Rogério	  Costa	  
“Assim como todas as artes urbanas são hoje maisou menos guiadas pela luz da sciencia, assim tambemo devem ser as artes ru...
1:29 PM
Pressuposições	    Estacionalidade	  de	  precipitação;	    Sazonalidade	  climática;	    Preços	  lineares	  durante	 ...
Tradição	    Atividade	  de	  pecuária	  de	  corte	     tradicionalmente	  dividida	  em	  :	       Cria	       Recria...
Tradição	    Atividade	  de	  pecuária	  de	  corte	     tradicionalmente	  dividida	  em	  :	       Cria	       Recria...
Diversidades	  do	  sistema	  de	  produção	  
CURVA	  DE	  CRESCIMENTO	  DE	  BOVINOS	  DE	  DIFERENTES	  “FRAME-­‐SIZE”	      Fonte:	  Adaptado	  de	  OWNES	  (1993)	  
Pecuária	  de	  Corte	  –	  Nº	  de	               cabeças	  	                                       2003	          2004	 ...
Pecuária	  de	  Corte	                            2003	            2004	     2005	      2006	      2007	      2008	      2...
Taxas	  de	  abate	  
Pecuária	  de	  Corte	  –	  Rebanho	  de	  machos	  (x1000)	                                  Bezerros	   1	  a	  2	  anos...
Pecuária	  de	  Corte	  –	  Desaparecimento	  de	  machos	                                              1	  a	  2	  anos	 ...
Fonte:	  DBO	  jan/2011	  
Fonte:	  DBO	  jan/2011	  
Carga	  animal	  	          País	         Rebanho	  	         ha	  de	  pastagens	     Cab/ha	                         	  ...
Outras	  categorias	    Vacas	  de	  descarte	  (vazias);	    Primíparas;	    Nulíparas	  vazias;	    Bezerras;	    M...
Brasil	  -­‐	  Índices	  Zootécnicos	  
“Quer a engorda das rezes se faça pelo systema daspastagens, pelo estabular ou pelo mixto, segundo asituação agricola, nig...
GPM	  para	  abate	  com	  520	  kg	          Idade	     1	  a	  2	     2	  a	  3	     3	  a	  4	     	  4	  anos	        ...
Médias de três anos do ganho de peso diário de novilhos       em pastagens tropicais em diferentes épocas do ano (g/dia).	...
Perfil	  dos	  Confinamentos	  -­‐	  MS	            Nº	  cabeças	              2007	       2008	            0	  -­‐	  100	...
Pesos	   Fonte:	  ACRISUL	  (2010)	  
Tempo	          Fonte:	  ACRISUL	  (2010)	  
“Manejar um programa de pastejo é muito mais difícil que manejar um confinamento e desde que a produção animal é determina...
Pressuposições	    Dietas	  baseadas	  em	  volumoso;	    Desenvolvimento	  do	  conceito	  de	  agricultura;	    Inves...
“A população urbana, com seu poder eleitoral,será a que definirá as políticas quedeterminarão como se haverá de alimentar ...
www.exitorural.com.br	  rogerio@exitorural.com.br	  
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda o...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda ou o acabamento

332 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

[Palestra] Rogério Costa: Utilização do confinamento como estratégia da produção com outras atividades que não a engorda ou o acabamento

  1. 1. Rogério  Costa  
  2. 2. “Assim como todas as artes urbanas são hoje maisou menos guiadas pela luz da sciencia, assim tambemo devem ser as artes ruraes, que são as maiscomplexas, difficeis, uteis e importantes de todas asartes.O productor explora gados, tem direito a ser tãoconsiderado como o industrial o é hoje em todos ospaizes civilisados.” Dr. Annes Baganha, Tratado de Zoothecnia Moderna Porto - 1878
  3. 3. 1:29 PM
  4. 4. Pressuposições    Estacionalidade  de  precipitação;    Sazonalidade  climática;    Preços  lineares  durante  o  ano;    Possíveis  ataques  de  pragas  nas  pastagens;   Planejamento  
  5. 5. Tradição    Atividade  de  pecuária  de  corte   tradicionalmente  dividida  em  :     Cria     Recria     Engorda  
  6. 6. Tradição    Atividade  de  pecuária  de  corte   tradicionalmente  dividida  em  :     Cria     Recria     Engorda  
  7. 7. Diversidades  do  sistema  de  produção  
  8. 8. CURVA  DE  CRESCIMENTO  DE  BOVINOS  DE  DIFERENTES  “FRAME-­‐SIZE”   Fonte:  Adaptado  de  OWNES  (1993)  
  9. 9. Pecuária  de  Corte  –  Nº  de   cabeças     2003   2004   2005   2006   2007   2008   2009   2010   2011   Rebanho   174.999.462  176.114.432  175.055.670  170.522.697  168.330.347  169.896.954  173.268.726  174.090.818  175.000.000   Animais  Aba8dos   38.910.702   41.095.964   44.319.921   46.700.070   42.240.411   39.492.147   40.089.973   40.848.429   41.173.107   Confinamento   2.039.000   2.427.000   2.305.000   2.317.999   2.572.984   2.989.008   2.901.734   3.047.717   2.731.311   Semi-­‐confinamento   2.310.000   2.726.000   2.481.000   2.365.160   2.504.000   2.804.000   2.533.191   2.583.042   2.564.146  Pastagens  de  Inverno   813.000   830.000   872.000   849.990   805.000   893.000   806.754   822.943   830.482   Fonte  :  Anualpec  -­‐  2011  
  10. 10. Pecuária  de  Corte   2003   2004   2005   2006   2007   2008   2009   2010   2011   Animais   22,2%   23,3%   25,3%   27,4%   25,1%   23,2%   23,1%   23,5%   23,5%   Aba8dos  Confinamento   5,2%   5,9%   5,2%   5,0%   6,1%   7,6%   7,2%   7,5%   6,6%   Semi-­‐ 5,9%   6,6%   5,6%   5,1%   5,9%   7,1%   6,3%   6,3%   6,2%  confinamento  Pastagens  de   2,1%   2,0%   2,0%   1,8%   1,9%   2,3%   2,0%   2,0%   2,0%   Inverno   Pastagens     87%   85%   87%   88%   86%   83%   84%   84%   85%  Fonte  :  Anualpec  -­‐  2011  
  11. 11. Taxas  de  abate  
  12. 12. Pecuária  de  Corte  –  Rebanho  de  machos  (x1000)   Bezerros   1  a  2  anos   2  a  3  anos   3  a  4  anos   +  de  4  anos   2005   23.835   17.018   9.181   2.918   590   2006   23.539   17.605   8.910   2.667   490   2007   22.145   17.857   9.650   2.892   548   2008   22.393   17.014   10.073   3.332   698   2009   23.516   17.176   9.585   3.455   810   2010   24.410   17.888   9.375   3.191   823   Fonte  :  Anualpec  -­‐  2011  
  13. 13. Pecuária  de  Corte  –  Desaparecimento  de  machos   1  a  2  anos   2  a  3  anos   3  a  4  anos   +  de  4  anos   2005   29%   17%   22%   12%   2006   26%   22%   23%   12%   2007   25%   18%   25%   13%   2008   29%   12%   23%   12%   2009   28%   16%   19%   10%   2010   25%   20%   20%   7%  Fonte  :  Anualpec  -­‐  2011  
  14. 14. Fonte:  DBO  jan/2011  
  15. 15. Fonte:  DBO  jan/2011  
  16. 16. Carga  animal     País   Rebanho     ha  de  pastagens   Cab/ha    (X  1000)   (X  1000)   Brasil   200,8   171   1,17   EUA   93,7   238   0,39   Canadá   28   15,4   1,82   Austrália   27   380   0,07   Argen8na   48,7   99,8   0,49   UE   88,3   51,3   1,72   Fonte:  DBO  jan/2011  
  17. 17. Outras  categorias    Vacas  de  descarte  (vazias);    Primíparas;    Nulíparas  vazias;    Bezerras;    Machos  desmamados;    Garrotes;    Compras  racionais.    Menor  pressão  de  desempenho  
  18. 18. Brasil  -­‐  Índices  Zootécnicos  
  19. 19. “Quer a engorda das rezes se faça pelo systema daspastagens, pelo estabular ou pelo mixto, segundo asituação agricola, niguem de certo se entregará a estaempreza sem possuir o tacto commercial necessario, esem ter calculado as probabilidades do desejado lucro,calculo que se faz conhecendo o preço do animalmagro, o valor da forragem pastada ou consumida noestabulo, a guarda dos animaes e o preço das rezesgordas que se pode obter no mercado.” Dr. Annes Baganha, Tratado de Zoothecnia Moderna Porto - 1878
  20. 20. GPM  para  abate  com  520  kg   Idade   1  a  2   2  a  3   3  a  4    4  anos   anos   anos   anos   GPM   0,712   0,474   0,356   0,284  
  21. 21. Médias de três anos do ganho de peso diário de novilhos em pastagens tropicais em diferentes épocas do ano (g/dia).   Outubro   Dezembro   Março   Maio   Agosto   Média   Anual   Colonião   870   660   700   300   60   518   420   Tobiatã   820   720   710   340   90   536   450   Tanzânia   910   820   770   420   140   612   520  B.  Decumbens   820   580   520   480   180   516   375   B.  brizantha   815   650   590   400   110   513   390   Fonte: Adaptado de EUCLIDES (1997)  
  22. 22. Perfil  dos  Confinamentos  -­‐  MS   Nº  cabeças   2007   2008   0  -­‐  100     3,88%   2,70%   101  -­‐  500   30,10%   30,63%   501  -­‐  1000   20,39%   18,02%   1001  -­‐  2000   20,39%   19,82%   2001  -­‐  5000   13,59%   14,41%   5001  -­‐  10000   3,88%   5,41%   10001  -­‐  25000   3,88%   4,50%   25001  -­‐  50000   2,91%   4,50%   >  50000   0,97%   0,00%   Fonte:  ACRISUL  (2010)  
  23. 23. Pesos   Fonte:  ACRISUL  (2010)  
  24. 24. Tempo   Fonte:  ACRISUL  (2010)  
  25. 25. “Manejar um programa de pastejo é muito mais difícil que manejar um confinamento e desde que a produção animal é determinada pelo nutriente mais limitante, este deve ser corrigido, seguido pela correção dos outros fatores que vão se tornando limitantes.” NOLLER (1996)
  26. 26. Pressuposições    Dietas  baseadas  em  volumoso;    Desenvolvimento  do  conceito  de  agricultura;    Investimento  em  máquinas  ;    Capacitação  do  pessoal.  
  27. 27. “A população urbana, com seu poder eleitoral,será a que definirá as políticas quedeterminarão como se haverá de alimentar opovo e como se manejará a terra da nação”. Tom Lasater - 1934
  28. 28. www.exitorural.com.br  rogerio@exitorural.com.br  

×