Logistica empresarial

1.218 visualizações

Publicada em

Apostila de Logística Empresarial

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Logistica empresarial

  1. 1. Logística Empresarial Cláudio Alves da Silva
  2. 2. APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de Logística Empresarial, parte integrante de um conjunto de materiais de pesquisa voltado ao aprendizado dinâmico e autôno- mo que a educação a distância exige. O principal objetivo desta apostila é propiciar aos(às) alunos(as) uma apresentação do conteúdo básico da disciplina. A Unisa Digital oferece outras formas de solidificar seu aprendizado, por meio de recursos multidis- ciplinares, como chats, fóruns, aulas web, material de apoio e e-mail. Para enriquecer o seu aprendizado, você ainda pode contar com a Biblioteca Virtual: www.unisa.br, a Biblioteca Central da Unisa, juntamente às bibliotecas setoriais, que fornecem acervo digital e impresso, bem como acesso a redes de informação e documentação. Nesse contexto, os recursos disponíveis e necessários para apoiá-lo(a) no seu estudo são o suple- mento que a Unisa Digital oferece, tornando seu aprendizado eficiente e prazeroso, concorrendo para uma formação completa, na qual o conteúdo aprendido influencia sua vida profissional e pessoal. A Unisa Digital é assim para você: Universidade a qualquer hora e em qualquer lugar! Unisa Digital
  3. 3. SUMÁRIO INTRODUÇÃO................................................................................................................................................ 5 1 A LOGÍSTICA.............................................................................................................................................. 7 1.1 A Evolução do Conceito de Logística........................................................................................................................9 1.2 A Definição de Logística Empresarial.................................................................................................................. 9 1.3 A Importância da Logística Empresarial............................................................................................................10 1.4 Atividade Logística........................................................................................................................................................10 1.5 Atividades Logísticas na Empresa...........................................................................................................................10 1.6 Exemplos de Processos de uma Cadeia Logística.............................................................................................11 1.7 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................14 1.8 Atividades Propostas....................................................................................................................................................15 2 CADEIA DE SUPRIMENTOS............................................................................................................17 2.1 Processos..........................................................................................................................................................................19 2.2 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................21 2.3 Atividades Propostas....................................................................................................................................................22 3 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS..............................................................................23 3.1 Evolução da Gestão da Cadeia Logística..............................................................................................................24 3.2 Integração da Logística na Cadeia de Suprimentos.........................................................................................26 3.3 Competitividade............................................................................................................................................................28 3.4 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................28 3.5 Atividades Propostas....................................................................................................................................................29 4 SUPPLY CHAIN DRIVERS....................................................................................................................31 4.1 Produção...........................................................................................................................................................................31 4.2 Estoques............................................................................................................................................................................32 4.3 Localização.......................................................................................................................................................................33 4.4 Transporte........................................................................................................................................................................34 4.5 Informação.......................................................................................................................................................................35 4.6 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................36 4.7 Atividades Propostas....................................................................................................................................................36 5 DECISÕES...................................................................................................................................................37 5.1 Gerenciamento Estratégico.......................................................................................................................................38 5.2 Gerenciamento Tático..................................................................................................................................................39 5.3 Gerenciamento Operacional.....................................................................................................................................40 5.4 Estratégia Logística versus Logística Estratégica................................................................................................41 5.5 Auditoria Logística........................................................................................................................................................41 5.6 Estratégia..........................................................................................................................................................................42 5.7 Indicadores de Desempenho....................................................................................................................................43 5.8 A Implementação de um Departamento Logístico.........................................................................................47 5.9 Serviços e Valor Agregado.........................................................................................................................................47
  4. 4. 5.10 Resumo do Capítulo..................................................................................................................................................48 5.11 Atividades Propostas.................................................................................................................................................49 6 CADEIA DE VALOR...............................................................................................................................51 6.1 Características.................................................................................................................................................................51 6.2 Atividades de Apoio ou de Suporte.......................................................................................................................53 6.3 Escopo da Cadeia de Valor.........................................................................................................................................53 6.4 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................54 6.5 Atividades Propostas....................................................................................................................................................54 7 ADMINISTRAÇÃO DE ESTOQUES..............................................................................................55 7.1 Previsão de Demanda..................................................................................................................................................57 7.2 Classificação de Estoques...........................................................................................................................................59 7.3 Vantagens na Utilização dos Estoques..................................................................................................................59 7.4 Desvantagens na Existência de Estoques.........................................................................................................60 7.5 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................60 7.6 Atividades Propostas....................................................................................................................................................61 8 LOGÍSTICA REVERSA..........................................................................................................................63 8.1 Atividades Típicas do Processo Logístico Reverso............................................................................................63 8.2 Pós-Venda.........................................................................................................................................................................64 8.3 Pós-Consumo..................................................................................................................................................................65 8.4 O que é Produção Limpa?..........................................................................................................................................67 8.5 Resumo do Capítulo.....................................................................................................................................................68 8.6 Atividades Propostas....................................................................................................................................................69 9 CONSIDERAÇÕES FINAIS................................................................................................................71 RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS......................................73 REFERÊNCIAS..............................................................................................................................................77 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR..................................................................................................78 ANEXOS...........................................................................................................................................................81
  5. 5. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 5 INTRODUÇÃO Caro(a) aluno(a), a logística é entendida como a área designada para realizar a administração de materiais, equipamentos e de informações necessárias para a execução de todas as atividades existentes em uma empresa. Em outras palavras, a responsabilidade do planejamento das operações e controle de todo o fluxo de mercadorias e das informações, desde a origem até o consumo final, estão sob a respon- sabilidade da logística. Atualmente, devido à popularização do comércio eletrônico, mais o advento de novos produtos, serviços, tecnologias e negócios, o cenário logístico nacional e empresarial se alterou estrategicamente, para atender às necessidades existentes e desejos apresentados pelos novos mercados e clientes. Por meio do comércio virtual, as empresas passaram atuar de uma forma tanto nacional como glo- bal, oferecendo desta forma os seus produtos e serviços vinte quatro horas por dia. Mesmo para atender um cliente que faz as suas transações em um ambiente virtual, as empresas necessitam de toda uma estrutura logística real e moderna. Pela ótica da empresa moderna, fica fácil perceber que o básico da atividade logística é o atendi- mento do cliente. Por isso que uma das preocupações empresariais é a de manter um bom nível de ser- viço por meio de uma cadeia logística estrategicamente eficaz, porque, de fato, ela inicia no instante em que o cliente resolve transformar um desejo em realidade. Para facilitar o entendimento, geralmente: ƒƒ O cliente faz as suas compras e consumo a partir do mercado de varejo, este sendo representa- do por lojas comerciais convencionais (físicas) ou virtuais, consideradas como o elo comercial final de uma cadeia logística; ƒƒ Por traz deste elo comercial, existe a ligação entre os fabricantes e seus fornecedores a empre- sas atacadistas e varejistas, que têm como responsabilidade a de atender ao cliente final. De uma forma resumida, como você verá mais à frente, os fabricantes fazem as aquisições de ma- téria-prima e componentes essenciais das empresas que fazem parte do rol de fornecedores. Após a transformação da matéria-prima ou a utilização dos componentes para transformá-los em produtos, as indústrias vendem seus produtos para os atacadistas ou dependendo das estratégias e políticas de negó- cios vendem diretamente aos varejistas. Na sequência, os varejistas, adquirem tais produtos diretamente dos fabricantes ou dos atacadistas para venderem para os consumidores finais. Como ao longo de uma cadeia logística há estruturas utilizadas para estocar ou armazenar, ferra- mentas, materiais, produtos ou quaisquer outros tipos de mercadorias essenciais para a realização de suas atividades, as empresas modernas, para controlar e administrar os fluxos físicos e de informação, fazem uso de sistemas de gerenciamento de estoques ou de armazéns; e, como exemplo, podemos ci- tar que uma das principais ferramentas de uso da gestão logística é o Warehouse Management System (WMS), que em português significa: sistema de automação e gerenciamento de depósitos, armazéns e linhas de produção.
  6. 6. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 6 O seu uso é fundamental para a gestão da cadeia de suprimentos (Supply Chain), porque ele forne- ce o giro de estoques, comandos inteligentes de separação de pedidos (picking), consolidação automá- tica de cargas e transbordo conhecido como (cross docking), para que, de uma forma racional, lógica e estruturada, seja feita a devida estocagem, armazenagem e posteriormente a distribuição. Para ajudá-lo(a) na construção do seu aprendizado, com a leitura e uso desta apostila nas aulas e na resolução das atividades que serão propostas durante a realização do curso, pretendemos que você venha a entender e compreender os demais temas e assuntos que fazem parte do contexto da logística moderna. O curso, por meio do conteúdo programático da disciplina de Logística Empresarial, tem por obje- tivo, ajudá-lo(a) a: ƒƒ Entender o funcionamento das cadeias de suprimentos e identificar valores que agregam à logística das cadeias de suprimentos; ƒƒ Identificar os fluxos e processos da cadeia de suprimentos nos diversos segmentos empresa- riais; ƒƒ Interpretar a influência dos sistemas integrados de gestão na administração da cadeia logística; ƒƒ Conhecer as limitações, os riscos e os custos envolvidos na cadeia de suprimentos; ƒƒ Planejar a logística para as características específicas da cadeia de suprimentos atendendo aos valores requeridos pelos clientes internos e externos da empresa; ƒƒ Definir Logística e Cadeia de Suprimentos, sua importância no ambiente empresarial. Oferecendo, dessa forma, subsídios para um estudo analítico sobre o papel estratégico das ativi- dades logísticas e empresariais desempenhadas e realizadas neste cenário tão abrangente e desafiador. Dentro dessa perspectiva, o conteúdo está organizado da seguinte forma: no primeiro capítulo abordaremos sobre a logística, a definição e a importância da logística empresarial, ela como atividade na empresa e exemplos de processos de uma cadeia logística. No segundo capítulo, trataremos da cadeia de suprimentos e os seus processos básicos. No terceiro capítulo falaremos sobre gestão da cadeia de suprimentos, sua evolução, os participantes da cadeia logística, a integração da logística, e competitivi- dade. No quarto capítulo, abordaremos sobre as áreas de desempenho da cadeia logística (Supply Chain Driver), tais como produção, estoques, localização, transporte e informação. No quinto, são apresentadas as decisões e os gerenciamentos estratégicos, táticos e operacionais; auditoria logística; estratégia; indi- cadores de desempenho e análise através de exemplos de aplicações de indicadores; a implementação de um departamento logístico; serviços e valor agregado. No sexto capítulo é apresentada a cadeia de valor, as suas características, atividades de apoio ou de suporte e seu escopo. No sétimo, abordaremos sobre a administração de estoques, previsão da demanda, classificação, vantagens e desvantagens dos estoques. No oitavo capítulo, apresentaremos a logística reversa, as suas atividades típicas, pós-venda e pós-consumo. Ao final, são apresentadas as respostas comentadas das atividades propostas e existentes em cada capítulo, as referências bibliográficas, e materiais anexos que te ajudarão na sua empreitada estudantil e profissional. Será um prazer acompanhá-lo(a) ao longo de mais uma etapa, rumo à sua formação acadêmica. Cláudio Alves da Silva
  7. 7. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 7 Prezado(a) aluno(a), Neste capítulo, trataremos de apresentar: a logística, a sua definição e importância empresa- rial, ela como atividade operacional na empresa e exemplos de processos de uma cadeia logística. Atualmente, é comum percebermos que as empresas estão migrando do modelo tradicional de funcionamento, para o ambiente web, com o objetivo de atender maiores demandas e vender para os seus clientes produtos e serviços, vinte e quatro horas por dia. Figura 1 – Ilustração sobre o uso da Internet para aquisição de produtos. Fonte: Banco de dados Free. Além de disponibilizar tais produtos e servi- ços, as empresas também precisam ter bem defi- nido, em suas estruturas, as estratégias e os servi- ços logísticos adequados para que desta forma o nível de atendimento e satisfação estabelecidos e esperados sejam mantidos e atendidos. Os produtos sob a responsabilidade da lo- gística, geralmente, são traduzidos e entendidos como bens tangíveis, ou seja, possuem corpo e forma física. Essa forma física, atrelada a cada produto ou item logístico, contribui para termos as dimensões corretas de tais bens ou produtos. Quando falamos de dimensões, estamos nos re- ferindo ao peso, altura, largura e comprimento de cada item a ser extraído, adquirido, movimenta- do, modificado, embalado, armazenado, negocia- do, separado e distribuído. Além das dimensões, há, porém, outras ca- racterísticas a serem observadas, que criam difi- culdades e exigem procedimentos diferenciados por parte dos processos logísticos, tais como: ƒƒ Grau de periculosidade existente em produtos químicos, derivados de petró- leo e farmacêuticos; ƒƒ Fragilidade, ou seja, produtos que se quebram facilmente se não forem bem manuseados, embalados e movimenta- dos. Como exemplo, podemos citar os cristais, brinquedos, eletroeletrônicos, utensílios, entre outros; ƒƒ Perecibilidade, muito comum em pro- dutos alimentícios em geral; ƒƒ Variabilidade de cores, sabores, odores e densidade (massa ou consistência) que caracterizam determinadas linhas de produtos; ƒƒ Quantidade. Nesse contexto, podemos considerar que a logística empresarial é a principal responsá- vel pela movimentação dos diversos tipos de produtos existentes em uma cadeia empresa- rial, tais como: livros, computadores, televisores, brinquedos, alimentos, medicamentos, calçados, ferramentas, vestuários, móveis, veículos, maqui- A LOGÍSTICA1
  8. 8. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 8 nários, embalagens, e todo e qualquer tipo de material ou item, necessários para uso próprio, revenda ou consumo. Para tanto, a empresa deve gerar conhecimento através da informação, pro- cessos, técnicas e serviços para movimentar e dis- ponibilizar estes materiais com o uso da infraes- trutura existente ao longo da cadeia. Os serviços geralmente são importantes e podem ou não envolver um bem físico, mas geral- mente é na prestação de serviço que se concentra a questão do nível de atendimento existente: ƒƒ No fornecimento por parte dos esto- ques, fornecedores e distribuidores; ƒƒ Nas entregas e das respostas sem atra- sos; ƒƒ Na pós-venda definido como troca em caso de erros ou avarias, instalação, montagem e manutenção; ƒƒ Como resultado da satisfação do clien- te. As empresas têm que estar preparadas para atender ao cliente com qualidade e agilidade, caso venha a ofertar e comercializar um bem ou serviço quer seja da forma tradicional, convencio- nal ou virtual. Mesmo sendo tão relevante para atender às necessidades dos clientes e das transações comerciais, nem sempre a logística será vista e reconhecida como atividade principal de uma empresa, ou seja, muitas vezes é vista e percebida como atividade de apoio, assim como a área de contabilidade, qualidade, produção, recursos hu- manos, entre outras. Diante dessa realidade, as empresas de uma forma muito bem estruturada e planejada têm bem definido quais os tipos de produtos e servi- ços que serão ofertados, as quantidades necessá- rias para atender às demandas e aos estoques, as ferramentas necessárias para auxiliar na gestão dos fluxos físicos de materiais ou produtos, e das informações atreladas e pertinentes a estes. Dentro deste contexto, há a presença da chamada logística empresarial, com um foco mais na gestão e na estratégia, cujo principal objetivo é:“tornar disponíveis produtos e serviços no local onde são necessários, no momento em que são desejados.”(BOWERSOX; CLOSS, 2008, p. 19). DicionárioDicionário Virtual: Realidade virtual, simulação de um am- biente real por meio de imagens de síntese tridi- mensionais. No nosso contexto, refere-se às fotos dos produtos disponíveis na internet, contendo as suas dimen- sões (peso, altura, largura e comprimento), que posteriormente serão comercializados e entre- gues pela área de distribuição. Fonte: Dicionário de português on-line.
  9. 9. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 9 O conceito de logística nos negócios se de- senvolveu fortemente na década de 1950, con- siderado como o período de pós-guerra. Isso foi devido principalmente à crescente complexidade encontrada nos negócios, na gestão de materiais e entregas de produtos em uma cadeia de supri- mentos cada vez mais global. O Council of Supply Chain Management Pro- fessionals (Conselho Profissional de Administra- ção de Cadeias de Suprimentos) define a logísti- ca como a parte do gerenciamento da cadeia de abastecimento que planeja, programa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semiacabados e produtos acabados; bem como as informações relativas a eles, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. Todas as atividades envolvidas na movi- mentação de bens para o lugar certo no momen- to certo podem ser descritas dentro dos termos gerais de “logística”ou “distribuição”. O ato de su- pervisar ou gerenciar esta atividade é conhecido como“gestão logística”. Os componentes de um sistema de logísti- ca típico são: atendimento ao cliente, previsão da demanda, comunicação da distribuição, controle de inventário, gestão de materiais, processamen- to de ordens e partes, suporte de serviço, seleção de planta e armazém, compras, embalagem, ges- tão de bens devolvidos, disposição de sobras e rejeitos, armazenagem, transporte e tráfego. Uma posição em uma empresa pequena pode envolver todas estas atividades, enquanto o trabalho em uma grande corporação pode signi- ficar estar envolvido com uma única ou algumas poucas áreas (BOWERSOX; CLOSS, 2008).  1.1 A Evolução do Conceito de Logística 1.2 A Definição de Logística Empresarial A Logística pode ser entendida como a área da Administração que cuida do transporte e ar- mazenamento das mercadorias (MARTINS; ALT, 2006). Ela abrange um conjunto de planejamento, operação e controle do fluxo de materiais, merca- dorias, serviços e principalmente das informações da empresa, integrando de uma forma racional as funções sistêmicas, desde suprimentos, pro- dução, armazenagem até a distribuição, assegu- rando dessa forma as vantagens competitivas e nível de serviço na cadeia de distribuição e, con- sequentemente, a satisfação dos acionistas e dos clientes.
  10. 10. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 10 Conforme mencionado, a logística em- presarial atua de uma forma administrativa e estratégica, em busca de melhores resultados e satisfação dos clientes. E essa satisfação está di- retamente ligada aos serviços de distribuição e de pós-vendas ofertados pelas empresas aos seus respectivos clientes e consumidores. Os clientes e consumidores já estão acostu- mados a serem bem atendidos e de preferência não querem pagar nada mais por tais produtos e serviços. Por isso que hoje é perceptível e exigido um alto grau de sofisticação tecnológica para promo- ver e programar a integração dos processos, das informações e dos negócios existentes neste am- biente tão complexo e desafiador. 1.3 A Importância da Logística Empresarial 1.4 Atividade Logística A questão operacional da logística é com- plexa. Como, por exemplo, podemos citar o con- trole e acompanhamento da demanda dos pro- dutos ou serviços, controle e acompanhamento da frequência dos pedidos, controle e acompa- nhamento das quantidades por pedido, contro- le e acompanhamento dos custos envolvidos na operação, tempo de entrega (lead-time), pedido mínimo, rupturas de abastecimento, prazos de entrega, períodos promocionais e frequência de sazonalidades, políticas de estoque (evitando fal- tas ou excessos), planejamento da produção, po- líticas de fretes, políticas de gestão dos pedidos (orders), análise dos modelos de canais de distri- buição, entre outros (CARVALHO, 2002). Com o surgimento de novas necessidades por parte do mercado e das empresas em geral, a atividade logística no Brasil e no mundo passa por uma gestão com foco na identificação de oportu- nidades de redução de custos, prazos de entrega e consequentemente no aumento da qualidade no cumprimento do prazo; disponibilidade cons- tante dos produtos, programação das entregas, facilidade na gestão dos pedidos e flexibilização da fabricação, análises de longo prazo, elabora- ção de projetos com incrementos em inovação tecnológica, novas metodologias de custeio, no- vas ferramentas para redefinição de processos e adequação dos negócios, como exemplo no ramo varejista, podemos citar: a Resposta Eficiente ao Consumidor (Efficient Consumer Response), entre outros meios e técnicas. 1.5 Atividades Logísticas na Empresa O ciclo de atividades é o principal fator de análise em uma logística integrada, pois fornece umavisãobásicadasdecisõesedasinterfacesque devem ser combinadas para a criação e a gestão de um sistema operacional. Essa visão operacio- nal e gerencial é importante porque uma grande parte do total dos processos existentes nas em- presas é composta de atividades logísticas, e es- tas consistem essencialmente na gestão e no pla- nejamento de depósitos, armazéns ou de centros de distribuição, na localização, e também de todo tipo de instalações que venha a ser necessário.
  11. 11. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 11 Segundo Carvalho (2002), as atividades lo- gísticas presentes na movimentação de materiais e produtos são a movimentação e reaproveita- mento de desperdícios. Na atividade logística, importantes são to- das as atividades que se relacionam com o trans- porte e com a movimentação de matéria-prima, materiais ou produtos, tanto de uma forma inter- na quanto externa na empresa. Além disso, te- mos que levar em consideração qual o modal de transporte que deverá ser usado para atender a um determinado cliente, e a escolha da frota, se esta será própria ou terceirizada. Tendo a visão das atividades, dos fluxos existentes e dos elementos que compõem uma determinada cadeia logística, teremos a clara noção que o canal logístico da empresa é então constituído pelos produtores e fornecedores de matéria-prima, pelas empresas de transportes, podendo estes serem operadores logísticos ou transportadoras que realizam a movimentação física de tais itens ou produtos, para atender o cliente final. Para Gomes (2004), o canal de distribuição da empresa engloba não só as empresas de trans- porte como também os operadores responsáveis pelo transporte, armazenagem e também, em al- guns casos, a promoção e a comercialização dos produtos. Saiba maisSaiba mais Uma boa gestão logística depende do conheci- mento das informações sobre os tipos e as varieda- des dos produtos existentes, bem como da visão de todos os participantes da cadeia de distribuição, e dos canais existentes, utilizados para realizar estra- tegicamente com sucesso a distribuição dos bens, produtos e serviços, ofertados pela empresa. Todo e qualquer produto que será trans- formado, utilizado ou consumido tem inicial- mente uma origem definida, ou seja, até chegar finalmente ao ponto de consumo, este produto passou por diversas etapas e processos existentes em uma cadeia logística; isto é, em um dado mo- mento ele foi extraído, transformado, fabricado, distribuído e, por fim, comercializado. Nesse con- texto, apresentaremos um resumo de tais etapas e processos, conforme descritos a seguir: 1º Extração de matéria-prima: esta é con- siderada como a primeira etapa do proces- so de uma cadeia. Essa etapa é realizada por empresas que exploram os recursos na- turais, explorando materiais ainda em seu estado bruto para posteriormente, fornecê- -los como matéria-prima, para as demais empresas que fazem parte de determina- dos ramos empresariais. 1.6 Exemplos de Processos de uma Cadeia Logística Muitas vezes por estarem em seu estado bruto, estes materiais, inicialmente, passam por um processo de corte e apara no caso de madeiras, lingotes de aço ou de alumí- nio; de fragmentação ou quebra no caso de minérios; de limpeza e polimento no caso de pedras decorativas; e de caracterização no caso de subcomponentes. Como exem- plo de material bruto, temos a madeira, a carne, o couro, as frutas, as verduras, os le- gumes, os minérios (bauxita, manganês, carvão, calcário, silício), o petróleo e seus derivados. E qual a função da logística neste processo? Para que a empresa de extração e explora- ção funcione, a logística atuará fornecen- do todo o suporte necessário, por meio da compra de tais insumos e materiais, e, quando for o caso e a situação assim exigir, na aquisição de ferramentas, maquinários e na contratação de serviços e mão de obra
  12. 12. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 12 especializada. Além de desempenhar a ati- vidade de suprimentos, provavelmente, ela irá atuar na movimentação, transporte, ar- mazenamento, classificação e organização de tais materiais e produtos, organizando- -os conforme as necessidades existentes por parte dos processos e clientes externos. Tais clientes externos exercem o papel de fornecedores para outras empresas. Dessa forma, a logística encerra o seu ciclo de ati- vidades nestas empresas iniciais. 2º A transformação da matéria-prima bruta: dando sequência ao nosso exemplo de fluxo na cadeia, conforme descrito na primeira etapa, inicialmente este material bruto explorado e coletado pelas empresas passam por um processo inicial de corte e apara no caso de madeiras, lingotes de aço ou de alumínio; de fragmentação ou quebra no caso de minérios; de limpeza e polimen- to no caso de pedras decorativas; e de ca- racterização no caso de subcomponentes. Uma vez realizados os procedimentos bá- sicos, tais materiais e subcomponentes ar- mazenados e classificados serão fornecidos para outras empresas que atuam em deter- minadossegmentosindustriais,quedeuma forma mais específica darão o tratamento especial a este material, transformando-o em matéria-prima para fabricação de uma série de produtos. Essas empresas podem ser denominadas de empresas transforma- doras ou processadoras. Muitas destas empresas trabalham em parceria com outras empresas, tais como: montadoras (Volkswagen, Dell, SempToshi- ba, Ford, Alpargatas, Scania, Votorantim, Gerdau etc.), distribuidoras (Grupos Pão de açúcar, Walmart, Carrefour etc.) e revende- doras (Casas Bahia, Sadia, Alpargatas, Perdi- gão etc.), por isso que muitas destas empre- sas não fazem parte do conhecimento dos consumidores finais, mas são conhecidas no mundo empresarial, principalmente por profissionais e técnicos que conhecem os produtos e as necessidades de cada empre- sa. Como exemplo, podemos dizer que uma empresa com estas características pode fa- zer a transformação da matéria-prima bruta do aço em material transformado confor- me a dureza, resistência e maleabilidade de acordo com a necessidade de outras empresas, neste caso as fabricantes. Ainda dentro deste contexto, há as empresas de transformação do material plástico, de mi- nérios, de essências e fragrâncias, de couro, de insumos alimentares e de muitos outros tipos de produtos. Por fim, este material de- verá ser transportado para outros clientes, na maioria das vezes empresas fabricantes, encerrando o seu ciclo nestas empresas. 3º A fabricação: nesta etapa, estas empre- sas geralmente atuam desenvolvendo e fa- bricando produtos com base nas matérias- -primas citadas anteriormente. Nessa etapa, o que mais interessa a estas empresas é ter os componentes ou materiais necessários para poder fabricar os produtos finais que serão ofertados ao consumidor final confor- me o planejamento, programação e contro- le da produção. É nessa etapa que ocorre o uso do couro para a fabricação de sapatos, bolsas, cartei- ras e cintos; o uso da madeira para fabrica- ção e confecção de móveis; das frutas para produção de polpas, sucos, doces etc.; dos componentes para montagem dos micros; de peças para a montagem de veículos; da carne para a produção de derivados alimen- tícios etc. Como podemos perceber, um fa- bricante pode produzir um bem durável, como no caso de veículos, computadores, e bens de consumo por ser uma indústria ali- mentícia, de material escolar, de vestuário ou qualquer outro tipo de produto destina- do ao consumo popular. 4º A Distribuição: conforme mencionado anteriormente, a logística empresarial atua de uma forma administrativa e estratégica, buscando desta forma melhores resultados e a satisfação dos clientes. E esta satisfação está diretamente ligada aos serviços de dis-
  13. 13. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 13 tribuição e de pós-vendas ofertados pelas empresas, aos seus respectivos clientes e consumidores. Os clientes e consumidores já estão acostumados a serem bem aten- didos, e de preferência não querem pagar nada mais por tais produtos e serviços. Por isso que hoje é perceptível e exigido um alto grau de sofisticação tecnológica para promover e programar a integração dos processos, das informações e dos negócios existentes neste ambiente tão complexo e desafiador. Porém, é bom frisarmos que o processo de distribuição sofreu grandes transformações por diversos motivos, tais como: o cresci- mento demográfico, a quantidade e varia- bilidade atreladas a determinados produtos e, consequentemente, com o uso da inter- net, houve o aumento geográfico, ou seja, as empresas passaram a atuar em nível na- cionalemuitasinternacionalmente,aumen- tando desta forma o consumo. Atualmente, os fabricantes que fazem parte do processo anterior deixaram de entregar ou distribuir seus produtos diretamente ao consumidor final, utilizando basicamente distribuidores autorizados, mão de obra especializada ou prestadores de serviços logísticos. Para facilitar o seu entendimento, observe os participantes, os canais e os processos existentes no exemplo da cadeia logística contidos na Figura 2. Figura 2 – Exemplo parcial de etapas e processos de uma cadeia logística. Fonte: Banco de dados Free. No pontilhado cor-de-rosa, temos a repre- sentação do canal de vendas on-line (in- ternet); nas setas de cor azul, estão repre- sentados os canais de abastecimento e de entregas de todos os participantes desta cadeia; e, por fim, nas setas de cor clara, temos os canais da logística reversa, a qual será abordada mais à frente. Ainda é possí- vel observar que a fábrica ou indústria faz o uso de transportadoras e de uma central de distribuição para realizar as suas entre- gas para os revendedores (hipermercados) e para os seus clientes finais (varejistas ou pessoas físicas). Isso se torna necessário e até mais eficiente porque estrategicamente estas empresas que são fabricantes perceberam que o pro- cesso de entrega e distribuição é uma ativi- dade logística e não fabril. Com isso, através do processo de terceirização e da contrata- ção de empresas especializadas, essas em- presas contratantes podem manter o seu foco apenas em seu objetivo principal, que é o desenvolvimento e a fabricação de bens e produtos, não se preocupando com as ati- vidades consideradas secundárias e muito menos com questões ligadas ao abasteci- mento e entrega de seus produtos para o mercado em que atuam. Além de não se preocuparem mais com as atividades consideradas secundárias e com questões ligadas ao abastecimento e entre- gas, as empresas para serem mais compe- titivas nos mercados em que atuam passa- ram a manter o seu foco nas necessidades existentes, devido à expansão geográfica, ou seja, hoje se tornou um fator estratégico atender a um mercado globalizado. Obviamente que dentro deste processo existe uma infinidade de problemas, di- ficuldades e situações que ocorrem com qualquer empresa. A título de exemplo, podemos citar os problemas relacionados às atividades de compra, armazenamento, transporte, produção, entregas, avarias, er- ros nos pedidos e assim por diante.
  14. 14. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 14 Mesmo diante de tais problemas, a ativida- de e o processo de distribuição vêm se de- senvolvendo dia a dia, tornando as entregas mais curtas, rápidas, precisas e com maior nível de qualidade. 5º A Comercialização: pode ser considera- da como a última etapa do fluxo da cadeia logística. É por meio dela que são disponibi- lizados os produtos para o consumo. Nessa etapa, o consumidor para formalizar o seu pedido muitas vezes tem condições de ter contato direto com o produto, de realizar testes, e, quando do for caso e conforme o tipo do produto, de fazer a experimentação e degustação. Geralmente, a comercialização ocorre atra- vés de empresas atacadistas e por empre- sas varejistas. A diferenciação básica está na relação e no trâmite comercial, ou seja, no atacado as vendas são realizadas em gran- des quantidades e por preços menores, en- quanto que no varejo as vendas são mais populares, por atingir a maior parte do mer- cado consumidor. Para que a comercialização funcione estra- tegicamente e adequadamente, esses es- tabelecimentos participantes da cadeia fa- zem os seus pedidos junto aos fabricantes, que se utilizam dos serviços e processos de distribuição para atender aos pedidos dos clientes. O objetivo principal desse processo final é disponibilizar o produto de uma forma que venha a atender ao cliente e às suas exigên- cias em um curto espaço de tempo e nível aceitável de atendimento. Para tanto se faz necessário e extremamente importante o uso da logística para o abastecimento dos estabelecimentos, conforme descrito e de- monstrado na figura anterior. Até aqui, consideramos que a extração, transformação, fabricação, distribuição e, por fim, a comercialização representam o fluxo de um ca- nal logístico, mas temos que levar em considera- ção que para cada tipo de produto, como alimen- to, medicamentos, bebidas, móveis, vestuários, peças, veículos, entre outros, por apresentar di- mensões, características naturais e técnicas dife- renciadas, se fará necessário o uso de estruturas e de processos logísticos de movimentação, arma- zenagem, transporte e distribuição diferenciados. Nesse caso a informação e o conhecimento logís- tico são imprescindíveis para movimentar estes e os demais tipos de produtos dentro de uma de- terminada cadeia logística. AtençãoAtenção Os componentes de um sistema de logística tí- pico são: atendimento ao cliente, previsão da demanda, comunicação da distribuição, controle de inventário, gestão de materiais, processamen- to de ordens e partes, suporte de serviço, seleção de planta e armazém, compras, embalagem, ges- tão de bens devolvidos, disposição de sobras e rejeitos, armazenagem, transporte e tráfego. 1.7 Resumo do Capítulo Prezado(a) aluno(a), neste capítulo estudamos que: ƒƒ As empresas estão migrando do modelo tradicional de funcionamento para o ambiente web (internet); ƒƒ Os produtos sob a responsabilidade da logística, geralmente, são traduzidos e entendidos como bens tangíveis, ou seja, possuem corpo e forma física;
  15. 15. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 15 ƒƒ A periculosidade, fragilidade, perecibilidade, variabilidade e quantidade são consideradas como características existentes em determinados produtos; ƒƒ A logística empresarial é a principal responsável pela movimentação dos diversos tipos de pro- dutos existentes em uma cadeia empresarial; ƒƒ Os serviços geralmente são importantes e podem ou não envolver um bem físico, mas ge- ralmente é na prestação de serviço que se concentra a questão do nível de atendimento ao cliente; ƒƒ A logística empresarial atua de uma forma administrativa e estratégica, em busca de melhores resultados e satisfação dos clientes; ƒƒ O ciclo de atividades é o principal fator de análise em uma logística integrada, pois fornece uma visão básica das decisões e das interfaces que devem ser combinadas para a criação e a gestão de um sistema operacional; ƒƒ Conforme o autor Gomes (2004), o canal de distribuição da empresa engloba não só as empre- sas de transporte como também os operadores responsáveis pelo transporte, armazenagem e também em alguns casos a promoção e a comercialização dos produtos; ƒƒ A extração, transformação, fabricação, distribuição e, por fim, a comercialização representam o fluxo de um canal logístico. Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem. 1.8 Atividades Propostas 1. Em logística, quando falamos de dimensões de determinados itens, estamos nos referindo a quê? Explique. 2. Conforme os autores Bowersox e Closs (2008), qual o principal objetivo da chamada logística empresarial? 3. De acordo com Gomes (2004), o canal de distribuição da empresa engloba quais áreas e requi- sitos? 4. Quais os processos e etapas que são considerados como fluxo de uma cadeia logística?
  16. 16. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 17 Prezado(a) aluno(a), Neste capítulo, trataremos de apresentar a cadeia de suprimentos e os seus processos bási- cos. A Cadeia de Suprimento pode ser entendi- da como um grupo de fornecedores que supre as necessidades de uma empresa na criação e no desenvolvimento dos seus produtos. Pode ser entendida também como uma forma de colabo- ração ou parceria entre fornecedores, varejistas e consumidores para a criação de valor. De outra forma, a cadeia de suprimentos pode ser definida como o ciclo da vida dos pro- cessos que compreendem os fluxos físicos, in- formativos, financeiros e de conhecimento, cujo objetivo é satisfazer os requisitos do consumidor final com produtos e serviços de vários fornece- dores ligados. Para facilitar a sua compreensão, observe os participantes e os processos existentes neste ou- tro exemplo contido na Figura 3. CADEIA DE SUPRIMENTOS2 Figura 3 – Exemplo de participantes e processos existentes numa Cadeia de Suprimentos. Fonte: Banco de dados Free. A Figura 3 mostra que a cadeia de supri- mentos, no entanto, não está limitada ao fluxo de produtos ou informações no sentido fornecedor até o cliente, por existir também o caminho in- verso do fluxo de negociações, informações, re- clamações, produtos, entre outros, no sentido do cliente até o fornecedor, ou seja, o fluxo reverso e uma integração entre todos os elos que fazem parte desta cadeia (FREDENDALL, 2001). Hoje, é possível vermos e analisarmos no contexto empresarial muitos casos em que a competição no mercado global não ocorre en- tre empresas, mas entre cadeias de suprimentos. Como exemplo, podemos citar as montadoras de veículos juntamente com os seus fornecedores e revendedores. A gestão da logística e do fluxo de informa-
  17. 17. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 18 ções em toda a cadeia permite a todo e qualquer administrador logístico e aos executivos avaliar pontos fortes e pontos fracos existentes na cadeia de suprimentos, auxiliando a tomada de decisões. As decisões tomadas com base em informa- ções precisas e relevantes irão resultar na redu- ção de custos, aumento da qualidade, resultados, entre outros benefícios, com o objetivo de criar e aumentar a competitividade da empresa e do va- lor agregado atrelados aos seus produtos ou ser- viços, mantendo desta forma os diferenciais em relação à concorrência. Para Gomes e Ribeiro (2004), com o uso de tecnologias avançadas, os resultados que se espe- ram da utilização de sistemas que automatizem a Cadeia de Suprimentos são: ƒƒ Reduzir custos; ƒƒ Aumentar a eficiência (neste caso, dos processos envolvidos); ƒƒ Ampliar a margem de lucro; ƒƒ Melhorar os tempos de ciclos da cadeia de fornecimento; ƒƒ Melhorar o desempenho nos relacio- namentos com clientes e fornecedores (este item está ligado aos aspectos qua- litativos); ƒƒ Desenvolver serviços de valor agregado que dão a uma empresa uma vantagem competitiva; ƒƒ Obter o produto certo, no lugar certo, na quantidade certa e com o menor tempo e custo (isto é logística); ƒƒ Manter o menor nível de estoque possí- vel (ou seja, sem deixar faltar ou sobrar produtos). Tais resultados são obtidos conforme a ges- tão da cadeia de suprimentos venha a simplificar e acelerar as operações que estão relacionadas com a forma como os pedidos dos clientes são processados pelo sistema até serem atendidos, e conforme o modo de aquisição das matérias- -primas, da sua entrega, pelos processos de fabri- cação e distribuição. Em todas as etapas tem que haver padronização dos processos e das informa- ções. Para se realizar um bom gerenciamento da cadeia de suprimentos, uma boa avaliação e men- suração dos custos existentes nos processos e nas atividades empresariais são de vital importância. E tal avaliação se estende para o modelo atual de compras na renovação dos contratos com os fornecedores tanto de matéria-prima quanto de serviços. Diante disso, fica claro que não basta somente a empresa ter e operar um software de administração da cadeia, se não criar e melhorar o modelo de gestão. No contexto empresarial atual, os fornece- dores passam a ser parceiros no desenvolvimen- to de projetos, produtos e serviços. Diante disso a quantidade de fornecedores é reduzida. Como existem muitas atividades complexas, e estas, às vezes, realizadas simultaneamente e desenvolvi- das entre os departamentos, a integração é vista como algo importante para os negócios e para a empresa. Para que haja tal integração, a área de suprimentos das empresas que fazem parte de uma cadeia ou que são responsáveis por cuidar de uma, hoje, não só acompanha a aplicação dos contratos, como é responsável por todo o perío- do de negociação e contratação. Dessa forma, a área de suprimentos é vista e gerida de uma forma estratégica, sendo bem diferente do modelo passado, baseada na depar- tamentalização, sendo responsável até pelos re- sultados da empresa. O comprador ou o gestor responsável pela aquisição terá condições de ter a visualização to- tal dos processos que estão sob a sua responsabi- lidade, permitindo a realização da rastreabilidade e de auditoria de seus processos de compras. Saiba maisSaiba mais Softwares de administração: são sistemas utilizados de uma forma integrada pelas empresas, para fazer a administração e o controle das atividades e dos dados existentes nos processos e nas transações comerciais realizadas pelas suas diversas áreas e departamentos (financeiro, contabilidade, recursos humanos, produção, armazenagem, vendas, trans- portes, distribuição etc.), com o objetivo de trans- mitir e compartilhar informações para auxiliar a to- mada de decisão.
  18. 18. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 19 Emumaempresa,eprincipalmenteemuma cadeia de suprimentos, obviamente é comum a existência de departamentos e processos, e cada qual representado pelos seus custos. Todos os processos envolvem pessoas, áreas, clientes, dis- tribuição, produção e fornecedores. Para facilitar o entendimento, apresentaremos a seguir um exemplo resumido de áreas que fazem parte de uma cadeia de suprimentos: ƒƒ Suprimentos: esta área, atualmente chamada de suprimentos, no passado era conhecida somente como área de Compras. Atualmente ela é vista como área estra- tégica, responsável pelas negociações e aplicações dos mais variados recursos (materiais, patrimoniais, tecnológicos e financeiros) existentes à disposição da empresa, para suprir as suas necessida- des, atividades e processos administra- tivos, comerciais e de produção. Denominada como abastecimento, in- clui as atividades necessárias para ad- quirir inputs (entradas) de forma a criar produtos ou serviços. Existem duas operações neste ponto: Primeira = Aquisição de materiais e ser- viços; Segunda = Créditos e empréstimos, junto a bancos e Governo. Além de ter a sua importância estra- tégica, possui uma forte característica operacional, porque toda e qualquer organização, independentemente do tamanho, ramo (industrial, comercial e de prestação de serviços) e setor (priva- do, governamental, de utilidade públi- ca ou sem fins lucrativos), necessita, por mínimo que seja, fazer suas aquisições. Paralelamente à atividade principal de abastecer a empresa, esta área desem- penha outras funções, tais como: •• Negociação de preços, prazos, juros e quantidades com fornecedores, clientes internos e externos; •• Cadastros de fornecedores, de ma- teriais e produtos; •• Desenvolvimento, seleção e avalia- ção de fornecedores; •• Análise e gestão de contratos de fornecedores e de prestação de ser- viços; •• Análise e gestão dos diversos esto- ques existentes dentro ou fora da empresa; •• Definição e aquisição por meio de loteseconômicosdecompras (LEC); •• Cotação de preços; •• Atendimento de projetos especiais e de desenvolvimento de novos produtos ou serviços; •• Com o uso da tecnologia da infor- mação, faz uso do pregão eletrôni- co e da participação de leilões pú- blicos; •• Aplicação de conceitos que envol- vem o quanto comprar e quando comprar, levando em consideração o ponto de pedido, de cada item ou produto sob a sua responsabilidade que faça parte do seu cadastro. ƒƒ Marketing: é o departamento respon- sável em criar produtos, embalagens comerciais e de consumo, estabelecer os pontos de vendas, realizar a pro- moção, enviar mensagens aos clientes potenciais e também aos que já fa- zem parte da carteira de clientes, para convencê-los a comprar da empresa. Tal mensagem envolve: faixa etária, poder aquisitivo, classe social, locali- zação, concorrente; além da função de 2.1 Processos
  19. 19. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 20 propaganda e sistemas promocionais. Sem dúvida nenhuma, o marketing é uma área estratégica, e as empresas reconhecem a sua importância e dire- cionam uma boa parte de seus recursos humanos e financeiros a essa atividade, que inclusive atua fortemente no dire- cionamento da distribuição. ƒƒ PPCP (Planejamento, Programação, Controle, Produção): realiza a tradu- ção, expectativa para a realização da produção. As peças necessárias, equipa- mentos etc. Tal departamento ou área administra e também informa quais os tipos de materiais ou serviços que serão utilizados para atender às demandas. Em logística, o planejamento refere-se a todas as operações indispensáveis para planejar e organizar as operações básicas. Nessa categoria existem três operações particulares (CHOPRA; MEIN- DL, 2003): •• Previsão da demanda; •• Preço do produto; •• Gestão de Estoques. ƒƒ Fornecedores: se para produzir produ- tos e para realizar serviços são neces- sárias matérias-primas em uma cadeia de suprimentos, os fornecedores de tais matérias-primas devem ser trata- dos como parceiros, devendo até se- rem convidados a verem a produção, participar da produção, do dia a dia da empresa, já que ambos os conhecimen- tos podem atuar juntos, surgindo assim uma estrutura de competência altíssi- ma. ƒƒ Almoxarifado/Armazenagem: sua atu- ação é importante no controle dos ma- teriais que entram na empresa, vendo inclusive se os mesmos não estão em excesso. O objetivo desta área é ter o mínimo em estoque, sem deixar faltar para atender às operações administrativas, de produ- ção ou de vendas. ƒƒ Processos de controle: estes são cons- tituídos por atividades de gerencia- mento, apoio e controle dos processos de entrada (Inbound) e de saída (Out- bound). O controle atua principalmente na me- dição dos índices de estoques, de pro- dutividade, desempenho e nos acertos dos problemas ocorridos em função do fornecimento, erros administrativos, operacionais, avarias, desvios, furtos de materiais e de equipamentos ou um erro no cliente. É através da auditoria e do controle lo- gístico que as empresas conseguem determinar se existem falhas, também conhecidas como gaps, entre a perfor- mance logística e os resultados espera- dos (CARVALHO et al., 2001). Cada uma das atividades existentes nos processos de entrada (Inbound), saída (Outbound) e controle são realizadas de uma forma estratégica e operacional- mente planejada. ƒƒ Entrega: como tudo tem um começo e um fim, a entrega é a área que envolve a atividade de encomendas dos consu- midores e as entregas dos produtos aos clientes. As operações principais são: atender às ordens de encomenda; fazer a separa- ção de pedidos e composição de car- gas; roteirização; e a entrega do produ- to propriamente dita. A entrega é importante porque está intrinsecamente ligada à satisfação do cliente e permite à empresa manter e melhorar o nível de serviço. DicionárioDicionário Almoxarifado: estrutura ou local definido pela em- presa para que seja feita a guarda, conservação e controle dos diversos materiais utilizados para atender às atividades administrativas e operacio- nais (produção ou serviço).
  20. 20. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 21 Para melhor entendermos a cadeia de supri- mentos, temos que obrigatoriamente entender a logística que é a“base”de estudo da cadeia de su- primentos. Temos, então, as Atividades Primárias e as Secundárias (CARVALHO, 2002): ƒƒ Atividades Primárias: transportes; ma- nutenção de estoques; processamento de pedido; ƒƒ Atividades Secundárias: armazena- gem; manuseio de materiais; embala- gem de materiais; obtenção (seleção de fontes, quantidades de compra); programação do produto (distribuição – fluxo de saída – orientação e progra- mação PPCP); manutenção de informa- ção (base de dados gerada pela cadeia – fonte de dados para futuros planeja- mentos). A logística é uma área muito abrangente e técnica porque dentro desses grupos existem outras atividades e funções que variam de uma empresa para outra, conforme o seu ramo e setor de atividade. AtençãoAtenção A cadeia de suprimentos não está limitada ao flu- xo de produtos ou informações no sentido forne- cedor até o cliente, por existir também o caminho inverso do fluxo de negociações, informações, re- clamações, produtos, entre outros, no sentido de cliente até o fornecedor, ou seja, o fluxo reverso e uma integração entre todos os elos que fazem parte desta cadeia (FREDENDALL, 2001). Prezado(a) aluno(a), neste capítulo estudamos que: ƒƒ A Cadeia de suprimento pode ser entendida como um grupo de fornecedores que colaboram entre si, para suprir as necessidades de uma empresa na criação e no desenvolvimento dos seus produtos, com o objetivo de satisfazer os requisitos do consumidor final com produtos e serviços; ƒƒ De outra forma, a cadeia de suprimentos pode ser definida como o ciclo da vida dos processos que compreendem os fluxos físicos, informativos, financeiros e de conhecimento; ƒƒ A competição no mercado global não ocorre entre empresas, mas entre cadeias de suprimen- tos; ƒƒ A gestão da logística e do fluxo de informações em toda a cadeia permite a todo e qualquer ad- ministrador logístico e aos executivos avaliar pontos fortes e pontos fracos existentes na cadeia de suprimentos, auxiliando a tomada de decisões; ƒƒ O uso de tecnologias avançadas contribui para melhorar os resultados, mediante a redução de custos e consequentemente com o aumento dos resultados e da margem de contribuição; ƒƒ A área de suprimentos é vista e gerida de uma forma estratégica, sendo bem diferente do mo- delo passado, baseada na departamentalização, sendo responsável até pelos resultados da empresa; ƒƒ Em uma empresa e principalmente em uma cadeia de suprimentos, obviamente é comum a existência de departamentos e processos, e cada qual representado pelos seus custos; 2.2 Resumo do Capítulo
  21. 21. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 22 ƒƒ As áreas como: suprimentos, marketing, almoxarifado, armazenagem, fornecedores; processos de controle e entrega; planejamento, programação, controle, produção (PPCP), fazem parte de uma cadeia de suprimentos. Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem. 2.3 Atividades Propostas 1. Qual a importância das informações precisas e relevantes para a tomada de decisões? Explique. 2. Quais os procedimentos que são considerados de vital importância para se realizar um bom gerenciamento da cadeia de suprimentos? Explique. 3. Os fornecedores passam a ser o que no contexto empresarial atual? Explique.
  22. 22. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 23 Prezado(a) aluno(a), Neste capítulo, trataremos de apresentar: a gestão da cadeia de suprimentos, sua evolução, os participantes da cadeia logística, a integração da logística e a competitividade. A gestão da cadeia logística, também co- nhecida como gerenciamento da cadeia de su- primentos aqui no Brasil, mais precisamente no governo de Fernando Collor de Melo (final da década de 1980), ganhou bastante popularidade devido à abertura das barreiras comerciais, apesar de existir confusão sobre o seu significado. Mui- tos profissionais utilizam esta menção como um substituto ou sinônimo de logística. No entanto, a definição de gestão da cadeia logística é mais abrangente que o conceito de logística. Para Lambert, Stock e Ellram (1998), a ges- tão da cadeia logística é a integração dos proces- sos do negócio do consumidor através dos forne- cedores de produtos, serviços e informação, com o objetivo de acrescentar valor para o cliente. Sendo assim o cliente é a razão da existência dos produtos e atividades. Ainda, segundo estes autores, na cadeia lo- gística padrão existente na maioria das empresas, as matérias-primas são movimentadas e utiliza- das e os bens são produzidos em uma ou mais fábricas, transportados para armazéns como ar- mazenamento intermediário, e depois transpor- tados para os varejistas ou clientes. As estratégias utilizadas para obter uma cadeia logística eficaz consideram as interações e integrações entre os vários níveis da cadeia logística, de forma a redu- zir o custo e melhorar o serviço prestado. A ca- deia logística consiste nos fornecedores, centros de fabricação, armazéns e centros de distribuição (CDs), assim como matérias-primas, produtos no GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS3 processo de fabricação e produtos finais que cir- culam entre as fábricas. A gestão da cadeia logística é melhor reali- zada quando há medidas e atividades que consis- tem numa série de aproximações utilizadas para integrar, eficazmente, fornecedores, fabricantes, intermediários (atacadistas e distribuidores) e lo- jas, para que a mercadoria seja produzida e distri- buída nas quantidades ideais, na localização certa e no tempo certo, com o objetivo de satisfazer o nível de serviço e o cliente com o menor custo possível. Para facilitar a sua compreensão, obser- ve os elementos demonstrados na Figura 4. Figura 4 – Exemplo de integração de uma cadeia lo- gística. Fonte: Banco de dados Free.
  23. 23. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 24 Conforme descrito anteriormente, a cadeia logística não é composta apenas de movimenta- ção de produtos físicos entre empresas. Envolve, também, o acompanhamento do fluxo de infor- mação destes produtos e informação de capitais entre as mesmas companhias. Portanto, a comu- nicação e o seu controle é um fator-chave para a manutenção e gestão da cadeia logística, pois são essas medidas que permitem reduzir os custos e aumentar os lucros. Saiba maisSaiba mais Inbound: De entrada. • No nosso exemplo, esta parte da cadeia faz referência: aos processos de suprimentos, contratação de fretes interna- cionais, despacho aduaneiro, movimentação, recebimento (entrada), conferência, inspeção, liberação, formação de estoques, armazenagem, separação, expedição e seus respectivos fluxos de informações. In-house: Interno. • Trata-se, aqui, de: atividades; processos de movimentação e transformação industrial realizados internamente na empresa; armazenagem; e os seus fluxos de informações. Outbound: Saída para outro país. • Refere-se à distribuição dos produtos, representada pelos fluxos de movimentação e de informação, para o merca- do nacional ou internacional, geralmente em função das vendas para o comércio internacional, comércio local ou cliente consumidor final. Este processo é composto pelas atividades de: comércio exterior (despacho aduaneiro), negociação, separação de pedidos, conferência, embalagem, emissão de notas fiscais, faturamento, expedição, roteirização, carregamento dos produtos nos veículos, distribuição e logística reversa. Fonte: Bueno (2000). Nos anos de 1960, a logística tinha princi- palmente uma vertente operacional, isto é, era vista como sistema de atividades integradas. Este tópico é importante, porque, como podemos per- ceber, não havia um foco estratégico. Nos anos de 1970, passou a ser caracteriza- da por ter uma área funcional e estratégica. Já nos anos de 1980, a logística passa a ser vista como serviço e começam a aparecer os sistemas logís- ticos de informação, e, nos anos de 1990, surge a gestão da cadeia logística (CARVALHO, 2002). Atualmente, a função logística interage ba- sicamente com quatro setores das empresas: ma- rketing, finanças, controle da produção e gestão de recursos humanos, criando assim uma rede logística. No entanto, conforme Carvalho e Dias (2004), em pleno século XXI, o conhecimento, ex- ploração e aplicação empresarial da logística ain- da estão longe dos tempos da logística aplicada em estratégias de guerra. 3.1 Evolução da Gestão da Cadeia Logística Diante desse contexto, fica claro que há muito o que implantar e melhorar nas atividades logísticas, tanto em nível estrutural quanto de gestão. Participantes da Cadeia Logística Há um ditado que diz que: “ninguém é uma ilha”, ou seja, ninguém vive ou trabalha isolada- mente. Em uma cadeia logística não é diferente; e esta é composta por grupos básicos de partici- pantes, tais como clientes e fornecedores, crian- do assim uma cadeia logística simples. Por outro lado, existem cadeias logísticas prolongadas que são compostas por um número bem maior de fornecedores e de clientes. Porém há aquelas que fornecem serviços em logística, segurança, finan- ças, marketing e informações. Esta parte demonstra a possível existência
  24. 24. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 25 de atividades e processos realizados por empre- sas contratadas, sendo estas chamadas de tercei- rizadas ou quarteirizadas. Para Chopra e Meindl (2003), existem em- presas na cadeia logística que desempenham funções diferentes. Há as empresas: ƒƒ Que são produtoras; ƒƒ Outras atuam como distribuidoras ou revendedoras; ƒƒ No entanto, outras empresas ou pes- soas físicas são clientes (consumidores finais de um determinado produto). Apoiando e trabalhando com essas empre- sas, existem outras que lhes proporcionam os ser- viços, mão de obra e materiais necessários. Produtores Ainda conforme os autores citados ante- riormente, os fabricantes de produtos podem ser empresas que produzem matérias-primas e em- presas que fabricam produtos finais. Os produtores de matérias-primas são em- presas e organizações (Governo) que exploram as reservas naturais em busca de minerais, brocam (furam o solo) por petróleo ou gás, ou serram ár- vores. Incluem, também, organizações de agricul- tura, criação de animais ou pesca. Diante disso, estas empresas que são fabricantes de produtos finais usam tais matérias-primas ou subconjuntos dos outros produtores para criarem os seus pró- prios produtos. Distribuidores Os distribuidores são conhecidos como re- vendedores ou atacadistas. Compram em grande volume, fazem estoques, para atender aos produ- tores, que precisam para atender e entregar aos clientes, ou seja, vendem os produtos em quanti- dades superiores. Diferentemente de um varejis- ta. De acordo com Chopra e Meindl (2003), os distribuidores “protegem” os produtores das flu- tuações da procura de um produto com o arma- zenamento de diversos produtos. Por isso que a administração dos estoques e dos armazéns é de grande importância para atender não somente às flutuações das deman- das, mas também os períodos sazonais. Para atender ao cliente, o distribuidor entrega o pro- duto onde e quando ele deseja. Particularmente, o distribuidor é uma empresa que controla os es- toques de produtos, que compra de produtores e depois vende para os consumidores. Este tipo de empresa na cadeia de suprimentos possui várias funções e responsabilidades, como promoção e vendas do produto, administração de estoques, operações de armazenamento, transporte do produto, suporte ao cliente e serviço pós-venda (em alguns casos instalações, manutenção ou troca de tais produtos ou mercadorias). Em uma Cadeia de Suprimentos, um distribuidor ou ataca- dista pode ainda ser uma empresa, cooperativa, ou outro tipo de organização intermediária entre o fabricante e o cliente, desempenhando princi- palmente as funções de promoção e venda do produto, sem nunca tomar posse dele, ou seja, tais produtos são consignados e serão faturados somente após a venda destes. O distribuidor é o agente que, continuamente, segue as necessida- des do cliente e as combina com os produtos dis- poníveis, tanto em um caso quanto no outro. Varejistas Os varejistas são empresas que controlam de perto as preferências e a procura dos clientes. Como exemplo, podemos citar os supermerca- dos, bares restaurantes e lojas de departamentos. Elas armazenam os estoques e vendem em quan- tidades pequenas ao público em geral. Utilizam uma combinação de preços, seleção do produ- to, serviço e conveniência para atrair os clientes. Existem lojas que oferecem uma linha única de produtos e altos níveis de serviço, por outro lado, existem outras como franquias de restaurantes (fast-food) que utilizam a conveniência e preços
  25. 25. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 26 baixos como principal atrativo, ou seja, cada qual com a sua estratégia de vendas e marketing. Clientes No contexto de uma Cadeia de Suprimen- tos, os clientes ou consumidores são empresas ou organizações que compram ou usam um deter- minado produto, ou seja, são pessoas jurídicas. Diante disso um consumidor pode comprar um produto com o objetivo de incorporar em outro, vendendo posteriormente a outro cliente. Como é comum em muitas situações, o cliente pode ser o utilizador e consumidor final do produto. Fornecedores de Serviços Conforme falamos anteriormente, os forne- cedores de serviços são empresas ou organiza- ções que fornecem produtos, matérias-primas e serviços aos produtores, distribuidores, atacadis- tas, varejistas e clientes. Como há diversos ramos e setores empre- sariais, eles desenvolveram todo um conjunto de habilidades, por se concentrarem numa atividade particular da cadeia logística, e por isso desempe- nham e realizam os serviços de uma forma mais eficiente e barata do que os próprios produtores, distribuidores, varejistas ou consumidores pode- riam fazer por si próprios. No contexto de uma Cadeia de Suprimen- tos, os fornecedores de serviços oferecem e reali- zam diferentes tipos de prestações, como: serviço de transporte e armazenagem; em alguns casos, empréstimos e análise de crédito; pesquisa de mercado e consultoria; projetos do produto, ser- viços de engenharia; serviços legais e conselhos de gestão; e, como estamos na era da informação, é comum os serviços de informações tecnológi- cas e processamento de dados. Tais fornecedores estão integrados nas ope- rações dos produtores, distribuidores, atacadis- tas, varejistas e consumidores da cadeia logística. Com o passar do tempo, as necessidades da ca- deia logística permanecem, no conjunto, razoa- velmente estável. Mudando desta forma os par- ticipantes na cadeia logística, assim como os seus papéis e responsabilidades. Para estes autores, em algumas cadeias lo- gísticas existem poucos fornecedores de serviços porque os outros participantes desempenham estes serviços. Noutras cadeias logísticas, os fornecedores de serviços especializados evoluíram, e por isso os outros participantes recorrem à sua prestação de serviços em vez de realizarem a tarefa por si. Diante de tal realidade, as empresas que não possuem pessoas devidamente habilitadas e treinadas, recursos ou estruturas, fazem uso de tais préstimos e serviços. DicionárioDicionário Fast-food: em inglês, significa comida feita de uma forma rápida. Como exemplo podemos citar os lanches e as esfirras. 3.2 Integração da Logística na Cadeia de Suprimentos Parceria e integração são consideradas as principais necessidades existentes no contexto das empresas que tenham a necessidade de atuar estrategicamente e conjuntamente numa cadeia de suprimentos. Diante disso, se cada empresa que faz parte de uma cadeia de suprimentos se atentar e ter uma visão administrativa apenas para as suas operações, corre grandes riscos de uma forma desnecessária, podendo interromper o fluxo de materiais e aumentar os custos. Uma integração externa à organização re- move esse risco e melhora no conjunto a cadeia de suprimentos.
  26. 26. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 27 Conforme Christopher (apud WATERS, 2003), essa integração consiste na relação entre os parceiros da cadeia logística, pois estes deter- minam as melhores oportunidades de redução dos custos e/ou realce do valor. Ainda segundo este autor, em uma integra- ção existem três níveis de integração: ƒƒ O primeiro nível tem a logística como atividades separadas dentro de uma or- ganização; ƒƒ O segundo consiste em juntar as ativi- dades como uma única função, através da integração interna; ƒƒ Este dois tópicos demonstram o foco interno, de uma forma separada ou in- tegrada; ƒƒ A terceira consta na integração externa, onde as organizações olham além das suas operações e integram mais a ca- deia logística. As organizações com a mesma cadeia logís- tica devem cooperar entre si, com o objetivo de satisfazer o cliente final. Estas não devem compe- tir entre si, mas sim com as outras organizações que têm uma cadeia logística diferente, ou seja, as empresas concorrem não mais entre si isolada- mente, mas de uma forma conjunta entre cadeias. Como exemplo, podemos citar as montadoras de veículos, bem como as grandes redes de super- mercados. Integração Hoje, a integração, além de ajudar na me- lhoria de processos, contribui para a estratégia da empresa. As empresas estão se adaptando e bus- cando, além da integração funcional, a integração de processos. Conforme Waters (2003), em uma integra- ção, temos os seguintes benefícios: ƒƒ Cooperação: nesse caso entre os forne- cedores, as unidades produtoras, ata- cadistas, varejistas e clientes, ou seja, entre todos os participantes da cadeia logística, compartilhando informação e recursos para a realização de projetos e para atender às demandas; ƒƒ Redução de Custos: com a integração funcional e de processos, todas as ati- vidades são realizadas de uma forma equilibrada, contribuindo para evitar excessos ou a falta de recursos e de ma- téria-prima; ƒƒ Melhoria no desempenho devido a pre- visões mais exatas; ƒƒ Com a integração, as previsões estarão mais próximas da realidade; ƒƒ Melhoria no fluxo de produtos, com movimentos mais rápidos e de con- fiança: nesta parte, o benefício está na redução do tempo e na confiabilidade atrelada a estes; ƒƒ Aumento no nível de serviço ao cliente: com lead-times de processos reduzidos e respostas mais rápidas; ƒƒ Flexibilidade e rapidez de reação às condições de mudança ou sazonalida- de: este benefício contribui para au- mentar a competitividade; ƒƒ Procedimentos padronizados e pré-de- finidos; ƒƒ Qualidade. Tais benefícios contribuem para o aumento da credibilidade dos serviços e processos, bem como para a diminuição de custos não só de uma unidade ou empresa de forma isolada, mas sim entre todos os participantes que fazem parte de uma determinada cadeia de suprimentos.
  27. 27. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 28 Segundo Michael Porter (1989), a competi- tividade é a variável mais importante em termos de desenvolvimento das empresas. Ela é vista e percebida pelos clientes, caben- do à empresa preservá-la o máximo possível, ou, quando for o caso e a situação vier a exigir, criar uma nova. Neste cenário, os clientes, os produtos subs- titutos e finalmente a rivalidade entre as empre- sas concorrentes são fatores que condicionam a indústria a longo prazo e que afetam custos, pre- ços e os investimentos. Ainda, conforme as suas considerações, há três formas estratégicas com- petitivas através das quais uma empresa pode obter vantagem competitiva: ƒƒ a liderança de custos; ƒƒ apenas pelos custos; ƒƒ ou ambas. Ele salienta que o pior erro que se pode co- meter é tentar utilizar todas as estratégias simul- taneamente, tendo desta forma a grande proba- bilidade de fracasso. 3.3 Competitividade AtençãoAtenção A gestão da cadeia logística é a integração dos processos do negócio do consumidor através dos fornecedores de produtos, serviços e informação, com o objetivo de acrescentar valor para o clien- te. Sendo assim o cliente é a razão da existência dos produtos e atividades (LAMBERT, 1998). Prezado(a) aluno(a), neste capítulo estudamos que: ƒƒ Conforme Lambert, Stock e Ellram (1998), a gestão da cadeia logística é a integração dos pro- cessos do negócio do consumidor através dos fornecedores de produtos, serviços e informa- ção, com o objetivo de acrescentar valor para o cliente. Sendo assim, o cliente é a razão da existência dos produtos e atividades; ƒƒ A gestão da cadeia logística é melhor realizada quando há medidas e atividades que consistem numa série de aproximações utilizadas para integrar, eficazmente, fornecedores, fabricantes, intermediários (atacadistas e distribuidores) e lojas, para que a mercadoria seja produzida e distribuída nas quantidades ideais, na localização certa e no tempo certo, com o objetivo de satisfazer o nível de serviço e o cliente com o menor custo possível; ƒƒ Nos anos de 1960, a logística tinha principalmente uma vertente operacional, isto é, era vista como sistema de atividades integradas. Nos anos de 1970, a logística passou a ser caracteriza- da por ter uma área funcional e estratégica. Já nos anos de 1980, a logística passa a ser vista como serviço e começam a aparecer os sistemas logísticos de informação, e, nos anos de 1990, surge a gestão da cadeia logística (CARVALHO, 2002); 3.4 Resumo do Capítulo
  28. 28. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 29 ƒƒ Atualmente, a função logística interage basicamente com quatro setores das empresas: marke- ting, finanças, controle da produção e gestão de recursos humanos, criando assim uma rede logística; ƒƒ Conforme Carvalho (2004), em pleno século XXI, o conhecimento, exploração e aplicação em- presarial da logística ainda estão longe dos tempos da logística aplicada em estratégias de guerra; ƒƒ Os participantes da cadeia logística são: produtores, distribuidores, varejistas, clientes, fornece- dores de serviços; ƒƒ Parceria e integração são consideradas as principais necessidades existentes no contexto das empresas que tenham a necessidade de atuar estrategicamente e conjuntamente numa ca- deia de suprimentos; ƒƒ Existem três níveis de integração: o primeiro nível tem a logística como atividade separada dentro de uma organização; o segundo consiste em juntar as atividades como uma única fun- ção, através da integração interna; e o terceiro consta na integração externa, onde as organiza- ções olham além das suas operações e integram mais a cadeia logística; ƒƒ As empresas concorrem não mais entre si isoladamente, mas de uma forma conjunta entre cadeias; ƒƒ As empresas estão se adaptando e buscando, além da integração funcional, a integração de processos; ƒƒ A competitividade é a variável mais importante em termos de desenvolvimento das empresas; ƒƒ As três formas estratégicas competitivas através das quais uma empresa pode obter vantagem competitiva são: a liderança de custos, apenas pelos custos ou ambas. Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem. 3.5 Atividades Propostas 1. Segundo Lambert, Stock e Ellram (1998), quais os procedimentos que ocorrem em uma cadeia logística padrão? 2. Estrategicamente, para se obter uma cadeia logística eficaz, quais são os dois fatores que são levados em consideração de forma a reduzir os custos e melhorar os serviços prestados? Expli- que. 3. Como o autor Michael Porter (1989) considera a competitividade? Explique.
  29. 29. Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 31 Prezado(a) aluno(a), neste capítulo, tratare- mos de apresentar as áreas de desempenho da cadeia logística, tais como: produção, estoques, localização, transporte e informação. Um supply chain driver, ou direcionamento, é uma área através da qual as organizações po- dem melhorar a sua prestação na cadeia de abas- tecimento. Os drivers são áreas de desempenho sobre os quais se deve atuar estrategicamente, com o objetivo de contribuir para que a gestão da cadeia produtiva seja mais eficiente e eficaz. Em uma cadeia, há os departamentos cha- ves e principais. Nesse sentido, Chopra e Meindl (2003) definem os drivers em cinco áreas: ƒƒ Produção; ƒƒ Estoques; ƒƒ Localização; ƒƒ Transporte; ƒƒ Informação. Conforme esses autores, essas áreas de de- sempenho da cadeia logística estão distribuídas e repetidas ao longo de uma Cadeia. Ainda segundo eles, estas áreas podem ser- vir como parâmetros de projetos ou políticas de decisão, definindo a capacidade, a forma e opera- ções de qualquer cadeia logística. A seguir, apresentaremos mais detalhes so- bre cada uma destas áreas. SUPPLY CHAIN DRIVERS4 4.1 Produção Para Chopra e Meindl (2003), a produção é a fabricação e o armazenamento de produtos de uma cadeia logística. A parte industrial de uma cadeia logística é formada pelas unidades de produção e por aque- las que lhe dão apoio (ROCHA, 1995). Essa categoria inclui as operações de de- senvolver e construir os produtos ou serviços. Ou seja, transformam matéria-prima em produtos finais, de uma forma manual ou com o uso de máquinas e ferramentas. As operações presentes nesta categoria são: ƒƒ Projeto do produto; ƒƒ Gestão da produção; ƒƒ Gestão das infraestruturas. As fábricas podem ser construídas para aco- modar uma de duas aproximações para a produ- ção: ƒƒ Foco no produto – neste caso uma fá- brica que se foca no produto efetua várias operações necessárias para a sua produção, que envolvem a fabricação de diferentes partes do produto e pos- teriormente a montagem das mesmas. ƒƒ Foco na funcionalidade – nesse caso, a abordagem consiste em fazer apenas algumas partes do produto ou apenas
  30. 30. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 32 a sua montagem. Esta funcionalidade pode ser aplicada na fabricação de dife- rentes tipos de produtos. A empresa tem de decidir qual é a aproxi- mação, ou a mistura das duas aproximações, que dá a capacidade que necessita, para responder de melhor forma às exigências dos clientes. Como nas fábricas, os armazéns também podem ser construídos para acomodar diferentes aproximações ou necessidades produtivas. Exis- tem três aproximações principais que são utilizas na armazenagem: ƒƒ Stock keeping unit: nesta aproximação, considerada tradicional, um certo tipo ou classe de produto é armazenado junto. Este é um método eficiente e fácil para compreender a armazenagem da mercadoria; ƒƒ Job lot storage: dessa forma, as mer- cadorias que estão relacionadas com as necessidades de um cliente, ou que servem para um determinado trabalho, estão armazenadas juntas. Isto permite uma operação de separação de produ- tos por zona; ƒƒ Cross docking (giro rápido ou transbor- do): nesse caso, o produto não é arma- zenado, sendo realizada a consolidação ou a desconsolidação entre veículos maiores e menores, ou seja, os lotes grandes são subdivididos em lotes me- nores (fracionados). DicionárioDicionário Supply chain driver: programa ou rotina utilizada como interface e para gerenciar um dispositivo de entrada ou saída na cadeia de suprimentos. Stock keeping unit: designa os diferentes itens de um estoque. Representa a unidade para a qual in- formações de venda e de gestão de estoque são mantidas. Pode ser uma unidade de consumo de um produto ou uma caixa coletiva com diversas unidades do mesmo produto. Job lot storage: armazenamento de produto por lote. Cross docking: transferência de mercadorias entre docas. O fluxo direto de uma mercadoria dentro de um depósito ou planta industrial, entre as áreas de re- cebimento e as áreas de despacho ou produção. Um trade-off, em português, pode significar compensação, equilíbrio, conciliação (BOWERSOX, 2008). Fontes: Dicionário on-line de Logística e Operações, v. 13 e Bueno (2000). 4.2 Estoques Conforme demonstrado anteriormente, o estoque está espalhado ao longo da cadeia logís- tica e inclui tudo, desde as matérias-primas até os produtos finais, o que está na posse dos fabrican- tes, distribuidores e varejistas. Novamente, os ad- ministradores têm de decidir qual é a sua posição no trade-off, entre a capacidade de resposta e efi- ciência. Uma empresa pode dar uma resposta rá- pida às variações da procura, se tiver na sua pos- se um estoque enorme. No entanto, a criação e armazenagem de estoques têm um custo e, para atingir níveis de eficiência elevados, o custo de ar- mazenagem tem de ser o menor possível. Existem três decisões básicas que são essenciais na fabri- cação e armazenamento de produtos (CHOPRA; MEINDL, 2003):
  31. 31. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 33 ƒƒ Ciclo de estoque: é a quantidade de estoque necessária para satisfazer a procura do produto, no período de compras do mesmo. As empresas pro- duzem e compram em grandes lotes, para se beneficiarem das vantagens que as economias de escala oferecem. No entanto, a compra de grandes quan- tidades de mercadorias implica au- mento dos custos de carregamento. Os custos de carregamento consistem nos custos de armazenamento, manuseio e manutenção de estoques. Os adminis- tradores enfrentam o trade-off entre o custo reduzido pela compra de gran- des quantidades de mercadorias e o aumento do custo de carregamento do ciclo de estoque. ƒƒ Estoque de segurança: é o estoque que é guardado como uma reserva, contra a incerteza, ou seja, é um esto- que adicional, usado quando a procura da mercadoria é superior àquela que es- tava prevista. Se a previsão da procura pudesse ser feita com perfeita exatidão, então o único estoque que era preciso era o ciclo de estoque. ƒƒ Aqui a decisão difícil, chamada de tra- de-off, é o peso (a compensação) entre os custos de armazenar o estoque extra contra os custos de vendas perdidas, devido a um estoque insuficiente. ƒƒ Estoque sazonal: este estoque existe para prever o aumento da procura que ocorre em determinados períodos do ano. Por exemplo, produtos natalinos, páscoa etc. É previsível que a procura de panetones vai aumentar no final de ano. Se uma companhia, que produz tal panetone, tem uma taxa de produção que, para mudar, tem custos elevados, então vai tentar fabricar o produto a uma taxa constante ao longo do ano. Essa empresa vai constituir um estoque durante os períodos de baixa procura, compensando os períodos de alta pro- cura, que excede a taxa de produção. A alternativa para construir um estoque sazonal é investir em equipamentos de produção flexíveis, que podem rapida- mente mudar a sua taxa de produção de produtos diferentes, para responder ao aumento da procura. Nesse caso, o trade-off é entre o custo de armazenar estoque sazonal e o custo de ter capaci- dade flexível de produção. 4.3 Localização Localização é o local geográfico onde es- tão situadas as instalações da cadeia logística, e inclui as decisões relativas às atividades que de- verão ser executadas em cada fábrica. O trade-off entre a capacidade de resposta e a eficiência é a decisão entre centralizar as atividades em locali- zações menores para ganhar economia de escala e eficiência, ou descentralizar as atividades em várias localizações próximas dos clientes e forne- cedores, de forma a existir uma maior resposta às operações. Quando é necessário tomar decisões, os administradores precisam considerar vários fa- tores: ƒƒ Custo das instalações; ƒƒ Custo do trabalho; ƒƒ Qualificação dos trabalhadores; ƒƒ Condições das infraestruturas; ƒƒ Taxas e tarifas; ƒƒ Proximidades entre clientes e fornece- dores. Conforme as considerações desses autores, as decisões tomadas relativamente à localização de instalações têm que ser decisões estratégicas, muito bem estudadas, pois envolvem grandes quantidades de capitais a longo prazo. Essas de-
  32. 32. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 34 cisões têm forte impacto no custo e desempenho da cadeia logística. Quando o tamanho, número e localização das instalações são determinados, define-se o número de possíveis caminhos, ou canais, em que os produtos podem circular até chegar às mãos dos clientes. As decisões de loca- lização refletem a estratégia básica da empresa para produzir e entregar os produtos no mercado. 4.4 Transporte O transporte é uma atividade totalmente perceptível na logística, e refere-se ao movimento de matérias-primas, produtos ou serviços de uma determinada origem até um destino final, bem como as movimentações destes realizadas nas diferentes instalações existentes em uma cadeia logística. Geralmente atua em conjunto com as áreas de marketing, produção e distribuição. Seu principal objetivo é disponibilizar veí- culos para que os processos de abastecimento e distribuição ocorram operacionalmente e estrate- gicamente conforme as vendas e as necessidades planejadas e preestabelecidas. Estrategicamente esta área tem a missão de auxiliar e orientar a empresa na decisão de ope- rar com frota própria ou de terceiros; definição do tamanho da frota, bem como os tipos de veículos que farão parte desta frota; análise e viabilidade do custo-benefício; renovação da frota; monito- ração e rastreamento de tal frota, de motoristas, ajudantes e produtos; diminuição de custos devi- do à baixa produtividade, com a conciliação das viagens de ida com cargas de retorno. Apesardosplanejamentoseprocedimentos de auditoria, rastreabilidade, roteirização, segu- rança e controle, esta atividade apresenta proble- mas operacionais em função de fatores externos e imprevisíveis, tais como: atrasos nas entregas em decorrência do trânsito, quebra de veículos, roubos, furtos, janelas de entrega, demoras nas atividades de carregamento e descarregamento, conferência de materiais, documentos etc. Uma de suas atribuições e responsabilida- des é definir qual o melhor modal para que o pro- duto seja enviado ao seu destino final, levando em consideração as características, tipo, peso e dimensões dos produtos, prazos, distâncias, efici- ência, flexibilidade, capacidade de resposta e os custos envolvidos em cada viagem. Existem cinco modais de transportes que uma empresa pode utilizar para atender às suas necessidades de movimentação. Como exemplo, temos: ƒƒ Marítimo: considerado como o mais lento de todos, porém o seu uso oferece um custo menor. O seu uso é limitado, levando-se em consideração as regiões ou vias navegáveis e instalações exis- tentes em alguns estados do nosso país; ƒƒ Ferroviário: este tipo de transporte tem um custo baixo, mas também é lento. Esse modelo está restrito a locali- zações que possuam linhas ferroviárias; ƒƒ Dutoviário: bastante eficiente, no en- tanto, está limitado a compostos líqui- dos, gases ou minérios (sal gema); ƒƒ Rodoviários: os caminhões são relati- vamente rápidos e flexíveis. Esse tipo de transporte pode chegar a quase todo lugar e região. Porém o seu custo está diretamente ligado ao dos combustí- veis, bem como ao tipo de piso trafega- do (natural, implantado ou asfaltado); ƒƒ Aéreo: considerado o mais rápido de todos e também o mais caro. Apesar de ter uma grande capacidade de reposta nas entregas, o seu uso é restrito para algumas cidades e regiões, por não te- rem aeroportos. Com a definição da localização das instala- ções pertencentes à cadeia logística, mais estes
  33. 33. Logística Empresarial Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 35 tipos de transporte, os administradores podem criar rotas e redes para a movimentação dos produtos. A rota é o caminho através do qual os produtos são movimentados. As redes são com- postas por um conjunto desses caminhos. Como regra geral, quanto maior for o valor do produto, mais atenção tem que se ter com a escolha da rede de transporte, decidindo por uma opção mais rápida e segura. Sem dúvida de que a informação é um item importantíssimo, pois esta realiza a ligação entre todas as atividades e operações da cadeia logísti- ca. Cada empresa deve realizar boas decisões nas suas próprias operações até atingir um bom pa- tamar de qualidade e eficiência. As informações também são importantes, pois irão auxiliar na tomada de decisões que são efetuadas nas qua- tro áreas descritas anteriormente, bem como nos níveis estratégicos, táticos e operacionais. Para Chopra e Meindl (2003), a informação é utilizada com dois propósitos em algumas ca- deias logísticas: ƒƒ Para coordenar as atividades e proces- sos relacionados com o funcionamento das quatro áreas existentes em uma ca- deia de suprimentos, tais como: produ- ção, estoques, localização e transporte. Com base em relatórios anteriores, as empresas fazem uso dos dados dispo- níveis da oferta e procura para decidir a programação da produção semanal, quais os níveis de estoques necessários, roteirização do transporte, bem como nas instalações de armazenagem; ƒƒ Para antecipar a demanda futura, as informações disponíveis são utilizadas para realizar previsões mais realistas e um bom gerenciamento, permitindo desta forma o ajuste dos calendários Saiba maisSaiba mais Custo baixo, flexibilidade, capacidade de carga e de resposta (rapidez) são elementos importantes a se- rem observados no ato de escolha de um modal de transporte. 4.5 Informação de produção – sendo estes semanais, mensais e trimestrais. Este ponto é tão importante que a informação também é utilizada para previsões e decisões estratégicas sobre a necessidade de se ampliar, ou construir novas fábricas, en- trada num novo mercado ou saída de um mercado. As informações exatas e precisas permitem decisões eficientes nas operações existentes nas empresas e auxilia também para que haja melho- res provisões e previsões, para atender às necessi- dades e às demandas existentes. Mas adquirir ou conceber um sistema tal pode ser, e é, algo caríssimo. Diante disso, fica a pergunta: quanto vale uma informação para você e para a sua empresa? Estrategicamente, cada empresa tem que definir a quantidade e o tipo de informação que deve ser compartilhada com as outras empresas que fazem parte da cadeia. As demais informa- ções consideradas estratégicas devem ser man- tidas e preservadas. Procedendo desta forma, tanto as empresas quanto os processos tornam- -se mais eficazes, por fazerem uso da informação compartilhada sobre o fornecimento do produto, a demanda dos clientes, previsões de vendas e consequentemente dos planejamentos, das pro- gramações e dos controles da produção. Quanto menor for o valor do produto, mais eficiente deve ser o modo de transporte e ter um melhor aproveitamento da capacidade de carga.
  34. 34. Cláudio Alves da Silva Unisa | Educação a Distância | www.unisa.br 36 Como a informação é para auxiliar o contro- le, as empresas envolvidas têm um grande inte- resse em controlar e gerenciar esta integração. Prezado(a) aluno(a), neste capítulo estudamos que: ƒƒ As áreas de desempenho da cadeia logística, tais como produção, estoques, localização, trans- porte e informação, são áreas das quais as organizações podem melhorar a sua prestação na cadeia de abastecimento; ƒƒ A parte industrial de uma cadeia logística é formada pelas unidades de produção e por aquelas que lhe dão apoio (ROCHA, 1995); ƒƒ O estoque está espalhado ao longo da cadeia logística e inclui tudo, desde as matérias-primas até os produtos finais, o que está na posse dos fabricantes, distribuidores e varejistas; ƒƒ Localização é o local geográfico onde estão situadas as instalações da cadeia logística, e inclui as decisões relativas às atividades que deverão ser executadas em cada fábrica; ƒƒ O transporte é uma atividade totalmente perceptível na logística, e possui importância opera- cional e estratégica para as empresas. Refere-se ao movimento de matérias-primas, produtos ou serviços de uma determinada origem até um destino final, bem como as movimentações destes realizadas nas diferentes instalações existentes em uma cadeia logística. Geralmente atua em conjunto com as áreas de marketing, produção e distribuição; ƒƒ Existem cinco modais de transportes que uma empresa pode utilizar para atender às suas ne- cessidades de movimentação. Como exemplo, temos: marítimo, ferroviário, dutoviário, rodovi- ário e aéreo; ƒƒ A informação é utilizada com dois propósitos em algumas cadeias logísticas: para coordenar as atividades e processos, e para antecipar a demanda futura; ƒƒ As informações exatas e precisas permitem decisões eficientes nas operações existentes nas empresas, e auxilia também para que haja melhores provisões e previsões para atender às ne- cessidades e às demandas existentes. Vamos, agora, avaliar a sua aprendizagem. AtençãoAtenção As áreas de desempenho da cadeia logística, tais como produção, estoques, localização, transpor- te e informação, estão distribuídas e repetidas ao longo de uma Cadeia (CHOPRA; MEINDL, 2003). 4.6 Resumo do Capítulo 4.7 Atividades Propostas 1. As fábricas podem ser construídas para acomodar uma de duas aproximações para a produção: foco no produto ou foco na funcionalidade. Explique cada dessas aproximações. 2. O que as decisões de localização refletem? Explique. 3. Qual o principal objetivo da área de transporte? Explique.

×