A Construção
Coletiva do Projeto
Político-Pedagógico
Reunião com os vice-gestores das Unidades
Escolares da SREA
25/11/10
...
1 - SOCIEDADE
QUE SOCIEDADE VIVEMOS?
QUAIS SEUS VÍNCULOS HISTÓRICOS?
QUAIS OS MAIORES DESAFIOS PARA O
FUTURO?
NOSSA SOCIED...
 QUAL O PAPEL DA ESCOLA EM NOSSA SOCIEDADE?
 COMO A TRANSMISSÃO DE CONHECIMENTOS CIEN-
TÍFICOS/ESCOLARES FOI SENDO UTILI...
3 - ALUNO
 QUEM É O NOSSO ALUNO?
 CONHECEMOS, DE FATO, OS ALUNOS COM QUEM
TRABALHAMOS?
 VAMOS REFLETIR:
 QUAIS AS CARA...
4 - PROFESSOR
 QUEM É O NOSSO PROFESSOR?
 CONHECEMOS OS POSICIONAMENTOS DOS
PROFESSORES?
 QUAL A FORMAÇÃO INICIAL DOS P...
5 - FUNCIONÁRIO
QUEM É O NOSSO FUNCIONÁRIO?
CONHECEMOS O TRABALHO DO
FUNCIONÁRIO?
CONHECEMOS OS PROJETOS DOS
FUNCIONÁRIOS?...
“Se as coisas são
inatingíveis... ora! Não é
motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se
não fora a mágica pr...
FAZER UMA SÍNTESE DAS REFLEXÕES DO
DIA, UTILIZANDO COMO REFERÊNCIA: SOCIEDADE
 1 - O QUE TEMOS?
 2- O QUE QUEREMOS?
 3...
Projeto Político-Pedagógico
1. O que é?
É a própria organização do
trabalho pedagógico escolar
como um todo, em suas
espec...
- fundamenta as transformações
internas da organização escolar e
explicita suas relações com as
transformações mais amplas...
2. O que não é?
- um agrupamento de planos de
ensino e de atividades diversas
- algo construído para ser
arquivado prova d...
3.2. Gestão Democrática: abrange
além do princípio constitucional,
as dimensões administrativa,
pedagógica e financeira
- ...
3.3. Liberdade
implica a idéia de autonomia
• liberdade e autonomia constituem a
própria natureza do ato pedagógico
“Somos...
3.4. Valorização dos trabalhadores em
educação:
princípio central na busca da
qualidade e do sucesso na tarefa
educativa d...
4. A CONSTRUÇÃO DO PROJETO
POLÍTICO-PEDAGÓGICO: DA
DISCUSSÃO À ELABORAÇÃO
DO TEXTO
O que devemos considerar no
processo de...
4.1. PROJETO
-o termo deriva do latim projectu,
particípio passado do verbo projiceri
que significa lançar para diante
rum...
4.2. PEDAGÓGICO
- identificação dos elementos naturais
e culturais necessários à constituição
da humanidade em cada ser hu...
4.3. POLÍTICO
- porque pressupõe a opção e
compromisso com a formação do
cidadão para um determinado
tipo de sociedade
A d...
- político e pedagógico são
dimensões indissociáveis, porque
propicia a vivência democrática
necessária à participação de ...
PROJETO PEDAGÓGICO DA ESCOLA
LDB - LEI 9.394/96
ARTIGO 12
INCISO I
Os estabelecimentos de ensino, respeitadas
as normas co...
PRINCÍPIOS NORTEADORES DO
PROJETO PEDAGÓGICO
LEI nº 9.394/, art. 3º
“I. igualdade de condições para acesso e
permanência n...
PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA
ESCOLA
1 - ESTABELECE UMA DIREÇÃO, UMA
INTENCIONALIDADE.
2 - EXIGE UMA REFLEXÃO ACERCA DA
C...
“... Se sonhamos com uma sociedade
menos agressiva, menos injusta,
menos violenta, mais humana,
o nosso testemunho deve se...
A PARTICIPAÇÃO ELIMINA
- o autoritarismo, a prepotência,
a rigidez hierárquica
- a arrogância, a indiferença
- o individua...
A PARTICPAÇÃO POSSIBILITA
- a reflexão coletiva que favorece o
diálogo, o respeito e a auto-crítica
- descentralização do ...
05-05 28
Processo de Construçãoe Avaliação doProcesso de Construçãoe Avaliação do
ProjetoProjetoPolíticoPedagógicoPolítico...
III – ELEMENTOS CONSTITUTIVOS
DO PPP
• Título: expressar com clareza a essência
do projeto;
• Apresentação: conter uma sín...
MISSÃO
 Sintetiza a identidade da escola,
sua função social orientando a
tomada de decisões e garantindo
a unidade e o co...
VISÃO
 É a expectativa que a
escola manifesta em relação
ao trabalho a ser
desenvolvido a longo prazo
na comunidade escol...
JUSTIFICATIVA
POR QUE? ONDE?
– Argumentar técnica e politicamente;–
Descrever a realidade como mediação
teórica;
– Indicar...
FINALIDADES
PARA QUÊ?
– Esclarecer as concepções de homem
em formação;
– Concepções de sociedade;
– Concepções de educação...
OBJETIVOS
Formação Geral: conhecimentos e
atividades relevantes para a formação
científico-cultural;
Formação Profissional...
METAS
QUANDO?
prever a operacionalização dos
objetivos em alvos e intenções de
natureza quantitativa, indicando
prazos.
Eixos Formadores
– Estruturas nucleares de que são geradas
teorias e a pratica profissional/educativa
– Constituídos por t...
Organização Curricular
O QUE? COMO?
– Ter clareza na distinção do que é
nuclear e complementar;
– Equilibrar os fundamento...
Profissionais Envolvidos
COM QUEM?
relacionar a equipe administrativa
e pedagógica, serviços de apoio,
colegiados, represe...
Recursos Físicos e Materiais
COM QUE?
relacionar instalações
e equipamentos existentes e
necessários;
AVALIAÇÃO
DIAGNÓSTICA PROCESSUAL CONCLUSIVA
Como
Estamos?
Como
Estamos
Fazendo?
O que
Alcançamos?
Cronograma:
QUANDO?
• Indicar cronologicamente as
etapas de:
– Construção;
– Execução e acompanhamento
– Reconstrução do P...
ESTRUTURA ORGANIZACIONAL
PEDAGÓGICA
- DETERMINA AS AÇÕES DAS ADMINISTRATIVAS
- INTERAÇÕES POLÍTICAS – FINALIDADES
- QUESTÕ...
TEMPO ESCOLAR
 CALENDÁRIO ESCOLAR:
 ORDENA O TEMPO
 DETERMINA O INÍCIO E O FIM DO ANO
 PREVÊ OS DIAS LETIVOS, FÉRIAS,
...
Obrigada pela
Atenção!!!!!!
Referência Bibliográfica
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia:
saberes necessários à prática educativa . São
Paulo: Paz e...
Projeto pol pedag
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto pol pedag

830 visualizações

Publicada em

Material elaborado para encontro com Vice Diretores das Unidades Escolares da Subsecretaria Regional de Educação de Anápolis.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
830
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto pol pedag

  1. 1. A Construção Coletiva do Projeto Político-Pedagógico Reunião com os vice-gestores das Unidades Escolares da SREA 25/11/10 Organização: Duplas Pedagógicas Apresentação: Profª Adriana R. Vilela Arantes
  2. 2. 1 - SOCIEDADE QUE SOCIEDADE VIVEMOS? QUAIS SEUS VÍNCULOS HISTÓRICOS? QUAIS OS MAIORES DESAFIOS PARA O FUTURO? NOSSA SOCIEDADE É ORGANIZADA DE FORMA JUSTA? QUAL O PAPEL DE NOSSO ALUNO NA SOCIEDADE? O QUE PODE SER MANTIDO E O QUE PODE SER ALTERADO EM NOSSA SOCIEDADE?
  3. 3.  QUAL O PAPEL DA ESCOLA EM NOSSA SOCIEDADE?  COMO A TRANSMISSÃO DE CONHECIMENTOS CIEN- TÍFICOS/ESCOLARES FOI SENDO UTILIZADA PELAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO?  REFLEXÕES DO GRUPO:  QUE PAPEL A ESCOLA ASSUMIU AO LONGO DO TEMPO?  QUE SABERES TEM SIDO REPASSADO PELA ESCOLA?  EXISTE ESCOLA PARA TODOS?  EXISTEM NATUREZA, TIPOS E FORMAS DIFERENTES DE ESCOLAS PARA CIDADÃOS DIFERENTES? DE QUE TIPO?  PARA MELHOR ATENDER A FORMAÇÃO DE NOSSOS ALUNOS, QUAL DEVE SER A FUNÇÃO DA ESCOLA? 2 - ESCOLA
  4. 4. 3 - ALUNO  QUEM É O NOSSO ALUNO?  CONHECEMOS, DE FATO, OS ALUNOS COM QUEM TRABALHAMOS?  VAMOS REFLETIR:  QUAIS AS CARACTERÍSTICAS REAIS DE NOSSOS ALUNOS? ELAS COINCIDEM COM AS CARACTERÍSTICAS APONTADAS NOS LIVROS?  EXISTE UM ALUNO IDEAL?  COMO SÃO CONSTITUÍDAS AS FAMÍLIAS DE NOSSOS ALUNOS?  COMO É O MEIO EM QUE ELE VIVE? COMO CARACTERIZA A COMUNIDADE ESCOLAR?  O QUE SABEMOS SOBRE ALGUNS ASPECTOS DA VIDA DE NOSSOS ALUNOS COMO: ALIMENTAÇÃO, LAZER, DOENÇAS, AMIZADES, GOSTOS, MÚSICAS, PROBLEMAS, SOLUÇÕES?  O QUE NOSSOS ALUNOS PENSAM DO FUTURO? ELES TEM UM PROJETO DE SOCIEDADE, DE TRABALHO, DE VIDA PESSOAL?
  5. 5. 4 - PROFESSOR  QUEM É O NOSSO PROFESSOR?  CONHECEMOS OS POSICIONAMENTOS DOS PROFESSORES?  QUAL A FORMAÇÃO INICIAL DOS PROFESSORES?   ACREDITAMOS E DEFENDEMOS A FORMAÇÃO CONTINUADA?  QUAIS OS ASSUNTOS QUE NOSSOS PROFESSORES MAIS DOMINAM?  CONHECEMOS OS PROJETOS DOS PROFESSORES PARA A ESCOLA? QUAIS SÃO ELES?
  6. 6. 5 - FUNCIONÁRIO QUEM É O NOSSO FUNCIONÁRIO? CONHECEMOS O TRABALHO DO FUNCIONÁRIO? CONHECEMOS OS PROJETOS DOS FUNCIONÁRIOS? ELES PARTICIPAM DAS DECISÕES TOMADA PELA ESCOLA? QUAL A PARTICIPAÇÃO DO FUNCIONÁRIO NA APRENDIZAGEM DOS DISCENTES?
  7. 7. “Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las... Que tristes os caminhos, se não fora a mágica presença das estrelas!” Mário Quintana
  8. 8. FAZER UMA SÍNTESE DAS REFLEXÕES DO DIA, UTILIZANDO COMO REFERÊNCIA: SOCIEDADE  1 - O QUE TEMOS?  2- O QUE QUEREMOS?  3 – O QUE FAREMOS?  ESCOLA  1 - O QUE TEMOS?  2 - O QUE QUEREMOS?  3- O QUE FAREMOS?  ALUNOS  1 - O QUE TEMOS?  2 - O QUE QUEREMOS?  3- O QUE FAREMOS?  PROFESSORES  1 - O QUE TEMOS?  2 - O QUE QUEREMOS?  3- O QUE FAREMOS  FUNCIONÁRIOS  1 - O QUE TEMOS?  2 - O QUE QUEREMOS?  3- O QUE FAREMOS?
  9. 9. Projeto Político-Pedagógico 1. O que é? É a própria organização do trabalho pedagógico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis e modalidades Ensino Fundamental Ensino Médio EJA Educação Inclusiva
  10. 10. - fundamenta as transformações internas da organização escolar e explicita suas relações com as transformações mais amplas (econômica, social, política, educacional e cultural) - é o anúncio do devir, do que foi sonhado coletivamente e que pode passar do sonho à ação “O ser humano é, naturalmente, um ser da intervenção no mundo à razão de que faz a História. Nela, por isso mesmo, deve deixar suas marcas de sujeito e não pegadas de objeto.” Paulo Freire, 1997, p. 119
  11. 11. 2. O que não é? - um agrupamento de planos de ensino e de atividades diversas - algo construído para ser arquivado prova de tarefa burocrática: pronto e acabado para ser encaminhado às autoridades educacionais - tarefa específica do pedagogo, do coordenador pedagógico ou do Diretor 3. Princípios Orientadores 3.1. Igualdade de condições para acesso e permanência no processo educativo
  12. 12. 3.2. Gestão Democrática: abrange além do princípio constitucional, as dimensões administrativa, pedagógica e financeira - requer o enfrentamento de todas as questões que excluem e marginalizam a criança, o jovem e o adulto construir um projeto comprometido com os interesses e anseios das camadas populares pressupõe a ruptura entre: •concepção e execução • pensar e fazer • teoria e prática • ciência e cultura
  13. 13. 3.3. Liberdade implica a idéia de autonomia • liberdade e autonomia constituem a própria natureza do ato pedagógico “Somos livres com os outros, não, apesar dos outros.” (RIOS, 1982, p. 77) - implica em experiência que se constrói na vivência coletiva relações interpessoais - a autonomia e a liberdade constituem vivências na relação entre: Administradores, professores, funcionários, pais e alunos Projeto Político-Pedagógico e o contexto social mais amplo
  14. 14. 3.4. Valorização dos trabalhadores em educação: princípio central na busca da qualidade e do sucesso na tarefa educativa de formação de cidadãos capazes de participarem na vida sócio-econômica, cultural e política porque está relacionada diretamente com: •formação inicial e continuada • condições de trabalho: recursos didáticos, físicos, materiais, dedicação integral, número de alunos por turma • carreira e salário: elementos indispensáveis à profissionalização
  15. 15. 4. A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: DA DISCUSSÃO À ELABORAÇÃO DO TEXTO O que devemos considerar no processo de elaboração? Regimento Escolar O Regimento Escolar é o instrumento que permite à equipe gestora tomar essas decisões, com base nos princípios e normas estabelecidas pelo grupo.
  16. 16. 4.1. PROJETO -o termo deriva do latim projectu, particípio passado do verbo projiceri que significa lançar para diante rumo, direção, opção intencional
  17. 17. 4.2. PEDAGÓGICO - identificação dos elementos naturais e culturais necessários à constituição da humanidade em cada ser humano e à descoberta das formas adequadas ao atingimento desse objetivo. (SAVIANI, 1992, p. 30) - forma de organização dos elementos necessários à assimilação do SABER, fazendo a distinção entre o essencial e o acidental, o principal e o secundário, o fundamental e o acessório
  18. 18. 4.3. POLÍTICO - porque pressupõe a opção e compromisso com a formação do cidadão para um determinado tipo de sociedade A dimensão política se cumpre na medida em que ela se realiza enquanto prática especificamente pedagógica. (SAVIANI, 1982) - a dimensão pedagógica reside na possibilidade de efetivação da finalidade da educação/escola: formação do cidadão crítico, responsável, criativo e participativo
  19. 19. - político e pedagógico são dimensões indissociáveis, porque propicia a vivência democrática necessária à participação de todos os membros da comunidade escolar e o exercício da cidadania
  20. 20. PROJETO PEDAGÓGICO DA ESCOLA LDB - LEI 9.394/96 ARTIGO 12 INCISO I Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de: “I - elaborar e executar sua proposta pedagógica”. ARTIGO 13 e 14 Definem as incumbências docentes com relação ao projeto pedagógico: Art. 13 “I - participar da elaboração da da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino”. Art. 14 “I - participação dos profissionais de educação na elaboração do projeto pedagógico da escola”.
  21. 21. PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO LEI nº 9.394/, art. 3º “I. igualdade de condições para acesso e permanência na escola; II. liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; III. pluralismo de idéias e concepções pedagógicas; IV. respeito a liberdade e apreço a tolerância; V. coexistência de instituições públicas e privadas de ensino; VI. gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais; VII. valorização do profissional da educação escolar; VIII. gestão democrática do ensino público, na forma desta lei e da legislação do sistema de ensino; IX. garantia do padrão de qualidade; X. valorização da experiência extra-curricular; XI. vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais”.
  22. 22. PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DA ESCOLA 1 - ESTABELECE UMA DIREÇÃO, UMA INTENCIONALIDADE. 2 - EXIGE UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONCEPÇÃO DE ESCOLA E SUA RELAÇÃO COM A SOCIEDADE. 3 - DEVE CONTEMPLAR A QUALIDADE DO ENSINO NAS DIMENSÕES INDISSOCIÁVEIS: FORMAL OU TÉCNICA E POLÍTICA. 4 - IMPLICA EM ESFORÇO COLETIVO E PARTICIPATIVO. 5 - DEFINE ACÕES EDUCATIVAS E AS CARACTERÍSTICAS NECESSÁRIAS ÀS ESCOLAS DE CUMPRIREM SEUS PROPÓSITOS E SUA INTENCIONALIDADE.
  23. 23. “... Se sonhamos com uma sociedade menos agressiva, menos injusta, menos violenta, mais humana, o nosso testemunho deve ser o de quem, dizendo não a qualquer possibilidade em face dos fatos, defende a capacidade do ser humano em avaliar, de compreender, de escolher, de decidir e, finalmente, de intervir no mundo.”
  24. 24. A PARTICIPAÇÃO ELIMINA - o autoritarismo, a prepotência, a rigidez hierárquica - a arrogância, a indiferença - o individualismo, o comodismo - as relações clientelistas, os privilégios - a resistência, a forma de pensamento único - a fragmentação, a divisão do trabalho - enfoque apenas nos resultados - acusações que buscam “o culpado”
  25. 25. A PARTICPAÇÃO POSSIBILITA - a reflexão coletiva que favorece o diálogo, o respeito e a auto-crítica - descentralização do poder, criando uma forma de comunicação horizontal que elimina o controle hierárquico e desenvolve a autonomia - enfrentamento das relações de dominação, contribuindo para articulação de práticas emancipatórias fundamentadas na solidariedade, reciprocidade e no trabalho coletivo - instalação de processos eletivos de dirigentes, com base em ações colegiadas com representação de pais, alunos, funcionários, professores, pedagogos
  26. 26. 05-05 28 Processo de Construçãoe Avaliação doProcesso de Construçãoe Avaliação do ProjetoProjetoPolíticoPedagógicoPolíticoPedagógico COMO? A AÇÃO O QUE É? SITUAÇÃO REAL PARA QUE? UTOPIA SOCIAL 2.Ato Conceitual2.Ato Conceitual -em face da realidade descrita e analisada, que concepções de educação,escola, gestão,currículo, ensino, aprendizagem e avaliação se fazem necessárias para atingir o que pretendemos? 3.Ato Operacional3.Ato Operacional - quais as decisões de opera- cionalização? -como redimensionar a organização do trabalho pedagógico? -que tipo de gestão? •• Ato SituacionalAto Situacional Como compreendemos a sociedade atual? Como se caracteriza o contexto social onde a escola deverá atuar? Qual o papel da escola? A quem ela serve? Que experiências ela propicia ao aluno?
  27. 27. III – ELEMENTOS CONSTITUTIVOS DO PPP • Título: expressar com clareza a essência do projeto; • Apresentação: conter uma síntese das finalidades, estrutura e dinâmica operacional. • Histórico: conter um breve registro crítico reflexivo desde as origens do curso até o presente, com dados sobre o curso e considerações avaliativas, apontando perspectivas futuras.
  28. 28. MISSÃO  Sintetiza a identidade da escola, sua função social orientando a tomada de decisões e garantindo a unidade e o comprometimento de todos na ação pedagógica  É A FILOSOFIA DA ESCOLA
  29. 29. VISÃO  É a expectativa que a escola manifesta em relação ao trabalho a ser desenvolvido a longo prazo na comunidade escolar. va que a escola manifesta em relação ao trabalho a ser desenvolvido a longo prazo na comunidva que a escola manifesta em relação ao trabalho a ser desenvolvido a longo prazo na comunid
  30. 30. JUSTIFICATIVA POR QUE? ONDE? – Argumentar técnica e politicamente;– Descrever a realidade como mediação teórica; – Indicar tendências nas áreas de conhecimento; – Indicar necessidades do curso – Apontar causas e efeitos de problemas; – Expor o perfil do aluno ingressante e egresso; – Apontar o PPP como instrumento de superação dos problemas quanto ao ensino e aprendizagem.
  31. 31. FINALIDADES PARA QUÊ? – Esclarecer as concepções de homem em formação; – Concepções de sociedade; – Concepções de educação (ética e valores humanizadores); – Perfil profissional a ser formado: • Conhecimento, curiosidade intelectual; • Exercício consciente da profissão; • Capacidade crítico-reflexiva.
  32. 32. OBJETIVOS Formação Geral: conhecimentos e atividades relevantes para a formação científico-cultural; Formação Profissional: capacidades relativas à ocupação correspondente; Cidadania: atitudes correspondentes à ética profissional e ao compromisso com a sociedade. PARA QUÊ?
  33. 33. METAS QUANDO? prever a operacionalização dos objetivos em alvos e intenções de natureza quantitativa, indicando prazos.
  34. 34. Eixos Formadores – Estruturas nucleares de que são geradas teorias e a pratica profissional/educativa – Constituídos por temas articulados entre si, que se projetam sob a forma de Disciplinas/Atividades Temáticas; – Tem articulação interna por meio de temas – São articulados entre si, convergindo para o âmbito do eixo nuclear e articulador do curso.
  35. 35. Organização Curricular O QUE? COMO? – Ter clareza na distinção do que é nuclear e complementar; – Equilibrar os fundamentos teóricos e a prática educacional; – Haver conexão entre as disciplinas que compõe o conteúdo programático; – Indicar: áreas do conhecimento, eixos temáticos, disciplinas – Consultar as Diretrizes Curriculares do Nacionais.
  36. 36. Profissionais Envolvidos COM QUEM? relacionar a equipe administrativa e pedagógica, serviços de apoio, colegiados, representações docentes e discente, existentes e necessários;
  37. 37. Recursos Físicos e Materiais COM QUE? relacionar instalações e equipamentos existentes e necessários;
  38. 38. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA PROCESSUAL CONCLUSIVA Como Estamos? Como Estamos Fazendo? O que Alcançamos?
  39. 39. Cronograma: QUANDO? • Indicar cronologicamente as etapas de: – Construção; – Execução e acompanhamento – Reconstrução do PPP • Prever reuniões periódicas para todos os envolvidos.
  40. 40. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PEDAGÓGICA - DETERMINA AS AÇÕES DAS ADMINISTRATIVAS - INTERAÇÕES POLÍTICAS – FINALIDADES - QUESTÕES DE ENSINO-APRENDIZAGEM - QUESTÕES DE CURRÌCULO ADMINISTRATIVA: - ASSEGURA: LOCAÇÃO E GESTÃO DE RECURSOS - HUMANOS - FÍSICOS – PRÈDIO, MATERIAIS DIDÁTICOS, EQUIPAMENTOS. - FINANCEIROS.
  41. 41. TEMPO ESCOLAR  CALENDÁRIO ESCOLAR:  ORDENA O TEMPO  DETERMINA O INÍCIO E O FIM DO ANO  PREVÊ OS DIAS LETIVOS, FÉRIAS, FERIADOS, REUNIÕES, CONSELHO DE CLASSE ETC...  HORÁRIO ESCOLAR:  FIXA:  NÚMERO DE HORAS POR SEMANA  NÚMERO DE AULAS POR PROFESSOR  HORA ATIVIDADE DO PROFESSOR
  42. 42. Obrigada pela Atenção!!!!!!
  43. 43. Referência Bibliográfica FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa . São Paulo: Paz e Terra, 1996. MIZUKAMI, M. da G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986. VASCONCELLOS,Celso S. Planejamento : Projeto de Ensino-Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico.São Paulo:Libertad,2000. VEIGA, Ilma Passos A.(org).Projeto Político Pedagógico da Escola: uma construção possível.Campinas:Papirus,1995. SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1983.

×