Modelo de Jogo Barcelona - Exercícios de ligação entre sectores (defesa/médios e médios/avançados)

1.315 visualizações

Publicada em

Modelo de Jogo Barcelona - Exercícios de ligação entre sectores (defesa/médios e médios/avançados) em função do modelo de jogo

Publicada em: Esportes
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
42
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelo de Jogo Barcelona - Exercícios de ligação entre sectores (defesa/médios e médios/avançados)

  1. 1. TAREFA #1 – CONSTRUÇÃO DE EXERCÍCIOS TENDO POR BASE O MODELO DE JOGO DO BARCELONA DE GUARDIOLA Contextualização: "Nossa forma de entender o futebol é acreditar que com a bola, com os passes e com as tabelinhas, ou seja, com a bola saindo dos nossos pés lá de trás, podemos ser bem- sucedidos.” (Andrés Iniesta) Guardiola revolucionou o futebol. Se como jogador era discreto, a sua filosofia no que diz respeito à forma de jogar das suas equipas pasmou o mundo com a sua capacidade de controlo dos adversários. A obsessão pela posse, o tiki taka. Passes curtos, muitas linhas de passe, bola sempre no chão. Controlo da bola para poder controlar o jogo. Afinal, quem decide é sempre quem a bola.. Foi-nos proposta a criação de dois exercícios no momento ofensivo, um primeiro de ligação entre a defesa e o meio-campo, outro entre o meio-campo e a defesa. Torna-se portanto importante identificar os traços gerais – príncipios – destes momentos específicos no modelo de jogo do Barcelona. Na fase de construção (III) desde o guarda-redes, centrais a garantir largura no “bico” da área. Com pressão de um jogador adversário, ainda que o central a quem seja dirigido o primeiro passe não seja necessariamente o que progride com bola, segurança na saída, mesmo que para isso seja necessário utilizar a linha de passe dada pelo guarda-redes ou pelo outro central (situação de 3x1). Na mesma fase, laterais garantem largura e profundidade, a menos que na situação descrita anteriormente exista um 3x2, sendo que neste caso a profunidade dada diminui de forma a dar uma linha de passe mais próxima. O mesmo acontece com o pivot defensivo, apenas recua perto da sua área de forma a garantir a manutenção da superiodade numérica/linha de passe. Nesta fase de iniciação/manutenção da construção Guardiola propõe o Príncipio do Homem Livre, progressão para atrair (fixar) e libertar um homem de marcação (o homem livre). Contra equipas mais defensivas (vulgo “linhas baixas”),
  2. 2. Guardiola considera essencial que um central ataque o espaço para atrair um adversário. Se for um avançado, passa ao outro central que pode avançar com o avançado batido. Caso saia um médio, criou-se um homem livre numa zona mais adiantada. Desiquilibrio pronto a ser aproveitado. A partir daqui será mais facil garantir a manutenção da bola, podendo mesmo repetir-se a lógica do progredir/atrair/fixar com muitas situações de superioridade (2x1). O adversário tende a “fechar” o corredor central, abrindo espaço pronto a ser aproveitado pelos extremos (fase de criação de situações de finalização). Fig.1 _ Situação de 3x2 entre centrais/GR e avançados adversários, desce o médio defensivo entre os centrais. Fig.2 _ Médio-defensivo progride com bola. Sem um advesário direto, toca num dos interiores. Fig.3 _ Interior recebe orientado para o espaço livre deixado pelo médio-defensivo. Manutenção do triângulo.
  3. 3. Garantido o avanço em termos territoriais, tentativa de criação de situações de finalização. Guardiola considera necessário o risco para alcançar o sucesso (para criar situações e o próprio golo), mas a verdade é que a equipa só arrisca realmente o último passe em condições muito favoráveis. Não estão criadas condições? Posse, muita posse. Nos três corredores e quase sempre no meio-campo adversário. É nesta fase (II transição para a I) que entra onde príncipio fundamental para Guardiola, o Príncipio do Terceiro Homem. Sucintamente, descreve o movimento de um jogador mais avançado no terreno que recua e realiza combinação direta/indireta com um jogador de frente para o jogo. Ao mesmo tempo que recua, abre espaço para a entrada de um extremo ou interior na sua zona (muitas vezes em dermarcações de rotura). Uma circulação bastante utilizada neste Barcelona era o passe de Busquets para Messi (o avançado), que dava frontal a Iniesta/Xavi (os interiores). Caso existisse condições, picar sobre ou entre a defesa adversária para entrada de um companheiro. Fig.4 _ Interior toca no central. Avança alguns metros, atrai e toca no lateral livre. Garantido o homem livre, desta vez com aproveitamento do corredor. Fig.5 _ Lateral recebe de frente para o jogo. Atrai jogador e cria linha de passe, neste caso do interior. Com espaço, executa passe longo para o outro corredor.
  4. 4. Fig.6 _ Apoio frontal dado por Messi. Passe não é dirigido por Busquets mas o príncipio de tocar em quem está de frente para o jogo presente. Fig.7 _ Combinação direta concluida. Sem espaço para explorar nas costas de Messi, circulação pelo corredor. Manutenção da posse. Fig.8 _ Iniesta recebe do corredor e coloca em Messi, que aparece entre-linhas. Fig.9 _ Messi de primeira em Xavi. Nova combinação direta, com Messi em situação de finalização.
  5. 5. Exercícios:  Organização Ofensiva (Articulação defesas/médios) DESCRIÇÃO ESQUEMA TE TA Objetivo: Construção de acções ofensivas (Fase III) Forma: Exercício específico fundamental (Fase II) – GR+5x2 Espaço: 55x32,5 m ; 5x5m nos retangulos; 3m portas de entrada Número jogadores: 8 Orgânica: Equipa amarela com o objetivo de manutenção de posse de bola em que um dos centrais tem de passar em condução numa das portas de entrada; azuis tentam desarmar os centrais (caso o consigam rápida finalização). Condicionantes:  Guarda-redes pode ser utilizado durante a posse (cobertura ofensiva).  Laterais (dentro dos retângulos) funcionam como apoios da equipa amarela, jogando a um toque e não saindo do seu espaço.  Bola recomeça sempre do GR, com centrais a dar largura e médio-defensivo a recuar. Critérios êxito: condução; passe; recepção; temporização; desmarcação; combinações direta e indireta; técnica de GR 15’
  6. 6.  Organização Ofensiva (Articulação médios/avançados) DESCRIÇÃO ESQUEMA TE TA Objetivo: Construção de situações de finalização e finalização propriamente dia (Fase II e I) Forma: Exercício específico fundamental (Fase II) – GR+4x6 Espaço: 55x32,5 m; 3m portas de entrada; 2x12 m no retângulo Número jogadores: 11 Orgânica: Equipa azul em ataque organizado, utilizando frequentemente o apoio frontal dado pelo avançado. Sempre que possível procurar desmarcações em rotura dos extremos e do avançado. Caso não seja possível, manutenção da posse. Amarelos defendem à zona, caso recuperem devem colocar a bola numa das portas. Condicionantes:  Médio-defensivo como cobertura ofensiva (zona limitada), jogando a um toque.  Existe fora-de-jogo;  Bola recomeça do médio-defensivo. Critérios êxito: condução; passe; recepção; temporização; desmarcação em apoio e rotura; combinações direta e indireta; coberturas ofensivas 15’
  7. 7. Referências:  http://filosofiatatica.blogspot.pt/2010/02/apos-conversa-com-guardiola-esboco-de. html  https://www.mcsports.es/images/archivos/FCB/MuestraFCbarcelona.pdf  https://www.youtube.com/watch?v=nIAR0Uifs4s  http://pt.slideshare.net/MarinoSolares/anlisis-barca-pep-guardiola  http://www.tacticzone.com/principio-do-terceiro-homem-pep-guadiola/  http://www.tacticzone.com/principio-do-homem-livre-pep-guardiola/ Cláudio Lopes | Turma 1 | 130522032 Joaquim Rito |Turma 1|130522052

×