Sophia de Mello Breyner Andresen

3.924 visualizações

Publicada em

Sophia de Mello Breyner Andresen - trabalho de aluna do 5.º ano

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.924
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.704
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sophia de Mello Breyner Andresen

  1. 1. Sophia de Mello Breyner Andresen
  2. 2. Biografia/Conhecimento Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu a 6 de Novembro de 1919 no Porto. Sophia era filha de Maria Amélia de Mello Breyner e de João Henrique Andresen. Tem origem dinamarquesa pelo lado paterno. O seu bisavô, Jan Heinrich Andresen, desembarcou um dia no Porto e nunca mais abandonou esta região, tendo o seu filho João Henrique comprado, em 1895, a Quinta do Campo Alegre, hoje Jardim Botânico do Porto. Como afirmou em entrevista, em 1993, essa quinta "foi um território fabuloso com uma grande e rica família servida por uma criadagem numerosa". A mãe, Maria Amélia de Mello Breyner, é filha do Tomás de Mello Breyner, conde de Mafra, médico e amigo do rei D. Carlos. Maria Amélia é também neta do conde Henrique de Burnay, um dos homens mais ricos do seu tempo. www.wikipedia.com
  3. 3. Casou-se, em 1946, com o jornalista, político e advogado Francisco Sousa Tavares e foi mãe de cinco filhos: uma professora universitária de Letras, um jornalista e escritor de renome (Miguel Sousa Tavares), um pintor e ceramista e mais uma filha que é terapeuta ocupacional e herdou o nome da mãe. Os filhos motivaram-na a escrever contos infantis. Em 1964 recebeu o Grande Prémio de poesia. Já depois da Revolução de 25 de Abril, foi eleita para a Assembleia Constitucional, em 1975, pelo círculo do Porto numa lista do Partido Socialista, enquanto o seu marido navegava rumo ao Partido Social Democrata. www.wikipedia.com
  4. 4. Sophia de Mello Breyner Andresen faleceu, aos 84 anos, no dia 2 de Julho de 2004, em Lisboa, no Hospital da Cruz Vermelha. O seu corpo foi sepultado no Cemitério de Carnide. Em 20 de Fevereiro de 2014, a Assembleia da República decidiu homenagear por unanimidade a poetisa com honras de Panteão. A cerimónia de trasladação teve lugar a 2 de julho de 2014. Desde 2005, no Oceanário de Lisboa, os seus poemas com ligação forte ao Mar foram colocados para leitura permanente nas zonas de descanso da exposição, permitindo aos visitantes absorverem a força da sua escrita enquanto estão imersos numa visão de fundo do mar. www.wikipedia.com
  5. 5. Um resumo da história “A festa das flores” Era uma vez, um jardim onde à noite todas as plantas ganhavam vida, que se chamavam gladíolos. Os gladíolos, estavam muito na moda e eram as flores mais colhidas. Certo dia, nasceu um gladíolo que ficou muito contente, por saber que ia ser colhido. Mas, no dia seguinte, ouviu a dona da casa a dizer ao jardineiro para não colher mais gladíolos, porque faziam falta ao jardim. Resumos De Livros: O Rapaz de Bronze
  6. 6. Então, o gladíolo decidiu fazer uma festa para não ficar triste. Ele tinha de pedir primeiro autorização ao Rapaz de Bronze, que era o dono do jardim durante a noite. O Rapaz de Bronze autorizou a festa e o Gladíolo convidou todas as flores do jardim. Mas dois dias antes da festa, eles pensaram, como as pessoas punham flores nas jarra. Então, decidiram que iriam pôr na jarra a Florinda, que era a filha do jardineiro e tinha sete anos. Na noite da festa, o Rapaz de Bronze, foi ao quarto da Florinda e perguntou-lhe se ela queria ir a uma festa. A Florinda, ficou muito surpreendida por estar a falar com uma estátua, mas aceitou sempre um pouco surpreendida. Quando chegaram os dois à festa, ela nem queria acreditar no que estava a ver, mas o Rapaz de Bronze disse para ela se ir sentar na jarra e depois começou a contar como é que eles ganhavam vida. s, eles também tinham que pôr uma pessoa numa jarra. Resumos De Livros: O Rapaz de Bronze
  7. 7. No dia seguinte, quando a Florinda foi para a escola, contou tudo às suas amigas, mas elas não acreditaram e disseram que ela tinha sonhado. Realmente, ela também pensou nisso e começou a pensar que aquilo tinha sido um sonho. Passaram muitos anos. Quando a Florinda já tinha quinze anos, o pai dela, o jardineiro do jardim, pediu à Florinda para ir levar uns ovos à casa da cozinheira, e ela foi. Quando ela vinha para casa, já era de noite. O Rapaz de Bronze apareceu, perguntou-lhe se ela se lembrava dele, da festa e das flores com vida. Ela muito entusiasmada disse que sim. Deram os dois as mãos e foram pelo jardim fora… Resumos De Livros: O Rapaz de Bronze
  8. 8. N.º 20 Turma: 5.º G Disciplina: Português Professora: Jesuína Ribeiro

×