESSURREIÇÃO OU REENCARNAÇÃO?
Uma das maiores contestações dos irmãos de outros segmentos do Cristianis-
mo, diz respeito ...
O CEERJ realizará Seminário do SAPSE (Serviço de Assistência e
Promoção Social Espírita).
Com o tema: Conviver para viver ...
Sociedade Espírita de Assistência e Estudo
(SEAE)
Rua das Hortências, 133-Centro-Guapimirim
Reunião Pública: Sábado—18h
Gr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36

209 visualizações

Publicada em

Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36, contando com artigos de Patrícia Silva, Maria Cristina e Rodolpho Guilherme, sobre os assuntos de reencarnação.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
209
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal A Voz Espírita - Edição do Bimestre Novembro/Dezembro de 2015 Nº 36

  1. 1. Informativo do 6º Conselho Espírita de Unificação · Ano VII · Nº 36 · Edição de Novembro / Dezembro de 2015 · Circulação Interna A VOZ ESPÍRITA NASCER, MORRER, RENASCER AINDA E PROGREDIR SEMPRE, TAL É A LEI” A frase que intitula esse artigo é conhecida de todos os espíritas. Ela trata das etapas de nossos ciclos de vida, fala de recorrentes jornadas. Mas quais ciclos são esses e qual é a dimensão dessa vida? Quem a rege? De que modo vivo? Como e com quem jornadeio? É sobre isso que iremos discorrer nas linhas a seguir. Espíritas que somos, acreditamos fazer parte de uma sociedade mais do que material. Nossa existência extrapola os limites físicos da Terra, nossas relações humanas são conectadas a todo tempo, em qualquer lugar e dimensão. Afinidades positivas e negativas são construídas ou desfeitas em minutos de convivência e por vezes permitimos que reações impensadas e impulsivas tomem conta do nosso cotidiano. Outras vezes, porém, conseguimos refletir e agir de modo mais prudente. Assim vamos vivendo nossas jornadas, uma após outra. Mas o que somos? Somos seres vivos imortais, individualidades. Somos espíritos! Ora experienciamos a vida corpórea e material, ora a vida espiritual, encarnando e desencarnando constantemente, em breves ou longas jornadas, sempre conduzidas pela justiça da Lei de Deus. Assim, à medida que adquirimos esses tempos de vida, seguimos construindo laços de afetos e desafetos, ligando-nos a outros seres vivos, principalmente aos demais espíritos encarnados e desencarnados que também seguem vivendo suas jornadas concomitantemente à nossa. As dimensões física e extrafísica, na verdade, fazem parte de uma só realidade: a viva. E somente quem está vivo estabelece conexões. Será que nos damos conta de que existe uma ligação entre nós? Eu já parei para pensar se realmente acredito que o que eu penso, falo e faço encontra eco em alguma outra mente, voz e mãos ao meu redor!! Precisamos nos indagar relativamente a isso, pois só assim saberemos se de fato assimilamos e acomodamos os ensinos espíritas em nosso modo de vida. Porque podemos estar vivos quando mortos e mortos em vida. Desencarnado ou encarnado, posso viver em estado de sofrimento, rejeição e desespero ou posso viver com uma espe- rança ativa. É uma escolha. É sua escolha. É pessoal. Então, como estamos vivendo? Se já acreditamos que a vida é constante, cabe-nos encontrar meios de vivê-la da melhor maneira possível. Se hoje nossas lutas de cada dia trazem lágrimas, busquemos forças para enfrentarmos as dores que surgem. Se nosso dia-a-dia está mais sereno e feliz, vamos absorver cada energia positiva desses momentos de calmaria. De qualquer maneira, saibamos que tudo passa e se torna experiência a nos deixar mais fortes. É importante lembrar que as jornadas da vida, em particular a humana, são regidas por uma Lei. Como toda lei, ela é uma regra categórica. Mas seria essa lei cruel, parcial e corrupta? Ou será uma lei sublime de amor, justiça e caridade?! Como dissemos anteriormente, a forma como vivemos, ou seja, o estado mental e emocional como nos comportamos é escolha nossa, mas o que precisaremos vivenciar segue uma orientação divina. Isso significa dizer que não estamos sozinhos e não passamos pelas situações da vida por um acaso. Tudo está sob controle de um ser soberanamente justo e bom que estabelece sua legislação para o progresso de todos os seres que cria, sem distinção, sem privilégios. É lei, é disciplina, é justiça e é amor. Quem é esse soberano? É um pai que consola e esclarece, ama e corrige, orienta e cobra de seus filhos amados o devido progresso de entendimento e ação no bem. Colhi porque plantei, simples consequência! Mas deixaremos aqui novamente a indagação: eu acredito nisso? Como estou vivendo? De que modo estou vivendo minha existência? Será que apenas ajo sem escolhas conscientes e sendo “levado pelo vento”? Finalizando este texto, ainda que as suas respostas representem uma escolha de vida mais passiva do que ativa, não fiques tristes ou decepcionado. Ao contrário! Ter noção de que algo não está bom já é positivo, pois identifica que é preciso mudar e melhorar. E que não estamos sozinhos nessa mudança. Por outro lado, se suas respostas demonstram atividade, se vives sua vida convicta de que os ciclos da existência humana existem para nos auxiliarem na construção de um espírito melhor, que maravilha! Continuemos vigilantes para não esmorecer! E tenhamos a certeza da união entre as partes, meus irmãos. Querendo dizer que, encarnados e desencarnados, somos seres vivos, individuais, imortais e inteligentes estabelecendo relações co-dependentes a todo instante. Estamos ligados uns aos outros para nos ajudarmos mutuamente no que nos é inexorável: Sequenciais jornadas de progresso, sem cessar, pois tal é a Lei. Ah... A Lei de Amor!  Progresso Espiritual Por Patrícia Silva. Página 01 Destaques  Ressureição ou Reencarnação? Por Maria C. Cassemiro Página 02  Informe-se Vem aí peça espírita inspirada no livro Renuncia Página 03  Frederico Figner e o Livro Voltei Por Rodolpho Guilherme. Página 04 Homenageado da Edição Nascimento: 02 de dezembro de 1866 na Tchecoslováquia. Desencarne: Dia 19 de Janeiro de 1947, na cidade do Rio de Janeiro. Hospital Pedro de Alcântara. (HPA)
  2. 2. RESSURREIÇÃO OU REENCARNAÇÃO? Uma das maiores contestações dos irmãos de outros segmentos do Cristianis- mo, diz respeito ao fato de não existir a palavra Reencarnação na Bíblia e sim Ressur- reição. Isso pode gerar certas dúvidas para alguns, incluindo os iniciantes na Doutri- na Espírita ou aqueles que não têm o hábito de estudar a Bíblia. Precisamos compre- ender que a Bíblia que lemos hoje, nada mais é do que uma compilação de várias tra- duções de textos antigos, alguns escritos em dialetos mortos, isto é, que não são mais falados atualmente. Na Bíblia, a palavra traduzida como ‘ressurreição’ vem do termo grego anástasis, que significa ‘se levantar’ ou ‘ficar de pé novamente’ 1 . O povo Hebreu usava a mesma palavra para designar diversos fenômenos. O significado literal é “voltar à vida“ e o povo hebreu sabia que os mortos voltavam a viver, no entanto, co- mo não conheciam exatamente o processo, acreditavam que os mortos retornariam à vida no mesmo corpo físico. Também encontramos essa crença equivocada entre os Egípcios e outros povos antigos. A ideia em si é correta: voltar a viver ou ficar de pé novamente após a morte do corpo físico. O equívoco está na forma: como um corpo que já foi destruído pode- ria se reorganizar materialmente? Qual seria também a vantagem disso? A ciência já comprovou a impossibilidade da ressurreição dos mortos da forma como se acredita- va. Pergunta-se: Existe o termo Reencarnação na Bíblia? Essa é uma pergunta fácil de responder. Não encontramos a palavra reencarnação na Bíblia, pois esse termo foi criado por Allan Kardec quando procedia a codificação da Doutrina Espírita. Kardec, ao perceber que o termo ressurreição não exprimia corretamente o fenômeno sobre o qual era o objeto de estudo, criou-se um novo termo que fosse mais adequado ao seu significado. “Reencarnação significa a volta do Espírito NA carne, NUMA NOVA CARNE” 2 Como podemos observar, ressurreição e reencarnação são termos diferentes que exprimem a mesma ideia: a volta do Espírito ao corpo de carne ou o renascimen- to. “Os que são ressuscitados para viver no céu recebem um corpo espiritual, enquanto os res- suscitados para viver na Terra recebem um corpo físico novo e saudável. — Isaías 33:24; 35:5, 6; 1 Coríntios 15:42-44, 50”. 1 Neste trecho bíblico verifica-se claramente a ideia da reen- carnação. Vamos analisar: os “que são ressuscitados para viver no céu recebem um corpo espiri- tual”, ou seja, quando desencarnamos, levantamos do outro lado apenas com nosso corpo espiritual (perispírito); “os ressuscitados para viver na Terra recebem um corpo físi- co novo e saudável”, aqui vemos o que acontece ao Espírito quando este vai reencar- nar, ele recebe um novo corpo físico de acordo com sua necessidade. A ideia relacionada a reencarnação aparece na Bíblia em vários momentos e de forma bem clara: “Mas eu vos digo que Elias e não o reconheceram. Ao contrário, fizeram com ele o que quiseram. (...) Os discípulos compreenderam então que lhes falava de João Batis- ta.” 3 Em outro momento Jesus fala a Nicodemos: “Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. (...) Não te ma- ravilhes de ter te dito: Necessário vos é nascer de novo.” 4 Existem várias passagens alusivas à reencarnação no Velho e no Novo Testamento, porém, escolhemos as duas mais conhecidas. O próprio Mestre nos relata um caso de reencarnação, o do Profeta Elias encarnado como João Batista: se os pais de João eram Isabel e Zacarias, e ele era co- nhecido por todos desde seu nascimento, para ser Elias, só poderia o ser através da reencarnação. No outro trecho, Jesus fala claramente: “nascer de novo” e, diante do espanto de Nicodemos, pergunta: “Tu és mestre em Israel e não sabes isto?” 5 . Jesus faz essa assertiva já que os mestres e teólogos judeus sabiam de forma clara a existência do processo reencarnatório. No livro Razão e Dogma 6 , podemos encontrar outras re- ferências interessantes. O certo é que não precisamos entrar em contendas ou discussões infrutíferas com quem quer que seja. A reencarnação é uma realidade para todos os Espíritos, seja qual for sua religião e como bem disse Kardec na questão 222 de O Livro dos Espí- ritos: Querendo ou não, todos reencarnarão. 7 Referências Bibliográficas: 1- JW.ORG. Ensinos Bíblicos. Disponível em: <http://www.jw.org/pt/ensinos-biblicos/ perguntas/o-que-e-ressurreicao/>. Acesso em: 18 de outubro de 2015. 2- GRUPO DE ESTUDO “ALLAN KARDEC”. Qual a diferença entre ressurreição e reencarna- ção?. Disponível em: <http://grupoallankardec.blogspot.com.br/2010/07/qual-diferenca-de- ressurreicao-e.html>. Acesso em: 18 de outubro de 2015. 3-BÍBLIA SAGRADA. Mateus 11:14-15. Editora Vozes 50ª edição ano 2005 4, 5 -A BÍBLIA DE PROMESSAS. João 3:5,7. King’s Cross Publicações – Tradução de João Fer- reira de Almeida, 3ª edição ano 2005. 6- Filho, Américo D. Nunes;. RAZÃO E DOGMA. Casa Editora O CLARIM 7– Kardec, Allan—O LIVRO DOS ESPÍRITOS. Federação Espírita Brasileira 72ª edição – Parte Segunda, capítulo V, Questão 222 - Considerações sobre a pluralidade das existências. Nossa Mensagem Essa mensagem de esperança e vida Que endereçamos da imortalidade, É a lição luminosa da Verdade Que a Humanidade espera comovida. Guardai a voz da Terra Prometida, Nos exílios do pranto e da saudade; Conservai essa vaga claridade Da luz da eternidade indefinida . Todo o nosso trabalho objetiva Dar-vos a fé, a crença persuasiva Nos caminhos da prova dolorosa. Sabei vencer entre as vicissitudes, Como arautos de todas as virtudes, Sobre as ressurreições da alma gloriosa. Referências Bibliográficas: 1 Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Cruz e Souza. Parnaso de Além Túmulo. FEB. 2013. Soneto Na escuridão dos anos procelosos, Da velhice nos dias mal vividos, Eu quisera voltar aos tempos idos Da juventude, aos tempos bonançosos. Mal podia julgar que inda outros gozos Mais sublimes que aqueles já fruídos, Nas esteiras de prantos esquecidos, Acharia nos céus maravilhosos. Pairar no Além!... volver ao lar primeiro, Ressurgido em perene mocidade, Clarão de paz ao pobre caminheiro! No limiar das amplidões da Altura Penetrei, vislumbrando a Imensidade, Soluçando empolgado de ventura. Referências Bibliográficas: 1 Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Luiz Guimarães Júnior Parnaso de Além Túmulo. FEB. 2013. Venha conhecer a FanPage do 6ºCEU no Facebook www.facebook.com /6ceu.mage
  3. 3. O CEERJ realizará Seminário do SAPSE (Serviço de Assistência e Promoção Social Espírita). Com o tema: Conviver para viver a caridade, o CEERJ realizará um seminário para os trabalhadores do SAPSE, que acontecerá no dia 28 de Novembro das 09h às 17h. Local do Evento: Rua dos Inválidos, 182—Centro RJ (SEDE do CEERJ). É necessário inscrição prévia. Faça já a sua, enviando um email com seus dados para secretaria@ceerj.org.br. As inscrições para a XXXVII COMEERJ e XXII ENEFE já estão abertas! Família Espírita, não perca o prazo de inscrição da COMEERJ ou do ENEFE 2016, pois as inscrições já estão abertas. Com o tema—Desafios da Vida: Es- tamos vivendo como cristãos?, o evento trabalhará a questão da vivência dos ensinos transmitidos por Jesus em nossas vidas. Em Magé temos um pólo de COMEERJ, intitulado ÉFESO, nº XV. Já para o ENEFE temos 4 núcleos, sen- do eles: Magé(CELC), Santo Aleixo (CEUAC), Fragoso e Suruí. PARA FAZER A INSCRIÇÃO PARA A COMEERJ ENTRE NO SITE: WWW.COMEERJ.COM.BR Para o ENEFE, entre em contato com sua Instituição Espírita para mais detalhes. II Encontro de CSE reúne trabalhadores e Dirigentes da Região. Entre os dias 24 e 25 de outubro de 2015 aconteceu o II En- contro de Comunicação Social Espírita de Magé e Guapimirim, realizado pela Área de Comunicação Social Espírita do 6º Con- selho Espírita de Unificação/CEERJ, contou com a participação do Coordenador Editorial e Vice-Presidente da FEB, Geraldo Campetti e da Diretora de CSE do GECAM, Renata Andrade. O encontro estruturado em 3 atividades, debateu temas valiosos para os tarefeiros e dirigentes espíritas, em especial aos tarefeiros da Divulgação e Comunicação Social Espírita. Ao longo das atividades, através de doação da FEB editora, foram distribuídos alguns livros para os participantes, como forma de incentivo a divulgação da Doutrina Espírita, através da leitura de obras espíritas com sua qualidade doutrinária reconhecida. Veja as fotos no Facebook do 6ºCEU (www.facebook.com/6ceu.mage) TEATRO RENÚNCIA É com grande alegria que trazemos para as terras Mageenses a CIA Teatral Os Mensageiros, que apresentará uma peça teatral baseada no livro Renúncia, elabora- do através da psicografia de Francisco Cândido Xavier e ditado pelo espírito de Emmanuel. Essa maravilhosa obra descreve a existência de Alcíone, espírito que passa por uma encarnação de renúncias e dedi- cação a todos que a cercam, demostrando heroísmo e lealdade, na frívola Paris do Reinado de Luís XIV. A Apresentação será dia 15 de Novembro às 15h no Centro Educacional Cozzolino de Fragoso. Também teremos a apresentação do Coral Espírita Bezerra de Menezes.  Ingressos ANTECIPADOS - R$20,00  Ingressos NA HORA - R$30,00; INGRESSOS LIMITADOS, CORRA E GARANTA O SEU. CLASSIFICAÇÃO ETÁRIA 12 ANOS. Ingressos nas Instituições Espíritas Adesas ao 6ºCEU ou no site www.6ceu.org (No site você pode comprar com cartão de crédito ou débito) Eleição da Diretoria Executiva do CEERJ No dia 25de Outubro ocorreu a eleição para a diretoria Executiva do Conselho Espírita do Estado do Rio de Janeiro (CEERJ). Os 7 diretores executi- vos que irão conduzir as atividades do CEERJ no próximo triênio (2016-2018) são: Unificação: Alexandre Pereira/Financeiro: Fran- cisco Costa/Administrativo: Serafim da Costa / Comunicação Social Espírita: Christiane Drux/ EDUCAÇÃO ESPÍRITA: BRUNO LOURENÇO/Ações Estratégicas: Gleyson Assis/Relações Externas: Adriano Almeida. Muita luz aos novos diretores, em especial o C o m p a n h e i r o Bruno Lourenço, antigo coordenador da Área Educação Espírita do 6ºCEU/CEERJ.
  4. 4. Sociedade Espírita de Assistência e Estudo (SEAE) Rua das Hortências, 133-Centro-Guapimirim Reunião Pública: Sábado—18h Grupo Espírita Joana D’Arc (GEJD) Rua Expedicionário Otacílio Souza, 415 Fragoso– Magé Reunião Pública: Segunda-feira—19:30h Grupo Espírita André Luiz (GEAL) Rua Maria Marques, 86—Mundo Novo— Magé Reunião Pública: Terça-feira às 18:30h C. E. União, Amor e Caridade (CEUAC) Rua: Malvino Ferreira de Andrade, 118 Santo Aleixo—Magé Reunião Pública: Quinta-feira às 20h C.E Cultivadores do Evangelho (CECE) Rua Maria do Patrocínio, 40—Raiz da Serra- Magé Reunião Pública: Terça-feira às 20h Casa Espírita Caminho de Suruí (CECS) Rua Tupiniquins, 247—Suruí—Magé Reunião Pública: Sábado às 09:30h Sociedade Espírita Amor e Luz (SEAL) Rua Conde de Itaguaí, 350—Lagoa—Magé Reunião Pública: Quarta-feira—19h Grupo Espírita Cristão André Luiz (GECAL) Rua Saquarema, nº 23—Fundos 5—Vila Nova Magé Reunião Pública: Domingo às 18h Grupo Espírita Allan Kardec (GEAK) Rua: Mirabel nº 119—Piabetá—Magé Reunião Pública: Domingo às 18h Centro Espírita Luz e Caridade (CELC) Av. Simão da Motta, 315– Centro—Magé Reunião Pública: Segunda-feira às 20h Centro Espírita Amor ao Próximo (CEAP) Rua: Expedicionário Otacílio Souza, 394 Fragoso—Magé Reuniões Públicas: Segunda-feira às 20h e Sábado às 16h Órgão de Divulgação do Movimento Espírita dos municípios de Magé e Guapimirim. Editado pela Área de Comunicação Social Es- pírita do 6ºConselho Espírita de Unificação, representação do Con- selho Espírita do Rio de Janeiro (CEERJ). Endereço para correspondência: Av. Simão da Motta, 315 Centro- Magé-RJ-CEP 25900-000 Endereço eletrônico: www.6ceu.org E-mail: cse.6ceu@hotmail.com Tiragem: 500 exemplares Redação e diagramação: Equipe de Comunicação Social Espírita do 6ºCEU/CEERJ www.6ceu.org Frederico Figner nasceu em 02 de dezembro de 1866 em Milevsko, na Tchecoslováquia. De ascendência judaica, aos 25 anos veio para o Brasil, buscando uma vida melhor. Após alguns anos, já tornara-se comerci- ante próspero, dono da Famosa Casa Edison, Figner foi chamado a conhecer o Espiritismo. Teve relações de amizade com Pedro Sayão, onde foi apresentado ao Espiritismo. Após a vivência de algumas histórias, en- cheu-se de fé e passou a estudar com entusiasmo o Cristianismo e o Espiritismo (Já que ele ainda era Judeu, não conhecia de forma profunda). 1 Passou a dedicar a sua vida a serviço do próximo. Atuou na Federa- ção Espírita Brasileira, como vice-presidente, tesoureiro e membro do Conselho Fiscal. Além de seus afazeres profissionais, manteve coluna no jornal Correio da Manhã, onde divulgava o Espiritismo. Colaborou e pro- moveu a publicação de muitos livros, muitas vezes custeando as edições. Frederico era um homem generoso e solidário. Pela própria nature- za do trabalho nas suas duas gravadoras tornou-se amigo de muitos mú- sicos e cantores de sucesso. Em uma época que antecedeu à criação da Previdência Social, ficou consternado com a situação de penúria que al- guns desses artistas tinham de enfrentar ao chegar à velhice. Sensibiliza- do com esse drama social, não titubeou e decidiu doar um terreno, em Jacarepaguá, para a construção da instituição Retiro dos Artistas, que funciona até os dias de hoje, de forma belíssima. Trabalhou e serviu ab- negadamente até que certa doença o prendesse ao leito, poucos dias an- tes da partida. Desencarnou no dia 19 de Janeiro de 1947. Pouco tempo depois de seu desencarne, em 1949, foi lançado a 1ª Edição do Livro VOLTEI, onde o Espírito de Frederico Figner (sob o pseudônimo de Irmão JACOB) narra suas experiências no além-túmulo e esclarece temas como o desligamento do corpo físico, o intercâmbio me- diúnico, o reajuste à nova vida e o reencontro com familiares e amigos. Por meio de histórias e comentários pessoais, Irmão Jacob apre- senta suas descobertas sobre a rotina que nos espera após a morte e a prática essencial do desenvolvimento pessoal para que possamos ter uma temporada feliz no retorno ao mundo espiritual. 2 Assim, Figner, cumpre a promessa que havia feito para seus amigos. “Mandar notícias depois de morto”, mostrando a existência da vida pós-desencarne. Referências Bibliográficas: 1– FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA, Biografia de Frederico Figner. Disponível em: http://www.febnet.org.br/ba/file/Pesquisa/Textos/Biografia%20de%20Frederico% 20Figner.pdf. Acesso em 28 de Outubro de 2015. 2- FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA, Sinopse do Livro Voltei. Disponível em: http:// www.febeditora.com.br/departamentos/voltei/#.VjFlaVWrS70. Acesso em: 28 de Outu- bro de 2015.

×