Segurança e medicina do trabalho aula4

478 visualizações

Publicada em

Aula 4 do módulo de Segurança do Trabalho.
Gerenciamento de riscos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segurança e medicina do trabalho aula4

  1. 1. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ÁREA DO GERENCIAMENTO DE PROJETO EM SEGURANÇA DO TRABALHO
  2. 2.  Revisão de conceitos de Segurança  Conceitos Básicos de SST  As Leis de Murphy  Função Empresarial de Segurança  Gerência de Riscos  Resumindo  Exercício
  3. 3.  Segurança  É a garantia de um estado de bem-estar físico e mental, traduzindo por saúde, paz e harmonia;  Segurança do Trabalho  É a garantia de um estado de bem-estar físico e mental do empregado, no trabalho para a empresa e se possível, fora do ambiente dela (viagem de trabalho, lar, lazer, etc.).  A Segurança do Trabalho é a parte do planejamento, organização, controle e execução do trabalho, que objetiva reduzir permanentemente as probabilidades de ocorrência de acidentes (parte de administração com objetivo de reduzir permanentemente os riscos).
  4. 4.  Linha de atuação para atingir a segurança:  Administração correta  Com pessoas capazes;  Com planejamento, organização e métodos eficazes;  Com supervisão atuante;  Que acredita em segurança;  Que apoie a segurança;  Conscientizar empregados e empregadores quanto à segurança.
  5. 5.  Atuação em áreas de riscos  Identificação;  Eliminação;  Controle;  Proteção do trabalhador;  Atendimento aos acidentados  Primeiros socorros;  Médico-hospitalar;  Psicológico;  Social.
  6. 6. "Acidentes ocorrem desde os tempos imemoriais, e as pessoas têm se preocupado igualmente com sua prevenção há tanto tempo. Lamentavelmente, apesar do assunto ser discutido com freqüência, a terminologia relacionada ainda carece de clareza e precisão. Do ponto de vista técnico, isto é particularmente frustrante, pois gera desvios e vícios de comunicação e compreensão, que podem aumentar as dificuldades para a resolução de problemas. Qualquer discussão sobre riscos deve ser precedida de uma explicação da terminologia, seu sentido preciso e inter-relacionamento.“ Willie Hammer
  7. 7.  Conceito de Acidente  Acidente é toda ocorrência não programada que pode produzir danos. É um acontecimento que não prevemos, e se prevemos, não sabemos precisar quando acontecer.  Um acidente pode acontecer:  Em milésimos de segundo, e  Em milímetros de espaço.
  8. 8.  Tipos de Acidente  Acidente Pessoal: ocorrências com pessoas.  Ex.: Queda de pessoa.  Acidente Material: ocorrências com materiais.  Ex.: Queda de um aparelho de medição.  Acidente Administrativo: ocorrência com a empresa (Pessoa Jurídica).  Ex.: Falência não programada de uma empresa.
  9. 9.  Conceito de Acidente de Trabalho  Temos vários conceitos de trabalho:  Conceito Legal;  Conceito Prevencionista;  Outros conceitos;  Conceito Legal Acidente é aquele que ocorrer pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, perda ou redução permanente ou temporária da capacidade laboral para o trabalho. Lei 8213, 24.07.1991
  10. 10.  Conceito Prevencionista Acidente é uma ocorrência não programada, inesperada ou não, que interrompe ou interfere no processo normal de uma atividade, ocasionando perda de tempo útil, lesões nos trabalhadores ou danos materiais.  Outros Conceitos de Acidente do Trabalho É a ocorrência, uma perturbação no sistema de trabalho que, ocasionando danos pessoais ou materiais, impede o alcance do objetivo do trabalho. Qualquer evento não programado que interfere negativamente na atividade produtiva e que tem cobertura da seguradora.
  11. 11.  Conceito de Dano  É a conseqüência negativa do acidentes, ou seja, é o produto ou resultado negativo do acidente (prejuízo).  Dano é a gravidade da perda  Humana, material, ambiental ou financeira, que pode ocorrer caso não se tenha controle sobre um risco.  A probabilidade e a exposição podem manter-se inalterados, e mesmo assim, existir diferença na gravidade do dano.  Os danos podem ser:  Pessoais: lesões, ferimentos, perturbação mental;  Materiais: danos em aparelhos, equipamentos;  Administrativo; prejuízo monetário, desemprego em massa.
  12. 12.  Conceito de Perda  Perda é o prejuízo sofrido por uma organização, sem garantia de ressarcimento através de seguros ou outros meios.  Conceito de Sinistro  Sinistro é o prejuízo sofrido por uma organização, com garantia de ressarcimento através de seguros ou outros meios.
  13. 13.  Conceito de Risco abordagem tradicional  Risco é tudo o que pode causar acidentes, ou seja, tudo com potencialidade ou probabilidade de causar acidentes.  De um modo geral:  Os riscos são visíveis nas tarefas, podendo ser eliminados ou controlados. Por vezes, o risco está oculto no processo que envolve a realização das tarefas.  Como podemos descobrir um risco?  Preventivamente: conhecimento, estudos, pesquisas, testes;  Corretivamente: após algum acidente.
  14. 14.  Tipos de risco:  Pessoal: o homem em si;  Material: condição insegura risco no ambiente, máquinas, equipamentos, ferramentas, etc.;  Administrativa: gerência, supervisão ou outros representantes; é o risco mais crítico da empresa.  Mais adiante, discutiremos novamente o conceito de risco.  Conceito de Causa (de acidente)  Causa é aquilo que provocou o acidente, sendo responsável por sua ocorrência, permitindo que o risco se transformasse em danos.
  15. 15.  A causa só passa a existir após a ocorrência do acidente. Antes do acidente Depois do acidente Risco Causas
  16. 16.  Tipos de Causas de Acidentes  Baseado na definição proposta por Heinrich (1931), temos 3 tipos de causas:  Ato Inseguro  Comportamento conscientes ou não, emitidos pelo trabalhador ou empresa que podem levar ao acidente.  São praticados por trabalhadores que desrespeitam regras de segurança, ou não as conhece devidamente, ou ainda que têm um comportamento contrário à prevenção.  Podem ser cometidos tanto por pessoa física quanto jurídica.  São cometidos por imprudência, imperícia ou negligência;
  17. 17.  Condição Insegura  Deficiências, defeitos ou irregularidades técnicas no ambiente de trabalho que constituem ou favorecem o aparecimento de riscos para o trabalhador e para os bens materiais da empresa.  Exemplos:  Ambiente mal iluminado;  Escritório com fios espalhados pelo chão;  Compressor ruidoso sem isolamento acústico;  Manuseio de reagentes químicos que desprendem gases, sem exaustão;  Recolhimento de lixo hospitalar;  Arranjo físico inadequado.
  18. 18.  Fator Pessoal de Insegurança  Problema pessoal do indivíduo que pode vir a provocar acidentes  Principais tipos  Problemas de saúde;  Problemas familiares;  Dívidas;  Alcoolismo;  Uso de Substâncias Tóxicas.
  19. 19.  Nesta definição, usaremos os conceitos de Perigo (Hazard) e Risco (Risk) como estão definidos na BSI OHSAS 18001 e na BS 8800, normas internacionais que tratam de Saúde e Segurança do trabalho.  Estes conceitos serão utilizados neste curso de Gerência de Riscos.
  20. 20.  Conceito de Perigo (Hazard)  Uma ou mais condições de uma variável com potencial necessário para causar danos tais como: lesões pessoais, danos a instalações e equipamentos, meio ambiente, perda de material em processos ou redução da capacidade produtiva.  Conceito de Risco (Risk)  Probabilidade de possíveis danos dentro de um período específico de tempo, podendo ser indicado pela probabilidade de um acidente multiplicada pelo impacto deste em valores monetários.
  21. 21.  Perigo x Risco  Perigo e Risco costumam ser aplicados como sinônimos em diversos casos até mesmo em leis e normas.  Uma terminologia é algo para ser seguido, e as pessoas devem ser rigorosas no seu uso.  Isso é particularmente requerido do especialista!  Desta forma, observemos que:  Identificamos PERIGOS; Avaliamos RISCOS.  Se falamos em PERIGOS, denotamos que apenas identificamos condições com potencial para causar danos.  Se alguém se manifesta em termos de RISCO, indica que, de alguma forma, já foram avaliadas consequências e probabilidade de ocorrência do evento gerador de danos.
  22. 22. Teoria dos Portadores de Perigo  Enfoque filosófico  Perigo é uma energia danificadora que quando ativada pode provocar danos corporais e/ou materiais, podendo estar associada tanto a pessoas quanto a objetos;  Pessoas e objetos podem ser portadoras de perigos em determinadas circunstâncias;  Se forem ativados repetidamente, tal perturbação caracteriza o acidente, que impede o alcance do objetivo;  Quando não há interseção entre as áreas, não há riscos
  23. 23.  Nível de exposição (Danger)  Relativa exposição a um risco que favorece a materialização do risco como causa de um acidente e dos danos resultantes deste.  O nível de severidade varia de acordo com as medidas de controle adotadas, ou seja:
  24. 24.  Desvio é qualquer ação ou condição que tem potencial para conduzir, direta ou indiretamente, a danos a pessoas, ao patrimônio ou causar impacto ambiental, que se encontre desconforme com as normas de trabalho, procedimentos, requisitos legais ou normativos, requisitos do sistema de gestão, ou boas práticas.
  25. 25.  O conceito de desvio é similar ao de perigo, mas com uma diferença sutil  Desvio está associado a uma não conformidade com requisitos pré-definidos, ou seja, é algo desconforme com o adequado.  O conceito de desvio é muito importante, pois inclui qualquer não-conformidade física ou comportamental.  Todo desvio é um perigo, mas alguns perigos, no entanto, não são desvios  Perigos naturais, ou aqueles oriundos de mudanças e processos inovadores, que (ainda) não estejam desconformes a normas e/ou requisitos.
  26. 26.  Desvios são usualmente evidenciados por inspeções in loco, sendo um importante conceito nas chamadas auditorias comportamentais.  Perigos podem ser identificados tanto in loco quanto por análise a priori (técnicas de análises de risco), que será vista nos próximos capítulos.  Quando ocorre um acidente, perigos ou desvios se tornam as causas do mesmo, que se encadeiam desde a origem das seqüências até o acidente em si e seus efeitos (danos ou perdas).
  27. 27.  Incidente é qualquer evento ou fato negativo com potencialidade para provocar dano, mas por algum fator não satisfeito, não ocorre o esperado acidente.  O incidente não manifesta danos significativos (também chamados visíveis ou macroscópicos).  O conceito de incidente surgiu nos anos 60, na aviação, e foi transportado na mesma época, para a indústria.
  28. 28.  “Se algo tem a menor possibilidade de dar errado dará”.  Não importa o quanto é difícil danificar um equipamento, alguém sempre vai achar uma maneira de fazê-lo.  Se algo pode falhar, essa falha deve ser esperada para ocorrer no momento mais inoportuno e com o máximo dano.  Mesmo na execução da mais perigosa e complicada operação, as instruções poderão ser ignoradas. (Murphy era um otimista...)  “A possibilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para o tapete é diretamente proporcional ao tamanho da sua fome”.
  29. 29. EVITAR ACIDENTE PARA: LEVANDO A: MANTER A CONTINUIDADE OPERACIONAL MAIOR RACIONALIZAÇÃO DO TRABALHO PRESERVAR A INTEGRIDADE FÍSICA E MENTAL DO TRABALHADOR AUMENTO DA PRODUTIVIDADE GARANTIR A SALUBRIDADE E SEGURANÇA DO PÚBLICO DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS
  30. 30. "Um músico deve compor, um artista deve pintar, um poeta deve escrever, caso pretendam deixar seu coração em paz. O que um homem pode ser, ele deve ser. A essa necessidade podemos dar o nome de auto-realização."
  31. 31.  Conceito  Conjunto de procedimentos que visa proteger a empresa das consequências de eventos aleatórios que possam reduzir sua rentabilidade, sob forma de danos físicos, financeiros ou responsabilidades para com terceiros.  Finalidade  Prevenir todos os fatos negativos que distorcem um processo de trabalho, impedindo que se cumpra o programado, podendo provocar danos e/ou perdas às pessoas, materiais, instalações, equipamentos e meio ambiente.  A Gerência de Riscos consiste em:  Identificação de Perigos;  Análise de Riscos;  Avaliação de Riscos;  Tratamento de Riscos.
  32. 32.  Processo de Decisão  Determinação da grandeza do risco;  Avaliação do risco;  Desenvolvimento de alternativas para tratamento do risco;  Seleção da melhor alternativa;  Aplicação de medida de controle.  Responsabilidades da Gerencia de Riscos  Identificação dos riscos;  Classificação dos riscos;  Avaliação dos riscos;  Geração, atualização e registro estatístico e relatórios;  Estabelecimento de uma política de riscos;  Busca da cooperação de todos os departamentos da empresa.
  33. 33.  Exercícios  1) Explique com suas palavras cada uma das fases da atuação em áreas de riscos: Identificação, Eliminação, Controle e Proteção do trabalhador.  2) Diferencie dano, perda e sinistro.  3) Diferencie risco e perigo.  4) O que é fator pessoal de insegurança? Cite exemplos.  5) Qual a finalidade da gerencia de riscos?  6) No seu entendimento ao considerar as Leis de Murphy quando da atividade de Gerenciamento de Riscos, a qual propósito pretendemos atingir.

×