Segurança de sistemas industriais parte iii

361 visualizações

Publicada em

Sistemas de Segurança Industriais

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
361
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segurança de sistemas industriais parte iii

  1. 1. o seguro e a segurança patrimonial 3~ parte Antonio Fernando Navarro · · Engenheiro civil · Engenheiro de Segurança do Trabalho Professor da Funenseg mem. Ébem verdade que o computa- o vigilahte não é uma vedete o... I D lando seqüência a nossa Segu- intitulada "O Seguro e a série, dor controla quase tudo hoje em dia, estrela que fica desfilando pelos rança Patrimonial", continuaremos porém tem que ter alguém que o pro- corredores da empresa postando abordando o dimensionamento de grame. Por essa razão, o que poderia ostensivamente uma arma, ou exi- equipes de vigilância, bem como os ser o mais simples elemento do nOS7 bindo os seus músculos, mas, sim. controles exercidos sobre as edifica- so complexo sistema não o é, visto tra. um funcionário da empresa treina- ções e instalações, com vistas à me- tar-se do homem. Esse componente do para detectar situações anor- Ihoria das condições de segurança. comporta-se ou age de diferentes ma- mais ou inibir ações predatórias Até o presente momento fizemos neiras, de acordo com o momento, in- contra o patrimônio da empresa. algumas abordagens sobre as rotinas viabilizando a concepção de sistema Nas áreas internas a vigilânda de- a serem seguidas quando se deseja im- infalível. ve ser executada da seguinte forMa: plantar um razoável sistema de segu- Como se não bastasse esse fato, os rança patrimonial. A não adoção de nossos meios de comunicação, prin- Vigilância durante o horário de qualquer tipo de sistema não implica, cipalmente a televisão, levam aos nos- expediente necessariamente, a falta de seguran- sos lares mirabolantes projetos de des- ça, visto que os mesmos dependem truição da coisa alheia, através de sa- Durante o horário de expedief"tevá-. diretamente de uma série de fatores, botagens, invasões etc., transforma- rios são os problemas normalrnerte dentre os quais podemos destacar: dos de mera ficção em realidade con- encontrados pejos vigilantes, dertre · conscientização pela direção da tinuamente, por mentes deturpadas. os quais destacam-se a maior aglorne- empresa e pelos funcionários das van- As estórias policiais estão repletas de racão de funcionários e o trabalho tagens do sistema; fatos ocorridos imitando situacões contínuo dos equipamentos e Maqui- · adoção de sistemas de seguran- passadas nas telas das televisões. nismos. ça compatíveis com as atividades e o Uma rotina de trabalho sugerida vulto da empresa; nessas situações é a seguinte: · capitalização de recursos neces- sários para a implantação de progra- Vigilância de a) vigilância executada por rOf"das .mas eficientes; áreas internas móveis; b) verificação do sistema de fecha- · correta atualização dos progra- mento de aberturas; mas implantados, principalmente sob c) inspeção visual dos equipamen- o ponto de vista tecnológico. tos de deteccão e combate a incên- Deve frisar-se que a cada dia mais dios; , e mais sistemas de segurança são cria- I A Imaiorou menor complexidade atribuída à atividade de vigilân- d) inspeção nos corredores e circu- dos, visando a detecção de problemas cia depende, fundamentalmente, das lações de pessoal e material de forma em menor tempo, e com mais perfei- obstruções à visão do vigilante, pos- a evitar obstruções que dificultem a ção. A título de exemplo, para o con- sibilidades de refúgio, luminosidade evacuação das áreas trole de acesso a áreas restritas, exis- interna, tipo de operação executada, e) verifica cão de situacões anor- tem mecanismos de detecção d~ pres- densidade populacional e de equipa- mais nos equipamentos e instalações são exercida quando da assinatura de mentos etc. Por essas razões, a vigi- (falta de dispositivos de proteção dos fichas, mapeamento das veias ocula- lância executada em áreas internas é circuitos, vazamentos, superaqueci- res e a confrontação com gabaritos, sempre mais difícilde ser feita, além de mentos, produção anormal de fagu- cartões magnéticos perceptíveis à dis- exigir um maior conhecimento técni- lhas, produção de fumaça etc.); tância, placas metálicas sob o piso de- co por parte dos vigilantes, os quais f) verificação das placas de sinali- tectando a pressão exercida pelo an- devem ser capazes de deteçtar e iden- zacão, controles e avisos (através das dar, elementos sensores de calor etc. tificar falhas e situacões anormais em plácas consegue-se obter a informa- Entretanto, por mais sofisticados equipamentos e instalações, além de ção necessária ao comando dos equí- que sejam os sistemas, ainda não in- saber integrar-se perfeitamente ao pamentos. A título de curiosidade ventaram os que funcionam sem o ho- ambiente. lembramos que ainda existem pessoas CADERNOS SEGURO 27 DE
  2. 2. que sentem prazer em danificar avisas,au mesma retirá-Ias para guardar ca-ma sauveniers); g) acampanhamenta das serviçasdas aperárias, natadamente as dasempresas cantratadas, abjetivandainibi-Ias quanta à iniciativa de açõespredatórias; h) check-up das dispasitivas ele-trônicas de vigilância e segurança; j) check-up das sistemas de ilumi-nação., principalmente as de emergên-cia, analisanda-se as luminárias, pra-jetares, dutas, tamadas e baterias. É impartante que a vigilância sejaexecutada par hamens desarmadas,em rondas cam intervalas de tempo. nunca superiores a três haras.Vigilância fora do horário deexpediente Após as jarnadas de trabalha a ro-tina a ser adatada pelas vigilantes sa-fre uma brusca transfarmaçãa, em de-carrência da menar mavimentaçãa depessaal, paralisação. das equipamen-tas, maiar silêncio. etc. Após a passagem da serviço. a vi- Influencia bastante na dimensiana- A metadalagia de trabalha sugeri- gilante deverá apresentar um relatório. menta da equipe de vigilância sa-da é a que se segue: cantenda infarmações acerca das ber-se: a) vigilância feita par hamens ar- anarmalidades encantradas e as pra- · a área canstruída carrespande amadas e cam sistema de radiacamu- vidências tamadas para saná-Ias. uma só edificacãa au a várias?nicadar; Â naite a número de vigilantes de- . a área tatál canstruída está dis- b) verifica cão. e testes das sistemas ve ser sempre superiar ao. existente tribuída em um só nível au em várias?de fechamento. d~ aberturas e passa- durante a dia, em cerca de 50%. · as canstruções passuem umagens; densidade de equipamentas, maqui- c) inspeção. visual nas equipamen- Dimensionamento da equipe nismas e instalações grande au pe-tas de deteccãa e cambate a incên- efetiva para controle de áreas quena?dias; , internas Imaginemas que, após respandidas d) inspeção. em tadas as carreda- as perguntas feitas, abtivemas a se-res e vias de circulação., não.se permi- Par questões de simplifica<;ãa de guinte resultada:tindo. as abstruções, mesma que pra- raciacínia cansideremas a mesma · tratam-se de várias canstruções,visórias; exemplo. descrita na 2~ parte: quase tadas isaladas umas dasautras, e) verificacãa das candicões de de tadas . superfície de terreno. - 118mil senda a maiar cam aita mil m2 de áreamanutenção.sas; as placas de avi- f) verificacãa de situacões anar- m2; m2; · área tatal canstruída - 46 mil · canstruída; excetuanda-se a maiar canstru- çãa, tadas as demais passuem mais de mais nas equipamentas e instalações; três turnas de trabalha. um pavimenta; g) check-up nas quadros e painéisde cantrale, verificanda-se as candi-ções de anarmalidade; h) rondas em intervalas de tempo.nunca superiares a uma hara; j) check-up das dispasitivas eletrô-nicas de segurança; j) check-up da sistema de ilumina-ção. de emergência; I) verificação. das depósitas de lí-quidas e gases, principalmente ascantenda pradutas perigasas (infla-máveis, explasivas, carrasivas), visan-do. detectar vazamentas. Durante a execucãa de suas tarefasas vigilantes devém camunicar-secam a respansável pela equipe atravésde radiacamunicadar, em intervalasde tempo. nunca superiares a 30 minu-tas, transmitindo. uma senha para si-tuações narmais e autra para situa-ções anarmais.28 FUNENSEG
  3. 3. · em todas as contruções os espa-ços ocupados por maquinismos, equi-pamentos e instalações não são supe-riores a 40% da área total. Para um dimensionamento de equi-pe fica difícil analisar-se todos essesdados de par si e atingir-se um deno-minador comum. Por isto, em nossoprocesso, fizemos a seguinte tabula-cão: . · área construída, distribuída em uma única edificacão - fator 1,0; · área construida, distribuída emvárias edificacões - fator 0,7. Com o fator determinado, verifi-ca-se na tabela a seguir qual é a áreamáximaconstruída,admitidaparaca-da vigilante,em efetivoserviço:Fig.3 tuais faltas ao serviço e escala de fé- rias. pequena média grande A cada turno de servico deve ser feito um relatório de ocorrências pelo chefe da equipe de vigilantes, conten- um nível. 6.000 m2 4.500 m2 3.000 m2 do todas as anormalidades e fatos ocorridos em seu turno. No turno da mais de um 5.000 m2 3.000 m2 1.500 m2 noite esse relatório deverá conter os relatos das principais comunicações Densidade pequena é aquela na Esse número mínimo não inclui o feitas pelos vigilantes em ronda, comoqual a área ocupada por maquinismos, pessoal de reserva, para suprir even- o horário em que essas foram feitas. equipamentos ou instalações está compreendida entre Oe 20% da áreatotal construída, avaliada pela proje- ção dos equipamentos no solo. Densidade média é a correspon- dente ao intervalo entre 21 e 40% da EMPRESA HORA/COMUNICAÇOESárea total construída. Densidade grande é aquela na qual RElATORIO VIGilÂNCIA DE OCORRÊNCIA POR TURNO DEo somatório da projeção das áreas dos CHEFEDA EQUIPEequipamentos, maquinismos e insta-lações é superior a 40% da área total COMPONENTES DA EQUIPEconstruída. ·No nosso. exemplo tem-se que: área total construída: 46..000 m2 · densidade de ocupação: 40% · (média) · , mais de um nível várias construções: fator 0,7 Com os dados acima, entra-se natabela da figura 3 e obtem-se 3.000 OCORR~NCIAS/LOCAlIHORAm2. 3.000m2xO,7 = 2.100m2paraca-da vigilante. 46.000 m2 : 2.100 m2 = 21,9 vigi-lantes (considera-se 22). Tendo em vista que os mesmos seacham distribuídos em três turnos, eo da noite com no mínimo mais de50% de pessoal, chega-se ao seguin-te resultado: ASSINATURA 1? turno: a - 22 = 3,5 a - 1?tur-no: 6 vigilantes. 2? turno: a - a = 6,3 (considerar6) - 2? turno: 6 vigilantes. 3? turno: a + 0,5 a - 3? turno: 10vigilantes. Total = 3,5 a. Fig.4 - Modelo de relatório de ocorrências por turno de vigilância. CADERNOS SEGURO DE. 29
  4. 4. · vazamentos; · amassamentos; . marrom - materiaisfragmenta- dos (minérios);Controle das . flexão de tubulações pela ausên- . cinza claro - vácuo; cia de suportes; . - cinza escuro eletrodutos;instalações eedificações · perda de envoltórios térmicos; . rompimentos; . falta de equípamentos (cone- . . branco - vapor dágua; preto - inflamáveis e combustí- veis de alta viscosidade; xões, registros, válvulas etc.); ·alumínio - gases liquefeitos,in-durante e após . ligaçôes aparentes sem isola- flamáveis e combustíveis de baixa vis- cosidade. .as jornadas deservIço mento; . ausência de dispositivos de pro- teção (disjuntores, fusíveis). Controle sobre Em particular, pode-se enfocar as as edificações instalações elétricas, principalmente as chaves disjuntoras. Algumas vezes, Da mesma forma como no contro- por sobrecarga na instalação, costu- le das instalações, o controle sobre asfEl~ m sobre as condiçõeso contro- le qualquer empresa de fun- ma-se substituir os fusíveis ou disjun- tores por moedas, arames, palha de edificações, executado pelo setor de segurança patrimonial, é apenas vi-cionamento e manutenção é executa- aço, fios de cobre, papellaminado de sual, tendo por meta evitar ações pre-do pela área industrial. No tocante ao cigarro etc., que só prejudicam a ins- datórias contra o patrimônio da em-controle com vistas à segurança patri- talação, podendo mesmo vir a ser res- presa. Considera-se como fazendomonial esse deve ser exercido pelo se- ponsável por curtos-circuitos. parte das edificações não só a cons-tor de segurança. É sempre difícil fa- O vigilante deverá ter o bom senso trução, como também as melhorias azer-se essa divisão de atribuições por- para entender o que é uma situação elas incorporadas.que os interesses se conflitam. A área anormal e acionar de imediato o setor Os principais itens a serem obser-industrial cuida da produtividade e efi-ciência das instalações, cabendo àárea de segurança evitar que as mes- responsável, para as providências ca- bíveis. Apenas como caráter informa- tivo e para facilitar a perfeita identifi- · vados são os seguintes: pisos; . paredes internas e externas;mas sejam atingidas por atos de cação das tubulações e os seus vários . estruturas da construção (colu-sabotagem. Como dissemos anteriormente, ca-be ao setor de segurança patrimonial usos, fornecemos o código de cores indicadas na segurança do trabalho e para tubulações, baseado nas normas . nas, vigas, lajes); aberturas internas e externas; . dispositivos de isolamento con-a fiscalização dos bens, evitando que da Associacão Brasileira de Normas tra fogo (porta corta-fogo e paredeos mesmos sejam atingidos por ações Técnicas (ABNT): corta-fogo);danosas. Assim sendo, durante suas · vermelho - sistemasde comba- · proteção contra a entrada de es-rondas, qualquer situação de anorma- te a incêndio; tranhos;lidade deve ser comunicada de imedia- . alaranjado- produtos químicos · telhado e travejamento.to à área responsável, para as provi- não gasosos, em geral; As anormalidades encontradas de-dências necessárias. Como o objetivo · amarelo - gases não liquefeitos; vem ser comunicadas de imediato edo servico não é o de se executar re- . verde claro - água em geral; anotadas no relatório diário, elabora-paros, mas, sim, o controle da área, a · azul - ar comprimido; do após o turno de trabalho.inspeção de anormalidades é semprevisual. Excepcionalmente o vigilante --pode executar algum serviço, como,por exemplo, o fechamento de uma .válvula deixada inadvertidamenteaberta..Controle sobre I .as instalações . :t--- . . .. . As instalacões normalmente en-contradas em indústrias são as seguin-tes: r · · · água potável e água industrial; luz e força; esgoto sanitário e industrial; 1- · · ar comprimido; gases industriais (oxigênio, ace- .tileno, hidrogênio, gás carbônico); · óleos combustíveis e inflamá-veis; · vapor; · vácuo; etc. Cada uma dessas instalações pos-sui características diferentes e formasde controle diferenciadas. As situa-ções de anormalidades que podem serobservadas durante uma inspeção vi-sual são: A segurança deva avitar atos da sabotagem na áraa industrial30 FII"iEN:G - - ---
  5. 5. suas atividades normais; · acompanhar posteriormente o desenvolvimento dos serviços no fo- cal, principalmente quanto ao com- portamento dos funcionários. Incêndio Ocorrendo um incêndio, ou um . ,,--Jf 12:t.." : principio de incêndio, várias são as ati- vidades que devem ser iniciadas de imediato e simultaneamente: · identificação do local e do tipo de fogo; · aviso à brigada de incêndio pró- pria ou à guarnição do Corpo de Bom- beiros mais próxima, em função da ex- tensão do incêndio; · evacuação do local; · criação de um cordão de isola- mento ao redor da área atingida; · deslocamento dos equipamen- tos de combate a incêndio-para o lo- cal; Nas situações de emerglncia, a equipe de segurança deve iso/ar as áreds afetadas · início do combate ao incêndio, apoiando as atividades da brigada de normal, situação essa a mais crítica incêndio; quanto à segurança das pessoas. . retirada de materiais e equipa-Controle de mentos valiosos, situados próximo ao fogo, se houver possibilidade. Artefatos explosivossituações Caberá unicamente ao chefe da bri- gada de incêndio a responsabilidade A colocação de bombas, visando ade emergência intimidação, obtenção de vantagens pela avaliação das condições do fogo e as possibilidades do mesmo vira las- financeiras ou sabotagens cria sempre trar-se a outras áreas, e, com isso, avi- uma situação de pânico, bastante pre-rc~ onstituem situações de emer- gência aquelas que pela sua judicial e de difícil controle. Os artefatos explosivos são forma- dos por uma substância explosiva, só- sar ou não à guarnição do Corpo de Bombeiros mais próxima. A evacuação do local do incêndio existência e gravidade podem pôr em pode ser executada contando-se com risco a saúde ou a vida de terceiros. lida (granulada ou não) ou pastosa, com um elemento detonador (mecâ- o auxílio do grupo de apoio existente São exemplos de situações de na área, treinado para essas ocasiões. emergência: nico, elétrico, eletrônico ou manual). · artefatos explosivos (bombas); Sua aparência não deve servir como O encaminhamento do pessoal · incêndios; elemento comparador de seu poder de evacuado será feito para um local se- · acidentes pessoais, incluindo cri- destruicão. guro, quer quanto à incidência de ca- mes; As providências a serem tomadas lor radiante, quer quanto à possibilida- · acidentes envolvendo as instala- pelo setor de segurança patrimonial de de intoxicação por fumaças e ga- ções e edificações (explosões de equi- são as seguintes: ses tóxicos, e afastado dos centros de pamentos, acidentes elétricos, rompi- · verificar a exata localização do atividades e das rotas de deslocamen- mento de tubulações, desabamentos, artefato e as características visuais do to.vazamento de efluentes); mesmo, procurando fazer com que o O isolamento da área afetada pelo · inundação e alagamento; mesmo não seja tocado ou deslocado; fogo poderá ser conseguido forman- · seqüestros; · avisar à polícia civil ou militar; do-se cordões de isolamento. E mui- · sabotagens; · criar um cordão de isolamento ao to importante que na área de ataque · roubos e assaltos; redor da área, formando uma região de ao fogo só estejam as pessoas em · contaminação ambienta I; segurança ao redor do artefato; condições de combatê-Io. Durante o · vazamentos de produtos tóxicos, · providenciar a desocupação do isolamento não deve ser permitido oinflamáveis ou corrosivos. locar, encaminhando as pessoas para ingresso de pessoas que desejem rea- A equipe de Segurança Patrimonial um local seguro, até que novas ordens ver os seus objetos de uso pessoal.deve estar preparada para prestar venham a ser dadas; Após o rescaldo a área atingida de-apoio a cada uma dessas situações. O · o artefato somente deve ser ma- verá ser mantida isolada para fins deseu envolvimento nunca é direto, ex- nuseado pela polícia militarou do exér- perícia técnica e apuração das causascetuando-se em casos da existência cito, a qual poderá optar pela sua re- do incêndio. Nessa ocasião a segura-de artefatos explosivos, seqüestros, moção imediata ou sua desmonta- dora djls instalações será comunicadasabotagens, roubos. Afora estes, sua gem; oficialmente, sendo solicitada imedia-participação é a do isolamento e con- · antes de a área ser liberada deve- ta inspeção no local sinistrado e a libe-trole das áreas afetadas e a evacuação rá sofrer uma completa varredura, com ração da área afetada.dos locais. vista a detectar-se qualquer outra Em princípio, o combate ao incên- Atítulode ilustraçãovejamosalgu- anormalidade; dio deve feito ser pela brigada de in-mas dessâs situações, imaginando · após a liberaçãoda área pelapo- cêndio. Porém, como o pessoal da Se-que ocorram durante o expediente lícia, encaminhar os funcionários às gurança Patrimonialtem conhecimen- CADERNOSDE SEGURO 31
  6. 6. Em caso de acidente, a responsabilidade é do Serviço Especializado em Segurança, Higiene e Medicina do Trabalhotos específicos e treinamento adequa- em conjunto com o setor de seguran- aeradores, gradeamento etc.do, poderá auxiliá-Ia. ça do trabalho, deverão ser apuradas Eventualmente, por uma falha no as causas do acidente, sobretudo em processo, no sistema de tratamentoAcidentes pessoais, apurações de casos de sabotagens ou ou condições ambientais adversas, háincluindo crimes crimes. O resultado da apuração deve- possibilidade dos efluentes vazarem rá constar do Livrode Ocorrências e da para o meio exterior, contaminando o Os acidentes sem gravidade, ocor- Ficha do Funcionário. ambiente. Periodicamente, surgemridos em indústrias, são os mais co- A ocorrência de óbito, seja ou não notícias nos jornais a respeito de in-muns, consistindo de luxações, into- por crime, é sempre mais trabalhosa, dústrias que poluíram determinado rioxicações leves, arranhaduras e esfola- haja vista que a polícia deverá ser no- ou cidade, com grandes prejuízos fi-duras, picadas de insetos ou animais nanceiros. tificada de imediato, não podendo serdaninhos, especialmente vetores. En- desfeito o local até a liberacão defini- Cabe ao setor de Segurança Patri-tretanto, não estamos descartando a tiva pela polícia. . monial, após ser cientificado do vaza-possibilidade da existência de fraturas mento, como órgão de apoio, verificarmúltiplas, lesões por objetos pontea- Vazamentos de efluentes a extensão dos danos e as áreas atin-gudos, queimaduras de 2? e 1? graus, e contaminação ambiental gidas. Émuito comum surgirem recla-intoxicações graves pneumõnicas etc. mações de pessoas que não foram O que fazer nessas situações? Efluentes são todos os despejos re- atingidas só porque a região em que Em princípio, havendo Serviço Es- sultantes de um dado processamento. moram o foi. Há sempre uma tendên-pecializado em Segurança, Higiene e Podem ser sólidos, líquidos ou gaso- cia das pessoas de tirarem proveito deMedicina do Trabalho, a responsabili- sos. Tem-se os efluentes resultantes situações envolvendo empresas dedade pelo atendimento ao acidentado do processo industrial, da mesma for- grande porte.será unicamente desse serviço. ma que os derivados de cozinhas ou Em nosso próximo artigo conclui- Dificilmente poderá ocorrer dos vi- sanitários. remos a nossa série, abordando:gilantes terem de prestar os primeiros Independente de sua origem, os · iluminação ambiental externa;socorros. Porém, o exigido da equipe · condições de limpeza externa;de vigilância é o isolamento da áreaonde o acidentado se encontra e a ga-rantia de sua remoção para um local de efluentes antes de serem lançados no meio exterior sofrem um processo de depuração e tratamento. Esses pro- cessos de tratamento variam de acor- · ·controle de documentos; análise de pontos críticos; · dimensionamentoda equipe deatendimento mais adequado, sob a do com o tipo de material a ser trata- segurança patrimonial;supervisão de um médico ou de um- do, sendo alguns: lavadores de gases, · barreiras de proteção.enfermeiro. filtros manga, ciclones, precipitado- Após a remoção do acidentado, e res, valas de infiltração, decantadores, o32 rUNOO:G

×