Fernando pessoa

2.179 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.179
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fernando pessoa

  1. 1. Fernando Pessoa 12º ANO MARGARIDA BENTO FEITO POR: BRUNO SOARES PORTUGUÊS ELISABETE OLIVEIRA NÁDIA SANTOS
  2. 2.  Grandes portugueses: Fernando Pessoa  https://www.youtube.com/watch?v=NI1ODiVi_a4
  3. 3. CONTEXTO HISTÓRICO  Em 1890, o governo inglês lançou um ultimato a Portugal: onde o país deveria abandonar imediatamente as colônias que ainda mantinha.  A obediência a essa imposição encheu o povo português de vergonha e abalou profundamente a crença na monarquia.  A partir de então, a luta republicana ganhou espaço e importância.  Em 1910, foi proclamada a República .
  4. 4.  As mudanças sociais esperadas não aconteceram de forma a contentar os republicanos mais exacerbados.  Na verdade, a República tinha como principal objetivo integrar Portugal no quadro do imperialismo europeu, sinônimo de modernização.  Esse ambiente favoreceu a difusão das idéias modernistas . Exacerbados-- Exigir demais de, exagero, esquecer, exageradíssimo, exacerbado, exigir, exigir muito de, exagerar, execrável, exagerado.. Ex. “A necessidade de proteger uma marca no USA é exacerbada pelos bilhões de dólares em perdas”.
  5. 5.  Em 1915, um grupo de artistas da vanguarda, lideradas por Mário de Sá-Carneiro e Fernando Pessoa, fundou a Revista Orpheu, marco inaugural do Modernismo em Portugal.  Através dela, as novas propostas artísticas foram divulgadas e discutidas.  A duração da revista foi efêmera , prejudicada pelo suicídio de Sá-Carneiro .  Esses primeiros modernistas ficaram conhecidos, exatamente em função da revista, por "geração de Orpheu “.
  6. 6.  A República, incapaz de resolver os problemas mais profundos do país, e sem conseguir equacionar as diferenças existentes entre os próprios republicanos, acabou por dar lugar à ditadura salazarista, que durou cerca de cinqüenta anos, até a Revolução dos Cravos, de caráter socialista, em 1975.
  7. 7. CARACTERÍSTICAS  Os modernistas portugueses tiraram proveito da herança simbolista, sem renegá-la totalmente.  Assim, o saudosismo do poeta Antônio Nobre, que tinha fortes conotações nacionalistas, ganhou força entre os membros da "geração de Orpheu ".  Ao lado disso, a absorção das conquistas futuristas que tomavam conta da Europa inteira, como a apologia da máquina e do progresso urbano, conduz o movimento à vanguarda . O que se destaca, no panorama modernista português, nesse primeiro momento, é a forma de elaboração entre tradição e modernista. Com isso, eles conseguem retomar formar e temas arcaicos, enquadrando-os dentro de propostas modernistas.
  8. 8.  Ressalte-se ainda o caráter algo místico do Modernismo lusitano, patente em algumas posturas, pessoais e estéticas, de seu maior representantes, Fernando Pessoa. O modernismo português conheceu ainda mais duas gerações estéticas. https://www.youtube.com/watch?v=72Kb-UtLRF0
  9. 9. Ultimato Inglês Pessoa, para além do mais, viveu o terrível drama nacional que foi o ULTIMATO INGLÊS, viveu o período do assassinato do rei D.DARLOS e do herdeiro da coroa, facto que, aliado ao ódio pela Inglaterra, despoletou os ideais republicanos; viveu ainda a miséria moral e cultural que culminou com a 1ª GRANDE GUERRA, que destruiu a EUROPA e parou o avanço da modernidade.
  10. 10. Vida e obra de Fernando Pessoa  Fernando Pessoa (1888 - 1935) foi um poeta e escritor português, nascido em Lisboa.  É considerado um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal. Aos seis anos de idade, Fernando Pessoa foi para a África do Sul, onde aprendeu perfeitamente o inglês, e das quatro obras que publicou em vida, três são em inglês.  Durante sua vida, Fernando Pessoa trabalhou em vários lugares como correspondente de língua inglesa e francesa. Foi também empresário, editor, crítico literário, jornalista, comentador político, tradutor, inventor, astrólogo e publicitário, e ao mesmo tempo produzia suas obras em verso e prosa.
  11. 11.  Como poeta, era conhecido por suas múltiplas personalidades, os heterónimos, que eram e são até hoje objeto da maior parte dos estudos sobre sua vida e sua obra. Fernando Pessoa faleceu em Lisboa, com 47 anos anos de idade, vítima de uma cólica hepática causada por um cálculo biliar associado a cirrose hepática, um diagnóstico hoje é dia é contestado por diversos médicos.
  12. 12. Os principais heterônimos de Fernando Pessoa são:  Alberto Caeiro, nascido em Lisboa, e era o mais objetivo dos heterônimos.  Ia a procura do objetivismo absoluto, eliminando todos os vestígios da subjetividade.  É o poeta que procura "as sensações das coisas tal como são". Opõe-se radicalmente ao intelectualismo, à abstração, à especulação metafísica e ao misticismo.  É o menos "culto" dos heterônimos, o que menos conhece a Gramática e a Literatura.
  13. 13.  Ricardo Reis, nascido no Porto, representa a vertente clássica ou neoclássica da criação de Fernando Pessoa.  A sua linguagem é contida, disciplinada.  Os seus versos são, geralmente, curtos.  Apóia-se na mitologia greco-romana; é adepto do estoicismo e do epicurismo (saúde do corpo e da mente, equilíbrio, harmonia) para que se possa aproveitar a vida, porque a morte está à espreita.  É um médico que se mudou para o Brasil.
  14. 14.  Álvaro de Campos, nascido no Porto, é o lado "moderno" de Fernando Pessoa, caracterizado por uma vontade de conquista, por um amor à civilização e ao progresso.  Campos era um engenheiro inativo, inadaptado, com consciência crítica.
  15. 15.  “Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?”  Fernando Pessoa
  16. 16.  https://www.youtube.com/watch?v=BvIwFBG76dU
  17. 17.  Características Temáticas  . Identidade perdida  . Consciência do absurdo da existência  . Tensão sinceridade/fingimento, consciência/inconsciência, sonho/realidade  . Oposição sentir/pensar, pensamento/vontade, esperança/desilusão  . Anti-sentimentalismo: intelectualização da emoção  . Estados negativos: solidão, cepticismo, tédio, angústia, cansaço, desespero, frustração.  . Inquietação metafísica, dor de viver  . Auto-análise Características Estilísticas . Musicalidade: aliterações, transportes, ritmo, rimas, tom nasal (que conotam o prolongamento da dor e do sofrimento) . Verso geralmente curto (2 a 7 sílabas métricas) . Predomínio da quadra e da quintilha (utilização de elementos formais tradicionais) . Adjectivação expressiva . Linguagem simples mas muito expressiva (cheia de significados escondidos) . Pontuação emotiva . Comparações, metáforas originais, oxímoros (vários paradoxos – pôr lado a lado duas realidades completamente opostas) . Uso de símbolos (por vezes tradicionais, como o rio, a água, o mar, a brisa, a fonte, as rosas, o azul; ou modernos, como o andaime ou o cais) . É fiel à tradição poética “lusitana” e não longe, muitas vezes, da quadra popular. . Utilização de vários tempos verbais, cada um com o seu significado expressivo consoante a situação.
  18. 18.  Como Te AmoComo te amo? Não sei de quantos modos vários Eu te adoro, mulher de olhos azuis e castos; Amo-te com o fervor dos meus sentidos gastos; Amo-te com o fervor dos meus preitos diários. É puro o meu amor, como os puros sacrários; É nobre o meu amor, como os mais nobres fastos; É grande como os mares altisonos e vastos; É suave como o odor de lírios solitários. Amor que rompe enfim os laços crus do Ser; Um tão singelo amor, que aumenta na ventura; Um amor tão leal que aumenta no sofrer; Amor de tal feição que se na vida escura É tão grande e nas mais vis ânsias do viver, Muito maior será na paz da sepultura! Fernando Pessoa, "Inéditos – Poemas de Lança-Pessoa – Manuscrito (Junho/1902)"
  19. 19. Analise:  O poeta fala do seu amor, de como é puro e belo e ao mesmo tempo variado,
  20. 20.  Tenho Tanto SentimentoTenho tanto sentimento Que é frequente persuadir-me De que sou sentimental, Mas reconheço, ao medir-me, Que tudo isso é pensamento, Que não senti afinal. Temos, todos que vivemos, Uma vida que é vivida E outra vida que é pensada, E a única vida que temos É essa que é dividida Entre a verdadeira e a errada. Qual porém é a verdadeira E qual errada, ninguém Nos saberá explicar; E vivemos de maneira Que a vida que a gente tem É a que tem que pensar. Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  21. 21. Analise:  O poeta fala de duas vidas, a que é vivida (real) e a que é pensada (irreal).  Ele vive confuso com as suas duas vidas p0ois ele não sabe qual é a certa ou qual é a errada.
  22. 22.  LiberdadeAi que prazer Não cumprir um dever, Ter um livro para ler E não fazer! Ler é maçada, Estudar é nada. Sol doira Sem literatura O rio corre, bem ou mal, Sem edição original. E a brisa, essa, De tão naturalmente matinal, Como o tempo não tem pressa... Livros são papéis pintados com tinta. Estudar é uma coisa em que está indistinta A distinção entre nada e coisa nenhuma. Quanto é melhor, quanto há bruma, Esperar por D. Sebastião, Quer venha ou não! Grande é a poesia, a bondade e as danças... Mas o melhor do mundo são as crianças, Flores, música, o luar, e o sol, que peca Só quando, em vez de criar, seca. Mais que isto É Jesus Cristo, Que não sabia nada de finanças Nem consta que tivesse biblioteca... Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  23. 23. Analise:  O poeta fala de ter liberdade.  Liberdade para fazer o que quer e não fazer por obrigação.  Fala também das coisas boas da vida que não são feitas pela pressa e sim pelo prazer.
  24. 24. “autopsicografia” O poeta é um fingidor Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração
  25. 25.  https://www.youtube.com/watch?v=GFulBeI6xUc

×