Resumo Regimento Interno TRT 15

4.835 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.926
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo Regimento Interno TRT 15

  1. 1. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira   São  órgãos  da  Justiça  do  Trabalho  da  15a  região:   A)  TRT;   B)  Juízes  do  Trabalho.     A  sede  do  TRT  é  em  campinas  e  sua  jurisdição  está  fixada  na  Lei  7520/86.     As   varas   do   trabalho   têm   sede   e   jurisdição   fixadas   em   lei   e   estão   ADMINISTRATIVAMENTE  subordinadas  ao  tribunal.     O   TRT   é   composto   por   55   desembargadores,   nomeados   pelo   Presidente   da   república.     São  órgãos  do  TRT:   A)  Pleno;   B)  Órgão  Especial;   C)  Presidência;   D)  Corregedoria;   E)  As  seções  especializadas;   F)  As  turmas  e  respectivas  câmaras;   G)  A  escola  Judicial.     São  cargos  de  direção  do  tribunal:   a)  presidente;   b)  vice-­‐presidente  judicial;   c)  vice-­‐presidente  administrativo;   d)  corregedor  regional;   e)  vice-­‐corregedor  regional.     O   TRT   tem   o   tratamento   de   egrégio   e   seus   membros,   denominados   desembargadores  do  trabalho,  o  tratamento  de  excelência.     Nas   sessões,   os   desembargadores   usarão   vestes   talares,   assim   como   o   representante  do  MPT.  Os  advogados  que  se  dirigirem  ao  tribunal,  para  o  fim  de   sustentação  oral,  devem  usar  beca.     Nas   sessões,   o   presidente   deve   sentar-­‐se   no   centro   da   mesa   principal.   Na   sua   direito  estará  o  membro  do  MPT  e  a  sua  esquerda  o  secretário.  O  vice-­‐presidente   administrativo   sentar-­‐se-­‐á   na   primeira   cadeira   na   bancada   à   direita   do   presidente   e   o   vice-­‐presidente   judicial   na   primeira   cadeira   na   bancada   à   esquerda  do  presidente  e  assim  sucessiva  e  alternadamente.     Em   sessões   administrativas   do   pleno   e   do   órgão   especial,   o   representante   da   AMATRA  sentará  na  última  cadeira  na  bancada  a  direita  do  presidente.     Os   desembargadores   tomarão   posse   perante   o   Pleno   ou  perante   o   presidente   do   tribunal.     Não  poderão  ter  assento  na  seção  ou  turma  cônjuges,  companheiros  e  parentes   por   afinidade   ou   sanguinidade,   na   linha   reta   ou   colateral,   até   o   3˚   grau.   No   pleno    
  2. 2. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira   e  no  órgão  especial  a  participação  do  primeiro  dos  impedidos  impossibilitará  a   participação  do  outro.     O   desembargador   que   deixar   definitivamente   o   cargo   conservará   o   título   e   as   honras   inerentes   ao   mesmo.   Usará   vestes   talares   na   sessões   solenes,   salvo   no   caso   de   perda   de   cargo   na   forma   da   lei   ou   de   se   encontrar   em   exercício   de   atividade  incompatível  à  magistratura.     Aos  cargos  de  direção  somente  concorrerão  os  desembargadores  mais  antigos  e   que  não  tenham  o  impedimento  previsto  no  art.  102  da  LOMAN.     A   eleição   para   os   cargos   de   direção   ocorrerá   em   sessão   ordinária   do   pleno,   através   de   escrutínio   secreto,   na   primeira   quinta-­‐feira   de   outubro   dos   anos   pares.  A  posse  ocorrerá  perante  o  pleno  no  dia  09  de  dezembro  dos  anos  pares,   ou  no  primeiro  dia  útil  subsequente.       Poderão  concorrer  a  cada  cargo  os  5  desembargadores  mais  antigos  e  elegíveis.   Serão   considerados   eleitos   os   que   obtiverem   a   maioria   dos   votos   dos   desembargadores  efetivos.     No  caso  de  empate,  ou  não  se  obtendo  o  quórum  necessário,  repete-­‐se  a  votação.   Caso  a  situação  se  mantenha,  será  considerado  eleito  o  mais  antigo.     Os   mandatos   são   de   2   anos,   proibida   reeleição.   O   eleito   tem   a   obrigação   de   assumir  o  cargo,  salvo  recusa  manifestada  e  aceita  antes  da  eleição.  No  caso  de   vacância,   será   realizada   nova   eleição,   no   prazo   de   10   dias,   com   posse   imediata,   concluindo  o  eleito  o  mandato  anterior.  Se  a  vacância  se  der  no  segundo  ano  do   mandato,  haverá  a  sucessão,  na  seguinte  ordem:   1)    para  o  cargo  de  presidente;   a)  vice-­‐presidente  administrativo;   b)  vice-­‐presidente  judicial;   c)  o  desembargador  mais  antigo  em  exercício  no  tribunal.   2)    para  o  cargo  de  corregedor  regional;   5)  vice-­‐corregedor  regional;   6)  o  desembargador  mais  antigo  do  Tribunal.     Os   presidentes   das   turmas   serão   eleitos   por   seus   pares,   para   mandato   de   2   anos,   sendo  vedada  a  reeleição,  até  que  todos  os  seus  integrantes  já  tenham  exercido  a   função,  ou  a  tenham  recusado.       No  caso  de  afastamento  definitivo  de  membro  do  tribunal,  aquele  que  tenha  sido   nomeado  ou  promovido  ocupará  a  mesma  câmara  daquele  membro  sucedido.     O  pleno  é  formado  pela  totalidade  dos  desembargadores  do  tribunal.  O  quórum   para  apreciação  é  de  metade  mais  um  de  seus  membros.  Ocorrendo  ausência  de   desembargador   por   3   sessões   consecutivas,   é   do   pleno   a   competência   para   apreciar  a  falta.     As  decisões  do  pleno  são  tomadas  pela  maioria  dos  desembargadores  presentes.    
  3. 3. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira     A  competência  do  pleno  está  prevista  no  art.  20.     O  Órgão  Especial  é  formado  pelo  presidente  do  tribunal,  além  dos  12  membros   mais   antigos   e   de   outros   12   membros   eleitos.   Estes   últimos   são   eleitos   pelo   pleno,   em   sessão   ordinária   ocorrida   na   primeira   quinta-­‐feira   do   mês   de   novembro   dos   anos   pares.   A   posse   é   realizada   perante   o   pleno   no   dia   09   de   dezembro  dos  anos  pares.     Os  desembargadores  que  quiserem  concorrer,  deverão  registrar  sua  candidatura   até   10   dias   antes   da   eleição.   O   mandato   será   de   2   anos,   permitida   uma   recondução,  salvo  se  não  houver  um  número  de  inscrito  suficiente.     É  necessária  a  presença  de  14  membros  para  funcionamento  do  órgão  especial.  O   órgão  especial  é  presidido  pelo  Presidente  do  Tribunal.  A  competência  do  órgão   especial  está  prevista  no  art.  21-­‐F.     A  competência  do  presidente  do  Tribunal  está  no  art.  22.     O  presidente  do  tribunal  poderá  designar  2  juízes  titulares  de  vara  para  exercício   como   juízes   auxiliares.   Essa   designação   não   poderá   recair   em   quem   já   exerceu   essa  função  por  2  biênios.     A  competência  do  vice-­‐presidente  administrativo  está  prevista  no  art.  24.     O  Vice-­‐presidente  administrativo  poderá  designar,  dentre  juízes  titulares  de  vara   do  trabalho,  1  juiz  auxiliar.  Contará,  ainda,  com  um  setor  de  assessoria  composto   por   um   assessor   e   uma   secretaria,   composta   por   uma   coordenadora   e   uma   secretária  ou  funções  equivalentes.     A  competência  do  Vice-­‐Presidente  Judicial  está  prevista  no  art.  25-­‐A.     O   Vice-­‐Presidente   judicial   poderá   designar,   dentre   juízes   titulares   de   vara   do   trabalho,   1   juiz   auxiliar.   Contará,   ainda,   com   um   setor   de   assessoria   composto   por   um   assessor   e   uma   secretaria,   composta   por   uma   coordenadora   e   uma   secretária  ou  funções  equivalentes.     Compete   à   Corregedoria,   formada   pelo   corregedor   e   pelo   vice-­‐corregedor,   exercer   as   funções   de   inspeção   e   correição   permanente,   em   relação   a   juízes   de   primeiro   grau   e   respectivos   órgão   e   serviços   judiciários.   Haverá,   ainda,   uma   secretaria,   em   auxílio   à   corregedoria.   O   secretário   da   corregedoria   será   indicado   pelo  corregedor,  cabendo  a  designação  ao  presidente  do  tribunal.     Competência  do  corregedor  está  prevista  no  art.  29.     O   corregedor   e   o   vice-­‐corregedor   podem   ter   um   juiz   titular   como   juiz   auxiliar,   nos  termos  do  art.  23.       Competência  do  vice-­‐corregedor  está  prevista  no  art.  31.    
  4. 4. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira     A   correição   pode   ser   iniciada   de   ofício,   por   requerimento   da   parte   ou   de   qualquer  interessado,  ou  por  determinação  do  tribunal.     A  correição  parcial,  não  havendo  recurso  específico,  é  cabível  para  corrigir  erros,   abusos   de   atos   contrários   à   boa   ordem   processual,   ação   ou   omissão   que   importe   erro   de   procedimento.   O   prazo   para   a   correição   parcial   é   de   5   dias,   da   ciência   do   ato  impugnado.     A  correição  parcial  terá,  na  petição,  o  conteúdo  previsto  no  art.  36.  Estando  em   conformidade   a   petição,   o   processo   será   autuado.   É   possível   a   concessão   de   medida   liminar.   O   magistrado   deverá   apresentar   as   informações   solicitadas   no   prazo  de  5  dias.  Poderá,  neste  mesmo  prazo,  reconsiderar  a  decisão  ou  sanar  a   omissão.  Neste  caso,  a  medida  deverá  ser  arquivada.     Contra  a  decisão  do  corregedor,  caberá  agravo  regimental  para  o  Órgão  Especial.     As  seções  especializadas  são  compostas  pelos  desembargadores  do  tribunal,  por   critério   de   antiguidade.   Admite-­‐se   remoção   ou   permuta.   As   seções   funcionarão   em  dias  diversos  das  sessões  do  pleno,  órgão  especial  e  câmaras.     São   presidentes   natos   das   seções   os   ocupantes   dos   cargos   de   direção,   salvo   o   vice-­‐presidente   judicial.   Os   presidentes   natos,   assim   como   o   vice-­‐presidente   judicial  não  participam  da  distribuição  de  processos.     A  competência  dos  presidentes  das  seções  especializadas  está  prevista  no  art.  45.     Compete   às   seções   o   julgamento   de   exceções   de   suspeição   e   impedimento,   em   relação  aos  juízes  de  primeiro  grau,  dentre  de  sua  competência  recursal.     A   seção   especializadas   em   dissídios   coletivos   é   formada   pelo   presidente   do   tribunal,   pelo   vice-­‐presidente   judicial   e   por   mais   13   desembargadores.   A   SDC   é   presidida   pelo   presidente   do   tribunal,   a   quem   cabe   conciliar   e   instruir   os   dissídios   coletivos   e   de   revisão.   Em   sua   ausência,   a   presidência   será   exercida   pelo   vice-­‐presidente   judicial,   e,   ainda,   em   sua   ausência,   pelo   desembargador   mais  antigo,  que  componha  essa  seção.     A   SDC   atua   com   um   quórum   mínimo   de   8   membros,   ai   incluído   seu   presidente   em  exercício.     A  competência  da  SDC  está  no  art.  37.     A   1a   SDI   é   composta   pelo   Corregedor   Regional,   que   a   preside,   e   mais   12   desembargadores.   Funcionará   com,   no   mínimo,   8   desembargadores,   incluído   o   presidente.     Competência  da  1a  SDI  está  no  art.  49.      
  5. 5. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira   A   2a   SDI   é   composta   pelo   vice-­‐corregedor   regional,   que   a   preside,   e   mais   12   desembargadores.   Funcionará   com,   no   mínimo,   8   desembargadores,   incluído   o   presidente.     A  competência  da  2a  SDI  está  no  art.  49-­‐B.     A   3a   SDI   é   formada   pelo   vice-­‐presidente   administrativo   e   por   mais   13   desembargadores.   Funcionará   com,   no   mínimo,   8   desembargadores,   incluído   o   presidente.     A  competência  da  3a  SDI  está  no  art.  51.     O   tribunal   compõe   de   6   turmas   julgadoras,   subdivididas   em   câmaras.   Serão   criadas   tantas   câmaras   quanto   se   fizer   necessário,   por   deliberação   do   tribunal   pleno.  As  câmaras  são  compostas  por  5  desembargadores,  sendo  necessário  pelo   menos  3  para  seu  funcionamento.     As   presidências   das   turmas   serão   escolhidas   por   seus   membros,   em   votação   a   realizar-­‐se   na   terceira   quinta-­‐feira   do   mês   de   novembro   dos   anos   pares.   A   posse   ocorrerá   no   primeiro   dia   útil   seguinte   à   posse   da   nova   administração.   A   outra   câmara  será  presidida  por  seu  componente  mais  antigo.     As  5  primeiras  turmas  funcionarão  com  2  câmaras.  A  sexta  turma  funciona  com   câmara  única.  Os  ocupantes  dos  cargos  de  direção  ocuparão  as  turmas  e  câmaras   a  que  estão  vinculados,  votando  sempre  que  houver  necessidade  de  quórum.     A  competência  do  presidente  da  turma  está  prevista  no  art.  53.     A  competência  das  câmaras  está  prevista  no  art.  54.     A   parte   oferecerá   exceção   de   impedimento   ou   suspeição,   especificando   o   motivo   da  recusa.  A  petição  poderá  ser  instruída  com  documentos  em  que  o  excipiente   fundar  a  alegação  e  poderá  conter  rol  de  testemunhas,  até  no  máximo  3.     O   juiz,   tomando   conhecimento   da   exceção,   poderá   com   ela   concordar   e   enviar   os   autos  ao  seu  substituto.  Caso  contrário,  deverá  apresentar  suas  razões  no  prazo   de   5   dias.   A   secretaria   da   vara   deverá   providenciar   a   remessa   ao   tribunal,   no   prazo  de  48  horas.     A   exceção   de   suspeição,   quando   incabível,   será   rejeitada,   liminarmente,   pelo   relator,  em  decisão  irrecorrível.     Estando  devidamente  instruída  a  exceção,  o  relator  terá  o  prazo  de  15  dias  para   elaborar   seu   voto.   O   feito   deve   ser   incluído   em   pauta   na   primeira   sessão   subsequente,  para  julgamento,  vedada  a  sustentação  oral.  Da  decisão  que  acolha   a  exceção,  será  dada  ciência  ao  corregedor.     Competência  dos  presidentes  das  câmaras  está  no  art.  55.      
  6. 6. Regimento  Interno  TRT/15  –  Prof.  João  Paulo  Oliveira   A   escola   judicial   tem   por   objetivo   o   aprimoramento   cultura   e   funcional   de   juízes,   desembargadores  e  servidores.  O  diretor  e  o  vice-­‐diretor  da  escola  serão  eleitos   pelo   pleno,   em   escrutínio   secreto,   na   mesma   data   em   que   forem   eleitos   os   membros   dos   cargos   de   direção   tomarão   posse   na   mesma   sessão   da   posse   da   administração  do  tribunal.     São   elegíeis   para   a   escola   judicial   os   desembargadores   do   trabalho   que   não   exerçam   cargos   de   direção,   ou   que   os   tenham   exercido   no   últimos   3   anos.   Será   eleito   para   o   cargo   o   desembargador   que   houver   obtido   maioria   simples   de   votos.     Aplica-­‐se   aos   servidores   do   TRT/15,   as   normas   da   lei   8.112/90.   A   jornada   de   trabalho  será  de  40  horas  semanais,  com  controle  de  jornada.     Cada   desembargador   terá   um   gabinete,   incumbido   de   executar   os   serviços   administrativos   e   de   assessoramento   jurídico.   Os   servidores   do   gabinete,   de   confiança   do   desembargador,   serão   por   este   indicado,   e   designados   pelo   presidente  do  TRT.  O  horário  do  pessoal  do  gabinete,  observada  a  duração  legal  e   as  peculiaridades  do  serviço,  será  definido  pelo  desembargador.     A   instauração   de   processo   administrativo   contra   servidores   lotados   nos   gabinetes   ocorrerá   apenas   mediante   representação   do   desembargador   responsável.        

×