Trabalho naime

297 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
297
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho naime

  1. 1. “Não é possível compreenderplenamente a política educacional nosEUA sem prestar bastante atenção àDireita Cristã.” Alberto Tosi Rodrigues
  2. 2. A “Nova Direita” populistaautoritária é excepcionalmentepoderosa e influente, vinda doenorme compromisso de seusativistas sua ampla basefinanceira, suas posiçõesretóricas populistas e suasagressividade no cumprimentode sua agenda. Embasa suas posições em visões particulares da autoridade bíblica, na “moralidade cristã” nos papéis de gênero e na família.
  3. 3. Na cabeça de tais grupos o ensinopúblico é uma espaço de enorme perigo.É exatamente este sentimento de “um controlealienígena e elitista”, a perda das conexões bíblicase a destruição das estruturas familiares e morais“dadas por Deus” que guia a agenda populistaautoritária.
  4. 4. O poder desse grupos é visível, por exemplo, na“autocensura” em que entram os editores. Napolítica de currículo dos estados isso é muitoclaro, no Texas, são recomendados textos queenfatizem o patriotismo a obediência à autoridadee que desencorajem o “ desvio”. Sua desconfiança das escolas públicas tem fomentado apoio às políticas neoliberais como as dos voucher(ingresso) e dos choice plans (planos de escolha).
  5. 5. Mesmo tendo uma percepção tendenciosa dos efeitos da competição global e da reestruturação econômica, eles veem as propostas para aprivatização educacional com um caminho pelo qual podem usartais “reformas” para seus próprios propósitos. Isto é exatamente o que está acontecendo nos Estados Unidos, onde as esperanças e especialmente os medos de uma categoria de eleitores descontentes tem criado uma aliança tensa, mas muito eficaz.
  6. 6. “O último grupo que oferece algum apoioas políticas de modernizaçãoconservadora.” Alberto Tosi Rodrigues
  7. 7. São pessoas com conhecimentos degerenciamento e técnicas de eficiência quefornecem base técnica e “profissional” para asresponsabilidades neoliberais e neoconservadoras.Os membros desta fração em ascensão não necessariamenteacreditam nas posições da base conservadora. Em outros aspectos de suas vidas podem ser consideravelmente mais moderados e liberais politicamente .
  8. 8. De qualquermodo, este grupo não está imune às artimanhasideológicas da direita. Essa fração está na verdade preocupada com a mobilidade futura de seus filhos e com o mundo econômico incerto.
  9. 9. “A restauraçãoconservadora é dirigidapor uma tensa coalizão de forças, sendo que alguns de seus objetivos contradizem em parte outros.”Alberto Tosi Rodrigues
  10. 10. Somente se há conteúdo e avaliação padronizadao mercado pode funcionar livremente. Aracionalidade do mercado, baseada na “escolha doconsumidor”, garantira que as escolassupostamente boas ganhem estudantes, e que asruins desapareçam.
  11. 11. Quando os pobres “escolherem” deixar seus filhos em escolas decadentes (devido a decadência e ao custo dotransporte, informação escassa, falta de tempo e condições econômicas decadentes) eles, os pobres, serão acusados de terem feitos más escolhas. Assim o sistemafunciona perfeitamente.
  12. 12. Contudo, está coalizão não permanece sem contestação nem é sempre vitoriosa. Háresultados de programas e possibilidades contra- hegemônicas.Nenhum desses movimentos tem o suporteorganizacional e financeiro que tem os gruposneoliberais, neoconservador e populistaautoritário.
  13. 13. O fato é que as políticas e práticas educacionais não caminham numa direção unidimensional.Todos estes grupos, não hegemônicos provam que a diferença de fato é possível, e que o sucesso das políticas conservadoras nunca é garantido.
  14. 14. Referências Bibliográficas:RODRIGUES, Alberto Tosi. Sociologia daEducação. Rio de Janeiro. DP&A, 2001

×