Brasileiros longe de casa

280 visualizações

Publicada em

Brasileiros longe de casa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
280
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasileiros longe de casa

  1. 1. Migrações Internacionais Módulo I - Introdução à Temática Aparecido Soares da Cunha DM028 – Migrações Internacionais Profa. Dra. Roberta Guimarães Peres Texto auxiliar: Brasileiros longe de casa Teresa Sales
  2. 2. Estrutura da apresentação  Sobre a Autora  Introdução  Discussões  Conclusões  Questões para análise
  3. 3. Sobre a Autora Um pouco da autora: Maria Teresa Sales de Melo Suarez graduação em Sociologia e Política – UFPE (1969) mestrado em Sociologia – UFPE (1974) (sociologia) doutorado em Ciência Política – USP (1981) (ciência política) pos-doutorado pelo MIT (1991) Livre-docência UNICAMP (1993) (desigualdade & pobreza) pos-doutorado pelo MIT (1996) (sociologia) pos-doutorado pela Harvard University (2000) (demografia) Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Rural e das Migrações Internacionais. Atuando principalmente nos seguintes temas: Pobreza, Nordeste do Brasil, Cidadania, Cultura Politica no Brasil, Migrações Internacionais e Migração Brasil-EUA. Professor Adjunto Aposentada da Universidade Estadual de Campinas (vínculo atual: Professor Visitante) e Diretora-Presidente do Centro Josué de Castro (PE). Fundadora e membro do Conselho Editorial da Revista Será?
  4. 4. Sobre a Autora Um pouco da autora: Maria Teresa Sales de Melo Suarez
  5. 5. Introdução  Delimitações do trabalho  Tempo & Local & Origem & Destino & Geração;  Trata justamente da primeira geração de imigrantes brasileiros nos Estados Unidos. De acordo com autora, essas pessoas deixaram o país a partir da segunda metade dos anos 80, em busca de ascensão financeira e social. O fenômeno coincide com a chamada “década perdida”. Em razão do fracasso dos sucessivos planos de estabilização econômica, uma parcela da população desencantou-se e decidiu “fazer a vida” no exterior. A maioria desses brasileiros, originários da classe média, rumou para os Estados Unidos. Lá, eles depararam com uma realidade bastante dura. Como geralmente não dominavam o idioma e não tinham qualificação, passaram a sobreviver de trabalhos esporádicos e/ou informais. Muitos viraram pedreiros, pintores, encanadores, eletricistas e empregados domésticos, etc.;  que a maioria manifestava dos imigrantes, inicialmente, o desejo de permanecer no exterior apenas pelo tempo necessário para fazer o pé-de-meia. Passados 20 anos, muitas dessas pessoas já revelam a intenção de estender indefinidamente a sua estada na América. que a maioria manifestava, inicialmente, o desejo de permanecer no exterior apenas pelo tempo necessário para fazer o pé-de-meia. Passados 20 anos, muitas dessas pessoas já revelam a intenção de estender indefinidamente a sua estada na América;
  6. 6. Discussões  Proposta da publicação & Temas  Análise da experiência migratória de brasileiros residentes na região metropolitana de Boston, Estados Unidos, com pesquisas realizadas pela autora entre 1991-1997; publicação final em 1999;  Principal assunto do livro: Identidade social desse grupo de imigrantes;  Construção da auto-imagem de povo trabalhador;  Desengano do Brasil da inflação e da falta de oportunidades;  De uma migração temporária, para uma permanência mais duradoura;  Formação de uma comunidade étnica (“se sentir em casa”);
  7. 7. Discussões  Corrente migratória (fluxo contínuo), conectado por redes sociais e de proporções significativas;  Antes disto só o surto da emigração de refugiados, de pequena expressão numérica (parte já retornados);  Emigração internacional se intensifica a partir da crise dos anos 1980 (integração no cenário globalizado); “década perdida”  fatores de expulsão;  Autora é nacionalista: quando diz “lugar de brasileiro é no Brasil”;  O que estaria levando os jovens brasileiros a buscar lá fora o que não encontraram aqui? ou;  Que novas condições estruturais de nosso país e de sua relação com o contexto globalizado do mundo estariam condicionando esses movimentos migratórios inéditos em nossa história?;  Duas questões colocadas pela autora: Quando e por que migram os brasileiros;  Fluxo aumenta entre 1987-1990, mais de 50% - Massachusetts – Bureau of Census - US;  Pesquisa realizadas nos EUA - Massachusetts e no Brasil – Governador Valadares;  Por que de seu impulso inicial em meados dos anos 1980?;
  8. 8. Discussões  Teoria Neoclássica (Borjas – 1990) X Teoria Histórico-estrutural (1a. vertente  Piore – 1979 & Porters - 1981 – que o mercado de trabalho é distinto do mercado de coisas – processo ligado ao pós-guerra) & (2a.  Saskia Sassen – 1988 – associação entre as migrações de pessoas e de capitais – novos fluxos migratórios de 1960-1985); ambas vertentes relacionadas ao contexto de relações internacionais entre Estados-nações definidos em termos de amplos conceitos de centro-periferia do capitalismo;  Saskia Sassen considera que a mobilidade do capital é que tem criado novas condições para a mobilidade do trabalho; reorganização da economia mundial, com a formação de um espaço transnacional, no qual a circulação de trabalhadores pode ser vista como um entre os vários fluxos, incluindo capital, mercadorias, serviços e informações; para Sassen, o investimento estrangeiro é, portanto, a variável fundamental para explicar os fluxos de migrações internacionais;
  9. 9. Discussões  Por parte da Europa e Estados Unidos, inexiste porém qualquer incentivo direto ou indireto que tenha influenciado o início da migração de brasileiros para aqueles países;  Explicações sobre as crises econômicas de 1979-1989 (1320% de inflação em 1989); conjuntura de crises e recuperações econômicas da década;  motivação de migrar: desilusão com o Brasil da inflação e dos salários baixos; triênio da desilusão 1988-1990, com ascensão e queda de três planos econômicos;  Permanência mais duradoura  era Collor de Mello, que marcou outro período de desengano com o Brasil da inflação e da falta de oportunidades;  Motivos de migração relacionados a trabalho constituem 81% dos motivos de migração dos valadarenses (1a. viagem internacional); ligados a uma estratégia individual ou, mais freqüentemente, familiar, relacionada a projetos de melhoria de vida  busca de ascensão social;  Ocorre uma queda no status de suas ocupações nos EUA, em relação às que tinham no Brasil (descenso social); ascensão é representada pela possibilidade de consumo, com a melhoria salarial de lá;
  10. 10. Discussões  As redes sociais é o pano de fundo da migração, conectando-se às causas estruturais (fatores econômicos e políticos), impulsionando os fluxos migratórios e dando apoio ao imigrante no local de destino (acomodação, inserção no mercado de trabalho e referenciais) e estabelecendo vínculos entre os locais de origem e destino; é visível a importância das redes sociais no processo migratório;  A gênese dos fluxos migratórios valadarenses  exploração de minério durante a Segunda Guerra (a mica), que teria criado vínculos com os EUA, que depois se transformaram naquela corrente – os pioneiros;  Não esquecer das trajetórias individuais, da relação entre países, dos constrangimentos legais ou não;
  11. 11. Discussões  Capítulo 1 – Sócio-demográfico e histórico sobre o município de Framingham; quantos são e onde moram os brasileiros; predomínio das casas de negócio brasileiras & melhoria urbanística;  Capítulos 2 a 4 – reflexão sobre a questão da identidade social do grupo imigrante brasileiro; marca cultural informalidade e calor humano X frieza do americano; implicações das expectativas temporais na constituição da identidade social do grupo; valorização das experiências de sucesso & Brasil um país em crise; processo em andamento de construção da identidade étnica (2ª geração); chama a atenção um melhor nível de organização da comunidade brasileira, levando à construção de uma identidade étnica; relação aos hispânicos  apropriação de estereótipos negativos previamente existentes para se afirmarem; paradoxo da comparação: se sentirem com mais direitos lá, onde são imigrantes, do que no Brasil, cidadãos brasileiros que são; sentir-se alguém sendo igual (EUA) X sentir-se alguém sendo superior (Brasil);
  12. 12. Conclusões  É uma migração típica de trabalhadores jovens e em idade economicamente ativa, buscando ascensão social;  É uma população visível;  Só 20% experimentaram um processo de ascensão social (inglês & tempo de permanência);  “Migração temporária”; redefinição das expectativas temporais em função do ciclo vital e outros;  Fetiche da igualdade ”roceiro”  para não se sentir inferiorizado; mas lá todos estão no mesmo barco; igualdade social & usufruir bens de consumo;
  13. 13. Questões  1 - Como romper com os guetos e dar conta da segunda geração e sua integração...  2 - O papel da migração de retorno no contexto local de Governador Valadares...  3 – Quais são os ganhos e perdas na origem e no destino...  4 – As redes sociais têm prazo de validade ou não...

×