Matriz curricular-6-ano-marista

822 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
822
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Matriz curricular-6-ano-marista

  1. 1. 01 Direção: Profª Renata Teixeira Junqueira Freire Vice Direção Administrativa: Márcio Lóes Alcalá Coordenação Pedagógica Educação Infantil e 1º Ano Ensino Fundamental I Profª. Hevelyn Tatiane Silva Barcelos Campelo Coordenação Pedagógica Ensino Fundamental I: Profª. Marta Candido Moreira Coordenação Pedagógica Ensino Fundamental II: Profª. Adriene Cristina Pontes Alves Silva Coordenação Pedagógica Ensino Médio: Profª. Neusi Rosa Gonzaga Oliveira
  2. 2. 02 NOSSA MISSÃO A Missão da UBEE-UNBEC é educar e evangelizar crianças e jovens, fundamentada em São Marcelino Champagnat, para formar cristãos e cidadãos comprometidos na construção de uma sociedade sustentá- vel, justa e igualitária. VISÃO DE FUTURO Ser referência nacional em educação, pastoral e ação social, reconhe- cida por: • Excelência acadêmica e formação em valores • Empreendedorismo educacional, social e cultural • Desenvolvimento do protagonismo infanto-juvenil • Gestão profissional e estratégica • Forte identidade e imagem institucional • Efetiva articulação com a comunidade eclesial e a sociedade. PROPOSTA CURRICULAR Senhores pais, Ao apresentarmos a proposta curricular 2010 queremos ressal- tar a importância da parceria entre a família e a escola. Somos parcei- ros na tarefa educativa. Que sejamos aliados. Que possamos compre- ender a escola, como uma instituição de precioso valor na formação de nossas crianças e jovens. Nosso projeto educativo integra o desenvolvimento dos nossos
  3. 3. 03 alunos na dimensão formativa e informativa. Ou seja, queremos ga- rantir uma excelente formação acadêmica, que permita o desenvolvi- mento das diferentes capacidades de nossos alunos; intelectuais, só- cio-afetivas e psicomotoras. Uma escola, que realmente, possa solidi- ficar bases necessárias para o sucesso futuro de nossos alunos na car- reira profissional, que escolherem. Ao mesmo tempo, consideramos de extrema importância, a formação de valores, como a defesa da jus- tiça social, da solidariedade, do amor ao próximo. Consideramos a fé, como alicerce para a força interior e estruturação humana. Assim, ser, conviver, refletir, sentir, construir , expressar, são ações que se tor- nam princípios e perspectivas de nosso trabalho. Precisamos formar profissionais, mas profissionais que sejam pessoas humanas, equilibradas e felizes. Contamos com a confiança e a parceria efetiva durante o ano, para que os conteúdos trabalhados, sejam realmente instrumentos para o desenvolvimento intelectual e humano de nossos alunos. Recebam o nosso abraço fraterno. Márcio Alcalá Vice-diretor Administrativo Renata Teixeira Junqueira Freire Diretora
  4. 4. Querido(a) aluno(a) Ao entregarmos a proposta curricular 2010 destacamos a importân- cia da sua participação e compromisso para o sucesso do nosso projeto educativo. Assim se constitui de fundamental importância a sua responsabili- dade em aspectos como: Pontualidade e assiduidade Participação efetiva nas aulas Estudo e cumprimento das tarefas de casa Empenho nas avaliações e atividades pedagógicas Postura de aprendiz, ou seja, a demonstração do desejo de apren- der, de buscar, de querer aprender. Neste caderno estão importantes informações sobre a programação curricular que será desenvolvida em 2010. Conheça o que será estudado, acompanhe nosso trabalho e traga suas perguntas, ideias e sugestões. Lembre-se que na sua caminhada como estudante, você contará com as nossas orientações, apoio e confiança. Conte conosco! O seu sucesso é o nosso sucesso! Renata Teixeira Junqueira Freire AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM “Queremos cabeças bem cheias ou bem feitas? Alunos alegres ou instruídos? Um desen- volvimento global ou aquisição de noções? Queremos interiorizar normas ou desenvol- ver a criatividade e a autonomia? PERRENOUD, Phillipe Nas disposiçõe gerais do Capítulo II do artigo 21, Lei 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), constam, entre os critérios, para 04
  5. 5. 05 a verificação do rendimento escolar na Educação Básica: — A avaliação contínua e cumulativa do desempenho do educando, destacando-se os aspectos, qualitativos e os resultados no processo sobre os quantitativos e os das provas finais; — Os estudos de recuperação obrigatórios e preferencialmente pa- ralelos ao período letivo. Assim, em consonância com o que determina a lei e, de acordo com a concepção de ensino-aprendizagem adotada no Colégio Marista Diocesano, organizamos o processo de avaliação da seguinte forma: a) Os períodos de avaliação A avaliação é durante todo o processo de ensino aprendizagem, por meio de instrumentos formais e estratégias informais de observação e in- terpretação qualitativa das habilidades, competências e conhecimentos construidos pelo educando. Os alunos realizam semanalmente provas escrita, individuais, con- forme cronograma apresentado no início de cada etapa letiva. Além das provas individuais semanais, desenvolvem-se atividades e projetos interdisciplinares, trabalhos individuais, estudos dirigidos, debates, semi- nários, pesquisas, entre outros. Às três etapas letivas, determinadas no calendário escolar anual, correspondem os períodos de avaliação da aprendizagem e a distribuição de pontos, a saber: 1ª etapa: 30 pontos 2ª etapa: 30 pontos 3ª etapa: 40 pontos No final do ano letivo, será considerado aprovado o aluno que: tiver frequência igual ou superior a 75% do cômputo geral da car- ga horário oferecida na série; obtiver, em cada disciplina, total igual ou superior a 60% da soma dos pontos distribuídos ao longo do ano letivo. Quanto à avaliação do aluno no aspecto processual e qualitativo con
  6. 6. sidera-se o Conselho de Classe o órgão legalmente instituído (conforme Regimento do Colégio Marista) para a sua realização. b) Os estudos de recuperação Com o objetivo de oferecer ao aluno outras possibilidades de cons- trução da aprendizagem de conteúdos e competências, realizam-se os es- tudos de recuperação paralela e recuperação final. O processo de recuperação se desenvolve em sistema de monitoria, por disciplina, durante a etapa letiva, e realização de provas, após o encer- ramento da etapa. Os estudos de recuperação poderão ser realizados em todas as dis- ciplinas em que o estudante não atingiu a média mínima necessária. Com o objetivo de buscar a recuperação de conteúdos e notas assim se distribuem os pontos dos estudos de recuperação que anulam os pon- tos obtidos em cada etapa. 1ª etapa: 30 pontos 2ª etapa: 30 pontos Recuperação Final: 100 pontos Entre a nota da etapa e a da recuperação, prevalece a maior nota, observando-se o limite da média (60%). O aluno pode obter, como resultado máximo da recuperação final e do respectivo ano letivo, o correspondente à média: 60% do total distribu- ído durante o ano. SÃO FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NO COLÉGIO MARISTA DIOCESANO DE UBERABA. Diagnosticar: caracterizar o aluno quanto aos seus interesses, ne- cessidades, conhecimentos e habilidades; identificar dificuldades e possí- veis causas; Retroinformar: oferecer subsídios para replanejamento do trabalho docente; Estimular o desenvolvimento individual do aluno, a partir do seu 06
  7. 7. autoconhecimento; Verificar o rendimento escolar com vistas à certificação da aprova- ção para a série seguinte. No contexto do programa de Educação Integral, desenvolvido no CMDS, consideramos a importância de diferentes tipos de aprendizagem, além dos aspectos conceituais inerentes à cada disciplina escolar. Aborda- mos e avaliamos, portanto, o conhecimento do aluno nas seguintes cate- gorias: a) A avaliação dos conteúdos atitudinais, feita pela observação sis- temática dos alunos através de opiniões emitidas e de suas atuações nas atividades grupais, nos debates, nas assembléias, nas manifestações dentro e fora de sala de aula, nas atividades de campo, excursões, nas distribui- ções das tarefas e responsabilidades, durante o recreio, nas atividades esportivas, etc. b) A avaliação dos conteúdos procedimentais, que implicam no sa- ber fazer, isto é, se dá quando verificamos o desempenho do aluno na aquisição do saber dialogar, debater, fazer pesquisa, trabalhar em equipe, utilizar instrumentos. c) A avaliação dos conteúdos conceituais, que se situam, especial- mente, dentro das capacidades cognitivas. A metodologia que adotamos para avaliação da aprendizagem dos conceitos é o domínio deles expresso por meio de representações por escrito, utilizando de habilidades cognitivas de progressiva complexidade, tais como: transferência, dedução, classifi- cação, inferência, análise, síntese, julgamento, etc. 07
  8. 8. 08 6º ANO HISTÓRIA INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: EntenderaHistóriacomooestudodossereshumanosemsuasrelações sociais sob diferentes tempos e espaços, perceber as experiências humanas em seu constante processo de transformação fazendo com que os homens sejam sujeitos e produtos da História, perceber o movimentoeadiversidade,estabelecendocomparaçõesentregrupos esociedades,situar-sediantedaspermanênciasemudanças,rupturas e continuidades. Objetiva-se que os alunos possam ampliar suas capacidades lançando um novo olhar sobre as múltiplas possibilidades da sociedade e dos processos de compreensão humana e desenvolvendoaautonomiaeacompreensãodarealidadeedescubra- se como participante e co-responsável na vida social. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Que história é essa? Os diferentes significados da palavra “história” Tempo e história Divisões da história A pré-história Havia história “antes da História”? O Estudo da Pré-História A origem do ser humano A evolução do ser humano
  9. 9. 09 Os períodos da Pré-história Grandes mudanças: agricultura, domesticação e metalurgia. O homem chega à América Os primeiros habitantes da América A origem dos primeiros povos americanos Os períodos da Pré-História americana A diversidade das sociedades americanas O povoamento do atual território brasileiro Os indígenas do Brasil Quando começou a nossa história? Os grupos indígenas do Brasil Modos de vida, crenças e mitos A História dos povos indígenas hoje A civilização egípcia O que é uma civilização? A origem da civilização egípcia Uma hipótese sobre o surgimento do Estado no Egito A divisão social e a economia no Egito antigo Os períodos da história egípcia Religião, ciência e arte As civilizações da Mesopotâmia Mesopotâmia: “região entre rios” Povos e impérios da Mesopotâmia Assírios e caldeus - origem de dois grandes impérios Economia, sociedade e política
  10. 10. 10 Alguns aspectos culturais Hebreus, Fenícios e Persas Semitas e Indoeuropeus Os Hebreus A versão bíblica da História dos Hebreus Divisão e dispersão dos Hebreus Os Fenícios Os Persas As primeiras civilizações da América A América antes de Colombo As primeiras civilizações da Mesoamérica Os Maias Os Astecas As civilizações andinas Origens da Grécia antiga As relações de poder ontem e hoje A Grécia Antiga O período Pré-Homérico: a civilização cretense O período Homérico O período Arcaico e as polis A Grécia clássica O período Clássico A sociedade Espartana A sociedade Ateniense As leis e a política em Atenas
  11. 11. 11 A trajetória grega: do clássico ao helenismo A cultura da Grécia antiga As guerras Médicas e a hegemonia ateniense As guerras do Peloponeso e o período Helenístico A religiosidade na Grécia antiga As artes na Grécia antiga A filosofia e ciência A cultura helenística Roma: Da Monarquia à República Origens da civilização romana A Monarquia romana A República romana Sociedade e conflitos O expansionismo romano A crise da República O império romano O Império romano O Triunvirato e a ditadura de César O Alto Império Dinastias do Alto Império O Baixo Império Aspectos culturais da Roma antiga A civilização da Índia e da China Índia: primórdios da civilização Os Vedas e as invasões dos Persas As dinastias Máuria e Gupta China
  12. 12. 12 Antigas dinastias A China Imperial INGLÊS INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: A área tem como objetivo principal que o educando perceba o texto em sua função sociocomunicativa, por isso privilegia o estudo da estrutura das características e da finalidade de diversos gêneros textuais. Espera-se que ele interaja com o texto como seu interlocutor e,portanto,escolhaentreaspossibilidadesdalínguainglesa,asformas apropriadasàsdiversassituaçõesdecomunicação.Comoleitor,deseja- se que o aluno ouça, analise, interprete, avalie e critique as produções de fala e de escrita do outro; como produtor de texto, que expresse seupontodevista,comclarezaeobjetividade,considerandoasituação comunicativa e o ponto de vista do interlocutor. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Basic Level ( Nível 1) Present tense TO BE/ Possessive Adjectives/Personal Pronouns Cardinal Numbers ( 1 to 10)/Countries/Cities. Present Tense TO BE/Possessive Adjectives/Personal Pronouns/ Wh-questions: WHAT, WHERE, HOW/ Cardinal Numbers (11 to 20). Possessive Adjectives/Personal Pronouns/ A-AN/ Singular and Plural nouns/Nationalities/Occupations/Food. Prepositions of place: in-on-under/Present tense TO BE: Yes/No questions and WH-questions/Colors/Everyday objects/School objects.
  13. 13. 13 Possessive (‘s) /Possessive Adjectives/ This-That-these-those/ Alphabet/Family numbers. Question words/Personal Pronouns/Possessive adjectives/ Present tenseTO BE/Cardinalnumbers (21-101)/Months/Sports. Present tense TO BE: affirmative-negative-interrogative/ Adjectives describing feelings. Adjectives/School subjects/Days of the week. There is-are/ Some-any/ Places in a town/weather/parts of the house & furniture. Imperative(aff.andneg.)/Spellingofpluralnouns(-s/-esendings)/ weather Can (request)/ School related words. Advanced Level ( Nível 2) Welcome Unit – Verb to be am-is-are)/The Alphabet/Greetings/ Numbers 1 to 20/ Spelling/School Objects & classroom commands. Question words: What-where & how old/ preposition from/ Possessive Adjectives: my and your/ Verb to be ( aff. )/subject pronouns (I-you-he-she)/Where + to be/Verb to (int.) and short answers/ Subject pronoun: it/ Question words: when and how/ Preposition in + month/Countries and nationalities/Colors/ Months of the year. Verb to be ( neg.)/ Subject pronouns: we and they/verb to be and short answers/Possessive Adjectives: my-his-her-our and their? Parts of the body/ Adjectives (physical characteristics and personality)/Occupations/Sports/Adjectives/Opinionadjectives/ Titles ( Mr./Miss, Mrs./ Ms.).
  14. 14. 14 Demonstrative pronouns: this – that and these - those/Indefinite articles:aandan/Possessive (‘s)/ Let’s + verb/Conjunctions:and- but/School objects/Personal objects/Objects. There is – there are (aff.- neg.-int.) + short answers/ Where is- are…?/Prepositions of place/Any and no/Question word: how many…/ Pronoun: none/ school and neighbors facilities/objects/ numbers 20-50. Possessive(‘s–‘)/regularandirregularplurals/wordorder/have- has/What about + noun or verb + ing/ There is-are vs. have-has/ family members/parts of the body/ Chunks: go & play + activities and sports/Occupations. Verbs: love-like, don’t like, hate/have x don’t have/prepositions of time: in –on- from… to-at/ Question words: When…? What time…?/School subjects/days of the week/periods of the day/ hours – a.m. – p.m./Sorry-no problem/that’s all right Present simple (aff) + subject pronouns I-you-we and they./ Sequences: first-then-after that/Present simple(int.) + short answers with subject pronouns I-you-we and they/ Prepositions : by and on/Present simple (neg.) + subject pronouns: he and she/ every day activities/meals/outdoor activities and sports/ Acronyms/ Chunk: how do you go to…?/Collectables/Pets PresentSimple(aff.)/subjectpronounsHeandshe/Presentsimple (int.) + short answers/subject pronouns: he, she and it/adverbs of frequency: always, often, sometimes and never/position of adverbs of frequency/verbs/adjectives/weird pets.
  15. 15. 15 LÍNGUA PORTUGUESA INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: A área tem como objetivo principal que o educando perceba o texto em sua função sociocomunicativa, por isso privilegia o estudo da estrutura das características e da finalidade de diversos gêneros textuais. Espera-se que ele interaja com o texto como seu interlocutor e, portanto, escolha entre as possibilidades da língua materna, as formasapropriadasàsdiversassituaçõesdecomunicação.Comoleitor, deseja-se que o aluno ouça, analise, interprete, avalie e critique as produções de fala e de escrita do outro; como produtor de texto, que expresse seu ponto de vista, com clareza e objetividade, considerando a situação comunicativa e o ponto de vista do interlocutor. Em relação à Literatura, objetivam-se o desenvolvimento pelo gosto da leitura e a apreciação, da dimensão estética dos textos literários. É importante também que o aluno reconheça a literatura como forma de expressão estética de sentimentos humanos e valores sociais, produto de um trabalho do homem historicamente situado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS: Linguagemoral Leitura oral: expressividade, entonação, musicalidade, dicção (poema, relato pessoal, notícia, reportagem). Interpretação do texto oral, considerando a polissemia, a ambiguidade e a subjetividade do discurso. Análisedasintençõesexplícitas,inferênciadasintençõesimplícitas do enunciador e posicionamento crítico em relação às vozes do discurso.
  16. 16. 16 Argumentação e contra-argumentação com consistência e objetividade. Elaboraçãode síntesesoraisapartirdaescutadeideiasedebates, teses e opiniões e / ou a partir de leituras diversas. Linguagemescrita Gêneros textuais: conto maravilhoso, resumo, relato pessoal, e- mail, diário, cartaz, receita, fábula, poema (contato e uso), propaganda, história em quadrinhos / tirinha, esquema, pequenos textos de opinião. Análise e reflexão sobre a língua Características dos gêneros textuais. Análise das sequências discursivas: descrição e narração Variação linguística Léxico: sinonímia. Ambiguidade Linguagem conotativa Fato / opinião Ortografia Análise do efeito de sentido decorrente do uso de pontuação expressiva Morfossintaxe: Relações morfossintáticas (determinantes e determinados) Classes de palavras: substantivo, adjetivo e locução adjetiva, pronome, numeral, artigo Concordância nominal
  17. 17. 17 Correlação de termos referentes REDAÇÃO INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: A área tem como objetivo principal que o educando perceba o texto em sua função sociocomunicativa, por isso privilegia o estudo da estrutura das características e da finalidade de diversos gêneros textuais. Espera-se que ele interaja com o texto como seu interlocutor e, portanto, escolha entre as possibilidades da língua materna, as formasapropriadasàsdiversassituaçõesdecomunicação.Comoleitor, deseja-se que o aluno ouça, analise, interprete, avalie e critique as produções de fala e de escrita do outro; como produtor de texto, que expresse seu ponto de vista, com clareza e objetividade, considerando a situação comunicativa e o ponto de vista do interlocutor. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Linguagemoral Leitura oral: expressividade, entonação, musicalidade, dicção. Interpretação do texto oral, considerando a polissemia, a ambiguidade e a subjetividade do discurso. Percepção das intencionalidades discursivas ao analisar as informações explícitas e implícitas, as inferências e os pressupostos,alémdeposicionamentocríticoemrelaçãoàsvozes do discurso. Argumentação e contra-argumentação com consistência e objetividade.
  18. 18. 18 Elaboraçãodesíntesesoraisapartirdaescutadeideias,debates, teses e opiniões levando-se em conta leituras diversas. Linguagem escrita – Produção de textos Reconhecimento e caracterização dos tipos de textos: narrativo, descritivo, dissertativo, injuntivo e preditivo Reconhecimento e caracterização dos diversos gêneros textuais: conto maravilhoso, resumo, relato pessoal, e-mail, diário, cartaz, receita, fábula, poema, propaganda, história em quadrinhos/ tirinha, esquema, pequenos textos de opinião Produção de textos com clareza e objetivadade Adequação da linguagem ao interlocutor e à situação Apresentação de textos levando-se em conta a legibilidade, a organização espacial, a correção e a pontuação Elaboração de textos com coerência, coesão, continuidade, considerando-se o tipo e o gênero textual proposto, tendo em vista um possível leitor Segmentação do texto em parágrafos Transposição da linguagem não-verbal para a verbal e vice-versa Relacionamento entre linguagem verbal e não-verbal na elaboração de textos. MATEMÁTICA INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: Asreflexõessobreoconhecimentomatemático,suanatureza,seupapel na sociedade hoje, sua construção individual e coletiva trazem para a educação o desafio de refletir a respeito da colaboração que a
  19. 19. 19 Matemática tem a oferecer com vistas à formação da cidadania. Ou seja, sua contribuição para a constituição de condições humanas de sobrevivência, inserção das pessoas no mundo do trabalho, das relações sociais e da cultura, com o desenvolvimento de posicionamento crítico e propositivo diante das questões sociais. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Números e Operações Operações fundamentais no Conjunto dos Números Naturais (N) Potenciação, raiz quadrada e expressões numéricas Média aritmética Múltiplos e divisores Divisibilidade e seus critérios Números Primos Cálculo de MDC e MMC Forma fracionária dos números racionais e suas operações Relaçãoentreasrepresentaçõesfracionária,decimalepercentual Geometria Ideia de ponto, reta e plano Ângulos: Definição e construção Regiões planas Polígonos Triângulos e quadriláteros Perímetro de um polígono Áreas das figuras planas
  20. 20. 20 Sólidos geométricos Volume do paralelepípedo retângulo Grandezas e Medidas Medida de tempo Medida de ângulo Unidades de medida de comprimento Unidades de medida de superfície Unidades de medida de volume Unidades de medida de capacidade Relação entre volume e capacidade Obs: Os conteúdos são trabalhados com ênfase na resolução de problemas, envolvendo o cotidiano do aluno. GEOGRAFIA INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: Levar o aluno a compreender e explicar as relações da sociedade com o meio em que vive, a partir de conceitos, imagens, dados estatísticos, categorias e procedimentos básicos que fundamentam a ciência geográfica. Além disso, permitir a capacidade de instrumentalizar o espaço geográfico no qual as relações se harmonizem em busca de uma sociedade justa, cidadã e ciente da importância da preservação do espaço geográfico. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Desvendando paisagens e compreendendo o mundo
  21. 21. 21 Paisagem, espaço e lugar O trabalho humano e a alteração do espaço geográfico A importância da Cartografia e a linguagem cartográfica. Orientação no espaço geográfico (rosa dos ventos, coordenadas geográficas, latitude, longitude, hemisférios e outros). O Planeta Terra Características gerais do planeta Terra A estrutura interna da Terra e os grandes acontecimentos geológicos As formas de relevo e os agentes formadores Os rios e as bacias hidrográficas Os climas As grandes paisagens vegetais Atuaçãodohomem O espaço rural, suas paisagens e transformações O espaço humano, suas paisagens e transformações O extrativismo e a agropecuária Indústria, comércio e prestação de serviços As fontes de energia ARTE INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: O ensino de arte visa uma proposta educativa integrada, onde as diferentes linguagens e formas de expressão artística possibilitem a
  22. 22. 22 formação de crianças e jovens mais críticos esteticamente e culturalmente, além de oportunizar experiências que desenvolvam a criatividade e a sensibilidade através do olhar artístico. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Eixos do Conteúdo Arte e Vida Arte e Linguagem Arte na Construção da Identidade do Homem Perceber manifestações artísticas em nosso dia-a-dia. Valorizar a arte como manifestação cultural e forma de comunicação entre os povos. Reconhecer os diferentes contextos da arte. Reconhecer a presença da arte e suas relações sociais, culturais, religiosas e estéticas. Perceber e reconhecer elementos da composição plástica e artística em geral. Observar e reconhecer as diferentes formas de registro da figura humana em movimentos artísticos e atividades de expressão. ReconhecerosprimeirosprodutoresdeartenoBrasilenomundo Arte na Antiguidade, Arte Indígena, Arte Rupestre. Produzir atividades artísticas, individuais e em grupos, a partir dos conteúdos estudados Relacionar arte e religiosidade, arte e ciência, arte e expressão de sentimentos, arte e manifestação de protesto e crítica.
  23. 23. 23 CIÊNCIAS INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: EnvolveasdisciplinasdeCiênciasdoEnsinoFundamentalIeII(Ciências Naturais, de acordocom os PCN’s), Biologia, Física e Química do Ensino Médio. Temos substituído a visão puramente lógica por uma participaçãoefetivadoalunonoprocessodeaprendizagem.Sãocriadas condições para que o aluno identifique problemas, a partir de observações sobre um fato, proponha e teste hipóteses, podendo ou não refutá-las. Trata-se de permitir que o aluno possa “redescobrir” o que a ciência já conhece. Adequados a cada nível, os temas: meio ambiente, saúde e tecnologia são sempre abordados e, quando possível, de forma inter e transdisciplinar. Entendemos que valorizar o conhecimento da natureza é permitir ao alunoposicionar-semelhorfrenteaosdesafioscrescentes,emespecial, o de um modelo para o desenvolvimento sustentável e os avanços da biotecnologia. Outra ação que é desenvolvida pela área é o incentivo a leitura e interpretação de textos de cunho científico e a aplicação dos conhecimentos de Biologia, Física e Química na compreensão dos fenômenos naturais. Atividade relevante desenvolvida pela área são as aulas práticas – laboratórios de Ciências, Biologia, Física e Química. As aulas práticas permitem reforço e auxílio ao desenvolvimento dos conteúdos aplicadosemsaladeaula,inclusivecomodesenvolvimentodeprojetos científicos que, em geral, são expostos durante a Mostra de Ciências e Tecnologia.
  24. 24. 24 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Ecologia Fatores bióticos e fatores abióticos presentes no ambiente Cadeias e teias alimentares Sol como fonte de energia básica para a manutenção da vida Fotossíntese como processo de produção de matéria orgânica e de gás oxigênio Situações de desequilíbrios nas teias alimentares em função das mudanças de ambiente Decomposição pela atividade trófica de bactérias e fungos Relações entre os seres vivos no ambiente Solo O interior da Terra Tectonismo de placas e suas consequências Rochas: sua utilização e dos minerais pelo homem Petróleo:fontedeváriassubstânciasemateriais(plástico,fibras, combustíveis, etc) Solo: formação, tipos, importância, problemas, uso consciente e técnicas de melhoria Lixo: destinação, problemas ambientais e sociais, consciência e processos de tratamento, reciclagem ou reutilização Saúde: manutenção e prevenção de verminoses Água Água: características, propriedades, uso e qualidade Mudanças de estado físico
  25. 25. 25 Natureza ciclíca das transformações da água na natureza. Ponto de fusão e de ebulição: pressão atmosférica e altitude Tratamento da água: ETA e ETE Propriedades físicas da água: pressão, vasos comunicantes, princípio de Pascal Água como fonte de energia Saúde, contaminação e poluição da água: manutenção e prevenção de doenças Ar Ar: presença, composição, características e qualidade Camadas atmosféricas: as propriedades, ar rarefeito, altitude e pressão atmosférica Propriedades dos principais gases da nossa atmosfera Poluição atmosférica: alterações na composição do ar atmosférico devido à emissão de substâncias, partículas e outros materiais produzidos por agentes poluidores Efeito estufa, destruição da camada de ozônio, chuva ácida e inversão térmica Propriedades físicas do ar: pressão atmosférica, compressibilidade e elasticidade Previsão do tempo: aparelhos de medição, massas de ar e temperatura Saúde: manutenção e prevenção de doenças Universo Sistema solar: planetas, satélites, meteoros, cometas e demais astros
  26. 26. 26 Estrelas e galáxias Planeta Terra: rotação, translação e eclipses Feira de Ciências Pesquisa, criatividade, invenção e vocação científica SERVIÇO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR ( SEFE) INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: Contribuir para a formação integral e para a qualidade de vida dos alunos, possibilitando uma reflexão sobre suas potencialidades corporais. Assim, por meio do desenvolvimento de sua autonomia, o aluno poderá exercer sua função de integrante, dependente e agente transformador da sociedade, dentro de uma vivência cristã e culturalmente significativa. Dessa forma, será considerado o todo: os aspectos sociais, psicoafetivos, emocionais e corporais, de maneira interligada. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Núcleos estruturadores e estruturantes do currículo: Corpo Identidade Estrutura e funcionamento Saúde Jogos e Brincadeiras Contextualização sócio-histórica e cultural Características
  27. 27. Regras Técnicas Táticas Esporte Contextualização sócio-histórica e cultural Características Regras Técnicas Táticas Basquete Futsal Futebol de campo Voleibol Peteca Atletismo Jogos de salão: dama, xadrez e tênis de mesa Ginástica geral e de solo Contextualização sócio-histórica e cultural Características Princípios e normas Técnicas Lutas Contextualização sócio-histórica e cultural 27
  28. 28. Características Regras Técnicas Eventos Organização Características Competição Jogos internos Jogos municipais Amistosos Olimpíada Provincial Marista ENSINO RELIGIOSO INTENÇÃO EDUCATIVA DA ÁREA: Promover a compreensão, a interpretação e a (re)significação da religiosidade e do fenômeno religioso em suas diferentes manifestações,linguagensepaisagensreligiosaspresentesnasculturas e nas sociedades. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS O ser humano é um ser Religioso Religiosidade Fenômeno Religioso Religião 28
  29. 29. Transcendência Tema da Campanha da Fraternidade 2010: Economia e Fraternidade Religiões que formaram a religiosidade do povo brasileiro: As práticas religiosas indígenas As religiões europeias As religiões africanas Movimentos messiânicos Religiões orientais Sinais culturais de religiosidade existentes no povo brasileiro: Expressões religiosas incorporadas à fala corrente, à cultura e linguagem popular Costumes, gestos religiosos e expressões orais Manifestações da religiosidade popular em diferentes regiões brasileiras 29

×