Impermeabilização na Construção Civil

4.588 visualizações

Publicada em

Publicada em: Imóveis
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.588
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
164
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Impermeabilização na Construção Civil

  1. 1. FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS-FINOM IMPERMEABILIZAÇÃO PARACATU, ABRIL DE 2012
  2. 2. 2 FACULDADE DO NOROESTE DE MINAS-FINOM IMPERMEABILIZAÇÃO Trabalho como valor de nota extra. Professor: Tutimés Tavares Acadêmico: Brehmer Ribeiro de Sá Turma: EC VI PARACATU, ABRIL DE 2012
  3. 3. 3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO………………………………………………………………………............04 DESENVOLVIMENTO...........................................................................................................05 1.DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES...........…………………………………..………........05 2.OCORRÊNCIA DEVIDO MÁ APLICAÇÃO OU AUSÊNCIA DE IMPERMEABILIZAÇÃO........................................................................................................05 2.1 CORROSÃO DE ARMADURAS...................................................................................06 2.2 TRINCAS E FISSURAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO...................................06 2.2.1 VARIAÇÕES TÉRMICAS ......................................................................................07 2.2.2 RETRAÇÃO HIDRÁULICA....................................................................................08 3. CUIDADOS IMPORTANTES.............................................................................................08 4. PORQUE IMPERMEABILIZANTE É UM PRODUTO ESSENCIAL PARA GARANTIR A SEGURANÇA, O FUTURO E O CONFORTO DE UMA OBRA?....................................09 5. NORMA TÉCNICA PARA IMPERMEABILIZANTES.....................................................10 CONSIDERAÇÕES FINAIS....................................................................................................11 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................................12
  4. 4. 4 INTRODUÇÃO Ao longo deste trabalho serão expressos os requisitos necessários de quem faz a aplicação de impermeabilizantes, meios corretos de se fazer. Poderá ser observado também, o que diz a norma regulamentadora sobre impermeabilizantes e consequências de uma aplicação incorreta ou da ausência de impermeabilizantes nas edificações sejam quais forem elas.
  5. 5. 5 Impermeabilização 1. Definição e Considerações A atividade impermeabilização é entendida de forma simplória, como a adoção de técnicas e metas com o objetivo de formar uma barreira química ou física, contra a passagem da água. No entanto, a impermeabilização tem uma função muito mais importante, que é a de proteger as estruturas de concreto, contra a agressão provocada pela água e esgoto, visto elas serem suscetíveis a esta degradação. É sempre de suma importância que haja numa construção, uma sequência cronológica tanto de técnicas como de correto desenvolvimento. Pois se observarmos, a somatória de técnicas distintas para a construção de uma estrutura de concreto, cada um com propriedades diferentes, muitas vezes acarretam em problemas de patologia construtivas, que incidem diretamente no desempenho da impermeabilização e, se a mesma não estiver adequadamente dimensionada, poderá falhar por não resistir aos esforços impostos. Em muitas ocasiões, a impermeabilização é apontada como ineficiente, sendo que, a partir de uma análise mais rigorosa, percebe-se que a mesma perdeu sua eficiência devido a erros construtivos que provocaram sua degradação. Por erro de interpretação, a impermeabilização é apontada como ré, quando nestes casos é uma verdadeira vítima das falhas construtivas. Assim sendo, os profissionais da atividade de impermeabilização devem conhecer as patologias construtivas mais comuns e inerentes às áreas impermeabilizadas, a fim de prevenir com o dimensionamento adequado da impermeabilização, bem como dos reforços necessários. Os construtores também devem conscientizar-se destas patologias, já que são responsáveis diretos pelas suas manifestações. Para melhor entender este mecanismo, seguem as principais manifestações patológicas que ocorrem em estruturas de concreto em saneamento. 2. Ocorrências devido má aplicação ou ausência de impermeabilização Além da necessidade que se sabe existir de aplicação da impermeabilização em uma construção que esteja exposta a algum tipo de umidade, há também da necessidade da correta aplicação dessa impermeabilização. Sendo sempre feita por profissionais capacitados, aptos para a execução do serviço.
  6. 6. 6 Podem ser observadas logo abaixo algumas manifestações patológicas provocadas pela infiltração d’água, devido à ausência ou falha da impermeabilização. 2.1 Corrosão de Armaduras A corrosão das armaduras é uma das principais manifestações patológicas, responsáveis por prejuízos da ordem de 0,5% do PIB, segundo algumas estatísticas. Recobrimento das armaduras abaixo dos valores recomendados pelas normas da ABNT. Concreto executado com elevado fator água/cimento, acarretando elevada porosidade do concreto e fissuras de retração. Ausência ou deficiência de cura do concreto, proporcionando a ocorrência de fissuras, porosidade excessiva, diminuição da resistência, etc. Segregação do concreto com formação de ninhos de concretagem, devido ao traço, lançamento e vibração incorretos, formas inadequadas, etc. Já em outro momento, podemos perceber manifestações patológicas originárias do processo construtivo, que podem provocar o rompimento ou danos à impermeabilização. 2.2Trincas e fissuras em estruturas de concreto Dentre os inúmeros problemas patológicos das estruturas de concreto, as trincas são particularmente importantes pelos seguintes fatos: - aviso de um eventual problema estrutural ou de estado perigoso; - comprometimento da estanqueidade da edificação; - constrangimento psicológico dos usuários dos serviços de água e esgoto.
  7. 7. 7 Trinca ocasionada em parede Logo abaixo estão alguns dos principais ocasionadores de trincas encontradas na patologia das estruturas de concreto: 2.2.1 Variações térmicas Os componentes de uma estrutura de concreto, notadamente as tampas dos reservatórios estão sujeitas a variações térmicas diárias e sazonais, que provocam sua variação dimensional. Estes movimentos de dilatação e contração são restringidos pelos diversos vínculos que envolvem os materiais, gerando tensões que podem provocar trincas ou fissuras. As lesões verificadas em obras sob efeito das movimentações diferenciadas, assumem diversas situações e intensidade, como exemplo: - destacamentos entre alvenarias e estruturas; - destacamento das argamassas de seus substratos; - fissuras ou trincas inclinadas em paredes com vínculo em pilares e vigas, expostos ou não à insolação; - fissuras ou trincas regularmente espaçadas em alvenarias ou concreto, com grandes vãos sem juntas; - fissuras ou trincas horizontais em alvenarias apoiadas em lajes submetidas a forte insolação. A diferença entre as temperaturas das superfícies superior e inferior da laje faz com que a dilatação seja mais intensa na face superior, provocando tensões de tração e cisalhamento nas paredes
  8. 8. 8 2.2.2 Retração hidráulica O concreto ou argamassa retrai quando seca e expande quando absorve água. Estas variações de volume, devido a presença de água, são inerentes ao concreto e argamassas. A mistura de água ao cimento produz uma série de reações cujos produtos compõem- se de materiais cristalinos e uma grande quantidade de gel (tobermorita). A variação do traço do concreto e argamassas apresenta maior ou menor retração. A quantidade de água tem relação direta com a retração. As medidas preventivas para reduzir a retração hidráulica são: - menor relação água/cimento; - maior teor de agregados; - espessura do cimento; - hidratação. 3. Cuidados Importantes Antes da aplicação da impermeabilização em qualquer sistema, devem ter sido anteriormente executados a regularização da superfície e o tratamento de todos os detalhes, já mencionados. Para receber a impermeabilização, as superfícies devem estar limpas, lisas, secas e isentas de poeira, graxas, óleos, além de estarem livres de qualquer irregularidade. As trincas e fissuras devem ser tratadas de forma compatível com o sistema de impermeabilização. Deve ser vedado o trânsito de pessoal, material e equipamentos estranhos ao processo de impermeabilização durante sua execução. Não se deve pisar sobre as camadas até a secagem completa das mesmas e, quando secas, deve-se evitar o trânsito durante as horas de sol quente. A eficiência e durabilidade dos sistemas impermeáveis dependem, como qualquer outro revestimento, da base de aplicação. Argamassas de regularização com traço fraco ou feitas com agregados que contenham materiais orgânicos, tendem a deteriorar-se como tempo, soltando a impermeabilização e provocando vazamentos. Deve-se evitar o uso de materiais argilosos como o saibro nas argamassas de regularização que servirão de base para sistemas mais sofisticados. As regularizações devem ser com argamassa no traço 1:3 de cimento e areia lavada, aditivada com cola - apropriada - para garantir a aderência e auxiliar na prevenção das fissuras
  9. 9. 9 e trincas de evaporação da água e retração do cimento. Antes de aplicar os materiais impermeabilizantes, verifique se a regularização está bem aderida ao substrato em todos os pontos, fazendo as correções quando necessário. Em caso de vazamentos, evite fazer reparos definitivos, por onde a água sai. Ao encontrar resistência, a água irá procurar novos caminhos, causando maiores danos. Faça os reparos de emergência com produtos de pega rápida conforme o caso, e o reparo definitivo no menor tempo possível. As meias-canas ou chanfros, em reservatórios, piscinas e encontro de lajes com paredes, tem a finalidade de proteger os vértices contra a pressão da água nestes locais, considerados críticos, e permitir um melhor controle da aplicação dos materiais impermeabilizantes evitando acúmulos e formação de vincos. Trincas e fissuras no concreto e/ou regularização devem ser tratadas com materiais apropriados antes da aplicação do impermeabilizante. Trincas não tratadas rompem a película ao se movimentarem ou cortam a impermeabilização se esta for flexível. Ao tratar as superfícies com materiais impermeabilizantes elásticos, sejam acrílicos, betuminosos, pré-moldados ou moldados "in loco", não é recomendado aplicar acabamentos finais como massas niveladoras, pinturas, assentamento de pisos ou azulejos, por exemplo, diretamente sobre a superfície impermeabilizada. Devido às variações térmicas, o grau de plasticidade do produto empregado poderá variar de acordo com suas características, e o revestimento aplicado poderá vir a soltar-se. Utilize sempre o chapisco e a argamassa de proteção mecânica sobre a impermeabilização como base para o acabamento. O período de testes de 72 horas é de fundamental importância em se tratando de impermeabilização. Recomenda-se ser efetuada uma prova de carga com lâmina d’água, para verificação da aplicação É mais fácil detectar e corrigir problemas, antes da aplicação de revestimentos sobre a camada impermeável. 4. Porque impermeabilizante é um produto essencial para garantir a segurança, o futuro e o conforto de uma obra? Porque a impermeabilização protegerá sua obra contra todo e qualquer tipo de umidade e infiltração. Que, como observados acima, são fatores, que além de comprometer a estrutura da edificação, causam um dano estético a mesma.
  10. 10. 10 Aplicação de impermeabilizante numa parede 5. Norma Técnica para impermeabilizantes A NBR 9575: Impermeabilização – Projeto e Seleção é uma norma que estabelece as exigências e recomendações relativas à seleção e projeto de impermeabilização, para que sejam atendidas as condições mínimas de proteção da estrutura em relação à proteção contra infiltração de água nas partes construtivas, além de preservar a saúde, segurança e conforto do usuário.
  11. 11. 11 CONSIDERAÇÕES FINAIS Pôde-se perceber neste trabalho que impermeabilização é uma tecnologia de suma importância para a construção civil, que não é por ser algo que deve ser feito que qualquer pessoa pode fazer. Nota-se também que para aplicação de impermeabilizantes, é necessário que se siga uma norma corrente no país para que haja o melhor funcionamento possível da mesma, envolvendo além de conforto, segurança para quem a utiliza.
  12. 12. 12 Referencias Bibliográficas http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=20&Cod=703 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAASD8AK/impermeabilizacao http://www.ibisp.org.br/?pagid=vrevista_obra&id=23

×