NOBAS UPURTUNIDADES
Curso prático de Ilusionismo
Faça como
eu. É melhor
ser
engenheiro do
que servente.
Diploma, compensa
Faz valer a
tua esperteza.
Vai pedir um
Diploma.
Eu já o fiz
Se não tem o diploma que gostava de
ter, requisite-o no centro de novas
oportunidades mais próximo da sua
residência
Disponível um novo
curso.
Local: Alcochete
Portugueses
sem
Diploma
Este meu
diploma foi
uma “Nova
Oportunidade”
Este é o meu país !...
• ESTE É O MEU PAÍS !
• Não admira que num país assim, emerjam cavalgaduras, que chegam ao topo, di...
NOBAS UPURTUNIDADES
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

NOBAS UPURTUNIDADES

407 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
407
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NOBAS UPURTUNIDADES

  1. 1. NOBAS UPURTUNIDADES
  2. 2. Curso prático de Ilusionismo
  3. 3. Faça como eu. É melhor ser engenheiro do que servente.
  4. 4. Diploma, compensa
  5. 5. Faz valer a tua esperteza. Vai pedir um Diploma. Eu já o fiz
  6. 6. Se não tem o diploma que gostava de ter, requisite-o no centro de novas oportunidades mais próximo da sua residência
  7. 7. Disponível um novo curso. Local: Alcochete
  8. 8. Portugueses sem Diploma
  9. 9. Este meu diploma foi uma “Nova Oportunidade”
  10. 10. Este é o meu país !... • ESTE É O MEU PAÍS ! • Não admira que num país assim, emerjam cavalgaduras, que chegam ao topo, dizendo ter formação, que nunca adquiriram, que usem dinheiros públicos (fortunas escandalosas) para se promoverem pessoalmente face a um público acrítico, burro e embrutecido. Este é um país em que a Câmara Municipal de Lisboa, desde o 25 de Abril distribui casas de RENDA ECONÓMICA - mas não de construção económica - aos seus altos funcionários e jornalistas, em que estes últimos, em atitude de gratidão, passaram a esconder as verdadeiras notícias e passaram a "prostituir-se" na sua dignidade profissional, a troco de participar nos roubos de dinheiros públicos, destinados a gente carenciada, mas mais honesta que estes bandalhos. Em dado momento a actividade do jornalismo constituiu-se como O VERDADEIRO PODER. Só pela sua acção se sabia a verdade sobre os podres forjados pelos políticos e pelo poder judicial. Agora contínua a ser o VERDADEIRO PODER mas senta-se à mesa dos corruptos e com eles partilha os despojos, rapando os ossos ao esqueleto deste povo burro e embrutecido. Para garantir que vai continuar burro o grande cavallia (que em português significa cavalgadura) desferiu o golpe de morte ao ensino público e coroou a acção com a criação das Novas Oportunidades. Gente assim mal formada vai aceitar tudo e o país será o pátio de recreio dos mafiosos. A justiça portuguesa não é apenas cega. É surda, muda, coxa e marreca. Portugal tem um défice de responsabilidade civil, criminal e moral muito maior do que o seu défice financeiro, e nenhum português se preocupa com isso, apesar de pagar os custos da morosidade, do secretismo, do encobrimento, do compadrio e da corrupção. Os portugueses, na sua infinita e pacata desordem existencial, acham tudo "normal" e encolhem os ombros. Por uma vez gostava que em Portugal alguma coisa tivesse um fim, ponto final, assunto arrumado. Não se fala mais nisso. Vivemos no país mais inconclusivo do mundo, em permanente agitação sobre tudo e sem concluir nada. Desde os Templários e as obras de Santa Engrácia, que se sabe que, nada acaba em Portugal, nada é levado às últimas consequências, nada é definitivo e tudo é improvisado, temporário, desenrascado. Da morte de Francisco Sá Carneiro e do eterno mistério que a rodeia, foi crime, não foi crime, ao desaparecimento de Madeleine McCann ou ao caso Casa Pia, sabemos de antemão que nunca saberemos o fim destas histórias, nem o que verdadeiramente se passou, nem quem são os criminosos ou quantos crimes houve. Tudo a que temos direito são informações caídas a conta-gotas, pedaços de enigma, peças do quebra-cabeças. E habituámo- nos a prescindir de apurar a verdade porque intimamente achamos que não saber o final da história é uma coisa normal em

×