121023 07-wbeef-engorda-a-pasto-flávio-resende

857 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
857
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

121023 07-wbeef-engorda-a-pasto-flávio-resende

  1. 1. Pecuária do futuro??? Terminação de fêmeas no pasto: abordagens para produção de carcaças diferenciadas Dr. Flávio Dutra de Resende Pesquisador da Apta – Colina Prof. do PPG-Zootecnia da Unesp JaboticabalPólo Regional da Alta Mogiana Apta Regional
  2. 2. Introdução;Cenário de abates/tipo de animal abatido,Demanda do mercadoPadronização de carcaças;Terminação de fêmeas no pasto;Conclusões
  3. 3. POTENCIAL PARA PRODUÇÃO DE FÊMAS BOVINAS PARA ABATE1 . APROVEITAMENTO DE bezerras que não atingirem pesos metas paraserem classificadas como substitutas dos rebanhos de cria;2. Aproveitamento de novilhas que não alcançaram, no início da estação demonta, os pesos mínimos para acasalamento e novilhas que mesmo atingindoo peso mínimo, após a estação de monta não emprenharam.3. Vacas paridas que não repetiram prenhez, após desmamarem seusprodutos,4. Vacas que atingirem a idade acima da qual não se recomenda para areprodução,5. Fêmeas oriundas de cruzamento industrial
  4. 4. Tipo de animal abatido? 25 35 Macho castrado Macho inteiro Fêmeas 40 Fonte: MAPA
  5. 5. Figura – Padrões de animais abatidos (% do abate) Fonte: Pedroso
  6. 6. Média abate: 13,5@ 55,3% 36%Figura – Padrões de animais abatidos (% do abate) Fonte: Pedroso
  7. 7. Acabamento de gordura Idade
  8. 8. CLASSIFICAÇÃO DA PICANHANome Peso em Kg e Padrão de gorduraGrill 1,6 – gordura uniformeExtra 1,2 – 1,6 – gordura uniformeMaturada 0,9 – 1,4 – gordura uniformeResfriada Sem classificação de peso – com falha de gordura
  9. 9. Novilho Precoce – MS /Rede Carrefour de Supermercados/ Frigorífico Navicarnes Ltda O preço base estabelecido por esta Aliança tem como referência os índices da ESALQ/USP, praça de Campo Grande-MS PADRÕES REQUERIDOSFÊMEAS:Carcaça acima de 180kg (12@)de pesomorto.Acabamento mínimo de 3mm e máximode 10mm.Idade: Animais Cruzados até 30 meses,Nelore até 36 meses
  10. 10. Novilho precoce - MS/ Primo Corte/ Frigorifico Navi Carnes Ltda PADRÕES REQUERIDOSNOVILHAS:Carcaça acima de 180kg (12@) de pesomorto.Acabamento mínimo de 5mm degordura.Idade: Animais Cruzados – 30 meses.Animais Nelore – 36 meses.
  11. 11. Novilho Precoce MS/ Frigorifico JBS – Unidade 2 PADRÕES REQUERIDOSVACAS:Carcaça acima de 210 kg (14@) de peso morto.Acabamento mínimo de 5 mm de gordura.Idade: Livre.NOVILHAS:Carcaça acima de 180 kg (12@) de peso morto.Acabamento mínimo de 5 mm de gordura.Idade: Animais Cruzados – 30 meses.Animais Nelore – 36 meses..
  12. 12. A carcaça de fêmea ideal?  Animal jovem e lotes uniformes  Carcaça pesada  Carcaça com bom acabamento 16
  13. 13. % Fat in Gain vs. Rate of Gain 90 80 0.6 kg/d 1.0 kg/d 70 1.3 kg/d 60% Fat in Gain 50 40 30 20 10 0 200 250 300 350 400 450 500 Shrunk Body Weight, kg
  14. 14. Uso estratégico de suplementaçãoFOCO: Adequar manejo da pastagem
  15. 15. FOCO: Adequar manejo da pastagem 800 Sal Mineral 600 y = 15,183x + 77,094GMD (g/dia) 2 R = 0,868 Suplemento 400 y = -0,5097x2 + 35,311x + 124,53 2 R = 0,9198 200 5 15 25 35 21 Altura do dossel (cm) Fonte: Casagrande et al (2009)
  16. 16. Horário de Fornecimento do suplemento Suplemento: 0,3%PC 26%PB /82%NDT Fonte: Casagrande et al (2009)
  17. 17. Horário de Fornecimento do suplementoFigura – Frequência de pastejo em função do manejo do pasto e tipo de suplemento Fonte: Vieira (2011)
  18. 18. Horário de Fornecimento do suplemento Castro et al (2012)
  19. 19. Horário de fornecimento do suplemento Horário de menor frequência depastejo – primeiras horas da tarde 26
  20. 20. Recria: Tx lotação: 5,5; 4,2 e 3,4 UA/ha nos piquetes de 15, 25 e 35 cm Fonte: Vieira (2011)
  21. 21. Recria: Tx lotação: 5,5; 4,2 e 3,4 UA/ha nos piquetes de 15, 25 e 35 cm Fonte: Vieira (2011)
  22. 22. Fonte: Vieira (2011)
  23. 23. Fonte: Vieira (2011)
  24. 24. Fonte: Vieira (2011)
  25. 25. Fonte: Vieira (2011)
  26. 26. É possível produzir carcaças de fêmeas terminadas nopasto, porém para um bom bom acabamento dacarcaça é necessário fornecer + energia para osanimais
  27. 27.  Tratamentos Proteico Energético (3g/kg PC) Sal Mineral (ad libtum) Energético (7g/kg PC)
  28. 28. Peso corporal 345 KG Kg de SE animal/dia Kg de SPE animal/dia 2,430 kg de SE 1,040 kg de SPE 9,2% PB 25% PB 87% NDT 60% NDTKg de PB animal/dia Kg de PB animal/dia 0,224 kg de PB 0,260 kg de PBKg de NDT animal/dia Kg de NDT animal/dia 2,115 kg de NDT 0,624 kg de NDT
  29. 29. Tabela 1: Características da forragem em relação aos tratamentos TratamentosVariáveis P<F SM SPE SE Altura 22,1 23,7 25,9 0,491 Massa 6219 6200 6237 0,998 MVS 3912 3924 3881 0,982 MFV 2153 2351 2356 0,329 Castro et al (2012)
  30. 30. Tabela 3: Análise bromatológica de planta inteira e pastejo simulado TratamentosVariáveis P<F SM SPE SE MM_PI 11,00 11,10 10,40 0,682 PB_PI 6,71 6,81 6,52 0,876MS_PS 23,00 22,80 23,10 0,262MM_PS 9,34 8,81 8,68 0,101 PB_PS 12,27 12,30 12,10 0,864 Castro et al (2012)
  31. 31. % PB 16 14 14,05 A 13,38 A 12 12,04 B 11,1 B% PB 10 PB_PI 10,52 B PB_PS 8 6 6,59 A 6,79 A 6,45 A 6,67 A 6,92 A 4 23/11/10 15/12/10 12/01/11 09/02/11 09/03/11 Castro et al (2012)
  32. 32. Peso Corporal 450,0 410,0kg peso corporal 370,0 SM SPE 330,0 SE 290,0 250,0 21/12/10 15/12/10 12/01/11 09/02/11 09/03/11 06/04/11 Castro e Campos (dados não publicados)
  33. 33. Castro et al (2012)
  34. 34. Castro et al (2012)
  35. 35. PF SM 381 kgPI 281,5 kg PF SPE 411 kg PF SE 413kg Diferença a mais em PC em relação ao SM 8,4% a mais em relação ao SM 8,2 8,0 7,8 8,3% 8% 7,6 7,4 7,2 7,0 SPE SE Castro et al (2012)
  36. 36. Castro et al (2012)
  37. 37. Castro et al (2012)
  38. 38. RC SM 53,9 PCF 209 kg PF SM 381 kg PCI148 kg RC SPE 54,3 PCF 228 kgPI 281,5 kg PF SPE 411 kg RC 53% RC SE 55,5 PCF 234 kg PF SE 413kg Diferença a mais em PC em relação ao SM Diferença a mais em carcaça em relação ao SM 8,4 14,0% a mais em relação ao SM % a mais em relação ao SM 8,2 12,0 8,0 10,0 7,8 8,3% 8,0 11,8% 8% 7,6 6,0 9% 7,4 4,0 7,2 2,0 7,0 0,0 SPE SE SPE SE Castro e Campos (dados não publicados)
  39. 39. RC SM 53,9 PCF 209 kg PF SM 381 kg PCI148 kg RC SPE 54,3 PCF 228 kgPI 281,5 kg PF SPE 411 kg RC 53% RC SE 55,5 PCF 234 kg PF SE 413kg Diferença a mais em PC em relação ao SM Diferença a mais em carcaça em relação ao SM 8,4 14,0% a mais em relação ao SM % a mais em relação ao SM 8,2 12,0 8,0 10,0 7,8 8,3% 8,0 11,8% 8% 7,6 6,0 9% 7,4 4,0 7,2 2,0 7,0 0,0 SPE SE SPE SE Castro e Campos (dados não publicados)
  40. 40. GC 0,420 30% % 31 SPE GMD 0,967 GC 0,550 31,7% % 43PI 281,5kg GC 0,600
  41. 41. RG SM 0,569 kg 1kg RG SPE 0,573 kg 0,6% 0,004 RG SE 0,613 kg 7,7%134 dias 0,0445,78kg C R$ 37,00 (@ = 96,00) 82 kg milho 34 dias (25%)
  42. 42. RG SM 0,569 kg 1kg RG SPE 0,573 kg 0,6% 0,004 RG SE 0,613 kg 7,7%134 dias 0,0445,78kg C R$ 37,00 (@ = 96,00) 82 kg milho 34 dias (25%)
  43. 43. Impacto no crescimento muscular e acabamento Castro et al (2012)
  44. 44. Expessura de Gordura Área de Olho de Lombo 9 70 8 8,17 A 60 7 59,56 A 59,82 A 60,86 A 50mm cm² 6 6,40 B 40 EG AOL 5 30 4 4,64 C 20 3 10 2 0 SM SPE SE SM SPE SE Castro e Campos (dados não publicados)
  45. 45.  O suplemento proteico energético (3g/kg PC) e osuplemento energético (7g/kg PC) proporcionam maior GMD(30%) em relação ao sal mineral;A suplementação energética promove aumento dorendimento de carcaça e do rendimento do ganho em relaçãoao sal mineral e a suplementação proteica energética na fasede terminação de novilhas.
  46. 46. O mercado vem sinalizando por diferenciar carcaças defêmeas, principalmente jovem, com preferências paracarcaças entre 13 a 15@ e com acabamento uniformeA suplementação estratégica de fêmeas com foco nomelhor acabamento da carcaça promove benefícios diretos amesma, além de impactar no rendimento do ganho;Independentemente do sistema de produção, a análise dedesempenho animal deve levar em consideração o ganho emcarcaça uma vez que este é principal objetivo do sistema deprodução.
  47. 47. Venha conhecer – Sistema APTA/Colina de produção de gado de cortePólo Regional da Alta Mogiana Apta Regional
  48. 48. OBRIGADO PELA ATENÇÃO!!! Flávio Dutra de Resende flavio@apta.sp.gov.br flaviodutraderesende@gmail.com (17) 3341-1400Pólo Regional da Alta Mogiana Apta Regional

×