Apostila comunicacao-e-expressao

1.337 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.337
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila comunicacao-e-expressao

  1. 1. Comunicação e Expressão I Material elaborado e organizado pela Prof.: Neide Elias
  2. 2. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 2 Observe o texto abaixo e discuta com um colega de classe com o que ele se parece. Faça um levantamento de elementos que você conhece.
  3. 3. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 3 Indicadores do paratexto: título, índice, imagens, subtítulos, negrito, tamanho de letra PARATEXTO Etimologicamente o que rodeia ou o que acompanha o texto, para (junto a, ao lado de), ainda que não seja evidente qual é a fronteira que separa o texto do seu entorno. Genette (Apud Alvarado, 1994:20) define o paratexto como um discurso auxiliar, a serviço do texto, que é sua razão de ser. O elementos paratextuais cumprem em muitos casos a função de reforço, já que compensam a ausência do contexto compartilhado pelo emissor e receptor. Em revistas, jornais, relatórios, manuais, livros técnicos e científicos, os elementos paratextuais tais: como título, índice, imagens, subtítulos, negrito, tamanho de letra, antetítulo, legendas, olho, olhinho, fotos, ilustrações, títulos de quadros e gráficos, contribuem para a construção ou desconstrução dos sentidos do texto. Alguns elementos de paratexto próprios dos livros Capa Orelha Prólogos Subtítulos Indicação de fontes Epílogos Ilustrações Epígrafes de texto Glossário Uso de negrito, aspas e sublinhado Contracapa Índice Títulos Notas Advertências Bibliografia Quadros (gráficos) Legendas de ilustrações e quadros Apêndices Alguns elementos de paratexto próprios dos jornais e revistas Índice Subtítulo Olho Quadros (gráficos) Legenda de ilustrações e quadros Título Chamada Notas Olhinho (fragmentos separados do texto e realçados) Uso de negrito, aspas TÍTULO O título facilita a leitura porque ativa os conhecimentos que o leitor tem sobre o assunto do texto. No entanto, há quem considere seu aspecto desfavorável, Eco (apud, Alvarado, 1994:48) afirma que infelizmente, um título já é uma forma de interpretação 1 . Segundo Genette (apud Alvarado, 1994) o título de um livro tem três funções: 1. Identificar a obra; 2. designar seu conteúdo; 3. atrair o público. Se considerarmos sua relação com o texto, os títulos se classificam em: - títulos que classificam conteúdo ou tema: A peste / Guerra e paz - títulos genéricos: História de um homem jovem - títulos mistos, em obras científicas ou teóricas podemos encontrar: Teorias cognitivas da aprendizagem: um estudo sobre crenças, teorias pedagógicas e professores do ensino fundamental. 1 Tradução nossa.
  4. 4. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 4 SUBTÍTULO Organiza o texto. OLHO Tem a função de esclarecer o título e deixar claro de que tipo de texto se trata. As notícias de jornal (impresso ou Internet), artigos de divulgação científica normalmente apresentam nos títulos um resumo que antecipa ao leitor o conteúdo da totalidade do texto. Algumas revistas e jornais incluem informação sobre o autor e a importância do tema. Estes resumos têm a função de condensar o conteúdo do texto, orientar a leitura e apresentar de algum modo uma das possíveis interpretações do texto (ASSUMPÇÃO e BOCCHINI, 2002). ITÁLICO Estilo de letra que aparece no texto deitada. Usado para destacar palavras e expressões estrangeiras. LEGENDA Texto explicativo que acompanha uma ilustração, foto, um gráfico, etc. NEGRITO Letras em bold. Mais grossas que as usadas no texto. Para destacar. ÍNDICE (SUMÁRIO) 2 Lista de títulos do texto por ordem de aparição com a indicação da página correspondente, que pode estar no começo ou no final do livro. Sua função não é somente facilitar ao leitor a busca dos temas de seu interesse, mas sobretudo refletir a estrutura lógica do texto (centro e periferia, tema central e ramificações). IMAGENS Além de dar beleza ao texto e atrair a atenção do público, as imagens podem ter também a função de dialogar com outros elementos do texto construindo um jogo discursivo. PRÓLOGOS (PREFÁCIO OU PREÂMBULO) Texto que aparece no começo do livro. Habitualmente tem as seguintes funções: - informativa e explicativa já que informa e explica o conteúdo do texto e como está organizado; e, - instrumental: apresenta instruções ou recomendações para a utilização do livro. NOTA DE RODAPÉ Tem a função de agregar informação sem interromper o texto, pode apresentar: - uma ampliação, - um esclarecimento; - uma explicação de um conceito em um contexto mais amplo; - indicação de que algo se diz no texto pertence a outro autor; - remissão a outra parte do livro ou revista; - menção a outro texto (referência bibliográfica). 2 . A ABNT oficializou o uso de sumário com o sentido de índice. Segundo Rezende (2005) as duas palavras, Índice e Sumário são antigas e de uso corrente em português; a primeira para indicar a relação da matéria e sua localização no texto, e a segunda para designar um pequeno resumo destinado a orientar o leitor (...) É possível que a confusão entre as duas tenha surgido em conseqüência da apresentação de sumários tão resumidos a ponto de conterem apenas os títulos dos artigos ou dos capítulos.
  5. 5. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 5 BIBLIOGRAFIA Lista de livros, artigos ou outros textos que aparecem no final de livros ou artigos. Algumas diferenças na apresentação deste elemento de paratexto: BIBLIOGRAFIA: este elemento apresenta em ordem alfabético os nomes dos autores de todos os textos que foram consultados para escrever o livro ou artigo. Possibilita ao leitor consultar fontes bibliográficas para conhecer o tema com mais profundidade. A bibliografia permite também conhecer a orientação teórica na qual o texto está apoiado, além disso reforça o caráter científico do texto. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: em muitos textos aparecem citações de autores ao longo do texto, como por exemplo (Fávero, 1999), neste caso, ao final do texto deverá aparecer sob o título “Referências bibliográficas” os dados completos do livro do autor, desta maneira: FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. São Paulo, Editora Ática, 1999. BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA: lista de autores e obras que aparece ao final de alguns textos com o propósito de que os leitores ampliem seus conhecimentos sobre o tema. Dados que aparecem nas listas de bibliografias ou nas notas: Sobrenome e nome do autor Título do livro Lugar de edição Editora Data da edição FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. São Paulo, Editora Ática, 1999. Sobrenome e nome do autor Título do livro Lugar de edição Editora Data da edição TÍTULO 3 Por que o título do texto informativo precisa dizer logo do que se trata? As pesquisas mostram que é difícil compreender rapidamente um texto, se a pessoa não tem alguma indicação que ative seus conhecimentos sobre o assunto. É por isso que o título precisa dizer logo do que se trata. Os bons títulos de textos informativos dizem rapidamente ao leitor qual é o conteúdo do texto, ajudam o leitor a saber, antecipadamente, qual é a estrutura do texto, quais são as subdivisões. Os bons títulos economizam o tempo do leitor A leitura confortável não é o único benefício dos bons títulos. Eles também ajudam o leitor a tomar decisões que economizam tempo, como só passar os olhos pelo texto, ler apenas um trecho que interessa mais ou até desistir de ler, porque não interessa. 3 O texto e exercícios a seguir foram extraídos do livro Para escrever bem das autoras Maria E. Assumpção e Maria O. Bocchini, São Paulo, Manole, 2002. pp. 18-22.
  6. 6. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 6 Na literatura, título é outra história Título de conto e romance não é título de reportagem, ensaio, relatório. O leitor de literatura tem objetivos diferentes daqueles do leitor de textos informativos. Quem lê um romance, por exemplo, não quer saber tudo de saída. Ao contrario, quer uma sugestão, quer sonhar, quer ficar curioso, quer ler o livro até o fim, para só então entender o significado do título. Exemplos: RECORDAÇÕES DA CASA DOS MORTOS, de Fiódor Dostoievski. SENHORA, de José de Alencar JANGADA DE PEDRA, de José Saramago. PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM, de Clarice Lispector VIDAS SECAS, de Graciliano Ramos. Se o livro Vidas Secas de Graciliano Ramos fosse um relatório, o título provavelmente seria: Elementos da história de uma família de retirantes em período de seca no Nordeste brasileiro. Como fazer bons títulos Escreva títulos, subtítulos, olho e legendas que informem o leitor sobre o assunto do texto, seus temas e subtemas. Veja como isso foi feito numa reportagem sobre o 13º salário, na revista Viva Mais. Antetítulo ● Você e sua grana Título ● Faça o seu 13º salário durar mais Olho ● Adiar a compra dos presentes e poupar o dinheiro pode ser ma boa opção. Subtítulos ● Fuja das dívidas ● Não se iluda! ● Crie um pé-de-meia ● Fundos de renda fixa ● Compre à vista ● Consumidor linha-dura Títulos formais e informais Os títulos podem dizer logo de que tratam os textos, em linguagens diferentes. Isso vai depender do tipo de publicação e dos leitores a que se destinam. Na revista feminina Viva Mais, o redator usou expressões informais, como “sua grana” e “linha-dura”, “pé-de- meia”. Também escreveu títulos com ordens ao leitor, como “Fuja das dívidas” e “Compre à vista”. Mesmo na forma de ordens, esses títulos expressam os assuntos que vão ser tratados. Para textos explicativos e relatórios, convém usar títulos descritivos, em linguagem mais formal. Exemplos: ● Relatório anual do Departamento de Física ● O funcionamento dos pulmões ● Como funcionam os pulmões ● Números primos: conceituação e propriedades ● Para entender a conceituação e as propriedades dos números primos ● Situação do abastecimento de óleo combustível no sul do país, no segundo dia de greve das transportadoras ● Somente 13% dos postos de gasolina da região Sul ficam sem estoque de óleo combustível no segundo dia de greve das transportadoras ● Informe sobre as providências da Secretaria de Saúde quanto ao surto de dengue na cidade ● Secretaria da Saúde põe 350 novos profissionais na prevenção da dengue. Títulos narrativos em ordem direta Para textos narrativos, como notícias de jornal e certos relatórios, a informação do título pode ser dada por uma oração simples em ordem direta (sujeito+verbo+complemento), como “Congresso aprova novo salário mínimo”. Esse título é bem melhor do que “Final feliz de votação em Brasília”, que não tem verbo nem diz de que se trata. Sujeito+verbo+complemento é a estrutura da maioria dos títulos do jornalismo diário. Por convenção, títulos são redigidos sem ponto final.
  7. 7. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 7 Títulos e sumário de trabalhos extensos Antes de começar a ler um relatório ou qualquer trabalho extenso, o leitor precisa saber qual é o conteúdo geral e como o redator organizou as partes. O ideal é oferecer ao leitor um título descritivo e logo em seguida apresentar o sumário, isto é, a lista de títulos das partes principais do trabalho. Convém colocar sempre os números das páginas, para que o leitor encontre rapidamente a parte que deseja ler. Todas essas informações dão satisfação a quem lê, porque a pessoa sente-se com liberdade de folhear o conjunto e começar a ler pela parte que julgar mais interessante. Exemplo: Título descritivo Relatório anual do Grupo de Criação de Produtos Sumário Instalação do Grupo de Criação: objetivos e metas Seleção de projetos Produção de protótipos Testes com consumidores Avaliação e perspectivas para o próximo triênio Títulos de fantasia Se o redator desejar, pode escrever um título de fantasia para um relatório, com um toque poético ou bem- humorado, contanto que apresente o título descritivo logo em seguida. No exemplo acima, o título de fantasia poderia ser “Criar para crescer” ou “Um ano de vitórias”. Exemplos: Alguns autores escreveram dois títulos para seus livros, um de fantasia e o outro, descritivo. ALMANAQUE DE BICHOS QUE DÃO EM GENTE – Vermes, vírus, bactérias, fungos e outros bichos. Como reconhecer, evitar e tratar. Sonia Hirsch, CorreCotia, 1999. A LINGUA DE EULÁLIA – Novela sociolingüística. Marcos Bagno, Contexto, 1997. COMO VENDER SEU PEIXE NA INTERNET – Um guia prático de marketing e comércio eletrônicos. Tom Venetianer, Campus, 1999. Exercícios Leia os textos a seguir e crie títulos com a função de ativar os conhecimentos que o leitor tem sobre o assunto. Texto 1 ______________________________________________________________________________________ Os maiores vulcões em atividade são meros brinquedos de criança, se comparados com a caldeira hoje adormecida sob o Parque Yellowstone, nos Estados Unidos, alguns quilômetros abaixo da superfície. Cientistas acham que o vulcão pode voltar à ação e que sua capacidade de destruição é tão grande que poderia até acabar com a civilização. Por enquanto, não há sinais de atividade. O despertar do monstro pode levar alguns anos, dez milênios ou não acontecer nunca. Texto adaptado de Superinteressante, março de 2000. Texto 2 ______________________________________________________________________________________ Delegar é dar a outra pessoa uma tarefa cuja responsabilidade, em última instância, cabe a quem a delega. Essa tarefa pode variar de pequenos afazeres cotidianos de uma empresa – como organizar confraternizações ou entrevistar o candidato para uma vaga – a trabalhos tais como liderar uma equipe que está desenvolvendo um novo produto. Texto adaptado do livro Como delegar tarefas, de Robert Helle, Publifolha, 1999.
  8. 8. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 8 Texto 3 ______________________________________________________________________________________ A mais recente pesquisa sobre a poluição do ar em vinte grandes cidades do mundo, feita pelo Imperial College, da Inglaterra, revelou que São Paulo ocupa a quinta colocação, dividindo o posto com Manila, nas Filipinas, e Pequim, na China. A primeiríssima posição ficou com a capital do Egito, Cairo. O Rio de Janeiro aparece na 12ª posição. Adaptado de Terra, março de 2000. Texto 4 ______________________________________________________________________________________ Levantamento realizado em 271 empresas mostrou que a participação dos salários e contribuições no passivo das empresas caiu de 3,4% em 1998 para 2,8% em 1999! Traduzindo, não são os salários que pressionam o “custo Brasil...” Jornal Em Tempo, fevereiro de 2000 Texto 5 ______________________________________________________________________________________ Não é só nos livros de ortografia que há distinção entre vogais e consoantes. Uma pesquisa da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, mostrou que a diferença entre esses dois tipos de sons está gravada no fundo do cérebro, que os processa em áreas separadas. Os cientistas perceberam isso ao testarem dois pacientes com lesões em regiões cerebrais diferentes. Um dos doentes trocava uma vogal por outra, mas não confundia as consoantes, e o outro falhava nas consoantes, acertando as vogais. Adaptado de Superinteressante, março de 2000.
  9. 9. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 9 GÊNEROS DISCURSIVOS Segundo Bakhtin (2005) o que define o gênero discursivo do texto é a atividade ao qual está relacionado, estrutura interna, tema e o estilo. Emissor e receptor não compartilham o mesmo espaço e tempo, para compensar esta ausência, os gêneros discursivos apresentam uma regularidade no uso da linguagem, que visa assegurar que o conteúdo do texto e a intenção com que foi composto se mantenha e se transmita sem equívocos. As esferas de atividade do homem e os gêneros do discurso É discurso tudo o que o homem fala ou escreve, isto é, produz em termos de linguagem. Dessa forma, há um número enorme e bastante variável de discursos produzidos ou que estão sendo produzidos na sociedade. É dessa forma que falamos em discurso científico, religioso, político, jornalístico, do cotidiano etc. Como é pelo texto que temos acesso aos discursos, para estudar o discurso religioso, por ex., devemos ler textos como: sermão, orações, cantos religiosos, livros da Bíblia, o Alcorão, escritos de autores que tratam do tema etc. Os discursos são produzidos de acordo com as diferentes esferas de atividade do homem. Por ex., em relação ao discurso escolar: a escola é um lugar em que aparecem diferentes esferas de atuação; cada uma dessas esferas de atividade gera uma série de discursos também diferentes. Assim, temos uma esfera de atividade que é a aula, outra que é a reunião da APM, ou a reunião dos professores, o encontro dos alunos no recreio, etc. Cada uma dessas situações que constitui uma esfera de atividade vai exigir do falante um uso diferente de linguagem, isto é, um gênero de discurso* diferente: a aula, a reunião, a conversa. Os gêneros do discurso são, portanto, diferentes formas de uso da linguagem conforme as esferas de atividade em que o falante/escritor está engajado. A língua usada no dia a dia, a língua usada no trabalho, nas narrações literárias, no tribunal, nos textos políticos etc. são modalidades diferentes de usos da linguagem e mostram a necessidade de um falante versátil que tenha múltiplos conhecimentos: conhecimento gramatical da língua, do gênero adequado à situação, do nível de linguagem (formal ou informal) apropriado. Isto é, para dar conta da linguagem nas diferentes situações, é necessário que os falantes dominem a língua nas suas diferentes variedades de uso. Se, por ex., um indivíduo está sendo entrevistado para obter emprego usar uma linguagem informal, cheia de gírias, adequada a uma conversa entre amigos, mas inadequada à situação de entrevista, provavelmente ele será reprovado. Assim, quando falamos ou escrevemos, lemos ou ouvimos, nós o fazemos dentro de gêneros de discurso adequados à situação de comunicação. Em cada esfera de atividade social, os falantes utilizam a língua de acordo com gêneros de discurso específicos que são construídos, codificados coletivamente. Somos sensíveis desde o início de nossas atividades de linguagem aos gêneros do discurso, isto é, sabemos como nos comportar e como usar o gênero de discurso adequado a cada esfera de atividade. Assim, quando um indivíduo fala/escreve ou ouve/lê um texto, ele de antemão tem uma visão do texto como um “todo acabado” justamente pelo conhecimento prévio dos gêneros que ele adquiriu nas suas relações de linguagem. Os gêneros do discurso constituem a economia da linguagem, pois, se eles não existissem e se, a cada vez que, em nossas atividades, tivéssemos que interagir criando novos gêneros, a troca verbal seria impossível (Bakhtin,1992). É justamente baseado em um conhecimento de como se dão nossas interações, que o falante, muitas vezes, especifica, durante a sua fala, o gênero do texto que estão produzindo ou a que estão se referindo (Marcuschi, 2002). Assim, é comum ouvirmos as pessoas dizerem: - no telefonema de ontem... - na palestra de hoje... - na conversa que tivemos... - a entrevista do presidente... - o noticiário desta noite... em que telefonema, palestra, conversa, entrevista, noticiário referem-se a gêneros discursivos. Muitas vezes, esses gêneros discursivos têm marcas lingüísticas mais ou menos fixas, que identificam o gênero já logo de início. Ex.: - era uma vez (abertura de uma narrativa) - prezado amigo (abertura de carta, bilhete) - tome 2 xícaras de açúcar e adicione... (receita culinária) - alô, quem é? (telefonema) BRANDÃO, Helena H. N. Analisando o discurso. Disponível em http://www.museudalinguaportuguesa.org.br/
  10. 10. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 10 Exercícios 1. Leia os textos e identifique o gênero discursivo ao qual pertence cada um. Texto 1: _______________________________________________________________ 16/08/2006 - 09:56:54 Paris Hilton enterra bode de estimação ao lado do túmulo de Marilyn Monroe A socialite e cantora Paris Hilton chocou a comunidade artística de Hollywood ao comprar, num cemitério de estrelas, um jazigo para enterrar Billy, o seu bode de estimação. O local reservado fica ao lado do túmulo da atriz Marilyn Monroe. Segundo informações do blog HollywoodRag, quando Paris comprou o jazigo no cemitério “Pierce Bros Westwood Village Memorial Park”, os funcionários pensaram que o local estaria guardado para algum parente de Paris Hilton. Além do jazigo, Paris contratou o coral de uma igreja da região para se apresentar no funeral de Billy. Paris é uma confessa adoradora de animais, possuindo um furão, um macaco e dois cães chihuahua, entre outros. No cemitério, estão enterradas estrelas como Truman Capote, Dean Martin e Jack Lemmon. Extraído de http://www.tecontei.com.br/site/noticia_msn.php?noticia=25427 16/08/06 Texto 2: : _______________________________________________________________ Drama Quase dois irmãos Lúcia Murat O amadurecimento da história política de um país passa pela análise de todos os lados de uma questão. O Brasil não tem o hábito de rever o seu passado para aprender com ele. Por isso, nesta época de Severinos, crises e feridas abertas, vem a calhar este belo filme de Lúcia Murat, que mergulha em suas experiências pessoais de presa política durante a ditadura, nos anos 70 no Rio de Janeiro, e escrutina tanto medo de uma classe média desengajada e chafurdada na burocracia e na violência quanto o processo de criminalização de um líder. É como se ela dissesse que o Brasil não tem jeito, mas olhar para os erros e personagens lá de trás funciona como um bom começo. Lúcia Valentim Rodriques, Folha de São Paulo, 18 de setembro de 2005. Texto 3: _______________________________________________________________ Testemunho Vem do latim testimonium, derivado de testi, principalmente no plural testes: jurar sobre os testículos. O termo testiculus é diminutivo de testi, que vem do osco, língua pré-latina na Península Itálica, dizem Ernout e Meillet (Dictionnaire Étymologique de la Langue Latine). O ensurdecimento do o de testimonium teria ocorrido no português (a versão arcaica em 1255 era “testemôyo”). Muitas culturas antigas levavam em alta conta o juramento dado empenhando-se a própria virilidade. Nos tribunais gregos, órkos era “juramento”, termo semelhante a órkhis (testículo), embora o grego clássico denominasse a testemunha propriamente dita de mártyr. Juan Corominas confere vínculo entre “testículo” e “testemunho”, mas Antenor Nascentes duvida da vinculação, em Dicionário Etimológico (1932), invertendo o parentesco: “testículo” viria de testiculu (pequena testemunha), como seriam chamados os depoentes na abertura dos processos antigos. (In Língua Portuguesa – Especial Sexo & Linguagem, São Paulo, Editora Segmento, p. 19.)
  11. 11. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 11 Texto 4: _______________________________________________________________ PORTUGUÊS DA GENTE, O Autores: Renato Basso ,Rodolfo Ilari O português do Brasil é falado por mais de 170 milhões de pessoas em um imenso território, mas muita gente teima em afirmar que ele não existe, ou, pior, não deveria existir. Ilari e Basso, seguindo uma tradição iniciada nos anos 20 por Mário de Andrade e Amadeu Amaral, oferecem-nos, em O português da gente, um estudo da língua que nós falamos e que pouco a pouco vai conquistando seus direitos. Este é um livro para ler, estudar e discutir, na sala de aula e fora dela. Mário A. Perini (PUC-Minas) Preço:R$ 35,00 ISBN: 85-7244-328-2 Nº de páginas: 272 Formato: 16X23 Orelha: Sim Peso: 0,41 Kg Extraído de http://www.editoracontexto.com.br/ficha.asp?codlivro=330 Texto 5: _______________________________________________________________ (Extraído de http://pcworld.uol.com.br/galerias/dezmaisfeios/)
  12. 12. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 12 Texto 6: _______________________________________________________________ Para evitar esse problema, as baterias de íon-lítio de celular possuem um chip, que não permite a carga completa da bateria, nem mesmo sua descarga completa, explica Ricardo Hauch Ribeiro de Castro, professor de engenharia da FEI. Ribeiro de Castro explica que nos PC portáteis que utilizam baterias compostas por quatro ou seis células - ou seja, grupo de baterias de íon-lítio trabalhando como se fossem apenas uma - quem é responsável por essa regulagem de segurança é o próprio computador. Por conta disso, o usuário deve ficar atento à freqüência com a qual recarrega a bateria do notebook. Isso é necessário uma vez que a rotina com que isso é realizado é armazenada pelo chip ou pelo computador, que com o tempo passa a trabalhar de acordo com ela. Procedimento ideal O que isso quer dizer? Se a bateria é sempre recarregada quando ela está com metade da carga, com o tempo o carregador irá reconhecer a carga total da bateria como 50%, dando somente a carga necessária para completar esse desgaste, mesmo se 70% da bateria tiverem sido consumidos. “O ideal é utilizar a bateria até 40% de sua carga”, explica Ribeiro de Castro, da FEI. Para não deixar que o computador “vicie” a recarga de sua bateria, o professor recomenda que o procedimento dos 40% seja executado de 20 a 30 vezes, realizando uma descarga completa em seguida. Esse processo evita que a bateria receba carga demais e que se vicie em liberar cargas menores que a capacidade real da bateria. Outro cuidado do usuário deve ser a velocidade com a qual a carga da bateria é drenada. Aplicações mais pesadas, muito brilho no LCD e gravação e execução de DVDs são processos que consomem muita energia, diminuindo a autonomia da bateria.
  13. 13. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 13 A dica: mantenha o equipamento ligado à corrente elétrica toda vez que for realizar alguma dessas tarefas. Se tais tarefas forem imprescindíveis, pode-se reduzir o consumo da bateria diminuindo a luminosidade do LCD, desconectar dispositivos externos USB e desligar a luminosidade do teclado (se houver). São pequenos detalhes que podem garantir alguns minutos a mais de carga. O professor da FEI afirma que um outro mito, de que utilizar o notebook sempre com o carregador pode danificar a bateria, não passa de folclore. “Há pessoas que inclusive retiram a bateria do notebook quando ele está ligado na fonte de alimentação”. Ribeiro de Castro explica que isso pode gerar problemas mais sérios. Quando o notebook recebe uma sobrecarga de energia, ele envia essa energia a mais para a bateria, evitando que algum circuito seja queimado. “Retirar a bateria irá deixá-la intacta, mas o mesmo pode não acontecer com o notebook”, adverte. Um outro fator que contribui para o mau funcionamento das baterias é o calor. “O lítio é muito instável. Acima de 60º Celsius, o que não é difícil em um computador, a bateria começa a apresentar problemas”, explica Ricardo. Portanto, os que gostam de trabalhar com o notebook fora de casa, evitem ao máximo expô-lo ao sol. Isso serve também para os celulares, que estão mais sujeitos ao aquecimento que os notebooks. “Esquecer um celular no painel do carro [ou deixar o notebook no porta-malas]é um problema. Um carro fechado num dia de sol pode chegar à temperatura de 50º”, afirma Castro. Seguindo essas recomendações, tomando cuidado com as recargas e fugindo do calor pode garantir a sua bateria um funcionamento mais eficiente, evitando dores de cabeça por falta de energia. (Extraído de http://pcworld.uol.com.br/dicas/2008/02/15/como-tirar-o-maximo-proveito-da-bateria-do-notebook-e-do-celular/)
  14. 14. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 14 Texto 7: _______________________________________________________________ 1. 1 A Escrita: um Fazer Dialógico Para Bakhtin (1992), a fala (e a escrita) é sempre de natureza social, pressupondo-se, portanto, a existência de um interlocutor – o Outro –, mesmo que potencialmente; isto vale dizer que o discurso é sempre e inevitavelmente constituído pelo discurso do Outro. Decorrem daí duas concepções: a primeira é de que a homogeneidade é sempre uma ilusão, ou seja, um efeito de sentido imposto pela ideologia e a segunda é a de que o discurso é sempre heterogêneo e a subjetividade revela-se através da dispersão e difusão dos sentidos. A homogeneidade ou unicidade consiste, nessa linha, como um efeito de sentido que é produzido pelo autor (do discurso monográfico, por exemplo), em seu texto, através de seus argumentos, organizados previamente. Pode-se dizer, outrossim, que os contra- argumentos é que marcam lingüisticamente as eventuais interferências das palavras do Outro. Assim, o sujeito-enunciador acomoda no seu discurso o discurso do Outro, por isso, ele nunca é original (1a ilusão), e é sempre original (pelas novas condições de produção) e também nunca vai ser entendido da mesma maneira (2a ilusão), pois mudam-se sempre as condições, até para o mesmo sujeito. Tendo, nesses termos, explicitado um pouco o que diz respeito à produção do discurso, do ponto de vista discursivo, voltemos nosso olhar para a sua recepção, ou seja, para a leitura. 1. 2 A leitura como processo discursivo A partir dos pressupostos assinalados nos itens anteriores, chegamos a algumas definições de texto e de leitura4 . Texto não é um receptáculo de sentidos, não passando de um conjunto amorfo de sinais gráficos, incapazes de reter sentido fora do jogo discursivo (Wittgenstein, 1969; apud Coracini, 1995: 17). Se considerarmos que as verdades são estabelecidas a partir da racionalidade inscrita num determinado momento sócio-histórico-ideológico e que tais condições de produção encontram-se irremediavelmente perdidas, definimos textos como: /…/ grafismos empilhados sob a poeira das bibliotecas, dormindo um sono profundo em direção ao qual não pararam de deslizar desde que foram pronunciados, desde que foram esquecidos e que seu efeito visível se perdeu no tempo. (Foucault, 1969) Sendo assim, não é o texto que determina a leitura, mas o sujeito, enquanto participante de uma determinada formação discursiva, pois apenas uma nova situação de enunciação será capaz de conferir sentido a esses sinais gráficos, transformando-os em sinais lingüístico-textuais (cf. Coracini, 1995: 17). Quanto à leitura, podemos postular que existem tantas leituras quantas situações de enunciação se puder conceber. A leitura consiste em uma transcodificação desses sinais gráficos em sinais lingüístico-textuais, dentro de uma determinada condição de produção, operada pelo sujeito, enquanto participante de uma formação discursiva, sujeito esse clivado, heterogêneo e perpassado pelo inconsciente. Portanto, não é o texto que determina o sentido, mas o sujeito enquanto inserido em um determinado contexto ideológico. As diferentes leituras referem-se não às leituras realizadas por diferentes indivíduos, mas aos diferentes momentos histórico-sociais que podem variar de indivíduo para indivíduo. Trata-se da disseminação de sentidos (Derrida, 1972). Na postura teórica que privilegia as condições de produção e o imaginário discursivo, desconstruindo as verdades inerentes ao texto, não é possível, portanto, falar em oposições do tipo "leitura literal" x "leitura metafórica", pois o que é literal em uma determinada posição discursiva pode ser metafórica em outra. Tais acepções, assim como tudo o mais, só têm sentido dentro de uma determinada formação discursiva. Assim sendo, a objetividade, neutralidade e homogeneidade do texto monográfico não passam de ilusões (2a ilusão), ilusões essas necessárias para que se constitua o discurso. Porém, é preciso ressaltar que este se revela como uma porta aberta pela qual atravessarão muitas interpretações, 4 1 Para uma melhor explicitação das concepções de leitura na linha discursiva, remetemos o leitor ao capítulo de livro intitulado “Leitura: uma Proposta Discursivo-Desconstrutiva”, de autoria de Mascia, no prelo, pela Mercado de Letras.
  15. 15. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 15 calcadas e legitimadas pelas novas condições de produção. 1. 3 O estatuto do autor Com base nos pressupostos da escrita como um fazer dialógico e da leitura como um processo discursivo, perguntamo-nos, qual o papel do autor nessa linha (sempre pensando no discurso monográfico)? Para tanto, fazemos nossas as palavras de Coracini (1999: 173-174), para a qual: O autor é aquele que imprime unidade ao texto, efeito discursivo que deriva do princípio de autoria, efeito esse que faz parecer único o que é múltiplo, transparente o que é opaco, desempenhando, assim uma função jurídica de responsabilidade, então, a ascensão da autoria se dá quando o sujeito, ocupando uma determinada posição numa dada formação discursiva, consegue organizar o já dito, segundo as regras de um discurso legitimado. Assim, a identidade do sujeito e do autor do discurso monográfico, em nosso caso, deve ser concebida na sua heterogeneidade, sempre constitutiva, e não na homogeneidade, já que esta se apresenta de modo aparente e enganoso. Decorre, daí, as múltiplas re-significações provocadas pelo estranhamento da presença do Outro (ou de outros) no fio do discurso monográfico, desestruturando e desestabilizando a sua própria identidade. MASCIA, Márcia Aparecida Amador. Os discursos monográficos nos movimentos da globalização versus virtualização e da pós-modernidade. In Reverte 2, 2004.
  16. 16. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 16 Exercícios TEXTO 1 TEXTO 2 TEXTO 3 TEXTO 4 TEXTO 5 TEXTO 6 TEXTO 7 Autor Atividade humana ao qual está relacionado Estilo Organização interna Finalidade Gênero discursivo
  17. 17. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 17 TIPOS DE SEQÜÊNCIA TEXTUAL Organização interna: Do ponto de vista da organização interna os gêneros discursivos se caracterizam pelo predomínio de um tipo de seqüência: - narrativa - descritiva - explicativa - argumentativa - instrucional - dialogal Essas seqüências são conjuntos relativamente autônomos de orações (sub-orações ou proposições, em alguns casos), vinculados entre si de uma maneira própria e com propriedades específicas que os distinguem do resto. NARRAÇÃO E DESCRIÇÃO Características: Exemplo: O homem entrou em casa e com passadas firmes foi reto procurar a mulher que estava na cozinha, enchendo a chaleira d´água. Estas orações expressam acontecimentos com uma ordem temporal, isso configura o que habitualmente denominamos seqüência narrativa. Na seqüência do texto anterior, temos: Ele tinha a cara rubra, os olhos brilhantes mas os lábios estavam brancos e secos, teve que passar a ponta da língua entre eles para separá-los, a saliva virou cola? Estas orações constituem uma descrição, já que apontam traços de um personagem. NARRAÇÃO A narração consiste em contar uma série de acontecimentos reais ou imaginários ordenados no tempo. Esta ordem não é necessariamente linear, mas intuitivamente o leitor a busca. Elementos do texto narrativo: Ordem Temporal: linear (ordem cronológico) ou não-linear (rompimento da ordem cronológica). Espaço: Onde acontecem os fatos. Narrador: narrador-personagem (em 1 a pessoa) ou onisciente (em 3 a . pessoa). Narrador protagonista Interno Narrador personagem secundário Narrador Onisciente Externo Observador
  18. 18. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 18 Características lingüísticas da narração: • verbos no pretérito perfeito do indicativo ou no presente do indicativo (presente histórico) • marcadores de tempo DESCRIÇÃO Os textos descritivos têm como objetivo representar a aparência e/ou a composição de objetos, pessoas, espaços, situações, animais, processos, emoções, etc. Tipos de descrição Topografia: descrição de um lugar: Ordem espacial dos elementos, extensão, localização e aspecto geral. Prosopografia: Descrição física de uma pessoa: olhos, nariz, orelhas, cabelo, altura, peso, vestimenta e outros aspectos importantes Etopéia: Descrição da personalidade de uma pessoa: atitudes, caráter, hábitos, etc Descrição de um objeto: Material, para que serve, tamanho, como se usa, forma, cor, etc Como se organiza um texto descritivo? 1º.- Selecionar a informação mais importante. 2º.- Ordenar essa informação do geral ao particular ou vice-versa. Estrutura: a) Segundo o referente ou objeto descrito: • baseia-se na distribuição e organização da estrutura, as partes do objeto descrito e a relação que existe entre eles. O todo e suas partes. b) Segundo a redação: • apresentação ou introdução do referente • desenvolvimento: detalhamento Características lingüísticas: • verbos em presente e/ou pretérito imperfeito • advérbios de lugar • estruturas comparativas • substantivos acompanhados de adjetivos • advérbios de modo acompanhados de verbos
  19. 19. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 19 Na maioria dos textos narração e descrição se combinam, com a predominância de alguma delas. Nos textos históricos, por exemplo, a predominância é da seqüência narrativa. Leia os textos a seguir, sobre a o livro na Idade Média e renúncia do ex-presidente Jânio Quadros, e localize neles partes narrativas e partes descritivas. Os Livros na Idade Média Sem refazer aqui toda a história do livro medieval, convém antes recordar que sua confecção e circulação foram sempre cercadas por múltiplos obstáculos que tornavam difícil o acesso a ele. O primeiro e principal obstáculo era de ordem econômica. O livro custava caro. Esse custo vinha, antes de mais nada, do preço do suporte. Um livro requeria grande quantidade de pergaminho (de acordo com o formato do livro, obtinha-se de dez a dezesseis folhas por pele) e o pergaminho era um material oneroso. A difusão do papel chiffon, ocorrida na Espanha desde o século XII, na França no XIII, permitiu baixar o preço. Mas é somente no século XIV e, sobretudo, no XV que o uso do papel se difundiu largamente no domínio do livro manuscrito. Com igual superfície, calculando-se a partir de documentos franceses, o papel podia tornar-se cinco vezes mais barato que o pergaminho no século XIV e até treze vezes mais barato no século XV, graças à melhoria das técnicas de papelaria e à multiplicação das oficinas de papel. Mas em outros lugares, especialmente na Alemanha, a diferença foi, sem dúvida, menor. De qualquer modo, o ganho sobre o preço total do livro permanecia relativamente limitado, na ordem de 10 a 20% somente em relação às obras em pergaminho. A relativa modéstia desse ganho permitiu a esse tipo de livro guardar uma posição suficientemente sólida, visto que muitos letrados parecem ter tido um preconceito desfavorável contra o livro de papel, julgado, ao mesmo tempo, menos nobre e menos sólido, sobretudo para os textos importantes e para obras pelas quais o dono se apegava, desejando transmiti-las aos descendentes. Na realidade, o fator principal do elevado preço dos livros era o custo da cópia. Os bons copistas eram raros. No final da Idade Média, os scriptoria monásticos haviam perdido o essencial de sua importância e a maior parte dos escribas seriam, doravante, artesãos profissionais que se encontravam principalmente em grandes cidades, especialmente aquelas que abrigavam uma clientela importante, quer dizer, as capitais da nobreza e as cidades universitárias. Mesmo deixando de lado o caso dos livros de luxo ornados de miniaturas, verdadeiras obras de arte destinadas sobretudo aos prelados, aos grandes senhores e aos reis, a confecção de livros tomava tempo. Os bons copistas trabalhavam lentamente> por volta de duas folhas e meia por dia, em média. Por outras palavras, em um ano, um bom copista produzia apenas cinco livros de duzentas folhas; ou ainda, se preferirmos, para chegar a fornecer mil livros deste tipo em um ano, não se poderia ter menos de duzentos copistas trabalhando o tempo inteiro. Nas cidades universitárias, onde mestres e estudantes tinham necessidade de muitos livros, mas dispunham de limitados recursos financeiros, procurou-se reduzir a um mínimo o preço de revenda dos livros: pequenos formatos, linhas apertadas, escrita mais cursiva, multiplicação das abreviaturas permitiam economizar o pergaminho ou o papel, sempre ganhando um pouco de tempo de cópia. A adoção do sistema de pecia, que acelerava a rotação dos exemplares a serem reproduzidos, permitia igualmente melhorar a produtividade dos escribas, sempre preservando a qualidade dos textos postos em circulação. VERGER, Jacques. Homens e Saber na Idade Média. A renúncia O presidente vinha administrando o país sem contar com uma base política de apoio. O PSD e o PTB dominavam o Congresso; Lacerda passara para a oposição, martelando suas críticas a Jânio com a mesma veemência com que o apoiara. A UDN tinha várias razões de queixa. O presidente agia praticamente sem consultar a liderança udenista no Congresso. Além disso, a política externa independente causava preocupações, assim como a simpatia presidencial pela reforma agrária. Na noite de 24 de agosto de 1961, Lacerda – que tinha sido eleito governador da Guanabara – fez um discurso, transmitido pelo rádio, denunciando uma tentativa de golpe janista articulado pelo ministro da justiça Oscar Pedroso Horta. Estranhamente, teria sido convidado a aderir a ele. Pedroso Horta negou a acusação. Logo no dia seguinte, Jânio renunciou à presidência da República, comunicando a decisão ao Congresso Nacional. A renúncia não chegou a ser esclarecida. O próprio Jânio negou-se a dar uma versão clara dos fatos, aludindo sempre às “forças terríveis” que o levaram ao ato. A hipótese explicativa mais provável combina os dados de uma personalidade instável com um cálculo político equivocado. Segundo esta hipótese, Jânio esperava obter com uma espécie de “tentativa de renúncia” maior soma de poderes para governar, livrando- se até certo ponto do Congresso e dos partidos. Ele se considerava imprescindível para os partidos na campanha presidencial e se julgava imprescindível para o Brasil como presidente. Acaso os conservadores e os militares iriam querer entregar o país a João Goulart? FAUSTO, Boris, In.:. Historia do Brasil.
  20. 20. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 20 TIPOS DE SEQÜÊNCIA TEXTUAL EXPOSITIVA-EXPLICATIVA e ARGUMENTATIVA 5 Normalmente há uma predominância dos textos expositivos-explicativos no âmbito didático. Alguns gêneros discursivos nos quais predomina a seqüência expositiva/explicativa: • aulas, • verbetes de enciclopédia, • exposições orais, • relatórios, • manuais de diferentes ciências. Os textos argumentativos em geral aparecem no âmbito jurídico, político, jornalístico. Alguns gêneros discursivos nos quais predominam a seqüência argumentativa: • falas no congresso ou câmara, • debates, • editorial, • acusação ou defesa em um julgamento, • ensaio, • propaganda. Embora apresentem diferenças os textos expositivos e argumentativos se caracterizam por desenvolver uma exposição elaborada de um tema ou da solução de um problema, ou fundamentar uma opinião. Ambos os tipos de textos apresentam a propriedade de expor idéias, mas se considerados individualmente, podem tender ao pólo expositivo-explicativo ou argumentativo (ARNOUX, 2005). Exemplos: Um texto que trate o tema de como se sucedem as estações do ano, hoje é objeto de explicação mas antes, quando não havia comprovação socialmente legitimada era objeto de argumentação. Um texto que trate as principais causas da delinqüência juvenil é objeto de argumentação, já que não há um consenso sobre o assunto que possibilite a sua explicação. Assuntos que poderiam ser objeto de argumentação em certas ocasiões são abordados de maneira explicativa, na tentativa de apresentar argumentos como “verdades” aceitas. 5 O material que segue é uma adaptação de ARNOUX, Elvira, DI STEFANO, Mariana, PEREIRA, Cecília. La lectura y la escritura en la universidad. Buenos Aires, Eudeba, 2005.
  21. 21. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 21 O DISCURSO EXPOSITIVO-EXPLICATIVO Tipos de exposição: • exposição de um saber construído alhures e já reconhecido socialmente. “É muito recente a invenção histórica da nação, entendida como Estado-nação, definida pela independência ou soberania política e pela unidade territorial e legal. Sua data de nascimento poder ser colocada por volta de 1830. De fato, a palavra “nação” vem de um verbo latino, nascor (nascer), e de um substantivo derivado desse verbo, natio ou nação, que significa o parto de animais, o parto de uma ninhada. Por significar o “parto de uma ninhada’, a palavra natio / nação passou a significar por extensão, os indivíduos nascidos ao mesmo tempo de uma mesma mãe, e , depois os indivíduos num mesmo lugar”. 6 CHAUI, Marilena. Brasil – Mito fundador e sociedade autoritária, 2000. • exposição de um saber – teórico ou quase teórico – constatado por um “observador”. “(...) Medimos a atividade cerebral de voluntários enquanto ouviam três tipos de sentenças: frases corretas, frases cuja semântica era incorreta, ou seja, que continham uma palavra com significado absurdo ou frases com erros sintáticos-gramaticais. Para definir que regiões elaboram informações semânticas, os participantes escutavam frases nas quais a sintaxe e a prosódia permaneciam constantes e apenas a semântica mudava. Observou-se, então, que o significado das palavras é responsável por mudanças na atividade neuronal – todos os outros aspectos permaneceram iguais”. 7 FRIEDERICI, Ângela D. “A escuta da mente”. In.:Viver – Mente & Cérebro, 2005, no. 151. Características: • tendência a não apresentar as marcas de um sujeito enunciador com a eliminação de marcas valorativas, afetivas ou apreciativas. Este recurso instaura uma distância entre o sujeito enunciador e o enunciado (tema ou problema exposto) e gera um efeito de objetividade. Um novo grupo para os desgarrados No oeste da Europa, na Ásia e na América do Norte, línguas isoladas, como o basco, parecem desprovidas de qualquer parentesco. Comparações recentes mostram que elas pertencem a uma única família, o deno-caucasiano. POR MERRITT RUHLEN O conceito de famílias de línguas é conhecido: todos sabem que o português e as outras línguas romanas, como o romeno, italiano, catalão, espanhol e francês, evoluíram a partir do latim, falado no Império Romano há 2 mil anos. A classificação por famílias revela a origem histórica de semelhanças observadas entre as línguas contemporâneas. A família romana apresenta uma particularidade rara: sua língua-mãe, o latim, era escrita e deixou documentos, o que nos permite fazer a reconstituição de sua história e desenvolvimento. Para a maioria das outras famílias de línguas, como a germânica (alemão, neerlandês, inglês, sueco, etc) ou a eslava (russo, polonês, theco, sebo-croata, búlgaro etc), a ancestral da qual se originaram as línguas modernas não era escrita e não dispomos de uma atestação histórica direta. No entanto, a realidade das famílias germânica ou eslava não é menos evidente do que a da família romana: cada uma é caracterizada por uma série de vocábulos que são semelhantes nas línguas filhas (ou herdeiras), tenha a língua-mãe sido escrita ou não. Para um falante de uma língua de origem romana, é fácil identificar os outros membros da família pela simples comparação. O vocábulo mão em português assemelha-se ao romeno mînä, ao espanhol e ao italiano mano, ao francês main ou ainda ao sardo manu, bem mais do que ao inglês hand, ao russo ruka, ou ao japonês te, todos como o mesmo significado. As línguas que pertencem a uma mesma família resultam da evolução divergente de uma única anterior, a protolíngua. Por exemplo, a palavra camundongo, que se diz mouse em inglês, mus em sueco, Maus em alemão, muis em neerlandês, muus em latim, mûs em grego clássico, myS em russo, myz em polonês e miS em serbo-croata, deriva, segundo especialistas, do vocábulo proto-indoeruopeu *muus (o asterisco indica que se trata de uma palavra reconstruída). 6 Grifo nosso. 7 Idem.
  22. 22. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 22 Apesar desses 200 anos de pesquisas taxonômicas, inúmeras línguas continuam isoladas, aos menos aparentemente: elas parecem não pertencer a nenhuma família identificável. O exemplo mais famoso está na Europa. Trata-se do basco, idioma distinto da outras línguas européias. O buruchasqui falado no norte do Paquistão e o ket da Sibéria central são dois outros desses casos lingüísticos isolados. Essas três línguas eram consideradas desprovidas de parentesco – e para vários especialistas ainda hoje continuam sendo. Contudo, nos últimos 20, graças a uma das hipóteses mais audaciosas da história da taxonomia lingüística, esses três casos isolados encontram seu lugar na classificação das línguas do mundo. Além disso, de modo inesperado foi confirmado que as três pertencem à mesma família, atualmente chamada deno-caucasiana. Além do basco, do buruchasqui e do ket, o deno- caucasiano, o sino-tibetano e o na-deno. Fragmento extraído da revista Biblioteca entre livros – no. 4. • presença de recursos que respaldem e autorizem considerações expostas, e indiquem rigor científico, como por exemplo: linguagem técnica; Quadro 3 – comparando a linguagem corrente com a linguagem técnica Linguagem corrente Linguagem técnica O câncer de boca mata muita gente. Parece que esta doença é causada pelo fumo, que provoca um conjunto de alterações nas células da gente. O biólogo Wirshow, que pela primeira vez estudou o câncer, dizia que esta doença é como uma loucura que causa nas células. Elas mudam de comportamento mas quem paga o pato é você. Ainda mais quando as doidinhas dão de invadir o seu corpo. Acho que é isso aí. A transição epitélio-mesenquimal é um processo chave na invasão e mestátase em carcinomas, sendo responsável pela ativação de genes mesenquimais como a Vimentima e pela inibição de genes epiteliais como as Citoqueratinas. Uma série de eventos segue a transição epitélio-mesenquimal, como a perda de adesão celular, a síntese de componentes exclusivos da matriz extracelular como a glicosaminoglicana Fibronectina e a síntese de proteases como a Estromelisina-1. Rogério Moraes de Castilho (2003). Transição epitélio- mesenquimal em carcinomas epidermóides bucais. São Paulo: Universidade de São Paulo, tese de doutoramento. CASTILHO, Ataliba. Saber uma língua é saber separar o certo do errado? Disponível em http://www.museudalinguaportuguesa.org.br. uso do discurso direto com citações textuais entre aspas (ou itálico) dentro do parágrafo ou separado do parágrafo com fonte menor. 4.1 Teoria 1: “a língua é uma atividade mental” De acordo com esta vertente, a língua é uma atividade mental, por meio de que representamos semântica e gramaticalmente os elementos do mundo à nossa volta, captados por nossos órgãos de percepção. Seu estudo, portanto, implica em descobrir como a mente humana, cuja sede é o cérebro, funciona no que diz respeito à produção de uma língua. Uma pergunta e tanto, não é mesmo? Inspecionar a mioleira, e entender seu funcionamento! Logo de cara você pode perceber que esse programa terá de envolver muitas especialidades científicas: a biologia, a neurologia, a psiquiatria, a neurolingüística, as ciências cognitivas - numa palavra, a “miolologia”, que não brinca em serviço. Não é à toa que muitos desses cientistas afirmam – cheios de razão – que a pergunta que eles fazem é a última das perguntas, a mais básica dentre todas. Aliás, faz tempo que os homens fazem esta pergunta. A teoria da língua como uma atividade mental entronca em vertentes racionalistas clássicas e modernas tendo sido retomada no séc. XIX por Wilhelm von Humboldt, e no séc. XX por Chomsky, a partir de 1957, para ficar apenas com estes dois. Humboldt (1836: 63) havia traçado um programa de pesquisas que o identifica plenamente com o que estou chamando aqui de Teoria 1. Ele afirmou que "se deve considerar a língua não tanto como um produto inerte, mas sobretudo como produção; [deve-se] abstrair em maior medida sua ação designadora de objetos, e mediadora da compreensão, remontando com maior afinco à sua origem, tão estreitamente unida à atividade interior do espírito, e à influência que exercem a linguagem sobre esta, e esta sobre aquela". Aprofundando sua definição da língua como uma entidade dinâmica, ele diz que "a língua mesma não é uma obra (érgon), mas uma atividade (enérgeia); por isso, sua verdadeira definição só pode ser genética": pág. 65. Você já notou: ele está separando a língua como enunciado, como obra acabada (érgon), da língua como enunciação,
  23. 23. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 23 como uma atividade sem fim (enérgeia). Em seguida, Humboldt passa a operar com os conceitos de "forma da língua" e "matéria da língua". Ele mostra que a matéria da língua é heterogênea, caótica, e tem sido descrita e sistematizada pela gramática e pelo dicionário, que servem ao aprendizado, mas não explicam a verdadeira natureza da língua. Já a forma é um "elemento constante e homogêneo que subjaz ao trabalho do espírito por meio do qual o som articulado é elevado à expressão das idéias"; [esse elemento] é "apreendido da maneira mais cabal possível em seu travejamento interno, e exposto com sistema". Naturalmente, a forma da língua é "uma abstração construída pela ciência" (págs. 66 e 67), e "não deve ser entendida tão somente como a chamada forma gramatical": pág. 68. Numa clara priorização da forma sobre a matéria enquanto objeto de estudos e de definição da língua, ele afirma que "num sentido absoluto, dentro da língua não pode haver matéria sem forma", e até o som articulado deriva sua natureza "justamente pela forma que ele recebe": pág. 69. A contribuição maior de Humboldt foi secundarizar a função comunicativa como uma consideração central para a compreensão da linguagem. Ele afirma repetidas vezes que a importância maior da língua está em permitir a construção de uma visão do mundo, em constituir nossas experiências para que, secundariamente, possamos compartilhá-las com o outro - daí ser ela uma enérgeia, pois constantemente retorna sobre si mesma, e se reconstrói: Humboldt (1836: 157). Franchi (1977) tematizou cuidadosamente estas idéias, quando escreveu sobre a "língua como uma atividade constitutiva". Chomsky começa por separar a Língua I, ou internalizada – a língua como uma entidade mental – da Língua E, ou externalizada – aquela que a gente ouve, e na qual escreve. Ele mostra que, enquanto a Língua E corresponde mais ou menos às descrições das manifestações linguísticas, o verdadeiro alvo da ciência está em entender a Língua I. Ou seja, ele está de acordo com Humboldt. Para isso, ele propõe diferentes princípios, para garantir que o raciocínio seja cuidadosamente guiado, evitando associações intuitivas que possam prejudicar o trabalho. A partir dessas idéias, Chomsky construiu um programa de investigações, assim sintetizado por Raposo (1992): 1. Qual é o conteúdo do sistema de conhecimentos do falante, por exemplo, do Português? O que é que existe na mente desse falante que lhe permite falar e compreender expressões do Português e ter intuições sobre os sons, as construções e os sentidos dessa ou de outras línguas? 2. Como é que esse sistema de conhecimentos se desenvolve na mente do falante? Que tipo de conhecimentos é necessário pressupor que a criança traz a priori para o processo de aquisição de uma língua particular, ou seja, para explicar o desenvolvimento dessa língua em sua mente? 3. Como é que o sistema de conhecimentos adquirido é utilizado pelo falante em situações discursivas concretas? 4. Quais são os sistemas físicos do cérebro do falante que servem de base ao sistema de conhecimentos lingüísticos? Diversas teorias esmiúçam a compreensão da língua como uma atividade mental: os estudos sobre aquisição da linguagem*, a gramática gerativa*, a gramática cognitivista*, e a Linguística cognitivista*. Outros textos do Portal tratarão desses ramos de estudos. CASTILHO, Ataliba de. O que se entende por língua e linguagem? Disponível em http://www.museudalinguaportuguesa.org.br uso da forma do discurso indireto (paráfrase) com remissão clara às fontes bibliográficas. “A contribuição maior de Humboldt foi secundarizar a função comunicativa como uma consideração central para a compreensão da linguagem. Ele afirma repetidas vezes que a importância maior da língua está em permitir a construção de uma visão do mundo, em constituir nossas experiências para que, secundariamente, possamos compartilhá-las com o outro - daí ser ela uma enérgeia, pois constantemente retorna sobre si mesma, e se reconstrói: Humboldt (1836: 157).” “A partir dessas idéias, Chomsky construiu um programa de investigações, assim sintetizado por Raposo (1992): 1. Qual é o conteúdo do sistema de conhecimentos do falante, por exemplo, do Português? O que é que existe na mente desse falante que lhe permite falar e compreender expressões do Português e ter intuições sobre os sons, as construções e os sentidos dessa ou de outras línguas? 2. Como é que esse sistema de conhecimentos se desenvolve na mente do falante? Que tipo de conhecimentos é necessário pressupor que a criança traz a priori para o processo de aquisição de uma língua particular, ou seja, para explicar o desenvolvimento dessa língua em sua mente? 3. Como é que o sistema de conhecimentos adquirido é utilizado pelo falante em situações discursivas concretas? 4. Quais são os sistemas físicos do cérebro do falante que servem de base ao sistema de conhecimentos lingüísticos?”
  24. 24. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 24 o uso da primeira pessoa do plural “nós” que caracteriza o enunciador como um membro de uma comunidade científica. “Lembramos aqui que a classe dirigente romana foi centralizadora no plano militar e político, mas não no plano lingüístico e cultural, pois nunca impuseram com a força de lei o uso da língua latina (De Mauro 1979). A aquisição da língua de Roma era uma escolha do povo dominado. Por outro lado, falar latim foi considerado sinal de grande distinção social para todos os verdadeiros cidadãos, orgulhosos da própria língua e do próprio prestígio político. A importância capital de Roma, o fato de que nela estivessem concentrados os direitos civis, o prestígio imenso que derivava do pertencer ao Estado mais forte do Mediterrâneo, tornaram o latim um objetivo de elevação social para vastas camadas de população. Participar da latinidade queria dizer conquistar um espaço político (Gensini 1985:40- 41).” 8 OLIVEIRA, Marilza. Para a História social da língua portuguesa em São Paulo: séculos SVI-XVIII. Lingüística 2002. São Paulo, ALFAL, 2002, vol. 14. • o uso de citações (discurso direto) ou paráfrases (discurso indireto) serve também para ampliar ou esclarecer a informação sobre determinado tema ou problema. 1. 3 O estatuto do autor Com base nos pressupostos da escrita como um fazer dialógico e da leitura como um processo discursivo, perguntamo-nos, qual o papel do autor nessa linha (sempre pensando no discurso monográfico)? Para tanto, fazemos nossas as palavras de Coracini (1999: 173-174), para a qual: O autor é aquele que imprimi unidade ao texto, efeito discursivo que deriva do princípio de autoria, efeito esse que faz parecer único o que é múltiplo, transparente o que é opaco, desempenhando, assim uma função jurídica de responsabilidade, então, a ascensão da autoria se dá quando o sujeito, ocupando uma determinada posição numa dada formação discursiva, consegue organizar o já dito, segundo as regras de um discurso legitimado. Assim, a identidade do sujeito e do autor do discurso monográfico, em nosso caso, deve ser concebida na sua heterogeneidade, sempre constitutiva, e não na homogeneidade, já que esta se apresenta de modo aparente e enganoso. Decorre, daí, as múltiplas re-significações provocadas pelo estranhamento da presença do Outro (ou de outros) no fio do discurso monográfico, desestruturando e desestabilizando a sua própria identidade. MASCIA, Márcia Aparecida Amador. Os discursos monográficos nos movimentos da globalização versus virtualização e da pós-modernidade. In Reverte 2, 2004. 8 Grifo nosso.
  25. 25. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 25 O DISCURSO ARGUMENTATIVO Os textos argumentativos apresentam a construção de novos conceitos a partir do próprio desenvolvimento discursivo. Características: • tendência a construção de novos conceitos a partir do próprio desenvolvimento discursivo • apresentam a marca de um sujeito enunciador que se opõe à opinião de outros. • o enunciador se propõe a persuadir seu destinatário • presença da subjetividade do enunciador dada pelas marcas valorativas, afetivas ou apreciativas na linguagem Vamos observar um fragmento 9 de um texto de Noam Chomsky, Professor de Lingüística no MIT Massachusetts Institute of Technology. “ Em qual dos diversos sentidos que atribuímos à democracia queremos que esta sociedade seja uma sociedade democrática? Permitam-me contrapor duas concepções de democracia. Em uma delas o público pode participar de uma maneira significativa na direção dos seus próprios assuntos, e os meios de informação são abertos e livres. Se alguém procurar a palavra “democracia” no dicionário obterá mais ou menos essa definição. Uma concepção alternativa de “democracia” é que o público deve ser excluído da administração de seus próprios assuntos e os meios de informação devem ser rígida e estritamente controlados. Esta poderia soar como uma concepção extravagante de democracia, mas, no entanto é a que prevalece, não somente nos fatos mas também na teoria. Há uma longa história deste ponto de vista que começa nas primeiras revoluções democráticas da Inglaterra do século XVII. Vejamos agora como e por quê o problema dos meios de comunicação e da desinformação cabem neste contexto. A primeira operação de propaganda em um governo moderno aconteceu durante a administração de Woodrow Wilson. Wilson foi eleito presidente dos Estados Unidos em 1916 com uma plataforma cujo lema era “Paz sem vitória”. Era um lema acertado em plena Primeira Guerra Mundial. A população norte-americana era extremamente pacifista e não via razão alguma para intervir no conflito europeu. Mas a administração de Wilson havia se comprometido em atuar e devia fazer algo a respeito. Estabeleceu assim uma comissão de propaganda do governo, denominada comissão Creel, que em menos de seis meses conseguiu converter uma população pacifista em uma histérica e belicosa massa que ansiava destruir a Alemanha, despedaçar os alemães membro por membro, ir à guerra e salvar o mundo. Foi uma conquista fenomenal, e deu lugar a outras conquistas. Nesta mesma época e depois da guerra, as mesmas técnicas foram empregadas para estimular o “Medo aos Vermelhos”. Como se sabe, com elas se alcançou um enorme sucesso na destruição dos sindicatos e na delimitação de perigosos problemas como a liberdade de imprensa e a liberdade de pensamento político. Esta cruzada contou com um forte apoio dos meios de comunicação e das grandes empresas, que organizaram e impulsionaram o trabalho. Linguagem persuasiva Entre os que participaram com entusiasmo havia alguns intelectuais progressistas, gente do círculo de John Dewey (filósofo e educador), que sentiam grande orgulho em mostrar – como se pode ver por seus escritos dessa época – que “os mais inteligentes membros da comunidade” – como eles se denominavam a si próprios – faziam desviar em direção à guerra uma população que não a desejava, aterrorizando-a e inflamando-a com um fanatismo patriota. Os meios que se empregaram foram dos mais imaginativos. Houve, por exemplo, uma abundante fabricação de atrocidades cometidas: criancinhas belgas com os braços arrancados e adolescentes alsacianas 10 que tinham as cabeças arremessadas contra a parede e toda a sorte de coisas terríveis que ainda se podem ler nos livros de história.Tudo isso foi inventado pelo Ministério de Propaganda britânico, cujo compromisso central naquele momento – tal como escreveram nas atas de suas deliberações secretas – era controlar o pensamento de todo o mundo. Mas aquilo que mais interessava era controlar o pensamento dos membros mais inteligentes da comunidade dos Estados Unidos, que poderiam difundir a propaganda que o ministério havia tramado e converter um país pacifista em um histérico guerreiro. A propaganda é para a democracia o que o cassetete ou os instrumentos de tortura são para os governos totalitários. Os Estados Unidos foi o pioneiro na indústria das relações públicas. O objetivo dessa indústria é controlar a mente das massas. Os Estados Unidos aprendeu muito da Comissão Creel e com o lucro obtido com o “Medo aos Vermelhos”. É uma vasta indústria. Gasta atualmente um bilhão de dólares por ano. A mensagem essencial é que devemos trabalhar todos juntos e em harmonia em prol do ideal norte-americano . Quem poderia se opor a isso? Quem poderia se opor a um slogan como “Apóie nossos soldados? São todas frases vazias. De fato, se te perguntam: Você apóia as pessoas de Iowa? Você responderia que sim, claro, sem saber muito bem o que isso significa. O que tudo isso significa é: apóie nossa política. Mas você não quer que as pessoas percebam isso. Aqui está a sutileza da boa propaganda. Trata-se de criar um slogan ao qual ninguém se oponha e que todos apóiam porque ninguém sabe o que significa, porque a atenção está desviada daquilo que de fato significa algo: “Você apóia nossa política?” 9 Tradução nossa. 10 Alsaciano.: ADJ 1 natural ou habitante da Alsácia (França).
  26. 26. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 26 Para convencer o destinatário de seu julgamento sobre a função dos meios de comunicação de massa nas democracias atuais Chomsky lança mão de diferentes estratégias: • interpelação do destinatário com uma pergunta inicial O texto inicia com uma pergunta que envolve o leitor ao convidá-lo a pensar sobre a democracia que “queremos”: “Em qual dos diversos sentidos que atribuímos à democracia queremos que esta sociedade seja uma sociedade democrática?” Este tipo de pergunta se distingue daquelas que encontramos no discurso expositivo-explicativo, normalmente neste tipo de texto a pergunta se apresenta de forma mais neutra e tem a função de esclarecer uma questão que o leitor desconhece: “O que é a fenomenologia? (..) A fenomenologia é o estudo das essências, e segundo ela, todos os problemas se resolvem no estudo das essências:...” MERLEAU-PONTY, M. Fenomenología de la percepción, Barcelona, Planeta, 1985. No texto argumentativo de Chomsky, a pergunta do enunciador compromete o leitor. O uso da primeira pessoa do plural nesse caso tem a função de incluir o destinatário (“que sentido atribuímos à democracia que queremos / você e eu....?), como se enunciador e destinatário compartilhassem das mesmas opiniões. • uso argumentativo da definição do conceito de democracia O autor apresenta a definição de democracia com seleção de algumas características do significado de democracia (tomada de decisões e a liberdade de imprensa), o que permite a introdução de um “novo conceito” que se constrói no desenvolvimento discursivo na confrontação com a definição do dicionário, com a qual dialoga polemicamente: “Permitam-me contrapor duas concepções de democracia. Em uma delas o público pode participar de uma maneira significativa na direção dos seus próprios assuntos, e os meios de informação são abertos e livres. Se alguém procurar a palavra “democracia” no dicionário obterá mais ou menos essa definição.” Uma concepção alternativa de “democracia” é que o público deve ser excluído da administração de seus próprios assuntos e os meios de informação devem ser rígida e estritamente controlados. Esta poderia soar como uma concepção extravagante de democracia, mas no entanto é a que prevalece, não somente nos fatos mas também na teoria. Há uma longa história deste ponto de vista que começa nas primeiras revoluções democráticas da Inglaterra do século XVII.” • uso de segmento narrativo com intenção argumentativa O terceiro parágrafo introduz uma seqüência narrativa que contribuiu com explicações que fundamentam a analogia que aparece nas conclusões do parágrafo oito: “A propaganda é para a democracia o que o cassetete ou os instrumentos de tortura são para os governos totalitários.” • inclusão de outras vozes de forma fragmentada No texto de Chomsky o discurso de outrem está acompanhado pelos comentários do enunciador. “Entre os que participaram com entusiasmo havia alguns intelectuais progressistas, gente do círculo de John Dewey (filósofo e educador), que sentiam grande orgulho em mostrar – como se pode ver por seus escritos dessa época – que “os mais inteligentes membros da comunidade” – como eles se denominavam a si próprios – faziam desviar em direção à guerra uma população que não a desejava, aterrorizando-a e inflamando-a com um fanatismo patriota.” A inclusão de outras vozes no texto aparece de forma híbrida, ou seja, sem marcas definidas, isto supõe uma interpretação do discurso do outro pelo argumentador que deixa transparecer sua posição ideológica ou afetiva.
  27. 27. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 27 “criancinhas belgas com os braços arrancados e adolescentes alsacianas que tinham as cabeças arremessadas contra a parede e toda a sorte de coisas terríveis que ainda se podem ler nos livros de história.Tudo isso foi inventado pelo Ministério de Propaganda britânico, cujo compromisso central naquele momento – tal como escreveram nas atas de suas deliberações secretas – era controlar o pensamento de todo o mundo.” Neste tipo de seqüência textual predomina o discurso indireto, a contaminação de vozes e o discurso indireto livre. • interpelação do destinatário em segunda pessoa No último parágrafo o enunciador, de forma mais direta, volta a interpelar o enunciador para comprometê-lo em um suposto diálogo em que trata de evidenciar o funcionamento dos meios de comunicação de massa nas democracias: “É uma vasta indústria. Gasta atualmente um bilhão de dólares por ano. A mensagem essencial é que devemos trabalhar todos juntos e em harmonia em prol do ideal norte-americano . Quem poderia se opor a isso? Quem poderia se opor a um slogan como “Apóie nossos soldados? São todas frases vazias. De fato, se te perguntam: Você apóia as pessoas de Iowa? Você responderia que sim, claro, sem saber muito bem o que isso significa. O que tudo isso significa é: apóie nossa política. Mas você não quer que as pessoas percebam isso. Aqui está a sutileza da boa propaganda. Trata-se de criar um slogan ao qual ninguém oponha e que todos apóiam porque ninguém sabe o que significa, porque a atenção está desviada daquilo que de fato significa algo: “Você apóia nossa política?” Neste parágrafo há a representação de diferentes vozes com a finalidade de acentuar o controle social exercido pelos meios de comunicação. Quadro esquemático das características dos textos expositivo-explicativo e argumentativo: expositivo-explicativo argumentativo • apresenta-se como um saber construído alhures e já reconhecido socialmente, ou como um saber teórico. • Tendência a apagar as marcas do sujeito enunciador e instaurar uma distancia que gere o efeito de objetividade. • As fronteiras entre discurso citante e citado são nítidas. • Propõe-se a informar. • A dimensão relativa ao conhecimento é central. • Apresenta-se como a construção de novos conceitos a partir do próprio desenvolvimento discursivo. • O sujeito enunciador se manifesta e confronta sua opinião com a de outros. • Aparecem distintas formas de combinações de vozes. • Propõe-se a persuadir. • À dimensão relativa ao conhecimento se acrescenta a emocional. ATIVIDADES Leia os textos Valores universitários e Teoria 1: “a língua é uma atividade mental”). Considere a caracterização dos textos expositivo-explicativo e argumentativo e compare entre ambos: - tipo de seqüência predominante - tendência à ausência ou presença do sujeito enunciador - formas de inclusão da palavra de outros - finalidade
  28. 28. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 28 EXPLICAÇÃO/EXPOSIÇÃO Aspectos a serem considerados no texto explicativo-expositivo: Recursos discursivos: • tendência a apagar marca enunciativas do sujeito para gerar efeito de objetividade; • delimitação clara do discurso citado, com citações textuais ou remissão clara às fontes bibliográficas. Recursos retóricos: • definição • comparação e analogia • reformulação • exemplo • reiteração • organizadores de discurso A SEQÜÊNCIA EXPLICATIVA-EXPOSITIVA Esquema típico: • apresentação (facultativa) • formulação do problema (explícita ou implícita) • resposta ao problema • avaliação (facultativa) “Os átomos estão compostos de prótons, nêutrons e elétrons. Podemos cortar um elétron? Se bombardearmos prótons com outras partículas elementares a grandes energias – outros prótons, por exemplo – começamos a vislumbrar unidades mais fundamentais que se ocultam dentro do próton. Os físicos propõem atualmente que as chamadas partículas elementares como os prótons e os nêutrons estão compostos na realidade por partículas mais elementares, chamadas quarks,...” 11 SAGAN, C. Cosmos. Buenos Aires, Planeta, 1980. Podemos observar as seguintes partes no texto anterior: • apresentação: Os átomos estão compostos de prótons, nêutrons e elétrons Aqui temos a situação inicial que neste caso trata-se de um saber já reconhecido socialmente, e que se presume que o leitor conheça. • formulação do problema Podemos cortar um elétron? O problema a ser explicado aparece em forma de pergunta. Encontrar partículas menores é um dilema para a ciência, como se trata de um livro de divulgação científica pressupõe-se que o leitor necessite da informação. • resposta ao problema Se bombardearmos prótons com outras partículas elementares a grandes energias – outros prótons, por exemplo – começamos a vislumbrar unidades mais fundamentais que se ocultam dentro do próton. Temos aqui a resposta ao problema com os conhecimentos constatados pela ciência até o momento da publicação do livro. 11 Tradução nossa.
  29. 29. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 29 • avaliação Os físicos propõem atualmente que as chamadas partículas elementares como os prótons e os nêutrons estão compostos na realidade por partículas mais elementares, chamadas quarks,... Nesta última parte são apresentadas as especulações dos cientistas sobre a existência de partículas subatômicas, podemos entendê-la como uma avaliação que o autor faz do estado do conhecimento da ciência. Nem sempre temos estas quatro partes em todas as seqüências explicativas, há casos em que alguma delas pode estar implícita. Normalmente quando se supõe que o leitor conhece a situação inicial não há apresentação, em alguns casos até mesmo a formulação do problema pode estar ausente. ATIVIDADE: Leia o texto e identifique o problema que é explicado. ______________________________________________________________________ “Durante mais de quatro séculos o discurso oficial se referiu ao “descobrimento da América” para designar a chegada de Colombo a Guanahaní, em 12 de outubro de 1492. No entanto, em torno do Quinto Centenário registrou-se um gesto que merece ser observado e explicado: seus promotores – o Estado espanhol e os governos latino americanos – descartaram o conhecido “descobrimento” em beneficio de um termo que expresse melhor sua ótica atual. Assim passaram a usar para comemorar aquele acontecimento histórico o nome “Encontro de dois mundos”. Descobrimento ou conquista? Façanha civilizadora ou lenda negra? Encontro de dois mundos ou genocídio? São termos de uma polêmica que não cessa, porque o nome das coisas é sempre um terreno de disputa. Dar nome a um fato, longe de ser um ato de objetividade, envolve necessariamente uma valorização que não é arbitraria, nem responde a simples vontades individuais, mas materializa a visão que se produz a partir de uma determinada linha ideológica, política, cultural e social. (...).” 12 Di Stefano, M. E Gorini, U.: “El nombre de la cosa”. In: El descubrimiento, Buenos Aires, Desde la gente, 1992. 12 Tradução nossa.
  30. 30. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 30 O QUE DESENCADEIA A EXPLICAÇÃO Normalmente o ponto de partida para o desenvolvimento do discurso explicativo é a existência de um problema que pode ser enunciado das seguintes formas: • orações interrogativas diretas Alimentos transgênicos O que são? • Sementes transgênicas são as que têm seu material genético alterado por meio da inoculação de outros organismos para gerar plantas resistentes a herbicidas ou pragas. Vantagens • Podem produzir alimentos mais nutritivos e baratos • Seu cultivo é mais eficiente do que o convencional Riscos potenciais • Causar alergias ou danificar o sistema imunológico • Transmitir seus genes a outras espécies, gerando “superpragas” • Genes das sementes modificadas podem afetar animais e insetos Folha de São Paulo, 22/04/99. • orações interrogativas indiretas Quem é jovem corre mais riscos Há 25 doenças relacionadas com o cigarro, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). Algumas atingem mais diretamente quem começa a fumar antes dos 20 anos. Todo mundo sabe que fumar pode causar câncer no pulmão. Mas poucos sabem que o cigarro é responsável por 90% das mortes por câncer do pulmão, ou seja, quase todas. Fátima Gigliotti. Folha de São Paulo, 31/05/99. O texto anterior poderia apresentar o problema da seguinte forma: Neste estudo os especialistas trataram de investigar se existe um grupo que corre mais riscos de doenças relacionadas com o cigarro. • com títulos que antecipem o problema Calvície e queda de cabelo Nossos cabelos estão constantemente caindo e sendo repostos. A calvície acontece quando a taxa de queda de cabelos é superior ao normal e não há a reposição dos fios de cabelo. A calvície também ocorre em mulheres, porém, ao contrário dos homens nos quais a esmagadora maioria dos casos é decorrente da genética ou hormônios, no sexo feminino as causas são mais complexas. http://www.copacabanarunners.net/calvicie.html 31/10/05 • sem uso de formas interrogativas “A descoberta de que o mundo se tornou mundo, de que o globo não é mais apenas uma figura astronômica, de que a Terra é o território no qual todos se encontram relacionados e atrelados, diferenciados e antagônicos, essa descoberta surpreende, encanta e atemoriza. Trata-se de uma ruptura drástica nos modos de ser, sentir, agir, pensar e fabular. Um evento heurístico 13 de amplas proporções, abalando não só convicções, mas também visões do mundo. Ocorre que o mundo não é mais exclusivamente uma coleção de nações, sociedades nacionais, estados- nações, em suas relações de interdependência, dependência, colonialismo, imperialismo, bilateralismo, multilateralismo. Simultaneamente, o centro do mundo não é mais principalmente o indivíduo, tomado singular e coletivamente, como povo, classe, grupo, minoria, maioria, opinião pública. Ainda que a nação e o indivíduo continuem a ser muito mais reais, inquestionáveis e presentes todo o tempo, em todo lugar, povoando a reflexão e a imaginação, ainda assim já não são “hegemônicos” 14 . Foram subsumidos 15 formal ou realmente pela sociedade 13 Heurístico.: Adj. que busca invenção ou a descoberta; investigativo. 14 Hegemônico.: Adj. que tem hegemonia. (Hegemonia.: 1 preponderância de um povo ou uma classe social sobre a outra. 2 posição destacada; supremacia; superioridade). 15 Subsumir. V. considerar como dependente ou como compreendido.
  31. 31. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 31 global, pelas configurações e movimentos da globalização. O mundo mundializou-se, de tal maneira que o globo deixou de ser uma figura astronômica para adquirir mais plenamente sua significação histórica. Daí nascem a surpresa, o encantamento e o susto. Daí a impressão de que se romperam modos de ser, sentir, agir, pensar e fabular. Algo parecido com as drásticas rupturas epistemológicas 16 representadas pela descoberta de que a Terra não é mais o centro do universo, conforme Copérnico, o homem não é mais filho de Deus, segundo Darwin, o individuo é um labirinto povoado de inconsciente, de acordo com Freud. É claro que a descoberta da sociedade global, que o pensamento científico está realizando no declínio do século XX, não apresenta as mesmas características das descobertas mencionadas. Mesmo porque são diversas e antigas as instituições e indicações mais ou menos notáveis da globalização. Desde que o capitalismo desenvolveu-se na Europa, apresentou sempre conotações internacionais, multinacionais, transnacionais, mundiais, desenvolvidas no interior da acumulação originária, mercantilismo, colonialismo, imperialismo, dependência, interdependência. E isso está evidente no pensamento de Adam Smith, David Ricardo, Herbert Spencer, Karl Marx, Max Weber e muitos outros. Mas é inegável que a descoberta de que o globo terrestre não é mais apenas uma figura astronômica, e sim histórica, abala modos de ser, pensar, fabular. Nesse clima, a reflexão e a imaginação não só caminham de par-em-par como multiplicam metáforas, imagens, figuras, parábolas e alegorias destinadas a dar conta do que está acontecendo, das realidades não codificadas, das surpresas inimaginadas. As metáforas parecem florescer quando os modos de ser, agir, pensar e fabular mais ou menos sedimentados sentem-se abalados. É claro que falar em metáfora pode envolver não só imagens e figuras, signos e símbolos, mas também parábolas e alegorias. São múltiplas as possibilidades abertas ao imaginário cientifico, filosófico e artístico, quando se descortinam os horizontes da globalização do mundo, envolvendo coisas, gentes e idéias, interrogações e respostas, explicações e intuições, interpretações e previsões, nostalgias e utopias. A problemática da globalização, em suas implicações empíricas e metodológicas, ou históricas e teóricas, pode ser colocada de modo inovador, propriamente heurístico, se aceitamos refletir sobre algumas metáforas produzidas precisamente pela reflexão e imaginação desafiadas pela globalização. Na época da globalização, o mundo começou a ser taquigrafado como aldeia global, fábrica global, terra pátria, nave espacial, nova babel e outras expressões. São metáforas razoavelmente originais, suscitando significados e implicações. Povoam textos científicos, filosóficos e artísticos.” IANNI, Octavio. In: Sociedade e Linguagem. Unicamp, Campinas, SP, 1997 Qual é o problema que o texto tenta explicar? _____________________________________________________________________ 16 Epistemológico.:Adj. de ou relativo a epistemologia. (Epistemologia.: conjunto de estudos sobre a origem, natureza e limites do conhecimento).
  32. 32. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 32 FORMAS DE EXPLICAR: recursos retóricos Para dar resposta a uma pergunta a explicação pode usar diferentes recursos, como por exemplo tratar de apresentar as causas que explicam o fenômeno, ou narrar a origem de algum acontecimento, definições que facilitem a compreensão do que se pretende explicar, exemplos, etc. • Explicações que remetem a enunciados gerais “O objetivo deste ensaio é discutir as sempre delicadas relações entre sociedade e literatura, privilegiando, no amplo aspecto destas relações, o processo pelo qual, em diferentes momentos, distintas formações sociais estabeleceram formas diversas de gerenciamento da literatura. Identificando-se muitas vezes com a proibição do literário ou de algumas de suas manifestações, mas não se esgotando no puro gesto censório, pois que outras vezes manifesta-se na recomendação ou mesmo na obrigação de determinadas leituras, o gerenciamento que a sociedade impõe à literatura sugere a grande influência desta sobre aquela. Encenando, simbolizando ou exprimindo identidades, valores, emoções, sentimentos, pontos de vista e linguagens sociais, a literatura – ela própria, uma dessas linguagens – é simultaneamente radar e espelho, reflexo e sinal. Os olhos mais do que ressabiados com que a sociedade costuma encarar a literatura talvez se devam exatamente a este perfil instável e ubíquo de uma prática social simbólica que vem há séculos acompanhando o homem. Impiedade, loucura, excentricidade, marginalidade, criminalidade, subversão... são conceitos que, implícita ou explicitamente se fazem presentes em diferentes discursos sociais sobre práticas literárias, na expectativa de cortar-lhes as arestas, modulá-las e modelá-las. É de alguns destes discursos que se ocupa o presente ensaio, que seleciona diferentes formas de gerenciamento da literatura pelo Estado, para, a partir delas, refinar questões, levantar hipóteses e sugerir conclusões. (...)” LAJOLO, Marisa. Sociedade e literatura: parceria sedutora e problemática. In: Sociedade e Linguagem. Unicamp, Campinas, SP, 1997. Qual é o assunto mais geral, e qual o mais particular que o texto aborda? ___________________________________________________________________________ • Reformulação Procedimento para facilitar a compreensão do leitor, consiste em apresentar um enunciado que esclareça o segmento anterior do texto, ou que acrescente informação sobre este. Marcadores de reformulação: isto é, a saber, ou, ou seja, em outras palavras, sintetizando Estes não são marcadores exclusivos de reformulação. Um terremoto que mede 7 na escala Richter (em torno de 25 por ano), libera 10 25 ergs de energia, isto é, dez trilhões de trilhões de ergs, a energia equivalente à queima de 38 bilhões de litros de gasolina! (GLEISER, Marcelo) 17 Usando o fato de que ondas-S jamais são detectadas em pontos diametralmente opostos do planeta, ou seja, que elas não atravessam a Terra passando pela sua região central,deduzimos que essa região deve ser líquida. Funções mais habituais da reformulação em um texto expositivo: 1) definir o sentido da formulação original ou indicar em que sentido deve ser interpretada 2) indicar equivalência na significação 3) desenvolver ou exemplificar o conceito original 4) propor um enunciado mais fácil de compreender A partir das funções 1 e 3 podemos perceber que a definição e o exemplo são procedimentos de reformulação. No texto explicativo funcionam também como recurso para facilitar a compreensão. 17 Folha de São Paulo, 24/10/99.
  33. 33. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 33 • Exemplos O exemplo apresenta um caso concreto, particular, do conceito que está sendo explicado. Todo exemplo estabelece uma relação entre o caso particular, por um lado, e o conceito abstrato por outro. Normalmente este recurso no texto explicativo tem a finalidade de esclarecer. Marcadores do exemplo: expressões: por exemplo, como por exemplo (exclusivas da exemplificação) a saber, assim, como, é o caso de signos de pontuação: dois pontos, parênteses, hífen. Exemplo: Seja, por exemplo, o caso de uma companhia elétrica que necessita manter o cadastro de toda a rede elétrica, com seus com seus vários elementos constituintes, tais como: transformadores, capacitores, cabos, postes, etc. (SILVA, 2002:18) 18 • Definição O termo “banco de dados” significa um conjunto de dados organizados de maneira a atender uma determinada finalidade, ou um conjunto de finalidades integradas. O termo “banco de dados espaciais” é utilizado quando os dados a serem armazenados possuem características espaciais, ou seja, possuem propriedades que descrevem a sua localização no espaço e a sua forma de representação. Seja, por exemplo, o caso de uma companhia elétrica que necessita manter o cadastro de toda a rede elétrica, com seus vários elementos constituintes, tais como: transformadores, capacitores, cabos, postes, etc. Além disso, é importante para a concessionária saber quem são seus clientes, como se comporta o consumo desses clientes e a que parte da rede eles estão conectados. (SILVA, 2002:18) A definição de um termo tem como função reduzir a opacidade e ambigüidade das palavras. Tipos de definições: descritiva - descreve ou caracteriza o conceito. Marcadores: expressões como está formado por, está constituído por, está composto por, consiste em, etc. Exemplo: O Processamento da Consulta Espacial consiste na interpretação (sintática e semântica) de uma consulta escrita em linguagem de alto nível para instruções de baixo nível, gerando-se um plano estratégico de execução e diretrizes para o processamento. (SILVA, 2002:18) de denominação - indica o termo científico ou técnico usado para denominar o conceito explicado. Marcadores: verbos como chamar, designar, denominar, etc. Exemplo: A parte da DML responsável pela recuperação de dados é chamada Linguagem de Consulta. (SILVA, 2002:21) funcional – apresenta o objeto indicando sua função, finalidade ou uso. Marcadores: expressões como se utiliza para, serve para, cuja função é, tem como finalidade. Exemplo: 18 SILVA, Rosângela. Banco de Dados Geográficos: uma análise das arquiteturas dual (spring) e integrada (oracle spatial). 2002. Dissertação (Mestrado em Engenharia), Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo
  34. 34. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 34 O Processador de Consultas, também chamado de Gerenciador de Consultas, interpreta a Linguagem de Manipulação de Dados (DML) utilizada pelo banco de dados (...) (SILVA, 2002:20) por equivalência – explica um conceito por equivalência de significações. Marcadores: verbo ser ou signos de pontuação como parênteses, vírgula, hífen ou dois pontos. • Comparação Para explicar um objeto, fenômeno ou conceito mais abstrato ou menos conhecido a explicação pode vinculá-lo a outro mais conhecido. Marcadores expressões: a saber, assim, como, é o caso de signos de pontuação: dois pontos, parênteses, hífen. Exemplo: Em linguagem comum, sentenças como “x é irmão de y” e “x é primo de y” são denominadas relações entre “x” e “y”. Em linguagem matemática, as sentenças anteriores são sentenças abertas de duas variáveis, ou seja, são afirmações que não sabemos se são verdadeiras ou falsas; elas se tornam verdadeiras quando atribuímos valores a x e a y. (SILVA, 2002:23) • Analogia é um tipo específico de comparação em que se estabelece uma equivalência ampla entre o objeto ou idéia a ser explicado e outro objeto de outra natureza ou caráter Exemplos: “a perda de confiabilidade no mercado é como uma geada em uma plantação: tudo precisa ser refeito.” “A propaganda é para a democracia, o que o cassetete ou os instrumentos de tortura são para os governos autoritários.
  35. 35. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 35 ATIVIDADES A fúria do interior terrestre O interior da Terra está longe de ser um meio passivo. Pelo contrário, a imagem que prevalece hoje é a de um interior dividido em várias camadas, como uma cebola. A parte central, com um raio de 3.500 km, é dividida em duas partes, a mais interior, sólida, com um raio de 1.300km, e a mais exterior líquida. A densidade no centro da Terra pode ser 12 mil vezes maior do que a da água, e a temperatura pode chegar a 5.000 o C, comparável à da superfície do sol. Essa energia toda vem ainda do processo de criação e evolução inicial da Terra, com alguma contribuição de decaimentos radioativos. A Terra continua esfriando até hoje. Essa parte central é envolta por outra camada, chamada manto, que também tem em torno de 3.000 km de raio. Mesmo que não possamos, como os heróis da aventura “Viagem ao centro da Terra”, de Jules Verne, visitar o manto, podemos conhecer sua composição por meio de explosões vulcânicas. A lava que é expulsa nessas explosões vem do manto, o que nos dá uma idéia da incrível complexidade subterrânea de nosso planeta. O manto, por sua vez, é envolto pela crosta terrestre, a fina “capa” com espessura variando entre 8km e 15km que nos protege do caos sob nossos pés. Mas essa proteção nem sempre é eficaz. O leitor mais cético pode se perguntar: “Mas os cientistas podem conhecer tão bem o interior da Terra sem irem lá?”. Ótima pergunta. O mapeamento do interior terrestre é um dos vários exemplos em ciência que extraímos informação sobre algum sistema sem observá-lo diretamente. As informações sobre o mundo subterrâneo nos são reveladas por um dos eventos mais catastróficos do mundo natural, os terremotos. Se, como descrevi acima, a densidade do interior terrestre aumenta em direção ao centro e a parte superior do manto é feita de material rochoso líquido (o magma, que vira lava quando expelido por vulcões), basicamente nós aqui na superfície boiamos sobre esse material. A caldeira infernal do interior gera quantidades enormes de gases que procuram por um escape em direção à superfície. A pressão é tão grande que chega a locomover pedaços da crosta, às vezes aproveitando falhas e fissuras. Esses movimentos são os terremotos, como os que ocorreram recentemente na Turquia e em Taiwan, causando a morte de milhares de pessoas. Nós, no Brasil, somos abençoados pela ausência de terremotos. E de vulcões, furacões... Um terremoto que mede 7 na escala Richter (em torno de 25 por ano), libera 10 25 ergs de energia, isto é, dez trilhões de trilhões de ergs, a energia equivalente à queima de 38 bilhões de litros de gasolina! Essa violência se propaga pela Terra em forma de ondas de dois tipos, as ondas de pressão (onda-P) e as ondas de torção (onda-S, do inglês “shear”). As ondas-P se propagam frontalmente, como uma coluna de dominós que vai caindo quando o primeiro é empurrado, enquanto a onda-S é mais parecida com as vibrações verticais de corda de um violão. Essas ondas partem dos focos do terremoto e se propagam pela Terra em várias direções, emergindo em pontos diferentes do planeta, onde elas são estudadas por estações sismográficas. A partir das medidas obtidas nessas estações e das propriedades dessas ondas, podemos inferir qual a composição material do interior da Terra, como uma espécie de raio X. Por exemplo, sabemos que as ondas-S são absorvidas por meios líquidos. Usando o fato de que ondas-S jamais são detectadas em pontos diametralmente opostos do planeta, ou seja, que elas não atravessam a Terra passando pela sua região central,deduzimos que essa região deve ser líquida. Claro, o grande desafio para os que estudam terremotos é a possibilidade de prever quando eles irão ocorrer. Infelizmente, ainda não podemos prever a ocorrência de terremotos, apenas locais de maior risco. A resposta, por enquanto, permanece soterrada no caos subterrâneo. GLEISER, Marcelo. Folha de São Paulo, 24/10/99. I. Considere o texto A fúria do interior terrestre e responda às perguntas a seguir. 1. . Qual o problema ou tema que o texto se propõe a desenvolver? _____________________________________________________________________ 2. A que gênero discursivo pertence? _______________________________________________________________________
  36. 36. Comunicação e Expressão I Prof.: Neide Elias 1º SEMESTRE DE 2008 36 3. Qual o tipo de seqüência predominante? _______________________________________________________________________ 4. Que tipo de público o texto pretende alcançar? _______________________________________________________________________ 5. No 5 o parágrafo o autor faz comparações, complete o quadro a seguir: Idéia conhecida Idéia nova ou desconhecida queima de 38 bilhões de litros de gasolina as ondas-P se propagam frontalmente vibrações verticais de corda de um violão 6. O último parágrafo do texto A fúria do interior terrestre apresenta as considerações finais, podemos afirmar que estas: a) confirmam ou negam a tese inicial do texto? b) fazem crer que a ciência esgotou os conhecimentos sobre o assunto? 7. Que tempo e modo predominam entre as formas verbais empregadas? __________________________________________________________________ 8. Apresenta tendência à presença ou ausência de um sujeito enunciador no texto? ___________________________________________________________________

×